Ventosaterapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ventosa.

Ventosaterapia (representada em chinês pelo ideograma 拔罐) é uma forma milenar de medicina alternativa que emprega ventosas. Como quase todas as medicinas alternativas, a prática se baseia na crendice popular e carece de fundamentação médica convencional válida, sendo considerada uma pseudociência. Não há comprovação científica de seus supostos efeitos benéficos. Além disso, pode ser nociva à saúde do paciente (queimaduras e irritação da pele).[1][2][3]

Esta forma de terapia é utilizada desde tempos remotos em diversas civilizações, como a européia, oriental, africana e indígena. Os índios usavam chifres e faziam a vácuo sugando o ar, os orientais costumavam empregar o bambu, e a Europa desenvolveu a ventosa como conhecemos hoje, empregando o vidro.

Os copos redondos de vidro são aquecidos internamente com fogo, que expande o ar aí existente. Após aplicação numa área da pele, o ar aquecido começa a arrefecer e forma-se um vácuo parcial no seu interior. A diferença de pressão entre o ar interior e o exterior acaba por gerar uma força de sucção.

Os copos são aplicados imediatamente após o aquecimento em áreas especificas da pele que necessitam de tratamento, principalmente nas costas.

Jogo de ventosas.

Seus praticantes alegam que seu uso é indicado para tratar diversos problemas de saúde, incluindo dores, gastrite, artrite, lombalgia, resfriados e gripe.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Cupping - American Cancer Society. Novembro de 2008. Visitado em 25/09/2015.
  2. Trick or Treatment?. Singh, Simon; Ernst, Edzard (2008). Transworld Publishers, p. 368. ISBN 9780552157629.
  3. Cho et al (2014)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]