Império Antigo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"
   |- style="font-size: 85%;"
       | Erro::  valor não especificado para "continente"


Império Antigo do Egito
Ancient Egypt map-pt.svg
c. 2 686 a.C. – c. 2 181 a.C. Nomes of Ancient Egypt.png
Localização de {{{nome_comum}}}
Durante o Antigo Império do Egito (por volta de 2686 - por volta de 2 181 a.C.), o Egito consistia da região do Rio Nilo ao sul de Elefantina, bem como do Sinai e dos oásis no deserto ocidental.
Capital Mênfis
Língua oficial Egípcio Antigo
Religião Religião do Antigo Egito
Governo Monarquia absoluta
Faraó
 • c. 2686–c. 2 649 a.C. Djoser (primeiro)
 • c. 2184–c. 2 181 a.C. O último rei depende do estudioso Netjerkare (6ª Dinastia) ou Neferirkaré (7ª / 8ª Dinastia)
História
 • c. 2 686 a.C. Fundação
 • c. 2 181 a.C. Dissolução
Antigo Egito
Faraós e dinastias
Período pré-dinástico
Período protodinástico
Época Tinita: I - II
Império Antigo: III IV V VI
1º Período Intermediário:

VII VIII IX X XI

Império Médio: XI XII
2º Período Intermediário:

XIII XIV XV XVI XVII

Império Novo: XVIII XIX XX
3º Período Intermediário:

XXI XXII XXIII XXIV XXV

Época Baixa: XXVI XXVII
XXVIII XXIX XXX XXXI
Período Greco-romano:
Dinastia macedónica
Dinastia ptolomaica
Período Romano

O Império Antigo, na história do antigo Egipto, é o período do terceiro milénio (c. 2686-2181 AC), também conhecido como a "Era das Pirâmides" ou "Era dos Construtores de Pirâmides", pois inclui a grande 4ª Dinastia quando O Rei Seneferu aperfeiçoou a arte da construção de pirâmides e as pirâmides de Gizé foram construídas sob os reis Khufu, Quéfren e Menkauré.[1] O Egito alcançou o seu primeiro pico contínuo de civilização - o primeiro dos três chamados períodos do "Reino" (seguidos pelo Reino do Meio e Novo Reino) que marcam os pontos altos da civilização no baixo Vale do Nilo.

O termo em si foi cunhado por historiadores do século XVIII, e a distinção entre o Império Antigo e o Período Arcaico não é aquela que teria sido reconhecida pelos antigos egípcios. Não apenas o último rei do Período Arcaico se relacionava com os dois primeiros reis do Império Antigo, como também a "capital", a residência real, permaneceu em Ineb-Hedg, o antigo nome Egípcio de Mênfis. A justificativa básica para uma separação entre os dois períodos é a mudança revolucionária na arquitetura, acompanhada pelos efeitos sobre a sociedade Egípcia e a economia de projetos de construção em grande escala.[2]

O Império Antigo é mais comumente considerado como o período da Terceira Dinastia até a Sexta Dinastia (2686–2181 AC). As 4ª-6ª dinastias do Egito são escassas, e os historiadores consideram a história da época como literalmente "escrita em pedra" e em grande parte arquitectónica na medida em que é através dos monumentos e suas inscrições que os estudiosos foram capazes de construir uma história.[1]  Os Egiptólogos também incluem a Sétima e a Oitava Dinastias no Império Antigo como uma continuação da administração centralizada em Mênfis. Enquanto o Império antigo foi um período de segurança interna e prosperidade, foi seguido por um período de desunião e relativo declínio cultural referido pelos egiptólogos como o Primeiro Período Intermediário.[3] Durante o Império Antigo, o rei do Egito (não chamado de Faraó até ao Novo Reino) tornou-se um deus vivo que governava absolutamente e poderia exigir os serviços e a riqueza de seus súbditos.[4]

Sob o Rei Djoser, o primeiro rei da Terceira Dinastia do Império Antigo, a capital real do Egito foi transferida para Mênfis, onde Djoser estabeleceu a sua corte. Uma nova era de construção foi iniciada em Sacará durante o seu reinado. O arquiteto do Rei Djoser, Imhotep, é creditado com o desenvolvimento do edifício com pedra e com a concepção da nova forma arquitetônica - a pirâmide de degraus.[4] O Império Antigo é talvez mais conhecido pelo grande número de pirâmides construídas nessa época como locais de sepultamento para os reis do Egito. Por essa razão, o Reino Antigo é freqüentemente chamado de "a Era das Pirâmides".

História[editar | editar código-fonte]

Ascensão do Império Antigo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: III dinastia egípcia

O primeiro Faraó do Império Antigo foi Djoser (em algum momento entre 2691 e 2625 AC) da terceira dinastia, que ordenou a construção de uma pirâmide (a Pirâmide de Degraus) na necrópole de Mênfis, Sacará. Uma pessoa importante durante o reinado de Djoser foi o seu vizir, Imhotep.

Templo de Djoser em Sacará
Cabeça de um Rei, ca. 2650-2600 AC, Brooklyn Museum; As primeiras representações dos Reis Egípcios são em pequena escala. A partir da terceira dinastia, as estátuas foram feitas em tamanho real; esta cabeça usando a coroa do Alto Egito até ultrapassa a escala humana.[5]

Foi nessa época que antigos estados egípcios independentes se tornaram conhecidos com nomos, sob o domínio do Faraó. Os antigos governantes foram forçados a assumir o papel de governadores ou trabalhar na cobrança de impostos. Os Egípcios nessa época adoravam o seu Faraó como um deus, acreditando que ele assegurava a inundação anual do Nilo que era necessária para suas colheitas. As visões Egípcias sobre a natureza do tempo durante este período sustentavam que o universo trabalhava em ciclos, e o Faraó na terra trabalhava para assegurar a estabilidade desses ciclos. Eles também se assumiam como pessoas especialmente selecionadas.[6]

Auge do Império Antigo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: IV dinastia egípcia

O Império Antigo e o seu poder real alcançaram o seu auge sob a Quarta Dinastia (2613–2494 AC), que começou com Seneferu (2613–2589 AC). Depois de Djoser, o Faraó Snefru foi o próximo grande construtor de pirâmides. Snefru encomendou a construção de não uma, mas três pirâmides. A primeira é chamada pirâmide de Meidum, nomeada pela sua localização no Egito. Snefru abandonou-a depois que o invólucro externo caiu da pirâmide. A pirâmide de Meidum foi a primeira a ter uma câmara funerária acima do solo.[7][7] Usando mais pedras do que qualquer outro faraó, ele construiu as três pirâmides: a pirâmide agora desmoronada em Meidum, a Pirâmide Curvada em Dahchur e a Pirâmide Vermelha, em Dahchur Norte. No entanto, o desenvolvimento completo do estilo de construção da pirâmide foi alcançado não em Sacará, mas durante a construção das "Grandes Pirâmides" em Gizé.[8]

Seneferu foi sucedido pelo seu filho, Khufu (2589-2566 AC), que construiu a Grande Pirâmide de Gizé. Depois da morte de Khufu, os seus filhos Djedefré (2566–2558 AC) e Quéfren (2558–2532 AC) terão brigado. Este último construiu a segunda pirâmide e (no pensamento tradicional) a Esfinge em Gizé. Recentes reexaminações de evidências levaram o egiptólogo Vassil Dobrev a propor que a Esfinge tenha sido construída por Djedefré como um monumento a seu pai Khufu.[9] Alternativamente, a Esfinge foi proposta como sendo uma obra de Quéfren e do próprio Khufu.[carece de fontes?]

Houve expedições militares para Canaã e Núbia, com a influência egípcia alcançando o Nilo até o que é hoje o Sudão.[10] Os reis posteriores da Quarta Dinastia foram o rei Menkauré (2532-2504 AC), que construiu a menor pirâmide em Giza, Chepseskaf (2504–2498 AC) e, talvez, Thamphthis (2498–2496 AC).[carece de fontes?]

Khufu, o construtor da Grande Pirâmide de Gizé .

Quinta Dinastia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: V dinastia egípcia

A Quinta Dinastia (2494–2345 aC) começou com Userkaf (2494–2487 AC) e foi marcada pela crescente importância do culto do deus do sol . Consequentemente, menos esforços foram dedicados à construção de complexos de pirâmides do que durante a 4ª dinastia e mais à construção de templos de sol em Abusir. Userkaf foi sucedido por seu filho Sahuré (2487-2475 AC), que comandou uma expedição a Punt. Sahuré, por sua vez, foi sucedido por Neferirkaré (2475-2455 AC) que era seu filho. Neferirkaré introduziu o prenome no titulo real. Ele foi seguido por dois reis de vida curta, o seu filho Neferefré (2455-2453 AC) e Chepseskaré, o último de parentesco incerto.[11] Chepseskaré pode ter sido deposto pelo irmão de Neferefré, Niuserré (2445-2421 AC), um faraó de longa data que construiu extensivamente em Abusir e reiniciou a atividade real em Gizé.[carece de fontes?]

Os últimos faraós da dinastia foram Menkauhor (2421–2414 AC), Djedkaré Isesi (2414–2375 AC) e Unas (2375–2345), o primeiro governante a ter os textos das pirâmides inscritos em sua pirâmide.[carece de fontes?]

Os interesses em expansão do Egito em bens comerciais como ébano, incenso como mirra e franquincenso, ouro, cobre e outros metais úteis inspiraram os antigos egípcios a construir navios adequados para a navegação em mar aberto. Eles negociaram com o Líbano por cedro e viajaram pelo Mar Vermelho até ao Reino de Punt - possivelmente na atual Somália - por ébano, marfim e resinas aromáticas. Construtores de navios daquela época não usavam cavilhas ou prendedores de metal, mas dependiam de corda para manter os seus navios montados. As pranchas e a superestrutura estavam amarradas e unidas.[carece de fontes?]

Declínio no Primeiro Período Intermediário[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: VI dinastia egípcia

Durante a sexta dinastia (2345-2181 AC), o poder do faraó gradualmente enfraqueceu em favor de poderosos nomarcas (governadores regionais). Estes já não pertenciam à família real e sua carga tornou-se hereditária, criando assim dinastias locais em grande parte independentes da autoridade central do Faraó. No entanto, o controle de inundações do Nilo ainda era objeto de obras de grande dimensão, incluindo especialmente o canal para o Lago Moeris por volta de 2300 AC, que provavelmente também foi a fonte de água para o necrópole de Gizé séculos antes.[carece de fontes?]

Transtornos internos estabeleceram-se durante o incrivelmente longo reinado de Pepi II (2278-2184 AC) no final da dinastia. A sua morte, certamente bem além da de seus pretensos herdeiros, poderia ter criado lutas sucessivas. O país entrou em guerras civis poucas décadas depois do fim do reinado de Pepi II.[carece de fontes?]

O golpe final foi a seca do século 22 AC na região, que resultou em uma queda drástica na precipitação. Por pelo menos alguns anos entre 2200 e 2150 AC, isso impediu a inundação normal do Nilo.[12]

Seja qual tenha sido a causa, o colapso do Antigo Reino foi seguido por décadas de fome e conflitos. Uma importante inscrição no túmulo de Ankhtifi, um nomarca durante o início do Primeiro Período Intermediário, descreve o estado lamentável do país quando a fome espreitava a terra.[carece de fontes?]

Cultura[editar | editar código-fonte]

O Império Antigo do Egito (Dinastias 3–6, ca. 2649–2150 AC) foi um dos períodos mais dinâmicos no desenvolvimento da arte Egípcia. Durante esse período, os artistas aprenderam a expressar a visão de mundo de sua cultura, criando pela primeira vez imagens e formas que perduraram por gerações. Arquitetos e pedreiros dominaram as técnicas necessárias para construir estruturas monumentais em pedra.[13]

Os escultores criaram os primeiros retratos de indivíduos e as primeiras estátuas de tamanho real em madeira, cobre e pedra. Eles aperfeiçoaram a arte de esculpir intrigante decoração de relevo e, através da observação do mundo natural, produziram imagens detalhadas de animais, plantas e até paisagens, registrando os elementos essenciais do seu mundo para a eternidade em cenas pintadas e esculpidas nas paredes dos templos e túmulos.[13]

Essas imagens e estruturas tinham duas funções principais: assegurar uma existência ordenada e derrotar a morte preservando a vida no próximo mundo. Para esses fins, durante um período de tempo, os artistas Egípcios adotaram um repertório limitado de tipos padrões e estabeleceram um cânone artístico formal que definiria a arte Egípcia por mais de 3.000 anos, mantendo-se flexível o suficiente para permitir variações e inovações subtis. Embora grande parte de seu esforço artístico estivesse centrada na preservação da vida após a morte, os Egípcios também se cercaram de objetos para melhorar suas vidas neste mundo, produzindo jóias elegantes, móveis finamente esculpidos e incrustados e vasos e acessórios cosméticos feitos de uma ampla gama de materiais.[carece de fontes?]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b «Old Kingdom of Egypt». Ancient History Encyclopedia. Consultado em 19 de julho de 2018. 
  2. Malek, Jaromir. 2003. "The Old Kingdom (c. 2686–2160 BCE)". In The Oxford History of Ancient Egypt, edited by Ian Shaw. Oxford and New York: Oxford University Press. ISBN 978-0192804587, p.83
  3. Carl Roebuck, The World of Ancient Times, pp. 55 & 60.
  4. a b Carl Roebuck, The World of Ancient Times, p. 56.
  5. Bothmer, Bernard (1974). Brief Guide to the Department of Egyptian and Classical Art. Brooklyn, Nova Iorque: Brooklyn Museum. p. 22 
  6. Herlin, Susan J. (2003). «Ancient African Civilizations to ca. 1500: Pharaonic Egypt to Ca. 800 BC». p. 27. Consultado em 19 de Junho de 2018.. Cópia arquivada em 23 de Agosto de 2003 
  7. a b «Ancient Egypt - the Archaic Period and Old Kingdom». www.penfield.edu (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2018. 
  8. Carl Roebuck, The World of Ancient Times, p. 57.
  9. Vassil Dobrev, French Institute, Cairo, link 1, link 2
  10. p.5, 'The Collins Encyclopedia of Military History' (4th edition, 1993), Dupuy & Dupuy.
  11. Miroslav Verner: Archaeological Remarks on the 4th and 5th Dynasty Chronology, Archiv Orientální, Volume 69: 2001
  12. Jean-Daniel Stanley; et al. (2003). «Nile flow failure at the end of the Old Kingdom, Egypt: Strontium isotopic and petrologic evidence». Geoarchaeology (journal). 18 (3): 395–402. doi:10.1002/gea.10065 
  13. a b «Select Egypt». selectegypt.com 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Brewer, Douglas J. Ancient Egypt: Foundations of a Civilization. Harlow, UK: Pearson, 2005.
  • Callender, Gae. Egypt In the Old Kingdom: An Introduction. South Melbourne: Longman, 1998.
  • Kanawati, Naguib. Governmental Reforms In Old Kingdom Egypt. Warminster: Aris & Phillips,, 1980.
  • Kanawati, Naguib., and Alexandra Woods. Artists of the Old Kingdom: Techniques and Achievements. 1st English ed. Egypt: Supreme Council of Antiquities Press, 2009.
  • Lehner, Mark. The Complete Pyramids. London: Thames and Hudson, 1997.
  • Málek, Jaromír., and Werner Forman. In the Shadow of the Pyramids: Ancient Egypt During the Old Kingdom. Norman: University of Oklahoma Press, 1986.
  • McFarlane, A., and Anna-Latifa Mourad. Behind the Scenes: Daily Life In Old Kingdom Egypt. North Ryde, N.S.W.: Australian Centre for Egyptology, 2012.
  • Metropolitan Museum of Art. Egyptian Art in the Age of the Pyramids. New York: Metropolitan Museum of Art, 1999.
  • Papazian, Hratch. Domain of Pharaoh: The Structure and Components of the Economy of Old Kingdom Egypt. Hildesheim: Gerstenberg, 2012.
  • Ryholt, Kim S. B. The Political Situation in Egypt during the Second Intermediate Period c. 1800–1550 BC. Copenhagen: Museum Tusculanum, 1997.
  • Sowada, K., and Peter Grave. Egypt In the Eastern Mediterranean During the Old Kingdom: An Archaeological Perspective. Fribourg: Academic Press, 2009.
  • Strudwick, Nigel. The Administration of Egypt In the Old Kingdom: The Highest Titles and Their Holders. London: KPI, 1985.
  • Warden, Leslie Anne. Pottery and Economy In Old Kingdom Egypt. Boston: Brill, 2013.
  • Wilkinson, Toby. Early Dynastic Egypt. London: Routledge, 2001.

Links externos[editar | editar código-fonte]