Fototerapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Este artigo é sobre fototerapia, que consiste em um tratamento baseado na interação da irradiação eletromagnética da luz com os tecidos biológicos. Na fototerapia são empregados Lasers e LED que são aparelhos capazes de emitir luz (com um comprimento específico). A fototerapia é muito utilizada na medicina, Odontologia, fisioterapia e até pelos profissionais do esporte (educadores físicos) que buscam o tratamento e a prevenção da fadiga muscular.

Introdução[editar | editar código-fonte]

A Fototerapia consiste na utilização da luz para fins terapêuticos. Diversas áreas utilizam esse método não invasivo para o realizar o tratamento de diversas patologias, muitas vezes a fototerapia é empregada associada a outros tipos de terapia.

A interação da Luz com o tecidos biológico se dão por meio dos Fótons que são pequenas pacotes de energias mas que não carregam matéria, esse fótons são os constituintes da Luz.[1]

Atualmente a Fototerapia vêm sendo empregados na área da saúde ( Medicina, odontologia, fisioterapia e etc) de forma terapêutica, já que vários estudos descrevem o efeito positivo da Fototerapia (Laser e LED) em diversas áreas, bem com na reparação tecidual, aumento da microcirculação superficial, na diminuição da dor e inflamação, na recuperação muscular e até na prevenção da fadiga muscular[2] . Todos esses efeitos positivos observados em vários estudos só é possível devido à interaçãoda luz do laser com os tecidos biológicos. Quando a luz do Laser atinge o tecido biológico, é possível observar a presença de algumas propriedades ópticas: transmissão, espelhamento, absorção e a reflexão.

Transmissão é a parte da luz que é transmitida por meio do tecido sem atenuação de sua irradiação[3] .

Espalhamento consiste na difusão da luz nos tecidos adjacentes[3] .

Absorção é a propriedade que define a absorção da luz pelo tecido os moléculas com possuem afinidade com determinado comprimento de onda[3] .

Reflexão é a perda de parte da luz para fora do tecido, devido à reflexão do tecido biológico, geralmente a reflexão do raio incidente acontece com o mesmo ângulo de incidência[3]  

Absorção da Luz pelo Tecido Biológico[editar | editar código-fonte]

A luz é absorvida pelos cromóforos que são células ou moléculas que possui afinidade com determinado comprimento de onda. Um exemplo é a molécula de H2O que possui uma afinidade com o Laser de CO2, propriedade que permite que esse lasers seja usado na cirurgia oral.[1]

Na célula a Absorção ocorre na mitocôndrica, graças o citocromo c oxidase que absorve os fótons. Com o maior nível energético disponível há uma aumento da síntese de ATP, o que resulta no aumento do metabolismo celular. Esse aumento no metabolismo celular possibilita uma melhor resposta celular[4] .

Os tecidos biológicos são constituídos em sua maioria por água (H2O), elementos celulares, fluidos teciduais e etc. Essa grande variedade de moléculas é responsável pela diferença do grau de penetração e absorção da luz nos tecidos. . Por exemplo, a absorção da água predomina para comprimentos de onda superiores a 1.000nm. Já absorção da hemoglobina predomina para o comprimento de onda de 578 nm aproximadamente [5] .

 O conhecimento sobre a interação da luz com os tecidos biológicos é de grande importância, pois auxilia o cirurgião-dentista, e os demais profissionais da área da saúde, na escolha do equipamento e no comprimento de onda mais indicado para o tratamento proposto[5] .

Efeito Clínico[editar | editar código-fonte]

A Fototerapia tem demostrado efeito positivos:

  • na diminuição da dor e da inflamação,
  • no processo de cicatrização,
  • no aumento da circulação,
  • no aumento do tempo para o músculo entrar em processo de fadiga
  • na recuperação muscular

A preconização de doses e respectiva quantidade de pontos de aplicação, para as mais diversas situações clínicas, podem ser encontradas no site da Word Association for Laser Therapy (Associação Mundial de Laserterapia), pelo endereçohttp://waltza.co.za/.

Fototerapia na Odontologia[editar | editar código-fonte]

Na odontologia a fototerapia é empregado no alívio da dor, na reparação tecidual e na redução de edema[1] .

No alívio da dor, a Fototerapia pode ser empregado em casos de:

Na reparação tecidual podemos observar a foto estimulação nos seguintes casos[1] :

  • condições de necrose pulpar
  • após tratamento endodôntico do elemento dental acometido,
  • nos casos de lesões traumática
  • entre outros

No pós-operatório a fototerapia também é indicada para reduzir o edema causado pelo processo cirúrgico[1]

Laser x LED[editar | editar código-fonte]

O termo laser é um acrônimo para Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation (amplificação da luz através de emissão estimulada de radiação). O laser se diferencia da luz convencional por apresentar características como coerência, colimação e monocromaticidade. Os princípios básicos do laser foram esboçados pelo físico alemão Albert Einstein. Em 1960 Theodore Maiman, conseguiu o primeiro disparo de luz, utilizando cristais de rubi para produzir uma luz vermelha com um comprimento de onda de 694 nm. Por volta de 1961, foi realizada a primeira cirurgia a laser utilizando o laser de CO2, e em 1962 foi desenvolvido o primeiro laser semicondutor. Em radiação do laser foi aplicada às práticas terapêuticas e nesse mesmo ano Stern e Sognnaes utilizram  o laser pela primeira vez na odontologia[6] .

Já o termo LED (Light Emitting Diode) significa diodo emissor de luz. O led não apresenta colimação e coerência espacial e temporal como o laser, pois não possui uma cavidade óptica.

Referências

  1. a b c d e Antonio Luiz B. Pinheiro, Aldo Brugnera Júnior, Fátima Antonia Aparecida Zanin. Aplicação do Laser na Odontologia. [S.l.: s.n.], 2010.
  2. 8- VENEZIAN, G.C.; DA SILVA, M.A.M.R.; MAZZETTO, R.G.; MAZZETTO, M.O.. . "Low level laser effects on pain to palpation and electromyographic activity in tmd patients: a double-blind, randomized, placebo-controlled study.". Cranio. v. 28, n. 2, p. 84-91, 2010..
  3. a b c d Paulo Scarpel. de. Laser em odontologia. São Paulo: Santos. 174 p.. [S.l.: s.n.], 2001.
  4. 14. KARU, T.I. et al.. . "Changes in absorbance of monolayer of living cells induced by laser radiation at 633, 670 and 820 nm.". IEEE J Quantum Elect. v. 7, n.6, p.982-988, 2001..
  5. a b CATORZE, M. G.. . "Laser: bases and use in dermatology.". Med Cutan Liber Lat Am. V. 1, n. 37, p. 5-27. 2009..
  6. - LOW, J.; REED,. . "A. Eletroterapia Explicada: princípios e práticas. 3 ed. São Paulo: Manole, 2001.".