Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Acne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com ACME.
Acne
Acne na testa de um jovem na puberdade
Classificação e recursos externos
CID-10 L70.0
CID-9 706.1
DiseasesDB 10765
MedlinePlus 000873
eMedicine derm/2
MeSH D000152
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Acne é uma condição cutânea de longa duração caracterizada por áreas de pontos negros, pontos brancos, pústulas, pele oleosa e possibilidade de aparecimento de cicatrizes.[1][2] As consequências na aparência podem provocar ansiedade, diminuição da autoestima e, em casos extremos, depressão e pensamentos de suicídio.[3][4]

Estima-se que 80% dos casos tenham origem genética.[2] O papel da dieta enquanto causa ainda não é claro.[2] A higiene ou a luz do sol não parecem ter qualquer influência.[2] No entanto, o tabagismo aumenta o risco de vir a desenvolver acne e a sua gravidade.[5] O acne afeta principalmente a pele com elevado número de glândulas sebáceas, como o rosto, a parte superior do peito e as costas.[6] Durante a puberdade, em ambos os sexos, o aparecimento do acne deve-se muitas vezes ao aumento da quantidade de andrógenos como a testosterona,[7] estando também envolvida a bactéria Propionibacterium acnes.[7]

Estão disponíveis muitas opções de tratamento destinadas a melhorar a aparência do acne, entre as quais alterações ao estilo de vida e medicação. Ingerir hidratos de carbono simples em menor quantidade, como o açúcar, pode ajudar.[8] Os tratamentos mais comuns são a aplicação tópica de peróxido de benzoílo, ácido salicílico e ácido azelaico.[9] Estão também disponíveis antibióticos e retinoides tópicos e orais.[9] No entanto, é possível que possam provocar resistência antibiótica.[10] Em mulheres, algumas pílulas contraceptivas orais combinadas podem ser benéficas no tratamento.[9] A isotretinoína oral geralmente só é administrada em casos graves devido aos efeitos secundários.[9] Alguns especialistas recomendam o tratamento agressivo e numa fase precoce de modo a diminuir o impacto a longo prazo na pessoa.[4]

O acne ocorre de forma comum durante a adolescência, estimando-se que afete entre 80 a 90% dos adolescentes no mundo ocidental.[11][12][13] Nalgumas sociedades rurais a prevalência é menor.[13][14] Em 2010, estima-se que o acne tenha afetado 650 milhões de pessoas à escala global, o que o torna a 8ª doença mais comum em todo o mundo.[15] O acne pode também surgir antes e após a puberdade.[16] Embora a doença seja muito menos comum em adultos do que na adolescência, cerca de metade das pessoas na casa dos 20 e 30 anos continuam a ter acne,[2] e cerca de 4% continuam a ter a partir dos 40 anos.[2]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Acne nódulo-cístico grave.

O acne é geralmente classificado como ligeiro, moderado ou grave, conforme a gravidade. Este tipo de categorização pode ser um fator importante para determinar um regime terapêutico adequado.[12] O acne moderado é definido pela presença de pontos negros e brancos limitada ao rosto, com ocorrência ocasional de lesões inflamadas.[12] O acne pode ser considerado de alguma gravidade quando se verifica maior número de pápulas e pústulas inflamatórias no rosto em comparação com os casos moderados, e quando também se verificam lesões de acne no tronco.[12] Por último, diz-se que ocorre acne grave quando as lesões características do rosto são nódulos e cistos e se verifica envolvimento extensivo da região do tronco.[12] Alguns dos nódulos de grande dimensão eram enteriormente denominados cistos, tendo sido usado o termo "nódulo-cístico" para descrever casos graves de acne inflamatório.[17]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Entre as características mais comuns do acne estão a seborreia (aumento da secreção das glândulas sebáceas), presença de comedões (pontos negros ou brancos), pápulas, pústulas, nódulos (pápulas de grande dimensão) e possibilidade de ocorrência de cicatrizes.[1][18] A aparência do acne varia consoante a cor da pele. A doença pode provocar problemas psicológicos e sociais.[12]

Cicatrizes[editar | editar código-fonte]

Anatomia de um folículo piloso.

As cicatrizes do acne são o resultado da inflamação da camada dérmica da pele provocada pelo acne, estimando-se que ocorram em 95% das pessoas com a doença.[19] A cicatriz é criada pela resposta anormal de reparação que se segue à inflamação dérmica.[19] A probabilidade de ocorrer cicatrização é maior nos casos de acne nódulo-cístico, mas pode ocorrer em qualquer forma de acne.[19] A classificação das cicatrizes de acne baseia-se no facto da resposta anormal de reparação posterior à inflamação provocar ou depósito excessivo de colagénio ou, por outro lado, provocar perda de colagénio no local da lesão de acne.[19]

As cicatrizes de acne atróficas são o tipo mais comum de cicatrizes de acne e derivam da perda de colagénio durante a resposta de cicatrização. As cicatrizes atróficas podem ser do tipo "picador de gelo" (ice-picker), onduladas (rolling) ou com depressão acentuada (boxcar). As cicatrizes do tipo "picador de gelo" são geralmente estreitas (largura < 2 mm) e profundas, prolongando-se até à derme. As cicatrizes onduladas acentuadas são maiores do que as do tipo "picador de gelo" (4–5 mm de largura) e têm forma semelhante a uma onda. As cicatrizes com depressão acentuada são redondas ou ovais, com margens bem definidas e cuja largura varia entre 1,5 e 4 mm.[19]

As cicatrizes hipertróficas são menos comuns e são caracterizadas por maior quantidade de colagénio após a resposta anormal de reparação anormal.[19] São cicatrizes firmes e elevadas em relação à pele.[19][20] As cicatrizes hipertróficas restringem-se aos limites originais da ferida, enquanto que as cicatrizes queloidianas podem formar tecido fibroso para além destes limites. As cicatrizes queloidianas de acne geralmente ocorrem em homens e no tronco, e não no rosto.[19]

Pigmentação[editar | editar código-fonte]

A hiperpigmentação pós-inflamatória é geralmente o resultado de acne cístico ou nodular (inchaços dolorosos que permanecem no interior da pele). Estes inchaços muitas vezes deixam uma mancha vermelha, mesmo após a lesão original ter sido resolvida. A hiperpigmentação pós-inflamatória ocorre com maior frequência em pesssoas com tom de pele escuro.[21] A alteração de cor da cicatriz não é permanente e pode ser prevenida evitando a irritação do nódulo ou cisto. Estas cicatrizes podem desaparecer com o tempo. No entanto, se não forem tratadas pode durar meses, anos ou tornarem-se permanentes em casos de lesão das camadas mais profundas da pele.[22] A utilização diária de protetor solar de fator 15 ou superior pode diminuir a pigmanteção associada ao acne.[22]

Causas[editar | editar código-fonte]

Genéticas[editar | editar código-fonte]

A predisposição de determinadas pessoas para o acne pode ser explicada em parte por uma componente genética, a qual tem sido apoiada por estudos em gémeos e estudos que analisaram a prevalência de acne entre parentes do primeiro grau.[23] A genética da susceptibilidade ao acne é provavelmente poligénica, uma vez que a doença não obedece ao padrão clássico de herança mendeliana. Existem vários genes possivelmente relacionados com o acne, incluindo polimorfismos no factor de necrose tumoral alfa, IL-1 alpha e CYP1A1[11]

Hormonal[editar | editar código-fonte]

A atividade hormonal, como o ciclo menstrual e a puberdade, podem contribuir para a formação de acne. Durante a puberdade, o aumento das hormonas sexuais, denominadas andrógenos, provoca o crescimento das glândulas foliculares, fazendo com que produzam maior quantidade de sebo.[6][24] Durante a gravidez verifica-se um aumento semelhante de andrógenos, aumentando também a produção de sebo.[25]

Existem várias hormonas que têm sido associadas ao acne, entre as quais os andrógenos testosterona, di-hidrotestosterona (DHT) e desidroepiandrosterona (DHEAS), assim como o fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1 (IGF-I) e hormona do crescimento.[26] O uso de esteroides anabolizantes pode ter ação idêntica.[27]

É pouco comum o desenvolvimento de acne entre os 21 e 25 anos de idade.[28] O acne em mulheres adultas pode ser devido à gravidez ou à síndrome do ovário policístico.[29]

Infeções[editar | editar código-fonte]

A Propionibacterium acnes é o organismo anaeróbio de que se suspeita contribuir para o desenvolvimento de acne, embora o seu papel exato no processo não esteja ainda claro.[23][30] Existem sub-estirpes específicas de P. acnes associadas à pele normal, enquanto outras estão associadas ao acne inflamatório moderado e grave.[31] Não é ainda claro se estas espécies pouco desejáveis evoluem no local ou são adquiridas, ou possivelmente ambas as situações, dependendo da pessoa. Estas estirpes têm a capacidade de se adaptar, alterar ou perpetuar o ciclo anormal de inflamação, produção sebácea e obstrução dos poros.[32] A infeção pelo parasita acarídeo Demodex está também associada ao desenvolvimento de acne.[18][33] No entanto, não é ainda claro se a erradicação destes ácaros provoca melhorias na doença.[33]

Estilo de vida e alimentos[editar | editar código-fonte]

Fumar aumenta o risco de desenvolver acne.[5] Para além disso, a gravidade da doença aumenta em função do número de cigarros que a pessoa fuma por dia.[5] A relação entre a dieta e o acne é pouco clara, uma vez que não existem evidências de qualidade.[34] No entanto, uma dieta com elevada carga glicémica está associada ao agravamento do acne.[8][35] Existem evidências fracas de uma associação positiva entre o consumo de leite e o aumento da prevalência e gravidade da doença.[33][36][37][38] Outras associações, como o chocolate ou o sal, não são comprovadas por evidências.[36] No entanto, o chocolate também contém uma quantidade assinalável de açúcar, que pode levar a uma carga glicémica elevada, e é muitas vezes preparado com leite. Pode também existir uma relação entre o acne e o metabolismo da insulina. Um ensaio verificou existir uma relação entre o acne e a obesidade.[39] Quando excedida a dose diária recomendada, a vitamina B12 pode desencadear erupções acneiformes ou exacerbar o acne existente.[40]

Psicológicas[editar | editar código-fonte]

Embora a relação entre o acne e o stresse ainda seja alvo de debate, a investigação indica que o aumento de gravidade no acne está associada a um maior nível de stresse.[41][42]

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

Formação de comedões (pontos negros e brancos) nos poros da pele. Animação.

O acne desenvolve-se em resultado de bloqueios nos folículos pilosos. Pensa-se que estes bloqueios ocorram devido a quatro processos anormais: uma produção de sebo superior ao normal (influenciada por andrógenos); depósitos de queratina em excesso que causam a formação de comedões; colonização dos folículos pela bactéria Propionibacterium acnes; e a libertação local de químicos pró-inflamatórios na pele.[31]

As alterações patológicas iniciais são o depósito em excesso da proteína queratina e de sebo no folículo piloso, o que provoca a formação de um tampão, ou microcomedão.[6] Durante a adrenarca, o aumento da quantidade de desidroepiandrosterona provoca o alargamento das glândulas sebáceas e aumenta a produção de sebo. Um microcomedão pode aumentar de tamanho para formar um comedão aberto (ponto negro) ou fechado. A cor negra de um ponto negro deve-se à oxidação da melanina, o pigmento da pele.[12]

Os comedões são o resultado do entupimento das glândulas sebáceas com células de pele mortas e sebo, um óleo natural da pele.[6] Nestas condições, a Propionibacterium acnes, uma bactéria comensal que ocorre naturalmente, pode provocar inflamação dentro e à volta do folículo. Isto provoca lesões inflamatórias (pápulas, pústulas infetadas ou nódulos) na derme à volta do comedão ou microcomedão, o que por su avez provoca vermelhidão e pode provocar cicatrização ou hiperpigmentação.[6][43][44] O acne grave é inflamatório, embora o acne também possa ser não inflamatório.[28]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Existem várias escalas para medir a gravidade do acne vulgar, entre as quais:

  • Escala de Leeds: quantifica e categoriza as lesões entre inflamatórias e não inflamatórias, variando entre 0 e 10,0.[45]
  • Escala de Cook: utiliza fotografias para determinar a gravidade entre 0 e 8.[46]
  • Escala de Pillsbury: classifica a gravidade entre 1 (menos grave) e 4 (mais grave).[47]

Diagnóstico diferencial[editar | editar código-fonte]

As condições semelhantes incluem, entre outras, rosácea, foliculite, queratose pilar, dermatite perioral e angiofibroma.[12] A idade é um dos fatores que pode ajudar o médico a diferenciar estas doenças. As doenças de pele como a dermatite perioral e a queratose pilar tendem a ocorrer com maior frequência na infância, enquanto que a rosácea tende a ocorrer com maior frequência em adultos mais velhos.[12] A vermelhidão facial espoletada pelo consumo de álcool ou comida condimentada é sugestiva de rosácea.[48] A presença de comedões pode também auxiliar os profissionais de saúde a distinguir o acne de doenças de pele com aparência semelhante.[9]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Existem diversos tratamentos para o acne, incluindo peróxido de benzoílo, antibióticos, retinoides, medicamentos anti-seborreicos, medicamentos antiandrogénicos, tratamentos hormonais, ácido salicílico, hidroxiácido, ácido azelaico, nicotinamida e sabonetes queratolíticos.[49] Os tratamentos podem ser agrupados em quatro grupos, de acordo com a forma como atuam: normalização da descamação da pele e da produção de sebo no poro de modo a impedir o seu bloqueio; morte da bactéria P. acnes; efeito anti-inflamatório; e manipulação hormonal.[6]

Entre os tratamentos médicos mais comuns estão as terapias de aplicação tópica, como os retinoides, antibióticos e peróxido de benzoílo, e as terapias sistémicas, como os retinoides orais, antibióticos orais e agentes hormonais.[12][50] Outros procedimentos, como a fototerapia ou terapia laser, não são considerados tratamentos de primeira linha e geralmente têm apenas um papel auxiliar devido ao seu elevado custo e poucas evidências de eficácia.[50]

Medicação[editar | editar código-fonte]

Peróxido de benzoílo[editar | editar código-fonte]

Pomada de peróxido de benzoílo, um dos tratamentos de primeira linha mais comuns.

O peróxido de benzoílo é um tratamento de primeira linha para acne leve a moderado devido à sua elevada eficácia e poucos efeitos adversos (sobretudo dermatite por irritação). Atua contra a bactéria P. acnes, ajuda a prevenir a formação de comedões (pontos negros e brancos) e tem propriedades anti-inflamatórias.[6] Nos casos em que se verificam efeitos adversos, estes geralmente incluem desidratação da pele, ligeira vermelhidão e esfoliação ocasional.[51] Este medicamento aumenta a sensibilidade à luz do sol, pelo que se recomenda o uso de protetor solar durante o tratamento para prevenir queimaduras solares. Tem-se verificado que o peróxido de benzoílo tem praticamente a mesma eficácia dos antibióticos mas, ao contrário destes, não provoca resistência antibiótica.[51] O peróxido de benzoílo pode ser combinado com um antibiótico ou retinoide de aplicação tópica, como a associação peróxido de benzoílo/Clindamicina e peróxido de benzoílo/adapaleno, respetivamente.[21]

Antibióticos[editar | editar código-fonte]

Os antibióticos de aplicação tópica são frequentemente usados no tratamento de acne leve a moderado.[12] Os antibióticos de administração oral estão indicados em casos moderados a graves de acne inflamatório devido à sua atividade antimicrobiana contra a bactéria P. acnes e às suas propriedades anti-inflamatórias.[2][6][12][51] No entanto, com o aumento da resistência da P. acnes em todo o mundo, os antibióticos estão gradualmente a perder a eficácia.[51] Entre os antibióticos mais usados, tanto tópicos como orais, estão a eritromicina (categoria B), clindamicina (categoria B), metronidazol (categoria B) e tetraciclinas como a doxiciclina e a minociclina.[25] O uso de eritromicina e clindamicina é considerado seguro durante a gravidez devido à absorção sistémica desprezível.[25] A nadifloxacina e a dapsona são outros antibióticos tópicos que podem ser usados no tratamento de acne em mulheres grávidas, embora tenham sido sujeitos a menos estudos.[25] Recomenda-se que, assim que a doença mostrar sinais de melhoria, sejam interrompidos os antibióticos orais e sejam usados retinoides tópicos.[9]

Ácido salicílico[editar | editar código-fonte]

O ácido salicílico (categoria C) é um beta-hidroxiácido com propriedades bacteriostáticas e queratolíticas.[52][53] O ácido salicílico abre ainda os poros obstruídos e promove a descamação das células epiteliais da pele.[52] No entanto, o ácido salicílico é menos eficaz do que a terapêutica de reinoides.[12] Em indivíduos com tipos de pele mais escura que usam ácido salicílico, tem-se observado hiperpigmentação.[6]

Ácido azelaico[editar | editar código-fonte]

O ácido azelaico tem demonstrado ser eficaz em casos de acne leve a moderado, quando aplicado de forma tópica em concentrações de 20%.[43] É necessária a aplicação duas vezes ao dia durante seis meses, tendo este tratamento a mesma eficácia do peróxido de benzoílo a 5%, isotretinoina a 0,05% e eritromicina a 2%.[54] Pensa-se que a eficácia do ácido azelaico no tratamento de acne se deva às suas propriedades antibacterianas, anti-inflamatórias e antiqueratinizantes.[43] Embora possa ocasionalmente causar irritação da pele, é na generalidade um fármaco bastante seguro.[55]

Hormonas[editar | editar código-fonte]

Em mulheres, o acne pode ser melhorado com o uso de qualquer pílula contraceptiva oral combinada.[56] Em teoria, as combinações que contêm progestinas de terceira ou quarta geração, como o desogestrel, norgestimate ou drospirenona, podem ser as mais benéficas.[56] Os antiandrógenos, como o acetato de ciproterona e a espironolactona, têm também sido usados no tratamento de acne.[25] As terapias hormonais não devem ser usadas durante a gravidez ou amamentação, uma vez que estão associadas a determinadas doenças congénitas, como a hipospádia ou feminização do feto masculino.[25]

Retinoides tópicos[editar | editar código-fonte]

Os retinoides tópicos são medicamentos com propriedades anti-inflamatórias que atuam ao normalizar o ciclo de vida das células dos folículos.[6] Constituem um tratamento de primeira linha para pessoas com tom de pele escuro e são conhecidos por proporcionar uma rápida melhoria da hiperpigmentação pós-inflamatória.[21] Esta classe de fármacos inclui a tretinoína (categoria C), o adapaleno (categoria C) e o tazaroteno (categoria X).[25]

Retinoides orais[editar | editar código-fonte]

A isotretinoína é bastante eficaz no tratamento de acne grave e acne moderado resistentes a outros tratamentos.[12] As melhorias são observadas geralmente após um ou dois meses de utilização. Após o tratamento inicial, cerca de 80% das pessoas indicam terem tido melhorias e mais de 50% indicam remissão completa.[12] Cerca de 20% das pessoas necessitam de um segundo tratamento.[12] Podem, no entanto, ocorrer uma série de efeitos adversos: pele seca, sangramento nasal, dores musculares, aumento das enzimas do fígado e aumento da quantidade de lípidos no sangue.[12] Se usado durante a gravidez, existe um risco elevado de anormalidades no bebé, pelo que as mulheres em idade fértil são aconselhadas a usar contracepção durante o tratamento. Não existem evidências claras de que o uso de retinoides orais aumenta o risco de efeitos secundários do foro psiquiátrico, como depressão ou suicídio.[12]

Espironolactona[editar | editar código-fonte]

A espironolactona, um antagonista da aldosterona, é um tratamento de acne eficaz em mulheres adultas, embora não seja aprovado para esta finalidade em alguns países. Pensa-se que a eficácia da espironolactona no tratamento do acne se deva à sua capacidade de bloquear os recetores de andrógenos em doses elevadas. Pode ser usada com ou sem um contraceptivo oral.[21]

Terapia combinada[editar | editar código-fonte]

A terapia combinada, usando em conjunto medicamentos de diferentes classes, cada um com um diferente mecanismo de ação, tem demonstrado ser uma abordagem mais eficaz no tratemento de acne em relação à monoterapia. As combinações mais usadas são: antibiótico + peróxido de benzoílo, antibiótico + retinoide tópico ou retinoide tópico + peróxido de benzoílo.[25]

Procedimentos[editar | editar código-fonte]

A extração dos comedões pode ser temporariamente benéfica em indivíduos que não melhoram com tratamento normal.[9] Um dos procedimentos para alívio imediato é a injeção de corticosteroides no comedão inflamado.[6]

A fototerapia é um método que consiste na emissão de pulsos intensos de luz na área afetada, muitas vezes precedida pela aplicação de uma substância fotossenssíbilizante, como o ácido aminolevulínico.[57] Pensa-se que este processo mate as bactérias e diminua o tamanho e atividade das glândulas sebáceas.[57] À data de 2012, as evidências disponíveis para a fototerapia e terapia laser são insuficientes para recomendar o seu uso em tratamentos de rotina.[9] A fototerapia é bastante dispendiosa e, embora aparente proporcionar alguns benefícios a curto prazo, não existem dados que permitam concluir a sua eficácia a longo prazo ou em casos graves de acne.[6][58]

A dermoabrasão é um procedimento terapêutico eficaz para diminuir a aparência de cicatrizes atróficas superficiais dos tipos ondulado e de depressão acentuada.[19] No entanto, as cicatrizes do tipo "picador de gelo" não respondem bem ao tratamento com dermoabrasão devido à sua profundidade.[19] No entanto, este procedimento é doloroso e apresenta o potencial de diversos efeitos adversos, como o aumento da fotossensibilidade da pele, vermelhidão e diminuição da pigmentação da pele. Com a introdução do resurfacing laser, esta terapia caiu em desuso.[19] Não existem evidências de que a microdermoabrasão seja eficaz.[9]

O resurfacing a laser poder ser usado para diminuir as cicatrizes provocadas pelo acne.[59] O resurfacing por fototermólise fracionada ablativa a laser apresenta maior eficácia para a diminuição da visibilidade das cicatrizes de acne em relação à fototermólise não ablativa; no entanto, está associado a uma maior prevalência de hiperpigmentação pós-inflamatória (com duração de cerca de um mês), vermelhidão facial (geralmente 3-14 dias) e dor durante o procedimento.[60]

A visibilidade das cicatrizes de acne também pode ser diminuída com peelings químicos.[19] Entre os peelings leves incluem-se aqueles à base de ácido glicólico, ácido láctico, ácido salicílico, solução de Jessner ou uma concentração reduzida (20%) de ácido tricloroacético. Estes tipos de peeling afetam apenas a camada epidérmica e podem ter utilidade no tratamento de cicatrizes superficiais de acne e das alterações na pigmentação resultantes do acne inflamatório.[19] Em concentrações superiores de ácido tricloroacético (30-40%), o peeling é considerado de potência média e afeta a pele até à derme papilar.[19] Em concentrações superiores a 50%, considera-se peeling profundo.[19] Os peelings químicos médios a profundos apresentam maior eficácia em cicatrizes atróficas profundas, embora sejam mais susceptíveis de provocar efeitos adversos, como alterações na pigmentação da pele, infeções ou milium.[19]

Medicina alternativa[editar | editar código-fonte]

Têm sido investigados diversos produtos naturais para o tratamento de pessoas com acne,[61][62] embora não haja evidências que apoiem a sua eficácia.[63] No entanto, tem sido sugerida a aplicação tópica de óleo de melaleuca.[64]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

O acne geralmente melhora substancialmente por volta dos vinte anos de idade, embora possa persistir durante a vida adulta.[49] É possível que algumas das cicatrizes se tornem permanentes.[12] Existem evidências de qualidade que apoiam a ideia de que o acne tem impactos psicológicos negativos, afeta o humor, diminui a auto-estima e está associado a um risco acrescido de ansiedade, depressão e pensamentos suicidas.[33]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

À data de 2010, o acne afetava em todo o mundo cerca de 650 milhões de pessoas, o que corresponde a cerca de 9,4% da população.[65] É ligeiramente mais comum em mulheres (9,8%) do que em homens (9,0%).[65] No mundo Ocidental, o acne afeta cerca de 90% da população durante a adolescência e pode persistir durante a idade adulta.[12] Após os 25 anos de idade, o acne afeta 54% das mulheres e 40% dos homens.[25] Considerando todo o período de vida, o acne tem uma prevalência de 85%.[25] Cerca de 20% destes casos são moderados ou graves.[23] Em pessoas com mais de 40 anos, 1% dos homens e 5% das mulheres apresentam ainda sintomas de acne.[12]

A prevalência aparenta ser menor em sociedades rurais.[14] Embora o acne afete pessoas de praticamente todos os grupos étnicos,[66] aparenta estar ausente das populações indígenas da Papua Nova Guiné e do Paraguai.[23]

História[editar | editar código-fonte]

Nas civilizações da Antiguidade egípcia, grega e romana, o acne era tratado com enxofre.[67] Na década de 1929, foi introduzido o peróxido de benzoílo como medicamento para o tratamento de acne.[68] Na década de 1970, verificou-se que a tretinoína era um tratamento eficaz para a doença,[69] Em 1980 foi introduzida a isotretinoína como tratamento,[70] embora se tenha verificado ao longo da década seguinte que se tratava de um teratógeno capaz de provocar malformações congénitas durante a gravidez. Nos Estados Unidos, entre 1982 e 2003, cerca de 2000 mulheres engravidaram durante o tratamento com este fármaco, tendo a maior parte dos casos resultado em aborto ou aborto espontâneo.[71][72]

Sociedade e cultura[editar | editar código-fonte]

Custo[editar | editar código-fonte]

Os custos económico e social do tratamento do acne são substanciais. Nos Estados Unidos, o acne é responsável por mais de 5 milhões de consultas clínicas e apresenta custos indiretos superiores a 2,5 milhões de dólares.[5]

Estigma social[editar | editar código-fonte]

O desconhecimento ou informação errada sobre as causas e factores agravantes do acne entre a população são comuns, atribuindo-se muitas vezes a culpa pela doença às próprias pessoas.[73] Esta culpabilização pode agravar ainda mais a perda de auto-estima.[73] O acne e as cicatrizes que dele resultam têm sido associadas a dificuldades de socialização significativas que podem persistir durante a idade adulta.[74]

Investigação[editar | editar código-fonte]

Em 2007 foi anunciada a primeira sequenciação do genoma de um bacteriófago da P. acnes (PA6). Os autores sugeriram aplicar esta investigação no desenvolvimento de uma fagoterapia para o tratamento de acne, de forma a superar os problemas associados ao uso continuado de antibióticos, como a resistência antibiótica.[75]

Uma vacina contra o acne inflamatório foi testada com eficácia em ratos de laboratório, mas ainda não se demonstrou ser eficaz em seres humanos.[76] No entanto, este tipo de vacina tem levantado algumas preocupações sobre o facto de se estar a criar uma vacina destinada a neutralizar uma comunidade estável e normal de bactérias da pele, capaz de a proteger da colonização por microorganismos mais nocivos.[77]

Referências

  1. a b Adityan B, Kumari R, Thappa DM (Maio de 2009). «Scoring systems in acne vulgaris». Indian Journal of Dermatology, Venereology and Leprology. 75 (3): 323–6. doi:10.4103/0378-6323.51258. PMID 19439902 
  2. a b c d e f g Bhate, K; Williams, HC (Março de 2013). «Epidemiology of acne vulgaris.». The British journal of dermatology. 168 (3): 474–85. doi:10.1111/bjd.12149. PMID 23210645 
  3. Barnes LE, Levender MM, Fleischer AB Jr, Feldman SR (Abril de 2012). «Quality of life measures for acne patients». Dermatologic Clinics. 30 (2): 293–300. doi:10.1016/j.det.2011.11.001. PMID 22284143 
  4. a b Goodman, G (Julho de 2006). «Acne and acne scarring–the case for active and early intervention». Australian family physician. 35 (7): 503–4. PMID 16820822 
  5. a b c d Knutsen-Larson S, Dawson AL, Dunnick CA, Dellavalle RP (Janeiro de 2012). «Acne vulgaris: pathogenesis, treatment, and needs assessment». Dermatologic Clinics. 30 (1): 99–106. doi:10.1016/j.det.2011.09.001. PMID 22117871 
  6. a b c d e f g h i j k l Benner N, Sammons D (Setembro de 2013). «Overview of the treatment of acne vulgaris». Osteopathic Family Physician. 5 (5): 185–90. doi:10.1016/j.osfp.2013.03.003 
  7. a b James WD (Abril de 2005). «Acne». New England Journal of Medicine. 352 (14): 1463–72. doi:10.1056/NEJMcp033487. PMID 15814882 
  8. a b Mahmood SN, Bowe WP (April 2014). «Diet and acne update: carbohydrates emerge as the main culprit». Journal of drugs in dermatology: JDD. 13 (4): 428–35. PMID 24719062  Verifique data em: |data= (ajuda)
  9. a b c d e f g h i Titus S, Hodge J (Outbro de 2012). «Diagnosis and treatment of acne». American family physician. 86 (8): 734–40. PMID 23062156  Verifique data em: |data= (ajuda)
  10. Beylot, C; Auffret, N; Poli, F; Claudel, JP; Leccia, MT; Del Giudice, P; Dreno, B (Março de 2014). «Propionibacterium acnes: an update on its role in the pathogenesis of acne.». Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology : JEADV. 28 (3): 271–8. doi:10.1111/jdv.12224. PMID 23905540 
  11. a b Taylor, Marisa; Gonzalez, Maria; Porter, Rebecca (Maio–Junho de 2011). «Pathways to inflammation: acne pathophysiology». European Journal of Dermatology. 21 (3): 323–33. doi:10.1684/ejd.2011.1357. PMID 21609898 
  12. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u Dawson AL, Dellavalle RP (Maio de 2013). «Acne vulgaris». BMJ. 346 (5): f2634. doi:10.1136/bmj.f2634. PMID 23657180 
  13. a b Berlin, David J. Goldberg, Alexander L. Acne and Rosacea Epidemiology, Diagnosis and Treatment. London: Manson Pub. p. 8. ISBN 9781840766165 
  14. a b Spencer EH, Ferdowsian, Barnard ND (Abril de 2009). «Diet and acne: a review of the evidence.». International Journal of Dermatology. 48 (4): 339–47. doi:10.1111/j.1365-4632.2009.04002.x. PMID 19335417 
  15. Hay, RJ; Johns, NE; Williams, HC; Bolliger, IW; Dellavalle, RP; Margolis, DJ; Marks, R; Naldi, L; Weinstock, MA; Wulf, SK; Michaud, C; J L Murray, C; Naghavi, M (Outubro 2013). «The Global Burden of Skin Disease in 2010: An Analysis of the Prevalence and Impact of Skin Conditions». The Journal of investigative dermatology. 134 (6): 1527–34. doi:10.1038/jid.2013.446. PMID 24166134 
  16. Admani S, Barrio VR (Novembro de 2013). «Evaluation and treatment of acne from infancy to preadolescence». Dermatologic therapy. 26 (6): 462–6. doi:10.1111/dth.12108. PMID 24552409 
  17. Thiboutot, Diane M.; Strauss, John S. (2003). «Diseases of the sebaceous glands». In: Burns, Tony; Breathnach, Stephen; Cox, Neil; Griffiths, Christopher. Fitzpatrick's dermatology in general medicine 6th ed. New York: McGraw-Hill. pp. 672–87. ISBN 0-07-138076-0 
  18. a b Zhao YE, Hu L, Wu LP, Ma JX (Março de 2012). «A meta-analysis of association between acne vulgaris and Demodex infestation». Journal of Zhejiang University. Science. B. 13 (3): 192–202. doi:10.1631/jzus.B1100285. PMC 3296070Acessível livremente. PMID 22374611 
  19. a b c d e f g h i j k l m n o p Levy, LL; Zeichner, JA (Outubro de 2012). «Management of acne scarring, part II: a comparative review of non-laser-based, minimally invasive approaches». Am J Clin Dermatol. 13 (5): 331–40. doi:10.2165/11631410-000000000-00000. PMID 22849351 
  20. Sobanko, JF; Alster, TS (October 2012). «Management of acne scarring, part I: a comparative review of laser surgical approaches». Am J Clin Dermatol. 13 (5): 319–30. doi:10.2165/11598910-000000000-00000. PMID 22612738  Verifique data em: |data= (ajuda)
  21. a b c d Yin NC, McMichael AJ (Fevereiro de 2014). «Acne in patients with skin of color: practical management». American Journal of Clinical Dermatology. 15 (1): 7–16. doi:10.1007/s40257-013-0049-1. PMID 24190453 
  22. a b Callender, VD; St Surin-Lord, S; Davis, EC; Maclin, M (Abril de 2011). «Postinflammatory hyperpigmentation: etiologic and therapeutic considerations». Am J Clin Dermatol. 12 (2): 87–99. doi:10.2165/11536930-000000000-00000. PMID 21348540 
  23. a b c d Bhate K, Williams HC (March 2013). «Epidemiology of acne vulgaris.». The British journal of dermatology. 168 (3): 474–85. doi:10.1111/bjd.12149. PMID 23210645  Verifique data em: |data= (ajuda)
  24. «Frequently Asked Questions: Acne». U.S. Department of Health and Human Services, Office of Public Health and Science, Office on Women's Health. 16 de julho de 2009. Consultado em 30 de julho de 2009 
  25. a b c d e f g h i j Kong YL, Tey HL (Junho de 2013). «Treatment of acne vulgaris during pregnancy and lactation». Drugs. 73 (8): 779–87. doi:10.1007/s40265-013-0060-0. PMID 23657872 
  26. Hoeger, Peter H.; Alan D. Irvine; Albert C. Yan (2011). Chapter 79 Acne Harper's Textbook of Pediatric Dermatology 3rd ed. New Jersey: Wiley-Blackwell. ISBN 978-1-44-434536-0 
  27. Melnik, Bodo; Jansen, Thomas; Grabbe, Stephan (2007). «Abuse of anabolic-androgenic steroids and bodybuilding acne: An underestimated health problem». JDDG. 5 (2): 110–17. doi:10.1111/j.1610-0387.2007.06176.x. PMID 17274777 
  28. a b Holzmann R, Shakery K (Novembro de 2013). «Postadolescent acne in females». Skin pharmacology and physiology. 27 (Supplement 1): 3–8. doi:10.1159/000354887. PMID 24280643 
  29. Housman E, Reynolds RV (Novembro de 2014). «Polycystic ovary syndrome: A review for dermatologists: Part I. Diagnosis and manifestations». Journal of the American Academy of Dermatology. 71 (5): 847. doi:10.1016/j.jaad.2014.05.007. PMID 25437977 
  30. Bek-Thomsen, M.; Lomholt, H. B.; Kilian, M. (2008). «Acne is Not Associated with Yet-Uncultured Bacteria». Journal of Clinical Microbiology. 46 (10): 3355–60. doi:10.1128/JCM.00799-08. PMC 2566126Acessível livremente. PMID 18716234 
  31. a b Simonart T (Dezembro de 2013). «Immunotherapy for acne vulgaris: current status and future directions». American journal of clinical dermatology. 14 (6): 429-35. doi:10.1007/s40257-013-0042-8. PMID 24019180 
  32. Lomholt, Hans B.; Kilian, Mogens (2010). Bereswill, Stefan, ed. «Population Genetic Analysis of Propionibacterium acnes Identifies a Subpopulation and Epidemic Clones Associated with Acne». PLoS ONE. 5 (8): e12277. doi:10.1371/journal.pone.0012277. PMC 2924382Acessível livremente. PMID 20808860 
  33. a b c d Bhate K, Williams HC (Abril 2014). «What's new in acne? An analysis of systematic reviews published in 2011-2012». Clinical and experimental dermatology. 39 (3): 273–7. doi:10.1111/ced.12270. PMID 24635060 
  34. Davidovici, Batya B.; Wolf, Ronni (2010). «The role of diet in acne: Facts and controversies». Clinics in Dermatology. 28 (1): 12–6. doi:10.1016/j.clindermatol.2009.03.010. PMID 20082944 
  35. Melnik, BC; John, SM; Plewig, G (Novembro de 2013). «Acne: risk indicator for increased body mass index and insulin resistance». Acta dermato-venereologica. 93 (6): 644–9. doi:10.2340/00015555-1677. PMID 23975508 
  36. a b Ferdowsian HR, Levin S (Março de 2010). «Does diet really affect acne?». Skin therapy letter. 15 (3): 1–2, 5. PMID 20361171 
  37. Melnik, Bodo C. (2011). «Evidence for Acne-Promoting Effects of Milk and Other Insulinotropic Dairy Products». Milk and Milk Products in Human Nutrition. Col: Nestlé Nutrition Institute Workshop Series: Pediatric Program. 67. [S.l.: s.n.] 131 páginas. doi:10.1159/000325580. ISBN 978-3-8055-9587-2 
  38. Melnik, Bodo C.; Schmitz, Gerd (2009). «Role of insulin, insulin-like growth factor-1, hyperglycaemic food and milk consumption in the pathogenesis of acne vulgaris». Experimental Dermatology. 18 (10): 833–41. doi:10.1111/j.1600-0625.2009.00924.x. PMID 19709092 
  39. Cordain L (Junho de 2005). «Implications for the Role of Diet in Acne». Seminars in Cutaneous Medicine and Surgery. 24 (2): 84–91. doi:10.1016/j.sder.2005.04.002. PMID 16092796 
  40. Brescoll, J; Daveluy, S (Fevereiro de 2015). «A review of vitamin B12 in dermatology.». American journal of clinical dermatology. 16 (1): 27–33. doi:10.1007/s40257-014-0107-3. PMID 25559140 
  41. Chiu A, Chon SY, Kimball AB (Julho de 2003). «The Response of Skin Disease to Stress». Archives of Dermatology. 139 (7): 897–900. doi:10.1001/archderm.139.7.897. PMID 12873885 
  42. «Questions and Answers about Acne». www.niams.nih.gov/. Maio de 2013. Consultado em 30 de janeiro de 2015 
  43. a b c Sieber, MA; Hegel, JK (Novembro de 2013). «Azelaic acid: Properties and mode of action». Skin Pharmacol Physiol. 27 (Supplement 1): 9–17. doi:10.1159/000354888. PMID 24280644 
  44. Simpson, Nicholas B.; Cunliffe, William J. (2004). «Disorders of the sebaceous glands». In: Burns, Tony; Breathnach, Stephen; Cox, Neil; Griffiths, Christopher. Rook's textbook of dermatology 7th ed. Malden, Mass.: Blackwell Science. pp. 43.1–75. ISBN 0-632-06429-3 
  45. Sc O'brien, Jb Lewis, Wj Cunliffe (1998). «The Leeds revised acne grading system». Journal of Dermatological Treatment. 9 (4): 215-220 
  46. Cook CH, Centner RL, Michaels SE (1979). «An acne grading method using photographic standards». Arch Dermatol. 115 (5): 571-5. PMID 156006 
  47. Pillsbury, Donald Marion, Charles L. Heaton (1980). A manual of dermatology. [S.l.]: WB Saunders Co 
  48. Archer CB, Cohen SN, Baron SE; British Association of Dermatologists and Royal College of General Practitioners (Maio de 2012). «Guidance on the diagnosis and clinical management of acne». Clinical and experimental dermatology. 37 (Supplement 1): 1–6. doi:10.1111/j.1365-2230.2012.04335.x. PMID 22486762 
  49. a b Ramos-e-Silva M, Carneiro SC (Março de 2009). «Acne vulgaris: Review and guidelines». Dermatology nursing/Dermatology Nurses' Association. 21 (2): 63–8; quiz 69. PMID 19507372 
  50. a b Simonart T (Dezembro de 2012). «Newer approaches to the treatment of acne vulgaris». America Journal of Clinical Dermatology. 13 (6): 357–64. doi:10.2165/11632500-000000000-00000. PMID 22920095 
  51. a b c d Sagransky, Matt; Yentzer, Brad A; Feldman, Steven R (2009). «Benzoyl peroxide: A review of its current use in the treatment of acne vulgaris». Expert Opinion on Pharmacotherapy. 10 (15): 2555–62. doi:10.1517/14656560903277228. PMID 19761357 
  52. a b Madan RK, Levitt J (Abril de 2014). «A review of toxicity from topical salicylic acid preparations». Journal of the American Academy of Dermatology. 70 (4): 788–92. doi:10.1016/j.jaad.2013.12.005. PMID 24472429 
  53. Well D (Outubro de 2013). «Acne vulgaris: A review of causes and treatment options». The Nurse practitioner. 38 (10): 22–31. doi:10.1097/01.NPR.0000434089.88606.70. PMID 24048347 
  54. Morelli, Vincent; Calmet, Erick; Jhingade, Varalakshmi (2010). «Alternative Therapies for Common Dermatologic Disorders, Part 2». Primary Care: Clinics in Office Practice. 37 (2): 285–96. doi:10.1016/j.pop.2010.02.005. PMID 20493337 
  55. «Azelaic Acid Topical». National Institutes Of Health. Consultado em 9 de setembro de 2013 
  56. a b Arowojolu, Ayodele O; Gallo, Maria F; Lopez, Laureen M; Grimes, David A (2012). Arowojolu, Ayodele O, ed. «Combined oral contraceptive pills for treatment of acne». Cochrane Database of Systematic Reviews. 7: CD004425. doi:10.1002/14651858.CD004425.pub6. PMID 22786490 
  57. a b Pugashetti, R; Shinkai, K (Julho de 2013). «Treatment of acne vulgaris in pregnant patients». Dermatol Ther. 26 (4): 302–11. doi:10.1111/dth.12077. PMID 23914887 
  58. Hamilton, F.L.; Car, J.; Lyons, C.; Car, M.; Layton, A.; Majeed, A. (2009). «Laser and other light therapies for the treatment of acne vulgaris: Systematic review». British Journal of Dermatology. 160 (6): 1273–85. doi:10.1111/j.1365-2133.2009.09047.x. PMID 19239470 
  59. Chapas, Anne M.; Brightman, Lori; Sukal, Sean; Hale, Elizabeth; Daniel, David; Bernstein, Leonard J.; Geronemus, Roy G. (2008). «Successful treatment of acneiform scarring with CO2 ablative fractional resurfacing». Lasers in Surgery and Medicine. 40 (6): 381–6. doi:10.1002/lsm.20659. PMID 18649382 
  60. Ong, MW; Bashir, SJ (Junho de 2012). «Fractional laser resurfacing for acne scars: a review». Br J Dermatol. 166 (6): 1160–9. doi:10.1111/j.1365-2133.2012.10870.x. PMID 22296284 
  61. Cao, Huijuan; Yang, Guoyan; Wang, Yuyi; Liu, Jian Ping; Smith, Caroline A; Luo, Hui; Liu, Yueming; Liu, Jian Ping (2015). «Complementary therapies for acne vulgaris». doi:10.1002/14651858.CD009436.pub2 
  62. Yarnell, Eric; Abascal, Kathy (2006). «Herbal Medicine for Acne Vulgaris». Alternative and Complementary Therapies. 12 (6): 303–9. doi:10.1089/act.2006.12.303 
  63. Costa, CS; Bagatin, E (2013). «Evidence on acne therapy». Revista paulista de medicina. 131 (3): 193–7. PMID 23903269 
  64. Pazyar, Nader; Yaghoobi, Reza; Bagherani, Nooshin; Kazerouni, Afshin (2013). «A review of applications of tea tree oil in dermatology». International Journal of Dermatology. 52 (7): 784–90. doi:10.1111/j.1365-4632.2012.05654.x. PMID 22998411 
  65. a b Vos, Theo; Flaxman (2012). «Years lived with disability (YLDs) for 1160 sequelae of 289 diseases and injuries 1990–2010: A systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010». The Lancet. 380 (9859): 2163–96. doi:10.1016/S0140-6736(12)61729-2. PMID 23245607 
  66. Shah, Sejal K.; Alexis, Andrew F. (2010). «Acne in skin of color: Practical approaches to treatment». Journal of Dermatological Treatment. 21 (3): 206–11. doi:10.3109/09546630903401496. PMID 20132053 
  67. Keri J, Shiman M (2009). «An update on the management of acne vulgaris». Clin Cosmet Investig Dermatol. 17 (2): 105–10. PMC 3047935Acessível livremente. PMID 21436973 
  68. Myra Michelle Eby, Michelle Eby Myra. Return to Beautiful Skin. [S.l.]: Basic Health Publications. p. 275 
  69. «Tretinoin (retinoic acid) in acne». The Medical letter on drugs and therapeutics. 15 (1): 3. 1973. PMID 4265099 
  70. Jones, H (1980). «13-Cis Retinoic Acid and Acne». The Lancet. 316 (8203): 1048–9. doi:10.1016/S0140-6736(80)92273-4. PMID 6107678 
  71. Bérard, Anick; Azoulay, Laurent; Koren, Gideon; Blais, Lucie; Perreault, Sylvie; Oraichi, Driss (2007). «Isotretinoin, pregnancies, abortions and birth defects: A population-based perspective». British Journal of Clinical Pharmacology. 63 (2): 196–205. doi:10.1111/j.1365-2125.2006.02837.x. PMC 1859978Acessível livremente. PMID 17214828 
  72. Holmes, SC; Bankowska, U; MacKie, RM (1998). «The prescription of isotretinoin to women: Is every precaution taken?». British Journal of Dermatology. 138 (3): 450–55. doi:10.1046/j.1365-2133.1998.02123.x. PMID 9580798 
  73. a b Goodman G (Agosto de 2006). «Acne--natural history, facts and myths» (PDF). Australian Family Physician. 35 (8): 613–6. PMID 16894437 
  74. Brown MM, Chamlin SL, Smidt AC (Abril de 2013). «Quality of life in pediatric dermatology». Dermatologic Clinics. 31 (2): 211–21. doi:10.1016/j.det.2012.12.010. PMID 23557650 
  75. Farrar, M. D.; Howson, K. M.; Bojar, R. A.; West, D.; Towler, J. C.; Parry, J.; Pelton, K.; Holland, K. T. (2007). «Genome Sequence and Analysis of a Propionibacterium acnes Bacteriophage». Journal of Bacteriology. 189 (11): 4161–67. doi:10.1128/JB.00106-07. PMC 1913406Acessível livremente. PMID 17400737 
  76. Kao M, Huang CM. «Acne vaccines targeting Propionibacterium acnes». Giornale italiano di dermatologia e venerologia. 144 (6): 639-43. PMID 19907403 
  77. MacKenzie, D. (Setembro de 2011). «In development: a vaccine for acne». New Scientist. Consultado em 18 de maio de 2015 
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Acne