Magnetoterapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Magnetoterapia é uma prática pseudocientífica de medicina alternativa que envolve a utilização de campos magnéticos. Os praticantes alegam que sujeitar determinadas partes do corpo a campos magnetostáticos produzidos por ímanes permanentes é benéfico para a saúde. No entanto, não há evidências que provem a existência de quaisquer efeitos físicos ou biológicos ou de qualquer influência na saúde.[1][2][3][4][5]

Embora a hemoglobina, a proteína do sangue que transporta o oxigénio, seja ligeiramente diamagnética quando desoxigenada, ou paramagnética quando oxigenada, a intensidade do campo magnético dos ímanes usados em magnetoterapia é em vários graus de magnitude inferior àquela que seria necessária para ocorrer qualquer efeito perceptível na corrente sanguínea, em tecidos, em ossos ou em órgãos.[6][1][7][8] Os campos magnéticos estáticos de força até 1 T não têm qualquer efeito na corrente sanguínea[6][9] ou na oxigenação dos tecidos.[7] Nem mesmo nos campos magnéticos usados em ressonância magnética, de magnitude muito superior, tais efeitos são observáveis. Se os princípios da magnetoterapia fossem reais e o corpo fosse afetado por ímanes fracos, a ressonância magnética seria impossível. Alguns praticantes alegam ainda que os ímanes são capazes de "restaurar" o hipotético "equilíbrio eletromagnético do corpo". No entanto, a existência de tal equilíbrio não é apoiada por nenhuma evidência científica.[10][11][12]

Em anos recentes foram realizados vários estudos para investigar se os campos magnéticos estáticos têm qualquer efeito na saúde. As alegações sobre os supostos benefícios terapêuticos da magnetoretapia, como o aumento da longevidade ou a cura do cancro, são implausíveis e não são apoiadas por qusiquer evidências.[7][8] A American Cancer Society afirma que as evidências científicas não apoiam as alegações da magnetoterapia.[13] Uma revisão sistemática de 2008 não encontrou quaisquer evidências que permitam determinar que a magnetoterapia é eficaz no alívio da dor.[14] Outra revisão de 2012 também não encontrou quaisquer evidências de eficácia no tratamento da osteoartrite.[15] As alegações de alívio da dor são anedotais e não são apoiadas por qualquer proposta de mecanismo credível nem existe investigação promissora.[14][16] O National Center for Complementary and Integrative Health afirma que os estudos de joalharia magnética não demonstraram a existência de quaisquer efeitos na dor, função dos nervos, crescimento celular ou corrente sanguínea.[17]

Referências

  1. a b Park, Robert L. (2000). Voodoo Science: The Road from Foolishness to Fraud. New York, New York: Oxford University Press. pp. 58–63. ISBN 0-19-513515-6. Not only are magnetic fields of no value in healing, you might characterize these as "homeopathic" magnetic fields. 
  2. Wanjek, Christopher (2003). Bad Medicine: misconceptions and misuses revealed from distance healing to vitamin O. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons. pp. 1–253. ISBN 0-471-43499-X 
  3. National Science Foundation, Division of Resources Statistics (fevereiro de 2006). Science and Engineering Indicators, 2006. Arlington, VA: [s.n.] Chapter 7. Arquivado do original em 18 de agosto de 2015 
  4. Quackwear: Big Pseudoscience Wants to Sell You Wearable Metal to Improve Your Health; Alternet; January 10, 2015.
  5. «Magnetoterapia». Dicionário do cético. 2005. Consultado em 6 de julho de 2009. 
  6. a b Stick C; Hinkelmann K; Eggert P; Wendhausen H (1991). «Do strong static magnetic fields in NMR tomography modify tissue perfusion?». Nuklearmedizin. 154. 326 páginas 
  7. a b c Flamm, Bruce L. (julho de 2006). «Magnet Therapy: a billion-dollar boondoggle». Skeptical Inquirer. Committee for Skeptical Inquiry. Consultado em 18 de agosto de 2009. 
  8. a b «Magnet therapies 'have no effect'». BBC. 6 de janeiro de 2006. Consultado em 18 de agosto de 2009. 
  9. Polk, Charles; Elliot Postow (1996). Handbook of Biological Effects of Electromagnetic Fields. [S.l.]: CRC Press. 161 páginas. ISBN 0-8493-0641-8 
  10. «Safety in Medical Imaging Procedures» 
  11. «Is Blood Magnetic». The Naked Scientist. Consultado em 13 de dezembro de 2012. 
  12. «Does MRI attract the iron in your blood?». Revising MRI. Consultado em 13 de dezembro de 2012. 
  13. «Magnetic Therapy». American Cancer Society. Dezembro de 2012. Consultado em 1 de setembro de 2013. 
  14. a b Pittler, Max H. (março de 2008). «Static magnets for reducing pain». Focus on Alternative and Complementary Therapies. 13 (1). 5 páginas. doi:10.1211/fact.13.1.0003. Consultado em 18 de agosto de 2009. 
  15. Macfarlane GJ1, et al. A systematic review of evidence for the effectiveness of practitioner-based complementary and alternative therapies in the management of rheumatic diseases: osteoarthritis. Rheumatology (Oxford). 2012 Dec;51(12):2224-33. PubMed
  16. James D. Livingston. «Magnetic Therapy: Plausible Attraction?». Skeptical Inquirer 
  17. Levinson, Mason; Randall, Tom (4 de outubro de 2010). «Energy Bracelets Turn Athletes to Stars, If Only in Their Heads». bloomberg.com. Bloomberg. Consultado em 9 de setembro de 2015.