Medicina tradicional chinesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Venda de produtos para MTC em Hong Kong [1].

A medicina tradicional chinesa (MTC), também conhecida como medicina chinesa (em chinês 中醫, zhōngyī xué, ou 中藥學, zhōngyaò xué), é a denominação usualmente dada ao conjunto de práticas de medicina tradicional em uso na China, desenvolvidas no curso de sua história [2] [3]. A MTC é utilizada principalmente como medicina alternativa, com caráter integrativo e complementar - não substitutivo - à medicina alopática [4]. Observe-se que é uma história que não corresponde exatamente a China que conhecemos hoje, e sim a Ásia, ao longo de milhares de anos, quando foram se consolidando as fronteiras dos atuais países e desenvolvendo uma civilização que reuniu mais da metade das descobertas e invenções tecnológicas do "mundo moderno". [5] [6] [7]

Para Padilla (o.c.) a medicina chinesa pode ser considerada, portanto, uma "sistematização" das mais antigas formas de medicina oriental, abrangendo, para fins de estudo, as outras medicinas da Ásia, como os sistemas médicos tradicionais do Japão, Taiuan, da Coreia, do Tibete e da Mongólia. [8] [9]

A MTC foi desenvolvida empiricamente a partir da experiência clínica, e documentada em muitos textos, hoje clássicos [10]. Se fundamenta numa estrutura teórica sistemática e abrangente, de natureza filosófica. Ela inclui entre seus princípios o estudo da relação de yin/yang, da teoria dos cinco elementos e do sistema de circulação da energia pelos meridianos do corpo humano. [11] [12]

Tendo como base o reconhecimento das leis fundamentais que governam o funcionamento do organismo humano e sua interação com o ambiente segundo os ciclos da natureza, procura aplicar esta compreensão tanto ao tratamento das doenças quanto à manutenção da saúde através de diversos métodos. [3]

Uma pseudociência?[editar | editar código-fonte]

A MCT tem por princípio básico a teoria da energia vital do corpo (chi ou qi) que circula pelo corpo através de canais, chamados de meridianos, os quais teriam ramificações que os conectariam aos órgãos[13]. Os conceitos de “corpo” e “doença” utilizados pela Medicina Tradicional Chinesa se baseiam em noções de uma cultura pré-científica, similar à teoria europeia dos humores (humorismo), em voga até o advento das pesquisas médicas modernas dos anos 1800[14]. Pesquisas científicas não encontraram nenhuma prova fisiológica ou histológica dos conceitos tradicionais chineses, como qi, meridianos ou mesmo pontos de acupuntura[4].

A teoria e a prática da Medicina Tradicional Chinesa não são baseadas em conhecimento científico, e seus praticantes discordam grandemente sobre os diagnósticos e os tratamentos dos pacientes[13]. A eficácia da medicina fitoterápica chinesa continua pouco pesquisada e documentada[15].

Pesquisas farmacêuticas têm explorado o potencial de criação de novos remédios  baseados em princípios ativos que poderiam ser encontrados em soluções da MCT, mas têm obtido pouco sucesso. Editorial da revista especializada “Nature” descreve a Medicina Tradicional Chinesa como repleta de pseudociência (“fraught with pseudoscience”)[16]. Contudo algumas plantas ou seus componentes já possuem aplicação na medicina ocidental, recentemente a investigação da planta Qing Hao (青蒿)Artemisia annua, por exemplo, utilizada na medicina tradicional chinesa para febres resultou na atribuição do Prêmio Nobel de Medicina (2015) a Youyou Tu por sua pesquisa sobre efeito de um de seus componentes, a Artemisinina. [17] [18]

Técnicas terapêuticas da MTC[editar | editar código-fonte]

Como anteriormente dito a MCT tem por princípio básico a teoria da energia vital do corpo (chi ou qi) que circula pelo corpo através de canais, chamados de meridianos, os quais teriam ramificações que os conectariam aos órgãos[13]. Os conceitos de “corpo” e “doença” utilizados pela Medicina Tradicional Chinesa se baseiam em noções de uma cultura pré-científica, similar à teoria europeia dos humores (humorismo), em voga até o advento das pesquisas médicas modernas dos anos 1800[19]. Pesquisas científicas não encontraram nenhuma prova fisiológica ou histológica dos conceitos tradicionais chineses, como qi, meridianos ou mesmo pontos de acupuntura[4].

A teoria e a prática da Medicina Tradicional Chinesa não são baseadas em conhecimento científico, e seus praticantes discordam grandemente sobre os diagnósticos e os tratamentos dos pacientes[13]. A eficácia da medicina fitoterápica chinesa continua pouco pesquisada e documentada[20].

Pesquisas farmacêuticas têm explorado o potencial de criação de novos remédios  baseados em princípios ativos que poderiam ser encontrados em soluções da MCT, mas têm obtido pouco sucesso. Editorial da revista especializada “Nature” descreve a Medicina Tradicional Chinesa como repleta de pseudociência (“fraught with pseudoscience”)[21].

Os principais métodos de tratamento da medicina tradicional chinesa [22] básicamente são:

Mapa de pontos para acu-moxa, na parte frontal da cabeça em xilogravura chinesa do período Yuan (1206-1368).
  1. Tui Na ou Tuiná (推拿)
  2. Acupuntura (針疚)
  3. Moxabustão (艾炙)
  4. Ventosaterapia (拔罐)
  5. Fitoterapia chinesa (中药)
  6. Terapia alimentar chinesa (食療) ou dietoterapia chinesa
  7. Práticas físicas: exercícios integrados a prática de meditação relacionadas à respiração e à circulação da energia, como o qi gong (氣功), o Tai ji quan (太極拳) e outras artes marciais chinesas internas que podem contribuir para o reequilibrio do organismo. Estas práticas são consideradas simultaneamente métodos profiláticos para a manutenção da saúde e formas de intervenção para recuperá-la. Práticas como o Zhan Zhuang (站椿), o Baduanjin (八段锦) e o Lian gong (练功)são realizadas atualmente fora do contexto das artes marciais.

A medicina tradicional chinesa utiliza a fitoterapia e outros medicamentos como seu último recurso para combater os problemas de saúde.

Segundo sua crença básica, o corpo humano dispõe de um sistema sofisticado para localizar as doenças e direcionar energia e recursos para curar os problemas por si mesmo.

O objetivo dos esforços externos deveria se focar em cuidadosamente auxiliar as funções de auto cura do corpo humano, sem interferir. Refletindo esta mesma ideia, um ditado chinês diz que "qualquer remédio tem 30% de ingredientes venenosos".

Atualmente, a medicina tradicional chinesa está progressivamente incorporando técnicas e teorias da medicina ocidental em sua práxis, em especial os tipos de exames sem características invasivas.

Outras técnicas associadas a estes métodos
  • Gua Sha ou "esfregar moedas" (刮痧), técnica associada ao Tui Na.
  • Auriculopuntura (耳燭療法), especialidade da acupuntura.

O diagnóstico na MTC[editar | editar código-fonte]

Mercado de medicamentos e ervas em Xangai.
As conhecidas barbatanas de tubarão à venda em loja de medicamentos chineses

Os aspectos básicos a considerar em um diagnóstico pela MTC [23] são:

  • observar (望 wàng),
  • ouvir e cheirar (聞 wén),
  • perguntar sobre o histórico do paciente (問 wèn),
  • palpar o pulso, tórax e abdome, várias partes do corpo, os canais e os pontos (切 qiè).

A partir das informações reunidas desta forma pelo terapeuta, é elaborado um diagnóstico usando como referência um sistema para classificar os sintomas apresentados.

Este sistema se fundamenta no conhecimento dos seguintes princípios teóricos:

Diagrama do "Meridiano" do estômago

Técnicas de diagnóstico[editar | editar código-fonte]

  • Tomada do pulso da artéria radial do paciente em seis posições distintas para avaliar o fluxo de energia em cada meridiano.
  • Observação da face do paciente.
  • Observação da aparência dos olhos do paciente.
  • Observação da aparência da língua do paciente.
  • Observação superficial da orelha.
  • Observação do som da voz do paciente.
  • Palpação do corpo do paciente, especialmente do abdômen.
  • Comparações da temperatura em diferentes partes do corpo do paciente.
  • Observação da veia do dedo indicador em crianças pequenas.
  • Tudo mais que possa ser observado sem instrumentos e sem ferir o paciente, como uma conversa levantando seu histórico de saúde e suas queixas atuais.

Para trabalhar com os sistemas de diagnósticos da MTC é preciso desenvolver a habilidade de observar aparências sutis, observar o que está bem a nossa frente mas escapa da observação da maioria das pessoas.

Na China atual, cada vez mais o diagnóstico pela MTC interage com métodos de diagnóstico ocidentais, direcionando-se gradualmente para uma total integração entre os dois sistemas. Frequentemente os praticantes combinam os dois sistemas para avaliar o que acontece com seu paciente.[carece de fontes?]

Patologias e síndromes[editar | editar código-fonte]

Patologia interna[editar | editar código-fonte]

Na medicina tradicional chinesa a patologia interna tem como causa desequilíbrios internos [23] [24] tais como:

As principais perturbações energéticas:

  • Sintomas moderados / subtis
  • Evolução gradual

Coincide com o conceito ocidental de patologia crónica.

Patologia externa[editar | editar código-fonte]

Na visão da medicina tradicional chinesa a patologia externa tem como causa a penetração de factores externos (ou agentes perversos externos Xie Qi) no organismo:

  • Frio/Calor
  • Vento/Umidade
  • Secura/Canícula

As principais perturbações energéticas:

  • Início rápido
  • Sintomas intensos/agudos
  • Evolução rápida

Corresponde ao conceito ocidental de patologia aguda.

Sinais, sintomas e síndromes[editar | editar código-fonte]

  • Sinais:
    • Clínicos: Observados directamente na consulta (rosto, língua, pulso)
    • Funcionais: O paciente diz em consulta.
  • Sintoma - É o sinal interpretado pelo que se torna sintoma.
  • Síndrome - É o conjunto de sintomas. Estes são regulares e consistentes.

Síndromes gerais[editar | editar código-fonte]

Conjunto de sintomas que dizem respeito à totalidade do organismo e a nenhum órgão em específico.

Síndromes de órgão[editar | editar código-fonte]

Conjunto de sintomas que se referem à perturbação de um dos órgãos principais.

Mão Ligação
Pulmão Tai Yin (Frontal) Baço-pâncreas
Coração Shao Yin (Costal) Rim
Pericárdio Jue Yin (Central) Fígado

Datas históricas da Medicina Tradicional Chinesa[editar | editar código-fonte]

Além de datas específicas de conquistas da arte médica, a invenção da escrita e metalurgia modificaram os rumos e evolução dessa técnica no contexto da civilização chinesa.

  • 4115 – 4365 aC. - Yang Shao, parentesco matrilinear; Lung Shao, parentesco patrilinear [25] - condição essencial para entender as regras avô-filho-neto no estudo dos 5 elementos.
  • 513 aC.- Primeira referência a fundição do ferro [27]
  • 501 a C. - Referência a 4 processos de diagnóstico médico: exame da tez; da língua; auscultação com técnicas da época; exame de pulso e história médica do paciente [27]
  • 436 a C. - Cálculo do ano solar 365 dias 3, 1/4 [27]
  • 289 a C. - Morte de Mêncio, discípulo de Confúcio [27]
  • 113 a.C. - Agulhas de ouro e prata incluídas na tumba do príncipe Liu Sheng [29]
  • 140 a.C. - Primeira obra de alquimia chinesa [27]
  • 160 a.C. - Hospitais - controle do ensino médico na corte [3]
  • 0 – 200 d.C.- Segunda dinastia Han; Primeiros hospitais, que aumentam de número com desenvolvimento do Budismo [26] [30]
  • 50 - Chegada do Budismo [26]
  • 215-282 - O médico Zhenjiu Jiayijing de Anding – Gansu publica uma síntese e sistematização do nei jing definindo nomes para 348 pontos [31]
  • 300 (século IV) - Publicação das coletâneas de Ge Gong refere-se a moxa com alho e sal para infecções com pus e diversas outras indicações em “Receitas para casos urgentes ao alcance da mão” [31]
  • 600 - Publicação tipográfica (?) sobre acupuntura [30]
  • 618-917 - Dinastia Tang cria o Instituto de Medicina Imperial (Tai Yi Shu) com departamentos separados de acupuntura, moxabustão e farmacologia [31]
  • 624 - Início dos exames sistemáticos controlados pelo estado representado pelo Tai-yi-chou (grande serviço médico) cujo quadro efetivo era de 349 funcionários [3]
  • 1000 - Impressão c/ tipos móveis [26]
  • 1200 - impressão de ilustrações; publicações de trabalhos de botânica [30]
  • 1500 - Hospitais colônias de leprosos [30]
  • 1518-1593 (século XVI) - O médico Li Shizhen publica Compêndio de matéria médica (Ben Cao Gang Mu) com recomendações da moxabustão para esquentar os canais e eliminar o frio e umidade. Inclui detalhada descrição da farmacopéia até então conhecida, reunindo 443 produtos derivados de animais; 1074 substancias vegetais e 354 produtos minerais. [31] [3]
Ginkgo biloba uma das plantas da farmacopéia chinesa mais conhecidas, pesquisadas e utilizadas na medicina ocidental

SATCM[editar | editar código-fonte]

Administração Estatal de Medicina Tradicional Chinesa da República Popular da China (SATCM - State Administration of Traditional Chinese Medicine of the People's Republic of China) foi fundada em 1955. A função da organização é a de organizar a forma de treinar MTC profissionais médicos, fazer pesquisa acadêmica, explorar a tecnologia e proteger a propriedade intelectual.

Destaca-se entre suas proposições formais:

1. A formulação de estratégias, planos, políticas e normas relevantes para o desenvolvimento da medicina tradicional chinesa (MTC) inclusive como patrimônio imaterial.

2. Supervisionar os cuidados de saúde, prevenção de doenças, preservação da saúde e reabilitação, bem como a prescrição clínica do TCM, orientar, planejar e coordenar a estrutura das instituições MTC médicas e de pesquisa

3. Para a realização do censo sobre a "matéria medica chinesa", bem como promover a sua protecção, exploração e utilização racional, com a formulação do plano de desenvolvimento industrial e as políticas industriais de apoio ao MTC, e instituição da lista de medicamentos essenciais.

4. Para conduzir desenvolvimento internacional e a propagação do MTC, inclusive com a colaboração e cooperação com Hong Kong, Macau e Taiwan.

5. Para executar outras tarefas e ordens do Conselho de Estado e Ministério da Saúde.

Regulamentação[editar | editar código-fonte]

Brasil[editar | editar código-fonte]

A portaria nº 971, de 3 de maio de 2006 aprova a MTC como uma das práticas integrativas da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde.[32] Quando criada, eram ofertados apenas cinco procedimentos, após 10 anos, em 2017, foram incorporadas 14 atividades, chegando as 19 práticas disponíveis atualmente à população.[33]

Em março de 2018, o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de dez novas Práticas Integrativas e Complementares (PICS) para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), o Conselho Federal de Medicina (CFM) informou que as práticas alternativas ou integrativas, como as aprovadas pelo ministério, "não têm base na medicina e são sem evidências".[33]

Em 2019, durante a passagem do então presidente Bolsonaro pela China, assinou-se em Pequim um convênio para o ensino de Medicina Tradicional Chinesa (MTC) na Universidade Federal de Goiás (UFG)[34], a revista britânica The Economist já havia notado alguns anos atrás que o governo chinês vem usando seu considerável poder econômico, canalizado através da rede global de “Institutos Confúcio”, para estimular o ensino e o uso de MTC.[35] O conselho também emitiu uma nota.[36]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Segundo o presidente do Conselho Federal de Medicina, Carlos Vital, as práticas integrativas feitas no SUS não têm resolubilidade e não têm fundamento na Medicina baseada em evidência (MBE) – ou seja, ignoram a integração da habilidade clínica com a melhor evidência científica disponível, e que "A aplicação de verbas nessa área onera o sistema, é um desperdício e agrava ainda mais o quadro do SUS com carências e faltas".[37]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Farmácia chinesa Tong Sin Tong em Macau com letreiro bilíngue

Em Portugal a Medicina Tradicional Chinesa tem vindo a ganhar adeptos e tornado-se uma das mais recorrentes clínicas especializadas em técnicas de tratamento de medicina alternativa e popular. A tradição da China - Portuguesa em Macau é uma das fontes ainda não completamente exploradas e dimensionadas do "sincretismo" entre o pensamento tradicional chinês e a cultura ocidental. A tradução e adaptação de concepções do pensamento chinês na língua portuguesa datam pelo menos 400 anos, período em que essa Região Administrativa Especial da República Popular da China foi colonizada e administrada por Portugal. Observe-se porém que é recente o desenvolvimento de instituições públicas, como o Centro de Saúde do Fai Chi Kei, que incluem uma clínica de medicina tradicional chinesa desde 1999 e institutos de ensino de medicina tradicional chinesa. [38] [39]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Medicina tradicional chinesa

Referências

  1. Chung V. et al. Use of traditional chinese medicine in the Hong Kong special administrative region of China. J Altern Complement Med. 2007 Apr;13(3):361-7. NCBI (Abstract) Acesso Dez. 2014
  2. Birch, Stephen J.; Felt, Robert L. Entendendo a acupuntura. SP, Roca, 2002
  3. a b c d e Beau, Georges. A Medicina Chinesa. RJ, Ed. Interciencia 1982
  4. a b c National Centre for Complementary and Integrative Health (Outubro de 2013). «Traditional Chinese Medicine, National Center for Complementary and Alternative Medicine, Traditional Chinese Medicine: An Introduction». nccih.nih.gov. Consultado em 1 de Fevereiro de 2015 
  5. Ribeiro, Darcy O Processo Civilizatório, Etapas da Evolução Sócio-Cultural. RJ, Ed Civilização Brasileira, 1975
  6. Temple, Robert K G. A inventividade Chinesa IN: Unesco, o Correio (ano 16 nº 12) O Gênio Científico da China. RJ Unesco/Fundação Getúlio Vargas, 1988
  7. Corral, José Luis Padilla. Fundamentos da Medicina Tradicional Oriental. SP, Roca, 2006
  8. Hye-Lim Park, Hun-Soo Lee, Byung-Cheul Shin, et al., “Traditional Medicine in China, Korea, and Japan: A Brief Introduction and Comparison,” Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, vol. 2012, Article ID 429103, 9 pages, 2012. doi:10.1155/2012/429103
  9. Chen, Fang-Pey et al. “Use Frequency of Traditional Chinese Medicine in Taiwan.” BMC Health Services Research 7 (2007): 26. PMC. Web. 10 Dec. 2014.
  10. Zheng ZY, et al. Zhongguo yi xue shi [The History of Chinese medicine].Shanghai, Shanghai Science and Technology Press, 1984. apud: World Health Organization. Benchmarks for training in traditional /complementary and alternative medicine: benchmarks for training in traditional Chinese medicine. Switzerland, WHO Press, 2010 ISBN 978 92 4 159963 4 PDF Acesso Dez. 2014
  11. Chonghuo, Tian. Tratado de Medicina Chinesa. SP, Roca, 1993
  12. Livro dos 4 Institutos – Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Beijing; Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Shanghai; Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Nanjig; Academia de Medicina Tradicional Chinesa. Fundamentos essenciais da acupuntura chinesa. SP, Ed. Ícone, 1995
  13. a b c d Stephen Barrett, M.D. (Janeiro de 2011). [www.quackwatch.org/01QuackeryRelatedTopics/acu.html «"Be Wary of Acupuncture, Qigong, and 'Chinese Medicine"»] Verifique valor |URL= (ajuda). Consultado em 1 de Fevereiro de 2015 
  14. Steven Novella (janeiro de 2012). «What Is Traditional Chinese Medicine?». Science Based Medicine. 
  15. Shang, A.; Huwiler, K.; Nartey, L.; Jüni, P.; Egger, M., "Placebo-controlled trials of Chinese herbal medicine and conventional medicine comparative study". (2007). International Journal of Epidemiology 36 (5): 1086–92. [S.l.: s.n.] ISBN 17602184 Verifique |isbn= (ajuda) 
  16. «Hard to swallow». Nature. Consultado em 1 de fevereiro de 2015 
  17. TARDÓN. Laura. PREMIOS NOBEL 2015. El Nobel de Medicina premia nuevos tratamientos contra infecciones de parásitos y malaria El Mundo, Madrid, 06/10/2015 Acesso Out. 2015
  18. Nobel Assembly at Karolinska Institutet. 2015 Nobel Prize in Physiology or Medicine William C. Campbell, Satoshi Ōmura and Youyou Tu.PDF Aces. Out. 2015
  19. Steven Novella (janeiro de 2012). «What Is Traditional Chinese Medicine?». Science Based Medicine. 
  20. Shang, A.; Huwiler, K.; Nartey, L.; Jüni, P.; Egger, M., "Placebo-controlled trials of Chinese herbal medicine and conventional medicine comparative study". (2007). International Journal of Epidemiology 36 (5): 1086–92. [S.l.: s.n.] ISBN 17602184 Verifique |isbn= (ajuda) 
  21. «Hard to swallow». Nature. Consultado em 1 de fevereiro de 2015 
  22. National Center for Complementary and Alternative Medicine (NCCAM). Traditional Chinese Medicine: An Introduction. NCCAM Pub No.: D428 Acesso Dez. 2014
  23. a b Auteroche, B.; Navailh P. O diagnóstico na medicina chinesa. SP, Andrei, 1986
  24. Liu, Yanchi. The Essential Book of Traditional Chinese Medicine: Volume I: Theory. NY, Columbia University Press, 1987 Google Books Acesso Dez. 2014
  25. a b Eliade Mircea História das crenças e idéias religiosas Tomo II Vol I RJ, Ed Zahar, 1983
  26. a b c d e f g h Blunden, C. Elvin M.. China o gigante milenário RJ Fernando Chinaglia / Madrid. Del Prado, 1977
  27. a b c d e f g h i Gernet, J. O Mundo chinês, Pt, Lisboa – Br, RJ, Ed. Cosmo, 1975
  28. NEEDHAM, Joseph; GWEI-DJEN, Lu. Celestial Lancets: A History and Rationale of Acupuncture and Moxa. London, Cambridge University Press, 1980 p.88-89 Disonível no Google Books Consulta em Março de 2014
  29. Ebrey, Patricia Buckley (org.). Han tomb of Liu Sheng in: A Visual Sourcebook of Chinese Civilization. Freeman Foundation / Chiang Ching- Kuo Foundation. Acess. Jun. 2015.
  30. a b c d e Ronan, Colin A. História Ilustrada da Ciência da Universidade de Cambridge (4vol.) vol 2 - Oriente, Roma Idade Média RJ, Zahar Ed, 1987
  31. a b c d Weikang, Fu. Acupuntura y moxibustion - bosquejo histórico. Ediciones em lenguas extranjeras, Beijing, China, 1983
  32. «PORTARIA Nº 971, DE 03 DE MAIO DE 2006» (PDF). Ministério da Saúde. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  33. a b Mendonça, Alba Valéria (12 de março de 2018). «Ministério da Saúde anuncia aromaterapia, florais e bioenergética entre 10 novos procedimentos no SUS». G1 - Rio de Janeiro. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  34. «UFG cria o Instituto Confúcio de Medicina Tradicional Chinesa». UFG - Universidade Federal de Goiás. 29 de outubro de 2019. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  35. «A perigosa promoção da Medicina Tradicional Chinesa no Brasil». Instituto Questão de Ciência. Revista Questão de Ciência. 28 de outubro de 2019. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  36. «NOTA À POPULAÇÃO E AOS MÉDICOS Tema: Incorporação de práticas alternativas pelo SUS» (PDF). Conselho Federal de Medicina. 13 de março de 2018. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  37. «Para CFM, práticas integrativas incorporadas ao SUS não têm fundamento científico». Conselho Federal de Medicina. 13 de março de 2018. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  38. Macau University of Science and Technology Faculty of Chinese Medicine Acesso Dez. 2014
  39. Institute of Chinese Medical Sciences, University of Macau Acesso Dez. 2014

Ligações externas[editar | editar código-fonte]