XXVI dinastia egípcia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A XVI dinastia egípcia teve, basicamente como aspectos políticos principais:[1] a manutenção do equilíbrio do poder fazendo acordos e apoiando os rivais da potência dominante num dado momento; e tentativas de refazer as conquistas do Império Novo, principalmente na Síria.

Assim, Psamético I apoiou a Lídia e a Babilônia contra a Assíria até a queda desta depois de 620 a.C., depois ligou-se a Assíria e começou a apoiar os inimigos da Babilônia, até a Pérsia se tornar a principal potência.

Os sucessores de Psamético empreenderam campanhas para aumentar sua influência no oriente próximo, principalmente na Síria, até serem rechaçados por Nabucodonosor II, rei da Babilônia. E, com a ajuda de mercenários gregos, o faraó Apriés retomou as tentativas de conquistar a Babilônia, mas no final quem acabou conquistado foi o Egito pela Pérsia, com o rei Cambises II enviando o faraó Psamético III acorrentado para Susa.

Lista de faraós[editar | editar código-fonte]

Ordem: Nome de batismo, (nome do cartucho, nome escolhido pelo faraó para reinar) – data do reinado

Referências

  1. a b Grandes Império e Civilizações - O Mundo Egípcio Vol. 1 pg. 37, 51 - Tradução de Maria Emília Vidigal, Edições del Prado (Brasil e Portugal), 1996
  2. Nota: Alguns autores ainda divergem quanto aos faraós pertencem a qual dinastia, podendo alguns livros constar mais ou menos faraós que estes (como por exemplo a versão deste artigo em língua francesa).
Precedido por
XXV dinastia
Dinastias faraónicas
Sucedido por
XXVII dinastia


Ícone de esboço Este artigo sobre Egiptologia é um esboço relacionado ao Antigo Egito. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.