Di-hidrotestosterona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estrutura química de Di-hidrotestosterona
Dihydrotestosterone-3D-balls.png
Di-hidrotestosterona
Star of life caution.svg Aviso médico
Nome IUPAC (sistemática)
(5S,8R,9S,10S,13S,14S,17S)-17-hydroxy-10,13-dimethyl-1,2,4,5,6,7,8,9,11,12,14,15,16,17-tetradecahydrocyclopenta[a]phenanthren-3-one
Identificadores
CAS  ?
ATC  ?
PubChem 10635
Informação química
Fórmula molecular C19H30O2 
Massa molar 290.442 g/mol
Farmacocinética
Biodisponibilidade  ?
Metabolismo Fígado
Meia-vida --
Excreção Urina
Considerações terapêuticas
Administração Injeção intramuscular
DL50  ?

A di-hidrotestosterona (DHT), ou 5a-dihidrotestosterona (5a-DHT), também conhecida como androstanolona ou estanolona, é um esteroide sexual, androgênico e um hormônio endógeno. A enzima 5-alfarredutase catalisa a formação de DHT a partir da testosterona em certos tecidos, incluindo a glândula prostática, pele, folículos pilosos, fígado e cérebro. Esta enzima medeia a redução da ligação dupla C4-5 da testosterona. Em relação à testosterona, a DHT é consideravelmente mais potente como agonista do receptor androgênico (RA). Apresentou forte potência em relação à testosterona quanto ao desenvolvimento dos tecidos musculares e síntese de aminoácidos.[1]

Função biológica[editar | editar código-fonte]

O DHT é biologicamente importante para a diferenciação sexual dos genitais masculinos durante a embriogênese, a maturação do pênis e o escroto na puberdade, o crescimento do cabelo facial, corporal e púbico, a produção de sebo e o desenvolvimento/manutenção da próstata. É produzido a partir da testosterona.[2]

Os níveis circulantes de DHT são 1/10 e 1/20 dos da testosterona em termos de concentrações totais e livres, respectivamente.[3] Porém, os níveis de DHT são maiores em tecidos com maior concentração da enzima 5-alfarredutase, como a próstata.[4] De qualquer forma, quando administrado de forma exógena foi retratado como um pobre agente anabólico.[5]

Funções biológicas da testosterona e do DHT na puberdade masculina[6]
Testosterona DHT
Espermatogênese e fertilidade Crescimento da próstata e maior risco de câncer da próstata
Desenvolvimento músculo-esqueletal masculino Crescimento do cabelo facial, púbico, axilar e corporal
Engrossamento da voz Perda de cabelo
Aumento nas ereções e apetite sexual Aumento na produção de sebo e acne

Além das funções biológicas normais, o DHT também desempenha um papel importante em uma série de condições hormonais e estéticas, incluindo condições de pele e cabelo, como acne, seborreia, hirsutismo, perda de cabelo padrão (alopecia androgênica ou calvície padrão) e doenças da próstata, como hiperplasia benigna da próstata (HBP) e câncer de próstata.[2] Os inibidores da enzima 5-alfarredutase, que impedem a síntese de DHT, são eficazes na prevenção e tratamento dessas condições.[7][8][9][10]

Os metabólitos da DHT têm atuado como esteroides neurológicos com sua própria atividade biológica independente do receptor andrógeno.[11] Estes metabolitos podem desempenhar papéis importantes nos efeitos centrais do DHT e, por extensão, a testosterona, incluindo seus efeitos antidepressivos, ansiolíticos, gratificantes/hedônicos, anti-estresse e pró-cognitivos.[11][12]

Atividade biológica[editar | editar código-fonte]

DHT é um potente agonista do RA, e é, de fato, o hormônio mais potente que se liga ao recepetor. Tem uma afinidade (Kd) de 0,25 a 0,5 nM para o receptor andrógeno humano, que é cerca de 2 a 3 vezes maior do que a da testosterona (Kd = 0,4 a 1,0 nM)[13] e 15-30 vezes maior que a de andrógenos supra-renais.[14] Em bioensaios, o DHT foi considerada de 2,5 a 10 vezes mais potente do que a testosterona.[13]

A semi-vida terminal do DHT no corpo (53 minutos) é mais longa do que a testosterona (34 minutos), e isso pode explicar algumas das diferenças em sua potência.[15] Um estudo utilizando DHT e testosterona em forma transdérmica constataram meias-vidas terminais de 2,83 horas e 1,29 horas, respectivamente.[16]

Ao contrário de outros andrógenos — como a testosterona — DHT não pode ser convertido pela enzima aromatase em um estrogênio como estradiol.

Bioquímica[editar | editar código-fonte]

Biossíntese[editar | editar código-fonte]

Biossíntese do DHT, em inglês (norte-americano). Encontrado na wikipedia en.

DHT é sintetizado a partir de testosterona pela enzima 5-alfarredutase.[17] Isso ocorre em vários tecidos, incluindo os órgãos genitais (pênis, escroto, clitóris, lábios majorais),[18] glândula prostática, pele, folículos pilosos, fígado e cérebro.[17] Cerca de 5 a 7% de testosterona sofre a conversão em DHT por causa da ação da enzima 5-alfarredutase,[19][20] e aproximadamente 200 a 300 μg de DHT é sintetizado no corpo por dia.[17] A maioria do DHT é produzida em tecidos periféricos como a pele e o fígado,[17] enquanto a maioria dos DHTs circulantes se origina especificamente no fígado.[17] Os testículos e próstata contribuem relativamente pouco para as concentrações de DHT em circulação.[17]

Existem duas isoformas principais da enzima 5-alfarredutase: SRD5A1 (tipo I) e SRD5A2 (tipo II); sendo esta última a isoenzima mais biologicamente importante.[17] O SRD5A2 é encontrado em altas concentrações nos órgãos genitais, glândula prostática, epidídimos, vesículas seminais, pele genital, folhetos faciais e faciais do peito[21][22] e fígado, enquanto observa-se menor expressão em certas áreas do cérebro, pele/folículos pilosos, testículos e rins.[17] O SRD5A1 é encontrado em altas concentrações em folículos de pele/cabelo não genitais, fígado e certas áreas do cérebro, enquanto níveis mais baixos estão presentes na próstata, epidídimos, vesículas seminais, pele genital, testículos, glândulas adrenais e rins.[17] Na pele, 5-alfarredutase é encontrada em glândulas sebáceas, glândulas sudoríparas, células epidérmicas e folículos pilosos.[21][22] Ambas isoenzimas são encontradas nos folículos pilosos do couro cabeludo,[23] embora SRD5A2 predomine nessas células.[22] O subtipo SRD5A2 é a isoforma quase exclusiva expressa na próstata.[24]

Níveis[editar | editar código-fonte]

Os níveis séricos de DHT são cerca de 10% dos da testosterona, mas os níveis na glândula prostática são 5- a 10 vezes superiores aos da testosterona devido à uma conversão de mais de 90% de testosterona em DHT por influência da enzima 5-alfarredutase.[25] Por esse motivo, além do fato de que DHT é muito mais potente como um agonista de RA do que a testosterona, a DHT é considerada o principal andrógeno da próstata.[25]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Hamdi, M M; Mutungi, G (15 de julho de 2011). «Dihydrotestosterone stimulates amino acid uptake and the expression of LAT2 in mouse skeletal muscle fibres through an ERK1/2-dependent mechanism». The Journal of Physiology. 589 (Pt 14): 3623–3640. ISSN 0022-3751. PMID 21606113. doi:10.1113/jphysiol.2011.207175 
  2. a b Marks, Leonard S (2004). «5α-Reductase: History and Clinical Importance». Reviews in Urology. 6 (Suppl 9): S11–S21. ISSN 1523-6161. PMID 16985920 
  3. Bhasin, Shalender (13 de fevereiro de 1996). Pharmacology, Biology, and Clinical Applications of Androgens: Current Status and Future Prospects (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 9780471133209 
  4. Hay, Ian D.; Wass, John A. H. (26 de janeiro de 2009). Clinical Endocrine Oncology (em inglês). [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 9781444300239 
  5. Llewellyn, William (2011). Anabolics (em inglês). [S.l.]: Molecular Nutrition Llc. ISBN 9780982828014 
  6. Chang, Chawnshang (31 de outubro de 2002). Androgens and Androgen Receptor: Mechanisms, Functions, and Clinical Applications (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 9781402071881 
  7. Blume-Peytavi, Ulrike; Whiting, David A.; Trüeb, Ralph M. (26 de junho de 2008). Hair Growth and Disorders (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 9783540469117 
  8. Azzouni, F; Mohler, J (14 de fevereiro de 2012). «Role of 5α-reductase inhibitors in benign prostatic diseases». Prostate Cancer and Prostatic Diseases (em inglês). 15 (3): 222–230. ISSN 1476-5608. doi:10.1038/pcan.2012.1 
  9. Azzouni, Faris; Mohler, James (1 de junho de 2012). «Role of 5α-Reductase Inhibitors in Prostate Cancer Prevention and Treatment». Urology (em English). 79 (6): 1197–1205. ISSN 0090-4295. doi:10.1016/j.urology.2012.01.024 
  10. Katsambas, Andreas D.; Lotti, Torello M.; Dessinioti, Clio; D'Erme, Angelo Massimiliano (28 de abril de 2015). European Handbook of Dermatological Treatments (em inglês). [S.l.]: Springer. ISBN 9783662451397 
  11. a b Kohtz, Amy S.; Frye, Cheryl A. (2012). «Dissociating Behavioral, Autonomic, and Neuroendocrine Effects of Androgen Steroids in Animal Models». Springer, New York, NY. Psychiatric Disorders (em inglês): 397–431. doi:10.1007/978-1-61779-458-2_26 
  12. Brunton, Paula J. «Neuroactive steroids and stress axis regulation: Pregnancy and beyond». The Journal of Steroid Biochemistry and Molecular Biology. 160: 160–168. doi:10.1016/j.jsbmb.2015.08.003 
  13. a b Mozayani, Ashraf; Raymon, Lionel (18 de setembro de 2011). Handbook of Drug Interactions: A Clinical and Forensic Guide (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 9781617792229 
  14. Hemat, R. A. S. (2004). Principles of Orthomolecularism (em inglês). [S.l.]: Urotext. ISBN 9781903737057 
  15. Publishers, Bentham Science (Setembro de 1999). Current Pharmaceutical Design (em inglês). [S.l.]: Bentham Science Publishers 
  16. Mozayani, Ashraf; Raymon, Lionel (15 de outubro de 2003). Handbook of Drug Interactions: A Clinical and Forensic Guide (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 9781592596546 
  17. a b c d e f g h i Melmed S (2016). Williams Textbook of Endocrinology. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. pp. 621, 711. ISBN 978-0-323-29738-7 
  18. Rhoades RA, Bell DR (18 de janeiro de 2012). Medical Phisiology: Principles for Clinical Medicine. [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. ISBN 978-1-60913-427-3 
  19. Rakel D (12 de abril de 2012). Integrative Medicine E-Book. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. ISBN 1-4557-2503-X 
  20. Morrison MF (4 de maio de 2000). Hormones, Gender and the Aging Brain: The Endocrine Basis of Geriatric Psychiatry. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-1-139-42645-9 
  21. a b Zouboulis CC, Chen WC, Thornton MJ, Qin K, Rosenfield R (2007). «Sexual hormones in human skin». Horm. Metab. Res. 39 (2): 85–95. PMID 17326004. doi:10.1055/s-2007-961807 
  22. a b c Bolognia JL, Jorizzo JL, Schaffer JV (8 de junho de 2012). Dermatology E-Book. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. ISBN 0-7020-5182-9 
  23. Murphy MJ (24 de março de 2011). Molecular Diagnostics in Dermatology and Dermatopathology. [S.l.]: Springer Science & Business Media. ISBN 978-1-60761-171-4 
  24. Keam SJ, Scott LJ (2008). «Dutasteride: a review of its use in the management of prostate disorders». Drugs. 68 (4): 463–85. PMID 18318566 
  25. a b Hay ID, Wass JA (26 de janeiro de 2009). Clinical Endocrine Oncology. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-1-4443-0023-9