Osteopatia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Osteopatia é uma prática de medicina complementares e integrativas que consiste na utilização de técnicas de mobilização e manipulação das articulações e dos tecidos moles.[1] Osteopatas alegam que esses procedimentos ajudam o corpo a se curar sozinho.[1] O termo osteopatia é derivado do grego antigo osteon (ὀστέον), "osso" e páthos (πάθος), "dor, sofrimento".

A prática osteopática se baseia em uma ideologia criada em 1874 pelo médico estadunidense Andrew Taylor Still,[2] que propôs a existência de uma "continuidade miofascial"—uma camada de tecido que conectaria todas as partes do corpo. Osteopatas tentam diagnosticar e tratar algo que originalmente se chamava de "lesão osteopática" manipulando os ossos e músculos do paciente. Estas técnicas são usadas principalmente para tratar dor nas costas e outros problemas musculares e ósseos.[3]

Há muito poucas evidências de que a osteopatia seja de alguma ajuda no tratamento de qualquer condição médica, já que não há estudos que comprovem a eficácia desse tipo de tratamento.[2]

Princípios[editar | editar código-fonte]

Em seu livro Filosofia da Osteopatia, Still anuncia os quatro grandes princípios sobre os quais repousa a filosofia osteopática[4]:

1. A estrutura determina a função
Still afirmava que, se a estrutura do corpo estivesse em harmonia, não poderia haver doença. Toda doença se originaria de distúrbios nesta "harmonia".
2. A unidade do corpo
Propunha a existência de um sistema miofascioesquelético que faria a ligação entre todos os sistemas corporais e onde eventuais desequilíbrios se expressariam. Tal sistema supostamente teria a capacidade de guardar "na memória" qualquer trauma físico sofrido.
3. A Autocura
Still afirmava que o corpo tem em si mesmo tudo o que é necessário para curar e evitar as doenças, desde que não haja obstruções nos canais nervosos, linfáticos, e vasculares.
4. A regra da artéria é absoluta.
Still acreditava que doenças poderiam ser causadas por um acúmulo de toxinas devido ao mal funcionamento da função arterial.

Nenhum destes princípios está de acordo com a evidência médico-científica atual.

Regulamentação[editar | editar código-fonte]

O status profissional e a aceitação da osteopatia varia de país para país.[5] Sua validade é um tema polêmico e muitos representantes da medicina tradicional argumentam que não há suficiente evidência de que as práticas osteopáticas sejam úteis no tratamento de qualquer condição médica, por haver poucos estudos que comprovem a eficácia desse tipo de tratamento.[2]

No Brasil, os profissionais Osteopatas são registrados no Registro Brasileiro dos Osteopatas. Para o exercício da ocupação Osteopata, é exigida formação osteopática segundo modelos de formação sistematizados pelo OMS para profissionais com diploma de graduação previa em medicina e fisioterapia ou graduação especifica em osteopatia.

Em 2001, o Conselho Federal de Fisioterapia reconheceu a Quiropraxia e a Osteopatia como especialidades do profissional Fisioterapeuta. Os profissionais Fisioterapeutas Osteopatas são registrados nos Conselhos Regionais de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

Em Portugal, a prática da Osteopatia é uma profissão de saúde, autónoma (em diagnóstico e terapêutica), e é classificada no âmbito das terapêuticas não convencionais (acupuntura, fitoterapia, homeopatia, medicina tradicional chinesa, naturopatia, osteopatia, e quiropraxia e regulamentada como tal pelas Leis: 45/2003, e 71/2013[6] sendo o título de osteopata protegido por Lei. Atualmente, em Portugal, existem cinco faculdades que ensinam o curso de quatro anos com atribuição do grau de licenciado em osteopatia.

Referências

  1. a b «Osteopathy - Introduction» (em inglês). NHS Choices. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  2. a b c «Osteopathic Manipulative Treatment» (em inglês). NYU Langone Medical Center. Consultado em 26 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2014 
  3. Howell, Joel D (1999). «The Paradox of Osteopathy» [O paradoxo da Osteopatia]. New England Journal of Medicine (em inglês). 341 (19): 1465-8. PMID 10547412. doi:10.1056/NEJM199911043411910 
  4. «Princípios da Osteopatia». FisioWeb. Consultado em 26 de novembro de 2014 
  5. Luís Filipe Gomes de Souza (2016). «Construção da identidade profissional do osteopata» (PDF). Instituto Sipérior de Educação e Ciências. Consultado em 7 de novembro de 2018 
  6. «Lei n.º 71/2013» (PDF). Diário da República, 1.ª série — N.º 168. 2 de setembro de 2013. Consultado em 26 de novembro de 2014