Ratoises

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Jedefré)
Ratoises
Cabeça da esfinge de Ratoises
Faraó do Egito
Antecessor(a) Quéops
Sucessor(a) Quéfren
 
Cônjuge Heteferés II, Quenteteca
Filho(s) Seteca, Bacá, Hernete, Neferetepés, Heteferés?, Nicaujedefré?
Pai Quéops
Mãe Meritités I?
Titularia
Nome Jedefré
(Sȝ Rˁ ḏd.f Rˁ)
O filho de Rá, ele suporta como Rá
G39N5N5R11f
Hórus Hor-Quepri
(Ḥr-ḫpr)
Encarnação de Hórus
G5L1
Duas Senhoras Queperimnebti
(Ḫpr-m-nb.tj)
Incorporado nas Duas Senhoras
G16L1G17
Hórus de Ouro Biquejunebu
(Bjk.jw-nb.w)
O falcão mais dourado
Lista Real de Abidos
Jedefré
(Ḏd.f Rˁ)
Ele permanece como Rá
<
N5R11f
>

Lista Real de Sacará
Jedefré
(Ḏḏ.f Rˁ)
Ele permanece como Rá
<
N5R11R11f
>
Título

Ratoises (em grego: Ῥατοίσης), Jedefré ou Rajedefe (em egípcio: Sȝ Rˁ ḏd.f Rˁ; em grego: Ρετζεντέφ) foi um faraó egípcio da IV dinastia, sendo filho e sucessor imediato de Quéops. Este tinha reinado entre 2 566 e 2 558 a.C..

Reinado[editar | editar código-fonte]

Cartucho egípcio de Ratoises.

Após a morte de Quéops, um dos criadores das Pirâmides de Gizé, houve uma grande briga pelo trono. O faraó tinha uma grande família, tendo deixado pelo menos doze herdeiros, filhos de muitas rainhas, e Cauabe, que era o herdeiro imediato, morreu durante o reinado do pai, o que provocou uma briga entre filhos, genros e netos pelo trono.[1]

Ratoises, o marido de Heteferés II, filha e primogênita de Quéops, e possível filho da rainha Meritités I, ganhou a disputa e confirmou-se como faraó, enterrando seu pai e aproveitando a oportunidade de preservar seu cartucho em uma das covas dos barcos de Quéops. Ratoises foi leal ao deus sol , sendo o primeiro faraó a usar o título de "Filho do Sol",[2] entretanto a dedicação filial não foi o suficiente para parar a angústia que cercava sua ascensão ao poder.[1]

Embora fosse mencionado no Cânone de Turim e na Lista Real de Abidos e Sacará, os historiadores gregos ignoram o reinado de Ratoises, considerando-o como um dos usurpadores, e pulando o reinado de Quéops para Quéfren. O egiptólogo estadunidense George Reisner acredita equivocadamente que este faraó era filho de Quéops com uma rainha da Líbia, que assassinou seu irmão Cauabe e logo foi assassinado pelo seu terceiro irmão.[1]

A pirâmide de Ratoises possuia originalmente 106,2 metros quadrados e 68 metros de altura.

Ratoises foi o responsável pela construção da pirâmide em Abu Rauas, uma necrópole localizada a oito quilômetros do Planalto de Gizé, que acabou ficando inacabada. Alguns egiptólogos afirmam que Ratoises teria sido um governante corrupto, o que motivou Quéfren, seu sucessor, a destruir suas estátuas e monumentos logo após sua morte, amaldiçoando a sua homenagem.[3]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lopes, Nei (2021). Dicionário da Antiguidade africana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. ISBN 9786558020349 
  • Couto, Sérgio Pereira (2008). Desvendando o Egito. São Paulo: Universo dos Livros. ISBN 9788579304354 
  • Tyldesley, Joyce; Knipel, Cid (tradutor) (2005). Pirâmides: A verdadeira história por trás dos mais antigos monumentos do Egito. São Paulo: Globo. ISBN 9788525040565