Tutancâmon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tutancâmon
Manequim de Tutancâmon, madeira esculpida e revestida de gesso. Provavelmente usado para demonstrar as vestes e joias do rei[1]
Faraó do Egito
Reinado c 1332–1 323 a.C.
Consorte Anquesenamom
Antecessor(a) Semencaré
Sucessor(a)
 
Dinastia XVIII dinastia
Nascimento 1 341 a.C.
Morte 1 323 a.C.
Enterro KV62, Vale dos Reis
Filho(s) Duas filhas, uma natimorta e outra logo após nascer
Religião Politeísmo egípcio
Titularia
Nome
G39N5<
imn
n
tG43tS34HqAiwnSma
>
(Tutankhamun Hekaiunushema)
Trono
M23L2<
N5L1Z2
nb
>
(Nebkheperure)
Hórus
G5E1
D40
tG43tF31stG43Z3
(Kanakht Tutmesut)
Duas Senhoras
G16nfrO4
p
G43M40Z3sW11
r
V28D36
N17
N17
N21
N21

G16wraHprZ1imn
n
nb
r
Dr
r
A41
(Neferhepusegerehtawy Werahamun Nebrdjer = "Ele cujas leis são perfeitas, que pacifica as duas terras; Grande do palácio de Amom; Senhor de tudo"[2])
Hórus de Ouro
G8U39N28
Z2
O34R4
t p
R8AHqAq
Y1
mAats

G8Htp
t p
R8AwT
z
U39xa
Z2
it
f

G8A41
f
C2U39xa
Z2
Tz
z
tA
tA
m
(Wetjeskhausehetepnetjeru Heqamaatsehetepnetjeru Wetjeskhauitefre Wetjeskhautjestawyim)

Tutancâmon (pt-BR) ou Tutancámon (pt), Tutancamon[3] ou ainda Tutankhamon[4] (c. 1 341 a.C. — c. 1 323 a.C.[5]) foi um faraó da décima oitava dinastia (governou de c. 1332–1323 a.C. na cronologia egípcia), durante o período da história egípcia conhecido como Império Novo.[6] Desde a descoberta de sua tumba intacta, foi referido coloquialmente como Rei Tut. Seu nome original, Tutankhaten, significa "Imagem viva de Áton", enquanto que Tutankhamun significa "Imagem viva de Amom".[7] Em hieróglifos , o nome Tutankhamun era tipicamente escrito Amen-tut-ankh, devido a um costume dos escribas de colocarem um nome divino no começo de uma frase para a reverência apropriada.[8] Tutancâmon é possivelmente Nibhurrereya[9] mencionado nas Cartas de Amarna e provavelmente o rei da dinastia XVIII, Rathotis,[10] que, de acordo com Manetão, um historiador antigo, reinou por apenas nove anos — uma hipótese que está de acordo com a versão de Flávio Josefo do epítome de Manetão.[11]

A descoberta de 1922 por Howard Carter da tumba de Tutancâmon, financiada por Lord Carnarvon,[12][13] recebeu cobertura da imprensa mundial. Isso despertou um renovado interesse público pelo antigo Egito, do qual a Máscara mortuária de Tutancâmon, atualmente no Museu Egípcio, continua sendo um símbolo popular. Exibições de artefatos de sua tumba percorreram o mundo. Em fevereiro de 2010, os resultados do teste de DNA confirmaram que ele era o filho da múmia encontrada na tumba KV55, que alguns acreditavam ser Aquenáton. Sua mãe era a irmã e a esposa de seu pai, cujo nome é desconhecido, mas cujos restos mortais são positivamente identificados como a múmia "Dama Jovem" (pt-BR) (pt) [14] encontrada na tumba KV35 (Possivelmente Nefertiti).[15] A morte de alguns envolvidos na descoberta da múmia de Tutancâmon tem sido popularmente atribuída à Maldição do faraó.[16]

Vida[editar | editar código-fonte]

Tutancâmon era filho de Aquenáton (anteriormente Amenhotep IV) com alguma irmã do próprio Aquenáton[17] ou possivelmente uma de suas primas.[18] Ainda como príncipe, era conhecido como Tutancaten.[19] Ele subiu ao trono em 1333 a.C., com a idade de nove ou dez anos, assumindo o nome Nebkheperure.[20] Sua ama de leite foi uma mulher chamada Maia, segundo conta em seu túmulo em Sacará.[21] Seu professor foi Sennedjem.[22]

Quando se tornou rei, se casou com uma meia-irmã chamada Anquesenpaatem, que mais tarde mudou seu nome para Anquesenamom. Tiveram duas filhas, nenhuma das quais sobreviveu a infância.[15] Estudo de tomografia computadorizada lançados em 2011 revelam que uma filha nasceu prematuramente aos 5-6 meses de gestação e a outra a termo, aos 9 meses.[23] A filha que nasceu aos 9 meses de gestação tinha espinha bífida, escoliose e deformidade de Sprengel (uma condição que afeta a posição da escápula).[24]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Caixa pintada com cenas de Tutancâmon combatendo os núbios e asiáticos[25]
Detalhe da pintura frontal da caixa

Dada a sua idade, o rei provavelmente tinha conselheiros muito poderosos, presumivelmente incluindo o General Horemebe (grão-vizir, o possível filho de na lei e sucessor) e o grão-vizir Aí ( que sucedeu a Tutancâmon). Horemebe registra que o rei o nomeou "senhor da terra" como príncipe hereditário para manter a lei. Ele também notou sua capacidade de acalmar o jovem rei quando seu temperamento se agitava.[26]

Em seu terceiro ano de reinado, sob a influência de seus conselheiros, Tutancâmon reverteu várias mudanças feitas durante o reinado de seu pai. Ele terminou a adoração do deus Áton e restaurou o deus Amom à supremacia. A proibição do culto de Amom foi suspensa e os privilégios tradicionais foram restaurados ao seu sacerdócio. A capital foi transferida de volta para Tebas e a cidade de Aquetatem foi abandonada.[27] Foi quando ele mudou seu nome para Tutancâmon, "Imagem viva de Amom", reforçando a restauração de Amom.

Como parte de sua restauração, o rei iniciou projetos de construção, em particular em Carnaque em Tebas, onde dedicou um templo a Amom. Muitos monumentos foram erguidos, uma inscrição na porta do seu túmulo declara que o rei havia "passado a vida modelando as imagens dos deuses". Os festivais tradicionais foram novamente celebrados, incluindo os relacionados com o Touro Ápis, o Horemaquete e o Festival de Opet. Sua estela de restauração diz:

Os templos dos deuses e deusas ... estavam em ruínas. Seus santuários estavam desertos e cobertos pelo mato. Seus santuários estavam tão esquecidos que suas cortes eram usadas como estradas... os deuses viraram as costas para esta terra... Se alguém fizesse uma oração a um deus por um conselho, ele nunca responderia.[28]

O país estava economicamente fraco e em tumulto após o reinado de Aquenáton. As relações diplomáticas com outros reinos foram negligenciadas, e Tutancâmon buscou restaurá-las, em particular as relações com os Mitani. A evidência de seu sucesso é sugerida pelos presentes de vários países encontrados em sua tumba. Apesar de seus esforços para melhorar as relações, foram registradas batalhas contra os núbios e asiáticos em seu templo mortuário em Tebas.[25] Seu túmulo continha armaduras corporais, bancos dobráveis apropriados para campanhas militares e arcos, além dele ter treinado o arco e flecha.[29] No entanto, dada a sua juventude (morto aos idade 18) e deficiências físicas que pareciam exigir o uso de uma bengala para caminhar, a maioria dos historiadores especula que não participou pessoalmente dessas batalhas.[15][30][31]

"Cabeça do faraó emergindo da flor de lótus", estatueta de madeira do jovem rei encontrada na entrada da tumba, atualmente no Museu do Cairo[32]

Saúde e aparência[editar | editar código-fonte]

Tutancâmon era magro e tinha quase 1,67 cm de altura.[33][34] Ele tinha grandes incisos frontais e a arcada dentária superior projetada para frente, característica da linhagem real Tuteméses à qual pertencia. Entre setembro de 2007 e outubro de 2009, várias múmias foram submetidas a estudos antropológicos, radiológicos e genéticos detalhados, como parte do King Tutankhamun Family Project. A pesquisa mostrou que Tutancâmon também tinha "um pouco de fissura palatina"[35] e possivelmente um caso leve de escoliose, uma condição médica na qual a coluna se desvia para o lado da posição normal. Foi postulado no documentário de 2002 "Assassination of King Tut" para o Discovery Channel que ele sofria de síndrome de Klippel-Feil, mas a análise subsequente excluiu isso como um diagnóstico aceitável.[36] O exame do corpo de Tutancâmon também revelou deformações no pé esquerdo, causadas por necrose do tecido ósseo. A aflição pode ter forçado Tutancâmon a andar com o uso de uma bengala, muitas dos quais foram encontrados em sua tumba..[37] Nos testes de DNA da múmia de Tutancâmon, os cientistas encontraram DNA dos parasitas transmitidos por mosquitos que causam a malária. Esta é atualmente a mais antiga prova genética conhecida da doença. Mais de uma cepa do parasita da malária foi encontrada, indicando que Tutancâmon contraiu múltiplas infecções por malária. De acordo com a National Geographic, "a malária enfraqueceu o sistema imunológico de Tutancâmon e interferiu na cicatrização de seu pé. Esses fatores, combinados com a fratura em seu osso da coxa esquerda, que cientistas descobriram em 2005, pode ter sido o que acabou matando o jovem rei ".[37]

Morte[editar | editar código-fonte]

Algumas das 130 bengalas e esteios de Tutancâmon. Alguns estudiosos sugerem que o rei foi enterrado com esses itens porque precisava de auxílio para caminhar, no entanto, outros reis da 18a dinastia também usaram o acessório.[42]

Não há registros sobre a morte de Tutancâmon. A causa de sua morte tem sido objeto de considerável debate e importantes estudos foram realizados para estabelecê-la. Uma tomografia computadorizada realizada em 2005 mostrou que ele havia sofrido uma fratura na perna esquerda[43] pouco antes de sua morte e que a perna havia se infectado. A análise de DNA realizada em 2010 mostrou a presença de malária em seu sistema, levando à crença de que uma combinação de malária e doença de Köhler o levou à morte.[44]

Um pesquisa realizada em 2005 por arqueólogos, radiologistas e geneticistas que realizaram tomografias na múmia, descobriu que ele não foi morto por um golpe na cabeça, como se pensava anteriormente. Novas imagens de TC descobriram falhas congênitas , que são mais comuns em filhos de incesto. Irmãos são mais prováveis transmitirem cópias duplas de alelos deletérias, razão pela qual os filhos de incesto manifestam defeitos genéticos com mais frequência.[45] Suspeita-se que ele também tinha um fissura palatina, outro defeito congênito.[40]

Várias outras doenças, invocadas como possíveis explicações para sua morte precoce, incluíram a síndrome de Marfan, síndrome de Wilson-Turner, síndrome de Fröhlich (distrofia adiposogenital), [[síndrome de Klinefelter], síndrome de insensibilidade androgênica, síndrome de excesso de aromatase em conjunto com a síndrome de craniossinostose sagital, a síndrome de Antley-Bixler ou uma de suas variantes.[46]

Uma equipe de pesquisa realizou mais exames de TC, a análise de STR rejeitou a hipótese de ginecomastia e craniossinostose (por exemplo, síndrome de Antley-Bixler) ou síndrome de Marfan, mas um acúmulo de malformações da família de Tutancâmon são evidentes. Várias patologias, incluindo a doença de Köhler II, foram diagnosticadas. Nenhuma delas teria causado a sua morte. Testes genéticos para genes STEVOR, AMA1, ou MSP1 específicos para Plasmodium falciparum revelaram indicações de malária tropica em 4 múmias, incluindo a de Tutancâmon.[15]

Como dito acima, a equipe descobriu DNA de várias cepas de um parasita, provando que ele foi repetidamente infectado com a mais severa cepa da malária, várias vezes em sua curta vida. A malária pode causar uma resposta imune fatal no corpo ou desencadear um choque circulatório que também pode levar à morte. Se Tutankhamon sofreu de uma doença óssea que era incapacitante, pode não ter sido fatal. "Talvez ele tenha lutado contra outras [falhas congênitas] até que um ataque severo de malária ou uma perna quebrada em um acidente tenha acrescentado uma cepa a um corpo que não poderia mais suportar a carga", escreveu Zahi Hawass, arqueólogo e chefe do Conselho Supremo Egípcio de Antiguidade envolvido na pesquisa.[47]

Uma revisão dos achados médicos até o momento constatou que ele sofria de leve cifoescoliose, pé chato, hipofalangismo do pé direito, necrose do segundo e terceiro metatarsiano ósseo do pé esquerdo, malária e uma fratura ósseacomplexa do joelho direito, que ocorreu pouco antes de sua morte.[48]

Vários especialistas argumentam que o DNA egípcio antigo nem sempre sobrevive a um nível que é facilmente recuperável e questionam a validade e confiabilidade dos dados genéticos coletados de fontes egípcias antigas. Um especialista argumenta que a maioria dos ferimentos infligidos a Tutancâmon tinha que ter acontecido antes e durante a mumificação, devido a um teste realizado em ossos secos que desmoronaram quando ele tentou cortá-los, descartando que o peito de Tutancâmon tivesse sido cortado por Carter ou por qualquer outra pessoa depois dele. Vários especialistas apóiam a idéia de que o rei Tutancâmon morreu como resultado de um acidente, seja de um acidente de caça ou de biga. Alguns acreditam que Tutancâmon morreu repentinamente longe de casa e teve que ser levado de volta para a mumificação. Dr. Jo Marchant, um historiador, admite em seu livro The Shadow King que ela pessoalmente, acredita que o faraó Tutancâmon morreu como resultado de um acidente, afirmando que todas as evidências sugerem que Tutancâmon tinha sido um jovem que deve ter assumido um risco a mais e terminou sua vida cedo, afirmando também que a teoria do acidente apoia todas as esquisitices em torno da mumificação e do enterro de Tutancâmon; ela também aponta que muitos cientistas concordam que, embora Ashraj Selim e sua equipe sejam radiologistas maravilhosos e experientes, eles não têm experiência em examinar múmias antigas e, portanto, não conseguem diagnosticar facilmente uma múmia antiga.[49]

A tumba de Tutancâmon[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: KV62
Howard Carter e associados abrindo as portas do santuário na câmara funerária (1924 reconstrução do evento de 1923)

Tutancâmon foi enterrado em um túmulo excepcionalmente pequeno considerando seu status. Sua morte pode ter ocorrido inesperadamente, antes da conclusão de uma grandiosa tumba real, fazendo com que a múmia de Tutancâmon fosse enterrada em um túmulo destinado a outra pessoa. Isso preservaria a observância dos habituais 70 dias entre a morte e o enterro.[50]

Em 1915, George Herbert, 5º Conde de Carnarvon, o financiador da busca e escavação do túmulo de Tutancâmon no Vale dos Reis, empregou o arqueólogo inglês Howard Carter para explorá-lo. Após uma busca sistemática, Carter descobriu o verdadeiro túmulo de Tutancâmon (KV62) em novembro de 1922,[51] e abriu a câmara funerária em 16 de fevereiro de 1923.[52]

Em 4 de novembro de 2007, 85 anos após a descoberta de Carter, a múmia de Tutancâmon foi exposta em seu túmulo subterrâneo em Luxor, quando a múmia foi removida de seu sarcófago de ouro para uma caixa de vidro com controle de temperatura. O estojo foi projetado para evitar a alta taxa de decomposição causada pela umidade e calor dos turistas que visitam a tumba.[53]

Sua tumba foi saqueada pelo menos duas vezes na antiguidade, mas com base nos itens retirados (incluindo óleos e perfumes perecíveis) e a evidência de restauração da tumba após as intrusões, esses saques provavelmente ocorreram após alguns meses depois do enterro inicial. A localização da tumba foi perdida porque havia sido soterrada por detritos de tumbas posteriores, além disso, foram construídas casas de trabalhadores sobre a entrada da tumba.[54]

A tumba continha 5,398 items, incluindo um caixão de ouro maciço, a máscara mortuária de Tutancâmon, tronos, arcos de arco e flecha, trombetas, um cálice de alabastro, 130 bengalas e suportes,[42] comida, vinho, sandálias e roupas íntimas de linho. Howard Carter levou 10 anos para catalogar os itens.[55] Uma análise recente sugere que a lâmina de punhal de ferro de Tutancâmon, uma adaga recuperada da tumba, tinha uma lâmina de ferro confeccionada a partir de um meteorito; o estudo dos artefatos da época, incluindo outros artefatos da tumba de Tutancâmon, poderia fornecer informações valiosas sobre as tecnologias de usinagem em todo o Mediterrâneo na época.[56][57][58][59]

Quase 80% do equipamento funerário de Tutancâmon se originou dos bens funerários da faraó Neferneferuaten, incluindo a Máscara de Tutancâmon.[60][61] Em 2015, o egiptólogo inglês Nicholas Reeves publicou evidências mostrando que um cartucho na máscara mortuária dizia "Ankhkheperure mery-Neferkheperure" (Ankhkheperure amante de Akhenaten); portanto, a máscara foi originalmente feita para Nefertiti, a rainha principal de Akhenaton, que usou o nome real Ankhkheperure quando ela provavelmente assumiu o trono após a morte de seu marido.[62] Neferneferuaten (provavelmente Nefertiti se ela assumiu o trono após a morte de Akhenaton) pode ter sido deposta em uma luta pelo poder e possivelmente destituída de um enterro real, ou ela foi enterrada com um conjunto de equipamentos funerários diferentes de Akhenaton pelas autoridades de Tutancâmon, desde que Tutancâmon a sucedeu como rei.[63] Neferneferuaten foi provavelmente sucedida por Tutancâmon baseado na presença de seus bens funerários em seu túmulo.[64][65]

Em janeiro de 2019, foi anunciado que a tumba seria reaberta aos visitantes após nove anos de restauração.[66]

Legado[editar | editar código-fonte]

A fama de Tutancâmon é principalmente o resultado de sua tumba bem preservada e das exibições globais de seus artefatos associados. Como Jon Manchip White escreve, em seu prefácio à edição de 1977 de The Discovery of the Tomb of Tutankhamun de Carter, "O faraó que em vida foi um dos menos estimados faraós do Egito se tornou em morte o mais renomado ".[77]

As relíquias da tumba de Tutancâmon estão entre os artefatos mais viajados do mundo. Estes objetos estiveram em muitos países, provavelmente a turnê de exibição mais conhecida foi a turnê "The Treasures of Tutankhamon", de 1972 a 1979. Esta exposição foi mostrada pela primeira vez em Londres no British Museum de 30 de março a 30 de setembro de 1972. Mais de 1,6 milhão de visitantes visitaram a exposição, alguns esperaram em fila por até oito horas. Até hoje a exposição mais popular na história do Museu.[78] A exposição viajou para muitos outros países, incluindo os Estados Unidos, União Soviética, Japão, França, Canadá e Alemanha Ocidental. O Museu Metropolitano de Arte organizou a exposição dos EUA, que decorreu de 17 de novembro de 1976 a 15 de abril de 1979. Mais de oito milhões compareceram.[79]

Em 2005, o Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, em parceria com a Arts and Exhibitions International e a National Geographic Society, lançou um tour pelos tesouros de Tutancâmon e outros objetos funerários da 18ª Dinastia, desta vez chamados Tutankhamun and the Golden Age of the Pharaohs. Apresentava as mesmas exposições que Tutankhamen: The Golden Hereafter em um formato ligeiramente diferente. Esperava-se atrair mais de três milhões de pessoas.[80]

A exposição começou em Los Angeles, depois foi para Fort Lauderdale, Chicago, Filadelfia e Londres antes de finalmente retornar ao Egito em agosto de 2008.[81]

Eventos atuais[editar | editar código-fonte]

As principais descobertas da tumba, incluindo a máscara mortuária de ouro, podem ser encontradas no Museu Egípcio, no Cairo, e em réplicas no Cairo e Luxor. A múmia do faraó é a única de um rei egípcio que ainda está na sepultura original no Vale dos Reis após a descoberta e abertura do túmulo. No curso da Revolução Egípcia de 2011, os saques ao Museu Egípcio também afetaram os achados do túmulo de Tutancâmon. Uma pequena estatueta dourada (JE 60710.1)[82] e o topo de outra estão desaparecidas desde então.[83]

No início de 2015, a máscara mortuária foi danificada durante o trabalho de limpeza: a barba do faraó se rompeu e não foi novamente reparada profissionalmente com cola de resina usou-se um adesivo na máscara que ao ser raspada causou mais danos.[84] No início de 2016, foram apresentadas acusações contra oito egípcios, incluindo o ex-diretor do Museu Egípcio e o então chefe restaurador.[85] Enquanto isso, a máscara foi restaurada.[86]

Em julho de 2019, parte de uma escultura de quartzito com o rosto do faraó egípcio foi leiloado pelo equivalente a vinte e três milhões de reais pela casa de leilões Christie's, em Londres. O leilão ocorreu apesar de críticas do Egito, que alertara que provavelmente o artefato de Tutancâmon foi roubado nos anos 1970; segundo a casa de leilões, o artefato pertencia desde 1960 à coleção do príncipe alemão Maximiliano Carlos, 6º Príncipe de Thurn e Taxis e foi vendido entre 1973 e 74 a um mercador austríaco.[87] Tanto o comprador quanto o vendedor são anônimos.[88]


Referências

  1. Richard Covington. «King Tut: The Pharaoh Returns!» (em inglês). Smithsoniam.com. Consultado em 1 de julho de 2019  (em inglês)
  2. «Digital Egypt for Universities: Tutankhamun». University College Londres. 22 de junho de 2003. Consultado em 5 de agosto de 2006  (em inglês)
  3. Nei Lopes (20 de abril de 2011). Dicionário da antiguidade africana. [S.l.]: Civilização Brasileira. p. 31. ISBN 978-85-200-1098-3 
  4. Ana Regina Rêgo; Jaume Guillamet; Antonio Hohlfeldt; Alberto Pena Rodríguez, Maria Berenice Machado, Jorge Pedro Sousa (22 de maio de 2019). Os desafios da pesquisa em história da comunicação: entre a historicidade e as lacunas da historiografia. [S.l.]: Edipurs. p. 427. ISBN 978-85-397-1248-9 
  5. George Cottrell (15 de dezembro de 2016). Ancient Egypt. [S.l.]: Greenhaven Publishing LLC. p. 9. ISBN 978-1-5345-2027-1  (em inglês)
  6. On Line Editora; História On Line Editora; Civilizações On Line Editora. Guia Conheça a História Ed.01 Egito. [S.l.]: On Line Editora. p. 9. GGKEY:C9XGCT2CJKY  (em inglês)
  7. Peter Roberts (2006). HSC Ancient History. [S.l.]: Pascal Press. p. 190. ISBN 978-1-74125-179-1  (em inglês)
  8. Zauzich, Karl-Theodor (1992). Hieroglyphs Without Mystery. Austin: University of Texas Press. pp. 30–31. ISBN 978-0-292-79804-5  (em inglês) (em inglês)
  9. Mark S. Smith (1994). The Ugaritic Baal Cycle. [S.l.]: BRILL. p. 553. ISBN 90-04-15348-9  (em inglês)
  10. Kara Cooney (30 de outubro de 2018). When Women Ruled the World: Six Queens of Egypt. [S.l.]: National Geographic Society. p. 361. ISBN 978-1-4262-1978-8  (em inglês) (em inglês)
  11. Flavius Josèphe (2000). Flavius Josephus: Translation and Commentary, Volume 10: Against Apion. [S.l.]: BRILL. pp. 62–63. ISBN 90-04-11791-1. (...)e o irmão dela, Ratótis, [reinou] por nove anos.  (em inglês) (em inglês)
  12. «The Egyptian Exhibition at Highclere Castle». Consultado em 21 de outubro de 2013. Arquivado do original em 3 de setembro de 2010  (em inglês)
  13. Hawass, Zahi A. The golden age of Tutankhamun: divine might and splendor in the New Kingdom. American Univ in Cairo Press, 2004. (em inglês)
  14. «O Faraó Tutankhamon, a Rainha Nefertiti e uma Árvore Genealógica Complicada». National Geographic. 2 de março de 2017. Consultado em 30 de junho de 2019  (em inglês)
  15. a b c d Hawass, Zahi; et al. (17 de fevereiro de 2010). «Ancestry and Pathology in King Tutankhamun's Family». The Journal of the American Medical Association. 303 (7): 638–647. PMID 20159872. doi:10.1001/jama.2010.121. Consultado em 21 de outubro de 2013  (em inglês)
  16. «Digging up trouble: beware the curse of King Tutankhamun». The Guardian  (em inglês)
  17. Hawass, Zahi; et al. (17 de fevereiro de 2010). «Ancestry and Pathology in King Tutankhamun's Family». The Journal of the American Medical Association. 303 (7): 640–641. Consultado em 21 de outubro de 2013  (em inglês)
  18. Powell, Alvin (12 de fevereiro de 2013). «A different take on Tut». Harvard Gazette. Consultado em 12 de fevereiro de 2013  (em inglês)
  19. Jacobus van Dijk. «The Death of Meketaten» (PDF). p. 7. Consultado em 2 de outubro de 2008  (em inglês)
  20. «Classroom TUTorials: The Many Names of King Tutankhamun» (PDF). Michael C. Carlos Museum. Consultado em 26 de maio de 2019. Arquivado do original (PDF) em 19 de outubro de 2013  (em inglês)
  21. «Egypt Update: Rare Tomb May Have Been Destroyed». Science Mag. 4 de fevereiro de 2011. Consultado em 1 de novembro de 2013  (em inglês)
  22. Aidan Dodson (2009). Amarna Sunset: Nefertiti, Tutankhamun, Aí, Horemebe, and the Egyptian Counter-reformation. [S.l.]: Oxford University Press. p. 101. ISBN 978-977-416-304-3  (em inglês) (em inglês)
  23. Hawass, Zahi and Saleem, Sahar N. "Mummified daughters of King Tutankhamun: Archaeological and CT studies." The American Journal of Roentgenology 2011. Vol 197, No. 5, pp. W829–836. (em inglês)
  24. Kozma, C. (2008). «Skeletal dysplasia in ancient Egypt». American Journal of Medical Genetics. Part A. 146A (23): 3104–12. PMID 19006207. doi:10.1002/ajmg.a.32501  (em inglês)
  25. a b Francesco Tiradritti. Tesouros do Egito. [S.l.]: MANOLE. p. 213. ISBN 978-85-204-1062-2  (em inglês)
  26. Booth, Charlotte (2007). The Boy Behind the Mask: Meeting the Real Tutankhamun. Oneworld. ISBN 978-1-85168-544-8. (em inglês) (em inglês)
  27. Erik Hornung, Akhenaten and the Religion of Light, Translated by David Lorton, Ítaca, Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Cornell, 2001, ISBN 0-8014-8725-0. (em inglês)
  28. Hart, George (1990). Egyptian Myths. [S.l.]: University of Texas Press. p. 47. ISBN 978-0-292-72076-3  (em inglês)
  29. Gilbert, Holt & Hudson 1976, pp. 28–9.
  30. Booth 2007, pp. 129–30.
  31. Channel 5, 24 de março de 2018: King Tut's Treasure Secrets, parte 1 de 3 (em inglês) (em inglês)
  32. «Head of the child king emerging from a lotus flower, from the Tomb of Tutankhamun» (em inglês). PBS & WGBH Educational Foundation. Consultado em 30 de junho de 2019  (em inglês)
  33. Hawass, Zahi; Saleem, Sahar N. (2016). Scanning the Pharaohs: CT Imaging of the New Kingdom Royal Mummies. Nova Iorque: American University in Cairo Press. p. 94. ISBN 978-977-416-673-0  (em inglês)
  34. Carter, Howard; Derry, Douglas E. (1927). The Tomb of Tutankhamen. [S.l.]: Cassel and Company, LTD. p. 157  (em inglês)
  35. Handwerk, Brian (2005). «King Tut Not Murdered Violently, CT Scans Show». National Geographic News. p. 2. Consultado em 21 de outubro de 2013  (em inglês)
  36. Boyer, Richard S.; Rodin, Ernst A.; Grey, Todd C.; Connolly, R. C. (2003). «The Skull and Cervical Spine Radiographs of Tutankhamun: A Critical Appraisal» (PDF). American Journal of Neuroradiology. 24 (6): 1146. Consultado em 19 de março de 2019  (em inglês)
  37. a b «King Tut Was Disabled, Malarial, and Inbred, DNA Shows». nationalgeographic.com. 17 de fevereiro de 2010  (em inglês)
  38. Nature 472, 404–6 (2011); Published online 27 April 2011; Original link (em inglês)
  39. NewScientist.com; janeiro de 2011; Royal Rumpus over King Tutankhamun's Ancestry (em inglês)
  40. a b c d Hawass, Zahi (setembro de 2010). «King Tut's Family Secrets». National Geographic. Consultado em 4 de janeiro de 2019  (em inglês)
  41. «DNA experts disagree over Tutankhamun's ancestry». Archaeology News Network. 22 de janeiro de 2011. Consultado em 24 de fevereiro de 2011  (em inglês)
  42. a b Nick Brown, University of California, Los Angeles. «Tutankhamun's Sticks» (em inglês). American Research Center in Egypt. Consultado em 1 de julho de 2019  (em inglês)
  43. Hawass, Zahi. «Tutankhamon, segreti di famiglia». National Geographic (em italiano). Consultado em 2 de maio de 2013  (em inglês)
  44. Roberts, Michelle (16 de fevereiro de 2010). «'Malaria' killed King Tutankhamun». BBC News. Consultado em 12 de março de 2010  (em inglês)
  45. Bates, Claire (20 de fevereiro de 2010). «Unmasked: The real faces of the crippled King Tutankhamun (who walked with a cane) and his incestuous parents». Daily Mail. London  (em inglês)
  46. Markel, H. (17 de fevereiro de 2010). «King Tutankhamun, modern medical science, and the expanding boundaries of historical inquiry». JAMA. 303 (7): 667–668. PMID 20159878. doi:10.1001/jama.2010.153  (em inglês)
  47. Hawass, Zahi (1 de setembro de 2010). «King Tut's Family Secrets». National Geographic Magazine. Consultado em 16 de junho de 2019  (em inglês)
  48. Hussein, Kais; Matin, Ekatrina; Nerlich, Andreas G. (2013). «Paleopathology of the juvenile Pharaoh Tutankhamun—90th anniversary of discovery». Virchows Archiv. 463 (3): 475–479. PMID 23812343. doi:10.1007/s00428-013-1441-1  (em inglês)
  49. Jo Marchant (4 de abril de 2013). The Shadow King: The Bizarre Afterlife of King Tut's Mummy. [S.l.]: Hachette Books. ISBN 978-0-306-82134-9  (em inglês)
  50. "The Golden Age of Tutankhamun: Divine Might and Splendour in the New Kingdom", Zahi Hawass, p. 61, American University in Cairo Press, 2004, ISBN 977-424-836-8 (em inglês)
  51. Reeves & Wilkinson 1996, p. 81.
  52. «Howard Carter's diaries (1º de janeiro a 31 de maio de 1923)». Consultado em 4 de junho de 2007. Cópia arquivada em 7 de abril de 2007  (em inglês)
  53. Michael McCarthy (5 de outubro de 2007). «3,000 years old: the face of Tutankhaten». The Independent. London. Arquivado do original em 5 de novembro de 2007  (em inglês)
  54. Mascort, Maite (12 de abril de 2018). «How Howard Carter Almost Missed Finding King Tut's Tomb». National Geographic. Consultado em 12 de julho de 2019  (em inglês)
  55. Williams, A. R.; 24, National Geographic PUBLISHED November. «King Tut: The Teen Whose Death Rocked Egypt». National Geographic News. Consultado em 26 de novembro de 2015  (em inglês)
  56. Dagger in Tutankhamun's tomb was made with iron from a meteorite The Guardian (em inglês)
  57. King Tutankhamun buried with dagger made of space iron, study finds, ABC News Online, 2 de junho de 2016 (em inglês)
  58. Comelli, Daniela; d'Orazio, Massimo; Folco, Luigi; et al. (2016). «The meteoritic origin of Tutankhamun's iron dagger blade». Meteoritics & Planetary Science. 51 (7). 1301 páginas. Bibcode:2016M&PS...51.1301C. doi:10.1111/maps.12664 "Early View (Online Version of Record published before inclusion in a printed issue)". (em inglês)
  59. Walsh, Declan (2 de maio de 2016). «King Tut's Dagger Made of 'Iron From the Sky,' Researchers Say». The New York Times. Consultado em 4 de maio de 2016  (em inglês)
  60. Nicholas Reeves Tutankhamun's Mask Reconsidered BES 19 (2014), pp. 511–22 (em inglês)
  61. Peter Hessler, Inspection of King Tut's Tomb Reveals Hints of Hidden Chambers National Geographic, 28 de setembro de 2015 (em inglês)
  62. Nicholas Reeves, The Gold Mask of Ankhkheperure Neferneferuaten, Journal of Ancient Egyptian Interconnections, Vol.7 No.4, (Dezembro de 2015) pp. 77–9 (em inglês)
  63. Nicholas Reeves,Tutankhamun's Mask Reconsidered BES 19 (2014), pp. 523–24 (em inglês)
  64. Seidel, Jamie (12 de maio de 2019). «Was King Tut a fraud?» (em inglês). Herald Sun. Consultado em 12 de julho de 2019  (em inglês)
  65. «8 things you (probably) didn't know about Tutankhamun» (em inglês). History Extra. Consultado em 12 de julho de 2019  (em inglês)
  66. https://plus.google.com/+travelandleisure/posts. «King Tut's Tomb Is Reopening to Visitors After 9 Years of Dazzling Restoration Work – Take a Look Inside». Travel + Leisure (em inglês). Consultado em 4 de fevereiro de 2019  (em inglês)
  67. Hankey, Julie (2007). A Passion for Egypt: Arthur Weigall, Tutankhamun and the 'Curse of the Pharaohs'. [S.l.]: Tauris Parke Paperbacks. pp. 3–5. ISBN 978-1-84511-435-0  (em inglês)
  68. Cox, Ann (7 de junho de 2003). «The death of Lord Carnarvon». The Lancet. 361 (9373). doi:10.1016/S0140-6736(03)13576-3. Consultado em 7 de dezembro de 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda) (em inglês)
  69. a b «The death of Lord Carnarvon»  (em inglês)
  70. Cox, A. M. "The death of Lord Carnarvon". The Lancet, 7 de junho de 2003. [sic] (em inglês)
  71. Gordan, Stuart (1995). The Book of Spells, Hexes, and Curses. [S.l.]: Carol Publishing Group. pp. New York, New York. ISBN 978-08065-1675-2  (em inglês)
  72. David Vernon em Skeptical – a Handbook of Pseudoscience and the Paranormal, ed. Donald Laycock, David Vernon, Colin Groves, Simon Brown, Imagecraft, Canberra, 1989, ISBN 0-7316-5794-2, p. 25. (em inglês)
  73. Bill Price. (21 de janeiro de 2009). Tutankhamun, Egypt's Most Famous Pharaoh. [S.l.: s.n.] p. 138. Published Pocket Essentials, Hertfordshire. 2007. ISBN 9781842432402  (em inglês)
  74. "Death Claims Noted Biblical Archaeologist", Lodi News-Sentinel, 8 September 1961, Retrieved 9 May 2014 [1] (em inglês)
  75. Steele, Philip (2002). Ancient Egypt. [S.l.]: The Rosen Publishing Group. p. 12. ISBN 1435851730  (em inglês)
  76. Robert Partridge, Treasures of Tutankhamun Gallery - A Ushabti figure, BBC (em inglês) (em inglês)
  77. Carter, Howard; Mace, A.C. The Discovery of the Tomb of Tutankhamen. [S.l.]: Dover Publications. ISBN 0486235009  (em inglês)
  78. «Record visitor figures». British Museum. Consultado em 9 de dezembro de 2018  (em inglês)
  79. Haithman, Diane (16 de maio de 2005). «The Return of King Tut». Los Angeles Times. Consultado em 12 de julho de 2019  (em inglês)
  80. «King Tut exhibition. Tutankhamun & the Golden Age of the Pharaohs. Treasures from the Valley of the Kings». Arts and Exhibitions International. Consultado em 5 de agosto de 2006. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2005  (em inglês)
  81. Bone, James (13 de outubro de 2007). «Return of the King». The Times. Arquivado do original em 9 de agosto de 2011  (em inglês)
  82. International Association of Egyptologists (IAE): List of missing artifacts from the Egyptian Museum Cairo(em inglês) (PDF; 748 kB (Memento vom 14. janeiro 2016 im Internet Archive)) Auf: sca-egypt.org vom 15. März 2011; abgerufen am 25/1/2016.
  83. Zahi Hawass: Sad News. Auf: drhawass.com (Memento vom 24. novembro 2011 im Internet Archive)
  84. Beschädigte Totenmaske: Bart von Tutanchamun hastig mit Klebstoff angeklebt auf: spiegel.de, 22/1/2015; abgerufen am 25/1/2016. (em alemão)
  85. Egito manda oito a julgamento por quebra de máscara mortuária de faraó Tutancâmon, BBC, 24 de janeiro de 2016
  86. Guido Mingels: Ägyptologie: Der Chirurg des Pharao. Auf spiegel.de (Der Spiegel) vom 19/12/2015; acessado em 25 de janeiro de 2016.
  87. Escultura de Tutancâmon: Egito quer processar casa de leilões para recuperar peça vendida por R$ 22 milhões, BBC, 9 de julho de 2019
  88. Owen Jarus, King Tut Sculpture with Sketchy Origins Sells at Christie's for Nearly $6 Million, Live Science, 5/7/2019(em inglês)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CARTER, Howard; MACE, Arthur C. - The Discovery of the Tomb of Tutankhamen. Courier Dover Publications, 1977. ISBN 0-486-23500-9
  • JACQ, Christian - O Egipto dos Grandes Faraós. Porto: ASA, 1999. ISBN 972-41-2046-5
  • Egyptian Supreme Council of Antiquities, The Mummy of Tutankhamun: the CT Scan Report, as printed in Ancient Egypt, June/July 2005.
  • Haag, Michael. "The Rough Guide to Tutankhamun: The King: The Treasure: The Dynasty". Londres 2005. ISBN 1-84353-554-8.
  • Hoving, Thomas. The search for Tutankhamun: The untold story of adventure and intrigue surrounding the greatest modern archeological find. Nova Iorque: Simon & Schuster, 15 October 1978, ISBN 0-671-24305-5 (hardcover)/ISBN 0-8154-1186-3 (paperback) This book details a number of interesting anecdotes about the discovery and excavation of the tomb
  • James, T. G. H. Tutankhamun. Nova Iorque: Friedman/Fairfax, 1 September 2000, ISBN 1-58663-032-6 (hardcover) A large-format volume by the former Keeper of Egyptian Antiquities at the British Museum, filled with colour illustrations of the funerary furnishings of Tutankhamun, and related objects
  • Neubert, Otto. Tutankhamun and the Valley of the Kings. Londres: Granada Publishing Limited, 1972, ISBN 0-583-12141-1 (paperback) First hand account of the discovery of the Tomb
  • Reeves, C. Nicholas. The Complete Tutankhamun: The King, the Tomb, the Royal Treasure. Londres: Thames & Hudson, 1 November 1990, ISBN 0-500-05058-9 (hardcover)/ISBN 0-500-27810-5 (paperback) Fully covers the complete contents of his tomb
  • Rossi, Renzo. Tutankhamun. Cincinnati (Ohio) 2007 ISBN 978-0-7153-2763-0, a work all illustrated and coloured.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tutancâmon