Yin-yang

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Liang Yi, as duas linhas iniciais geradas pelo Tai Jiː uma inteira Yang e uma quebrada Yin.
Chinês tradicional 陰陽
Chinês simplificado 阴阳
Pinyin yīnyáng
Coreana hangul 음양
Coreano hanja 陰陽
Coreano romanizado oficial eumyang
Coreano romanizado
McCune-Reischauer
ŭmyang
Vietnamita Âm-Dương
Japonês kanji 陰陽
Japonês romanizado in'yō/onmyō
Tailandês หยิน หยาง ou อิม เอี้ยง

Yin e Yang são conceitos do taoismo que expõem a dualidade de tudo que existe no universo. Descrevem as duas forças fundamentais opostas e complementares que se encontram em todas as coisas: o yin é o princípio feminino, noite, Lua, a passividade, absorção. O yang é o princípio masculino, Sol, dia, a luz e atividade.[1]

Segundo essa ideia, cada ser, objeto ou pensamento possui um complemento do qual depende para a sua existência. Esse complemento existe dentro de si. Assim, se deduz que nada existe no estado puro: nem na atividade absoluta, nem na passividade absoluta, mas sim em transformação contínua. Além disso, qualquer ideia pode ser vista como seu oposto quando visualizada a partir de outro ponto de vista. Neste sentido, a categorização seria apenas por conveniência. Estas duas forças, yin e yang, seriam a fase seguinte do "tao", princípio gerador de todas as coisas, de onde surgem e para onde se destinam.

O tei-gi[2] ou t'ai-chi,[3] a forma mais conhecida de se representar o conceito de yin-yang.

Esta doutrina é de uso corrente na medicina tradicional chinesa.

Nos estudos de I Ching, são duas as Linhas Iniciais geradas pelo Tai Ji, uma Inteira Yang e uma Quebrada Yin, formando o Liang Yi.

Princípios complementares[editar | editar código-fonte]

O tai chi tu representa a geração do tei-gi a partir do vazio[4]

Segundo este princípio, duas forças complementares compõem tudo que existe, e do equilíbrio dinâmico entre elas surge todo movimento e mudança. Essas forças sãoː

Yang (69) Yin
Dia Luz Estrela Acima Cabeça Mão Qian Horizontal Eclipse União Meio Tronco Noite Escuridão Sombra Lua Abaixo Barriga Pé Kun Vertical
Homem Macho Duro Forte Rápido Esperto Pesado Difícil Tempo Céu Sempre Paz Amor Reprodução União Mulher Fêmea Mole Fraca Lenta Lerda Leve Fácil Espaço Terra Nunca Guerra Ódio
Defender Proteger Amigo Neutro Ofender Atacar Inimigo
Virtude Angelical Santo Saudável Celestial Humanos Pecado Demoníaca Satânica Doentia Infernal
Esquerdo (Magia Branca) Centro (Magia Cinza) Direita (Magia Negra)
Fu Xi Shennong Nu Kua
Futuro Filho/a Frente Presente Pai/Mãe Meio Passado Avô/ó Costas
Yang Ming Zhen - Tai Yin Dui Shao Yang Kan - Jue Yin Li Tai Yang Gen - Shao Yin Xun
Mago Arqueiro Cavaleiro
Comprar $ Vender
Entrar Outono (Cabeça Pensar) Descer Inverno Zang-Fu Terra Mudar Subir Primavera (Tronco Sentir) Sair Verão
In~ ~alar Respirar ("Reespiritualizar") Ex~
Vida Energia Espírito Paz Mover Cansar Gastar Qi Morte Matéria Corpo Guerra Parar Repousar Poupar
Oeste Feng Shui Leste
Alegria Riqueza Casar Tristeza Pobreza
Shang Zhong Dantian Xia
Falar Som Vishuddha Audição Calar Silêncio
Qian Zhen Kan Gen Ba Gua Kun Xun Li Dui
12 15 18 21 24h 0 3 6 9
180 225 270 315 360 Graus 0 45 90 135

Essas qualidades acima atribuídas a cada uma das dualidades são não definições, mas analogias que exemplificam a expressão de cada um deles no mundo fenoménico. Os princípios em si mesmos estão implícitos em toda e qualquer manifestação.

Os exemplos acima não incluem qualquer juízo de valor, e não há qualquer hierarquia entre os dois princípios. Assim, referir-se a yang como positivo apenas indica que ele é positivo quando comparado com yin, que será negativo. Esta analogia é como a carga elétrica atribuída a prótons e nêutrons: os opostos complementam-se, positivo não é bom ou mau, é apenas o oposto complementar de negativo.

O diagrama do tei-gi simboliza o equilíbrio das forças da natureza, da mente e do físico. Yang (branco) e yin (preto), integrados num movimento contínuo de geração mútua, representam a interação destas forças.

A realidade observada é fluida e em constante mutação, na perspectiva da filosofia chinesa tradicional. Portanto, tudo que existe contém tanto o princípio yin quanto o yang. O símbolo tei-gi expressa esse conceito: o yang origina o yin, e o yin destina o yang.

Desde os primeiros tempos, os dois polos arquetípicos da natureza foram representados pelo claro e pelo escuro, pelo inflexível e pelo dócil, pelo acima e pelo abaixo. O yang, o poder criador, era associado ao céu e ao Sol, enquanto o yin corresponde à agua, ao receptivo. O céu está acima e está cheio de movimento. A água - na antiga concepção geocêntrica - está em baixo e em repouso.

Dessa forma, yin passou a simbolizar o repouso, e yang, o movimento. No reino do pensamento, yin é a mente intuitiva, complexa, ao passo que yang é o intelecto, racional e claro. Yin é a tranquilidade contemplativa do sábio, yang a vigorosa ação criativa do rei.

Esse diagrama apresenta uma disposição simétrica do yin sombrio e do yang claro. A simetria, contudo, não é estática. É uma simetria rotacional que sugere, de forma eloquente, um contínuo movimento cíclico. Os dois pontos do diagrama simbolizam a ideia de que, toda vez que cada uma das forças atinge seu ponto extremo, manifesta, dentro de si, a semente de seu oposto.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Yin-yang

Referências

  1. Grande enciclopédia Larousse (página 11 710). Madri: Planeta.
  2. LAO-TSÉ. Tao Te Ching: o livro que revela Deus. Tradução de Huberto Rohden. São Paulo. Martin Claret. 2003. p. 25.
  3. VELTE, H. Dicionário ilustrado de budô. Tradução de S. Pereira Magalhães. Rio de Janeiro. Tecnoprint. 1981. p. 150.
  4. WU, J. Tai chi chuan: a alquimia do movimento. 5ª edição. Rio de Janeiro. Mauad. 2010. p. 26.