Geração Z

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Geração Z é a definição sociológica para a geração de pessoas nascidas, em média, entre a segunda metade dos anos 1990 até o início do ano 2010. A teoria mais aceita por estudiosos é que surgiu como sucessória à Geração Y, de 1980 (começo do Echo Boom).[1][2] Portanto, é a geração que corresponde à idealização e nascimento da World Wide Web, criada em 1990 por Tim Berners-Lee, e no "boom" da criação de aparelhos tecnológicos modernos. A grande nuance dessa geração é zapear, tendo várias opções, entre canais de televisão, Internet, videojogos e smartphones.[1]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Generation Z kids on Electric Scooter (48263543577).jpg

As pessoas da Geração Z são conhecidas por serem nativas digitais, muito familiarizadas com a Internet, compartilhamento de arquivos, telefones móveis, não apenas acessando a rede de suas casas, mas também pelo celular, estando assim extremamente conectadas.[2] Suas principais características são: compreensão da tecnologia e abertura social às tecnologias.[3]

Um Tablet, um grande lançamento das indústrias de informática e telefonia nos anos 2000.

Alguns especialistas sugerem que, por estarem passando pela Grande Recessão, a primeira grande crise econômica desde a Grande Depressão — porém não maior[4] — e que atinge sobretudo os jovens, as gerações Y e Z passaram a ser dominadas por um sentimento de insatisfação e insegurança quanto à realidade e ao futuro da economia e da política. Esta geração é confrontada com uma diferença de renda cada vez maior em todo o mundo[5] e uma classe média encolhendo, o que tem levado ao aumento dos níveis de estresse nas famílias.[6]

O habitat da Geração Z, assim como o da Geração Y, é o do desemprego e da precariedade.[7] A Geração Z presenciou o surgimento de indivíduos, grupos e movimentos políticos e sociais anti-establishment, resultado do aprofundamento da polarização ideológica na sociedade,[8][9][10][11] através da chamada Ciberpolítica e que atrai uma parcela — ainda que minoria — dessa geração, parcela essa constitutiva a uma "geração bloqueada",[12] segundo o sociólogo João Teixeira Lopes.[8]

Por outro lado, ao contrário de todas as outras gerações anteriores, esta geração é tida como a mais tolerante que já existiu,[13] a mais aberta à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo,[14] e inclusive sendo também a mais favorável à igualdade de gênero.

O ano de 2020 marca a entrada dessa geração na corrida eleitoral brasileira, com o grupo mais jovem estando entre 18 e 20 anos.[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Características e perspectivas de uma juventude que conhece a internet desde a infância
  2. a b The Generation Z Connection: Teaching Information Literacy to the Newest Net Generation (em inglês)
  3. Amiama-Espaillat, Cristina; Mayor-Ruiz, Cristina (2017). «Digital Reading and Reading Competence – The influence in the Z Generation from the Dominican Republic». Comunicar (em espanhol). 25 (52): 105–114. ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c52-2017-10 
  4. Crises globais: do ‘crash’ de 1929 à Grande Recessão
  5. «FMI: 'Aumento da desigualdade reduz crescimento econômico'». Consultado em 10 de julho de 2016. Cópia arquivada em 9 de abril de 2016 
  6. Generation Z: Technology and Social Interest
  7. A geração que quer “transformar isto tudo”
  8. a b Condições de vida levam jovens a ingressar na extrema-direita
  9. A Intolerância desavergonhada: por que a nova extrema-direita cresce?
  10. Chance de vitória da extrema esquerda na Grécia mantém Europa em alerta
  11. O que o Brexit ensina ao Brasil: Direita e esquerda não resolverão os nossos problemas
  12. Geração bloqueada
  13. The First Generation Of The Twenty-First Century Arquivado em 4 de março de 2016, no Wayback Machine. (em inglês)
  14. «Tudo o que sua marca precisa saber sobre a Geracao Z». Consultado em 10 de julho de 2016. Cópia arquivada em 16 de julho de 2016 
  15. «A estreia dos candidatos da geração Z». 28 de setembro de 2020. Consultado em 5 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Geração Y
Geração Z
1997 - 2010[1]
Sucedido por
Geração Alfa
  1. «Gerações X, Y, Z e Alfa: como cada uma se comporta e aprende». BEĨ Educação (em inglês). 9 de março de 2021. Consultado em 19 de agosto de 2022