Lista de tópicos considerados pseudociências

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Esta é uma lista de tópicos caracterizados como pseudociência pela comunidade científica internacional, por notáveis organizações céticas ou por notáveis acadêmicos ou investigadores.[1]

Estas caracterizações foram feitas no contexto de formar o público sobre as reivindicações questionáveis ​​ou potencialmente fraudulentas ou perigosas e práticas de esforços para definir a natureza da ciência. A crítica da pseudociência, geralmente pela comunidade científica ou por organizações céticas, envolve críticas das bases lógica, metodológica ou retórica do tópico em questão.[2]

Apesar de alguns dos tópicos listados continuarem a ser investigados cientificamente, outros foram sujeitos à pesquisa científica no passado e atualmente são considerados refutados porém "ressuscitaram" de forma pseudocientífica. Outras ideias aqui apresentadas são inteiramente não-científicas, mas têm, de uma forma ou de outra infringido áreas ou práticas da ciência.[3]

Cada seção resume os aspectos pseudocientíficos dos tópicos.

Astronomia e Ciências Espaciais[editar | editar código-fonte]

  • Milenarismo 2012: é um meme cultural que propunha que eventos cataclísmicos e apocalípticos iriam ocorrer no ano de 2012. A proposta é derivada de calendário na contagem longa que a maioria dos alinhamentos propostos com o calendário gregoriano atinge uma sobreposição de calendário desse ano. O Dia do juízo final era previsto para ocorrer por meio de um alinhamento galáctico, "tempestade solar", "mudança polar", ou colisão catastrófica de um cometa ou asteróide com o planeta. Nunca teve nenhuma evidência científica de que esses eventos iriam mesmo ocorrer.[4][5][6]
  • Acusações de falsificação nas alunissagens do Programa Apollo são alegações de que partes do programa Apollo foi falsificado e, posteriormente, encoberto. Embora muitas das acusações são categorizadas de acordo com as melhores teorias da conspiração, alguns tentam usar uma ciência defeituosa para provar que o pouso na Lua não poderia ter acontecido, assim, qualificando-as como créditos pseudocientíficos.[7][8]
  • Astrologia refere-se a qualquer um dos vários sistemas de compreensão, interpretação e organização do conhecimento sobre a realidade da existência humana, com base nas posições relativas e movimentos de corpos celestes.[9][10][11][12][13]
  • Dogon e Sirius B é uma série de reivindicações que a tribo Dogon sabia sobre a anã branca companheira de Sírius apesar de ser invisível a olho nu [7]
  • Teoria dos astronautas antigos: Erich von Däniken propõe que a Terra foi visitada por astronautas antigos.[7] Tais seres foram aleados terem iniciado a ascensão da civilização humana ou prestaram assistência tecnológica significativa para várias civilizações antigas.[14][15]
  • Face em Marte (em Cydonia Mensae) é uma formação rochosa em Marte que afirma-se haver provas de vida inteligente no planeta natal.[7] Imagens de alta resolução tiradas recentemente mostram que ela apareça menos semelhantes a rostos. É um lugar de destaque na obra de Richard C. Hoagland.
  • Flat Earth Society propõe que a Terra é um planeta plano, em forma de disco que acelera para cima, produzindo a ilusão da gravidade. Os proponentes da teoria da Terra plana não aceitam provas irrefutáveis, como fotos do planeta Terra do espaço. Muitos também acreditam no criacionismo e acreditam que os desembarques na lua são um embuste.[16][17]
  • Efeito lunar é a crença de que a lua cheia influencia o comportamento humano [7].
  • Colisão de Nibiru é uma previsão feita pelo primeiro contatado Nancy Lieder que um planeta mitológico Hercolubus iria colidir com a Terra. Depois de ajustar a sua previsão, muitas vezes, eles reivindica agora o ano da ocorrência a ser 2012.[18][19][20]

Terra e Ciências da Terra[editar | editar código-fonte]

  • Triângulo das Bermudas é uma região do Oceano Atlântico que se situa entre as Bermudas, Porto Rico, e (na sua versão mais popular) na Flórida. Desaparecimentos de navios e aeronaves e desastres vistos como freqüente nessa área têm levado à circulação de histórias de fenômenos naturais incomuns, encontros paranormais, e interações com extraterrestres[14].

Paranormalidade e Ufologia[editar | editar código-fonte]

Assuntos paranormais [7][12][21][22] têm sido objectos de críticas de uma ampla variedade de fontes, incluindo as seguintes alegações de significado paranormal:

Psicologia[editar | editar código-fonte]

  • Psiquiatria biológica é uma abordagem para a psiquiatria que procura entender a doença mental em termos da função biológica do sistema nervoso. Os psiquiatras Colin A. Ross e Alvin Pam argumentam que "a legitimidade e autoridade cultural concedida a um objetivo e um valor-ciência livre é imerecida pela psiquiatria biológica"[47] e que "a noção de validade constitucional de investigar os determinantes de distúrbios psicológicos tem sido cooptados por uma ideologia reducionista da biomedicina. "[48] Tais sentimentos conflitantes e resultados de investigação científica geraram controvérsias e polêmicas em torno da Biopsiquiatria e TDAH.
  • Terapia de conversão, às vezes chamada de terapia reparadora, procura mudar uma orientação sexual de uma pessoa não-heterossexual para que eles deixem de ser homossexual ou bissexual.[49] A Associação Americana de Psiquiatria define a terapia reparativa como "tratamento psiquiátrico ... que é baseado no pressuposto de que a homossexualidade por si só é um transtorno mental ou com base na suposição a priori de que um paciente deve mudar sua orientação sexual homossexual. "
  • Grafologia é um teste psicológico baseado na crença de que traços de personalidade, inconscientemente, influência de forma consistente a morfologia da escrita - que certos tipos de pessoas que apresentam certas peculiaridades da caneta. Análise dos atributos de escrita não oferece melhor chance de correspondência com personalidade, e o neurocientista Barry Beyerstein comparou as correlações atribuídas a magia simpática.[14][50][51][52] A grafologia é apenas superficialmente relacionada com a análise de documentos forenses, que também examina caligrafia.
  • Memética é uma abordagem de modelos evolutivos da transferência de informação cultural com base no conceito de que as unidades de informação, ou "memes", têm uma existência independente, se de auto-replicar, e estão sujeitas a evolução seletiva, através de forças ambientais. A partir de uma proposição apresentada nos escritos de Richard Dawkins, que desde então se transformou em uma nova área de estudo, um que olha para unidades auto-replicantes de cultura. Foi proposto que, assim como os memes são análogos aos genes, memética é análoga à genética. Memética tem sido considerada uma pseudociência em várias frentes. Afirmações de seus criadores foram marcadas como "não testadas, sem suporte ou incorretas" [53].
  • Ontopsicologia é o estudo da influência do indivíduo sobre ele mesmo. Defende a existência de uma série de doenças da "alma" que não são reconhecidas pela psicologia. Criado pelo frade italiano Antonio Meneghetti, busca reconhecimento acadêmico negando-se, no entanto, a participar de publicações científicas[54]
  • Parapsicologia é uma disciplina controversa que visa investigar a existência e as causas das habilidades psíquicas e vida após a morte, usando o método científico. Experimentos parapsicólogos incluem o uso de geradores de números aleatórios para testar a evidência de precognição e psicocinese tanto com sujeitos humanos e animais [55][56][57] e experimentos Ganzfeld para testar a percepção extra-sensorial.
  • Polígrafo (detector de mentiras) é um instrumento que mede e registra várias respostas fisiológicas, como pressão arterial, pulso, respiração, ritmo de respiração, temperatura corporal e condutividade da pele quando um assunto é perguntado e responde a uma série de perguntas, sobre a teoria de que as respostas falsas vão produzir medições distintas. Há pouca evidência científica para apoiar a fiabilidade dos polígrafos.[58][59] Apesar das reivindicações de 90% - 95% de confiabilidade, os críticos afirmam que ao invés de um "teste", o método equivale a uma técnica de interrogatório inerentemente cuja exactidão não pode ser estabelecida. Um estudo de 1997 de 421 psicólogos estimaram a exatidão média do teste em cerca de 61%, um pouco melhor do que a possibilidade [60]
  • Frenologia é uma teoria extinta para determinar traços de personalidade pela forma da cabeça (lendo "caroços ou protuberâncias"), proposto pelo fisiologista do século XVIII Franz Joseph Gall.[14] Em um uso precoce registrou o termo "pseudo-ciência", François Magendie referiu-se a frenologia como "uma pseudo-ciência dos dias atuais ".[61] A suposição de que a personalidade pode ser lida de solavancos no crânio já foi completamente desacreditada. No entanto, a suposição de Gall que os pensamentos de caracteres, e as emoções estão localizados no cérebro, é considerada um importante avanço histórico para a neuropsicologia [62] .
  • Terapia primal é por vezes apresentada como uma ciência.[63] A Enciclopédia Gale de Psicologia (2001) afirma que: "A base teórica para a terapia é a suposição de que as experiências pré-natal e trauma no nascimento forma nas pessoas impressões primárias da vida e que venham a influenciar o rumo que nossas vidas tomam... Verdade seja dita, a terapia primal não pode ser defendida em princípios cientificamente estabelecidos. Este não é surpreendente, considerando a fundamentação teórica questionável. " [64] Outras fontes também questionaram a validade científica da terapia primal, alguns usando o termo "pseudociência"
  • Psicanálise é um corpo de ideias desenvolvidas pelo médico austríaco Sigmund Freud e seus seguidores, que se dedica ao estudo do funcionamento psicológico e do comportamento humano. Ele tem sido controverso desde a sua criação.[65] Karl Popper caracterizou como pseudociência baseada em psicanálise não a exigência de refutabilidade.[66][67] Frank Cioffi afirma que "apesar de Popper dizer corretamente que a psicanálise é pseudocientífica e corrige para dizer que é não-falseável, ele está equivocado ao sugerir que é pseudocientífica, porque é não-falsiável. [...] É quando [Freud] insiste em que ele confirmou (e não apenas instanciado) [suas teses empíricas] que ele está sendo pseudocientífico. " [68]
  • Mensagem subliminar: Informações de percepção subliminar são visuais ou auditivas, que é discernido abaixo do limiar da percepção consciente e teria um efeito sobre o comportamento humano. Entrou em descrédito no final de 1970 [14][69], mas tem havido um interesse renovado de investigação recentemente.[70]

Biologia[editar | editar código-fonte]

  • Racismo científico: A crença de que certas raças são inferiores a outras devido a evidências científicas[71][72]

Saúde e Medicina[editar | editar código-fonte]

  • Medicina alternativa tem sido descrita como pseudocientífica. A Fundação Nacional da Ciência tem realizado pesquisas de "atitudes públicas e entendimento popular" sobre "ficção científica e pseudociência", que inclui um estudo da popularidade da medicina alternativa. Ele considera a crença na medicina alternativa, um motivo de preocupação, definindo-a como "todos os tratamentos que não foram comprovados com eficácia dos métodos científicos." Depois de citada na lista do Comitê para a Investigação Cética, a medicina alternativa como um dos muitos assuntos pseudocientíficos, bem como citam as preocupações dos cientistas individuais, organizações e membros da comunidade políticas de ciência, comenta que "no entanto, a popularidade da medicina alternativa [com o público] parece estar aumentando." [73]
  • Medicina antroposófica, é uma escola da medicina alternativa, fundada em 1920 por Rudolf Steiner em conjunto com Ita Wegman baseado na filosofia espiritual da Antroposofia. É uma abordagem holística e individualizada dos salutogênicos para a saúde, consideram enfatizando os ensaios clínicos randomizados.[74] Não existe análise científica aprofundada da eficácia da medicina antroposófica como sistema independente de suas bases filosóficas tem sido feita, e não há nenhuma conclusão baseada em evidências disponíveis sobre a eficácia global do sistema.[75]
  • Medicina ortomolecular é uma prática de Medicina Alternativa que recomenda o uso de quantidades de biomoléculas acima dos limites definidos pela Medicina[76].
  • Método Bates para uma melhor acuidade visual é um método educacional desenvolvido pelo oftalmologista William Bates destina-se a melhorar a visão "natural" para o ponto em que supostamente pode eliminar a necessidade de óculos, desfazendo uma tensão habitual de se ver.[77] Em 1929, Bates era citado pela FTC por publicidade falsa ou enganosa em relação a seu livro que descreve o método, "Perfect Sight Without Glasses" ("Visão Perfeita sem óculos"),[78] a denúncia foi posteriormente indeferida.[79] Apesar de algumas pessoas afirmarem ter melhorado a sua visão, seguindo seus princípios, as ideias de Bates "sobre a visão e a acomodação foram rejeitadas pela corrente principal de oftalmologia e optometria.[80][81][82][83][84]
  • Biorritmo - uma hipótese que explora que a fisiologia e o comportamento humano é regido por ciclos físicos, emocionais e intelectuais que duram 23, 28 e 33 dias, respectivamente. O sistema postula, por exemplo, que erros de julgamento são mais prováveis nos dias em que ciclo intelectual de um indivíduo, como determinado por dia desde o nascimento, está perto de um mínimo. Nenhum mecanismo biofísico da ação foi descoberto, e o poder preditivo de gráficos de biorritmo não é melhor do que a chance.[14][85][86][87]
  • Brain Gym - um programa de treinamento comercial, que afirma que todos os desafios de aprendizagem podem ser superados por encontrar os movimentos corretos, para depois criar novos caminhos no cérebro. Eles afirmam que a repetição dos 26 movimentos do Brain Gym "ativam o cérebro para o armazenamento ideal e recuperação da informação",[88] e se destinam a "integrar o corpo e mente", a fim de melhorar a "concentração, memória, leitura, escrita, organização, audição, coordenação física, e muito mais. " [89] Sua base teórica foi completamente desacreditada pela comunidade científica, que o descrevem como pseudociência.[90][91][92][93] Seu fundador, Paul Dennison, admitiu que muitas das reivindicações do Brain Gym não são baseados na ciência, mas no seu "palpite".[94]
  • Quiropraxia é uma medicina alternativa cuja prática incide sobre a manipulação da coluna. Muitos quiropráticos modernos veem a disfunção exclusivamente mecânica, e oferecem aconselhamento sobre saúde e estilo de vida.[95][96] Muitos outros, porém, a base de sua prática sobre o vitalismo de D.D. Palmer e B.J. Palmer, sustentando que todas ou muitas doenças orgânicas são o resultado da hipotética disfunções espinhais conhecidas como subluxações vertebrais e do fluxo de deficientes de inteligência inatas, uma forma de energia putativa.[97][98] Estas ideias não são baseadas na ciência e, juntamente com a falta de uma base sólida de investigação são, em parte responsáveis pelo conflito histórico entre a quiropraxia e a medicina tradicional.[99][100][101][102] Revisões sistemáticas recentes indicam a possibilidade de eficácia moderada para a manipulação da coluna vertebral na gestão da dor lombar inespecífica.[103][104][105]
  • Limpeza do Cólon' (hidroterapia do cólon) engloba uma série de terapias médicas alternativas destinadas a remover os resíduos de fezes e as toxinas não identificadas do cólon e do trato intestinal. Acredita-se que o acúmulo de fezes em putrefação na linha das paredes do intestino grosso e que o abrigo de parasitas ou patogênicos na flora intestinal, causam sintomas inespecíficos e em geral os problemas de saúde. Esta hipótese de "auto-intoxicação" é baseada nas crenças médicas dos antigos egípcios e gregos, e foi desacreditada no início do século XX.[106][107]
  • Cicatrização por cristais é a crença de que os cristais têm propriedades curativas. Depois de comum entre os povos pré-científicos e indígenas, recentemente cresceu em popularidade com o movimento new age.[108][109][110]
  • Hipersensibilidade electromagnética (EHS) é uma sensibilidade relatada a campos elétricos e magnéticos ou radiações electromagnéticas de frequências de diferentes níveis de exposição muito abaixo do estabelecido pelas normas de segurança. Os sintomas são inconsistentes, mas podem incluir dores de cabeça, fadiga, dificuldade em dormir, e similares.[111]
  • Cura pela fé é o ato de curar uma doença, por meio de oração e imposição das mãos. Nenhum benefício material em excesso do que o esperado por placebo é observado.[14][112][113] No entanto, os defensores da cura pela fé, respondem, afirmando que o que os médicos descrevem como efeito placebo é uma forma de cura pela fé [114].
  • Homeopatia é a crença em dar a um paciente com sintomas de uma doença remédios extremamente diluídos que são pensados que irão produzir os mesmos sintomas em pessoas saudáveis. Estas preparações são freqüentemente diluídas além do ponto em que qualquer molécula de tratamento deverá manter-se.[115] Estudos da prática homeopática têm sido amplamente negativos ou inconclusivos.[116][117][118][119] Nenhuma base científica para os princípios homeopáticos tem sido comprovados.[22][120][121][122][123][124][125]
  • Hipnose é um estado de relaxamento extremo e foco interno no qual uma pessoa é extraordinariamente sensível às sugestões feitas pelo hipnotizador. A prática moderna tem suas raízes na ideia do magnetismo animal ou mesmerismo, originado por Franz Mesmer.[126] As explicações de Mesmer eram completamente desacreditadas, e hoje em dia não há acordo entre os investigadores se a hipnose é um fenômeno real, ou apenas uma forma de participação não-promulgada.[14][69] Alguns aspectos da sugestão ter sido clinicamente útil para, por exemplo, no manejo da dor. Outras utilizações da hipnose alegam mais claramente dentro da área de pseudociência. Tais áreas incluem o uso de regressão hipnótica para além dos limites plausíveis, incluindo a regressão a vidas passadas.[127]
  • Iridologia é um meio de diagnóstico médico que os proponentes acreditam que podem identificar e diagnosticar problemas de saúde através de um exame aprofundado das marcas e padrões da íris. Profissionais dividem a íris em 80-90 zonas, cada uma das quais está ligado a uma região particular do corpo ou órgão. Esta ligação não tem sido cientificamente validado e a detecção de doença não é seletiva, nem específica.[128][129][130] Devido à textura da íris, que é uma característica fenotípica que se desenvolve durante a gestação e permanece inalterada após o nascimento, a Iridologia é quase impossível.
  • Magnetoterapia é a prática do uso de campos magnéticos para influenciar positivamente a saúde. Apesar de existirem usos médicos legítimos para imãs e campos magnéticos, a intensidade do campo magnético usado na terapia é demasiado baixo para efetuar qualquer mudança biológica, e os métodos utilizados não têm validade científica.[14][131][132]
  • Radiônica é um instrumento de diagnóstico médico e terapia, que os proponentes acreditam que podem diagnosticar e resolver os problemas de saúde, utilizando várias freqüências em um campo de energia putativo acoplado a um dispositivo eletrônico do praticante. Os primeiros dispositivos "caixa preta" foram concebidos e promovidos por Albert Abrams, e foram comprovados serem definitivamente inúteis por uma investigação independente encomendada pela Scientific American, em 1924.[133] Dispositivos similares continuam a serem comercializado sob vários nomes, mas nenhum é aprovado pela Food and Drug Administration, e não há nenhuma evidência científica da eficácia ou a premissa subjacente dos dispositivos radiônicos.[134][135]
  • Toque terapêutico é uma forma de vitalismo, onde um médico, que também pode ser uma enfermeira[136], passa as mãos sobre e em torno de um doente para "realinhar" ou "reequilibrar" um campo de energia putativa.[27]
  • Medicina Tradicional Chinesa (MTC) é o sistema médico tradicional originário da China e praticada como uma medicina alternativa em grande parte do mundo. Ela contém elementos com base no Taoísmo, Budismo, e Neo-Confucionismo,[137] e considera o corpo humano mais funcional e vitalista de termos anatômicos.[138][139] Saúde e doença na MTC seguem o princípio do yin e yang, e são atribuídos ao equilíbrio ou desequilíbrio no fluxo de força vital, QI.[140] Os métodos de diagnóstico é exclusivamente externo, incluindo exame do pulso em seis pontos, o exame da língua de um paciente, e uma entrevista ao paciente;[138][141][142][143]
    • Acupuntura é o uso de agulhas finas para estimular pontos de acupuntura e equilibrar o fluxo de qi. Não se conhece bases anatômicas e histológicas para a existência de pontos de acupuntura ou meridianos.[141][144] Alguns acupunturistas considera-os como funcionais e não entidades estruturais, úteis para orientar a avaliação e tratamento dos pacientes.[145] O agulhamento seco é a inserção de agulhas finas terapêutica sem levar em conta a teoria da MTC. A acupuntura tem sido objecto de investigação científica ativa desde o final do século XX,[146] e os seus efeitos e aplicações permanece controverso entre os pesquisadores, médicos ocidentais e clínicos.[146] Como é um procedimento em vez de um comprimido, o projeto de estudos controlados é um desafio, tal como acontece com cirúrgicas e outros procedimentos.[146][147][148][149]:126 Algumas opiniões acadêmicas concluem que os efeitos da acupuntura são principalmente placebo,[150][151] e os outros a encontram a probabilidade de eficácia para condições específicas.[146][152][153][154]
      • Acupressão é a estimulação não-invasiva manual de pontos de acupuntura.
      • Pontos de acupuntura ou acupontos são uma coleção de várias centenas de pontos do corpo deitados ao longo dos meridianos. Segundo a teoria da MTC, cada um corresponde a um determinado órgão ou função.
    • Meridianos na MTC são os canais através dos quais os fluxos de qi, conectando os pares de vários órgãos zang-fu.[138][155] Não se conhece as bases anatômicas e histológicas para a existência de pontos de acupuntura ou meridianos.[141][144]
    • Ki é a energia vital, cujo fluxo deve ser equilibrado para a saúde. Qi nunca foi observado diretamente, e não está relacionado com a energia usada na ciência.[156][157][158]
    • Fitoterapia chinesa é a recolha de medicamentos brutos usada na medicina chinesa tradicional. Estes incluem muitas plantas, em parte ou no todo, como o ginseng e goji, bem como os ingredientes mais exóticos, como cavalos-marinhos. Preparações geralmente incluem diversos ingredientes, em combinação, com seleção baseada nas características físicas, tais como sabor ou forma, ou de relacionamento com os órgãos do MTC.[159] A maioria das preparações que não tem sido rigorosamente avaliados ou não dão nenhuma indicação de eficácia.[160][161]
    • Zang-fu é o conceito de como os órgãos e entidades funcionais yin e yang para o armazenamento e manipulação de qi.[138] Estes órgãos não são baseados em anatomia.
  • Urinoterapia, beber própria urina, ou pura ou com poções homeopáticas, para o tratamento de uma ampla variedade de doenças baseia-se em pseudociência.[162]
  • Ventosaterapia é uma forma milenar de medicina alternativa que emprega ventosas. Além de não ter resultados benéficos medicamente comprovados, pode ser nociva ao paciente, causando irritação da pele e até queimaduras.[163]
  • Vitalismo é uma doutrina que os processos da vida não são explicáveis pelas leis da física e da química sozinhas e que a vida é em parte auto-determinação. O livro "Enciclopédia da Pseudociência" declarou que "atualmente, o vitalismo é uma das ideias que formam a base para muitos sistemas de saúde pseudocientíficos que afirmam que as doenças são causadas por um distúrbio ou desequilíbrio da força vital do corpo." "Vitalistas pretendem ser científicos, mas na verdade eles rejeitam o método científico, com seus postulados básicos de causa e efeito e de demonstrabilidade. Frequentemente em conta a experiência subjetiva de ser mais válida do que a realidade material objetiva." [164]

Crenças religiosas e espirituais[editar | editar código-fonte]

Crenças e práticas religiosas e espirituais, de acordo com Carl Sagan, não são normalmente classificadas como pseudociência.[165] No entanto, os seguintes itens religiosos / espirituais foram relacionados ou classificados como pseudociência de alguma forma:

  • Criacionismo é a crença de que a origem de tudo no universo é o resultado de uma primeira causa, provocada por uma divindade criadora, e que esta tese é apoiada por geológicas, biológicas e outras evidências científicas.[7][10][11][166]
  • Dianética (que está envolvido na Cientologia) é uma pseudociência que L. Ron Hubbard, pretende tratar a uma hipotética mente reativa, através de um E-metro, um dispositivo que Hubbard mais tarde foi legalmente forçado a admitir que "não faz nada." [170][171][172][173][174]
  • Espiritismo científico é uma corrente ideológica do movimento espírita que considera o espiritismo puramente como uma ciência no sentido estrito da palavra.[175][176]
  • Feng Shui é considerado uma pseudociência, e tem sido criticado por muitas organizações dedicadas a investigar alegações paranormais. Elementos para a sua eficácia se baseiam na anedota, e há uma falta de um método plausível de ação, o que leva a conselhos conflitantes de diferentes profissionais de Feng Shui. Praticantes de feng shui usam isso como evidência de variações ou escolas diferentes; analistas críticos têm descrito assim: "Feng Shui sempre foi baseado em meras conjecturas." [177][178] Críticos modernos distinguem o feng shui tradicional como uma proto-religião e a prática moderna: "A crença naturalista, que foi originalmente usada para encontrar um lugar de habitação auspiciosa para um santuário ou um túmulo. entanto, ao longo dos séculos, ele ... tornou-se distorcido e degradado em uma superstição grosseira." [179] Tem havido pouca pesquisa sistemática científica no feng shui, uma vez que o consenso científico geral é de que é superstição.
  • Misticismo quântico baseia-se uma semelhança superficial entre certos conceitos da Nova Era e tais conceitos aparentemente contra-intuitiva mecânica quântica como o princípio da incerteza, entrelaçamento e dualidade onda-partícula, embora geralmente ignorando as limitações impostas pelo entrelaçamento quântico.[14][180][181][182][183] Uma das ideias mais abusada é o teorema de Bell, o que comprova a inexistência de locais variáveis ocultas da mecânica quântica. Apesar disso, o próprio Bell resistiu interpretações místicas da teoria.[184]
  • Sudário de Turim é um pedaço de pano de linho acreditado por alguns membros da comunidade cristã ter sido a mortalha de Jesus.[14] A datação do material original tem mostrado que remonta ao século XIII ou 14,[185] embora alguns alegam que o material testado não era representante da mortalha toda.[186][187] Análises da pintura e da sarja espinha do tecido semelhante a um ponto de origem medieval.[188]

Referências

  1. Hansson, Sven Ove (10 de fevereiro de 2014). «Science and Pseudo-Science». The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  2. Pollak 2002
  3. Pracontal, Michel (2004). A impostura científica em dez lições. São Paulo: Editora UNESP. ISBN 85-7139-521-7 
  4. Ian O'Neill (2008). «2012: No Geomagnetic Reversal». Universe Today. Consultado em 27 de maio de 2009 
  5. "2012: Tsunami of Stupidity: Why the latest apocalyptic cult is a silly scam." by Ron Rosenbaum, Slate.com, May 22, 2009 (accessed 26 May 2009)
  6. «April 27th: Will the World End in 2012?». 365daysofastronomy.org. 27 de abril de 2009. Consultado em 22 de setembro de 2009 
  7. a b c d e f g h i article on the website of the Astronomical Society of the Pacific. Astronomical Pseudo-Science: A Skeptic's Resource List (Version 3.0; August 2003)
  8. Knier, Gil; Becky Bray (30 de março de 2001). «The Moon Landing Hoax». NASA. Consultado em 2 de dezembro de 2007  "Did we actually send humans to the Moon in the 1960's? Of course we did!"
  9. «The Universe At Your Fingertips Activity: Activities With Astrology». Astronomical Society of the Pacific. Consultado em 3 de dezembro de 2007  "These activities help students to understand the difference between science and pseudoscience by investigating some of astrology's claims."
  10. a b c statement from the California Academy of Sciences.[1]
  11. a b c statement from the Iowa Academy of Science.[2]
  12. a b statement from the Russian Academy of Sciences.[3]
  13. National Science Foundation (2002). Science and Engineering Indicators – 2002. Arlington, VA: National Science Foundation. pp. ch. 7. ISBN 978-0160665790  "Belief in pseudoscience is relatively widespread... More than 25 percent of the public believes in astrology, that is, that the position of the stars and planets can affect people's lives."
  14. a b c d e f g h i j k l m n o p q entrada em The Skeptic Encyclopedia of Pseudoscience.
  15. Trefil, James (março de 2007). «Who Were the Ancient Engineers of Egypt?». Skeptical Briefs. Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 1 de dezembro de 2007  "the pyramids, as impressive as they are, give no evidence at all for the presence of advanced technology at work in ancient Egypt."
  16. Brendan O'Neill (4 de agosto de 2008). «Do they really think the earth is flat?». BBC News 
  17. Plinio Prioreschi (1998). Edwin Mellen Press, ed. A history of medicine. [S.l.: s.n.] p. xxxiv. ISBN 1888456035. Since the Renaissance, there has been a pseudo-scientific counterpart for each of the various sciences. The existence of pseudo-scientific counterparts for physics, astronomy (...) is indicated, respectively, by the activities of the believers in perpetual motion, the members of the flat earth society, (...) 
  18. Govert Schilling. The Hunt For Planet X: New Worlds and the Fate of Pluto. [S.l.]: Copernicus Books. p. 111 
  19. David Morrison (2008). «Armageddon from Planet Nibiru in 2012? Not so fast». discovery.com. Consultado em 2 de abril de 2009 
  20. Myles Standish (16 de julho de 1992). «Planet X - No dynamical evidence in the optical observations». Astronomical Journal volume= 105 (5): 200–2006. Consultado em 30 de abril de 2009 
  21. «Indicators 2000 - Chapter 8: Science and Technology: Public Attitudes and Public Understanding - Belief in the Paranormal or Pseudoscience». www.nsf.gov. Consultado em 21 de abril de 2012 
  22. a b Beyerstein, BL (1997). «Distinguishing Science from Pseudoscience» (PDF). Consultado em 14 de julho de 2007 
  23. a b c Science and Technology: Public Attitudes and Public Understanding - Science Fiction and Pseudoscience
  24. "They call it cerealogy", CNN.com
  25. Bell, David (2005). Science Technology and Culture. [S.l.]: McGraw-Hill International. p. 114 
  26. Prothero, Donald R.; Carl Dennis Buell (2007). Evolution. New York: Columbia University Press. p. 13 
  27. a b c Scientific American
  28. Parapsychological Association website, Glossary of Key Words Frequently Used in Parapsychology. Retrieved January 24, 2006.
  29. Alcock, James E. «Electronic Voice Phenomena:Voices of the Dead?». Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 8 de março de 2007 
  30. Carroll, Robert Todd, The Skeptic's Dictionary 2003, Wiley Publishing Company, ISBN 0-471-27242-6
  31. Shermer, Michael (2005). «Turn Me On, Dead Man». Scientific American. Consultado em 28 de fevereiro de 2007 
  32. Terrence Hines, Pseudoscience and the Paranormal: A Critical Examination of the Evidence, Prometheus Books, Buffalo, NY, 1988. ISBN 0-87975-419-2.Thagard (1978) op cit 223 ff
  33. Parapsychological Association website, Glossary of Key Words Frequently Used in Parapsychology. Retrieved December 24, 2006.
  34. "extrasensory perception" Merriam-Webster Online Dictionary.
  35. National Science Foundation (2002). Science and Engineering Indicators – 2002. Arlington, VA: National Science Foundation. pp. ch. 7. ISBN 978-0160665790  "Belief in pseudoscience is relatively widespread... At least half of the public believes in the existence of extrasensory perception (ESP)."
  36. «Levitation». Skeptic's Dictionary 
  37. Randi, James (1989). The Faith Healers. [S.l.]: Prometheus Books. ISBN 0-87975-535-0 
  38. David Vernon in Skeptical - a Handbook of Pseudoscience and the Paranormal, ed Donald Laycock, David Vernon, Colin Groves, Simon Brown, Imagecraft, Canberra, 1989, ISBN 0-7316-5794-2, p47
  39. «"Psychic surgery" -- 40 (3): 184 -- CA: A Cancer Journal for Clinicians». Consultado em 28 de julho de 2007 
  40. Carroll, Robert Todd. «Psychic Surgery». The Skeptic's Dictionary. Consultado em 28 de julho de 2007 
  41. «Psychic surgeon charged». The Filipino Reporter. 17–23 de junho de 2005. Consultado em 28 de julho de 2007 
  42. Vyse, Stuart A. (1997). Believing in Magic: The Psychology of Superstition. [S.l.]: Oxford University Press US. p. 129. ISBN 0-19-513634-9. [M]ost scientists, both psychologists and physicists, agree that it has yet to be convincingly demonstrated. 
  43. Stableford, Brian M (2006). Science fact and science fiction: an encyclopedia. New York: Routledge. ISBN 0-415-97460-7 
  44. "Russian Alien Spaceship Claims Raise Eyebrows, Skepticism", Robert Roy Britt, SPACE.com
  45. The Universe, LIFE Science Library, 1970.
  46. National Science Foundation (2002). Science and Engineering Indicators – 2002. Arlington, VA: National Science Foundation. pp. ch. 7. ISBN 978-0160665790  "Belief in pseudoscience is relatively widespread... A sizable minority of the public believes in UFOs and that aliens have landed on Earth."
  47. «Book Review — NEJM». www.nejm.org. Consultado em 21 de abril de 2012 
  48. http://psycnet.apa.org/index.cfm?fa=search.displayRecord&uid=2002-14079-003  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  49. «The Pseudo-science of Sexual Orientation Conversion Therapy» (PDF). ANGLES, the policy journal of the Institute for Gay and Lesbian Strategic Studies (IGLSS), www.iglss.org. 1999. Consultado em 4 de abril de 2009 
  50. «Barry Beyerstein Q&A». Ask the Scientists. Scientific American Frontiers. Consultado em 22 de fevereiro de 2008  "they simply interpret the way we form these various features on the page in much the same way ancient oracles interpreted the entrails of oxen or smoke in the air. I.e., it's a kind of magical divination or fortune telling where 'like begets like.'"
  51. «The use of graphology as a tool for employee hiring and evaluation». British Columbia Civil Liberties Union. 1988. Consultado em 22 de fevereiro de 2008  "On the other hand, in properly controlled, blind studies, where the handwriting samples contain no content that could provide non-graphological information upon which to base a prediction (e.g., a piece copied from a magazine), graphologists do no better than chance at predicting the personality traits"
  52. Thomas, John A. (2002). «Graphology Fact Sheet». North Texas Skeptics. Consultado em 22 de fevereiro de 2008  "In summary, then, it seems that graphology as currently practiced is a typical pseudoscience and has no place in character assessment or employment practice. There is no good scientific evidence to justify its use, and the graphologists do not seem about to come up with any."
  53. James W. Polichak, "Memes as Pseudoscience", in Michael Shermer, Skeptic Encyclopedia of Pseudoscience. P. 664f.
  54. MOTA, R; FLORES, R.; SEPEL L.; LORETO, E. Método Científico & Fronteiras do Conhecimento. Santa Maria: CESMA, 2003.
  55. Schmidt, Helmut (1969). «Clairvoyance Tests with a Machine'». Journal of Parapsychology. 33 
  56. Schmidt, Helmut (1970). «PK Experiments with Animals as Subjects». Journal of Parapsychology. 34 
  57. Schmidt, Helmut (1973). «PK Tests with a High Speed Random Number Generator'». Journal of Parapsychology. 37 
  58. «Scientific Validity of Polygraph Testing: A Research Review and Evaluation». Washington, D. C.: U.S. Congress Office of Technology Assessment. 1983. Consultado em 29 de fevereiro de 2008  line feed character character in |publicado= at position 33 (ajuda)
  59. «Monitor on Psychology - The polygraph in doubt». American Psychological Association. Julho de 2004. Consultado em 29 de fevereiro de 2008 
  60. Vergano, Dan (2002). «Telling the truth about lie detectors». USA Today 
  61. Magendie, F (1843) An Elementary Treatise on Human Physiology. 5th Ed. Tr. John Revere. New York: Harper, note: "pseudo-science" (p.150).
  62. Fodor, JA. (1983) The Modularity of Mind. MIT Press. p.14, 23, 131
  63. Primal therapy homepage
  64. Moore, Timothy (2001). Primal Therapy. [S.l.]: Gale Group 
  65. Merkin, Daphne (5 de setembro de 2004). «Psychoanalysis: Is It Science or Is It Toast?». New York Times 
  66. Currie, G; Musgrave, A (eds) (1985) “Popper and the Human Sciences (Nijhoff International Philosophy Series)” SpringerVerlag, pp13-44
  67. Popper KR, "Science: Conjectures and Refutations", reprinted in Grim P (1990) Philosophy of Science and the Occult, Albany, pp. 104–110
  68. Cioffi, Frank (1985). «Psychoanalysis, Pseudo-Science and Testability». In: Currie, Gregory; Musgrave, Alan. Popper and the human sciences. [S.l.]: Springer. ISBN 9789024729982 . Reprinted in Cioffi, Frank (1998). Freud and the question of pseudoscience. [S.l.]: Open Court. ISBN 9780812693850 
  69. a b Westen et al. 2006 "Psychology: Australian and New Zealand edition" John Wiley.
  70. «Urban Legends Reference Pages: Business (Subliminal Advertising)». The Urban Legends Reference Pages. Consultado em 11 de agosto de 2006 
  71. Reflections on Stephen Jay Gould's The Mismeasure of Man (1981 por JOHN B. CARROLL publica em A Retrospective Review in Intelligence 21, 121-134 (1995)
  72. Measuring Intelligence: Facts and Fallacies por Bartholomew, David J. (2004). Publicado por Cambridge University Press. pp. 73, 145–146. ISBN 9780521544788.
  73. National Science Foundation survey: Science and Technology: Public Attitudes and Public Understanding. Science Fiction and Pseudoscience.
  74. von Rohr et al., "Experiences in the realisation of a research project on anthroposophical medicine in patients with advanced cancer", Schweiz Med Wochenschr 2000;130:1173–84
  75. Ernst, Edzard, "Anthroposophical Medicine: A systematic review of randomised clinical trials." Wiener Klinische Wochenschrift, ISSN 0043-5325, 2004, vol. 116, no4, pp. 128–130
  76. María Luisa Torres (29 de setembro de 2012). «El Verso De La Medicina Ortomolecular» (em espanhol). Consultado em 23 de março de 2016 
  77. Quackenbush, Thomas R. (2000). Better Eyesight The complete magazines of William H. Bates. [S.l.]: North Atlantic Books. p. age 643. ISBN 1-55643-351-4 
  78. Worrall, Russell S.; Jacob Nevyas, Stephen Barrett (12 de setembro de 2007). «Eye-Related Quackery». Consultado em 17 de novembro de 2007. The claims Bates made in advertising his book were so dubious that in 1929 the Federal Trade Commission issued a complaint against him for advertising "falsely or misleadingly. 
  79. Pollack P. (1956). «Chapter 3: Fallacies of the Bates System». The Truth about Eye Exercises. [S.l.]: Philadelphia: Chilton Co. 
  80. Leanna Skarnulis (5 de fevereiro de 2007). «Natural Vision Correction: Does It Work?». WebMD  "No evidence was found that visual training had any effect on the progression of nearsightedness, or that it improved visual function for patients with farsightedness or astigmatism, or that it improved vision lost to diseases, including age-related macular degeneration, glaucoma, or diabetic retinopathy."
  81. Gardner, Martin (1957). «Chapter 19: Throw Away Your Glasses». Fads and Fallacies in the Name of Science. [S.l.]: Reprint: Courier Dover. pp. 230–241. ISBN 0-486-20394-8  "Actually, Bates' theory of accommodation (so necessary to explain the value of his exercises) is so patently absurd that even most of his present-day followers have discarded it."
  82. Robyn E. Bradley (23 de setembro de 2003). «Advocates See Only Benefits From Eye Exercises» (PDF). The Boston Globe (MA) 
  83. Marg, E. (1952). «"Flashes" of clear vision and negative accommodation with reference to the Bates Method of visual training.» (PDF). Am J Opt Arch Am Ac Opt. 29 (4): 167–84 
  84. Randi, James (11 de novembro de 2006). «Swift: the weekly newsletter of the JREF». Consultado em 17 de novembro de 2007. This is pure old quackery, it’s wishful thinking, and it’s profitable. 
  85. «Biological Rhythms: Implications for the Worker». OTA-BA-463 Box 2-A pg. 30. Office of Technology Assessment. Setembro de 1991. Consultado em 21 de fevereiro de 2008  "No evidence exists to support the concept of biorhythms; in fact, scientific data refute their existence."
  86. Carroll, Robert Todd. «Biorhythms». Skeptic's Dictionary. Consultado em 21 de fevereiro de 2008  "The theory of biorhythms is a pseudoscientific theory that claims our daily lives are significantly affected by rhythmic cycles overlooked by scientists who study biological rhythms."
  87. Hines, Terence (1998). «Comprehensive Review of Biorhythm Theory» (pdf (summary)). Psychological Reports. 83 (1): 19–64. doi:10.2466/PR0.83.5.19-64. PMID 9775660. Consultado em 20 de fevereiro de 2008  "The conclusion is that biorhythm theory is not valid."
  88. «Brain Gym - FAQ». The Official Brain Gym Web Site. Consultado em 11 de agosto de 2008. BRAIN GYM works by facilitating optimal achievement of mental potential through specific movement experiences. All acts of speech, hearing, vision, and coordination are learned through a complex repertoire of movements. BRAIN GYM promotes efficient communication among the many nerve cells and functional centers located throughout the brain and sensory motor system. 
  89. About Brain Gym
  90. «Neuroscience and Education: Issues and Opportunities» (PDF). the ESRC's Teaching and Learning Research Programme website. Consultado em 3 de agosto de 2007. The pseudo-scientific terms that are used to explain how this works, let alone the concepts they express, are unrecognisable within the domain of neuroscience. 
  91. Goswami, Usha (2006). «Neuroscience and education: from research to practice?» (fee required). Nature. 7: 406–413. doi:10.1038/nrn1907. Consultado em 11 de agosto de 2008. Cognitive neuroscience is making rapid strides in areas highly relevant to education. However, there is a gulf between current science and direct classroom applications. Most scientists would argue that filling the gulf is premature. Nevertheless, at present, teachers are at the receiving end of numerous 'brain-based learning' packages. Some of these contain alarming amounts of misinformation, yet such packages are being used in many schools. 
  92. «Sense About Science - Brain Gym». Sense About Science. Consultado em 11 de abril de 2008. These exercises are being taught with pseudoscientific explanations that undermine science teaching and mislead children about how their bodies work. ... There have been a few peer reviewed scientific studies into the methods of Brain Gym, but none of them found a significant improvement in general academic skills. 
  93. Hyatt, Keith J. (2007). «Brain Gym - Building Stronger Brains or Wishful Thinking?» (fee required). SAGE Publications. Remedial and Special Education. 28 (2): 117–124. doi:10.1177/07419325070280020201. ISSN 0741-9325. Consultado em 12 de setembro de 2008. a review of the theoretical foundations of Brain Gym and the associated peer-reviewed research studies failed to support the contentions of the promoters of Brain Gym. Educators are encouraged to become informed consumers of research and to avoid implementing programming for which there is neither a credible theoretical nor a sound research basis. 
  94. «News in brief». London: The Times. 5 de abril de 2008. Consultado em 1 de setembro de 2008. Paul Dennison, a Californian educator who created the programme, admitted that many claims in his teacher’s guide were based on his 'hunches' and were not proper science. 
  95. «An Introduction to Chiropractic». National Center for Complementary and Alternative Medicine. Novembro de 2007. Consultado em 6 de janeiro de 2009 
  96. «Standards for Doctor of Chiropractic programs and requirements for institutional status» (PDF). The Council on Chiropractic Education. 2007. Consultado em 14 de fevereiro de 2008 
  97. Nelson CF, Lawrence DJ, Triano JJ; et al. (2005). «Chiropractic as spine care: a model for the profession». Chiropractic & Osteopathy. 13. 9 páginas. doi:10.1186/1746-1340-13-9. PMC 1185558Acessível livremente. PMID 16000175 
  98. Grod JP, Sikorski D, Keating JC (2001). «Unsubstantiated claims in patient brochures from the largest state, provincial, and national chiropractic associations and research agencies». Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics. 24 (8): 514–9. doi:10.1067/mmt.2001.118205. PMID 11677551 
  99. Keating JC Jr, Cleveland CS III, Menke M (2005). «Chiropractic history: a primer» (PDF). Association for the History of Chiropractic. Consultado em 16 de junho de 2008 
  100. Keating JC Jr (1997). «Chiropractic: science and antiscience and pseudoscience side by side». Skept Inq. 21 (4): 37–43 
  101. Michael, DeRobertis; Lewis Vaughn, Matt Nisbet (3 de fevereiro de 1999). «Nobel Laureates Criticize York University Affiliation with Chiropractic». Skeptical Inquirer. Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 6 de janeiro de 2009 
  102. DeRobertis, Michael (verão de 2001). «York U. Rejects Chiropractic College» (PDF). The Ontario Skeptic. Skeptics Canada. Consultado em 6 de janeiro de 2009 
  103. Ernst E, Canter PH (2006). «A systematic review of systematic reviews of spinal manipulation». J R Soc Med. 99 (4): 192–6. doi:10.1258/jrsm.99.4.192. PMC 1420782Acessível livremente. PMID 16574972 
  104. Bronfort G, Haas M, Evans R, Kawchuk G, Dagenais S (2008). «Evidence-informed management of chronic low back pain with spinal manipulation and mobilization». The Spine Journal. 8 (1): 213–25. doi:10.1016/j.spinee.2007.10.023. PMID 18164469 
  105. Assendelft WJ, Morton SC, Yu EI, Suttorp MJ, Shekelle PG (2004). «Spinal manipulative therapy for low back pain». Cochrane Database of Systematic Reviews (1): CD000447. doi:10.1002/14651858.CD000447.pub2. PMID 14973958 
  106. Barrett, S (9 de março de 2008). «Gastrointestinal Quackery: Colonics, Laxatives, and More». Quackwatch. Consultado em 2 de setembro de 2008 
  107. «ACS: Colon Therapy». Consultado em 7 de dezembro de 2008 
  108. Campion EW (1993). «Why unconventional medicine?». The New England Journal of Medicine. 328 (4): 282–3. doi:10.1056/NEJM199301283280413. PMID 8418412 
  109. Carroll, Robert Todd. «crystal power». The Skeptic's Dictionary. Consultado em 28 de julho de 2007 
  110. Stephen S. Carey. A Beginner's Guide to Scientific Method. Belmont, CA: Wadsworth Publishing. ISBN 0-534-58450-0 Predefinição:Pn
  111. Röösli M, Moser M, Baldinini Y, Meier M, Braun-Fahrländer C (2004). «Symptoms of ill health ascribed to electromagnetic field exposure--a questionnaire survey». International Journal of Hygiene and Environmental Health. 207 (2): 141–50. doi:10.1078/1438-4639-00269. PMID 15031956 
  112. National Science Foundation (2002). Science and Engineering Indicators – 2002. Arlington, VA: National Science Foundation. pp. ch. 7. ISBN 978-0160665790  "Belief in pseudoscience is relatively widespread... Polls also show that one quarter to more than half of the public believes in ... faith healing."
  113. Frazier, Kendrick (janeiro de 2005). «In the Land of Galileo, Fifth World Skeptics Congress Solves Mysteries, Champions Scientific Outlook». Skeptical Inquirer. Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 18 de dezembro de 2007  "The majority of rigorous trials show no effect beyond placebo." (Edzard Ernst)
  114. Rev. Charles Capps, Concepts of Faith.
  115. Kayne SB, Caldwell IM (2006), Homeopathic pharmacy: theory and practice (2 ed.), Elsevier Health Sciences, p. 52.
  116. Goldacre, Ben (17 de novembro de 2007). «Benefits and Risks of Homoeopathy». The Lancet. 370: 1672. doi:10.1016/S0140-6736(07)61706-1  "Five large meta-analyses of homoeopathy trials have been done. All have had the same result: after excluding methodologically inadequate trials and accounting for publication bias, homoeopathy produced no statistically significant benefit over placebo."
  117. «Homoeopathy's benefit questioned». BBC News. 25 de agosto de 2005. Consultado em 30 de janeiro de 2008  "Professor Egger said: "We acknowledge to prove a negative is impossible. "But good large studies of homeopathy do not show a difference between the placebo and the homoeopathic remedy, whereas in the case of conventional medicines you still see an effect.""
  118. «Homeopathy: systematic review of systematic reviews». Bandolier. Consultado em 30 de janeiro de 2008  "None of these systematic reviews provided any convincing evidence that homeopathy was effective for any condition. The lesson was often that the best designed trials had the most negative result"
  119. «Questions and Answers About Homeopathy». National Center for Complementary and Alternative Medicine. Abril de 2003. Consultado em 30 de janeiro de 2008  "In sum, systematic reviews have not found homeopathy to be a definitively proven treatment for any medical condition."
  120. Comitê para a Investigação Cética, cited in National Science Foundation Subcommittee on Science & Engineering Indicators (2000). «Science and Technology: Public Attitudes and Public Understanding Science Fiction and Pseudoscience». National Science Foundation. Consultado em 13 de julho de 2007 
  121. «NCAHF Position Paper on Homeopathy». National Council Against Health Fraud. 1994. Consultado em 14 de julho de 2007 
  122. Tyler, Chris (setembro de 2006). «Sense About Homeopathy» (PDF). Sense About Science. Consultado em 29 de janeiro de 2008  "The scientific evidence shows that homeopathy acts only as a placebo and there is no scientific explanation of how it could work any other way."
  123. «Questions and Answers About Homeopathy». National Center for Complementary and Alternative Medicine. Abril de 2003. Consultado em 30 de janeiro de 2008  "a number of its key concepts do not follow the laws of science (particularly chemistry and physics)."
  124. «What is Homeopathy». American Cancer Society. 5 de janeiro de 2000. Consultado em 30 de janeiro de 2008  "Most scientists say homeopathic remedies are basically water and can act only as placebos."
  125. "In a statement, the Royal College of Pathologists said they were "deeply alarmed" that the regulation of medicine had "moved away from science and clear information for the public"."Scientists attack homeopathy move, BBC News, 25 October 2006. Retrieved 2 February 2008.
  126. «Hypnosis». American Cancer Society. Consultado em 25 de fevereiro de 2008 
  127. Lynn, Steven Jay; Timothy Lock, Elizabeth Loftus, Elisa Krackow, and Scott O. Lilienfeld (2003). «The remembrance of things past: problematic memory recovery techniques in psychotherapy». In: Lilienfeld, Scott O. Science and Pseudoscience in Psychotherapy. New York: Guilford Press. pp. 219–220. ISBN 1572308281  Parâmetro desconhecido |coeditors= ignorado (ajuda); "hypnotically induced past life experiences are rule-governed, goal-directed fantasies that are context generated and sensitive to the demands of the hypnotic regression situation."
  128. «Iridology». Natural Standard. 7 de julho de 2005. Consultado em 1 de fevereiro de 2008  "Research suggests that iridology is not an effective method to diagnose or help treat any specific medical condition."
  129. Ernst E. Iridology: not useful and potentially harmful. Arch. Ophthalmol. 2000 Jan;118(1):120-1. PMID 10636425
  130. «H-175.998 Evaluation of Iridology» (PDF). American Medical Association. Consultado em 30 de julho de 2009  "Our AMA believes that iridology, the study of the iris of the human eye, has not yet been established as having any merit as a diagnostic technique."
  131. Park, Robert L. (2000). Voodoo Science: The Road from Foolishness to Fraud. New York, New York: Oxford University Press. pp. 58–63. ISBN 0-19-513515-6. Not only are magnetic fields of no value in healing, you might characterize these as "homeopathic" magnetic fields. 
  132. National Science Foundation (2002). Science and Engineering Indicators – 2002. Arlington, VA: National Science Foundation. pp. ch. 7. ISBN 978-0160665790  "Among all who had heard of [magnet therapy], 14 percent said it was very scientific and another 54 percent said it was sort of scientific. Only 25 percent of those surveyed answered correctly, that is, that it is not at all scientific."
  133. Pilkington, Mark (15 de abril de 2004). «A vibe for radionics». The Guardian. London. Consultado em 7 de fevereiro de 2008  "Scientific American concluded: 'At best, [ERA] is all an illusion. At worst, it is a colossal fraud.'"
  134. «Electromagnetic Therapy». American Cancer Society. Consultado em 6 de fevereiro de 2008  "There is no relationship between the conventional medical uses of electromagnetic energy and the alternative devices or methods that use externally applied electrical forces. Available scientific evidence does not support claims that these alternative electrical devices are effective in diagnosing or treating cancer or any other disease."
  135. Helwig, David (dezembro de 2004). «Radionics». In: Longe, Jacqueline L. The Gale Encyclopedia of Alternative Medicine. [S.l.]: Gale Cengage. ISBN 978-0787674243. Consultado em 7 de fevereiro de 2008 
  136. Wallace, Sampson; Lewis Vaughn (24 de março de 1998). «"Therapeutic Touch" Fails a Rare Scientific Test». CSICOP News. Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 5 de dezembro de 2007  "Despite this lack of evidence, TT is now supported by major nursing organizations such as the National League of Nurses and the American Nurses Association."
  137. Unschuld, Paul Ulrich (1985). Medicine in China: A History of Ideas. [S.l.]: University of California Press. ISBN 0520062167 
  138. a b c d «Traditional Chinese Medicine: Principles of Diagnosis and Treatment». Complementary/Integrative Medicine Therapies. The University of Texas M. D. Anderson Cancer Center. Consultado em 12 de fevereiro de 2009 
  139. «The Roots of Qi». CSICOP. Consultado em 12 de fevereiro de 2009 
  140. Barrett, Stephen (30 de dezembro de 2007). «Be Wary of Acupuncture, Qigong, and "Chinese Medicine"». Quackwatch. Consultado em 4 de janeiro de 2009 
  141. a b c «NCAHF Position Paper on Acupuncture (1990)». National Council Against Health Fraud. 16 de setembro de 1990. Consultado em 30 de dezembro de 2007 
  142. Maciocia, Giovanni (1989). The Foundations of Chinese Medicine. [S.l.]: Churchill Livingstone 
  143. Barrett, Stephen (28 de março de 2008). «Why TCM Diagnosis Is Worthless». Acupuncture Watch. Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  144. a b Felix Mann: "...acupuncture points are no more real than the black spots that a drunkard sees in front of his eyes." (Mann F. Reinventing Acupuncture: A New Concept of Ancient Medicine. Butterworth Heinemann, London, 1996,14.) Quoted by Matthew Bauer in Chinese Medicine Times, Vol 1 Issue 4 - Aug 2006, "The Final Days of Traditional Beliefs? - Part One"
  145. Kaptchuk, 1983, pp. 34–35
  146. a b c d Ernst E, Pittler MH, Wider B, Boddy K. (2007). «Acupuncture: its evidence-base is changing». Am J Chin Med. 35 (1): 21–5. doi:10.1142/S0192415X07004588. PMID 17265547 
  147. White AR, Filshie J, Cummings TM (2001). «Clinical trials of acupuncture: consensus recommendations for optimal treatment, sham controls and blinding». Complement Ther Med. 9 (4): 237–245. doi:10.1054/ctim.2001.0489. PMID 12184353 
  148. Johnson MI (2006). «The clinical effectiveness of acupuncture for pain relief--you can be certain of uncertainty». Acupunct Med. 24 (2): 71–9. doi:10.1136/aim.24.2.71. PMID 16783282 
  149. Committee on the Use of Complementary and Alternative Medicine by the American Public. (2005). Complementary and Alternative Medicine in the United States. National Academies Press.
  150. Madsen MV, Gøtzsche PC, Hróbjartsson A (2009). «Acupuncture treatment for pain: systematic review of randomised clinical trials with acupuncture, placebo acupuncture, and no acupuncture groups». BMJ. 338: a3115. doi:10.1136/bmj.a3115. PMC 2769056Acessível livremente. PMID 19174438 
  151. Ernst E (2006). «Acupuncture--a critical analysis». Journal of Internal Medicine. 259 (2): 125–37. doi:10.1111/j.1365-2796.2005.01584.x. PMID 16420542 
  152. Furlan AD, van Tulder MW, Cherkin DC; et al. (2005). «Acupuncture and dry-needling for low back pain». Cochrane database of systematic reviews (Online) (1): CD001351. doi:10.1002/14651858.CD001351.pub2. PMID 15674876 
  153. Lee A, Done ML (2004). «Stimulation of the wrist acupuncture point P6 for preventing postoperative nausea and vomiting». Cochrane database of systematic reviews (Online) (3): CD003281. doi:10.1002/14651858.CD003281.pub2. PMID 15266478 
  154. Acupuncture: Review and Analysis of Reports on Controlled Clinical Trials. World Health Organization, 2003. Section 3. Section 3 (HTML); [4]
  155. «Definition of Chinese meridian theory». National Cancer Institute. Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  156. Shermer, Michael (julho de 2005). «Full of Holes: the curious case of acupuncture». Scientific American. 293 (2): 30. Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  157. Stenger, Victor J. (junho de 1998). «Reality Check: the energy fields of life». Skeptical Briefs. Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 25 de dezembro de 2007  "Despite complete scientific rejection, the concept of a special biological fields within living things remains deeply engraved in human thinking. It is now working its way into modern health care systems, as non-scientific alternative therapies become increasingly popular. From acupuncture to homeopathy and therapeutic touch, the claim is made that healing can be brought about by the proper adjustment of a person's or animal's "bioenergetic fields.""
  158. «Traditional Medicine and Pseudoscience in China: A Report of the Second CSICOP Delegation (Part 2)». CSICOP. Consultado em 15 de fevereiro de 2009 
  159. «Traditional Chinese Medicine: Overview of Herbal Medicines». Complementary/Integrative Medicine Therapies. The University of Texas M. D. Anderson Cancer Center. Consultado em 12 de fevereiro de 2009 
  160. Yuehua, N; Chen, J; Wu, T; Jiafu, W; Liu, G; Chen, Jin (2004). «Chinese medicinal herbs for sore throat (Review)». doi:10.1002/14651858.CD004877 
  161. Praities, Nigel (7 de agosto de 2008). «GPs warned over Chinese medicine». Pulse. Consultado em 16 de fevereiro de 2009 
  162. Gardner, Martin (2001). Did Adam and Eve Have Navels?: Debunking Pseudoscience. New York: W.W. Norton & Company. pp. 92–101. ISBN 0-393-32238-6 
  163. Novella, Steve. «Cupping – Olympic Pseudoscience». Science-Based Medicine. Consultado em 10 de agosto de 2016 
  164. Williams, William A. (2000). Encyclopedia of pseudoscience. New York: Facts on File. ISBN 0-8160-3351-X 
  165. Carl Sagan, "Does Truth Matter? Science, Pseudoscience, and Civilization", Skeptical Inquirer, 1996
  166. a b statement from the International Council for Science.ICSU Insight
  167. Till, Farrell (1990). «What About Scientific Foreknowledge in the Bible?» (self published). The Skeptical Review: 2–5 
  168. Discovery Institute, Center for Science and Culture. Questions about Intelligent Design: What is the theory of intelligent design? "The theory of intelligent design holds that certain features of the universe and of living things are best explained by an intelligent cause, not an undirected process such as natural selection." Questions About Intelligent Design
  169. Ruling, Kitzmiller v. Dover Area School District, Conclusion "In making this determination, we have addressed the seminal question of whether ID is science. We have concluded that it is not, and moreover that ID cannot uncouple itself from its creationist, and thus religious, antecedents."
  170. Christopher Riche Evans (1974). Cults of Unreason. [S.l.]: Farrar, Straus and Giroux. ISBN 0-374-13324-7  Chapter 6.
  171. Russell Miller. Bare-faced messiah: The true story of L. Ron Hubbard. [S.l.]: Key Porter 
  172. Dr. Peter Banys in the SF Chronicle
  173. defined as pseudoscience at Skeptic's Dictionary
  174. "Dianetics, that unholy alliance of psychoanalysis and cybernetics, rates a special chapter." - Some Comments on Popular-Science Books, John Pfeiffer, Science (New Series), Vol. 117, No. 3042 (Apr., 1953), pp. 399–403, referencing Fads and Fallacies in the Name of Science by Martin Gardner
  175. (Vários colaboradores) Buckingham, Will; et. alli. - O Livro da Filosofia - Editora Globo - São Paulo, SP - 2011 - ISBN 978-85-250-4986-5
  176. Cartner, Rita; et alii - O Livro do Cérebro - Rio de Janeiro - Agir - 2012 - ISBN 978-85-220-1361-6
  177. Edwin Joshua Dukes, The Encyclopædia of Religion and Ethics, T & T Clark, Edinburgh, 1971, p 834
  178. Monty Vierra. Harried by "Hellions" in Taiwan. Sceptical Briefs newsletter, March 1997.
  179. Dukes, op cit, p 833
  180. Park, Robert L. (2000). Voodoo Science: The Road from Foolishness to Fraud. New York, New York: Oxford University Press. p. 39. ISBN 0-19-513515-6  "[People] long to be told that modern science validates the teachings of some ancient scripture or New Age guru. The purveyors of pseudoscience have been quick to exploit their ambivalence."
  181. Stenger, Victor J. (janeiro de 1997). «Quantum Quackery». Skeptical Inquirer. Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 7 de fevereiro de 2008  "Capra's book was an inspiration for the New Age, and "quantum" became a buzzword used to buttress the trendy, pseudoscientific spirituality that characterizes this movement."
  182. Gell-Mann, Murray (1995). The Quark and the Jaguar: Adventures in the Simple and Complex. [S.l.]: Macmillan. p. 168. ISBN 0805072535  "Then the conclusion has been drawn that quantum mechanics permits faster-than-light communication, and even tha claimed "paranormal" phenomena like precognition are thereby made respectable! How can this have happened?"
  183. Kuttner, Fred; Bruce Rosenblum (novembro de 2006). «Teaching physics mysteries versus pseudoscience». Physics Today. American Institute of Physics. Consultado em 8 de fevereiro de 2008  "We should not underestimate how persuasively physics can be invoked to buttress mystical notions. We physicists bear some responsibility for the way our discipline is exploited."
  184. Bell, J. S. (1988). Speakable and Unspeakable in Quantum Mechanics. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 170. ISBN 0521523389  "So I think it is not right to tell the public that a central role for conscious mind is integrated into modern atomic physics. Or that 'information' is the real stuff of physical theory. It seems to me irresponsible to suggest that technical features of contemporary theory were anticipated by the saints of ancient religions ... by introspection."
  185. Damon, P. E.; D. J. Donahue, B. H. Gore, A. L. Hatheway, A. J. T. Jull, T. W. Linick, P. J. Sercel, L. J. Toolin, C. R. Bronk, E. T. Hall, R. E. M. Hedges, R. Housley, I. A. Law, C. Perry, G. Bonani, S. Trumbore, W. Woelfli, J. C. Ambers, S. G. E. Bowman, M. N. Leese, M. S. Tite (fevereiro de 1989). «Radiocarbon dating of the Shroud of Turin». Nature. 337 (6208): 611–615. doi:10.1038/337611a0. Consultado em 18 de novembro de 2007 
  186. Rogers, Raymond N.: "Studies on the radiocarbon sample from the shroud of turin." Thermochimica Acta, Volume 425, Issue 1–2 (20 January 2005), pages 189–194
  187. Ball, Philip. "To Know a Veil". Nature online, 28 January 2005.
  188. Nickell, Joe "the scientific approach allows the preponderance of evidence to lead to a conclusion: the shroud is the work of a medieval artisan". «PBS "Secrets of the Dead" Buries the Truth About Turin Shroud». Consultado em 18 de novembro de 2007 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]