Polígrafo (detector de mentiras)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Poligrafo analogico

Um polígrafo ou detector de mentiras é um aparelho que mede e grava registros de diversas variáveis fisiológicas enquanto um interrogatório é realizado, utilizado para tentar identificar mentiras num relato[1] .

Ao submeter uma pessoa ao polígrafo, suas respostas fazem os sensores registrarem em um gráfico as reações daquele interrogado. A partir das reações, indicadas pelo aparelho, pode se detectar uma mentira. Porém, a detecção pode ser burlada com treinamento da pessoa a ser interrogada, podendo os resultados gerados pelo aparelho serem considerados inconclusivos, sendo utilizados apenas como auxiliares em julgamentos.

Uso no Brasil[editar | editar código-fonte]

O Congresso Nacional brasileiro aprovou em 2002 uma lei que altera o artigo 3º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), proibindo o uso do polígrafo pelo empregador no Brasil.[carece de fontes?]

Referências

  1. Bonsor, Kevin. «Como funcionam os polígrafos». Como tudo funciona. Consultado em 12 de Fevereiro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]