Artes marciais chinesas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Kung fu" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Kung Fu (desambiguação).

As artes marciais chinesas (Zhōngguó wǔshù, 中國武術), kung fu (Gōngfū, 功夫) ou wushu (Wǔshù, 武術 ou 武术) referem-se à variedade de estilos de artes marciais provenientes da China.

História das artes marciais chinesas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Linha do tempo das artes marciais

Modos de lutar provavelmente existem desde que os primeiros hominídeos passaram a habitar o planeta terra. Formas de lutar e caçar com armas, desde que conseguiram evoluir para a manipulação de objetos. Técnicas de combate são tão antigas e têm origens tão remotas quanto a guerra. Mas as artes marciais chinesas não são somente métodos de lutas. São a sistematização e teorização destes métodos a partir de categorias próprias da cultura. A cultura está e sempre esteve em transformação, gerando continuamente novos significados para a arte marcial. O que se tem ainda hoje é um processo vivo de origens de novas e renovadas artes, escolas e estilos de “kung fu”.

Alega-se que a maioria das artes marciais chinesas e algumas artes marciais japonesas são originárias de Bodhidharma, um monge indiano que teria vivido, segundo certas narrativas, alguns anos no Templo Shaolin (um mosteiro budista) durante sua visita à China no século VI A.C. Estudiosos consideram essa alegação com considerável ceticismo, já que notas históricas e a arqueologia moderna relatam origens mais antigas de algumas técnicas e escolas chinesas.[1]

De qualquer forma, o Templo Shaolin, localizado na província de Henan, próximo à cidade de Dengfeng, conta com séculos de tradição, fomentando as artes marciais, já que o templo proporcionou abrigo para artistas marciais das mais variadas escolas, provenientes de toda a China[2][3][4]. Outro local famoso como suposta origem de diversas artes marciais é a montanha de Wudang, Patrimônio Mundial da UNESCO, onde existem diversos templos taoístas[5]. Alega-se que Wudang teria sido o centro nascedouro das artes marciais ditas "internas" (neijia, 内家)[6].

Apesar das lendas, mitos e histórias de origem que postulam uma antiguidade milenar para as artes marciais chinesas, há muito pouco indício histórico documentado de algo capaz de ser considerado próximo ao que entendemos com “kung fu”, de modo mais sistematizado, antes do século XVI, durante a Dinastia Ming[4]. A grande maior parte das escolas e estilos de artes marciais existentes hoje tem origem documentada do século XIX em diante[7].

A moderna história das artes marciais chinesas pode ser traçada a partir da época em que foi criada a Associação Jingwu. Desde o final do século XIX, nos últimos anos da Dinastia Qing e início da história republicana da China, houve um primeiro grande projeto de “modernização” cultural do país[8][9]. Nesta época, na cidade de Shanghai, um centro cosmopolita de atividade comercial e trânsito internacional intenso, era criada a Associação Jingwu (Chin Woo). Nela, juntamente com diversas práticas esportivas e lúdicas do ocidente, desenvolveram-se atividades educacionais envolvendo artes marciais.[10] A partir dos anos 1910, diversas associações foram sendo criadas com escopo nas artes marciais e na sua relação com a nacionalidade, como foram, por exemplo, os casos da própria Escola da Calistenia Jingwu de Xangai (1910), renomeada como Associação Atlética Jingwu em 1916, Associação dos Wushi[11] de Tianjin (1911), Sociedade de Pesquisa sobre as Artes Marciais de Xangai (1911) e Sociedade de Pesquisa sobre Artes da Espada de Pequim (1912).[12]

O ensino de artes marciais – na época, comumente, referidas pela palavra wuyi (武藝) – na Associação Jingwu modificou bastante as formas que o seu conhecimento vinha sendo transmitido. Até então, não havia academias nas quais qualquer interessado poderia se matricular. Antes, as aulas eram restritas a membros de uma mesma família ou clã. Foi a Jingwu que abriu de certa maneira o ensino das artes marciais a qualquer interessado, inclusive mulheres, até então afastadas desta prática. Ela também modernizou o programa técnico a ser ensinado, criou sistemas de classificação e estimulou a escrita e a publicação de livros e manuais para a facilitação do aprendizado.[13]

O sucesso da Associação Jingwu acabou promovendo as artes marciais. Na época, a China estava passando por um processo histórico de muita agitação política e conflitos bélicos. Por volta dos anos 1930, o Partido Nacionalista dominava o governo. Ele incentivou a promoção das artes marciais em moldes semelhantes ao da Associação Jingwu. Foi quando surgiu a expressão guoshu (国术) ou kuoshu (em Wade-Giles), “arte nacional”. Também é desta época a criação da Academia Central de Artes Nacionais, com sede em Nanquim e com seções espalhadas pelo país.[13]

Quando o Partido Comunista Chinês chega ao poder em meados do século XX, o ensino das artes marciais já era uma política bem estabelecida de governo. Assim permaneceu. Contudo, as escolas, mestres e associações identificadas como o guoshu e o projeto nacionalista sofreram perseguições e acabaram se desenvolvendo fora da República Popular da China, fosse em Taiwan, Hong Kong ou no exterior, por exemplo[14]. Na época da Guerra Fria, o esporte era um meio importante de demonstração da superioridade ideológica. As competições, como as Olimpíadas, eram momentos para as nações e seus blocos demonstrarem para o mundo a sua grandeza. As artes marciais foram adaptadas pelo governo chinês para poderem cumprir este papel de divulgação da nova China que surgia. Uma das transformações foi de nomenclatura. Guoshu, termo muito associado ao partido nacionalista e ao seu projeto, foi transformado em wushu (武術 ou 武术). Na verdade, guoshu era uma provável simplificação de Zhongguo wushu (中國武術),“artes marciais chinesas”. A "nova" nomenclatura, neste sentido, apenas teria simplificado de outra forma.[13]

O princípio básico alteraria muito mais do que simplesmente a nomenclatura das artes marciais. O ecletismo do kuoshu seria substituído pela busca de padronização de formas e pela especialização dos atletas. A padronização servia para a montagem de rotinas que fossem capazes de impressionar o público pela sua beleza plástica e fornecer parâmetros de julgamento em competições. Enquanto isso, a formação de atletas visava tornar os seus rendimentos cada vez mais altos em suas especialidades, aumentando as suas chances em competições. Disso derivou, por exemplo, a separação entre luta e formas presente nas escolas mais modernas de boxe chinês ou de sanshou.[14][15]

Em matéria de estilos, a padronização das formas com vistas à exibição e a competições gerou um estilo híbrido de wushu a partir, sobretudo, de "escolas norte", o chamado Changquan, inspirado principalmente no shaolinquan e no huaquan.[16] As "artes internas" também receberam impacto do wushu. Com o objetivo de fomentar práticas ligadas à saúde, o governo chinês promoveu a formação, para uso escolar, de uma rotina curta simplificada de 24 movimentos a partir da forma longa de 103 movimentos do Taijiquan da família Yang.[17]

Estilos de artes marciais chinesas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de artes marciais chinesas

Há uma gama enorme de estilos, escolas e linhagens de artes marciais chinesas. São igualmente variados os seus objetivos e práticas sociais a que estão associados. Definir, por exemplo, as artes marciais chinesas apenas ao seu sentido de defesa pessoal ou a qualquer outro dos seus aspectos (artístico, filosófico, terapêutico, estético, lúdico, esportivo, espiritual etc.) seria excessivamente redutor[18]. Seus usos históricos, no passado e no presente, são vários e as suas características também variam muito de caso a caso. De tão diferentes muitas vezes entre si, é mais correto falar em "artes marciais chinesas", no plural, do que em "estilos" de "arte marcial chinesa". [19] De modo geral, há diversas classificações tradicionalmente utilizadas para organizar o conhecimento sobre as artes marciais chinesas na sua multiplicidade e variações.

Dependendo do estilo ou da escola de artes marciais chinesas, além das modalidades de "punho" (拳, quán), elas podem envolver técnicas de armas (器接, qì jiē)[20]. As sequências para treino, aprendizagem e desenvolvimento de técnicas de punho, em grande parte das escolas e estilos, são denominados taolu (套路) ou quantao (拳套)[21]. Existem diversas armas utilizadas nas artes marciais chinesas, sendo algumas delas bastante conhecidas como: jian (剑), a espada de corte duplo; qiang (枪), a lança; gun (棍), o bastão, e dao (刀), o sabre[20]. As técnicas de punho envolvem quatro elementos básicos (ou declinações): golpes com a mão (dǎ, 打), chutes (tī, 踢), controle de articulações (ná, 拿) e derrubadas (shuāi, 摔)[22]. Não se podem esquecer, portanto, dentre as técnicas de artes marciais chinesas, aquelas do chamado Shuaijiao (摔跤), envolvendo projeções e quedas[23], e do chamado Qinna (擒拿), com as suas técnicas de torções e imobilizações.[24]

Contemporaneamente, dividem-se também as artes marciais chinesas de acordo com características ligadas a proveniências. Tomando como limite o Rio Azul ( 長江, Cháng Jiāng ou Yangtze), divide-se a China entre norte e sul. Aos estilos provenientes do norte, dá se o nome genérico de Changquan (长拳), "punho longo". Aos estilos provenientes do sul, dá-se o nome genérico de Nanquan (南拳). Devido a dificuldade de precisar a origem histórica dos diversos estilos de artes marciais chinesas, há muitas controvérsias relacionadas a esta divisão por proveniência. Convencionalmente, associam-se aos estilos norte movimentos mais alongados dos membros, uso de chutes mais altos e flexibilidade[25]. Aos estilos sul, por outro lado, associam-se movimentos mais curtos, de força explosiva e bases mais fechadas[26]. Contudo, mesmo estas características gerais não são sempre verificadas em todos os estilos classificados como sul ou como norte. A divisão acaba sendo mais relevante nas competições de taolu no Wushu moderno[27].

Desde o início do século XX, as artes marciais chinesas têm sido divididas em duas grandes famílias: externas (外家, wàijiā) e internas (neijia, 内家)[28]. A diferença está em que tipo de treinamento seu foco principal compreende. Interno, em artes marciais, é o processo de entendimento, cultivo e direcionamento das "energias" que circulam pelo organismo. Externo é o processo que exprime a circulação energética de maneira visual e física nos músculos e movimentos corporais.[28] Estilos internos focalizam nos aspectos ligados ao desenvolvimento e direcionamento do Qi ou "energia vital", desde o início do treinamento. Os movimentos da maioria dos estilos internos, como, por exemplo, os do Taijiquan da Família Yang, são executados lentamente, embora alguns também incluam movimentos explosivos, como aqueles do Xinyiquan, Taijiquan da Família Chen e Baguazhang. O treinamento interno, em escolas tradicionais, costuma envolver práticas de posturas fixas de qigong, como, por exemplo, a "postura da árvore" (Zhan Zhuang). Estilos internos também podem abranger exercícios com armas. Treinamentos em duplas, como, por exemplo, o Tui Shou, são largamente utilizados em escolas internas de arte marcial[28]. Estilos externos são os mais comumente associados às artes marciais chinesas. São geralmente rápidos e explosivos, com foco na força física (, 力) e na agilidade[29]. São iniciados com um treinamento de força muscular, velocidade e aplicação e, geralmente, integram práticas de qigong marcial. Exemplos de estilos externos bem conhecidos são o Wing Chun, considerado um estilo de características sul (nanquan), e o Shaolinquan, considerado um estilo de características norte (changquan). Tanto estilos internos quanto internos geram "força marcial" (jin, 勁) por meio da combinação controlada de qi (气)e li (力), podendo ser mais leve quando predomina o qi ou mais dura quando predomina o li.[29]

Referências

  1. ACEVEDO; GUTIÉRREZ; CHEUNG (2011). Breve História do Kung Fu (São Paulo: Madras). pp. 39–55. 
  2. MOONEY, Richard (2001). Boxing, Chinese Shaolin Styles. In: GREEN, Thomas (ed.). Martial Arts of the World. An Encyclopedia (Santa Barbara: ABC-Clio). pp. 32–44. 
  3. Li, Raymond. (2014-10-11). "Shaolin Temple: The man behind 'cradle of Kung Fu'" (em en-GB). BBC News.
  4. a b «Review of Shahar, Meir, The Shaolin Monastery: History, Religion, and the Chinese Martial Arts». www.h-net.org (em inglês). 2008-10-01. Consultado em 2016-11-11. 
  5. «Ancient Building Complex in the Wudang Mountains». whc.unesco.org (em inglês). Consultado em 2016-11-11. 
  6. «The History of Wudang Kung Fu». www.chinadaily.com.cn. Consultado em 2016-11-11. 
  7. HENNING, Stanley (2001). China. In: GREEN, Thomas (ed.). Martial Arts of the World. An Encyclopedia. (Santa Barbara: ABC Clio). pp. 65–72. 
  8. SPENCE, Jonathan (1995). Em busca da China moderna. Quatro séculos de história (São Paulo: Companhia das Letras). p. 230. 
  9. MORRIS, Andrew D. (2004). Marrow of the Nation: A History of Sport and Physical Culture in Republican China (em inglês) (Berkeley: University of California Press). pp. 185–186. ISBN 9780520240841. 
  10. «Reevaluating Jingwu: Would Bruce Lee have existed without it?». Kung Fu Tea. 2012-08-15. Consultado em 2016-11-11. 
  11. 武士, wǔshì: guerreiro. Semelhante à palavra japonesa bushi (武士), que é sinônimo de samurai.
  12. MORRIS, Andrew D. (2004). Marrow of the Nation: A History of Sport and Physical Culture in Republican China (em inglês) (Berkeley: University of California Press). pp. 186–187. ISBN 9780520240841. 
  13. a b c MONTEIRO, Fabrício (2014). História das Artes Marciais Chinesas (Uberlândia: Assis). pp. 46–62. 
  14. a b ACEVEDO; GUTIÉRREZ; CHEUNG, William; Carlos; Mei (2011). Breve História do Kung Fu (São Paulo: Madras). pp. 130–137. 
  15. «Wushu - Official Website of the Chinese Olympic Committee». en.olympic.cn. Consultado em 2016-11-11. 
  16. MONTEIRO, Fabrício (2014). História das Artes Marciais Chinesas (Uberlândia: Assis). p. 58. 
  17. "History of the 24 Forms Simplified Tai Chi Routine Movements of 24 Forms Simplified Tai Chi Routine".
  18. FILIPIAK, K. (2010). "De guerreiros a desportistas: cómo se adaptaron las artes marciales chinas a la modernidad". Revista de las Artes Marciales Asiáticas 5 (1): 19-44 (APUD: MONTEIRO, F. História das Artes Marciais Chinesas, Uberlândia, Assis, 2014. p. 40.).
  19. MONTEIRO, Fabrício (2014). História das Artes Marciais Chinesas (Uberlândia: Assis). pp. 60–61. 
  20. a b Yang, Jwing-Ming (1999-01-01). Ancient Chinese Weapons: A Martial Artist's Guide (em inglês) YMAA Publication Center Inc [S.l.] ISBN 9781886969674. 
  21. SESCHI, Marco. «A função do treino de taolu». A função do treino de taolu. Wuxia. Consultado em 2016-11-11. 
  22. «História do Shuai Jiao». Neijia. Associação de Artes Marciais. Consultado em 10/11/2016. 
  23. «Shuai Jiao, a técnica chinesa que inspirou o Jiu Jitsu, o Judô e o Aikido». Zen Kung Fu. 2015-05-20. Consultado em 2016-11-11. 
  24. «What is Qin Na? | YMAA.COM». ymaa.com (em inglês). Consultado em 2016-11-11. 
  25. "A History and Style Guide Chang Quan or Long Fist Kung Fu". About.com Sports.
  26. «Strength Exploding Characteristics In Nanquan(Southern Boxing)--《JOURNAL OF CHEHGDU PHYSICAL EDUCATION INSTITUTE》2000年04期». en.cnki.com.cn. Consultado em 2016-11-11. 
  27. «International Wushu Federation». www.iwuf.org. Consultado em 2016-11-11. 
  28. a b c O'BRIEN, Jess (2007). Nei jia Qiuan. Internal Martial Arts (Berkeley: Blue Snake Books). Consultado em 10/11/16. 
  29. a b «Generating Martial Power (Jin) | YMAA.COM». ymaa.com (em inglês). Consultado em 2016-11-11.