Sanshou

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Sǎndǎ-Sànshǒu (散手; literalmente "mãos livres" lê-se Sandá), ou Sànshǒu (散打; literalmente "luta livre")muito conhecido como Boxe-Chinês é uma forma chinesa moderna de combate corpo-a-corpo, um sistema de auto-defesa, e um esporte de combate.

Características[editar | editar código-fonte]

O Sǎndǎ possui semelhanças com o Kickboxing, mas tem como característca principal as quedas e arremessos ao solo. É um dos componentes dos diversos estilos de Kung Fu (princípio de todas as artes marciais conhecidas de acordo com textos clássicos, principalmente do Shuai Jiao popularmente o Judô chinês que antecede o Jiu Jitsu[1], normalmente ensinado integrado às diversas formas de wushu. O termo sanda é um dos mais antigos e de uso mais comum, porém, quando o governo chinês formalizou e padronizou as artes marciais, usou oficialmente o termo sanshou para designar este aspecto, posteriormente voltando a usar o termo sanda. Os treinamentos cardio-vasculares e de resistência muscular nessa modalidade são bastante intensos, às vezes até extremos, possibilitando aos competidores um preparo físico invejável.

História[editar | editar código-fonte]

Após a guerra da Coreia, onde enfrentou diretamente as tropas americanas, o governo chinês percebeu a necessidade de investir em pesquisa e desenvolvimento visando o melhor treinamento de seu exercito, e incumbiu ao general Peng Dehuai o comando da pesquisa onde além de especialistas em artes marciais de toda China participaram médicos, educadores físicos, e demais pessoas relacionadas a atividades físicas e saúde. O novo sistema deveria observar três critérios:

  • Simplicidade;
  • Combate direto;
  • Efetivo contra oponentes mais fortes.

Quase que paralelamente ao sandá militar se desenvolveu o sandá civil e competições clandestinas que acabavam com sérios danos aos competidores e eram quase que um vale tudo ao molde dos primeiros Ultimate Fighting Championships.

Como treinamento marcial o sanshou ao longo da história na china recebeu vários nomes como xiangbo, shoubo, chaishou, qiangshou, jiji, e daleitai.

Em 1979, o Comitê Chinês de Esportes Nacionais (CCEN) decidiu que o sanshou estaria ligado ao wushu como esporte de competição. Devido ao espaço de tempo entre seu surgimento e a oficialização pelo governo o sanshou não tinha metodologia de treino, padronização de técnicas e principalmente regras. Até meados dos anos 80 o sanshou como esporte continuou a se desenvolver dentro de colégios e universidades ligadas à educação física, além de experimentação em campeonatos. Em 1982, o CCEN finalmente chegou a uma metodologia de treino e regras para competições que vêm sendo aos poucos modificadas. O primeiro ringue era redondo com nove metros de diametro.

O sanshou como esporte de combate[editar | editar código-fonte]

A prática contemporânea do sanshou como esporte de combate teve seu ponto de partida como esporte contemporâneo em 1990, ano em que o comite organizador dos XI Jogos Asiáticos incluiu o wushu como esporte oficial de competição. Nesse mesmo ano, se fundou a Federação Internacional de Wushu como organismo oficial encarregado de dirigir o crescimento e a difusão do esporte, determinando as diferentes disciplinas de competição e sua respetiva regulamentação.

O Sanda está crescendo rapidamente em popularidade. Na atualidade, as competições são levadas em mais de 95 países no mundo inteiro.

O Sanda se refere a luta livre a onde as regras estão prontas para simular com total precisão o combate atual e real. Existem hoje duas modalidades de competição para sanshou, a amadora e a profissional (conhecida também como sanda).

Sanshou amador[editar | editar código-fonte]

O uso obrigatório de capacete (com grade para os iniciantes), coquilha para os homens (proteção para a genital), luvas (]08 oz para até 70 kg e 10 oz para categorias acima de 70 kg) , protetor bucal e protetor torácico (um tipo de "armadura" do mesmo material da luva, permitindo que o lutador não se machuque gravemente). Na categoria Juvenil e iniciante usam-se protetores para canela e peito do pé.

Categorias[editar | editar código-fonte]

As categorias são divididas por peso e idade.

  • Por idade:
    • Juvenil (15 a 17 anos)
    • Adulto (18 a 35 anos)
  • Masculino:
    • Categoria 48 kg ( ≤ 48 kg)
    • Categoria 52 kg ( > 48 kg - ≤ 52 kg)
    • Categoria 56 kg ( > 52 kg - ≤ 56 kg)
    • Categoria 60 kg ( > 56 kg - ≤ 60 kg)
    • Categoria 65 kg ( > 60 kg - ≤ 65 kg)
    • Categoria 70 kg ( > 65 kg - ≤ 70 kg)
    • Categoria 75 kg ( > 70 kg - ≤ 75 kg)
    • Categoria 80 kg ( > 75 kg - ≤ 80 kg)
    • Categoria 85 kg ( > 80 kg - ≤ 85 kg)
    • Categoria 90 kg ( > 85 kg - ≤ 90 kg)
    • Categoria acima de 90 kg ( > 90 kg)
  • Feminino:
    • Categoria 48 kg ( < 48 kg)
    • Categoria 52 kg ( > 48 kg - ≤ 52 kg)
    • Categoria 56 kg ( > 52 kg - ≤ 56 kg)
    • Categoria 60 kg ( > 56 kg - ≤ 60 kg)
    • Categoria 65 kg ( > 60 kg - ≤ 65 kg)
    • Categoria 70 kg ( > 65 kg - ≤ 70 kg)
    • Categoria acima de 70 kg ( > 70 kg)

Regras[editar | editar código-fonte]

  • Em muitos campeonatos é utilizado a contagem de 2 round de dois minutos para adultos e o juvenil é 2 round de dois minutos, descanso entre rounds de 1:00 minuto.
  • Golpes nas genitais e nuca não são permitidos e podem levar com três irregularidades de luta a desclassificação.
  • Para os golpes valerem pontos, ele deve fazer o adversário se mexer, levando em consideração a eficiência.
  • São válidos socos,chutes e quedas/arremessos.
  • Pontuação é feita da seguinte forma: Socos em geral = 1 ponto. Chutes acima da linha cintura = 2 pontos Quedas/arremessos = 2 pontos , se o atleta cair junto = 1 ponto. Saída da plataforma duas vezes a partida acaba.
  • O tablado/plataforma oficial é um quadrilátero tablado emborrachado 8 x 8 metros e elevado. As imediações externas da plataforma são cobertas por folhetos de tatame de borracha.
  • Algumas competições permitem o uso de joelhadas, mas não é válido o uso dos cotovelos

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. ANTUNES, MARCELO (2014). Introdução ao Shuai Jiao (São Paulo: Phorte). pp. 32,33.