Dermatite seborreica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dermatite seborreica
Dermatite seborreica em redor do nariz e boca
Sinónimos Seborreia, sebopsoríase, eczema seborreico, pitiríase capitis[1]
Especialidade Dermatologia
Sintomas Comichão e pele escamosa, oleosa, vermelha e inflamada[2]
Duração Crónica[2]
Causas Fatores genéticos e ambientais[2]
Fatores de risco Stresse, inverno, imunodeficiência, doença de Parkinson, epilepsia, síndrome de Down[2]
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas[2]
Condições semelhantes Psoríase, dermatite atópica, tinea capitis, rosácea, lúpus eritematoso sistémico[2]
Medicação Antimicóticos, anti-inflamatórios, alcatrão de hulha, fototerapia[2]
Frequência ~2% (adultos), ~40% (bebés)[2]
Classificação e recursos externos
CID-10 L21.l
CID-9 690
DiseasesDB 11911
MedlinePlus 000963
eMedicine 00000
MeSH D012628
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Dermatite seborreica é uma doença da pele crónica.[2] Os sintomas mais comuns são comichão e pele vermelha, escamosa, oleosa e inflamada.[2] São geralmente afetadas as áreas da pele ricas em glândulas sebáceas, principalmente o couro cabeludo, face e peito.[2] A condição pode causar problemas de socialização e baixa auto-estima.[2] Em bebés, quando a principal parte afetada é o couro cabeludo, a condição denomina-se crosta de leite.[2] A caspa é uma forma menos grave da condição, sem inflamação da pele associada.[2]

Embora as causas sejam ainda pouco claras, acredita-se que envolvam uma série de fatores genéticos e ambientais.[2] Entre os fatores de risco estão a imunodeficiência, doença de Parkinson, epilepsia e síndrome de Down.[2] A condição pode agravar-se em função do stresse psicológico ou durante o inverno.[2] Não é causada por má higiene.[3] O diagnóstico é geralmente feito com base nos sintomas.[2]

O tratamento geralmente consiste na administração de antimicóticos e anti-inflamatórios.[2] Especificamente, o Cetoconazol e o ciclopirox são eficazes.[4] Não é claro se outros antimicóticos, como o miconazol, são igualmente eficazes, dado que não têm sido suficientemente estudados.[4] Entre outras opções de tratamento estão o alcatrão de hulha e a fototerapia.[2]

A condição é mais comum entre pessoas com idade por volta dos 50 anos, durante a puberdade e em bebés com menos de 3 meses.[2] A condição afeta cerca de 2% dos adultos[2] e é mais comum entre homens do que entre mulheres.[2] Até 40% dos bebés são afetados por algum grau da condição.[2]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Lavar a cabeça com frequência, temperatura alta, umidade, mudanças bruscas de temperatura e estresse aumentam os sintomas.[5]

Os principais sintomas são[6]:

  • Vermelhidão;
  • Oleosidade;
  • Placas ásperas;
  • Inflamação;
  • Coceira;
  • Crosta marrom.

Com tratamento geralmente demoram entre 2 a 4 semanas para os sintomas sumirem.

Classificação[editar | editar código-fonte]

No couro cabeludo, é mais popularmente conhecida como caspa. Outros tipos frequentes são o nasolabial (nariz e lábio superior) e a torácica. Possui uma variedade neonatal, também conhecida como crosta láctea, comum antes dos 3 anos, leve e inofensiva.[7] Pode ser classificada como:

  • Leve, quando dura menos de duas semanas e tem poucas placas de poucos centímetros;
  • Moderada, quando dura duas a seis semanas e forma muitas placas pequenas;
  • Severa, quando envolve inflamações, sangramento, perda de cabelo, formação de crostas e dura mais de um mês. Geralmente casos severos estão associados a deficiência imunológica.[6]

Causas[editar | editar código-fonte]

Diversos fatores estão associados à dermatite seborreica, dentre eles:[8][9]

Agravantes[9]

Fatores de risco que desencadeiam e agravam a seborreia incluem[13]:

  • Sono insatisfatório e Fadiga;
  • Estresse excessivo;
  • Obesidade;
  • Alcoolismo;
  • Mudanças climáticas bruscas;
  • Clima frio e seco;
  • Lavar o local com frequência;
  • Água muito quente;
  • Doenças neurológicas (como mal de Parkinson e epilepsia).

São mais comuns em crianças pequenas e entre os 30 e 60 anos, especialmente em pessoas com pele oleosa.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento recomendado é o uso do cetoconazol, de queratolíticos e anti-inflamatórios corticosteroides, na forma de loções, cremes ou xampus anticaspa. Xampus com piritionato de zinco, sulfeto de selênio ou alcatrão de hulha podem ajudar no tratamento, bem como loções contendo ácidos alfa-hidróxidos (AHA).[14]

Radiação ultravioleta B, tanto natural quanto artificial, geralmente diminui a severidade da seborreia.[15]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

É mais comum entre recém-nascidos e entre os 30 e 60 anos. Atingindo cerca de 10% das crianças, sendo um pouco mais comum em meninos, com incidência de 1 a 3% ao ano em adultos.[6] Cerca de 72% da população tem seborreia leve ou moderada pelo menos alguma vez na vida.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dessinioti, C.; Katsambas, A. (2013). «Seborrheic dermatitis: etiology, risk factors, and treatments: facts and controversies.». Clin Dermatol. 31 (4): 343–51. PMID 23806151. doi:10.1016/j.clindermatol.2013.01.001 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x Borda, Luis (2015). «Seborrheic Dermatitis and Dandruff: A Comprehensive Review». Journal of Clinical and Investigative Dermatology. 3 (2). doi:10.13188/2373-1044.1000019 
  3. «Seborrheic dermatitis». American Academy of Dermatology. Consultado em 20 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2017 
  4. a b Okokon, EO; Verbeek, JH; Ruotsalainen, JH; Ojo, OA; Bakhoya, VN (28 de abril de 2015). «Topical antifungals for seborrhoeic dermatitis.». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 4: CD008138. PMC 4448221Acessível livremente. PMID 25933684. doi:10.1002/14651858.CD008138.pub3 
  5. dr. Francisco Le Voci. http://www.minhavida.com.br/beleza/materias/13803-saiba-como-controlar-a-caspa-no-inverno
  6. a b c http://www.patient.co.uk/health/seborrhoeic-dermatitis-leaflet
  7. http://www.minhavida.com.br/saude/temas/seborreia
  8. Hay, R.J.; Graham-Brown, R.A.C. (1997). "Dandruff and seborrhoeic dermatitis: causes and management". Clinical and Experimental Dermatology 22 (1): 3–6. doi:10.1046/j.1365-2230.1997.d01-231.x. PMID 9330043.
  9. a b c Johnson, Betty Anne; Nunley, Julia R. (May 2000). "Treatment of seborrheic dermatitis". American Family Physician 61 (9): 2703–10, 2713–4. PMID 10821151
  10. Hay, R.J.; Graham-Brown, R.A.C. (1997). "Dandruff and seborrhoeic dermatitis: causes and management". Clinical and Experimental Dermatology. 22 (1): 3–6. PMID 9330043. doi:10.1046/j.1365-2230.1997.d01-231.x
  11. Nowicki R (January 2006). "[Modern management of dandruff]". Polski Merkuriusz Lekarski (in Polish). 20 (115): 121–4. PMID 16617752
  12. De Groot LJ, Beck-Peccoz P, Chrousos G, Dungan K, Grossman A, Hershman JM, Koch C, McLachlan R, New M, Rebar R, Singer F, Vinik A, Weickert MO, Handelsman DJ. "Androgen Physiology, Pharmacology and Abuse.". PMID 25905231
  13. What Is Seborrheic Dermatitis?
  14. http://www.patient.co.uk/health/seborrhoeic-dermatitis-leaflet
  15. Wikler, JR.; Janssen N., Bruynzeel DP., Nieboer C. (1990). "The effect of UV-light on pityrosporum yeasts: ultrastructural changes and inhibition of growth". Acta dermato-venereologica (Stockholm) 70 (1): 69–71. PMID 1967880.