Pé-grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quadro 352 da famosa filmagem Patterson-Gimlin, alegado por Roger Patterson e Robert Gimlin ser o Pé-grande.

O Pé-grande (em inglês: Bigfoot; ou Sasquatch ou Caiola - termo derivado do halkomelem - um idioma do grupo linguístico salishan, natural do sudoeste da Columbia Britânica) é descrito como uma criatura na forma de um grande macaco que vive nas regiões selvagens e remotas dos Estados Unidos e Canadá. Reivindica-se que seria um animal aparentado do Ieti tibetano (o "Abominável Homem das Neves").[1][2][3][4][5][6]

Em 2007, foi organizada uma expedição em busca de provas ou até mesmo do próprio pé-grande.[7] Mas nada foi encontrado.

Em 15 de agosto de 2008, dois caçadores norte-americanos foram à mídia dizendo terem em suas mãos o corpo congelado do famoso Bigfoot. Porém, após a análise do "corpo", foi descoberto que o suposto cadáver do monstro não passava de uma fantasia de macaco congelada. Em defesa, os dois caçadores disseram terem sido enganados e comprado o corpo de dois outros caçadores por um preço "inacreditavelmente baixo", mas decidiram levar a farsa adiante.[8][9]

Em 2014, o primeiro estudo feito pela comunidade científica, e revisado por vários investigadores, revela que os pelos recolhidos nos locais onde houve avistamentos do Pé-grande e do Abominável Homem das Neves (Yeti) pertencem a animais mundanos como lobos e ursos.[10]

Características[editar | editar código-fonte]

Relatos de pessoas que teriam visto a criatura, na maioria dos casos, descrevem um primata bípede muito alto (entre 2 a 4,5 m). Geralmente é coberto por pelos de cor marrom escuro e seu rosto é uma mistura de gorila e ser humano. Algumas pessoas testemunham um forte odor desagradável, enquanto outras dizem que a criatura não exala cheiro.[11]

Teoria evolutiva[editar | editar código-fonte]

Existe uma teoria científica que aponta a possibilidade dessas criaturas serem descendentes diretos do gigantopithecus, primata já extinto, maior que um gorila e que possuía dentes parecidos com os dos humanos. Seu parente vivo mais próximo é o orangotango.[11]

Referências

  1. Vernon, Steve, 1958- author. (2018). Trilhas do Pé Grande. [S.l.]: Babelcube Books. OCLC 1038397971 
  2. Regal, Brian (2011). «The Problems of Evidence». New York: Palgrave Macmillan US: 131–156. ISBN 978-1-349-29378-0 
  3. Taggart, James M. (junho de 2017). «Joe's Bigfoot». Anthropology and Humanism. 42 (1): 12–14. ISSN 1559-9167. doi:10.1111/anhu.12163 
  4. Gee, Henry (27 de outubro de 2004). «Flores, God and Cryptozoology». Nature. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/news041025-2 
  5. International Society of Cryptozoology. (1986-). Cryptozoology. [S.l.]: International Society of Cryptozoology. OCLC 498871482  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. Noll, Elizabeth, author. Bigfoot. [S.l.: s.n.] OCLC 957227775 
  7. Cientistas tentarão encontrar Pé-Grande nos EUA Portal Terra
  8. Caçadores americanos dizem ter cadáver congelado do 'Pé Grande' G1
  9. Capturado um Pé-Grande... de fantasia? Arquivado em 25 de agosto de 2010, no Wayback Machine. Ceticismo Aberto
  10. «Análises de ADN provam que o Bigfoot e o Abominável Homem das Neves não existem». Arquivado do original em 14 de julho de 2014 
  11. a b HARRIS, Tom. Como funciona o Pé-grande Arquivado em 22 de agosto de 2009, no Wayback Machine. HowStuffWorks
Ícone de esboço Este artigo sobre criptozoologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.