Christina Aguilera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a artista. Para o álbum homônimo, veja Christina Aguilera (álbum).
Christina Aguilera
Aguilera durante a D23 Expo em 2019.
Nome completo Christina María Aguilera
Pseudônimo(s) Xtina  · Baby Jane
Nascimento 18 de dezembro de 1980 (40 anos)
Staten Island, Nova Iorque,
Estados Unidos
Residência Beverly Hills, Califórnia
Nacionalidade norte-americana
Cônjuge Jordan Bratman (c. 2005; div. 2011)
Filho(a)(s) 2
Ocupação Cantora  · compositora  · produtora musical  · atriz  · empresária  · filantropa
Período de atividade 1992–presente
Prêmios Lista completa
Carreira musical
Gênero(s) Pop  · dance-pop  · R&B  · soul
Extensão vocal Soprano
Instrumento(s) Vocal
Gravadora(s) RCA Records
Afiliações
Assinatura
Christina Aguilera signature.png
Página oficial
christinaaguilera.com

Christina María Aguilera (Staten Island, 18 de dezembro de 1980) é uma cantora, compositora e atriz americana. Referida como a "Voz da Geração", é creditada como uma das responsáveis por reavivar o teen pop no final da década de 1990 e somar sua habilidade vocal para discursar sobre temas como a sexualidade e o feminismo. Ao passo em que continuamente reinventava sua imagem, tornou-se conhecida por seus visuais extravagantes e não convencionais. Além de provocar polêmica, seus trabalhos foram elogiados pela crítica especializada, pelos quais tem sido citada como influência para diversos artistas.

Criada em Rochester, Pensilvânia, seus primeiros trabalhos aconteceram na televisão nacional, quando participou dos programas Star Search (1990) e The Mickey Mouse Club (1993–94). Após gravar a faixa "Reflection", tema do filme de animação Mulan (1998), Aguilera assinou um contrato com a RCA Records. Com o lançamento de seu disco de estreia, Christina Aguilera (1999), alcançou o sucesso internacional e colocou as canções "Genie in a Bottle", "What a Girl Wants" e "Come On Over Baby (All I Want Is You)" na liderança da Billboard Hot 100. Com o lançamento de Stripped (2002), reformulou sua música e imagem; no videoclipe de "Dirrty", causou controvérsia ao apresentar-se sexualmente, causando o rompimento de sua imagem como ídolo adolescente. Além de extrair do projeto os temas "Beautiful" e "Fighter", tornou-se a artista feminina mais bem-sucedida de 2003.

Seu quinto disco, Back to Basics (2006), foi recebido com críticas favoráveis e veio a ser o segundo material de sua carreira a estrear no topo da Billboard 200. Além disso, foi responsável por produzir as bem-sucedidas faixas "Ain't No Other Man" e "Hurt". Em 2010, fez sua estreia nos cinemas em Burlesque, o qual foi indicado ao Globo de Ouro de Melhor Filme de Comédia ou Musical. Durante esse período, fez participação nas faixas "Moves Like Jagger" (2011) e "Say Something" (2013), reconhecidas como uma das mais vendidas digitalmente no mundo. Fora de seus trabalhos na indústria fonográfica, realizou projetos na televisão atuando como treinadora na competição The Voice (2011–16) e como atriz na série Nashville (2015). Em 2019, deu início à Christina Aguilera: The Xperience, sua residência de seis etapas no Planet Hollywood Resort and Casino, em Las Vegas.

Ao longo de sua carreira, estima-se que tenha vendido cerca de 75 milhões de cópias com seus trabalhos, sendo reconhecida como uma recordista de vendas no mundo. Entre seus diversos prêmios e reconhecimentos encontram-se cinco Grammy Awards, um Grammy Latino, dois MTV Video Music Awards (VMA) e uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. Além disso, foi considerada uma das maiores vocalistas da música popular através de publicações da Rolling Stone e MTV, bem como uma das pessoas mais influentes do mundo pela Time. Em 2009, foi classificada pela revista Billboard como uma das maiores artistas da década de 2000, enquanto o VH1 e o The Independent a escolheram como uma das mais influentes artistas na indústria musical.

Vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Infância e primeiros trabalhos (1980–1998)[editar | editar código-fonte]

Christina María Aguilera nasceu no dia 18 de dezembro de 1980 em Staten Island, Nova Iorque, sendo a primeira filha de Shelly Loraine Fidler (1960) e Fausto Xavier Aguilera (1949).[1][2] A irmã mais nova de Aguilera é Rachel (1986).[3] Seu pai, um equatoriano com cidadania norte-americana, atuava como sargento no exército dos Estados Unidos, enquanto sua mãe, com ascendência irlandesa e alemã, trabalhava como professora de espanhol e possuía habilidades com violino e piano.[4][5] Por conta do serviço militar de seu pai, sua família se mudava constantemente, passando uma temporada nos estados do Texas e da Nova Jérsei, até partirem para o Japão, onde permaneceram por pelo menos três anos.[6] Durante sua infância, presenciou brigas constantes entre seus pais, com algumas partindo para agressões físicas;[7] quando Aguilera se tornou alvo da violência doméstica, Shelly fugiu levando as crianças para morar com a mãe no subúrbio de Rochester, na Pensilvânia, entrando com pedido de divórcio posteriormente.[8][9] Enquanto explorava discos antigos de sua avó, Christina desenvolveu seu interesse pela música e foi incentivada por familiares à ingressar em competições de talentos locais.[10]

"Quando cheguei ao The Mickey Mouse Club foi a primeira vez que estive [em contato] com várias outras crianças que adoravam fazer o mesmo trabalho que eu e eram apaixonadas pela mesma coisa que eu também era. Então foi realmente emocionante para mim quase sentir que havia encontrado o meu lugar".[11]

—Aguilera em uma entrevista para o The Guardian, em 2008.

Em 1988, inscreveu-se pela primeira vez em uma competição de talentos, desafiando um garoto de doze anos com uma interpretação de "Greatest Love of All", gravada por Whitney Houston; apesar de ter sido aplaudida por espectadores, não foi escolhida como vencedora.[12][13] Seguida por outras disputas, passou a ser reconhecida na cidade como a "garotinha do vozeirão", sendo convidada para gravar programas de rádio e na televisão local.[14] Em 1990, foi escolhida como uma das concorrentes do Star Search, sua primeira aparição em rede nacional; no espetáculo, voltou a disputar a permanência do programa com um garoto mais velho onde, novamente, não venceu.[15] Por conta de seu desempenho no programa, passou a ser vítima de bullying na escola e, ao passo em que tinha seu talento reconhecido por professores, foi considerada como "arrogante" por outros alunos.[11][9] No ano seguinte, realizou testes para compor o elenco da atração The Mickey Mouse Club, onde concorreu com mais de 400 candidatos; apesar de entrar para a lista de finalistas, não foi aceita por não preencher o requisito de idade mínima.[16][17]

Depois de uma série de aparições na televisão, Aguilera foi convocada para cantar o hino nacional dos Estados Unidos em jogos esportivos dos Pittsburgh Penguins, Pittsburgh Steelers e Pittsburgh Pirates.[18] Em 1992, Shelly recebeu um telefonema de um dos produtores de The Mickey Mouse Club que havia mantido em arquivo fitas das últimas audições de Aguilera, questionando se a jovem ainda possuía interesse em se tornar uma "Mouseketeer".[n 1][20] Com uma resposta positiva, ela foi enviada para concorrer contra 15 mil jovens de todo o país, sendo finalmente escolhida como uma das integrantes do programa, composto por outros talentos notáveis como Britney Spears, Justin Timberlake e Ryan Gosling.[20][21] Desempenhando papéis em números de comédias e musicais no espetáculo, Aguilera se mudou com a família para Orlando, onde permaneceu até o término da atração em 1994.[22] Seus esforços seguintes foram com lançamentos independentes para diversas gravadoras em busca de um contrato de gravação, até chamar a atenção da Walt Disney Records, pela qual foi selecionada para interpretar "Reflection", presente na trilha sonora do filme de animação Mulan (1998).[23][24]

Sucesso internacional (1999–2001)[editar | editar código-fonte]

Após ouvir seu desempenho em "Reflection", Ron Fair — diretor executivo da RCA Records — ofereceu à Aguilera um contrato com o selo, afirmando ter ficado "impressionado com seu talento puro".[25] Imediatamente após a assinatura do contrato, ela deu início às sessões de gravação de seu disco de estreia, desejando criar um projeto inspirado pelo R&B; no entanto, executivos da gravadora insistiram para que gravasse um material direcionado ao público adolescente, ao passo em que era crescente a popularidade do teen pop no final da década de 1990.[26][13] Em 24 de agosto de 1999, seu álbum de estreia foi disponibilizado para o público, sendo recebido com opiniões divididas da crítica especializada; apesar de não se mostrarem otimistas com seu conteúdo,[27] Ann Powers, jornalista do The New York Times, noticiou que o trabalho "sugere o surgimento de uma cantora de verdade [com] poder e alcance vocal impressionante".[28] Em termos comerciais, distribuiu cerca de 252 mil cópias em sua primeira semana, chegando à liderança da Billboard 200, principal tabela dos Estados Unidos.[29] Ao redor do mundo, a obra alcançou sucesso semelhante; em menos de um ano de divulgação, havia comercializado aproximadamente 10 milhões de exemplares, fazendo com que a BBC News a reconhecesse como "um dos talentos mais bem-sucedidos [e] observados da América".[30][31]

"Genie in a Bottle" foi disponibilizada como a primeira canção de trabalho usada na promoção do disco.[32] Em seus primeiros meses, seu conteúdo lírico causou controvérsia; a Radio Disney censurou suas letras acusadas de fazerem referências sexuais, enquanto a veterana Debbie Gibson afirmou ter "ficado horrorizada em ouvir [a canção] interpretada por uma jovem de 18 anos".[33] Após ser questionada, Aguilera se defendeu das acusações, explicando que "a música não é sobre sexo, é sobre autorrespeito [...] sobre não ceder à tentação até que você seja respeitado".[34] No entanto, em questões comerciais, o tema se tornou popular entre o público; em menos de um mês, alcançou o primeiro lugar da Billboard Hot 100 — posição que ocupou por cinco semanas consecutivas —, encerrando o ano como a segunda faixa mais comercializada nos Estados Unidos.[35][36] Ao redor do mundo, chegou ao topo das paradas musicais em mais de vinte países, acumulando vendas superiores à 7 milhões de unidades.[37][38] O sucesso comercial da canção foi repetido com a divulgação de "What a Girl Wants" (1999) e "Come On Over Baby (All I Want Is You)" (2000), mantendo o interesse do público no disco.[39] Desde então, estimam-se que seu projeto de estreia tenha distribuído cerca de 17 milhões de exemplares à nível mundial.[40][41]

No início de 2000, Aguilera se apresentou como atração de intervalo no Super Bowl XXXIV e ganhou destaque na mídia ao vencer o Grammy Award de Artista Revelação.[42][43] Em um artigo para a revista Time, Christopher J. Farley descreveu que sua vitória na categoria a colocou "no topo do mundo da música adolescente", credenciando-a como "uma verdadeira cantora".[44] Seus esforços seguintes foram com a divulgação de um disco em espanhol, Mi Reflejo (2000), responsável por uma permanência recorde de dezenove semanas na liderança da Billboard Latin Albums;[45] em relação às suas vendas, foram 3 milhões de cópias comercializadas ao redor do mundo.[46] Em reconhecimento ao seu desempenho no projeto, foi agraciada com o Grammy Latino de Melhor Álbum Vocal Feminino de Pop.[47] No mesmo período, deu início à sua primeira série de concertos através da Christina Aguilera in Concert e assinou um contrato para estrelar em comerciais como garota-propaganda da rede de refrigerantes Coca-Cola.[48][49] No ano seguinte, destacou-se em colaboração com Ricky Martin para "Nobody Wants to Be Lonely", bem como em parceria com Lil' Kim, Mýa e Pink para "Lady Marmalade"; ambos os temas foram bem-sucedidos nas tabelas musicais de todo o mundo, além de receberem indicação ao Grammy Award de Melhor Colaboração de Pop com Vocais, com a última saindo vitoriosa.[50] Em sua vida pessoal, passou esse período mantendo um relacionamento com um de seus dançarinos, Jorge Santos.[51]

Mudança de imagem e controvérsias (2002–2003)[editar | editar código-fonte]

Aguilera em um concerto da Stripped World Tour após adotar sua nova e polêmica imagem sob o alter ego Xtina, em 2003.

Em 2002, Aguilera confirmou que estava planejando seu próximo material, afirmando que assumiria o controle criativo sobre o seu conteúdo, ao passo em que estava insatisfeita com sua imagem de artista direcionada ao público adolescente.[52] Ela explicou que o novo disco serviria como "um novo começo, uma reintrodução de [si mesma] como uma nova artista".[53] Durante esse período, adotou uma imagem mais provocante; com os cabelos pretos e um vestuário mais revelador, passou a denominar-se como Xtina.[54] A primeira prévia para o projeto veio em "Dirrty", faixa que não foi bem avaliada, especialmente após a divulgação de seu vídeo musical, onde a artista fazia referência à diversos fetiches sexuais.[55] Em uma revisão da obra, Josh Tryangiel, editor da revista Time, exclamou que "Aguilera parecia ter chegado diretamente de uma convenção intergalática de prostitutas", ao passo em que também recebia críticas de artistas como Shakira e Jessica Simpson.[56] Na Tailândia, houve protestos para que ele deixasse de ser exibido na televisão, denunciando os pôsteres presentes no vídeo que divulgavam o turismo sexual no país.[57] David LaChapelle, diretor da obra audiovisual, afirmou que não sabia o que estava escrito nos cartazes.[58]

Apesar de ter alcançado a liderança da principal tabela do Reino Unido,[59] "Dirrty" veio a ser seu pior desempenho nos Estados Unidos até aquele momento; na Billboard Hot 100, chegou ao 48º lugar.[60] Sua nova imagem e polêmicas relacionadas à ela começaram a ofuscar sua música; em sua defesa, Aguilera considerou que sua nova direção artística era "ousada e aberta [...] medidas tomadas por verdadeiros artistas".[56] Em outubro de 2002, ela divulgou seu quarto projeto intitulado Stripped — em reflexo à sua nova figura, o disco foi recebido com ambiguidade pela crítica especializada que o considerou "exagerado" e "fora de foco", apesar de prezarem por sua habilidade vocal.[61][62] Seu esforço seguinte foi em "Beautiful", canção responsável por recuperar sua popularidade em território norte-americano e amenizar críticas iniciais ao novo projeto.[60] Com a referida obra, Aguilera também recebeu destaque por sua representação positiva de homossexuais e transgêneros em seu videoclipe, bem como foi vencedora da estatueta de Melhor Performance Vocal Feminina de Pop na 46ª edição do Grammy Awards.[63][64]

Em 2003, enquanto "Beautiful" se tornava uma das vinte canções mais populares nos Estados Unidos,[65] foi extraído do disco os temas "Can't Hold Us Down", "Fighter" e "The Voice Within", responsáveis por manter seu disco nas tabelas musicais no mundo.[66] Em termos comerciais, Stripped repetiu o efeito de seus trabalhos anteriores; em seu país de origem, foram cerca de 4.4 milhões de unidades distribuídas, recebendo o disco de platina quádrupla através da Recording Industry Association of America (RIAA).[67] No Reino Unido, foram mais de 2 milhões de exemplares comercializados, tornando-se um dos quarenta projetos mais bem-sucedidos do milênio no território.[68] Desde então, foram contabilizadas 12 milhões de cópias vendidas do material por todo o globo.[69] Para auxiliar na promoção ao disco, Aguilera embarcou em uma série de concertos realizados na Justified and Stripped Tour — em conjunto com Justin Timberlake — e durante a Stripped World Tour.[70][71] No mesmo período, foi destaque na mídia internacional em dois eventos televisivos altamente divulgados; o primeiro durante uma apresentação no MTV Video Music Awards (VMA) acompanhada por Britney Spears, onde ambas artistas beijavam Madonna,[72][73] enquanto no outro entrava no palco vestida como freira para atuar como apresentadora do MTV Europe Music Awards (EMA).[74][75]

Amadurecimento e aclamação crítica (2004–2009)[editar | editar código-fonte]

Aguilera durante uma apresentação no Festival de Sanremo, na Itália, em 2006.

No início de 2004, Aguilera estava em um relacionamento com o executivo Jordan Bratman; o casamento entre eles ocorreu no final do ano seguinte, em uma propriedade privada no Condado de Napa, na Califórnia.[76] No mesmo período, colaborou como vocalista para os temas "Car Wash" e "Tilt Ya Head Back" em parceria com Missy Elliott e Nelly, respectivamente.[77] Ao passo em que planejava seu quinto projeto de inéditas, voltou a reformular sua imagem quando adotou o loiro platinado em seus cabelos e aderiu um vestuário inspirado por modelo pin-up, passando a se referir como Baby Jane.[78][79] Em 2006, estrelou como garota-propaganda em comerciais promovidos pela Pepsi e divulgou a primeira prévia de sua nova direção artística, "Ain't No Other Man".[80] Recebida com elogios da crítica em decorrência de sua mistura de estilos atuais com elementos da velha guarda, foi comparada à obras de Aretha Franklin.[81][82] Em âmbito comercial, posicionou-se entre as dez mais vendidas em diversos países, incluindo o Reino Unido;[83] nos Estados Unidos, chegou ao sexto lugar da Billboard Hot 100.[84]

Em 9 de agosto de 2006, Aguilera disponibilizou o disco Back to Basics, descrevendo-o como um "retrocesso" à elementos da velha guarda "combinados à fortes batidas modernas".[85] Em sua avaliação crítica, o projeto foi considerado "inovador" e na "contramão" de trabalhos divulgados por outros artista da música contemporânea;[86][87] o profissional Stephen Thomas Erlewine opinou que seu lançamento era uma "conquista notável" para sua discografia.[88] Repetindo o desempenho comercial de seus antecessores, ocupou a liderança dos mais vendidos em tabelas de países como Alemanha, Austrália, Canadá, Reino Unido e Suíça;[89] nos Estados Unidos, estreou no comando da Billboard 200 com mais de 346 mil unidades comercializadas na primeira semana de vendas.[90] Desde então, estimam-se que foram mais de 5 milhões de exemplares distribuídos da obra ao redor do mundo,[91] com 1.7 milhões de cópias vendidas apenas em seu país de origem, onde acabou sendo certificado como disco de platina através da Recording Industry Association of America (RIAA).[92][93]

Posteriormente, os temas "Hurt" e "Candyman" foram desenvolvidos como focos de promoção ao disco entre 2006 e 2007.[94] No mesmo período, Aguilera embarcou em uma série de concertos através da Back to Basics Tour; reconhecido como o espetáculo de uma artista feminina mais rentável do período, arrecadou aproximadamente 29 milhões de dólares apenas em datas executadas na América do Norte.[95][96] Em 2008, encerrou a atração se apresentando para mais de 20 mil espectadores em Abu Dhabi, temporada em que também deu à luz seu primeiro filho, Max Liron.[97][98] No final do mesmo ano, em comemoração aos seus dez anos de carreira, divulgou sua primeira coletânea de sucessos, Keeps Gettin' Better: A Decade of Hits.[99] Como principal meio de divulgação ao projeto, sua faixa título veio a ser a melhor estreia da vocalista em toda a carreira, chegando ao sétimo lugar da principal tabela musical dos Estados Unidos em reflexo às mais de 144 mil unidades comercializadas.[100] No ano seguinte, foi revelado que havia dado início às filmagens de seu primeiro filme como atriz principal, contracenando com Cher e Stanley Tucci em um musical dirigido por Steve Antin.[101]

Estreia nos cinemas e The Voice (2010–2012)[editar | editar código-fonte]

Aguilera durante o evento de divulgação de Burlesque em Londres, em 2010.

Ao encerrar as gravações de seu primeiro filme, Aguilera afirmou que divulgaria seu sexto álbum de inéditas, descrevendo-o como um "[projeto] sobre o futuro – sobre o meu filho em minha vida me motivando a experimentar, brincar e me divertir" ao passo em que seria diretamente inspirado pela música eletrônica.[102] Em 8 de junho de 2010, o resultado final foi disponibilizado sob o título Bionic; diferentemente de seu antecessor, a crítica especializada foi menos otimista quanto ao seu conteúdo, considerando-o "forte, mas apenas em partes", outros opinavam que a artista estava "se aproveitando" da alta do electropop no mercado fonográfico.[103][104] Comercialmente, não causou o mesmo impacto de seus últimos trabalhos; apesar de alcançar o topo no Reino Unido, teve o terceiro lugar como a sua melhor posição nos Estados Unidos.[105][106] Desde então, estima-se que tenha sido distribuída mais de 500 mil unidades em seu país de origem.[107] "Not Myself Tonight" e "You Lost Me" foram lançadas como meios de divulgação ao trabalho, mas não foram recebidas com entusiasmo por parte do público.[108]

No final do ano, Aguilera fez sua estreia nos cinemas com Burlesque; apesar de ser elogiada por sua atuação, examinadores profissionais consideraram o roteiro do longa-metragem como "exagerado" e "clichê".[109][110] No entanto, durante o Globo de Ouro de 2011, a obra recebeu uma indicação na categoria de Melhor Filme de Comédia ou Musical.[111] Em sua atuação nas bilheterias, arrecadou cerca de 90 milhões de dólares ao redor do mundo, sendo que 39 milhões foram obtidas apenas em salas de cinema da América do Norte.[112] Em conjunto com Cher, disponibilizou a trilha sonora da película, pela qual recebeu também uma nomeação ao Globo de Ouro de Melhor Canção Original em decorrência de seu desempenho na faixa "Bound to You".[111] Além disso, o projeto foi responsável por distribuir cerca de 780 mil exemplares nos Estados Unidos, vindo a ser o terceiro mais comercializado do gênero no país em 2011.[113][114] No ano seguinte, durante a 54ª edição do Grammy Awards, foi escolhida como uma das concorrentes à estatueta na categoria de Melhor Trilha Sonora para Mídia Visual.[115]

Em fevereiro de 2011, durante uma apresentação no Super Bowl XLV, Aguilera recebeu atenção da mídia internacional quando esqueceu algumas frases do hino nacional dos Estados Unidos.[116] Posteriormente, foi noticiado que havia assinado um contrato com a National Broadcasting Company (NBC) para integrar o quadro de mentores do programa de competição The Voice.[117] No meio do ano, atuou como artista convidada no tema "Moves Like Jagger", uma parceria com Maroon 5, pela qual retornou ao topo das paradas musicais, incluindo a Billboard Hot 100.[118] Após comercializar cerca de 14.4 milhões de unidades, foi reconhecida como uma das canções mais vendidas digitalmente no mundo.[119] No mesmo período, assinou seu divórcio de Jordan Bratman e começou a se relacionar com o produtor Matthew Rutler.[9] No ano seguinte, a intérprete anunciou que a divulgação de seu sétimo registro abordaria problemas pessoais enfrentados por ela nos últimos anos.[120] Em novembro de 2012, Lotus chegou às lojas de discos; vindo a ser o seu trabalho pior avaliado pela crítica, a Entertainment Weekly desaprovou sua "produção digitalmente sufocante que esgota toda a emoção de seus vocais".[121] Causando pouco impacto nas tabelas musicais, acabou por receber o disco de ouro pela Recording Industry Association of America (RIAA).[93]

Parcerias e retorno aos palcos (2013–presente)[editar | editar código-fonte]

Aguilera durante uma das apresentações da The X Tour, em Londres, em 2019

Em 2013, Aguilera retornou ao quadro de mentores na quinta temporada de The Voice, onde foi noticiado que receberia cerca de 12 milhões mensais.[122] Durante o mesmo período, colaborou com os artistas Pitbull e A Great Big World para os temas "Feel This Moment" e "Say Something", respectivamente, com ambas atraindo um bom desempenho em termos comerciais.[123] Com esta última, a vocalista chegou à ocupar o quarto lugar da Billboard Hot 100, sua melhor posição em território norte-americano desde 2011;[124] além disso, foi responsável por distribuir mais de 6 milhões de unidades em apenas um ano de divulgação, posicionando-se entre as mais vendidas digitalmente no mundo.[125] Durante a 57.ª cerimônia do Grammy Awards, recebeu ainda o prêmio de Melhor Performance de Pop em Dueto ou Grupo.[126] No ano seguinte, Aguilera ficou noiva de Matthew Rutler e deu à luz sua segunda filha, Summer Rain.[127] Seus esforços seguintes foram como atriz coadjuvante na terceira temporada de Nashville (2015), além de papéis menores nos filmes Zoe e Life of the Party (ambos de 2018).[128][129]

No início de 2018, a intérprete avisou que divulgaria seu próximo disco, além de iniciar o planejamento de um próximo material gravado em espanhol.[130] Em 15 de junho, disponibilizou Liberation, posteriormente seu trabalho melhor avaliado pela crítica; Patrick Ryan, profissional do USA Today, o descreveu como um "álbum de retorno satisfatória que [a] reafirma como uma pioneira da música popular que não tem medo de se reinventar", enquanto a revista Rolling Stone considerou que a artista "encontrava-se em seu auge artístico".[131][132] Por outro lado, tornou-se seu pior desempenho comercial nos Estados Unidos, distribuindo pouco mais de 100 mil unidades no país, além de fazer sua estreia na sexta colocação da Billboard 200.[113][133] "Accelerate" e "Fall in Line" foram as faixas usadas para a promoção do registro, mas não foram bem-sucedidas no âmbito comercial.[134] Durante a 61ª edição do Grammy Awards, a vocalista foi escolhida como concorrente nas categorias de Melhor Performance de Pop em Dueto ou Grupo (pelo tema "Fall in Line") e Melhor Performance de Rap Cantado (pelo tema "Like I Do").[135]

Após uma década longe dos palcos, Aguilera planejou seu retorno em uma série de concertos promovida pela The Liberation Tour (2018); no ano seguinte, visitou países da Europa através da The X Tour (2019).[136][137] De forma paralela, estreou em seu primeiro concerto de residência, nomeado Christina Aguilera: The Xperience, localizado no Planet Hollywood Resort and Casino, em Las Vegas.[138] Após atrair uma bilheteria superior à 10 milhões de dólares, o espetáculo foi estendido até novembro de 2020, mas cancelado em razão à pandemia de COVID-19.[139][140] Desde então, colaborou para as trilhas sonoras de The Addams Family (2019) e Mulan (2020).[141]

Outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Fora de sua atuação na indústria fonográfica, Aguilera tem trabalhado em outros empreendimentos. Em 2016, após a fundação de sua própria produtora, MX Productions, assinou contrato com a companhia Lions Gate Entertainment para desenvolver um programa de competição musical destinado à Spike TV.[142] No mesmo ano, começou a atuar como investidora da plataforma MasterClass.[143] Além disso, a intérprete atua com a comercialização de produtos próprios; em 2011, divulgou sua primeira linha de roupas através da São Paulo Fashion Week sendo, posteriormente, disponibilizada por estabelecimentos da C&A.[144] Em 2004, deu início à sua linha de perfumes através da Procter & Gamble (P&G);[145] com lançamentos anuais, suas fragrâncias se posicionaram entre as mais vendidas do Reino Unido entre 2007 e 2009.[146][147] Aguilera também esteve envolvida em uma série de iniciativas de marketing. Além de estrelar como garota-propaganda para marcas como Coca-Cola (2001),[148] Versace (2003),[149] Mercedes-Benz (2004),[150] Pepsi (2006)[151] e Oreo (2017),[152] recebeu, em 2008, cerca de 1.5 milhões de dólares para divulgar a primeira foto de seu filho recém-nascido para a revista People, tornando-se a nona fotografia de celebridade mais cara da história.[153] Reconhecida como uma das artistas femininas mais ricas do entretenimento, estima-se que sua fortuna ultrapasse os 160 milhões de dólares;[154] em 2007, apareceu pela primeira vez na lista anual da Forbes com um patrimônio avaliado em 60 milhões de dólares.[155]

Filantropia[editar | editar código-fonte]

Aguilera durante um evento beneficente promovido pela Montblanc, em 2010

Aguilera tem feito trabalhos filantrópicos durante sua carreira. Em 2001, ela assinou uma carta aberta organizada pelo People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) em direção à Coreia do Sul, apelando para que os governantes proíbam o consumo de cachorros e gatos.[156][157] Em 2006, a cantora substituiu uma peça de autoria de Roberto Cavalli de seu figurino presente na Back to Basics Tour depois que descobriu que ele havia utilizado pele de raposa em sua composição.[158] Em 2010, a intérprete leiloou ingressos para seus concertos através da Christie's, destinando os rendimentos para grupos ambientais sem fins lucrativos, entre eles o Conservação Internacional e o Conselho de Defesa dos Recursos Naturais.[159] Aguilera também trabalhou na conscientização ao HIV/AIDS; em 2004, foi rosto para uma linha de maquiagens da MAC Cosmetics cujos lucros foram destinados no combate ao vírus.[160] No ano seguinte, participou de um livro de fotografias destinado à levantar fundos para a Elton John AIDS Foundation,[161] além de participar de uma campanha organizada pelo YouthAIDS.[162]

Em 2003, enquanto visitava a cidade de Pittsburgh, na Pensilvânia, Aguilera doou cerca de 200 mil dólares para um centro de acolhimento e suporte para vítimas de violência doméstica;[163] da mesma forma, em 2019, doou parte dos lucros de seu concerto de residência, Christina Aguilera: The Xperience, para uma organização situada em Las Vegas, Nevada.[164] Além disso, gravou comerciais para o canal Lifetime pedindo o fim da violência contra a mulher.[165] Seu empenho na causa fez com que fosse premiada pela fundação The Shade Tree.[166] Em 2004, a intérprete também esteve envolvida com instituições que trabalham na luta contra o câncer de mama.[167] No ano seguinte, colaborou com um evento de gala para arrecadar fundos à instituições de suporte à crianças na África do Sul, entre elas, uma organização de Nelson Mandela.[168] Em 2008, participou da versão turca do programa Deal or No Deal, onde ganhou 180 mil liras — valor convertido em doações para orfanatos do país.[169] Em 2010, participou de um evento que promovia o acesso de crianças à educação musical em uma iniciativa da Montblanc.[170]

Em 2005, Aguilera converteu seus presentes de casamento em dinheiro e doou para instituições de caridade que estavam ajudando famílias atingidas pelo Furacão Katrina.[171] Da mesma forma, em 2012, em decorrência do desastre causado pelo Furacão Sandy, participou de um especial organizado na National Broadcasting Company (NBC), onde interpretou a faixa "Beautiful" (2002) e pediu doações para a Cruz Vermelha Americana.[172] Em resposta ao Terremoto no Haiti em 2010, a artista leiloou um automóvel Chrysler 300 e destinou o dinheiro arrecadado para auxiliar vítimas do desastre.[173] Em parceria com outros artistas, participou ainda da maratona de doações Hope for Haiti Now, transmitido pela Columbia Broadcasting System (CBS), que distribuía lucros para as fundações Oxfam e Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).[174][175] Em 2009, tornou-se porta-voz do Programa Alimentar Mundial, filial da Organização das Nações Unidas (ONU).[176] Através do programa, viajou para diversos países com altos índices de desnutrição, como Guatemala, Equador e Ruanda.[177] Desde então, estima-se que tenha ajudado a levantar mais de 148 milhões de dólares para a organização.[178] Em 2012, sua atuação no projeto fez com que fosse condecorada na Casa Branca por Hillary Clinton, até então atuando como Secretária de Estado.[179]

Características[editar | editar código-fonte]

Habilidade vocal[editar | editar código-fonte]

Profissionais definem o tipo vocal de Aguilera como soprano,[11][180] apresentando uma extensão vocal de quatro oitavas (de 3 à Dó♯7),[181][182] além de ser capaz de executar o registro de apito.[183] Após divulgar seu primeiro material, Ron Fair — executivo da RCA Records — afirmou apostar na cantora devido à sua "incrível entonação", considerando que ela possuía "poder vocal para se tornar a próxima Barbra Streisand ou Céline Dion".[15] Em um artigo para a revista Slate, Maura Johnston considerou que embora a intérprete atue dentro da música popular contemporânea, ela dispõe de "um instrumento que, apesar de sua capacidade de pular oitavas, tem uma base grave semelhante àquela possuída por cantores de ópera".[184] Destacando sua versatilidade vocal, o jornal The Boston Globe opinou que a artista é "uma verdadeira cantora [...] abençoada vocalmente com uma elasticidade deslumbrante, notas preciosas e poder puro que separam as divas de amadoras".[185] Além disso, Aguilera é reconhecida por fazer uso da melisma em suas canções e apresentações; Jon Pareles, jornalista do The New York Times, observou seu empenho na modalidade, enfatizando que ela "consegue atingir notas tão rapidamente quanto um míssil e transformar seu alcance em uma espiral acrobática de melismas saltitantes, trêmulas e escalonadas".[186] De acordo com críticos da Rolling Stone, a artista modelou sua "técnica dramática e melismática" acompanhando e replicando a extensão vocal de Etta James.[187]

Em "You Lost Me", Aguilera interpreta linhas da canção fazendo uso da técnica melismática,[188] uma de suas principais distinções como vocalista na música popular.[189] Além disso, essa forma de cantar tem sido um dos motivos na qual especialistas comparam sua habilidade vocal com as de Whitney Houston e Mariah Carey.[190]


Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Além disso, sua habilidade vocal rendeu, ao longo de sua carreira, comparações com outras vocalistas. Em decorrência de sua técnica melismática, David Browne lhe associou à Whitney Houston e Mariah Carey, opinando que as três formam o time das "principais proponentes desta modalidade vocal".[190] Compartilhando da mesma opinião, Sasha Frere-Jones, colunista do The New Yorker, expressou que a técnica era a responsável por torná-la uma "cantora séria" sem precisar "reencarnar a Sarah Vaughan".[191] Steve Kipner — compositor responsável por "Genie in a Bottle" (1999) — considerou que Aguilera detém uma destreza vocal "impressionante", capaz de "internalizar notas [realizadas] por Chaka Khan".[15] Ann Powers, especialista do Los Angeles Times, avaliou que a artista "possuí uma voz potente como a Etta James [...] movendo-a em direção à expressividade [possuída] por Gladys Knight e, até mesmo, Aretha Franklin"; no entanto, a autora observa que sua habilidade vocal em canções de balada apresentam "tendências que a aproximam de Barbra Streisand", além de compará-la à Donna Summer quando atuando em temas influenciados pelo rhythm and blues.[192]

Por outro lado, Aguilera também tem sido criticada pelo uso excessivo da melisma, bem como por "exagerar ao cantar" em suas canções e apresentações.[193][194] Escrevendo para o The Huffington Post, John Eskow afirma que a artista é a principal proponente do "exagero" e, apesar de reconhecer que ela possua um "grande instrumento", opinou que ela "parece não saber a hora de parar" com o seu uso "gratuito e confeccionado da melisma".[195] Lucy Davies, autora da BBC Music, reconhece que a artista dispõe de uma "voz impressionante", mas indicou que ela "poderia ser mais variada em termos vocais, eliminando principalmente a quantidade de 'oh' e 'yeah' em suas canções".[196] Durante a sessão de gravação do tema "Beautiful" (2002), Linda Perry recordou que a cantora apresentava dificuldade em abaixar o tom de sua voz, aconselhando-a que evitasse o que chama de "improvisações vocais", parando a gravação todas as vezes em que a intérprete começava a "exagerar com seus vocais".[197] Durante um artigo desenvolvido para a revista Entertainment Weekly, Chris Willman opinou que a tendência da vocalista em "exagerar" é fruto da influência que Carey exerceu sobre sua habilidade vocal durante a juventude, destacando que "seu tom ligeiramente anasalado se torna óbvio quando ela começa a exagerar [com] o alcance de seus vocais".[198]

Influências[editar | editar código-fonte]

De acordo com Pier Dominguez, a violência doméstica que Aguilera sofreu durante a infância impactou diretamente na sua personalidade em formação.[199] No entanto, o autor afirma que, diferente de outras crianças que testemunham a violência em casa, a cantora não demonstrava sentimentos de culpa, distúrbio emocional ou um comportamento agressivo com as pessoas; pelo contrário, ela criou um "mecanismo de defesa interna".[11][200] Por outro lado, Chloé Govan afirma que o fato de ter sido vítima de bullying na escola a tornou uma pessoa introvertida e insegura.[201] O papel de sua mãe foi crucial para mudar esse cenário, com quem afirma ter aprendido "lições sobre autorrespeito".[202] De fato, diversos críticos concordam que o aprendizado exerceu forte influência sobre o comportamento de Aguilera na transição para a idade adulta e, principalmente, em seus primeiros sucessos na música, "Genie in a Bottle" e "What a Girl Wants" (ambos de 1999), que trazem como referência o empoderamento feminino.[32][202]

Aguilera citou Whitney Houston (esquerda) e Etta James (direita) como algumas de suas principais influências.

Aguilera declara que sua maior influência na música foi Etta James: "[Ela] é minha cantora favorita de todos os tempos [...] Ainda serei tão atrevida quanto eu desejo ser e terei a [sua] memória para poder me apoiar. Ela é o que eu quero ser algum dia".[203] Além disso, destacou o musical The Sound of Music (1951), bem como sua atriz principal, Julie Andrews, como uma de suas primeiras referências para cantar e se apresentar.[204] Outras de suas maiores influências incluem Whitney Houston,[15] Mariah Carey,[205] Michael Jackson,[206] Pearl Bailey[207] e a banda Red Hot Chili Peppers.[208] Durante sua infância, relembra que começou a cantar suas primeiras músicas em espanhol como influência de seus pais que ouviam constantemente obras de Julio Iglesias.[209]

Em reconhecimento à sua admiração ao que ela descreve como "mulheres fortes", a vocalista menciona Madonna e Janet Jackson como outras de suas inspirações; durante entrevista ao Jam!, descreveu sua admiração por ambas por "dominarem o palco, o estúdio e as telas e serem bem-sucedidas nos três, mantendo suas forças como artistas femininas que não possuem medo de correrem riscos, serem ousadas e experimentais".[210] Aguilera também destacou o incentivo na sua carreira exercido por Cher, recordando que a viu pela primeira vez no vídeo musical de "If I Could Turn Back Time" (1989), descrevendo-o como um "momento crucial" que a influenciou como "uma mulher forte [que] estava lá e fez tudo antes de qualquer um – que possuía coragem para fazer tudo".[211][212] Além disso, nomeou Billie Holiday e Ella Fitzgerald como algumas de suas maiores influências para testar sua habilidade vocal durante a juventude.[213][214]

Algumas de suas inspirações foram retratadas em sua obra artística; no processo de desenvolvimento do projeto Back to Basics (2006), a vocalista revelou incentivar-se por trabalhos divulgados por Marvin Gaye, Aretha Franklin, Nina Simone e Otis Redding.[215][216] Durante o vídeo musical para "Tilt Ya Head Back" (2004), desempenhou um papel simulando Marilyn Monroe;[217] para o musical Burlesque (2010), voltou a fazer referências à atriz quando regravou uma de suas principais canções, "Diamonds Are a Girl's Best Friend", presente no filme Gentlemen Prefer Blondes (1953).[218] No trabalho audiovisual de "Candyman" (2007), Aguilera executou três papéis distintos como uma alusão à interpretação do tema "Boogie Woogie Bugle Boy" pelo grupo The Andrews Sisters, quando realizaram uma uma breve aparição no longa-metragem Buck Privates (1941).[219] Fora da indústria fonográfica, detém influências no mundo da arte, declarando ser uma apreciadora de obras de Andy Warhol, Roy Lichtenstein e Banksy.[99][220]

Estilos musicais e temas[editar | editar código-fonte]

"Elastic Love" é uma obra que incorpora o electropop,[221] com elementos da música eletrônica e o new wave dos anos 1980s.[222]


Em "Like I Do", uma parceria com GoldLink, Aguilera flerta com o hip-hop misturado com instrumentos de sopro e sintetizadores eletrônicos ao fundo.[223][224]


Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

Geralmente referida como uma artista de música popular,[225] Aguilera experimentou diversos gêneros musicais ao longo de sua carreira.[226] Ela explica que sempre tenta trazer algo novo em seus projetos e "testar" com sua voz porque costuma entediar-se facilmente ao repetir suas inspirações.[227] Alexis Petridis, jornalista do The Guardian, reconheceu que a "ousadia em se reinventar" em cada um de seus trabalhos "sempre foi uma de suas facetas mais impressionantes".[228] Em seu álbum de estreia (1999), suas canções foram produzidas no estilo de teen pop, influenciado diretamente pelo dance-pop;[39] direção semelhante foi adotada em Mi Reflejo (2000), trabalho que destacava ainda seu incentivo pela música latina.[229] Almejando crescimento artístico e uma maior diversidade musical, a vocalista colaborou com uma gama de ritmos para Stripped (2002), incluindo R&B, hip-hop, rock e soul.[230] Em avaliação para a Entertainment Weekly, Owen Gleiberman gratificou a obra por "distanciá-la de outras estrelas da música popular".[231]

Para completar Back to Basics (2006), Aguilera misturou sua sonoridade popular com gêneros presentes em meados do século XX, como o jazz, blues e funk.[232][233] Stephen Thomas Erlewine, profissional do AllMusic, descreveu o projeto como "uma declaração artística [...] um pouco egocêntrica, mas também cativante, emocionante e única",[234] enquanto outros profissionais consideraram que a intérprete havia "se encontrado artisticamente".[235] Durante a trilha sonora de Burlesque (2010), ela reutilizou uma sonoridade semelhante ao seu registro anterior,[236] pelo qual críticos compararam seu conteúdo ao materiais presentes nos filmes Cabaret (1972) e Moulin Rouge! (2001).[237][238] No repertório de Bionic, descrito por avaliadores como um disco de futurepop com elementos do electro,[239] a artista trabalhou com produtores especializados em música eletrônica.[240] Sam Lansky, editor da MTV, descreveu-o como "precocemente brilhante", opinando que seu conteúdo era "inovador e intemporal [...] com uma produção subversiva e ambiental".[241] Direção semelhante foi adotada em Lotus (2012), material que combina o electropop à outros gêneros;[242] no entanto, em Liberation (2018), contribuiu com Kanye West e Anderson Paak, criando um álbum inspirado pelo R&B e hip-hop, estilos que havia incluído em seus projetos anteriores de forma menos ampla.[243]

Em relação aos temas de suas obras, Aguilera destacou que ela sente um grande "senso de responsabilidade" em fazer alusões à algumas partes de sua vida pessoal para que as pessoas "possam se identificar e não se sintam sozinhas em determinadas circunstâncias".[244] Na maioria de suas canções, o amor esteve presente entre os assuntos abordados, bem como a maternidade, o casamento e a infidelidade.[215][245] Por outro lado, também compôs faixas que tratavam do oposto, como violência doméstica e relacionamento abusivo.[246][247] Seu comportamento com o sexo também ocupa uma parte de seu repertório;[248][249] em entrevista à People, a intérprete explicou: Se eu quiser ser sexual é para a minha própria apreciação e prazer. É por isso que eu gosto de falar sobre o fato de que me sinto atraída por mulheres. Eu aprecio a feminilidade e a beleza".[250] Reconhecida por incluir o feminismo em seu repertório,[251] ela denunciou o padrão duplo de julgamento pela primeira vez em "Can't Hold Us Down" (2002), afirmando que "enquanto homens são aplaudidos por seus comportamentos sexuais, mulheres são marginalizadas por agirem da mesma forma".[252] Hermione Hoby, autora do The Guardian, gratificou a artista por "incitar um espírito de colaboração entre as mulheres [...] não se intimidando por suas declarações feministas.[253]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

Aguilera tem reinventado sua imagem pública inúmeras vezes ao longo de sua vida artística.[254][255] No início da carreira, foi comercializada como uma cantora de bubblegum pop devido ao alto retorno financeiro do gênero no final da década de 1990,[11] tornando-se ídolo entre o público adolescente.[256] Por outro lado, foi acusada de cultivar uma imagem sexual, atraindo críticas em relação às suas roupas reveladoras;[257] em uma entrevista à MTV News, Debbie Gibson acusou a intérprete de "influenciar garotas [a] vestirem cada vez menos", considerando que "ela vive e respira um imagem sexual".[258] Em respostas aos comentários negativos, Aguilera afirmou: "Só porque tenho uma certa imagem, todos querem que eu sirva de modelo. Mas ninguém é perfeito e ninguém pode viver como se fosse".[259] Além disso, durante seus primeiros anos, passou a receber comparações com Britney Spears.[13][260] David Browne, autor da Entertainment Weekly, notou que a vocalista "parecia agir como uma garota boa tentando ser má" quando comparada à música e imagem de Spears.[261] Em contrapartida, a revista Time a considerou uma artista mais impressionante do que Britney.[44] Megan Turner, jornalista do New York Post, comparou a "batalha" entre ambas artistas na mídia com a ocorrida anteriormente entre The Beatles e The Rolling Stones; no entanto, destacou a diferença entre elas, observando que "enquanto Britney era sexualmente atraente [...] Aguilera possuía charme e um maior apelo juvenil".[262]

Estátua de Aguilera no Museu Madame Tussauds, localizado em Londres.

Em 2002, Aguilera introduziu seu alter ego Xtina, pelo qual adotou visuais cada vez mais provocantes e extravagantes.[263] Durante o mesmo período, ela pintou seus cabelos de preto, aderiu a piercings pelo corpo e fotografou nua para diversas publicações.[54] Ao analisarem sua nova aparência, os periódicos Vice e Rolling Stone escreveram que suas novas roupas ecoavam como se ela estivesse participando de Girls Gone Wild.[264][265] Em resposta às novas críticas, a artista reforçou sua nova direção visual se vestindo como freira e, durante uma apresentação de "Dirrty" (2002), despiu-se para revelar o que usaria por baixo enquanto serviria como apresentadora do MTV Europe Music Awards de 2003.[74] De forma mais positiva, Stephen Thomas Erlewine do AllMusic observou que a intérprete "alcançou a maturidade [pessoal] com uma sexualidade transparente e batidas fortes de clubes noturnos".[266] Além disso, durante uma matéria para o The Daily Telegraph, Adam White descreveu que sua "adoção de uma imagem abertamente sexual após um estrelato adolescente foi uma rota testada e comprovada para o sucesso adulto".[267]

Sob a personalidade Baby Jane — uma referência ao filme What Ever Happened to Baby Jane? (1962) — Aguilera voltou a transformar sua imagem pública em 2006;[268] aderindo ao loiro platinado em seus cabelos, ela passou a se vestir inspirada por atrizes da Velha Hollywood.[269] Em 2010, sua nova aparência recebeu destaque na mídia internacional por comparações com a usada por Lady Gaga.[270][271] Após ganhar peso em 2012, ela foi alvo de críticas por diversas revistas;[272] por outro lado, no ano seguinte, foi bem recebida após aparecer significativamente mais magra.[273] Durante um ensaio para a Paper, na edição de março de 2018, apareceu livre de maquiagem ou qualquer manipulação fotográfica, atraindo atenção para artistas que posariam da mesma forma em suas redes sociais.[274]

Ao longo de sua carreira, Aguilera foi referida como um símbolo sexual.[191][226] Através do canal VH1, seu nome foi incluído na lista dos artistas mais sensuais do entretenimento em 2002 e 2013;[275][276] mediante publicações da FHM e Complex, recebeu honrarias semelhantes.[277][278] Através da Maxim, foi escolhida como a mulher mais sensual de 2003, ao mesmo tempo em que estampou a capa da edição mais vendida da história da revista.[279] Além disso, em emissões da People, foi citada como uma das pessoas mais bonitas do mundo em 2003 e 2007.[280][281] Seu senso de moda também atraiu atenção da mídia ao longo de sua vida artística; Jon Caramanica, jornalista do The New York Times, concluiu que "Aguilera sempre será lembrada por sua elegância [e] sua escandalosa imagem na música popular feminina".[282] Reconhecida através da Vogue, Janelle Okwodu observou que a intérprete "nunca teve medo de correr riscos na moda [...] ao longo de seus vinte anos de carreira, ela encheu seus videoclipes com estilos de cair o queixo e roupas ousadas ao desfilar nas passarelas".[283] Em 2018, seguida por sua aparição em eventos da New York Fashion Week, a vocalista foi reconhecida como uma das pessoas mais estilosas do ano através da Dazed.[284] Com sua presença nas redes sociais, ocupa lugar entre os músicos de maior popularidade no Twitter,[285] onde acumula cerca de 17 milhões de seguidores.[286] Além disso, em 2010, tornou-se uma das mulheres mais pesquisadas através da ferramenta de busca do Google.[287]

Legado e impacto[editar | editar código-fonte]

O legado de Aguilera para a indústria do entretenimento tem sido objeto de análise pela crítica especializada. Publicações a consideram uma das artistas mais importantes da década de 2000,[182][288] bem como uma das maiores a atingirem a música popular contemporânea, tornando-se um ícone pop.[289][290] Em 2004, foi escolhida como uma das artistas de maior influência na indústria fonográfica através do jornal The Independent;[291] da mesma forma, listou-se entre as dez mulheres mais importantes da música pelo VH1.[292] No início de sua carreira, cultivou popularidade como um ídolo adolescente;[256][293] além de ser reconhecida como uma das responsáveis pelo renascimento do teen pop no final da década de 1990,[39] a revista Time noticiou que ela foi "pioneira de um tipo diferente de estrelado adolescente", creditando sua capacidade vocal como a responsável pelo fenômeno.[44] Desde então, foi gratificada como uma das maiores vocalistas da música popular; pela MTV, configurou-se como uma das melhores vozes surgidas desde a década de 1980,[294] enquanto através dos periódicos Rolling Stone e Latina foi honrada como uma das maiores vocalistas de todos os tempos.[187][295] Graças à sua habilidade vocal e influência no mercado da música, passou a ser referida na mídia internacional com os títulos de "Princesa do Pop" e "Voz da Geração".[246][296][297][298]

Em 2010, Aguilera foi honrada com a estrela que imortalizou seu nome na Calçada da Fama, localizada em Hollywood

Com a divulgação de seus primeiros trabalhos, Aguilera foi mencionada entre os artistas que moldaram a chamada "Explosão Latina";[n 2][301] no mesmo período, o sucesso de sua fórmula como artista inspirou o surgimento de novas intérpretes de música popular que combinavam apelo juvenil e habilidade vocal, incluindo Jessica Simpson e Mandy Moore.[302][303] Desta forma, passou a ser classificada como uma das principais influências da Geração Millennials;[304] através da revista Vice, Wanna Thompson relembrou que "enquanto Christina Aguilera e Britney Spears dominavam as principais discussões sobre cultura popular [...] suas músicas e visuais perfeitamente embalados atraíam adolescentes que queriam ser como [elas]".[305] Críticos também confirmam o impacto de sua obra artística na cultura popular; em 2007, seu álbum de estreia (1999) foi adicionado à lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame em "reconhecimento aos mais populares e influentes trabalhos divulgados na história da música".[306] Além disso, seus projetos têm servido de inspiração para diversos artistas, incluindo Lady Gaga,[307] Demi Lovato,[308] Ariana Grande,[66] Kelly Clarkson,[187] Miley Cyrus,[309] Selena Gomez[310] e Dua Lipa.[311]

Aguilera também é reverenciada por sua importância para o feminismo dentro da música popular; críticos concordam que a artista usou uma imagem sexual no início do século XXI para catalisar o público a discursar sobre o assunto.[264][312] Gerrick Kennedy, autor do Los Angeles Times, descreveu sobre esse fenômeno: "Para uma geração que atingiu a puberdade durante a explosão da cultura popular na década de 2000, Aguilera era uma voz essencial com músicas que abordavam o autoempoderamento, o feminismo, o sexo e a violência doméstica — assuntos que seus contemporâneos estavam se esquivando".[225] De acordo com o The Hampton Institute, após o impacto exercido pela intérprete com o lançamento de Stripped (2002), "artistas como [Britney] Spears e Beyoncé se tornaram mais confortáveis em expressarem suas formas de sexualidade e já não sentiam a necessidade em vender uma imagem inocente".[313] Escrevendo para o The Huffington Post, Lamar Dawson elogiou os esforços feministas da vocalista dentro da indústria fonográfica, notando que "apesar de não ser a primeira estrela da música a espalhar o feminismo, ela liderou como uma influência do século XXI na então próxima geração de adolescentes que eram muito jovens para os currículos de Janet [Jackson] e Madonna".[314]

Seu impacto dentro dos vídeos musicais também foi observado por profissionais. Ao passo em que "Dirrty" (2002) foi descrito como "um dos vídeos mais controversos na narrativa da música popular",[315][267] a Billboard apontou o trabalho como "uma das mais explosivas mudanças de imagem na história",[316] considerando que "quase duas décadas depois, o risco tomado por Aguilera na obra tem servido de inspiração para jovens cantoras [...] para que controlem sua imagem e suas próprias sexualidades".[315] Além disso, o destaque para um beijo homossexual no vídeo musical de "Beautiful" foi descrito como um dos momentos mais importantes para a história da cultura LGBT,[317][318] estabelecendo sua imagem como ídolo gay.[319] Desde então, foi posicionada como uma das artistas femininas mais importantes para o avanço da era dos videoclipes através do VH1.[320] Em 2012, sua coleção de vídeos e as roupas utilizadas ao longo de sua carreira fizeram parte de uma exposição no Museu Nacional das Mulheres nas Artes, destinada à "ilustrar os papéis essenciais que as mulheres exerceram na cultura americana".[321] Jon Caramanica, jornalista do The New York Times, também destacou suas contribuições para a televisão norte-americana, observando que um elevado número de artistas assinaram contrato com redes televisivas após sua participação no The Voice.[282]

Conquistas[editar | editar código-fonte]

Aguilera durante o evento de premiação do MTV Video Music Awards de 2006.

Ao longo de sua carreira, Aguilera acumulou diversos prêmios e reconhecimentos. Aos dezenove anos, venceu o Grammy Award de Artista Revelação, sendo reconhecida através da The Recording Academy como uma das pessoas mais jovens a receber tal honraria — através da mesma premiação, recebeu outras quatro estatuetas.[322][323] Além disso, foi vencedora de um Grammy Latino, dois MTV Video Music Awards e possuí um feito reconhecido pelo Guinness World Records.[324][325][326] Em 2010, foi imortalizada na Calçada da Fama de Hollywood em "honra às suas contribuições para a indústria fonográfica";[327] do mesmo modo, em 2019, teve seu nome imortalizado como uma Lenda da Disney em "agradecimento às suas notáveis contribuições para a história da Walt Disney Company".[328] Em 2013, a intérprete fez parte de uma lista anual organizada pela revista Time, onde foi reconhecida como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo.[329]

Aguilera é uma recordista de vendas no mundo, tendo distribuído cerca de 75 milhões de unidades com seus trabalhos.[330][331] Nos Estados Unidos, as vendas de seus discos superam os 18.3 milhões de exemplares, de acordo com a Nielsen Soundscan;[113] 8 milhões referem-se à seu álbum de estreia, presente na lista dos mais vendidos no país, elaborada pela Recording Industry Association of America (RIAA).[332] Em relação às suas vendas no âmbito digital, estimam-se que foram distribuídas cerca de 21,4 milhões de canções em território norte-americano até 2014.[92] No Reino Unido, as vendas de seus projetos ultrapassam a marca de 9,4 milhões de unidades; em distribuição de canções, foram mais de 6,1 milhões de cópias, bem como 3,3 milhões de discos comercializadas em território britânico até 2013.[333] Conforme levantamento organizado pela The Official Charts Company (OCC), seu quarto registro é um dos poucos a superar os 2 milhões de exemplares vendidos,[59] sendo o material divulgado por uma artista norte-americana mais bem-sucedido da década de 2000, bem como um recordista de vendas do milênio no país.[68]

Através da revista Billboard, Aguilera foi apontada como uma das maiores artistas da década de 2000,[334] bem como a intérprete feminina com mais vendas acumuladas no ano de 2000 e 2003;[335][336] além disso, é a segunda vocalista que mais vendeu faixas nos Estados Unidos entre os anos de 2000 e 2009.[337] Através da mesma publicação, foi confirmada como uma das profissionais mais bem-sucedidas nas paradas musicais da Pop Songs e Hot Dance Club Songs;[338][339] em sua atuação dentro da Billboard Hot 100, é uma das quatro cantoras a colocar canções na liderança da tabela em três décadas distintas, nomeadamente em 1990s, 2000s e 2010s.[340] Em 2020, foi reconhecida pela Pollstar como uma das artistas femininas mais rentáveis na indústria dos concertos; de acordo com a publicação, ela vendeu mais de 1.8 milhões de ingressos para suas apresentações ao longo da carreira, com uma arrecadação superior à 113,8 milhões de dólares.[341] Em 2016, realizou seu concerto de maior público, atraindo cerca de 250 mil espectadores para o seu ato durante o Festival Mawazine, no Marrocos, tornando-se o recorde de audiência na história do evento.[342]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Christina Aguilera

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Filmografia de Christina Aguilera

Concertos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Turnês de Christina Aguilera

Turnês[editar | editar código-fonte]

Residências[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. "Mouseketeer" é uma expressão da língua inglesa utilizada para denominar atores mirins que trabalharam no programa The Mickey Mouse Club.[19]
  2. "Explosão Latina" é um termo criado na mídia para se referir ao período em que artistas de origem latina dominavam as paradas musicais, principalmente nos Estados Unidos.[299][300]

Referências

  1. Kevork Djansezian (15 de setembro de 2001). «Christina Aguilera: Biography» (em inglês). Time. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  2. Dominguez 2003, p. 1
  3. Dominguez 2003, p. 8
  4. Dominguez 2003, p. 2
  5. Sophfronia Scott Gregory (27 de setembro de 1999). «Uncorking the Genie» (em inglês). People. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  6. Luisita Lopez Torregrosa (6 de setembro de 1999). «At 18, Singer Seeks to Prove She's Not a One-Hit Wonder» (em inglês). The New York Times. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  7. Laurie Sandell (1 de dezembro de 2006). «Christina: Intimate Talk About a Past That Still Hurts» (em inglês). Glamour. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  8. Austin Scaggs (24 de agosto de 2006). «Christina Aguilera: Dirty Girl Cleans Up» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  9. a b c Sean Daly (16 de maio de 2011). «Saving Christina» (em inglês). New York Post. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  10. Dominguez 2003, p. 14–15
  11. a b c d e Elizabeth Day (23 de novembro de 2008). «Elizabeth Day Talks to Child Star, Singing Sensation and New Mother Christina Aguilera» (em inglês). The Guardian. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  12. Dominguez 2003, p. 15
  13. a b c Richard Harrington (13 de fevereiro de 2000). «Christina Aguilera's Fast Track» (em inglês). The Washington Post. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  14. Lorraine Ali (30 de julho de 2006). «Christina Aguilera Comes of Age» (em inglês). Newsweek. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  15. a b c d Alisa Valdes-Rodriguez (26 de julho de 1999). «Genie Behind 'Bottle'» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  16. Dominguez 2003, p. 17
  17. Mayer Nissim (3 de março de 2011). «Ten Things About... Christina Aguilera» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  18. Anthony Bozza (28 de outubro de 1999). «The Christina Aguilera Story (So Far)» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  19. Mark Oppenheimer (22 de novembro de 2013). «An Ex-Mouseketeer's Journey Back to Christianity From Paganism» (em inglês). The New York Times. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  20. a b Dominguez 2003, p. 21
  21. Michael Phillips (5 de novembro de 2007). «Making Mickey Proud» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  22. Dominguez 2003, p. 23, 31
  23. Dominguez 2003, p. 41–42
  24. Chris Willman (11 de outubro de 1999). «Christina Aguilera Talks About Topping the Charts» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  25. Dominguez 2003, p. 38, 51
  26. Dominguez 2003, p. 54
  27. Barry Walters (20 de agosto de 1999). «Christina Aguilera: Album Review» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  28. Ann Powers (20 de agosto de 1999). «Album of the Week» (em inglês). The New York Times. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  29. Christopher O'Connor (1 de setembro de 1999). «Christina Aguilera Tops Puff Daddy with #1 Album In U.S.» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  30. Leila Cobo (12 de agosto de 2000). «Aguilera Makes Spanish Debut On BMG U.S. Latin» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  31. BBC Staff (11 de outubro de 1999). «Christina's Mouse Magic» (em inglês). BBC News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  32. a b Mike Nied (31 de julho de 2017). «Retrospective: Christina Aguilera's 'Genie in a Bottle'» (em inglês). Idolator. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  33. Dominguez 2003, p. 71–72
  34. Larry Flick (24 de julho de 1999). «Aguilera's Expanding Beyond 'Genie'» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  35. Fred Bronson (28 de agosto de 1999). «Christina, Ricky, Jennifer Tie It Up» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  36. Don Jeffrey (22 de janeiro de 2000). «Best-Selling Records of 1999» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  37. Billboard Staff (29 de janeiro de 2000). «Christina Aguilera: Portrait of an Artist» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  38. Kim Novak (25 de junho de 2020). «Christina Aguilera Celebrates 20 Years Since Genie in a Bottle» (em inglês). Metro. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  39. a b c Chris Malone (24 de agosto de 2019). «Christina Aguilera's Debut Album Turns 20: All the Tracks Ranked» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  40. Craig McLean (7 de maio de 2010). «Christina Aguilera's 'Eye on the Prize'» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  41. Lewis Corner (22 de junho de 2016). «Christina Aguilera's 'Genie In A Bottle' is 17 Years Old, So Here Are 17 Cool Facts About Pop's Biggest Voice» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  42. Andy Greene (2 de dezembro de 2007). «Tom Petty & The Heartbreakers To Play Super Bowl Halftime Show» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  43. Craig Rosen (24 de fevereiro de 2000). «Christina Aguilera Wins 'Best New Artist'» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 11 de maio de 2020. Arquivado do original em 5 de agosto de 2008 
  44. a b c Christopher J. Farley (27 de fevereiro de 2000). «Christina Aguilera» (em inglês). Time. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  45. «Hispanic Heritage Month: Longest-Leading Top Latin Albums Chart No. 1s Ever» (em inglês). Billboard. 14 de outubro de 2019. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  46. J. Freedom du Lac (31 de agosto de 2007). «Rudy Perez's Two Romance Languages: Spanish, Music» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  47. Christina Saraceno (30 de outubro de 2001). «Christina Wins Latin Grammy» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  48. David Basham (27 de abril de 2000). «Christina Aguilera Announces Tour, Youth Programs» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  49. NME Staff (28 de março de 2001). «Coke Fiend Christina» (em inglês). NME. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  50. CNN Staff (3 de maio de 2002). «'O Brother', Keys, U2 Dominate Grammys» (em inglês). CNN. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  51. Elaine Rivera (15 de setembro de 2001). «Christina Aguilera: What a Woman Wants» (em inglês). Time. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  52. Elysa Gardner (24 de outubro de 2002). «Aguilera's Image Is 'Stripped'» (em inglês). USA Today. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  53. Jennifer Vineyard (30 de outubro de 2002). «Christina Stands Up for the Ladies, Discusses Father's Abuse» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  54. a b ABC Staff (6 de janeiro de 2006). «How Christina Aguilera Got 'Dirty'» (em inglês). ABC News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  55. Tanya L. Edwards (22 de outubro de 2002). «How Dirty is 'Dirrty'? X-Posing the Kinks in Xtina's Video» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  56. a b Nick Duerden (15 de novembro de 2003). «The Good, the Bad and the Dirrty» (em inglês). Blender. Consultado em 5 de agosto de 2020. Arquivado do original em 7 de agosto de 2009 
  57. Billboard Staff (21 de outubro de 2002). «New Aguilera Video Upsets Thais» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  58. Joe Dangelo (12 de outubro de 2002). «'Dirrty' Christina Aguilera Video Thai-Ed to Sex Industry» (em inglês). MTV News. Consultado em 13 de maio de 2020 
  59. a b Rob Copsey (23 de novembro de 2017). «Chart Flashback: Christina Aguilera Reinvents Herself with Dirrty at Number 1» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  60. a b Brian Hiatt (1 de novembro de 2002). «Rump Shaken» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  61. Betty Clarke (25 de outubro de 2002). «Christina Aguilera: Stripped» (em inglês). The Guardian. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  62. David Browne (1 de novembro de 2002). «Stripped: Review» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  63. Lamar Dawson (14 de dezembro de 2017). «5 Times Christina Aguilera Showed Up for the LGBTQ Community» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  64. Nekeska Mumbi Moody (9 de fevereiro de 2004). «Beyoncé and Luther Vandross Seize Top Grammy Honours» (em inglês). The Independent. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  65. Billboard Staff (27 de dezembro de 2003). «Year in Music: Hot 100 Singles & Tracks» (em inglês). Billboard. Consultado em 23 de outubro de 2020 
  66. a b Jeff Benjamin (29 de outubro de 2017). «How Christina Aguilera's 'Stripped' Album Is Influencing the Pop Scene 15 Years Later» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  67. 1 de dezembro de 2006. «Christina: Intimate Talk About a Past That Still Hurts» (em inglês). Glamour. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  68. a b Liv Moss (19 de março de 2015). «Official Biggest Selling Albums of the Millennium» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 5 de agosto de 2020. Arquivado do original em 19 de março de 2015 
  69. Peter Yang (29 de junho de 2006). «Scott Storch's Outrageous Fortune» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 13 de maio de 2020. Arquivado do original em 2 de setembro de 2006 
  70. Jancee Dunn (26 de junho de 2003). «Justin Timberlake and Christina Aguilera: Double Trouble» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  71. Jennifer Vineyard (11 de julho de 2006). «Two Years Later, Aguilera Fans Finally Getting Their Due» (em inglês). MTV News. Consultado em 13 de maio de 2020 
  72. Imogen Tilden (29 de agosto de 2003). «Madonna Sexes Up MTV Awards» (em inglês). The Guardian. Consultado em 13 de maio de 2020 
  73. Kelefa Sanneh (29 de agosto de 2003). «A Win for Missy Elliott at Music Video Awards» (em inglês). The New York Times. Consultado em 13 de maio de 2020 
  74. a b Auslan Cramb (7 de novembro de 2003). «X-Rated Christina Puts on a Dirrty Show for MTV» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 8 de maio de 2020 
  75. Eileen Finan (7 de novembro de 2003). «MTV Europe Awards Justify Timberlake» (em inglês). People. Consultado em 8 de maio de 2020 
  76. People Staff (18 de novembro de 2005). «Christina Aguilera Marries» (em inglês). People. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  77. People Staff (15 de fevereiro de 2005). «Christina Aguilera: Inside Her Life» (em inglês). People. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  78. Mike Diver (17 de agosto de 2006). «Xtina's Dead, Long Live Baby Jane» (em inglês). Drowned In Sound. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  79. Hello! Staff (20 de outubro de 2004). «Christina Turns Hollywood Pin-Up in Latest Shoot» (em inglês). Hello!. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  80. China Daily Staff (15 de julho de 2020). «Aguilera Goes Global» (em inglês). China Daily. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  81. Corey Moss (27 de abril de 2006). «Christina's New Split-Personality Album Is Mature and 'Dirrty'» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  82. Thomas Inskeep (31 de agosto de 2006). «Christina Aguilera: Back to Basics (Review)» (em inglês). Stylus Magazine. Consultado em 5 de agosto de 2020. Arquivado do original em 8 de outubro de 2012 
  83. Jack White (9 de abril de 2020). «Every Single That's Peaked at Number 2 on the Official Chart» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  84. Billboard Staff (6 de julho de 2006). «Furtado Remains No. 1 with 'Promiscuous'» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  85. Corey Moss (5 de junho de 2006). «Christina Makes Her Comeback Twice as Nice By Expanding Basics Into Double LP» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  86. Amanda Murray (27 de agosto de 2006). «Christina Aguilera - Back to Basics (Album Review)» (em inglês). Sputnikmusic. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  87. Katherine Barner (9 de agosto de 2016). «Christina Agulera's 'Back to Basics' Turns 10: Backtracking» (em inglês). Idolator. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  88. Stephen Thomas Erlewine (15 de agosto de 2006). «Christina Aguilera - Back to Basics (Review)» (em inglês). AllMusic. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  89. Billboard Staff (9 de setembro de 2006). «Hits of the World» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  90. Billboard Staff (23 de agosto de 2006). «Aguilera Takes No. 1 Amid All-New Top Five» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  91. Davis 2013, p. 496
  92. a b Gary Trust (1 de setembro de 2014). «Ask Billboard: Taylor Swift Out-'Shake's Mariah Carey» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  93. a b «Gold & Platinum» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  94. Erin Strecker (18 de dezembro de 2014). «Happy Birthday, Christina Aguilera: 5 Most Underrated Songs» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  95. Ray Waddell (13 de dezembro de 2007). «The Police Score Top-Grossing Tour of '07» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020. Arquivado do original em 7 de outubro de 2014 
  96. Ken Tucker (9 de junho de 2007). «Christina Aguilera: Back to Basics Tour» (em inglês). Billboard. Consultado em 13 de maio de 2020 
  97. Melanie Swan (25 de outubro de 2008). «Fans Thrilled But Not Happy with Sudden End to Show» (em inglês). The National. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  98. MTV Staff (13 de janeiro de 2008). «Christina Aguilera Gives Birth to a Baby Boy» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  99. a b Jocelyn Vena (10 de novembro de 2008). «Christina Aguilera Looks Back - And Forward - with New LP, Next LP» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  100. Jonathan Cohen (9 de outubro de 2008). «T.I. Breaks Own Record with Hot 100 Burst» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  101. Michael Fleming (23 de setembro de 2009). «Stanley Tucci Goes 'Burlesque'» (em inglês). Variety. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  102. Gaby Wood (1 de fevereiro de 2010). «Christina Aguilera Interview - Q&A» (em inglês). Marie Claire. Consultado em 5 de agosto de 2020. Arquivado do original em 14 de outubro de 2010 
  103. Kitty Empire (6 de junho de 2010). «Christina Aguilra: Bionic - Album Review» (em inglês). The Guardian. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  104. Alex Hawgood (5 de novembro de 2010). «Ke$ha and Katy Perry Sing for Gay Rights» (em inglês). The New York Times. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  105. Chris Mugan (17 de agosto de 2012). «Rock Bottom: Poor Sales Devalue Music's Number 1 Spot» (em inglês). The Independent. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  106. Keith Caulfield (16 de junho de 2010). «'Glee' Rises Past 'Twilight' to Top» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  107. Joey Guerra (29 de outubro de 2018). «In Defense of 'Bionic', Christina Aguilera's Electro-Pop Opus» (em inglês). Houston Chronicle. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  108. Sam Lansky (7 de junho de 2012). «The Legacy of 'Bionic': Why Christina Aguilera's Misunderstood Album Was Actually Ahead of Its Time» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  109. Kirk Honeycutt (18 de novembro de 2010). «Burlesque - Film Review» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  110. Mary Pols (24 de novembro de 2010). «Burlesque Review: Dances with Divas» (em inglês). Time. Consultado em 5 de agosto de 2020. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2011 
  111. a b Eric Ditzian (14 de dezembro de 2010). «Golden Globe Awards Nominations List» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  112. «Burlesque (2010)» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  113. a b c Gary Trust (24 de agosto de 2019). «Ask Billboard: A Supersized Mailbag in Honor of Lil Nas X & Billy Ray Cyrus' Record Run Atop the Hot 100» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  114. «Soundtracks: Year-End» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  115. LA Times Staff (22 de março de 2014). «Grammy Awards 2012: A Complete List of Winners and Nominees» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  116. Gil Kaufman (7 de fevereiro de 2011). «Christina Aguilera Apologizes for Super Bowl National Anthem Flub» (em inglês). MTV News. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  117. Kim Masters (15 de junho de 2011). «The Miracle of 'The Voice'» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  118. Gary Trust (31 de agosto de 2011). «Maroon 5, Christina Aguilera's 'Jagger' Moves to No. 1 on Hot 100» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  119. Jessica Goldstein (3 de abril de 2014). «Pharrell and The Voice: Which Musicians Have Benefited the Most From Being TV Judges?» (em inglês). New York Magazine. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  120. Gerrick Kennedy (13 de setembro de 2012). «Christina Aguilera Readies New Album 'Lotus'» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  121. Melissa Maerz (16 de novembro de 2012). «Lotus Review: Christina Aguilera» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  122. Huffington Staff (13 de maio de 2013). «'The Voice': Christina Aguilera Will Be Back for Season 5» (em inglês). The Huffington Post. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  123. Jeremy Helligar (15 de junho de 2018). «Can Christina Aguilera Reclaim Her (Rightful) Place as Top Pop Star?» (em inglês). Variety. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  124. Gary Trust (18 de dezembro de 2013). «Eminem, Rihanna Atop Hot 100 with 'The Monster» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  125. Lauren Ceradini (9 de dezembro de 2014). «A Great Big World's 'Say Something' with Christina Aguilera Receives Nomination for 'Best Pop Duo/Group Performance' Grammy Award» (em inglês). Sony Music Entertainment. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  126. Sam Rullo (8 de fevereiro de 2015). «'Say Something' Wins 2015 Grammy's Best Pop Duo/Group Performance, Nabbing A Trophy for A Great Big World & Christina Aguilera» (em inglês). Bustle. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  127. Miriam Coleman (18 de agosto de 2014). «Christina Aguilera Gives Birth to Baby Girl» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  128. Lynette Rice (13 de fevereiro de 2015). «Christina Aguilera Appearing on Nashville» (em inglês). People. Consultado em 11 de junho de 2020 
  129. Davy McNary (1 de maio de 2017). «Christina Aguilera, Theo James, Rashida Jones Join Sci-Fi Romance 'Zoe'» (em inglês). Variety. Consultado em 21 de maio de 2020 
  130. Allie Jones (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera on 'Longing for Freedom' & Her Hip-Hop-Inspired Return to Music» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  131. Patrick Ryan (14 de junho de 2018). «Review: Christina Aguilera's 'Liberation' Is a Mostly Satisfying Comeback» (em inglês). USA Today. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  132. Brittany Spanos (15 de junho de 2018). «Review: Christina Aguilera Flexes Her Diva Power on the Excellent 'Liberation'». Rolling Stone. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  133. Keith Caulfield (24 de junho de 2018). «5 Seconds of Summer Earn Third No. 1 Album on Billboard 200 Chart With 'Youngblood'» (em inglês). Billboard. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  134. Hugh McIntyre (16 de maio de 2020). «Christina Aguilera and Demi Lovato Team Up for New Single 'Fall In Line'» (em inglês). Forbes. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  135. Adrian Horton (10 de fevereiro de 2019). «Grammy Awards 2019: Full List of Winners» (em inglês). The Guardian. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  136. Joey Nolfi (9 de maio de 2018). «Christina Aguilera Announces The Liberation Tour» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  137. Mike Nied (4 de março de 2019). «She's Coming, Europe! Christina Aguilera Announces 'The X Tour'» (em inglês). Idolator. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  138. Dave Quinn (29 de janeiro de 2019). «Christina Aguilera Confirms New Las Vegas Residency» (em inglês). People. Consultado em 21 de maio de 2020 
  139. «Christina Aguilera - Box Office Averages» (em inglês). Pollstar. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  140. Sam Elliott (30 de setembro de 2020). «Christina Aguilera Calls Off Her November Xperience Las Vegas Comeback» (em inglês). Daily Mirror. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  141. Jessica Over (15 de agosto de 2020). «Christina Aguilera Shares Video for 'Mulan' Track, 'Loyal Brave True'» (em inglês). NME. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  142. Lesley Goldberg (15 de março de 2016). «Spike Orders Music Game Show 'Tracks' from Christina Aguilera» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  143. Todd Spangler (21 de julho de 2016). «Celeb-Instructor Startup MasterClass Names Matthew Rutler Head of Talent, Biz Dev» (em inglês). Variety. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  144. Flavia Guerra (1 de fevereiro de 2011). «Christina Aguilera: 'A mulher brasileira é perfeita para minhas roupas'». Estadão. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  145. Kim Novak (17 de janeiro de 2007). «Smell of Success for Christina» (em inglês). Metro. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  146. RCA Staff (19 de dezembro de 2007). «Christina Top Fragrance Charts» (em inglês). RCA/Jive Label Group. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 9 de janeiro de 2008 
  147. Vogue Staff (15 de janeiro de 2010). «All Star Perfumes» (em inglês). Vogue. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  148. Liane Bonin (17 de maio de 2001). «Christina Aguilera's Coke Ad Debuts» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 20 de maio de 2020 
  149. Gary Susman (5 de março de 2003). «Versace Signs Christina Aguilera» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  150. Dirceu Alves Jr. (1 de julho de 2004). «Christina Aguilera vira Marilyn em Milão». IstoÉ Gente. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 9 de novembro de 2004 
  151. Corey Moss (13 de outubro de 2005). «For the Record: Quick News On Christina Aguilera, Game, 50 Cent, Jessica Simpson, Nelly & More» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  152. Pauline Lacsamana (8 de fevereiro de 2017). «Oreo Launches Dunk Challenge with Christina Aguilera and Shaquille O'Neal» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  153. Lucey Rose (10 de abril de 2008). «The Most Expensive Celebrity Baby Photos» (em inglês). Forbes. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  154. Gabrielle Olya (22 de janeiro de 2020). «J.Lo, Lady Gaga and More: The Net Worth of the Super Bowl's Richest Halftime Performers» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  155. Chris Cowlin (17 de janeiro de 2007). «The Richest 20 Women In Entertainment» (em inglês). Forbes. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  156. Govan 2013, p. 114
  157. The Guardian Staff (10 de abril de 2002). «Bocelli Not Blind to Tortured Dogs» (em inglês). The Guardian. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  158. Dan Matthews (12 de dezembro de 2006). «Christina Aguilera's Costume Change» (em inglês). People for the Ethical Treatment of Animals. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  159. Coppy Holzman (3 de fevereiro de 2010). «Christie's Announces the 2010 Inaugural Green Auction» (em inglês). Christie's. Consultado em 15 de agosto de 2020. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2010 
  160. Kathryn Romeyn (27 de outubro de 2015). «Ariana Grande Is MAC's New Viva Glam Spokeswoman» (em inglês). The Hollywood Reporter. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  161. Corey Moss (10 de junho de 2005). «For the Record: Quick News on Paris Hilton, Christina Aguilera, Michael Jackson, Josh Homme, a Perfect Circle & More» (em inglês). MTV News. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  162. Shadi Rahimi (10 de novembro de 2005). «An Enduring Ribbon of Stars» (em inglês). The New York Times. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  163. Mackenzie Carpenter (22 de dezembro de 2003). «Aguilera's Visit, Story Lift Spirits at Women's Shelter» (em inglês). Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  164. ABC News Staff (13 de maio de 2019). «Christina Aguilera's Las Vegas Residency to Raise Money for Domestic Violence Victims» (em inglês). ABC News. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  165. Corey Moss (4 de abril de 2007). «For the Record: Quick News On Kelly Clarkson, 'Idol', Daniel Radcliffe, Christina Aguilera & More» (em inglês). MTV News. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  166. Claudia Harmata (9 de outubro de 2019). «Christina Aguilera Gets Award from Domestic Violence Shelter» (em inglês). People. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  167. John Morgan (3 de março de 2004). «Nicole Kidman Fashions Fight Agains Women's Cancer» (em inglês). USA Today. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  168. Jennifer Vineyard (26 de outubro de 2005). «For The Record: Quick News On Christina Aguilera, Jennifer Lopez And Marc Anthony, Madonna, Bloc Party & More» (em inglês). MTV News. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  169. Acun Ilicali (20 de outubro de 2010). «"Var mısın, Yok musun" da Aguilera şov» (em turco). Milliyet. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  170. Adam Tschorn (20 de setembro de 2010). «For the Paperback Writer: Montblanc Unveils John Lennon Pen» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  171. Daniel Kilkelly (22 de outubro de 2005). «Christina Aguilera Bans Wedding Presents» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  172. Billboard Staff (1 de novembro de 2012). «'Hurricane Sandy: Coming Together' Concert: Christina Aguilera, Bruce Springsteen to Perform» (em inglês). Billboard. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  173. G1 Staff (20 de janeiro de 2010). «Chrysler irá leiloar unidades do sedã 300C para ajudar vítimas do Haiti». Globo.com. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  174. Alan Duke (24 de janeiro de 2010). «'Hope for Haiti' Raises $58 Million and Counting» (em inglês). CNN. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  175. Dave Karger (22 de janeiro de 2010). «'Hope for Haiti Now': The Telehon's 10 Best Performances» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  176. Anthony Bruno (25 de julho de 2009). «Aguilera Onborad with Hunger Relief» (em inglês). Billboard. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  177. Gary Trust (30 de setembro de 2015). «Christina Aguilera Returns to Her Roots on Ecuador Hunger Relief Trip» (em inglês). Billboard. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  178. «Christina Aguilera - A Voice for the Hungry» (em inglês). Programa Alimentar Mundial. Consultado em 15 de agosto de 2020. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2013 
  179. Sugey Palomares (4 de outubro de 2012). «Hillary Clinton Honors Christina Aguilera for World Hunger Mission» (em inglês). Latina. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  180. Lauren Beale (26 de agosto de 2011). «Christina Aguilera Sells Sunset Strip-Area Home» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  181. Samantha Grossman (20 de maio de 2014). «This Interactive Chart Compares the Vocal Ranges of the World's Greatest Singers» (em inglês). Time. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 20 de maio de 2014 
  182. a b Nick Levine (2 de agosto de 2019). «We're Long Overdue for a Christina Aguiera Comeback» (em inglês). Vice. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  183. Michael Slezak (16 de agosto de 2006). «The Essential Christina Aguilera» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  184. Maura Johnston (15 de novembro de 2012). «Christina Aguilera's Lotus, Reviewed» (em inglês). Slate. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  185. Joan Anderman (10 de setembro de 2020). «Aguilera Shows Potential to Be More Than Just Marketing» (em inglês). The Boston Globe. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  186. Jon Pareles (13 de junho de 2018). «Christina Aguilera Exults in Her Voice on 'Liberation'» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  187. a b c Rolling Stone Staff (3 de dezembro de 2010). «100 Greatest Singers of All Time» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  188. Genevieve Koski (15 de junho de 2010). «Christina Aguilera: Bionic» (em inglês). The A.V. Club. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  189. Lauren Everitt (15 de fevereiro de 2012). «Whitney Houston and the Art of Melisma» (em inglês). BBC News. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  190. a b David Browne (26 de dezembro de 2010). «Thrilling Songbirds Clip Their Wings» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  191. a b Sasha Frere-Jones (28 de agosto de 2006). «Sex Symbols» (em inglês). The New Yorker. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  192. Ann Powers (15 de agosto de 2006). «Old-School? Her?» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  193. Corey Moss (2 de fevereiro de 2006). «The Scourge of 'American Idol': Oversingers» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  194. Preston Jones (26 de março de 2007). «Wo-o-o, whoa: Stop Oversinging!» (em inglês). The Seattle Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  195. John Eskow (8 de fevereiro de 2011). «Christina Aguilera and the Hideous Cult of Oversouling» (em inglês). The Huffington Post. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  196. Lucy Davies (14 de agosto de 2006). «Review of Christina Aguilera - Back to Basics Album» (em inglês). BBC Music. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  197. Brian Hiatt (29 de outubro de 2002). «The Inside Story of Christina Aguilera's New Album» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 3 de abril de 2008 
  198. Chris Willman (11 de dezembro de 2000). «Christina Aguilera's Oversinging Is Dangerous to Her Career» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  199. Dominguez 2003, p. 10–11
  200. Dominguez 2003, p. 11
  201. Govan 2013, p. 13–14
  202. a b Dominguez 2003, p. 7
  203. Jennifer Vineyard (28 de junho de 2006). «Christina Aguilera Can Die Happy — She's Bonded With 'Bad Girl' Idol Etta James» (em inglês). MTV News. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  204. Craig Rosen (29 de setembro de 2000). «Christina Aguilera Climbs Every Mountain for 'My Kind of Christmas'» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 15 de agosto de 2020. Arquivado do original em 24 de maio de 2011 
  205. Dominguez 2003, p. 19
  206. Becky Bain (23 de junho de 2010). «Christina Aguilera, Jonas Brothers and More Remember Michael Jackson» (em inglês). Idolator. Consultado em 31 de outubro de 2020 
  207. Greenberger 2008, p. 27
  208. Dominguez 2003, p. 40
  209. Dominguez 2003, p. 3
  210. Stephanie McGrath (17 de maio de 2020). «The Christina Aguilera Interview» (em inglês). Jam!. Consultado em 15 de agosto de 2020. Arquivado do original em 11 de julho de 2012 
  211. Buffalo News Staff (17 de abril de 2014). «Tracing Cher's Influence Among Pop Divas» (em inglês). Buffalo News. Consultado em 31 de outubro de 2020 
  212. Krista Smith (24 de novembro de 2010). «Forever Cher» (em inglês). Vanity Fair. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  213. Govan 2013, p. 2017
  214. Donovan 2010, p. 45
  215. a b Jennifer Vineyard (4 de novembro de 2006). «Christina Aguilera's Old Soul» (em inglês). MTV News. Consultado em 15 de agosto de 2020. Arquivado do original em 5 de agosto de 2014 
  216. MTV News Staff (11 de maio de 2006). «For the Record: Quick News on Christina Aguilera, Jennifer Lopez, Snoop Dogg, Jesica Simpson, Bjork & More» (em inglês). MTV News. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  217. SF Chronicle Staff (28 de outubro de 2004). «Nelly Pursuing Aguilera on Video Set» (em inglês). San Francisco Chronicle. Consultado em 31 de outubro de 2020 
  218. NBC Staff (16 de novembro de 2010). «Christina Aguilera & Cher Dish Diva Details on 'Burlesque'» (em inglês). National Broadcasting Company. Consultado em 31 de outubro de 2020 
  219. Sal Cinquemani (2 de março de 2007). «Christina Aguilera: 'Candyman'» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 31 de outubro de 2020 
  220. Matthew Beard (6 de abril de 2006). «Aguilera Invests £25,000 in Banksy» (em inglês). The Independent. Consultado em 31 de outubro de 2020 
  221. Scotsman Staff (6 de junho de 2010). «Album Review: Christina Aguilera, Bionic» (em inglês). The Scotsman. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  222. Becky Bain (25 de maio de 2010). «Xtina's 'Elastic Love' Rocks — But You'll Have to Wait to See It Live» (em inglês). Idolator. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  223. Mackenzie Cummings (7 de junho de 2018). «Christina Aguilera Releases Bouncy New Single 'Like I Do' Featuring GoldLink: Listen» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  224. Vrinda Jagota (7 de junho de 2018). «Christina Aguilera Drops Fourth Single 'Like I Do'» (em inglês). Paper. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  225. a b Gerrick Kennedy (2 de julho de 2018). «Q&A: After a Six-Year Hiatus, Christina Aguilera Finds Her 'Liberation'» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  226. a b Kelefa Sanneh (8 de setembro de 2002). «The New Season/Music: Idol Returns, Her Image Remade» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  227. Mariel Concepcion (31 de outubro de 2008). «Hits Set Tees Up Next Christina Aguilera Album» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  228. Alexis Petridis (14 de junho de 2018). «Christina Aguilera: Liberation Review – #MeToo Makeover Hits High and Low Notes» (em inglês). The Guardian. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  229. Dan Aquilante (12 de setembro de 2000). «Christina's a Winner in Spanish, Too» (em inglês). New York Post. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  230. Kim Stitzel (12 de fevereiro de 2002). «Christina Aguilera: Not Your Puppet» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 5 de março de 2009 
  231. Owen Gleiberman (17 de março de 2020). «Stripped» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  232. Dorian Lyskey (4 de agosto de 2006). «Christina Aguilera, Back to Basics - Music Review» (em inglês). The Guardian. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  233. Naomi West (12 de agosto de 2006). «Pop CDs of the Week: Christina Aguilera, Los Lobos, Broadcast and More» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  234. Stephen Thomas Erlewine (15 de agosto de 2006). «Back to Basics: Album Review» (em inglês). AllMusic. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  235. Metacritic Staff (12 de agosto de 2006). «Back to Basics by Christina Aguilera - Reviews and Tracks» (em inglês). Metacritic. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  236. Kerri Mason (11 de dezembro de 2010). «Burlesque: Original Motion Picture Soundtrack - Album Reviews» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 12 de janeiro de 2012 
  237. Jim Farber (25 de novembro de 2010). «'Burlesque' Soundtrack Review: Christina Aguilera's Vocal Athletics Can't Out-Diva Cher's Chops» (em inglês). New York Daily News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  238. Michael Fleming (15 de outubro de 2007). «Screen Gems Enlists Antin for 'Burlesque'» (em inglês). Variety. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  239. Margaret Wappler (7 de junho de 2010). «Album Review: Christina Aguilera's Bionic» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  240. James Montgomery (8 de junho de 2010). «Christina Aguilera Says Bionic Is About Fun and the Future» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  241. Sam Lansky (7 de junho de 2012). «The Legacy of 'Bionic': Why Christina Aguilera's Misunderstood Album Was Actually Ahead of Its Time» (em inglês). MTV. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 11 de junho de 2012 
  242. Simon Price (11 de novembro de 2012). «Album: Christina Aguilera, Lotus, RCA» (em inglês). The Independent. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  243. Cherise Johnson (3 de maio de 2018). «Christina Aguilera Announces 'Liberation' Hip-Hop/R&B Album Featuring Kanye West, 2 Chainz & More» (em inglês). HipHopDX. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  244. David Greenwald (13 de agosto de 2006). «'Basic' Instinct» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  245. Mesfin Fekadu (7 de junho de 2010). «Review: Aguilera Has An Identity Crises on New CD» (em inglês). The Boston Globe. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  246. a b Lola Ogunnaike (30 de julho de 2006). «Christina Aguilera, That Dirrty Girl, Cleans Up Real Nice» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  247. Sal Cinquemani (2 de novembro de 2002). «Review: Christina Aguilera, Stripped» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  248. Josh Kun (1 de dezembro de 2012). «Reviews: Christina Aguilera, Stripped (RCA)» (em inglês). Spin. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  249. Leah Greenblatt (9 de junho de 2010). «Bionic» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  250. Eunice Oh (11 de junho de 2010). «Christina Aguilera: Why I'm Sometimes Attracted to Women» (em inglês). People. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  251. Eric Solomon (30 de julho de 2018). «Is There Life Beyond the Pop Lifecycle for Christina Aguilera?» (em inglês). PopMatters. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  252. Jason Heller (15 de março de 2010). «17 Well-Intended Yet Misguided Feminist Anthems» (em inglês). The A.V. Club. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 3 de abril de 2010 
  253. Hermione Hoby (13 de junho de 2010). «Christina Aguilera: 'I'm a Very Sexual Person by Nature» (em inglês). The Guardian. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  254. Joey Guerra (20 de fevereiro de 2007). «Christina Aguilera Claims Her Pop Throne» (em inglês). Houston Chronicle. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  255. Guy Trebay (20 de março de 2013). «Justin Timberlake Is All Dressed Up» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  256. a b Monica Eng (16 de janeiro de 2000). «Pop Idol's Store Visit Cut Short By Chaos» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  257. Ed Masley (27 de agosto de 2000). «Concert Review: Aguilera Wows 'Em With Awe-Inspiring Vocals» (em inglês). Pittsburgh Post-Gazette. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  258. Jon Wiederhorn (23 de agosto de 2001). «Deborah Gibson: Britney Twinkles, Christina Rankles» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  259. Neil Strauss (6 de julho de 2000). «Christina Aguilera: The Hit Girl» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 8 de maio de 2020 
  260. Lola Ogunnaike (28 de julho de 2006). «Aguilera Aims for Edgy, but Richer, Sound» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  261. David Browne (19 de maio de 2000). «Oops!... I Did It Again» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 8 de maio de 2020 
  262. Megan Turner (20 de janeiro de 2000). «Battle of the Bubblegum Divas: Can Christina Aguilera Oust Britney Spears As Pop Music Reigning Teen Queen?» (em inglês). New York Post. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  263. SMH Staff (30 de outubro de 2002). «Aguilera Sheds Teen Pop Image, Alongside Clothes» (em inglês). The Sydney Morning Herald. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  264. a b Sophie Wilkinson (26 de outubro de 2017). «15 Years After Christina Aguilera's 'Stripped', We're Still Nowhere Near Gender Equality» (em inglês). Vice. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  265. Jancee Dunn (5 de novembro de 2002). «Stripped: Album Review» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  266. Stephen Thomas Erlewine (18 de novembro de 2003). «In the Zone» (em inglês). AllMusic. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  267. a b Adam White (9 de novembro de 2019). «Get a Little Naughty: How Christina Aguilera Turned Pop Dirrty» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  268. Jennifer Vineyard (19 de junho de 2006). «'Ain't No Other Man' Video Has Christina Singing the Blues» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  269. Hazel Cills (4 de junho de 2013). «Christina Aguilera: The Style Evolution of a Diva» (em inglês). Vice. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  270. Leah Greenblatt (18 de maio de 2010). «Christina Aguilera's Lady Gaga Talk: For Real or for Show?» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  271. Jocelyn Vena (21 de abril de 2010). «Christina Aguilera On Lady Gaga Comparisons: 'My Work Speaks for Itself'» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  272. Sugey Palomares (29 de outubro de 2012). «Adam Levine Defends Christina Aguilera Over Weight Gain Criticism» (em inglês). Latina. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  273. Chiderah Monde (25 de novembro de 2013). «American Music Awards 2013: Christina Aguilera Stuns On Red Carpet a Year After Receiving Criticism for Last Year's Look» (em inglês). New York Daily News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  274. Katie Baille (27 de março de 2018). «Christina Aguilera Ditches Makeup, And So Have All of These Celebs» (em inglês). Metro. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  275. VH1 Staff (19 de setembro de 2002). «100 Sexiest Artists» (em inglês). VH1. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 31 de agosto de 2006 
  276. VH1 Staff (5 de março de 2013). «VH1's 100 Sexiest Artists» (em inglês). VH1. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  277. Rachel Clun (26 de março de 2004). «Who's the Sexiest Aussie?» (em inglês). The Sydney Morning Herald. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  278. Lauren Nostro (10 de dezembro de 2012). «The 100 Hottest Female Singers of All Time» (em inglês). Complex. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  279. Adrianne Palicki (24 de abril de 2007). «Girls of Maxim» (em inglês). Maxim. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 1 de março de 2012 
  280. Michelle Tauber (12 de maio de 2003). «50 Most Beautiful People» (em inglês). People. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  281. Caitlin Johnson (25 de abril de 2007). «People Magazine Names 100 Most Beautiful» (em inglês). CBS News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  282. a b Jon Caramanica (17 de setembro de 2012). «How Christina Aguilera Changed Judging of Reality TV Music» (em inglês). The New York Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  283. Janelle Okwodu (18 de setembro de 2018). «How Christina Aguilera Brought Down the House at London Fashion Week» (em inglês). Vogue. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  284. Emma Elizabeth Davidson (11 de dezembro de 2018). «The 20 Most Stylish People of 2018» (em inglês). Dazed. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  285. The Guardian Staff (19 de abril de 2013). «The 100 Most Popular Musicians on Twitter» (em inglês). The Guardian. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  286. Alaa Elassar (25 de agosto de 2019). «Christina Aguilera Celebrates the 20th Anniversary of Her Debut Album» (em inglês). CNN. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  287. Liz Heron (6 de maio de 2010). «50 Most Popular Women on the Web, Per Google Search Results» (em inglês). ABC News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  288. Richard S. He (4 de maio de 2018). «20 Years of Xtina: How She Found, Lost and Liberated Her Voice Again» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  289. Gregory Hicks (25 de janeiro de 2012). «Step into the Salon: Christina Aguilera's controversial pop legend status» (em inglês). The Michigan Daily. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  290. Jason Lipshutz (21 de novembro de 2012). «Christina Aguilera's Top 10 Biggest Career Moments» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  291. Ciar Byrne (29 de junho de 2004). «The Music Industry's 100 Most Influential People» (em inglês). The Independent. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  292. VH1 Staff (13 de fevereiro de 2012). «The 100 Greatest Women In Music» (em inglês). VH1. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  293. VH1 Staff (27 de junho de 2003). «The 50 Greatest Teen Idols» (em inglês). VH1. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 9 de fevereiro de 2012 
  294. MTV Staff (22 de janeiro de 2003). «22 Greatest Voices in Music» (em inglês). MTV. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2003 
  295. Sugey Palomares (8 de fevereiro de 2013). «The 50 Best Latin Singers and Pop Stars of All Time» (em inglês). Latina. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  296. Jillian Mapes (29 de março de 2011). «Billboard Bits: Christina Aguilera Congratulates Britney Spears, Snoop Dogg Working with Charlie Sheen» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  297. Chuck Arnold (15 de junho de 2018). «Christina Aguilera Has Officially Made Her Comeback» (em inglês). New York Post. Consultado em 7 de julho de 2020 
  298. Geoff Herbert (1 de outubro de 2012). «Christina Aguilera Fights 'Fat Girl' Reports» (em inglês). The Post-Standard. Consultado em 7 de julho de 2020 
  299. Elysa Gardner (23 de setembro de 2015). «Post-Explosion, Latin Music Endures and Envolves» (em inglês). USA Today. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  300. Agustin Gurza (11 de setembro de 2001). «Latin Grammys Reflect Evolution of an Enduring Genre» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  301. Agustin Gurza (15 de agosto de 2004). «1999 Was the Year of the Latin Explosion» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  302. Stephen Thomas Erlewine (9 de novembro de 1999). «AllMusic Review - Sweet Kisses» (em inglês). AllMusic. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  303. Stephen Thomas Erlewine (9 de maio de 2000). «AllMusic Review - I Wanna Be With You» (em inglês). AllMusic. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  304. Keith Caulfield (8 de agosto de 2017). «The Turn-of-the-Century Pop Resurgence: Are Late-'90s/Early-'00s Samples About to be Everywhere?» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  305. Wanna Thompson (16 de novembro de 2018). «Gwen Stefani Should Have Been Canceled a Long Time Ago» (em inglês). Vice. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  306. Andrew Moore (maio de 2007). «Definitive 200» (em inglês). Rock and Roll Hall of Fame. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 10 de maio de 2007 
  307. Carl Williott (12 de setembro de 2013). «Lady Gaga Apologizes To Christina Aguilera For Their Real/Imagined Feud On 'Watch What Happens'» (em inglês). Idolator. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  308. Bianca Betancourt (6 de junho de 2019). «Demi Lovato Made An Appearance At Christina Aguilera's Las Vegas Show» (em inglês). Teen Vogue. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  309. Mike Nied (24 de outubro de 2017). «Reflecting On the Impact of Christina Aguilera» (em inglês). Idolator. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  310. Mike Wass (2 de setembro de 2015). «Selena Gomez's New Album Was Inspired By Christina Aguilera's 'Stripped'» (em inglês). Idolator. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  311. Volkskrant Staff (2 de novembro de 2017). «'Als Het Slecht Gaat Met de Wereld, Gaat Het Goed Met de Popmuziek'» (em neerlandês). de Volkskrant. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  312. Rhiannon Lucy Cosslett (7 de outubro de 2013). «Miley Cyrus: Does the Music Business Exploit Women?» (em inglês). The Guardian. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  313. Terry Young, Jr. (22 de maio de 2014). «Revisiting "Stripped": How Christina Aguilera Challenged Notions of Feminism and Sexuality, and Spoke for the Youth of America» (em inglês). The Hampton Institute. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 28 de maio de 2014 
  314. Lamar Dawson (22 de outubro de 2017). «Christina Aguilera's 'Stripped' is 15 and Still Amazing» (em inglês). The Huffington Post. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  315. a b Bianca Gracie (27 de julho de 2018). «Director David LaChapelle & Choreographer Jeri Slaughter on the Making of Christina Aguilera's 'Dirrty' Music Video» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  316. Nolan Feeney. «The 100 Greatest Music Videos of the 21st Century: Critics' Picks» (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de maio de 2020 
  317. Adam Bloodworth (4 de outubro de 2019). «RuPaul's Drag Race UK: Is Wrong to Embrace the Outdated Stereotype of Queer Bitchiness» (em inglês). The Independent. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  318. A Redação (28 de junho de 2019). «57 marcos LGBTQI+ na cultura pop do Brasil e do mundo». O Globo. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  319. Daniel Megarry (11 de março de 2019). «Christina Aguilera Named Ally for Equality by Human Rights Campaign» (em inglês). Gay Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  320. VH1 Staff (16 de maio de 2003). «50 Greatest Women of the Video Era» (em inglês). VH1. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 4 de novembro de 2012 
  321. Amy Mannarino (6 de agosto de 2012). «Women Who Rock: Vision, Passion, Power» (em inglês). Museu Nacional das Mulheres nas Artes. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  322. Diana Pearl (12 de janeiro de 2019). «The Youngest Artists to Ever Be Nominated for a Grammy Award» (em inglês). People. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  323. Andrea Park (7 de dezembro de 2018). «Demi Lovato Calls Grammy Nomination for Her Collaboration With Christina Aguilera "Surreal"» (em inglês). W Magazine. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  324. Christina Saraceno (30 de outubro de 2001). «Christina Wins Latin Grammy» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  325. Justin Oppelaar (6 de setembro de 2001). «Lady Marmalade jams at VMAs» (em inglês). Variety. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  326. Folkard 2005, p. 360
  327. James Dinh (15 de novembro de 2010). «Christina Aguilera Honored On Hollywood Walk Of Fame» (em inglês). MTV News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  328. Lauren Huff (23 de agosto de 2019). «Robert Downey Jr., Christina Aguilera, and more honored as Disney Legends» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  329. Céline Dion (18 de abril de 2013). «TIME 100: The 100 Most Influential People in the World» (em inglês). Time. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  330. Tony Clayton-Lea (3 de novembro de 2019). «Christina Aguilera at 3Arena, Dublin: Everything You Need to Know» (em inglês). The Irish Times. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  331. Muri Assunção (27 de junho de 2020). «Christina Aguilera's Name Was 'Too Ethnic' for Music Execs» (em inglês). New York Daily News. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  332. «Top Albums» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  333. Justin Myers (7 de outubro de 2013). «How Does Miley Cyrus Compare to Britney, Selena, Demi and Disny's Other Pop Princesses?» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  334. Billboard Staff (12 de novembro de 2009). «Artists of the Decade» (em inglês). Billboard. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  335. Jeff Silberman (30 de dezembro de 2000). «Year in Music: 2000» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  336. Geoff Mayfield (27 de dezembro de 2003). «Year in Music: 2003» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  337. «Singles Sales Artists» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 3 de março de 2011 
  338. «Pop Songs Artists Music Chart» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 6 de janeiro de 2010 
  339. «Greatest of All Time Top Dance Club Artists» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2020. Arquivado do original em 4 de dezembro de 2016 
  340. Eric Frankenberg (12 de julho de 2019). «Christina Aguilera Launches Vegas Residency 'The Xperience' with $4 Million Earned» (em inglês). Billboard. Consultado em 12 de outubro de 2019 
  341. Bob Allen (27 de março de 2020). «Ladies Might: Box Office Triumph By Top Female Earners» (em inglês). Pollstar. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  342. Aïda Bouazza (30 de maio de 2016). «Mawazine: Une Clôture En Apothéose» (em francês). L'Economiste. Consultado em 12 de outubro de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dominguez, Pier (2003), Christina Aguilera: A Star is Made - the Unauthorized Biography, ISBN 9780970222459, Amber Books Publishing 
  • Davis, Clive (2013), The Soundtrack of My Life, ISBN 9781476714790, Simon and Schuster 
  • Govan, Chloé (2013), Christina Aguilera: Unbreakable, ISBN 9780857129949, Omnibus Press 
  • Greenberger, Robert (2008), Christina Aguilera: Unbreakable, ISBN 9781435851245, The Rosen Publishing Group, Inc 
  • Donovan, Mary Anne (2010), Christina Aguilera: A Biography, ISBN 9780313383199, ABC-CLIO 
  • Folkard, Claire (2005), Guinness World Records 2005, ISBN 1892051222, Jim Pattison Group 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons