1989 (álbum de Taylor Swift)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
1989
Álbum de estúdio de Taylor Swift
Lançamento 27 de outubro de 2014 (2014-10-27)
Gravação 2013-14
Gênero(s) Pop, synthpop
Duração 48:41
Formato(s) CD, download digital, vinil
Gravadora(s) Big Machine
Produção Taylor Swift (também exec.), Max Martin (também exec.), Shellback, Jack Antonoff, Nathan Chapman, Imogen Heap, Greg Kurstin, Mattman & Robin, Ali Payami, Ryan Tedder, Noel Zancanella
Cronologia de Taylor Swift
Red
(2012)
The 1989 World Tour Live (2015)
Singles de 1989
  1. "Shake It Off"
    Lançamento: 18 de agosto de 2014 (2014-08-18)
  2. "Blank Space"
    Lançamento: 10 de novembro de 2014 (2014-11-10)
  3. "Style"
    Lançamento: 9 de fevereiro de 2015 (2015-02-09)
  4. "Bad Blood"
    Lançamento: 18 de maio de 2015 (2015-05-18)
  5. "Wildest Dreams"
    Lançamento: 31 de agosto de 2015 (2015-08-31)
  6. "Out of the Woods"
    Lançamento: 12 de janeiro de 2016 (2016-01-12)
  7. "New Romantics"
    Lançamento: 23 de fevereiro de 2016 (2016-02-23)

1989 é o quinto álbum de estúdio da artista musical estadunidense Taylor Swift. O seu lançamento ocorreu em 27 de outubro de 2014, através da Big Machine Records. Tendo a cantora e Max Martin como produtores executivos, o disco foi desenvolvido e gravado entre 2013 e 2014 durante a The Red Tour; para este, Swift colaborou com uma série de compositores e produtores como Martin, Shellback, Jack Antonoff, Nathan Chapman, Imogen Heap, Greg Kurstin e Ryan Tedder. O seu título foi inspirado pelo ano de nascimento de Swift e pela cena musical da década, a qual inspirou sua produção. Seu encarte é composto por fotos Polaroid, sortidas em cada cópia do trabalho, com cada uma delas contendo trechos das canções escritos pela própria artista. O produto foi inicialmente comercializado somente nos formatos físico e digital, não tendo sido disponibilizado em serviços de streaming — uma decisão vinda da própria artista e que causou a retirada de sua discografia do Spotify, uma das plataformas do tipo.

Descrito por Swift como seu "primeiro álbum oficialmente pop", 1989 apresenta como gêneros musicais predominantes o pop e o synthpop, sendo um notável afastamento dos trabalhos anteriores da cantora, que eram fortemente influenciados pelo country. Sua produção também difere-se dos projetos anteriores da artista, sendo mais eletrônica e constituída por percussão programada, sintetizadores, acordes pulsantes de baixo, vocais de apoio processados e guitarras. Liricamente, suas canções possuem temas como amor e a complexidade de relacionamentos. 1989 foi recebido de forma geralmente positiva por críticos musicais, que prezaram a mudança musical de Swift e sentiram que sua produção estava bem executada. Consequentemente, foi incluído em diversas listas que compilaram os melhores álbuns de 2014, com as revistas Billboard e Cosmopolitan citando-o como o melhor do ano, e rendeu à intérprete uma série de prêmios, incluindo um Grammy Award para Album of the Year — cuja vitória tornou-a a primeira mulher a conquistar o troféu duas vezes com seus próprios trabalhos.

Um dos lançamentos mais aguardados de 2014, 1989 obteve um desempenho comercial bastante positivo, chegando ao topo das tabelas de diversos países, como Austrália, Canadá, Estados Unidos, Irlanda, Noruega e Reino Unido. Nos Estados Unidos, comercializou 1 milhão e 287 mil unidades em sua semana de estreia, debutando no topo da Billboard 200 e fazendo de Swift a única artista a estrear no cume da tabela supracitada com mais de 1 milhão de cópias vendidas três vezes consecutivas. Como resultado, foi o disco mais vendido em território estadunidense no ano de 2014 durante sua semana de lançamento, e converteu-se no terceiro mais vendido do ano no país com apenas dois meses de disponibilização. Permaneceu no topo do periódico por 11 semanas não consecutivas, igualando-se ao período obtido por Fearless (2008), da própria cantora. Além disso, culminou na parada da Nova Zelândia — onde também foi o terceiro mais vendido em 2014 —, totalizando vendas superiores a 9.5 milhões, das quais 8.6 foram adquiridas apenas em 2014, ano no qual tornou-se o mais distribuído mundialmente.[1][2]

De 1989 surgiram sete singles oficiais, dos quais "Shake It Off", "Blank Space" e "Bad Blood" tornaram-se sucessos internacionais; todos atingiram o topo da Billboard Hot 100, sendo que o primeiro estreou no ápice da tabela e o segundo fez de Swift a primeira mulher a suceder-se no topo da parada. Outras faixas de trabalho foram lançadas: "Style", que conseguiu entrar nos vinte primeiros postos do periódico estadunidense sem nenhuma divulgação; "Wildest Dreams", cujo vídeo musical causou controvérsia devido à ausência de pessoas negras, visto que suas filmagens ocorreram na África, "Out of the Woods", anteriormente divulgada como single promocional dias antes do lançamento do disco e "New Romantics", enviada às rádios estadunidenses em 23 de fevereiro de 2016. Para a divulgação do produto, Swift fechou parcerias com diversas empresas, apresentou-se em programas televisivos e premiações, e fez a turnê The 1989 World Tour em 2015, que tornou-se a mais lucrativa do ano. Uma regravação do disco foi feita pelo estadunidense Ryan Adams; esta, também intitulada 1989, foi lançada em 21 de setembro de 2015, obteve uma recepção crítica e comercial positiva.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Max Martin, que trabalhara previamente em Red, reuniu-se novamente com Swift, tendo participado da composição e/ou produção de mais da metade de 1989.

Em julho de 2013, Swift revelou que as sessões de composição para seu novo álbum já haviam começado e que havia formado uma lista de colaboradores com quem queria trabalhar, uma experiência descrita por si como finalmente ter encontrado "as pessoas com as quais teve bastante conexão no estúdio" e que, embora soubesse com quem queria voltar a trabalhar, desenvolveu "uma longa lista de pessoas que admirava e com quem queria manter contato".[3] As sessões de composição das canções do álbum tiveram duração de seis meses, com a artista afirmando que o disco estava "certamente se transformando", indicando que o seu objetivo era de prosseguir com as mudanças que havia iniciado com Red; todavia, se questionava sobre as técnicas a usar para tal. Segundo Swift, foi preciso que os produtores Max Martin e Shellback a pressionassem para mudar as direções de suas ideias durante o processo de elaboração do material.[4][5] No mesmo mês, a artista informou já ter bastante material pronto, comentando: "Estou feliz porque já evoluí para um novo som, e era tudo que eu queria". Segundo ela, a mudança "ocorreu naturalmente", embora tenha levado dois anos para se concluir, explicando que normalmente levava, no mínimo, um ano para encontrar um novo som e escrever novas canções, sendo esse o tempo necessário para que pudesse "se despojar do som do último álbum e recomeçar". "No processo de todas essas mudanças que ocorreram nos últimos dois anos, minha música mudou. Eu acordava todos os dias gravando este disco, mas não queria fazer um estilo musical que nunca ouvi antes", declarou a artista.[6] Em meados de dezembro, Swift revelou haver uma grande possibilidade de voltar a trabalhar com Jack Antonoff, pois tinha ficado fascinada pela sua maneira de "misturar a nostalgia dos anos 1980 em sua música".[7][8]

Scott Borchetta, chefe executivo e presidente da Big Machine Records, revelou à Rolling Stone que Martin havia trabalhado na maior parte do material do disco, induzindo a revista a concluir que este seria o projeto "mais pop" de Swift de sempre.[10] Em setembro, a intérprete afirmou ter ficado encantada por como Borchetta a permitiu trabalhar com Martin na produção do projeto,[11] tendo ela quatro meses mais tarde acrescentado Martin como produtor executivo do álbum por sua constante presença e assistência no processo de criação. O produtor se ofereceu para gravar seus vocais com o intuito de que a obra fosse "um álbum, não uma coleção de músicas que soam como se tivessem sido gravadas em diferentes estúdios por diferentes pessoas".[12]

Capa, encarte e título[editar | editar código-fonte]

Além das imagens do encarte de 1989, o produto é acompanhado por treze fotos Polaroid sortidas que contêm letras das canções em sua parte inferior, como a gravura acima, que apresenta letras de "Clean", última faixa de edição padrão do disco.

A capa do disco é uma foto Polaroid da cantora que mostra a partir dos seus olhos até à parte inferior do torso, com suas iniciais escritas na parte inferior esquerda e o título do álbum na parte inferior direita.[nota 1] Swift, que vestiu uma camisa de mangas largas com gaivotas voando, revelou que após ter fotografado as imagens para o encarte com uma câmera Polaroid por acidente, decidiu usar uma delas para a capa oficial do produto.[15] Além disso, cada CD possui treze fotos que fazem parte de um pacote de 65 sortidas para cada cópia do projeto, das quais onze que estão em preto-e-branco.[16] A decisão de fotografar as imagens em Polaroid impulsionou as vendas da empresa fotográfica Polaroid Corporation.[17] Em entrevista à Time, a intérprete comentou que sua gravadora e seu empresário lhe avisaram que, entre outras coisas, a capa parecia "arriscada" e que precisou lutar constantemente para que mantivesse o controle do processo de criação de 1989.[18] Ela declarou que eles haviam lhe questionado sobre cada proposta que estava fazendo: "Quando eu coloquei diante deles uma capa que não mostrava nem metade do meu rosto, e tentei convencer a minha gravadora de que esta a melhor maneira de se vender um álbum, recebi alguns olhares ameaçadores. Mas eu sabia que era a melhor capa para representar esse disco, porque queria que [ele] tivesse um ar de mistério. Não queria que as pessoas soubessem o DNA emocional desse álbum. Não queria que vissem uma foto sorridente na capa e pensassem que esse era um álbum feliz, ou que vissem uma expressão de tristeza e pensassem: 'Oh, esse é mais um disco sobre ruptura'."[18] Christopher Bonanos, da coluna Vulture, achou "interessante" que "seu álbum mais eletrônico até à data tivesse o tipo de imagem mais analógica — única, difícil de ser copiada — em sua capa", e brincou sobre o fato de o rosto de Swift estar cortado, comentando que "há um precedente (acidental) na arte antiga, a qual pode ser uma reminiscência, apesar de a face [da cantora] estar incompleta", referindo-se ao fragmento do busto de uma rainha egípcia.[19]

O conceito visual do álbum utiliza cores pastel e luzes de cor neônio, e também implementa fotos Polaroid.[20] O encarte de 1989 inicia-se com uma breve introdução na qual Swift se dirige aos seus fãs para explicar que precisou mudar seu estilo musical com o objetivo de se redescobrir-. Depois de agradecer-lhes por "valorizar a mudança", conclui a introdução se descrevendo como "a garota que dizia que nunca cortaria o cabelo, que nunca iria mudar para Nova Iorque e que encontrou a felicidade em um mundo onde ela não está apaixonada".[21][22] Assim como nos álbuns anteriores da intérprete, 1989 contém mensagem secretas nas letras das músicas, que se formam a partir da união de letras minúsculas. Cada mensagem está relacionada com a faixa na qual está localizada. Entretanto, separadamente, as "reflexões vagamente poéticas não oferecem muitos detalhes sobre suas respectivas canções" mas, em conjunto, lidam sobre "um garoto e uma garota que se amavam muito mas que simplesmente não conseguiram fazer [o relacionamento] dar certo".[21][23] A história, que representa uma mudança na forma de como Taylor apresentava as obras e ajuda a limpar sua imagem de "louca por garotos" formada pela mídia, transcorre da seguinte forma: "Começamos nossa história em Nova Iorque. Era uma vez uma menina conhecida por todos e por ninguém. Seu coração pertencia a alguém que não pôde permanecer. Eles se amavam de forma imprudente. Eles pagaram o preço. Ela dançava para esquecê-lo. Ele andava por sua rua todas as noiva. Ela tinha amigos e inimigos. Ele só a via em seus sonhos. Logo, um dia, ele voltou. O passar do tempo é algo engraçado. E todo mundo estava observando. Ela o perdeu, mas encontrou a si mesma e de alguma maneira isso era tudo".[23] Ao anunciar o lançamento do projeto, Swift comentou que o título originou-se de seu nascimento: "Tendo nascido em 13 de dezembro de 1989, este álbum se chama 1989".[24]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2014, Swift começou a dar pistas sobre um grande anúncio que faria através de publicações no Instagram.[25][26] No dia 13, confirmou que realizaria uma videoconferência ao vivo no Yahoo! na tarde do dia 18 seguinte,[27] na qual apresentou-se do topo do Empire State Building para estrear "Shake It Off" e, em seguida, o seu vídeo musical. Logo após, revelou o título do álbum, a sua data de lançamento e a capa.[28][29] Nas semanas antecedentes ao lançamento de 1989, Swift organizou festas para alguns de seus fãs — selecionados a partir de observações feitas pela artista por meses em suas redes socais — que puderam escutar o disco por completo, bem como interagir com a cantora e dar suas opiniões. Os participantes destas "sessões secretas" feitas nas residências da intérprete em Nova Iorque, Los Angeles, Nashville e Londres foram impedidos de levar seus celulares e assinaram um acordo de fidelidade que os proibia de discutir o título do álbum e as letras das canções.[30][31] Em 14 de outubro, "Out of the Woods" foi divulgado um como single promocional,[32][31] e a intérprete declarou que divulgaria pequenos versos de cada canção através de publicações no Instragram.[33] Foi neste período que uma lista de faixas não-oficial contendo dezasseis canções com seus respectivos compositores começou a circular no Twitter,[34] o que levou a artista a desacreditar tal lista no Tumblr, embora fosse igual à lista oficial.[35] Não obstante, uma semana depois, uma loja alemã exibiu o disco em suas prateleiras e publicou uma foto que confirmava o título das treze canções da edição padrão; como resultado, alguns fãs tiraram fotografias do álbum na loja e as divulgaram.[36] Embora tenham sido elaboradas diversas táticas para evitar a divulgação ilegal do disco,[37] 1989 foi inteiramente publicado na Internet três dias antes de sua distribuição oficial.[38] No dia do seu lançamento, Swift participou dos programas Good Morning America e The Ellen DeGeneres Show[39] e ainda apareceu em um edifício no SoHo cantando canções do álbum como a sua última sessão secreta, transmitida ao vivo pelo Yahoo! Music e iHeartRadio.[40][41] Na sua semana de estreia, 1989 foi vendido pela Microsoft por USD 0,99 através do serviço Music Deals.[42]

Proibição em serviços de streaming[editar | editar código-fonte]

"A música está mudando rapidamente e o cenário da indústria musical também. Tudo é muito novo, como o Spotify, e eu acho que ele é um grande experimento. Não estou disposta a compartilhar minha vida de trabalho em um experimento que não recompensa justamente compositores, produtores, artistas e criadores dessa música. Não pareceu certo para mim. Me senti como se dissesse aos meus fãs: se você criar uma música ou uma pintura, qualquer um pode entrar em um museu, tirar esta pintura da parede, arrancar um pedaço e sem pagar por isso."

— Swift sobre a retirada de sua discografia do Spotify.[43]

A Big Machine proibiu a comercialização de 1989 em plataformas de streaming como estratégia para impulsionar suas vendas, uma decisão que surgiu da própria cantora. O Spotify expressou sua insatisfação com esta decisão e mesmo assim listou as canções no site, afirmando: "A artista ou seus representantes decidiram não lançar esse álbum no Spotify. Estamos trabalhando nisso e esperamos que eles mudem de decisão em breve".[44] Meses antes, Borchetta mostrou-se contra esses serviços ao dizer que eles "desvalorizavam a música". Swift, por sua vez, disse que esperava que os artistas percebessem "o esforço que colocaram em seu material e que pedissem para colocar [sua música nas plataformas de streaming], em vez de 'dar a sua música'".[45] Em 3 de novembro, Borchetta decidiu retirar toda a discografia da artista no Spotify, após uma reunião que teve com a empresa. Como resultado, o serviço criou diversas listas de reprodução com o intuito de lidar com a perda, e seus representantes comentaram que "estavam fazendo o máximo possível para trazer Swift de volta".[46][47] Em entrevista para a Sixx Sense, Borchetta declarou que o catálogo musical de Swift estaria disponível em serviços pagos de streaming como Beats Music e Rhaspody e explicou que a gravadora tomou esta decisão em respeito às pessoas que compram o álbum: "Nunca quisemos envergonhar um fã. Se esse fã comprar o álbum no iTunes, onde seja, logo seus amigos dirão: 'Porque você paga por isso? No Spotify é de graça'. Estamos sendo completamente desrespeitosos para um super fã que queira investir".[48][49]

Após o anúncio do lançamento da plataforma Apple Music, e com a revelação de que os artistas não seriam pagos pelos streamings dos meses de teste gratuitos, representantes de Swift confirmaram à Billboard que 1989 não seria colocado no serviço, embora o catálogo antigo da artista estivesse disponível.[50] Ela recorreu ao Tumblr para postar uma carta aberta à Apple, declarando que não se preocupava em não ganhar dinheiro, uma vez que já estava em seu quinto trabalho e seria capaz de pagar toda sua equipe com dinheiro arrecadado em turnês; segundo ela, "isso é pelos artista ou banda novos que estão seu primeiro single e não receberão pelo seu sucesso". "Nós não pedimos iPhones de graça a vocês. Por favor, não nos peçam para abastecermos vocês com nossa música sem nenhuma compensação", completou.[51] Em sequência, o vice-presidente de Software de Internet e Serviços da Apple, Eddy Cue, anunciou no Twitter que a Appe Music passaria a pagar os responsáveis pela obra pelos streamings. Depois disso, Taylor confirmou que 1989 estaria disponível na plataforma.[52] Tim Bajarin, da revista Time, achou que "o que Swift fez foi criar um cenário em que ambas partes ganham", trazendo uma divulgação grande para o serviço.[53]

Regravação de Ryan Adams[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: 1989 (álbum de Ryan Adams)

O cantor estadunidense Ryan Adams anunciou em agosto de 2015 que regravaria e relançaria 1989 por completo, ao que Swift respondeu com bastante animação.[54] O trabalho foi lançado em 21 de setembro de 2015 e apresenta as canções em estilos como rock alternativo e indie rock. A versão de Adams foi bem-recebida pela crítica; Daigo Oliva, da Folha de S.Paulo, por exemplo, afirmou que o artista "converteu Taylor Swift em gênio ao regravar o disco 1989".[55] Além disso, conseguiu alcançar a sétima posição na Billboard 200; na semana em que atingiu a colocação, a versão original do disco estava em oitavo lugar.[56]

Composição[editar | editar código-fonte]

Temas e influências na composição[editar | editar código-fonte]

Parecia que eu estava explorando um novo gênero musical somente porque eu não queria irritar ninguém [mantendo sempre o mesmo estilo]... Uma das minhas metas era fazer um trabalho coeso musicalmente. Então, se eu colocasse um violino em "Shake It Off" e a enviasse para as rádios country, eu estaria estragando a ideia que tive para este disco: fazer ele ter seu próprio som.

—Swift explicando o porquê de não incluir faixas country em 1989 para a CBS News.[57]

Swift referiu-se a 1989 como "seu primeiro trabalho oficialmente pop", afirmando ainda que o pop do final da década de 1980 a inspirou enquanto o gravava.[28] Em entrevista para a Kiss FM, a artista declarou que sua inspiração para o título surgiu a partir da cena musical que desenvolveu-se naquele período, a qual ela redescobriu, e que se sentia "criativamente segura" sobre o trabalho. Ela explicou: "Tenho alguns artistas do final dos anos 1980 que, na minha opinião, tomaram as decisões mais incríveis, audaciosas e arriscadas até agora em fazer música pop. Eles realmente estavam muito à frente de seu tempo, como Annie Lennox e o que Madonna estava fazendo no final da década. 'Like a Prayer' é, certamente, uma das melhores canções pop de todos os tempos".[58] Em comparação aos seus trabalhos anteriores, o produto é nitidamente diferente, não incorporando gêneros como o country pop e apresentando uma produção musical mais eletrônica, percussão programada e sintetizadores respaldados por acordes pulsantes de baixo e vocais de apoio processados. Além disso, incorpora ainda guitarras que provêm "textura" a algumas faixas.[59] No ambiente musical, predomina o electropop influenciado por diversos gêneros como o new wave, o R&B contemporâneo, o bubblegum e o synthpop.[60][61][62] A intérprete declarou que não se sentia preocupada em "ferir os sentimentos" dos admiradores de seu trabalho country anterior e que não acreditava que houvesse pessoas surpreendidas pela mudança, afirmando: "Creio que o fato de 'I Knew You Were Trouble' ter passado sete semanas no número um nas tabelas pop já tenha sido uma boa advertência".[57]

Embora a composição seja menos "micro detalhada" e pessoal do que os discos anteriores, os jornalistas Jem Aswad e Jon Caramanica — da Billboard e do The New York Times, respectivamente — afirmaram que "Swift continua a mesma, inconfundivelmente" e que 1989 é cheio de melodias "polissilábicas" e letras "brincalhonas e provocadoras" com influências contemporâneas.[63][59] Outros analistas da imprensa especializada também notaram uma "maturidade" no conteúdo lírico, mesmo que sem uso de linguagem explícita, como exemplificado por canções como "Blank Space" e "You Are in Love"; em entrevista à Rolling Stone, a cantora afirmou que toma cuidado em relação ao conteúdo de suas composições pois "sempre haverá uma criança de oito anos na primeira fila" de seus shows.[64][65] De acordo com Aswad, Martin e os demais colaboradores contribuíram para que as obras se tornassem "mais experimentais e sutis, em contraponto às borbulhantes e malcriadas do passado".[59] No prólogo do folheto que acompanha o produto, a artista afirma que 1989 aborda diferentes histórias: mudar-se para Nova Iorque, novas experiências românticas e se dar conta que "nada de bom vem sem perda, sofrimento e esforço constante"; ela também disse que o material trata sobre seguir impulsos e "viver a vida em seus próprios termos". Além disso, algumas faixas apresentam uma temática amorosa.[66][59] Ela definiu a inspiração pelo processo de "autodescoberta" experimentado por ela durante os dois anos anteriores ao lançamento de 1989.[67] No que se refere a artistas, Adrian Thrills, do Daily Mail, notou influências de Gwen Stefani e Lana Del Rey em "Shake It Off" e "Wildest Dreams", respectivamente,[68] enquanto Mikael Wood, do Los Angeles Times, viu "Roar", de Katy Perry, e Del Rey como inspirações para "Bad Blood" e "Wildest Dreams", além de Demi Lovato e Kelly Clarkson em "All You Had to Do Was Stay".[69]

Conteúdo e estrutura musical[editar | editar código-fonte]

O álbum abre com "Welcome to New York", uma canção synthpop "cativante" que apresenta palmas sintéticas e um coro preparado para ser cantado por multidões.[70][71] A cantora revelou que queria começar o disco com esta faixa porque "Nova Iorque tem sido uma paisagem e um local importante para a história da minha vida nos últimos anos. Eu me concentrei em mudar para lá com otimismo e de olhos abertos, e vi que era um lugar potencial com possibilidades infinitas. Você pode ouvir isso sendo refletido no álbum, mais especialmente nesta primeira música".[72][73] Liricamente, presta tributo à cidade e contém uma mensagem de apoio à comunidade LGBT.[70][74][75] "Blank Space", a canção seguinte, é uma faixa electropop que recebeu comparações ao repertório da neozelandesa Lorde.[76][77] Swift elaborou a faixa como uma piada, refletindo a sua reputação construída pela mídia, que a retratava como "devoradora de homens que namorava para compor canções", para criar uma personagem "incrivelmente complexa e interessante".[78][70][77] Sua estrutura musical implementa o hip hop através de uma caixa de ritmos, bem como o som de uma esferográfica.[76][70][79] Então segue-se "Style", uma obra pop rock com elementos do electropop reminiscente à atmosfera retrô-moderna de Electric Youth e Blood Orange.[80][69][81][82] Enquanto compunha, Swift pensou em "como existem tendências que nunca ficam ultrapassadas, existem sentimentos que nunca passam".[83] Seus arranjos incluem um riff de guitarra reminiscente aos tocados por Nile Rodgers, além de um pedal wah-wah,[80][70] com seu conteúdo lírico abordando uma relação instável e pouco saudável de uma garota que usa o "clássico" batom vermelho e uma saia "apertada" com um rapaz que tem o "olhar sonhador de James Dean";[70][84] A quarta música, "Out of the Woods", foi composta pela artista em conjunto com Jack Antonoff, que afirmou que ela tem uma produção inspirada pela década de 1980 e uma melodia "apreensiva".[85] O tema surgiu quando Antonoff enviou à artista uma versão sem vocais nem letra e 30 minutos depois, Swift retornou com as linhas já compostas.[86] Uma guitarra Yamaha DX7 foi usada para as partes inspiradas pela década, enquanto no refrão ela é combinada com o sintetizador Minimoog Voyager.[86]

"Blank Space" retrata Swift como a "devoradora de homens" que ela é considerada pela mídia, e recebeu comparações às faixas de Lorde.

Foi especulado que o tema central de "Wildest Dreams" seria a relação sexual devido ao seu conteúdo lírico.

A letra de "Clean" foi interpretada como uma rejeição da artista aos relacionamentos em favor da auto-iluminação.

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

"All You Had to Do Was Stay", quinta música, foi inspirada por um romance dos sonhos de Swift: "Eu estava tentando falar com alguém importante (...) e isso é tudo que sairia da minha boca", afirmou a intérprete.[87] A canção seguinte, "Shake It Off", apresenta um ritmo acelerado e contém instrumentação composta por teclado, percussão, baixo, violão, saxofone, trompete e trombone.[88][22] Apresenta um som contrastante em comparação aos trabalhos anteriores da cantora e uma linha central de saxofone.[88] Em termos líricos, é dedicada aos detratores de Swift, que explicou: "Eu aprendi uma lição muito difícil na qual as pessoas botem dizer os que elas quiseram sobre nós a qualquer hora, e nós não podemos controlar isso. A única coisa que podemos controlar é a nossa reação à isso".[89] Jason Lipshutz, da Billboard, comparou a melodia da faixa com a de "Thrift Shop", de Macklemore & Ryan Lewis.[90] "I Wish You Would" é outra faixa escrita pela cantora em conjunto com Antonoff. Composta da mesma forma que "Out of the Woods", descreve um garoto que "vai à casa de sua ex-namorada pensando que ela o odeia, mas na verdade ainda o ama".[91] Foi especulado que "Bad Blood" seria inspirada por uma briga entre Swift e Katy Perry, ao que Swift afirmou: "Por anos eu nunca tive certeza se éramos amigas ou não. [...] Aí, ano passado, ela fez algo terrível. E eu pensei 'oh, somos inimigas'. E nem foi sobre um garoto. Tem a ver com negócios. Ela basicamente tentou boicotar uma turnê".[92][93]

A nona faixa, "Wildest Dreams", teria como tema principal o sexo, devido a linhas como "As mãos dele no meu cabelo / As roupas dele estão no meu quarto".[nota 2][94] A obra também apresenta uma gravação dos batimentos cardíacos de Swift como a sua batida.[95] Segue-se "How You Get the Girl", descrita pela artista como um "manual de instruções para os homens". Em entrevista para a Us Weekly, comentou que a composição "foi escrita para um rapaz que terminou com sua namorada, e quer ela de volta após seis meses".[87] De acordo com a intérprete, a décima primeira canção "This Love" originou-se de um poema escrito pela própria em 2013 que envolvia a música.[96] A penúltima faixa "I Know Places" contém raposas representando Swift e seu amante sendo perseguidos por "caçadores", que caracterizam a mídia.[97] A cantora disse que seu animal espiritual é uma raposa pela mesma razão.[97] Última música da edição padrão, "Clean" descreve a artista livrando-se de um vício metafórico; este número foi interpretado como uma rejeição da artista aos relacionamentos, em favor da auto-iluminação.[98] A faixa bônus "Wonderland" faz frequentes alusões ao livro Alice no País das Maravilhas,[70] ao passo em que "You Are in Love" descreve uma relação feliz e surreal. "New Romantics", cujo título referencia o movimento New Romanticism,[99][70] é tematicamente similar a "Shake It Off", uma vez que também trata das críticas em relação a Swift e seus fãs.[100]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Pontuações agregadas
Fonte Avaliação
Metacritic (76/100)[101]
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 3 de 5 estrelas.[61]
Billboard 4 de 5 estrelas.[59]
Entertainment Weekly (B)[102]
Los Angeles Times 2 de 4 estrelas.[69]
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.[103]
The Guardian 4 de 5 estrelas.[104]
The Independent 3 de 5 estrelas.[81]

1989 foi bem recebido por críticos musicais, que elogiaram a mudança musical de Swift e sua produção, a qual sentiram estar bem executada.[105][106][101] O portal Metacritic, com base em 29 análises recolhidas, concedeu ao disco uma média de 76 pontos, em uma escala que vai até cem, indicando "análises geralmente positivas".[101] Escrevendo para a Billboard, Jem Aswad atribuiu quatro estrelas de cinco possíveis e o considerou como "o melhor de Swift". Aswad analisou que a mudança do público-alvo de um artista pode ser um "movimento arriscado", mas que "Swift evitou esse destino inteiramente com esse álbum, tornando sua rara habilidade de compor para múltiplos públicos e idades ainda mais universais".[59] Stephen Thomas Erlewine, do banco de dados musicais Allmusic, deu três de cinco estrelas para a obra e acusou a artista de ser indiferente ao celebrar temas pop temporais no que sentiu ser uma tentativa de gravar "uma trilha sonora espumante para um estilo de vida ambicioso".[61] James Reed, periodista do The Boston Globe, disse que o disco era o "mais inescrutável" da cantora. Ele considerou sua composição "genérica" e declarou que o trabalho tinha "poucos momentos que fazem você entrar na narrativa", finalizando: "É uma cruel ironia que, na busca de Swift em não soar como anteriormente, ela tampouco soe como si mesma".[60]

Alexis Petridis, do The Guardian, deu quatro estrelas de cinco totais para o produto e o descreveu como um conjunto de "melodias inegáveis, refrães grandes e perfeitamente elaborados e ganchos persistentes", concluindo: "De qualquer jeito, as razões pelas quais ela obteve o tipo de respeito negado até então estão abundantemente óbvias em 1989".[104] Kitty Empire, do The Observer, avaliou-o com a mesma pontuação e considerou-o uma "confecção atrevida e fofoqueira que brinca com as forças de Swift — forças que definem bastante o pop moderno, com sua obsessão com a vida privada[107] de celebridades e seu foco na emoção intensificada", porém notou a falta de "um single inequivocamente bom como 'I Knew You Were Trouble'".[108] Jon Caramanica, do The New York Times, publicou uma crítica positiva e notou a diferença de 1989 em relação ao resto do pop comum que imita a música urbana; de acordo com ele, a ausência de produtores e artistas do gênero fez a obra soar como "quando o pop era menos abertamente híbrido".[63] Dando ao disco uma nota B de uma escala que vai de A até F, Adam Markovitz, da Entertainment Weekly, nomeou Swift como a compositora mais vívida de sua geração e escreveu que ela se esforça muito para entrar em um gênero fora de sua zona de conforto ao "reduzir gradualmente suas palavras de coisas de amor genéricas por cima de sintetizadores fluídos".[102] Em uma análise do álbum para a Spin, Andrew Unterberger opinou que este era o "menos pessoal de Swift até a data", argumentando que sua nostalgia não o tornava "caricato" e, em vez disso, dava um sentimento "distintamente dos anos 1980" devido à "densidade da produção, as baterias apressadas e vários ganchos líricos".[64]

Rob Sheffield, da Rolling Stone, concedeu quatro de cinco estrelas e avaliou que Swift mostra seu amor pelo synthpop dos anos 1980, considerando a parte final como a melhor. Ele descreveu-o como "profundamente estranho, febrilmente emocional e selvagemente entusiasmado" e concluiu que, embora não seja como nada lançado pela artista anteriormente, ainda soa como algo vindo dela.[103] Braulio Lorentz, do portal brasileiro G1, notou que "[Swift] canta sobre o amor nos tempos do Tinder com desenvoltura [e] não arma duetos com gente do rap ou R&B", citando esses fatores como prova de que "aos 24 anos, parece estar mais pronta do que outras divas menos novinhas". Lorentz elogiou as letras, dizendo que têm "historinhas bem contadas", e concluiu que "1989 desce bem já na primeira audição".[109] Mikael Wood, do periódico Los Angeles Times, deu duas de quatro estrelas e destacou que o produto é formado por "pop profundamente cativante e elegantemente produzido com a qualidade ligeiramente seca de uma biografia autorizada".[69] Wood disse que Swift não experimentou totalmente os estilos da década de 1980 por ter nascido no último ano deste período, mas que "sua credibilidade nestas músicas é o pequeno triunfo de 1989".[69] Jornalista do The Independent, Andy Gill concedeu três estrelas de um total de cinco, escrevendo que o álbum apresenta "contrates marcados, alterações repentinas e imaginas discordantes" e que suas composições tentam "encapsular a dramática mudança emocional em poucas linhas chamativas".[81] Escrevendo para o Toronto Sun, Darryl Sterdan avaliou 1989 negativamente e resenhou que "em muitos aspectos, também é o seu [álbum] menos atrativo, ao sublimar suas forças características em uma tentativas de recriar uma era para a qual não está interessada em voltar".[110]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Ao final de 2014, 1989 foi incluído em diversas listas que compilavam os melhores lançamentos do ano. A Billboard elegeu-o o melhor do ano, citando que poucos artistas conseguem fazer uma mudança de estilo profunda e conseguir êxito como Swift, adicionando que ela "conseguiu conquistar o mundo pop sem esforços e excesso de carisma".[111] Editores da Rolling Stone avaliaram-no como o décimo melhor de 2014, em uma lista com cinquenta, completando: "Ela [Swift] soa como se estivesse em casa sobre essas batidas de Max Martin".[112] De acordo com Eliza Thompson, da Cosmopolitan, o produto "foi, sem dúvida, o maior álbum de 2014". Thompson citou as vendas como exemplo da "grandeza" do trabalho, mas completou que "deixando os números de lado, o projeto é muito bom".[113] Em uma compilação não numerada para a Vogue, Alex Frank descreveu-o como "um passo muito agradável em direção a familiares sons de pop".[114] O portal American Songwriter listou-o na quarta colocação entre os cinquenta melhores, argumentando que "com seu mais recente trabalho, 1989, Swift não só fez o disco pop mais vendido de 2014, também fez um projeto com um som melhor [em relação aos seus anteriores]".[115] A Time, além de citá-lo como o quarto melhor, considerou 1989 o "melhor álbum de pop mainstream do ano".[116]

A obra ingressou entre as vinte melhores das publicações The Age e do The A.V. Club; a primeira não especificou a colocação, comentando que o produto "evita os obstáculos do pop atual depois de deixar o country", e a segunda colocou-o no décimo quinto lugar, ao obter 32 pontos. Além disso, um editor desta escreveu que "no fim das contas, o álbum é uma lembrança de que a música pop — as brilhantes canções para a rádio — também podem ter sustância".[117][118] Colocando-o no posto 31 da sua compilação, Meaghan Garvey, da Pitchfork Media, citou-o como "generoso" e "muito perfeito", embora tenha dito que não é totalmente uma mudança musical, uma vez que "apresenta os momentos mais brilhantes de Red".[119] Para a Complex, 1989 foi o oitavo melhor projeto de 2014. A revista declarou: "Esta é Swift, a que corre riscos, a garota de mudança que levou consigo uma mala de viagem, uma vontade de experimentar e um pouco de confiança para fazer isso à sua maneira".[120] Jon Caramanica, colunista musical do The New York Times, decidiu que era o sétimo melhor de 2014 por ser "grande", "brilhante", "astuto", "amargo" e "extremamente otimista sobre a vida em Nova Iorque".[121]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Em 2015, o álbum venceu a categoria Album of the Year (Western) nos Japan Gold Disc Awards e foi indicado International Pop/Rock Album nos ECHO Awards e International Album of the Year nos Juno Awards.[122][123][124] Além disso, Swift foi indicada a um total de catorze Billboard Music Awards, tendo 1989 obtido a estatueta de Top Billboard 200 Album,[125] e a mais seis categorias nos American Music Awards, tendo 1989 vencido Favorite Pop/Rock Album e a intérprete Favorite Adult Contemporary Artist.[126] Nos Grammy Awards de 2016, o álbum venceu em duas categorias: Best Pop Vocal Album, rendendo-lhe o título de primeira artista a conquistar Grammys em diferentes gêneros musicais, uma vez que já havia ganho Best Country Album; e Album of the Year, fazendo de Swift a primeira artista feminina a obter o galardão por duas vezes com seus próprios trabalhos, tendo vencido seis anos antes com Fearless (2008). A vitória nesta última categoria tornou-se controversa, pois To Pimp a Butterfly (2015), disco aclamado de Kendrick Lamar que era tido como o favorito, não venceu. Algumas publicações adjetivaram a premiação de racista.[127][128][129] Ainda em 2016, 1989 venceu Album of the Year nos iHeart Radio Music Awards e foi indicado novamente para Top Billboard 200 Album.[130][131]

Singles[editar | editar código-fonte]

Foram lançados sete singles de 1989. Em termos comerciais, o primeiro, intitulado "Shake It Off", que além de ter sido indicado nas categorias de Record of the Year, Song of the Year e Best Pop Solo Performance nos Grammy Awards de 2015,[132] conseguiu culminar nas tabelas musicais de oito países, inclusive os Estados Unidos, onde converteu-se no 22º tema a estrear no ápice da Billboard Hot 100 e obteve a quinta melhor semana de vendas digitais de todos os tempos, com 544 mil unidades digitais vendidas.[133][134] "Blank Space" foi enviada para estações de rádio estadunidenses rhythmic e adult contemporary em 10 de novembro de 2014.[135] Nos Grammy Awards de 2016, recebeu as mesmas indicações obtidas por "Shake It Off".[136] Comercialmente, conseguiu repetir o sucesso da faixa de trabalho anterior, fazendo de Swift a primeira artista feminina a suceder-se no ápice da Billboard Hot 100, onde permaneceu por sete semanas seguidas.[137] Seu vídeo musical foi dirigido por Joseph Kahn e ganhou os prêmios de Best Female Video e Best Pop Video nos MTV Video Music Awards em 2015.[138]

Enviado para rádios adult contemporary em 9 de fevereiro de 2015 como o terceiro single,[139] "Style" teve um desempenho comercial favorável, conseguido se posicionar dentro das quarenta melhores posições em quinze países.[140] Com isso, recebeu certificações nos territórios britânico, estadunidense, australiano e neozelandês.[141] O seu vídeo musical foi considerado pela imprensa mundial como sensual e o mais cinematográfico da carreira da artista.[142] O quarto single, "Bad Blood", com participação do rapper Kendrick Lamar,[143] alcançou o topo das tabelas musicais na Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos,[144] sendo certificada com disco de platina nos três territórios,[145] e recebeu uma indicação para Best Pop Duo/Group Performance nos Grammy Awards de 2016.[146][136] O seu vídeo musical conquistou dois troféus nos MTV Video Music Awards de 2015, incluindo Video of the Year,[138] além do de Best Music Video na edição supracitada dos Grammy Awards.[128]

Swift anunciou através de seu Twitter que "Wildest Dreams" serviria como o quinto single de 1989.[147] O tema alcançou um sucesso moderado em tabelas musicais, alcançando as cinco melhores colocações na Austrália, Canadá e Estados Unidos.[148] Uma polêmica relacionada com o seu vídeo musical surgiu quando analistas notaram a ausência de pessoas de cor negra, apesar deste ter sido gravado na África. Outra acusação da imprensa foi a falta da representação do colonialismo africano.[149] Originalmente, "Out of the Woods" fora lançada de forma promocional dias antes do lançamento de 1989,[150] tendo conseguido registrar entrada no 18º posto da Billboard Hot 100, fazendo de Swift a segunda cantora com o maior número de entradas na tabela. Além disso, estreou no cume da Digital Songs, deixando "Shake It Off" na segunda colocação e convertendo a intérprete na única a ter duas faixas nas duas primeiras posições do gráfico por mais de uma vez.[151][152] O seu lançamento oficial como single ocorreu em 12 de janeiro de 2016.[153] Embora tenha sido inicialmente negado por Swift que "New Romantics" seria lançada como single,[154] a faixa foi enviada para estações mainstream em 23 de fevereiro de 2016, como o sétimo e último single de 1989.[155] O tema alcançou o seu pico na 46ª posição da Billboard Hot 100, e chegou às quarenta melhores posições na Austrália.[156] "Out of the Woods" foi eleita a segunda melhor canção de 2014 por Rob Sheffield, da Rolling Stone.[157]

"Welcome to New York" foi divulgada como um como single promocional em 20 de outubro de 2014.[158][159] Em termos comerciais, conseguiu entrar nas tabelas musicais de territórios como Austrália, Canadá, Estados Unidos, Nova Zelândia e Reino Unido.[160]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

Promoções e parcerias com empresas[editar | editar código-fonte]

Swift se juntou com diversas empresas para a divulgação de 1989, realizando comerciais com prévias de algumas faixas do disco ou promoções para conhecê-la. Em agosto de 2014, ela anunciou planos para um concurso chamado 1989 SwiftStakes, cujo título é um jogo de palavras com "sweepstakes" ("sorteio") e o sobrenome da artista.[28] Os participantes do concurso deveriam viver nos Estados Unidos e ter mais de 13 de anos idade, e tinham que registrar um código único, incluído na embalagem do disco, entre os dias 27 de outubro de 2 de novembro de 2014 na página da cantora. Um dos vencedores poderiam ter um encontro particular com Swift, enquanto os outros receberiam outros prêmios — incluindo entradas para concertos, passes para Meet and Greet, fotos autografadas por Taylor e produtos oficiais.[161][162] Em outubro de 2014, a intérprete fechou uma parceira com a cadeia de restaurantes Subway e a marca de refrigerantes Coca-Cola para um concurso no qual 31 de seus fãs poderiam ter a oportunidade de conhecê-la em um dos shows da The 1989 World Tour.[163] Os participantes deveriam comprar uma edição limitada de Diet Coke para adquirir um código especial e cadastrá-lo na página da franquia ou em seu respectivo aplicativo. Um fã foi sorteado a cada dia daquele mês.[163] Tony Pace, diretor de marketing da Subway, explicou que usou as mídias sociais para impulsionar a campanha e aproveitar ao máximo os benefícios de trabalhar com Swift. Ele disse: "Taylor alcança um setor muito grande da geração do milênio que está muita comprometido com sua música, e porque ela tem sido muito inteligente sobre sua presença nas mídias sociais. Muitas pessoas desse grupo demográfico realmente se identificam com ela".[163] No mesmo mês, a Diet Coke lançou um anúncio protagonizado por Swift, no qual "How You Get the Girl" serviu como música-tema. O comercial apresentou-a com um gato e tomando o refrigerante; a cada gole tomado pela artista, mais gatos se materializavam, até a artista estar rodeada pelos felinos.[164] A intérprete concedeu uma prévia de "Style" para um comercial da Target, com o intuito de divulgar a edição do CD comercializada exclusivamente pela loja supracitada. O comercial consistiu em fotografias Polaroid da cantora passando e se divertindo e Nova Iorque, as quais eram mostradas quadro a quadro.[165] Em 13 de dezembro de 2014, dia do aniversário de 25 anos de Swift, o museu do Grammy iniciou uma exposição dedicada à Taylor, chamada The Taylor Swift Experience. A exposição apresentou fotos pessoas e vídeos caseiros inéditos da artista, bem como cartas escritas pela própria, roupas icônicas e outros materiais relacionados a Swift, e contou com atividades interativas.[166]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Swift apresentando "New Romantics" durante a The 1989 World Tour (2015).

"Shake It Off" foi apresentada ao vivo pela primeira vez durante os MTV Video Music Awards de 2014, feita em 24 de agosto daquele ano. Vestida com uma roupa brilhante de cor prata composta por duas peças — um top e uma saia acima do umbigo —, Swift foi acompanhada por uma equipe de bailarinos vestidos com smoking preto e vocalistas de apoio que usaram roupas da mesma cor ao longo da performance.[167][168] Em 4 de setembro seguinte, a artista interpretou a mesma canção durante os German Radio Awards com o mesmo figurino utilizado nos MTV VIdeo Music Awards.[169] Quinze dias depois, ela apresentou-se nos iHeartRadio Music Festival; na ocasião, o repertório foi constituído por "We Are Never Ever Getting Back Together", "22", "I Knew You Were Trouble", uma versão arena rock de "Love Story" e "Shake It Off". Swift usou um vestido rosa formado por duas peças e com joias incrustadas.[170][171] Em outubro, a intérprete apresentou-se por diversas vezes para promover o lançamento do CD. Ela cantou no programa francês Le Grand Journal no dia 6 daquele mês usando um vestido azul e acompanhada por quatro vocalistas de apoio; três dias depois, esteve no programa radiofônico Live Lounge, da BBC Radio 1, no qual cantou uma versão acústica de "Riptide", de Vance Joy. Após esta apresentação, Swift atingiu o topo da tabela Twitter Top Tracks.[172][173] No dia seguinte, apresentou-se em outro programa francês, C à Vous, usando um vestido vermelho e novamente acompanhada por quatro vocalistas de apoio.[174] No dia 12, Taylor cantou "Shake It Off" na edição britânica do The X Factor. Segundo Bianca Gracie, do Idolator, "elementos do cenário como o design inspirado nos 20 foram preparados para esconder a voz fraca da artista".[175] Oito dias depois, a cantora apresentou a mesma canção na versão australiana da competição, usando outra roupa de duas peças; esta, por sua vez, era de cor verde.[176][177]

Em 23 do mesmo mês, Swift visitou o Jimmy Kimmel Live!, concedendo uma entrevista e interpretando "Shake It Off" e "Out of the Woods" para um público de 15 mil pessoas; esta última foi apresentada ao vivo pela primeira vez no programa. A artista usou um top semelhante a um sutiã esportivo, e uma calça acima do umbigo.[178] No dia seguinte, ela apresentou-se no Hollywood Bowl como parte do evento beneficente anual promovido pela CBS Radio We Can Survive; o repertório foi constituído por "We Are Never Ever Getting Back Together", "Out of the Woods", "I Knew You Were Trobule" e "Shake It Off".[179] No dia de lançamento de 1989, Taylor cantou a segunda música citada no The Ellen DeGeneres Show, sendo posteriormente entrevistada pela apresentadora Ellen DeGeneres.[180] No mesmo dia, apresentou "Welcome to New York", "Out of the Woods", "Style", "Blank Space" e "Shake It Off" para 89 fãs durante a última sessão secreta, que foi transmitida pelo Yahoo! e pela iHeartRadio. A cantora realizou o evento vestida de branco no topo de um edifício do bairro nova-iorquino SoHo, do qual pôde ver o Empire State Building sendo iluminado, ao passo em que as canções eram cantadas. Ao apresentar a primeira obra, a artista expressou sua emoção, ansiedade e falta de calma devido ao lançamento do CD, e explicou para o público do que se tratavam as sessões secretas. Antes de terminar a sessão, ela agradeceu seus fãs por serem "os fatores mais assombrosos de toda a sua vida".[40][41][181] Além disso, depoimentos dela e de Jack Antonoff sobre cada canção do disco foram transmitidos ao longo do dia na programação da MTV estadunidense.[182] No dia seguinte, Swift concedeu uma entrevista no Late Show with David Letterman, no qual também interpretou "Welcome to New York" com um vestido verde brilhante.[183] Em 30 seguinte, a cantora encerrou a divulgação do lançamento do álbum com uma performance feita na Times Square, a qual foi transmitida pelo Good Morning America. Nesta ocasião, cantou as três faixas lançadas antes da distribuição de 1989: "Shake It Off", "Out of the Woods" e "Welcome to New York".[184]

Swift apresentou-se nos American Music Awards de 2014, feito em 23 de novembro daquele ano, onde cantou "Blank Space" usando um vestido dourado que levou a uma minissaia em estilo melindrosa; a performance consistiu em uma re-produção do vídeo musical do single, com a cantora fingindo uma "pronunciada loucura".[185][186][187] Dois dias depois, apresentou a mesma faixa no reality show The Voice com um vestido preto,[188] vindo a interpretá-la novamente no programa Songs, transmitido pela NHK.[189] Posteriormente, a cantora esteve na 54º Parada de Dia de Ação de Graças promovida pela loja Macy's, vestida com uma camisa preta com detalhes metálicos e com uma saia da mesma cor; na ocasião, cantou "Welcome to New York" e "Shake It Off".[190][191] Em 2 de dezembro, Taylor abriu e encerrou o desfile de moda anual da Victoria's Secret com "Blank Space" e "Style", respectivamente. Vestida com uma lingerie branca coberta por seda rosa para a primeira música e com uma lingerie preta para a segunda música, a artista passou pela passarela enquanto interagiu com as modelos.[192] Assim como a Parada de Dia de Ação de Graças,[190] o desfile foi transmitido pela CBS.[193] Três dias depois, esteve no Staples Center para a primeira de duas suas apresentações do Jingle Ball 2014, a qual foi patrocinada pela KIIS-FM; o repertório foi constituído pelas mesmas obras cantadas no iHeartRadio Music Festival, com "Blank Space" substituindo "22". Swift se apresentou com uma roupa preta brilhante composta por duas peças. Embora ela estivesse com laringite, os sintomas da doença foram notados apenas quando a intérprete interagiu com o público.[194] Seu segundo show no Jingle Ball 2014 foi patrocinado pela WHTZ, e feito no Madison Square Garden. Taylor iniciou o concerto com "Welcome to New York", a qual foi seguida pelo repertório usado no We Can Survive; "Out of the Woods" foi substituída por "Blank Space".[195] Desta vez, seu figurino foi composto por uma saia larga de tartan e um sutiã do mesmo tipo.[196] Swift apresentou trechos de "Bad Blood" nos MTV Video Music Awards de 2015 após a performance de "Trini Dem Girls" e "The Night Is Still Young" da rapper trindiana Nicki Minaj, com a qual também cantou a última citada.[197] Swift tocou piano em uma apresentação de "Out of the Woods" feita em 30 de setembro de 2015 no museu do Grammy.[198] Mais tarde, na 58ª edição da premiação, a faixa serviu como o número de abertura. Para esta, ela foi acompanhada por Jack Antonoff, co-compositor da faixa, dando também boas-vindas à todos ali presentes.[199]

A The 1989 World Tour foi anunciada por Swift em novembro de 2014, tendo iniciado em maio do ano seguinte e terminado em dezembro do mesmo ano.[200] O repertório da turnê apresentou todas as faixas da edição padrão do disco, além de "I Knew You Were Trouble", "Enchanted" e "Love Story", esta última em uma versão retrabalhada.[201] Um total de US$ 250.7 milhões foram arrecadados a partir da digressão, fazendo dela a mais bem sucedida da carreira da intérprete e de 2015, bem como a quarta da história para uma artista feminina.[202]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Welcome to New York"   Taylor Swift, Ryan Tedder Swift, Tedder, Noel Zancanella 3:32
2. "Blank Space"   Swift, Max Martin, Shellback Martin, Shellback 3:51
3. "Style"   Swift, Martin, Shellback, Ali Payami Martin, Shellback, Payami 3:51
4. "Out of the Woods"   Swift, Jack Antonoff Swift, Antonoff, Martin[A] 3:55
5. "All You Had to Do Was Stay"   Swift, Martin Martin, Shellback, Mattman & Robin 3:13
6. "Shake It Off"   Swift, Martin, Shellback Martin, Shellback 3:39
7. "I Wish You Would"   Swift, Antonoff Swift, Antonoff, Martin[A], Greg Kurstin[B] 3:27
8. "Bad Blood"   Swift, Martin, Shellback Martin, Shellback 3:31
9. "Wildest Dreams"   Swift, Martin, Shellback Martin, Shellback 3:40
10. "How You Get the Girl"   Swift, Martin, Shellback Martin, Shellback 4:07
11. "This Love"   Swift Swift, Nathan Chapman 4:10
12. "I Know Places"   Swift, Tedder Swift, Tedder, Zancanella 3:15
13. "Clean"   Swift, Imogen Heap Swift, Heap 4:30
Duração total:
48:41
Notas
A - denota produtores vocais
B - denota produtores adicionais

Créditos[editar | editar código-fonte]

Todo o processo de elaboração de 1989 atribui os seguintes créditos:[22]

Gestão
Locais de gravação
Visuais e imagem
Vocais
Produção
Instrumentação

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

O desempenho comercial de 1989 foi alvo de especulação da mídia durante meses a fio, especialmente com a crise na indústria musical que ocorria nos EUA.[205] As previsões de venda para a primeira semana do lançamento do disco foram revisadas diversas vezes, variando entre 750 mil e 1 milhão e 300 mil unidades.[206][205] Em seu primeiro dia de comercialização, vendeu 600 mil cópias;[207] ao final da semana, já havia vendido 1 milhão e 287 mil cópias ao todo, sem contar o lucro obtido pelo Music Deals, no qual foi vendido por US$ 0,99.[nota 3][208] Segundo o USA Today, o CD vendeu duas cópias por segundo na sua semana de lançamento; com isso, todos os títulos detidos por Ghost Stories, da banda Coldplay, o até então disco mais comprado do ano, foram superados: tanto sua primeira semana de vendas, a recordista do ano com 383 mil cópias, como suas vendas totais contabilizadas até aquele momento, 745 mil cópias.[209] 1989 obteve também a melhor semana de vendas desde 2002, quando The Eminem Show, do rapper Eminem, registrou 1 milhão e 322 cópias adquiridas, e tornou-se o décimo-nono disco a estrear com compras acima de um milhão. Por outro lado, Swift converteu-se no primeiro ato a conseguir que três álbuns consecutivos conseguissem números acima de um milhão. O segundo lugar de disco mais vendido de maneira digital é também de Swift, atrás somente de Born This Way (2011), de Lady Gaga, que obteve 662 mil unidades digitais comercializadas.[208] Com isso, o projeto atingiu o topo da Billboard 200 e também o da Digital Albums.[210] O trabalho continuou em primeiro lugar durante suas segunda e terceira semana de disponibilização nos Estados Unidos, acumulando um total de 2 milhões de unidades comercializadas.[211][212] Na atualização seguinte, foi substituído no cume por Four, de One Direction, que registrou 387 mil unidades,[213] mas voltou ao ápice da tabela na semana após essa, completando sua quarta semana não consecutiva no topo. 339 mil cópias foram vendidas naqueles sete dias, 281 mil das quais foram obtidas com as vendas físicas e digitais.[nota 4][214] Tendo ocupado o topo por doze semanas, 1989 finalizou o ano como o terceiro álbum mais bem sucedido nos EUA, 3.34 milhões de cópias em território norte-americano.[215][216] Em 31 daquele mês, a Billboard anunciou que o álbum havia sido o mais vendido de 2014 no país, com 3.66 milhões de unidades.[217] A trilha sonora do filme Frozen (2013) foi a mais vendida do ano em todas as semanas, com exceção da última, em que foi ultrapassada por 1989; tal ocorrência não acontecia em vinte anos, quando The Sign, de Ace of Base, foi ultrapassado pela trilha sonora de The Lion King.[217] Na tal edição, Frozen vendeu 64 mil réplicas, enquanto o álbum de Swift registrou 326 mil e completou sua sétima semana no topo. Com isso, 1989 foi o segundo álbum de Swift a ser o mais vendido do ano desde Fearless (2009), que obteve vendas de 3.22 milhões e, juntamente com a trilha sonora, foi o único disco a vender três milhões de cópias em 2014 em território estadunidense.[217]

Certificações[editar | editar código-fonte]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Formato Gravadora
 Alemanha[295] 27 de outubro de 2014 CD, download digital Universal Music
 Austrália[296]
 Bélgica[297]
 Canadá[298]
Flag of Spain.svg Espanha[299] Republic
 Estados Unidos[300] Big Machine
 França[301] Mercury
 Irlanda[302] Universal Music
 Itália[303] Virgin EMI
 Reino Unido[304]
 Japão[204] 28 de outubro de 2014 CD+DVD Universal Music
 Nova Zelândia[305] CD
 Brasil[306] 11 de novembro de 2014
 Canadá[307] 9 de dezembro de 2014 Vinil
 Estados Unidos[308] Big Machine
 Portugal[309]
 Turquia[310] 10 de dezembro de 2014 CD Universal Music
 Portugal[311]
 China[312] 30 de dezembro de 2014 北京电视艺术中心

Notas de rodapé[editar | editar código-fonte]

Notas
  1. Nas edições internacionais de 1989, ao invés da abreviação "T.S.", usa-se o nome completo da cantora.[13][14]
  2. No original: "His hands are in my hair / his clothes are in my room".
  3. Pela política oficial da Nielsen, não são contabilizadas as vendas por menos de $3,99 durante as quatro primeiras semanas de lançamento de um disco.
  4. Esta foi a primeira edição da Billboard 200 a contar o streaming dos álbuns e de suas canções correspondentes nas vendas.
Gerais
  1. «Taylor Swift named IFPI Global Recording Artist of 2014» (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. 23 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de abril de 2015 
  2. «Global Music Report 2016» (PDF) (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Consultado em 22 de abril de 2016 
  3. Patrick Doyle (15 de julho de 2013). «Taylor Swift: 'Floodgates Open' for Next Album». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  4. a b Chris Talbott (12 de outubro de 2013). «Taylor Swift talks next album, CMAs and Ed Sheeran». The Big Story (em inglês). Associated Press. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  5. Kory Grow (15 de outubro de 2013). «Taylor Swift Promises "Change" on Her Next Record». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  6. «Taylor Swift Reveals SShe's Been Working on a New Album» (em inglês). ABC News. ABC. 18 de agosto de 2014. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  7. James Hibberd (23 de dezembro de 2013). «Taylor Swift talks favorite Christmas songs, next álbum». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  8. Jacques Peterson (26 de dezembro de 2013). «Taylor Swift Dishes On "Confessional" New Album» (em inglês). Popdust. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  9. Coti Howell (15 de outubro de 2013). «Taylor Swift Shares Details of Next Album as Education Center Open Its Doors». Taste of Country (em inglês). Taste of Country Network. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  10. Christina Lee (11 de junho de 2014). «Max Martin Produced "Most Of" Taylor Swift's Next Album» (em inglês). Idolator. SpinMedia. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  11. Josh Eeels (16 de setembro de 2014). «Taylor Swift Reveals Five Thing to Expect on '1989'». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  12. Alan Light (5 de dezembro de 2014). «Billboard Woman of the Year Taylor Swift on Writing Her Own Rules, Not Becoming a Cliche and the Hurdle of Going Pop». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  13. «Taylor Swift - 1989 - Deluxe (CD)». Livraria da Folha. Consultado em 10 de fevereiro de 2016 
  14. «1989 de Taylor Swift». iTunes. Consultado em 10 de fevereiro de 2016 
  15. Michael Rothman (18 de agosto de 2014). «Taylor Swift Explains Meaning Behind Cover of New Album '1989'» (em inglês). ABC News. American Broadcasting Company. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  16. Jason Williamson (15 de dezembro de 2014). «Beyond 1989: Taylor Swift and Polaroids» (em inglês). The Line of Best Fit. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  17. Nic Fildes (8 de dezembro de 2014). «Taylor Swift gives Polaroid a boost». The Times (em inglês). James Harding. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  18. a b Jack Dickey (13 de novembro de 2014). «Taylor Swift on 1989, Spotify, Her Next Tour and Female Role Models». Time (em inglês). Time Inc. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  19. Christopher Bonanos (27 de outubro de 2014). «A Close Examination of Taylor Swift's 1989 Cover». Vulture (em inglês). New York Media LLC. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  20. Chelsea Peng (20 de outubro de 2014). «Taylor Swift Thinks It's Sexist When You Analyze Her Songs for Relationship Clues». Marie Claire (em inglês). Hearst Corporation. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  21. a b Christina Garibaldi (27 de outubro de 2014). «Here Are The Secret Messages Taylor Swift Hid On Her '1989' Album» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  22. a b c (2014) Créditos do álbum 1989 por Taylor Swift, pg. 10-11 [CD]. Big Machine Records (BMRBD0500A).
  23. a b Grady Smith (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift: the hidden meaning in 1989's álbum notes - and na Aphex Twin mashup». The Guardian (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  24. Michael Rothman (18 de agosto de 2014). «Taylor Swift Explains Meaning Behind Cover of New Album '1989'» (em inglês). ABC News. American Broadcasting Company. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  25. Erin Strecker (4 de agosto de 2014). «Taylor Swift Teases New Album». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  26. Jessica Hyndman (6 de agosto de 2014). «What's Taylor Big Surprise? Here Are The Craziest Theories» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  27. Mandi Salerno (14 de agosto de 2014). «Taylor Swift Hints at Big Announcement, Confirms MTV VMA Performance on 'Jimmy Fallon'». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  28. a b c Brian Mansfield (18 de agosto de 2014). «Taylor Swift debuts 'Shake It Off,' reveals '1989' album». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  29. Becca Longmire (27 de outubro de 2014). «Lena Dunham Gusher Over 'National Taylor Swift Day' As 1989 Is FINALLY Released». Entertainmentwise (em inglês). Giant Digital. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  30. Colin Stutz (10 de outubro de 2014). «Taylor Swift Admits to Stalking Fans Online for '1989' Secret Listening Sessions». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  31. a b Jocelyn Vena (11 de outubro de 2014). «Taylor Swift Calls London's #1989SecretSessions 'Outrageous and Hilarious'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  32. Beatrice Verhoeven (14 de outubro de 2014). «'1989' Countdown: Taylor Swift to Release Lyric a Day Until Album's Release». RyanSeacrest.com (em inglês). Ryan Seacrest Productions. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  33. Mackenzie Kruvant (14 de outubro de 2014). «Taylor Swift Has Started Releasing Lyrics From Every Song On Her New Album [Updated]» (em inglês). BuzzFeed. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  34. Joe Lynch (17 de outubro de 2014). «Alleged Track List for Taylor Swift's '1989' Hits Twitter». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  35. Jason Scott (17 de outubro de 2014). «Taylor Swift's '1989' Track List Has Leaked!» (em inglês). Popdust. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  36. Jason Scott (22 de outubro de 2014). «Taylor Swift Confirms '1989' Track List — Take A Look!» (em inglês). Popdust. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  37. Jem Aswad (31 de outubro de 2014). «The Elaborate High-Security Tactics Behind Taylor Swift's Album Release». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  38. Andrea Mandell (25 de outubro de 2014). «Taylor Swift's new album, '1989,' leaked». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  39. Keith Caulfield (28 de outubro de 2014). «Taylor Swift's '1989' Heading for 1 Million Sales Debut». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  40. a b Colin Stutz (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift Live Broadcasts Manhattan Rooftop 'Secret Session'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  41. a b Ali Szubiak (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift Performs '1989' Tracks During iHeartRadio Secret Session, Mentors on 'The Voice' [VIDEO]». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  42. Colin Stutz (28 de outubro de 2014). «Taylor Swift's Entire '1989' Album Selling for 99 Cents». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  43. Chris Willman (6 de novembro de 2014). «Exclusive: Taylor Swift on Being Pop's Instantly Platinum Wonder... And Why She's Paddling Against the Streams» (em inglês). Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  44. Alex Hern (28 de outubro de 2014). «Why is Taylor Swift's 1989 not on Spotify? Because she doesn't want it there». The Guardian (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  45. Andrew Flanagan (3 de novembro de 2014). «Taylor Swift Catalog Removed From Spotify». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  46. Adam Sherwin (3 de novembro de 2014). «Spotify begs Taylor Swift to return to streaming service with 'we love you' playlist». The Independent (em inglês). Independent Media News. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  47. Nolan Feeney (3 de novembro de 2014). «Spotify Tries to Lure Taylor Swift Back With a Playlist». Time (em inglês). Time Inc. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  48. Mitchell Peters (8 de novembro de 2014). «Big Machine's Scott Borchetta Explains Why Taylor Swift Was Removed From Spotify». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  49. Steve Knopper (8 de novembro de 2014). «Taylor Swift Pulled Music From Spotify for 'Superfan Who Wants to Invest,' Says Rep». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 16 de fevereiro de 2015 
  50. Colin Stutz (18 de junho de 2015). «Taylor Swift's '1989' Won't Be on Apple Music When It Launches». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  51. Mitchell Peters (21 de junho de 2015). «Taylor Swift Pens Open Letter Explaining Why '1989' Won't Be on Apple Music». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  52. «Taylor Swift x Apple Music: cantora recua e coloca '1989' para streaming». G1. Organizações Globo. 25 de junho de 2015. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  53. Tim Bajarin (30 de junho de 2015). «How Taylor Swift Saved Apple Music». Time (em inglês). Time Inc. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  54. Chris Payne (6 de agosto de 2015). «"Taylor Swift's '1989' to Be Covered in Its Entirety By Ryan Adams: Hear a Snippet"» (em inglês). Billboard. Consultado em 21 de setembro de 2015 
  55. Daigo Oliva (21/09/2015). "Ryan Adams converte Taylor Swift em gênio ao regravar o disco '1989'" (em português). Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de fevereiro de 2017.
  56. Keith Caulfield (27 de setembro de 2015). «Both Taylor Swift and Ryan Adams' '1989' Albums Are in Top 10 of Billboard 200 Chart» (em inglês). Billboard. Consultado em 28 de setembro de 2015 
  57. a b «From country to pop, Taylor Swift shakes it off» (em inglês). CBS News. Columbia Broadcasting System. 29 de outubro de 2014. Consultado em 28 de março de 2015 
  58. Deborah Weitzmann (10 de outubro de 2014). «Making a swift exit! Taylor Swift goes bold in attention-grabbing colour block jumper as she dines at top London restaurant». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  59. a b c d e f Jem Aswad (24 de outubro de 2014). «Album Review: Taylor Swift's Pop Curveball Pays Off With '1989'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 28 de março de 2015 
  60. a b James Reed (28 de outubro de 2014). «Taylor Swift goes pop, but at what expense?». The Boston Globe (em inglês). Boston Globe Media Partners, LLC. Consultado em 28 de março de 2015 
  61. a b c Stephen Thomas Erlewine (27 de outubro de 2014). «1989 - Taylor Swift | Allmusic» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 28 de março de 2015 
  62. Sasha Geffen (30 de outubro de 2014). «Taylor Swift — 1989». Consequence of Sound (em inglês). Townsquare Music. Consultado em 28 de março de 2015 
  63. a b Jon Caramanica (23 de outubro de 2014). «Taylor Swift Embraces Pop on '1989': Album Review». The New York Times (em inglês). The New York Times. Consultado em 28 de março de 2015 
  64. a b Andre Unterberger (28 de outubro de 2014). «Taylor Swift Gets Clean, Hits Reset on New Album '1989'». Spin (em inglês). Spin Media, LLC. Consultado em 28 de março de 2015 
  65. Josh Eells (8 de setembro de 2014). «The Reinvention of Taylor Swift». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 28 de março de 2015 
  66. Gary Graff (24 de outubro de 2014). «Taylor Swift to the Haters: 'If You're Upset That I'm Just Being Myself, I'm Going to Be Myself More'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 28 de março de 2015 
  67. «Canada AM: Taylor Swift on her new album '1989'». Canada AM (em inglês). CTV Television Network. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  68. Adrian Thrills (24 de outubro de 2014). «Look out boys! Taylor's not THAT innocent: ADRIAN THRILLS reviews singer's latest album 1989 (Big Machine)». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 28 de março de 2015 
  69. a b c d e Mikael Wood (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift smooths out the wrinkles on sleek '1989'». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 28 de março de 2015 
  70. a b c d e f g h Forrest Wickman (24 de outubro de 2014). «Taylor Swift's '1989': A Track-by-Track Breakdown». Slate (em inglês). The Slate Group. Consultado em 29 de março de 2015 
  71. Eliza Thompson (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift's 1989: A Track-by-Track Review». Cosmopolitan (em inglês). Hearst Corporation. Consultado em 28 de março de 2015 
  72. Alyssa Toomey (20 de outubro de 2014). «Taylor Swift Talks New Single Welcome to New York, Says It's Very Sexist to Claim She Only Writes About Exes». E! Online (em inglês). E!. NBCUniversal. Consultado em 28 de março de 2015 
  73. ABC News (20 de outubro de 2014). «Taylor Swift on What Inspired Her Song, 'Welcome to New York'». Good Morning America (em inglês). Yahoo!. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  74. Forrest Wickman (20 de outubro de 2013). «Taylor Swift 'Welcome to New York': New song from 1989 is a pro-gay, synth-pop anthem». Slate (em inglês). The Slate Group. Consultado em 28 de março de 2015 
  75. Alexander Kirk (21 de outubro de 2014). «Taylor Swift Supports Equality in New Track 'Welcome to New York'» (em inglês). Gay.net. Consultado em 28 de março de 2015 
  76. a b Lindsay Zoladz (27 de outubro de 2015). «Taylor Swift's 1989 Is Her Most Conservative Album Yet». Vulture (em inglês). New York Media, LLC. Consultado em 28 de março de 2015 
  77. a b Sam Lansky (23 de outubro de 2014). «Review: 1989 Marks a Paradigm Swift». Time (em inglês). Time Inc. Consultado em 28 de março de 2015 
  78. «Taylor Swift – How I Wrote My Massive Hit 'Blank Space'». NME (em inglês). IPC Media. 9 de outubro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  79. Chris Willman (10 de novembro de 2014). «Taylor Swift Tweaks Her Spurned-Girl Image With Hilariously Vengeful 'Blank Space' Video» (em inglês). Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  80. a b Jason Lipshutz (29 de dezembro de 2014). «Taylor Swift's Next Single Should Be 'Style', Says Head of Her Record Label». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  81. a b c Andy Gill (24 de outubro de 2014). «Taylor Swift, 1989 - album review: Pop star shows 'promising signs of maturity'». The Independent (em inglês). Indenpendent Media Group. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  82. Matthew Horton (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift - 1989». NME (em inglês). IPC Media. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  83. Chris Willman (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift and 89 Fans Party Like It's '1989' on New York Rooftop» (em inglês). Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  84. Jordan Sargent. «The 100 Best Tracks of 2014: Taylor Swift, "Style"». Pitchfork Media. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  85. Anna Silman (14 de outubro de 2014). «Listen to Taylor Swift's 'Out of the Woods'». Vulture (em inglês). New York Media, LLC. Consultado em 28 de março de 2015 
  86. a b Brian Mansfield (14 de outubro de 2014). «How Taylor Swift created 'Out of the Woods'». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 28 de março de 2015 
  87. a b Esther Lee (14 de novembro de 2014). «Taylor Swift Explains Why She Gave Up on Men: "It Broke My Heart!"». Us Weekly (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 28 de março de 2015 
  88. a b Mikael Wood (18 de agosto de 2014). «Listen: Taylor Swift releases 'Shake It Off', from new album '1989'». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 28 de março de 2015 
  89. Nolan Feeney (18 de agosto de 2014). «Watch Taylor Swift Show Off Her Dance Moves in New 'Shake It Off' Video». Time (em inglês). Time Inc. Consultado em 28 de março de 2015 
  90. Jason Lipshutz (18 de agosto de 2014). «Taylor Swift's Shake It Off: Single Review». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 28 de março de 2015 
  91. Nate Jones (27 de outubro de 2014). «Who Is Each Song on Taylor Swift's 1989 About?». Vulture (em inglês). New York Media, LLC. Consultado em 29 de março de 2015 
  92. Daniel D'Addario (27 de outubro de 2014). «Is Taylor Swift's 'Bad Blood' About Katy Perry? A Textual Analysis». Time (em inglês). Time Inc. Consultado em 29 de março de 2015 
  93. Erin Strecker (9 de setembro de 2014). «Did Katy Perry Confirm Taylor Swift's 'Bad Blood' Song Is About Her?». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 29 de março de 2015 
  94. «Sexual Innuendo Behind Taylor Swift's "Wildest Dreams" [Song Review]» (em inglês). Just Random Things. 6 de janeiro de 2015. Consultado em 29 de março de 2015 
  95. Amanada Michelle Steinger (13 de fevereiro de 2015). «What If Taylor Swift's 'Style' Music Video Was Actually for 'Wildest Dreams'? (VIDEO)». People (em inglês). Time Inc. Consultado em 29 de março de 2015 
  96. «Scholastic.com | Taylor Swift» (em inglês). Scholastic. Consultado em 29 de março de 2015 
  97. a b Naomi Nevitt. «12 Things You Never Knew About Taylor Swift, Straight from the Star Herself». Teen Vogue (em inglês). Condé Nast Publications. Consultado em 29 de março de 2015 
  98. Jencita Vargas (18 de novembro de 2014). «Why Taylor Swift's Song 'Clean' Could Change Pop Music» (em inglês). WhoSay. Consultado em 29 de março de 2015 
  99. «New Romantics by Taylor Swift» (em inglês). Songfacts. Consultado em 29 de março de 2015 
  100. Christine Distasio (7 de novembro de 2014). «Taylor Swift's "New Romantics" Lyrics Were Totally Written For Selena Gomez» (em inglês). Bustle. Consultado em 29 de março de 2015 
  101. a b c «Taylor Swift – 1989 – Metacritic» (em inglês). Metacritic. Consultado em 3 de janeiro de 2016 
  102. a b Adam Markovitz (23 de outubro de 2014). «1989 Review». Entertainment Weekly (em inglês). Time Inc. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  103. a b Rob Sheffield (24 de outubro de 2014). «Taylor Swift - 1989». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  104. a b Alexis Petridis (23 de outubro de 2014). «Taylor Swift: 1989 review – leagues ahead of theref>Chris Willman (10 de novembro de 2014). [https://www.yahoo.com/music/bp/taylor-swift-tweaks-her-spurned-girl-image-with-hilariously-vengeful--blank-space--video-204356785.html «Taylor Swift Tweaks Her Spurned-Girl Image With Hilariously Vengeful 'Blank Space' Video»] (em inglês). [[Yahoo! Music]]. [[Yahoo!]]. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 [[Categoria:!CS1 inglês-fontes em língua (en)]]ref name="directlyrics">[http://www.directlyrics.com/its-real-style-is-taylor-swifts-next-single-from-1989-news.html «It's Real: "Style" Is Taylor Swift's Next Single From "1989" (We're Happy, Are You?)»] (em inglês). DirectLyrics. 12 de janeiro de 2015. Consultado em 28 de março de 2015 [[Categoria:!CS1 inglês-fontes em língua (en)]] teen-pop competition». The Guardian (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 4 de janeiro de 2016  Ligação externa em |title= (ajuda); Ligação wiki dentro do título da URL (ajuda)
  105. John Walker (23 de outubro de 2014). «Taylor Swift's '1989': What Are The Critics Saying?» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 3 de janeiro de 2016 
  106. Andrea Mandell (23 de outubro de 2014). «The reviews are in! Do critics like Taylor Swift's new pop album?». USA Today (em inglês). Gannett Company. Consultado em 3 de janeiro de 2016 
  107. «Taylor Swift – How I Wrote My Massive Hit 'Blank Space'». NME (em inglês). IPC Media. 9 de outubro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2016 
  108. Kitty Empire (26 de outubro de 2014). «Taylor Swift: 1989 review – a bold, gossipy confection». The Observer (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  109. Braulio Lorentz (29 de outubro de 2014). «G1 ouviu: Taylor Swift pensa e dança em '1989', disco com letras inspiradas». G1. Organizações Globo. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  110. Darryl Sterdan (25 de outubro de 2014). «Music Review: Taylor Swift's 1989». Toronto Sun (em inglês). Postmedia. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  111. «The 10 Best Albums of 2014». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. 11 de dezembro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  112. «50 Best Albums of 2014: 10 | Taylor Swift, '1989'». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. 1º de dezembro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  113. Eliza Thompson (2 de dezembro de 2014). «The 20 Best Albums of 2014». Cosmopolitan (em inglês). Hearst Corporation. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  114. Alex Franl (26 de dezembro de 2014). «The Year in Music: A Guide to the 10 Best Albums of 2014». Vogue (em inglês). Condé Nast Publications. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  115. «American Songwriter's Top 50 Albums of 2014: Presented by D'Addario» (em inglês). American Songwriter. 24 de novembro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  116. «Top 10 Best Albums». Time (em inglês). 3 de dezembro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  117. Bernard Zuel (11 de dezembro de 2014). «The Shortlist music of 2014: Albums of the year». The Age (em inglês). Fairfax Media. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  118. «The 20 best albums of 2014». The A.V. Club (em inglês). The Onion. 8 de dezembro de 2014. Consultado em 17 de dezembro de 2016 
  119. Meaghan Garvey (17 de dezembro de 2014). «The 50 Best Albums of 2014 | Taylor Swift, 1989» (em inglês). Pitchfork Media. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  120. «Taylor Swift, 1989 - The 50 Best Albums of 2014». Complex (em inglês). Complex Media. 18 de dezembro de 2014. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  121. Jon Caramanica (11 de dezembro de 2014). «Jon Caramanica's Top 10 Albums of 2014». The New York Times (em inglês). The New York Times Company. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  122. «The Japan Gold Disc Awards 2015» (em japonês). Recording Industry Association of Japan. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  123. «Germany's Echo Awards 2015: All the winners». Music Business Worldwide (em inglês). 27 de março de 2015. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  124. «2015 JUNO Awards List» (PDF) (em inglês). Juno Awards. Consultado em 26 de fevereiro de 2016 
  125. «Winners: Billboard Music Awards 2015 Results». Billboard (em inglês). Consultado em 26 de fevereiro de 2016 
  126. «American Music Awards 2015: Full Winners List». Variety (em inglês). 22 de novembro de 2015. Consultado em 18 de março de 2016 
  127. Christopher Hooton (16 de fevereiro de 2016). «Grammys 2016: Nobody can believe Kendrick Lamar didn't win Album or Record of the Year». The Independent (em inglês). Consultado em 18 de março de 2016 
  128. a b «Grammy 2016 consagra o pop de Taylor Swift e Ed Sheeran». El País. Grupo PRISA. 16 de fevereiro de 2016. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  129. Paul Grein (16 de fevereiro de 2016). «Taylor Swift Makes Grammy History» (em inglês). Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  130. «iHeartRadio Music Awards 2016: See the Full Winners List». Billboard (em inglês). 3 de abril de 2016. Consultado em 15 de junho de 2016 
  131. «Billboard Music Awards 2016: Complete Winners List». Billboard (em inglês). 22 de maio de 2016. Consultado em 15 de junho de 2016 
  132. «Sam Smith é maior vencedor do Grammy 2015; veja lista». G1. 8 de fevereiro de 2015. Consultado em 9 de fevereiro de 2015 
  133. Gary Trust (2 de novembro de 2015). «Adele Says 'Hello' to No. 1 Hot 100 Debut; First Song to Sell 1 Million Downloads in a Week». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 18 de dezembro de 2015 
  134. Gary Trust (27 de agosto de 2014). «Taylor Swift's 'Shake It Off' Debuts At No. 1 On Hot 100». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 18 de maio de 2015 
  135. Jason Lipshutz (30 de outubro de 2014). «Taylor Swift's Next '1989' Single Is...». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 18 de abril de 2015 
  136. a b «Final Nomination List: 58th Grammy Awards» (PDF) (em inglês). Grammy Awards. Consultado em 18 de dezembro de 2015 
  137. Gary Trust (19 de novembro de 2014). «Taylor Swift Makes Hot 100 History With 'Blank Space'». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 18 de maio de 2015 
  138. a b «2015 MTV VMAS» (em inglês). MTV Video Music Awards. Consultado em 18 de dezembro de 2015 
  139. «Taylor Swift 'Style': Officially Impacts HAC 2/9» (em inglês). Republic Records. 22 de outubro de 2014. Cópia arquivada desde o original em 17 de janeiro de 2015 
  140. «Taylor Swift - Style - Music Charts» (em inglês). aCharts.us. Consultado em 19 de maio de 2015 
  141. Certificações recebidas por "Style":
  142. Mikael Wood (13 de fevereiro de 2015). «Taylor Swift has that red-lip thing that you like in video for 'Style'». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 19 de maio de 2015 
  143. «Bad Blood (feat. Kendrick Lamar) - Single» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 18 de maio de 2015 
  144. Gary Trust (27 de maio de 2015). «Taylor Swift's 'Bad Blood' Blasts to No. 1 on Hot 100». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 27 de maio de 2015 
  145. Certificações recebidas por "Bad Blood":
  146. August Brown (18 de maio de 2015). «Taylor Swift's 'Bad Blood' video has sound, fury and Kendrick Lamar». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 13 de julho de 2015 
  147. Keith Caulfield (5 de agosto de 2015). «Taylor Swift Announces Next Single». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 5 de agosto de 2015 
  148. «Taylor Swift - Wildest Dreams» (em inglês). aCharts.us. Consultado em 2 de janeiro de 2016 
  149. «'Wildest dreams', clipe de Taylor Swift, é acusado de racismo». G1. Organizações Globo. 2 de setembro de 2015. Consultado em 2 de janeiro de 2016 
  150. Emilee Lindner (9 de outubro de 2014). «Taylor Swift's Next Single 'Out Of The Woods' Is On Its Way: Get The Deets» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 18 de maio de 2015 
  151. «Taylor Swift - Out Of The Woods» (em inglês). aCharts.us. Consultado em 18 de maio de 2015 
  152. Paul Grein (22 de outubro de 2014). «Chart Watch: Women Overpower Men, Week 7» (em inglês). Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 18 de maio de 2015 
  153. «Taylor Swift "Out of the Woods"» (em inglês). Republic Records. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  154. Erin Strecker (11 de junho de 2015). «Taylor Swift Shuts Down 'New Romantics' Single Rumors». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  155. «Top 40/M Future Releases» (em inglês). All Access. All Access Group. Consultado em 19 de fevereiro de 2016 
  156. «Taylor Swift – New Romantics (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 21 de março de 2016 
  157. «Rob Sheffield's Top 25 Songs of 2014». Rolling Stone (em inglês). 22 de dezembro de 2014. Consultado em 27 de novembro de 2016 
  158. Jim Farber (20 de outubro de 2014). «'Welcome to New York', music review». New York Daily News (em inglês). Mortimer Zuckermann. Consultado em 18 de maio de 2015 
  159. Jen Carlson (21 de outubro de 2014). «Taylor Swift Wrote The Worst NYC Anthem Of All Time» (em inglês). Gothamist. Consultado em 18 de março de 2015 
  160. «Taylor Swift - Welcome to New York - Music Charts» (em inglês). aCharts.us. Consultado em 18 de maio de 2015 
  161. «1989 SWIFTSTAKES» (em inglês). TaylorSwift.com. Consultado em 22 de março de 2015 
  162. «1989 SWIFTSTAKES OFFICIAL RULES» (PDF) (em inglês). TaylorSwift.com. 18 de agosto de 2014. Consultado em 22 de março de 2015 
  163. a b c Andrew Hampp (26 de setembro de 2014). «Exclusive: Taylor Swift Teams With Subway, Diet Coke For #MeetTaylor Promotion». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de março de 2015 
  164. Michelle McGahan (15 de outubro de 2014). «Taylor Swift's Diet Coke Commercial Features a New '1989' Song Clip + Kittens [VIDEO]». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 22 de março de 2015 
  165. Hillary Lewis (22 de outubro de 2014). «Listen to Taylor Swift's "Style" in Target Ad». The Hollywood Reporter (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de março de 2015 
  166. Sophie Jane (13 de dezembro de 2014). «Show it off! She may have just turned 25... but Taylor Swift already has a MUSEUM dedicated to her». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 22 de março de 2015 
  167. Ashley Lee (24 de agosto de 2014). «VMAs: Taylor Swift Refuses to Jump in "Shake It Off Debut Performance». The Hollywood Reporter (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de março de 2015 
  168. Coti Howell (25 de agosto de 2014). «Taylor Swift Shakes It Off, Throws '1989' Dance Party During 2014 MTV VMAs [Watch]». Taste of Country (em inglês). Taste of Country Network. Consultado em 22 de março de 2015 
  169. Thomas Chau (4 de setembro de 2014). «Taylor Swift Performs 'Shake It Off' at the 2014 German Radio Awards [VIDEO]». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 22 de março de 2015 
  170. Mail Online Reporter (20 de setembro de 2014). «From red hot to simply sparkling! Taylor Swift kicks off the iHeartRadio Music Festival flashing her midriff in TWO striking ensembles». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 22 de março de 2015 
  171. Jason Lipshutz (20 de setembro de 2014). «Taylor Swift Shakes Off the 'Frenemies' During iHeartRadio Fest Performance: Watch». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de março de 2015 
  172. Leonardo Torres (7 de outubro de 2014). «Taylor Swift canta 'Shake It Off" em programa de TV da França: veja». POPLine. iG. Consultado em 22 de março de 2015 
  173. William Gruger (16 de outubro de 2014). «Taylor Swift's 'Riptide' Makes Wave on Social 50 & Witter Charts». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de março de 2015 
  174. Leonardo Torres (8 de outubro de 2014). «Taylor Swift faz mais uma performance de "Shake It Off" na França: assista». POPLine. iG. Consultado em 22 de março de 2015 
  175. Bianca Gracie (13 de outubro de 2014). «Taylor Swift Performs "Shake It Off" On 'The X Factor UK': Watch» (em inglês). Idolator. SpinMedia. Consultado em 22 de março de 2015 
  176. Robbie Daw (20 de outubro de 2014). «Taylor Swift Perforrms "Shake It Off" On 'The X Factor' Australia: Watch» (em inglês). Idolator. SpinMedia. Consultado em 22 de março de 2015 
  177. Katrina Mitzeliotis (20 de outubro de 2014). «Taylor Swift's 'X Factor' Australia Outfit: Flaunts Toned Tummy» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 22 de março de 2015 
  178. Katrina Mitzeliotis (24 de outubro de 2014). «Taylor Swift's 'Jimmy Kimmel Live' Outfit: Rocks Sexiest Look Ever» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 22 de março de 2015 
  179. Steve Baltin (25 de outubro de 2014). «Taylor Swift, Ariana Grande, Pharrell Shine at We Can Survive Concert in L.A.». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de março de 2015 
  180. Chelsea White (27 de outubro de 2014). «'Look at me, I wouldn't survive in jail!' Taylor Swift reveals her irrational fear of being arrested as she performs song about Harry Styles, Out Of The Woods, for first time». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 22 de março de 2015 
  181. John Walker (28 de outubro de 2014). «Taylor Swift Literally Lights Up The NYC Skyline With 'Blank Space'» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 22 de março de 2015 
  182. Leonardo Torres (27 de outubro de 2014). «Taylor Swift aparecerá na TV americana todos os dias desta semana». POPLine. iG. Consultado em 22 de março de 2015 
  183. Zach Dione (29 de agosto de 2014). «Taylor Swift Performs 'Welcome to New York' on 'Letterman', Gives Lengthy Interview». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de março de 2015 
  184. Avery Thompson (30 de outubro de 2014). «Taylor Swift Performs 'Welcome To New York' & More On 'GMA' – Watch» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 22 de março de 2015 
  185. Emily Longeretta (23 de novembro de 2014). «Taylor Swift Flirts With Sexy Male Dancer In 'Blank Space' AMAs Performance» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 22 de março de 2015 
  186. George Stark (23 de novembro de 2014). «Taylor Swift sets fire to the stage for an explosive first performance at the AMAs ...as Iggy Azalea picks up gong for Best Rap Album». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 22 de março de 2015 
  187. «Watch Taylor Swift's Theatrical 'Blank Space' Live Debut at AMAs». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. 23 de novembro de 2014. Consultado em 22 de março de 2015 
  188. Ali Szubiak (25 de novembro de 2014). «Taylor Swift Performs 'Blank Space' on 'The Voice' [VIDEO]». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 23 de março de 2015 
  189. «Taylor Swift to appear on NHK program 'Songs'». Japan Today (em inglês). GPlusMedia Co., Ltd. 19 de novembro de 2015. Consultado em 23 de março de 2015 
  190. a b Jordyn Shaffer (27 de novembro de 2014). «Taylor Swift Performs 'Shake It Off' At Thanksgiving Day Parade» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 23 de março de 2015 
  191. Maggie Malach (27 de novembro de 214). «Taylor Swift Performs 'Shake It Off' on Thanksgiving 2014». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 23 de março de 2015  Verifique data em: |date= (ajuda)
  192. Ali Szubiak (9 de dezembro de 2014). «Taylor Swift Performs 'Blank Space' + 'Style' at the 2014 Victoria's Secret Fashion Show [VIDEO]». PopCrush (em inglês). PopCrush Network. Consultado em 23 de março de 2015 
  193. Shira Benozilio (2 de dezembro de 2014). «Taylor Swift's Sexy Performance Of 'Style' & 'Blank Space' At VS Show» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 23 de março de 2015 
  194. Colin Stutz (6 de dezembro de 2014). «Taylor Swift Beats Laryngitis, Sam Smith, Ariana Grande Shine at KIIS FM Jingle Ball». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 23 de março de 2015 
  195. Rob Sheffield (13 de dezembro de 2014). «Taylor Swift Turns New York's Jingle Ball Into a Birthday Extravaganza». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 23 de março de 2015 
  196. Katrina Mitzeliotis (16 de dezembro de 2014). «Taylor Swift's Jingle Ball Outfits — See Her Sexy, Skin-Baring Looks» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 23 de março de 2015 
  197. Billboard Staff (30 de agosto de 2015). «Taylor Swift & Nicki Minaj Declare No 'Bad Blood' With Joint Performance: Watch». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  198. «Taylor Swift Performs An Acoustic Version of 'Out of the Woods' at the GRAMMY Museum» (em inglês). Idolator. SpinMedia. 27 de outubro de 2015. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  199. Denise Warner (15 de fevereiro de 2016). «Taylor Swift Performs 'Out of the Woods' at the 2016 Grammys». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 20 de fevereiro de 2016 
  200. «Tokyo, Japan added to The 1989 World Tour» (em inglês). TaylorSwift.com. Consultado em 14 de julho de 2015 
  201. Emily Yahr (5 de maio de 2015). «Taylor Swift '1989' World Tour: Set list, costumes, the stage, the spectacle». The Washington Post (em inglês). The Washington Post Company. Consultado em 13 de julho de 2015 
  202. Ray Waddell (11 de dezembro de 2015). «Live Music's $20 Billion Year: The Grateful Dead's Fare Thee Well Reunion, Taylor Swift, One Direction Top Boxscore's Year-End». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de dezembro de 2015 
  203. «Taylor Swift – 1989 (Deluxe Editon) – Target Exclusive» (em inglês). Target. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  204. a b «1989~デラックス・エディション(DVD付) [CD+DVD]» (em jp). Amazon. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  205. a b Ben Sisario (22/10/2014). "Taylor Swift's '1989' Carries High Hopes" (em inglês). The New York Times. Consultado em 5 de janeiro de 2016.
  206. Steve Knopper (21/12/2014). "Can Taylor Swift's '1989' Save Ailing Music Industry?" (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de janeiro de 2016.
  207. "Taylor Swift's '1989' Surging Toward 1.2 Million Debut" (em inglês). Billboard. 29/10/2014. Consultado em 5 de janeiro de 2016.
  208. a b c Keith Caulfield (4/11/2014) "Official: Taylor Swift's '1989' Debuts With 1.287 Million Sold In First Week" (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de janeiro de 2016.
  209. Cláudia Lima Carvalho (5/11/2014). "Taylor Swift é a primeira a conseguir vender mais de um milhão de discos em 2014" (em português). Público. Consultado em 5 de janeiro de 2016.
  210. Keith Caulfield (5/11/2014). "Taylor Swift Collects Fourth No. 1 Album, 'Now 52' Debuts at No. 2" (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de janeiro de 2016.
  211. Keith Caulfield (17 de novembro de 2014). «Taylor Swift's '1989' Spends Second Week at No. 1 on Billboard 200 Chart». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  212. Steve Knopper (12 de novembro de 2014). «On the Charts: Taylor Swift's '1989' Continues Reign». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  213. Adam Fleischer (26 de novembro de 2014). «Taylor Swift Finally Meets Her Match On The Charts: One Direction» (em inglês). MTV News. Viacom. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  214. Keith Caulfield (7 de dezembro de 2014). «Taylor Swift's '1989' Returns to No. 1 on Revamped Billboard 200». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  215. a b «2014 Year End: Top Billboard 200 Albums» (em inglês). Billboard 200. Consultado em 21 de março de 2015 
  216. Keith Caulfield (24 de dezembro de 2014). «Pentatonix's 'That's Christmas To Me' Surpasses 1 Million in Sales». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  217. a b c Keith Caulfield (31 de dezembro de 2014). «Taylor Swift's '1989' Beats 'Frozen' As Top Selling Album of 2014». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  218. «Taylor Swift – 1989 (Entertainment Monitoring Africa)» (em inglês). Entertainment Monitoring Africa. Consultado em 7 de fevereiro de 2015 
  219. «Taylor Swift – 1989 (Media Control Charts)» (em inglês). Media Control Charts. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  220. «Taylor Swift – 1989 (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  221. «Taylor Swift – 1989 (Ö3 Austria Top 40)» (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  222. «Taylor Swift – 1989 (Ultratop 50)» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  223. «Taylor Swift – 1989 (Ultratop 40)» (em inglês). Ultratop 40. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  224. «Taylor Swift – 1989 (Pro-Música Brasil)». Pro-Música Brasil. Cópia arquivada desde o original em 27 de dezembro de 2016. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  225. «Taylor Swift – 1989 (Canadian Albums Chart)» (em inglês). Canadian Albums Chart. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  226. «Taylor Swift – 1989 (Gaon Music Chart)» (em inglês). Gaon Music Chart. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  227. «Taylor Swift – 1989 (Hrvatska diskografska udruga)» (em inglês). Hrvatska diskografska udruga. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  228. «Taylor Swift – 1989 (Hitlisten)» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  229. «Taylor Swift – 1989 (The Official Charts Company)» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  230. «Taylor Swift – 1989 (Productores de Música de España)» (em inglês). Productores de Música de España. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  231. «Taylor Swift – 1989 (Digital Albums)» (em inglês). Digital Albums. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  232. «Taylor Swift – 1989 (IFPI Finlândia)» (em inglês). IFPI Finlândia. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  233. «Taylor Swift – 1989» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  234. «Taylor Swift – 1989 (IFPI Grécia)» (em inglês). IFPI Grécia. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  235. «Taylor Swift – 1989 (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége)» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Em "Lista", selecione "Top 40 album-, DVD-és válogatáslemez-lista". Em seguida, selecione "2014" na seção "Ev" e, em "Hét", selecione "44". 
  236. «Taylor Swift – 1989 (Irish Recorded Music Association)» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  237. «Taylor Swift – 1989 (Federazione Industria Musicale Italiana)» (em inglês). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  238. «Taylor Swift – 1989 (Oricon)» (em jp). Oricon. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  239. «Puesto #1 del #Top100MX del 27/10 al 2/11» (em inglês). Mexican Albums Chart. Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  240. «Taylor Swift – 1989 (VG-lista)» (em inglês). VG-lista. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  241. «Taylor Swift – 1989 (NZ Top 40 Albums)» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  242. «Taylor Swift – 1989 (MegaCharts)» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  243. «Taylor Swift – 1989 (Związek Producentów Audio Video)» (em inglês). Związek Producentów Audio Video. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  244. «Taylor Swift – 1989 (Associação Fonográfica Portuguesa)» (em inglês). Associação Fonográfica Portuguesa. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  245. Liv Moss (2 de novembro de 2014). «Taylor Swift scores fastest selling female album of the year so far» (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  246. «Taylor Swift – 1989 (IFPI Česká Republika)» (em inglês). IFPI Česká Republika. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  247. «Taylor Swift – 1989 (Russian Music Charts)» (em inglês). Russian Music Charts. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  248. «Taylor Swift – 1989 (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  249. «Taylor Swift – 1989 (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 17 de fevereiro de 2015 
  250. «Taylor Swift – 1989 (G-Music)» (em chinês). G-Music. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. Vá até "查看歷史榜單", localizada no fim da página, e selecione "2014年" e "第49週". 
  251. «Jahrescharts Deutschland - Alben 2014» (em alemão). Media Control Charts. Consultado em 21 de março de 2015 
  252. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2014» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 21 de março de 2015 
  253. «Jaaroverzichten 2014» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 21 de março de 2015 
  254. «Rapports Annuels 2014» (em inglês). Ultratop 40. Consultado em 21 de março de 2015 
  255. «2014 Year End: Top Canadian Albums» (em inglês). Canadian Albums Chart. Consultado em 21 de março de 2015 
  256. «Album Top-100 2014» (em dinamarquês). Hitlisten. Consultado em 21 de março de 2015 
  257. «2014 Year End: Digital Albums» (em inglês). Digital Albums. Consultado em 21 de março de 2015 
  258. «IRMA - Best of Albums - Best of 2014» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 21 de março de 2015 
  259. «年間 CDアルバムランキング 2014年度» (em jp). Oricon. Consultado em 21 de março de 2015 
  260. «Los Más Vendidos 2014» (PDF) (em inglês). Mexican Albums Chart. Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 19 de setembro de 2015 
  261. «Best Selling Albums of 2014» (em inglês). NZ Top 40 Albums. Consultado em 21 de março de 2015 
  262. Liv Moss (1º de janeiro de 2015). «The Official Top 40 Biggest Selling Artist Albums Of 2014» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 21 de março de 2015 
  263. «Jahreshitparade 2014» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 21 de março de 2015 
  264. «Top 100 Album-Jahrescharts 2015» (em alemão). Media Control Charts. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  265. «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 2015» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  266. «Jahreshitparade Alben 2015» (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 1º de janeiro de 2016 
  267. «Top Canadian Albums: Year End 2015» (em inglês). Canadian Albums Chart. Consultado em 12 de dezembro de 2015 
  268. Keith Caulfield (9 de dezembro de 2015). «2015: Taylor Swift, '1989' and 'Uptown Funk!' Rule as Top Artist, Album and Song». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 9 de dezembro de 2015 
  269. «Digital Albums: Year End 2015» (em inglês). Digital Albums. Consultado em 12 de dezembro de 2015 
  270. «2015年 年間音楽ランキングを発表» (em jp). Oricon. Consultado em 4 de janeiro de 2106  Verifique data em: |access-date= (ajuda)
  271. «Los Más Vendidos 2015» (PDF) (em inglês). Mexican Albums Chart. Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 7 de março de 2016 
  272. «Top Selling Albums of 2015» (em inglês). NZ Top 40 Albums. Consultado em 25 de dezembro de 2015 
  273. «Jaaroverzichten 2015» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  274. Rob Copsey (5 de janeiro de 2016). «The Official Top 40 Biggest Artist Albums of 2015 revealed» (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em 5 de janeiro de 2016 
  275. «Jahreshitparade 2015» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 28 de dezembro de 2015 
  276. «Greatest of All Time: Billboard 200 Albums» (em inglês). Billboard 200. Consultado em 12 de dezembro de 2015 
  277. Therese Owen (17 de dezembro de 2014). «Something to rock everyone's Xmas sock» (em inglês). Independent Online. Consultado em 19 de setembro de 2015 
  278. «Gold-/Platin-Datenbank (Taylor Swift; '1989')» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 28 de março de 2015 
  279. «Taylor Swift obtiene el Disco de Oro en Argentina» (em espanhol). Toque Invisible. Consultado em 10 de maio de 2015 
  280. Gavin Ryan (19 de dezembro de 2015). «ARIA Albums: Adele Stays At No 1 For Christmas» (em inglês). Noise11. Consultado em 19 de dezembro de 2015 
  281. «IFPI Austria – Gold & Platin» (em inglês). IFPI Áustria. Consultado em 7 de março de 2016 
  282. Leonardo Torres (7 de março de 2016). «"1989": álbum da Taylor Swift ganha certificado triplo de platina no Brasil». POPLine. iG/Mix TV. Consultado em 7 de março de 2016 
  283. «Certificados - ABPD». Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 2 de janeiro de 2016 
  284. «Gold/Platinum - 1989 - Music Canada» (em inglês). Music Canada. Consultado em 27 de dezembro de 2015 
  285. «泰勒斯威夫特中国版专辑25日上市 预售已超白金» (em chinês). State Administration of Radio, Film, and Television. 6 de janeiro de 2015. Consultado em 21 de março de 2015 
  286. «Taylor Swift - 1989» (em espanhol). El Portal de Música. Consultado em 19 de setembro de 2015 
  287. «RIAA – Gold and Platinum – 1989» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de julho de 2015 
  288. «Taylor Swift's '1989' is certified Triple Platinum in India» (em inglês). Mid Day. 11 de novembro de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2016 
  289. «ゴールドディスク認定作品一覧 2014年10月» (em jp). Recording Industry Association of Japan. Consultado em 19 de setembro de 2015 
  290. «Certificaciones – Taylor Swift» (em espanhol). Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 29 de novembro de 2015 
  291. «NZ Top 40 Albums Chart» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 1º de outubro de 2015 
  292. «Złote płyty CD - Archiwum» (em polaco). Związek Producentów Audio Video. Consultado em 27 de dezembro de 2015 
  293. «Edelmetall 2015» (em inglês). IFPI Suíça. Consultado em 19 de setembro de 2015 
  294. «Certified Awards» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 27 de dezembro de 2015 
  295. «1989» (em alemão). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  296. «1989 by Taylor Swift» (em inglês). Getmusic. Consultado em 23 de março de 2015 
  297. «1989 (Deluxe) par Taylor Swift» (em francês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 23 de março de 2015 
  298. «1989» (em inglês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  299. «1989 - Edición Deluxe» (em espanhol). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  300. «1989» (em inglês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  301. «1989 - CD Deluxe» (em francês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  302. «1989 (Deluxe) by Taylor Swift» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 23 de março de 2015 
  303. «1989» (em italiano). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  304. «1989» (em inglês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  305. «Taylor Swift: 1989 (CD)» (em inglês). Wow HD. Consultado em 23 de março de 2015 
  306. Amanda Faia (11 de novembro de 2014). «Taylor Swift: "1989" chega às lojas brasileiras e já é disco de ouro» (em inglês). POPLine. iG. Consultado em 23 de março de 2015 
  307. «1989 (Vinyl)» (em inglês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  308. «1989 (Vinyl)» (em inglês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015 
  309. «SWIFT, TAYLOR - 1989». CDGO. Consultado em 23 de março de 2015 
  310. «1989 [Licensee]» (em inglês). Dr.com.tr. Consultado em 23 de março de 2015 
  311. «SWIFT, TAYLOR - 1989». CDGO. Consultado em 23 de março de 2015 
  312. «泰勒•史薇芙特:1989(CD 豪华版 附限量版文件夹)» (em chinês). Amazon. Consultado em 23 de março de 2015