Quiropraxia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Daniel David Palmer, criador da quiropraxia.

Quiropraxia é uma forma de medicina alternativa para o diagnóstico e tratamento de condições do sistema músculo-esquelético, principalmente da coluna vertebral.[1][2] Os proponentes alegam que essas condições afetam o estado geral de saúde através do sistema nervoso.[2] Estas alegações não são apoiadas por qualquer evidência científica. As técnicas de tratamento mais comuns consistem em terapias manuais, principalmente em manipulação vertebral, manipulação de outras articulações e manipulação de tecidos moles.[3] Os fundamentos desta prática contradizem os fundamentos da própria medicina e têm por base conceitos pseudocientíficos como a "subluxação vertebral" e a "inteligência inata".[4][5][6][7][8]

Têm sido realizados numerosos estudos clínicos controlados sobre os tratamentos usados por quiropráticos, com resultados contraditórios entre si.[4] As revisões sistemáticas da literatura não encontraram evidências de que a manipulação quiroprática seja eficaz, exceto talvez do tratamento para a lombalgia.[4] Uma avaliação crítica da literatura verificou que, no seu conjunto, a manipulação vertebral não era eficaz no tratamento de qualquer condição.[9] Desconhece-se a eficácia e relação custo–eficácia dos cuidados quiropráticos.[10] Embora a manipulação vertebral possa ter uma boa relação custo-eficácia para a lombalgia sub-aguda ou crónica, os resultados para lombalgia aguda são ainda insuficientes.[11] Não há dados suficientes que permitam determinar a segurança das manipulações quiropráticas.[12] Estas manipulações estão frequentemenet associadas com efeitos adversos ligeiros a moderados, sendo raros os casos de complicações graves ou fatais.[13] No entanto, existe alguma controvérsia sobre o grau de risco de dissecção da artéria vertebral por manipulação quiroprática, o que pode causar AVC e morte.[14] Têm sido associados a esta técnica vários casos de morte[13] e tem sido sugerido que a relação é causal,[15][16] embora essa causalidade seja contestada por vários quiropráticos.[16]

A quiropraxia é uma prática com significativa implantação em alguns países desenvolvidos[17] e muitas vezes no contexto de outras técnicas manuais de terapia, como massagens, osteopatia e terapia física.[18] A maior parte da procura por tratamentos quiropráticos deve-se a dorsalgia.[19] Os quiropráticos afirmam ser especialistas no tratamento de dores nas costas e do pescoço, enora muitos quiropráticos se proponham tratar outras condições para além do sistema músculo-esquelético.[4] Muitos quiropráticos descrevem-se a si mesmos como prestadores de cuidados de saúde primários,[4][20] embora a formação de quiropraxia não contemple as exigências de tal classificação,[2] pelo que o seu papel é limitado e contestado.[2][20] Os quiropráticos dividem-se em dois grandes grupos: os que dão ênfase ao vitalismo, à "inteligência inata" e que consideram as subluxações vertebrais a causa de todas as doenças, atualmente em minoria; e os que estão abertos a práticas de medicina convencional, como exercício físico, massagem ou terapia de gelo.[21]

A quiropraxia foi fundada na década de 1890 por Daniel David Palmer,[22] alegando que a tinha recebido de "outro mundo".[23] A prática foi desenvolvida pelo seu filho, Bartlett Joshua Palmer, no início do século XX.[22] Ao longo da sua história, a prática foi sempre controversa.[24][25] Apesar das evidências incontestáveis de que a vacinação é uma intervenção eficaz de saúde pública, existem entre os quiropráticos divergências significativas sobre o tópico,[26] o que contribui de forma negativa tanto para a saúde pública como para a aceitação dos quiropráticos pela comunidade médica.[27] Em 1966, a Associação Médica Americana classificou a quiropraxia como um "culto não científico.[28][20] No entanto, a quiropraxia possui membros organizados politicamente que têm lutado ativamente em prol da sua aceitação pública. Em décadas recentes, a prática tem obtido alguma aceitação entre médicos convencionais e entre seguradoras nos Estados Unidos.[20]

Técnicas[editar | editar código-fonte]

A atuação do quiropraxista está no sistema neuro-músculo-esquelético. Os principais acometimentos tratados pela Quiropraxia são:[29]

Um estudo conduzido pelo médico T.W. Meade, publicado no British Medical Journal, concluiu, após dois anos de acompanhamento dos pacientes, que "para pacientes com dor na coluna lombar, para os quais não haja contra-indicação quanto à manipulação articular, a Quiropraxia praticamente garante benefícios compensadores e de longa duração, em comparação aos tratamentos hospitalares ambulatoriais oferecidos a pacientes".[30]

Médicos e Quiropraxistas da Corporação RAND e de várias outras institutições acadêmicas, realizaram uma revisão de literatura sobre o tratamentos para dor cervical. Os autores concluíram que a manipulação articular é mais eficaz de que a mobilização ou tratamento fisioterápico de alguns casos de dor cervical subaguda ou crônica e perceberam que "todos os três tratamentos são provavelmente superiores ao tratamento médico".[31]

Boline e cols conduziram um estudo, no ano de 1995, randomizando, comparando a manipulação articular da coluna com a medicação para dor (amitriptilina) no tratamento de cefaleia tensional. Os autores concluíram que os analgésicos tem eficácia de curta duração e apresentam efeitos colaterais, enquanto "quatro semanas após a conclusão da intervenção, o grupo que sofreu manipulação da coluna demonstrou redução de 32% na intensidade da dor de cabeça, 30% no uso do medicamento simples, e 16% de melhora funcional da saúde, como um todo. O grupo que recebeu a terapia por amitriptilina não demonstrou melhora alguma, tendo apresentado, inclusive, uma piora sutil".[32]

  • Satisfação ao Tratamento Quiroprático -

Um estudo de 1998 relatou que a Quiropraxia é o tratamento não médico mais frequentemente usado nos EUA e proporciona alta satisfação aos seus usuários: "Praticamente todos os pacientes tratados por um quiropraxista declaram-se satisfeito com o seu tratamento; três quartos (73%) declaram-se 'muito satisfeito' e 23% declaram-se 'razoavelmente satisfeito' ".[33]

História[editar | editar código-fonte]

Manuscritos chineses e gregos de 2700 a.C. e 1500 a.C. mencionam formas rudimentares de manipulação articular e manobras articulares nos membros inferiores do corpo humano a fim de aliviar dores lombares. Hipócrates, "pai da medicina", que viveu entre 460 a.C. a 377 a.C., publicou textos em que detalha: "adquira mais conhecimento sobre a Coluna vertebral, pois é a origem de muitas doenças".[34]

A Quiropraxia hoje está entre as quatro maiores profissões na área de saúde[carece de fontes?], junto com a Medicina, Biomedicina e Odontologia, nos países desenvolvidos. No Brasil existem duas Universidades com graduação em Quiropraxia, ambas particulares.

Sua organização e fundação foi realizada por Daniel David Palmer, em Davenport, Iowa nos Estados Unidos da América no ano de 1895,[34][35] Dr. Palmer foi autodidata, assíduo leitor de jornais científicos de sua época, especialmente os que abordavam Anatomia Humana e Fisiologia Humana, adquirindo um excelente conhecimento sobre saúde e Medicina de sua época[carece de fontes?]. Em 1897 foi fundada a Palmer School of Chiropractic, a primeira escola de Quiropraxia no mundo; atualmente é uma faculdade conhecida por Palmer Chiropractic College e estabelecida em Davenport, Iowa nos Estados Unidos da América.[34]

No ano de 1948 a Quiropraxia era definida da seguinte maneira: a Quiropraxia é uma filosofia, ciência e arte de eventos naturais; um sistema de ajustamentos de segmentos da coluna vertebral utilizando somente as mãos, para correção das causas das doenças.[36] A ausência do conceito com amparo científico era normal até a década de 50 do século XX pois havia uma certa limitação na produção científica nos primórdios da especialização, como pode ser observada na mudança da duração do curso oferecido pela Palmer School of Chiropractic que até o ano de 1949 era de 18 meses de duração, passando para 4 anos de ensino.

A partir de então, observa-se um crescimento significativo com relação ao número de profissionais, à qualidade do ensino, à pesquisa científica, ao número de faculdades e à internacionalização da profissão.[37] Atualmente a Quiropraxia é estabelecida em mais de 60 países, havendo aproximadamente 100 mil profissionais no mundo, dos quais 69% encontram-se em território norte-americano. Estima-se que no ano de 2010 existirão mais de 150 mil quiropraxistas em todo o mundo.[38][39]

Em 1963 criou-se o Conselho Nacional de Examinadores de Quiropraxia (NBCE sigla em inglês) nos Estados Unidos da América, com objetivo de promover consistência e reciprocidade entre os conselhos de examinadores dos estados associados. O NBCE zela pela excelência da profissão, promovendo a análise dos profissionais, faculdades e associações de Quiropraxia nos EUA.[40]

No ano de 1988 foi fundada a Federação Mundial de Quiropraxia (WFC sigla em inglês), tendo como membros associados 70 associações de diversos países que, em 1997.[38]

No ano de 2005 houve um encontro entre Quiropraxistas e outros profissionais da saúde promovido pela OMS na província da Lombardia, Itália, a fim de formar um documento que preconiza a prática da profissão, onde nasceu o WHO guidelines on basic training and safety in Chiropractic, servindo como base para regulamentação da profissão em países membros da WHO, como é o caso do Brasil.[41]

Referências

  1. Chapman-Smith DA, Cleveland CS III (2005). «International status, standards, and education of the chiropractic profession». In: Haldeman S, Dagenais S, Budgell B, et al. Principles and Practice of Chiropractic 3rd ed. [S.l.]: McGraw-Hill. pp. 111–34. ISBN 0-07-137534-1 
  2. a b c d Nelson CF, Lawrence DJ, Triano JJ, Bronfort G, Perle SM, Metz RD, Hegetschweiler K, LaBrot T (2005). «Chiropractic as spine care: a model for the profession». Chiropr Osteopat. 13 (1): 9. PMC 1185558Acessível livremente. PMID 16000175. doi:10.1186/1746-1340-13-9. The length, breadth, and depth of chiropractic clinical training do not support the claim of broad diagnostic competency required of a PCP. Studies of chiropractic intern clinical experience provides no evidence that chiropractors are trained to a level of a diagnostic generalist for non-musculoskeletal conditions. For chiropractors to describe themselves as PCP diagnosticians is to invite comparisons to other PC diagnosticians, i.e., family practitioners, pediatricians and internists. Such comparisons will not reflect favorably on chiropractic. PCP: primary care providers 
  3. Mootz RD, Shekelle PG (1997). «Content of practice». In: Cherkin DC, Mootz RD. Chiropractic in the United States: Training, Practice, and Research. Rockville, MD: Agency for Health Care Policy and Research. pp. 67–91. OCLC 39856366  AHCPR Pub No. 98-N002.
  4. a b c d e Ernst E (maio de 2008). «Chiropractic: a critical evaluation». Journal of Pain and Symptom Management. 35 (5): 544–62. ISSN 0885-3924. PMID 18280103. doi:10.1016/j.jpainsymman.2007.07.004 
  5. Keating JC Jr (2005). «A brief history of the chiropractic profession». In: Haldeman S, Dagenais S, Budgell B, et al. Principles and Practice of Chiropractic 3rd ed. [S.l.]: McGraw-Hill. pp. 23–64. ISBN 0-07-137534-1 
  6. Singh, S; Ernst, E (2008). «The truth about chiropractic therapy». Trick or Treatment: The Undeniable Facts about Alternative Medicine. [S.l.]: W.W. Norton. pp. 145–90. ISBN 978-0-393-06661-6 
  7. «Chiropractic». NHS Choices. 20 de agosto de 2014. Consultado em 19 de setembro de 2016 
  8. Swanson ES (2015). «Pseudoscience». Science and Society: Understanding Scientific Methodology, Energy, Climate, and Sustainability. [S.l.]: Springer. p. 65. ISBN 978-3-319-21987-5 
  9. Posadzki P, Ernst E (2011). «Spinal manipulation: an update of a systematic review of systematic reviews». N Z Med J. 124 (1340): 55–71. PMID 21952385 
  10. Leboeuf-Yde C, Hestbaek L (2008). «Maintenance care in chiropractic – what do we know?». Chiropr Osteopat. 16: 3. PMC 2396648Acessível livremente. PMID 18466623. doi:10.1186/1746-1340-16-3 
  11. Lin CW, Haas M, Maher CG, Machado LA, van Tulder MW (2011). «Cost-effectiveness of guideline-endorsed treatments for low back pain: a systematic review». European Spine Journal. 20 (7): 1024–38. PMC 3176706Acessível livremente. PMID 21229367. doi:10.1007/s00586-010-1676-3 
  12. Gouveia LO, Castanho P, Ferreira JJ (2009). «Safety of chiropractic interventions: a systematic review» (PDF). Spine. 34 (11): E405–13. PMID 19444054. doi:10.1097/BRS.0b013e3181a16d63 
  13. a b Ernst E (2007). «Adverse effects of spinal manipulation: a systematic review». J R Soc Med. 100 (7): 330–38. PMC 1905885Acessível livremente. PMID 17606755. doi:10.1258/jrsm.100.7.330. Arquivado do original em 16 de maio de 2010. Resumo divulgativoMed News Today (2 de julho de 2007) 
  14. Haynes MJ, Vincent K, Fischhoff C, Bremner AP, Lanlo O, Hankey GJ (2012). «Assessing the risk of stroke from neck manipulation: a systematic review». International Journal of Clinical Practice. 66 (10): 940–47. PMC 3506737Acessível livremente. PMID 22994328. doi:10.1111/j.1742-1241.2012.03004.x 
  15. Ernst E (2010). «Vascular accidents after neck manipulation: cause or coincidence?». Int J Clin Pract. 64 (6): 673–77. PMID 20518945. doi:10.1111/j.1742-1241.2009.02237.x 
  16. a b Ernst E (2010). «Deaths after chiropractic: a review of published cases». Int J Clinical Practice. 64 (8): 1162–65. PMID 20642715. doi:10.1111/j.1742-1241.2010.02352.x 
  17. Tetrault M (2004). «Global professional strategy for chiropractic» (PDF). Chiropractic Diplomatic Corps. Consultado em 18 de abril de 2008. Arquivado do original (PDF) em 25 de junho de 2008 
  18. Norris P (2001). «How 'we' are different from 'them': occupational boundary maintenance in the treatment of musculo-skeletal problems». Sociol Health Illn. 23 (1): 24–43. doi:10.1111/1467-9566.00239 
  19. Hurwitz EL, Chiang LM (2006). «A comparative analysis of chiropractic and general practitioner patients in North America: findings from the joint Canada/United States Survey of Health, 2002-03». BMC Health Serv Res. 6: 49. PMC 1458338Acessível livremente. PMID 16600038. doi:10.1186/1472-6963-6-49 
  20. a b c d Cooper RA, McKee HJ (2003). «Chiropractic in the United States: trends and issues». Milbank Q. 81 (1): 107–38, table of contents. PMC 2690192Acessível livremente. PMID 12669653. doi:10.1111/1468-0009.00040 
  21. Kaptchuk TJ, Eisenberg DM (novembro de 1998). «Chiropractic: origins, controversies, and contributions». Arch. Intern. Med. 158 (20): 2215–24. PMID 9818801. doi:10.1001/archinte.158.20.2215 
  22. a b Martin SC (outubro de 1993). «Chiropractic and the social context of medical technology, 1895-1925». Technol Cult. 34 (4): 808–34. JSTOR 3106416. PMID 11623404. doi:10.2307/3106416 
  23. «D.D. Palmer's Religion of Chiropractic» (PDF). Letter from D.D. Palmer to P.W. Johnson, D.C., May 4, 1911. 
  24. DeVocht JW (2006). «History and overview of theories and methods of chiropractic: a counterpoint». Clin Orthop Relat Res. 444: 243–49. PMID 16523145. doi:10.1097/01.blo.0000203460.89887.8d 
  25. Homola S (2006). «Chiropractic: history and overview of theories and methods». Clin Orthop Relat Res. 444: 236–42. PMID 16446588. doi:10.1097/01.blo.0000200258.95865.87 
  26. Busse JW, Morgan L, Campbell JB (2005). «Chiropractic antivaccination arguments». J Manipulative Physiol Ther. 28 (5): 367–73. PMID 15965414. doi:10.1016/j.jmpt.2005.04.011 
  27. Campbell JB, Busse JW, Injeyan HS (2000). «Chiropractors and vaccination: a historical perspective». Pediatrics. 105 (4): e43. PMID 10742364. doi:10.1542/peds.105.4.e43 
  28. Johnson C, Baird R, Dougherty PE, Globe G, Green BN, Haneline M, Hawk C, Injeyan HS, Killinger L, Kopansky-Giles D, Lisi AJ, Mior SA, Smith M (2008). «Chiropractic and public health: current state and future vision». J Manipulative Physiol Ther. 31 (6): 397–410. PMID 18722194. doi:10.1016/j.jmpt.2008.07.001 
  29. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE QUIROPRAXIA,. "Quais os principais problemas tratados com Quiropraxia?". Associação Brasileira de Quiropraxia: preprint.
  30. MEADE, T.W.,DYER,S.,BROWNE,W.,TOWSEND,J.,FRANK,A.O.. "Randomised comparison of chiropractic and hospital outpatient management for low back pain: results from extended follow up". British Medical Journal 300, no.6737:1431-1437: preprint.
  31. HURWITZ,E.L., AKER,P.D.,ADAMS,A.H.,MEEKER,W.C.,SHEKELLE,P.G.,. "Manipulation and Mobilization of the Cervical Spine: A Systematic Review of the Literature.". Spine. 21(15):1746-1759, August 1, 1996.: preprint.
  32. BOLINE,P.D.,KASSAK,K.,BRONFORT,G.,NELSON,C.,ANDERSON,A.V.,. "Spinal Manipulation vs Amitriptyline for the Treatment of Chronic Tension-Type Headaches: A Randomized Clinical Trial.". Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics 18, no. 3:148-150, 1995.
  33. LANDMARK HEATHCARE, inc. 1998. "The Landmark Report II on HMOs and Alternative Care". Landmark Heathcare, Inc. Sacramento, CA.: preprint.
  34. a b c The American Chiropractic Association. "History of Chiropractic Care". The American Chiropractic Association: preprint.
  35. GATTERMAM, M.I. Foundations of Chiropractic - Subluxation, 1995, Ed. Mosby, St. Louis, EUA
  36. STEPHENSON, R.W. Chiropractic - Text Book, 1948, Palmer School of Chiropractic, Davenport, Iowa, EUA
  37. WARDWELL, W.I. Chiropractic - History and Evolution of a New Profession, 1992, Ed. Mosby, St. Louis - EUA
  38. a b CHAPMAN-SMITH, D.Quiropraxia - Uma Profissão na Área da Saúde, 2001, Ed. Anhembi Morumbi, São Paulo - Brasil
  39. National Board of Chiropractic Examiners. "Job Analisys of Chiropractic - 2005". NBCE: preprint.
  40. National Board of Chiropractic Examiners. "About the NBCE". NBCE: preprint.
  41. World Health Organization. "WHO guidelines on basic training and safety in Chiropractic". Chiropractic Guidelines: preprint.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]