Nativo digital

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Criança utilizando um celular

O termo foi criado pelo norte-americano Marc Prensky[1], trazendo a esse grupo definições de novas características, que consolida um abismo com relação aos imigrantes digitais (outro termo criado pelo autor e que define pessoas que desconhecem o funcionamento dos meios de comunicação e tornam-se consumidores passivos[2]). Um nativo digital é aquele que nasceu e cresceu com as tecnologias digitais presentes em sua vivência. Tecnologias como videogames, Internet, telefone celular, MP3, iPod, etc. Caracterizam-se principalmente por não necessitar do uso de papel nas tarefas com o computador. E contribui para o reconhecimento de outros tipos de aprendizagem e expressão cultural dessa nova geração.[3]

No sentido mais amplo, refere-se a pessoas nascidas a partir da década de 1980 e mais tarde, na Era da Informação que teve início nesta década. Geralmente, o termo foca sobre aqueles que cresceram com a tecnologia do século XXI.

Uma característica habitual dos nativos digitais é trabalhar com gratificações imediatas e recompensas frequentes.

Este termo têm sido aplicado em contextos como a educação,[4] relacionado ao termo Aprendizes do Novo Milênio.[5]

Os nativos digitais em sua maioria são leitores das notícias em formatos diferentes do tradicional, jornais impressos. Não que esses sejam ultrapassados, mas para essas pessoas tornar-se estranho o seu uso, por estarem acostumadas com a internet.[6]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

O autor do livro A Fábrica de Cretinos Digitais, o neurocientista francês Michel Desmurget, diretor de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde da França apontou o uso de dispositivos digitais como um dos fatores responsáveis pela queda de QI nas novas gerações de jovens:

Simplesmente não há desculpa para o que estamos fazendo com nossos filhos e como estamos colocando em risco seu futuro e desenvolvimento (...) O QI é medido por um teste padrão. No entanto, não é um teste "estático", sendo frequentemente revisado. Meus pais não fizeram o mesmo teste que eu, por exemplo, mas um grupo de pessoas pode ser submetido a uma versão antiga do teste.
(...)
E, ao fazer isso, os pesquisadores observaram em muitas partes do mundo que o QI aumentou de geração em geração. Isso foi chamado de 'efeito Flynn', em referência ao psicólogo americano que descreveu esse fenômeno. Mas recentemente, essa tendência começou a se reverter em vários países. É verdade que o QI é fortemente afetado por fatores como o sistema de saúde, o sistema escolar, a nutrição, etc. Mas se considerarmos os países onde os fatores socioeconômicos têm sido bastante estáveis por décadas, o 'efeito Flynn' começa a diminuir. Nesses países, os "nativos digitais" são os primeiros filhos a ter QI inferior ao dos pais. É uma tendência que foi documentada na Noruega, Dinamarca, Finlândia, Holanda, França, etc.
(...)
As causas também são claramente identificadas: diminuição da qualidade e quantidade das interações intrafamiliares, essenciais para o desenvolvimento da linguagem e do emocional; diminuição do tempo dedicado a outras atividades mais enriquecedoras (lição de casa, música, arte, leitura, etc.); perturbação do sono, que é quantitativamente reduzida e qualitativamente degradada; superestimulação da atenção, levando a distúrbios de concentração, aprendizagem e impulsividade; subestimulação intelectual, que impede o cérebro de desenvolver todo o seu potencial; e o sedentarismo excessivo que, além do desenvolvimento corporal, influencia a maturação cerebral.[6]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Palfrey, John (2011). Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed. ISBN 978-85-363-2483-8  Parâmetro desconhecido |Tradução= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |Revisão Técnica= ignorado (ajuda)
  2. Román-García, Sara; Almansa-Martínez, Ana; Cruz-Díaz, María-del-Rocío (2016). «Adults and Elders and their use of ICTs. Media Competence of Digital Immigrants». Comunicar (em espanhol). 24 (49): 101–110. ISSN 1134-3478. doi:10.3916/c49-2016-10 
  3. Jenkins, H. (2007). Reconsidering Digital Immigrants.... Confessions of an ACA-FAN.
  4. Bennett, S.; Maton, K.; Kervin, L. (2008). The ‘digital natives’ debate: A critical review of the evidence[ligação inativa]. British Journal of Educational Technology 39 (5): 775-786
  5. OECD (2008). New Millennium Learners. Initial findings on the effects of digital technologies on school-age learners, OECD/CERI International Conference “Learning in the 21st Century: Research, Innovation and Policy”, 15-16 Maio 2008 Paris
  6. a b «'Geração digital': por que, pela 1ª vez, filhos têm QI inferior ao dos pais». BBC. 30 de outubro de 2020. Consultado em 31 de outubro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.