Sebecotepe II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sebecotepe II
Jamba da porta de um templo com o nome de Caanqueré Sebecotepe, originalmente de Abidos, agora em exibição no Louvre
Faraó do Egito
Reinado três a quatro anos e meio, c.1 735 a.C.
Antecessor(a) Nejemibré
Sucessor(a) Rensenebe
 
Dinastia XIII dinastia egípcia
Nome completo Khaankhre Sobekhotep
Titularia
Nome Sebecotepe
Sbk-ḥtp
Sobeque está satisfeito
G39N5<
sbkR4
X1 Q3
>
Trono Caanqueré
ḫˁj-ˁnḫ-Rˁ
Viver é a aparição de
M23
t
L2
t
<
N5N28S34
>
Hórus Semataui
Smȝ-tȝ.wj
Ele que unifica as duas terras
F36N19
N23 N23
Duas Senhoras Djedecau
Ḏd-ḫˁjw
Ele cujas aparições são duradouras
R11R11N28
D36
Z2
Hórus de Ouro Caunetijeru
Kȝw-nṯr.w
O Cás dos deuses
G8D28
Z2
R8A

Papiro de Turim
Sobec[otepe] Rá[...]
Sbk -..p..-Rˁ
Sobeque está satisfeito, Rá [...]
N5I4HASHp
Título

Caanqueré Sobecotepe (agora considerado Sebecotepe II ou Sebecotepe IV; conhecido como Sebecotepe I em estudos mais antigos) foi um faraó da XIII dinastia egípcia durante o Segundo Período Intermediário.

Provas[editar | editar código-fonte]

Sebecotepe aparece na lista de reis de Carnaque como Caanqueré. Um nome Sobec[ote]pe também é dado na coluna 6, linha 15 do cânone de Turim, que poderia ser Sebecotepe I. No entanto, essa identificação não é certa e a posição cronológica de Sebecotepe I na XIII dinastia é debatida. Atestados contemporâneos de Sebecotepe incluem relevos vindos de uma capela que outrora ficava em Abidos e um fragmento de coluna com inscrições. Além disso, o nome Caanqueré Sebecotepe aparece em uma inscrição em um pedestal de estátua de granito, uma vez na coleção de Amerste e, desde 1982, no Museu Britânico (exposição BM 69497).[1][2] Seu reinado foi provavelmente curto, totalizando três a quatro anos e meio.[1]

Teorias[editar | editar código-fonte]

De acordo com os egiptólogos Kim Ryholt e Darrell Baker, Caanqueré Sebecotepe foi o 13º faraó da dinastia e teve um curto reinado de c.1 735 a.C.. Alternativamente, Jürgen von Beckerath o vê como o 16º faraó da dinastia.[3][4]

Ryholt menciona que Sebecotepe I pode ser idêntico a Sebecotepe II, que só é mencionado como Sebecotepe na Lista Real de Turim.[1] Outros, como Dodson, consideram Caanqueré Sebecotepe II e Sequenré Cutaui Sebecotepe I como dois governantes diferentes da XIII dinastia,[5] enquanto Bierbrier lista Caanqueré Sebecotepe I e Sequenré Cutaui Sebecotepe II.[6] Recentemente, Simon Connor e Julien Siesse investigaram o estilo do monumento do rei e argumentaram que ele reinou muito mais tarde do que se pensava anteriormente (após Sebecotepe IV - que se tornaria Sebecotepe III).[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Ryholt 1997, p. 339.
  2. Reeves 1986, pp. 165-170.
  3. Ryholt 1997.
  4. Baker 2008, p. 445.
  5. Dodson 2000, p. 207.
  6. Bierbrier 2008.
  7. Connor & Siesse 2015, pp. 227-247.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bresciani, E. (1979). Egitto e Vicino Oriente. 2. [S.l.]: Pisa University Press 
  • Ryholt, K. S. B. (1997). The Political Situation in Egypt During the Second Intermediate Period, C. 1800–1550 B.C. Copenhague: Museum Tusculanum Press. ISBN 87-7289-421-0 
  • Reeves, C. N. (1986). Miscellanea Epigraphica. [S.l.]: Studien zur Altägyptischen Kultur 
  • Baker, Darrell D. (2008). The Encyclopedia of the Pharaohs: Volume I - Predynastic to the Twentieth Dynasty 3300–1069 BC. [S.l.]: Stacey Internacional 
  • Dodson, Aidan (2000). Monarchs of the Nile. [S.l.]: American University na Cairo Press 
  • Connor, Simon; Siesse, Julien (2015). Revue d'Égyptologie. [S.l.]: Société française d'egyptologie