Alicia Keys

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alicia Keys
AliciaKeys2013.jpg
Keys em 2013.
Informação geral
Nome completo Alicia Augello Cook
Nascimento 25 de janeiro de 1981 (37 anos)
Local de nascimento Manhattan, NY
Estados Unidos[1]
Nacionalidade norte-americana
Género(s)
Ocupação(ões)
Instrumento(s)
Período em actividade 1995–presente
Gravadora(s)
Página oficial www.aliciakeys.com

Alicia Augello Cook,[2] (Manhattan, 25 de janeiro de 1981)[3][4][5][1] mais conhecida como Alicia Keys, é uma cantora, pianista, compositora e atriz norte-americana. Seu álbum de estreia, Songs in A Minor, foi um sucesso comercial, vendendo mais de 12 milhões de cópias em todo o mundo. Ela se tornou a nova artista e artista de R&B mais bem sucedida de 2001. O álbum ganhou cinco Grammy Award em 2002, tornando-se a segunda cantora americana a ganhar cinco Grammys em uma noite.[6] Seu segundo álbum, The Diary of Alicia Keys, foi lançado em 2003, vendendo 8 milhões de cópias em todo o mundo e rendendo-lhe mais quatro Grammy Award em 2005.[7] Seu terceiro álbum de estúdio, As I Am, foi lançado em 2007 e vendeu 5 milhões de cópias em todo o mundo, ganhando mais três Grammy Award. Alicia é conhecida mundialmente por canções como "Fallin", "You Don't Know My Name", "If I Ain't Got You", "No One", "Empire State of Mind" e "Girl on Fire".

Iniciou uma incursão no mundo do cinema, em 2007, com a comédia de ação Smokin' Aces e The Nanny Diaries, ao lado de Scarlett Johansson. Em 2008, protagoniza o filme The Secret Life of Bees, com as também estrelas da música, Jennifer Hudson e Queen Latifah.

Em 2010, o canal de música VH1 incluiu Alicia Keys na lista dos "100 Maiores Artistas de Todos o Tempos".[8] Em fevereiro de 2012, Keys foi ranqueada em 14.º na lista da VH1 100 Greatest Women in Music.[9]Em 2013, Keys foi ranqueada número 33 pela VH1 em "50 Greatest Women of the Video Era"[10] e número 10 na lista das "100 artistas mais sensuais".[11]

Em 2016, foi incluída na lista de 100 mulheres mais inspiradoras e influentes pela BBC.[12]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Os primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Keys nasceu Alicia Augello Cook, em 1981, filha de Teresa Augello, de ascendência ítalo-irlandesa-escocesa[13] e Craig Cook, jamaicano.[14][15][16][17] O parto de Keys foi realizado em um hospital no bairro Hell's Kitchen em Manhattan, Nova Iorque, onde Alicia cresceu, sendo criada apenas pela mãe, já que o seu pai saiu de casa quando ela tinha apenas dois anos.[18][19]

Foi como actriz que se estreou nos meandros artísticos, com a participação na série de televisão The Cosby Show, aos quatro anos de idade.[20] Começou a tocar piano quando tinha sete anos, tocando compositores como Beethoven, Mozart e Chopin.[2] Compôs a sua primeira canção, "Butterflyz" aos catorze anos de idade; canção que foi incluída no seu primeiro álbum.

Com dezesseis anos formou-se como a melhor aluna de sua sala na Escola de Artes Profissionais, uma escola pública de Manhattan, tendo ainda frequentado a Universidade de Colúmbia antes de se dedicar definitivamente à carreira musical. Keys gravou uma demo e enviou-a a Jermaine Dupri do selo musical So So Def, distribuído pela Columbia Records. Gostando do que ouviu, Dupri assinou um contrato com ela. A canção "Dah Dee Dah (Sexy Thing)" foi a primeira gravação profissional de Keys num estúdio, no entanto, essa canção nunca foi lançada como single, mas fez parte da banda-sonora do filme Men in Black (de 1997).[2]

Descontente com a Columbia Records, Alicia recorreu a Clive Davis (quem descobriu Whitney Houston na década de 1980[21]), que assinou com ela pela Arista Records.[19] Logo após, a Arista dissolve-se e Keys foi convidada a unir-se ao novo selo de Clive, a J Records, onde gravou as canções "Rear View Mirror" e "Rock With You" incluídas nas bandas-sonoras dos filmes, Shaft e Dr. Dolittle 2, respectivamente (lançados em 2000). Em 2001, lança seu primeiro álbumSongs in A Minor, vendendo 236 mil cópias, só na primeira semana.[22]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Em Maio de 2010 a cantora anuncia a sua gravidez e casamento com o rapper Swizz Beatz.[23][24] No mesmo ano, em 10 de Junho, participa juntamente com os Black Eyed Peas, Shakira, Juanes, entre outros, no concerto de abertura do Campeonato Mundial de Futebol 2010, na África do Sul.[25] No dia 14 de Outubro de 2010, nasceu em Nova Iorque, o primeiro filho do casal, Egypt Daoud Dean[26] e, em Dezembro de 2014, nasce o segundo filho, Genesis Ali Dean.[27]

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Songs in A Minor[editar | editar código-fonte]

Alicia Keys ao vivo em Frankfurt, 2002

O primeiro álbum de Keys, Songs in A Minor, foi lançado nos Estados Unidos em Junho de 2001, e estreou na primeira posição na lista dos mais vendidos da Revista Billboard, vendendo 236 000 cópias na primeira semana (50 000 delas no primeiro dia).[22] Venderia mais de dez milhões de cópias no mundo todo, estabelecendo a popularidade de Keys dentro e fora dos Estados Unidos. O primeiro single do álbum, "Fallin'", passou repetitivamente em rádios de diferentes estilos musicais (do R&B e Hip-Hop ao pop) e ficou seis semanas na primeira posição da lista dos singles mais vendidos da Billboard. Em Setembro de 2001, Keys interpretou "Someday We'll All Be Free" de Donny Hathaway no concerto transmitido por diversas cadeias de televisão dos Estados Unidos America: A Tribute to Heroes dedicado às vítimas dos ataques terroristas de 11 de Setembro Este concerto foi lançado a 4 de Dezembro de 2001 em CD e DVD.[28][29][30]

O segundo single de Songs in A Minor, "A Woman's Worth", ficou entre os dez mais vendidos nas América. Com este álbum, Alicia ganhou cinco Grammys em 2002, incluindo Melhor Artista Revelação e Canção do Ano com "Fallin'", feito só antes conseguido por Lauryn Hill.[31] Mais tarde, em 6 de março de 2002, Keys lançou Remixed & Unplugged in A Minor, uma re-edição de com oito remixes e sete versões acústicas.

O terceiro single lançado de Songs in A Minor, "How Come You Don't Call Me" foi um relativo fracasso para Keys, atingindo a posição número cinquenta e nove entre os mais vendidos da Billboard. No entanto, o single "Gangsta Lovin'" (um dueto que Keys fez com a rapper Eve para o álbum Eve-Olution) atingiu a segunda posição entre os mais vendidos daquela publicação. O quarto e último single de Songs in A Minor, "Girlfriend", foi lançado apenas fora dos Estados Unidos, e atingiu a décima terceira posição no ranking dos mais vendidos da Austrália segundo a ARIA.

Em Junho 2011, é lançado Songs in A Minor - 10th Anniversary Edition[32] uma edição comemorativa dos dez anos de Songs in A Minor, contendo três versões, sendo uma "Deluxe", uma para coleccionador e outra em formato vinil. Além das músicas já compostas no álbum lançado em 2001, o reedição incluiu dois temas inéditos e raridades.[33]

The Diary of Alicia Keys[editar | editar código-fonte]

Em Dezembro de 2003, Alicia lançou seu segundo álbum, The Diary of Alicia Keys. Elogiado pelos críticos musicais, vendeu mais de 600 000 cópias apenas em sua primeira semana nos Estados Unidos.[22] Até hoje, o álbum já vendeu oito milhões de cópias em todo o mundo.[34] Os primeiros singles lançado do álbum, "You Don't Know My Name" e "If I Ain't Got You", ficaram entre os cinco mais vendidos da Revista Billboard. O terceiro single, "Diary", ficou entre os dez mais vendidos daquela mesma publicação. O quarto e último single lançado do álbum, "Karma", não fez tanto sucesso quanto os outros, aparecendo apenas entre os vinte mais vendidos na lista daquela publicação. "If I Ain't Got You" foi o primeiro single de uma artista feminina a ficar mais de um ano no topo da lista de singles mais vendidos de R&B da Billboard,[35] transformando-a na artista de R&B mais vendida do ano de 2004 nos Estados Unidos.

Nos Grammy Awards de 2005, Alicia ganharia mais quatro: Melhor Álbum de R&B (The Diary of Alicia Keys), Melhor Performance Vocálica Feminina de R&B ("If I Ain't Got You"), Melhor Canção de R&B ("You Don't Know My Name") e Melhor Performance Vocálica de R&B por um Dueto ou Grupo ("My Boo", com Usher).[2][36]

Unplugged[editar | editar código-fonte]

Em concerto em Portugal, 2008

Em 14 de Julho de 2005, Alicia Keys gravou o seu terceiro álbum, Unplugged (Acústico MTV), na Academia de Música do Brooklyn. Durante essa sessão, Alicia apresentou canções suas com novos arranjos musicais e interpretou alguns covers e ainda duas canções inéditas. Alicia fez um dueto com Adam Levine (Maroon 5) na faixa "Wild Horses" (originalmente gravada pelos Rolling Stones), com os rappers Common e Mos Def em "Love It Or Leave It Alone", e com Damian Marley em "Welcome To Jamrock".

A sessão foi lançada em CD e DVD em 11 de Outubro de 2005. Vendeu quase 245 000 unidades na primeira semana, tornando-se o álbum mais vendido dos Estados Unidos daquela semana, segundo a Revista Billboard.[37] Até hoje já vendeu 1 milhão de cópias somente nos Estados Unidos e quase 2 milhões a níveis mundiais. Este álbum foi o mais vendido de sempre de uma artista feminina num Acústico MTV e o maior de todos os Acústicos desde o MTV Unplugged in New York da banda Nirvana em 1994.[2] Unplugged recebeu quatro nomeações para os Grammys,[2] apesar de não ter levado nenhum para casa. Ganhou três prémios da NAACP, incluindo Melhor Canção do Ano e Melhor Videoclipe para "Unbreakable".

As I Am[editar | editar código-fonte]

As I Am, o terceiro álbum de estúdio da cantora, foi lançado no dia 13 de Novembro de 2007 nos Estados Unidos, vendendo na primeira semana 742 000 cópias. O seu primeiro single, intitulado "No One", esteve onze semanas no Top3, sendo cinco delas em número um no Billboard Hot 100. O segundo single, "Like You'll Never See Me Again", atingiu o número doze no Hot 100 e o número um no Hot R&B/Hip-Hop Songs.[38]

Com "No One", Keys venceu os prémios de Melhor Performance Vocal Feminina de R&B e Melhor Canção de R&B, na 50ª cerimónia dos Grammy Awards, realizada em 2008.[39]

The Element of Freedom[editar | editar código-fonte]

O quinto álbum de Alicia (quarto de estúdio), The Element of Freedom, saiu no final de 2009. Desde o lançamento de As I Am que a cantora disse pensar no novo álbum, falando de possíveis participações, como um dueto com outra diva americana: Beyoncé. Intitulada de 'Put It in a Love Song', a música foi mesmo realizada. Confessou que a morte de sua avó em pleno processo de criação do álbum a inspirou em certo modo, fazendo-a ver que "é preciso mostrar carinho às pessoas antes de elas irem embora". O álbum inclui o tema "Empire State of Mind (Part II) Broken Down", a segunda parte do hit "Empire State of Mind", colaboração de Alicia com Jay-Z para o álbum do cantor The Blueprint 3. "Empire State of Mind" chegou ao topo do Hot 100 da Billboard. Apesar de The Element of Freedom ter vendido bem na semana de lançamento nos Estados Unidos, o álbum ficou em segundo lugar dos Tops, não derrubando o sucesso do álbum de estreia de Susan Boyle.[40] Deste álbum saíram ainda os singles "Doesn't Mean Anything", "Try Sleeping with a Broken Heart" e "Un-Thinkable (I'm Ready)" em parceria do cantor Drake.

Em 2009, faz ainda uma colaboração com o cantor espanhol Alejandro Sanz em "Looking for Paradise".[41] A canção foi o primeiro single extraído do oitavo álbum de Sanz, Paraíso Express.

Girl on Fire[editar | editar código-fonte]

Girl on Fire é o seu quinto álbum de estúdio, lançado mundialmente em formato CD a 27 de Novembro de 2012,[42] e em Portugal a 26 de Novembro[43][44] pela RCA Records, depois da J Records ter fechado por decisão da Sony Music Entertainment. O álbum teve como single de avanço a canção homónima "Girl on Fire".

Estreou no topo da tabela Billboard 200, com venda de 159 mil exemplares na primeira semana nos Estados Unidos,[45] e obteve uma média de aprovação de 70% no agregador Metacritic, que se baseou em dezassete resenhas publicadas por críticos musicais.[46]

Here[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2016, Alicia Keys lançou seu primeiro single em quatro anos, chamado In Common, para seu sexto álbum de estúdio, Here. No mesmo mês, Keys se apresentou na cerimônia de abertura da final da Liga dos Campeões da UEFA, em Milão, na Itália. Em julho de 2016, a cantora se apresentou na Convenção Nacional Democrata, demonstrando apoio à candidatura de Hillary Clinton à presidência dos EUA.[47] Em outubro do mesmo ano, ela lançou um segundo single: Blended Family (What You Do For Love), com participação do rapper A$AP Rocky. Em novembro de 2016, Alicia lançou um curta-metragem, The Gospel, feito para acompanhar o novo álbum da cantora que estava por vir. O curta aborda temas delicados, como a violência policial contra a comunidade negra e as dificuldades que as mulheres e a população LGBT enfrentam.[48] Alguns dias depois lançou seu sexto álbum, Here. O disco alcançou a segunda posição na Billboard 200.[49]

Estilo musical[editar | editar código-fonte]

As suas canções, normalmente acompanhadas pelo piano, visto Keys ser uma pianista com formação clássica, falam muitas vezes sobre amor, desgostos e o poder feminino[50][21]

Como inspiração, cita vários músicos, incluindo Prince, Nina Simone, Barbra Streisand, Marvin Gaye , Quincy Jones, Donny Hathaway e Stevie Wonder.[51][52][53]

O seu estilo está enraizado no gospel e soul vintage, complementado pelo baixo e sintetizadores.[54] Incorporando fortemente o piano clássico com o R&B, soul e jazz,[55][56] começou a experimentar outros géneros musicais, como o pop e rock, no seu terceiro álbum, As I Am,[54][57][58] e um som neo soul e R&B dos anos 80 e 90 no seu quarto álbum, The Element of Freedom.[59][60]

A sua classificação vocal é de contralto e a sua extensão vocal varia em 3 oitavas.[61] Muitas vezes referida como "Princess of Soul" ou "Princesa do Soul",[62][63] é caracterizada por ter um timbre de voz forte, cru e apaixonado.[64][65]

Carreira como atriz[editar | editar código-fonte]

Alicia Keys tem também já uma considerável carreira como atriz, que iniciou com pequenos papéis em séries de televisão. A sua primeira participação foi em 2001, na série Charmed. Participa, depois, em séries como American Dreams, em 2003 e The Backyardigans, em 2006. No cinema, fez a sua estreia em 2007, com os filmes Smokin' Aces, uma comédia de acção, realizado por Joe Carnahan, com Ben Affleck, Jason Bateman, Andy Garcia e Ray Liotta[66] e The Nanny Diaries, ao lado de Scarlett Johansson.[67] No ano seguinte, surge como uma das irmãs Boatwright, que ganham a vida como apicultoras, em A Vida Secreta das Abelhas, realizado por Gina Prince-Bythewood e produzido por Will Smith.[68] Recentemente Alicia fez uma participação de dois episódios de Empire (série de televisão) como Skye Summers, e contribuio para a trilha sonora da 2ª Temporada da série, num dueto com Jussie Smollett na música ''Powerful''.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Alicia keys
Álbuns de estúdio

Digressões e concertos[editar | editar código-fonte]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Alicia Keys esteve quatro vezes em Portugal para concertos. O seu primeiro concerto ocorreu na primeira edição do Rock in Rio Lisboa, em 2004.[69] Voltou depois a Portugal pelas digressões As I Am Tour, em 2008, The Freedom Tour, em 2010 e Empire State Of Mind, em 2013, com todos os espectáculos a acontecerem no Pavilhão Atlântico, em Lisboa.[70][71] Keys tem uma forte ligação a Portugal. Em entrevista no programa da BBC, BBC Friday Night, quando Jonathan Ross pergunta à cantora a que locais gostaria de regressar, Alicia keys responde «adoro Portugal e Espanha».[71][72] No seguimento da conversa, diz ainda que «as pessoas são fantásticas, acolhedoras e amigáveis» acrescentando «gosto também muito da gastronomia, que é deliciosa».[73]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Alicia esteve duas vezes no Brasil. Em setembro de 2013 apresentou-se em São Paulo, em Porto Alegre[74] e no Rock in Rio, na cidade do Rio de Janeiro com a turnê internacional Set the World on Fire, do álbum Girl on Fire. Na apresentação no Rio de Janeiro a cantora cantou os principais sucessos de sua carreira e fez um dueto com a Maria Gadu, cantora brasileira, na canção "Fallin'".[75] [76] Alicia retornou ao Brasil em setembro de 2017 para se apresentar mais uma vez no Rock in Rio. O show contou com a participação do Dream Team do Passinho, do sambista Pretinho da Serrinha e da ativista indígena Sônia Guajajara, que fez um pequeno discurso pela preservação da Floresta Amazônica. [77]

Prémios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de prémios de Alicia Keys

Logo com o seu primeiro álbum, Alicia Keys ganhou 5 Grammys.[31] Desde aí, já foi nomeada para centenas de prémios, tendo arrecadado muitos deles. De entre os diversos prémios e nomeações, contam-se até 2011, 14 Grammy Awards, 13 NAACP Image Awards e mais de 20 nomeações para os mesmos,[78][79][80][81][82][83][84] 3 World Music Awards[85][86][87] e 3 MTV Europe Music Awards.[88][89][90][91]

Grammy Awards[editar | editar código-fonte]

O Grammy Award é o prémio de maior prestígio da indústria musical internacional, atribuído anualmente pela National Academy of Recording Arts and Sciences, dos Estados Unidos e realizado desde 1958. Alicia Keys ganhou, no total, 15 Grammys, sendo o último com o álbum Girl on Fire, em 2014, eleito melhor álbum R & B.

Ano Nomeação Categoria Resultado
2002 Alicia Keys Melhor Artista Revelação Venceu
"Fallin'" Gravação do Ano Nomeação
Música do Ano Venceu
Melhor Performance Vocal Feminina de R&B Venceu
Melhor Canção de R&B Venceu
Songs in A Minor Melhor Álbum de R&B Venceu
2005 The Diary of Alicia Keys Álbum do Ano Nomeação
Melhor Álbum de R&B Venceu
"If I Ain't Got You" Música do Ano Nomeação
Melhor Performance Vocal Feminina de R&B Venceu
"Diary" Melhor Performance de R&B por um Duo ou Grupo com Vocais Nomeação
"My Boo" Venceu
Melhor Canção de R&B Nomeação
"You Don't Know My Name" Venceu
2006 Unplugged Melhor Álbum de R&B Nomeação
"Unbreakable" Melhor Performance Vocal Feminina de R&B Nomeação
Melhor Canção de R&B Nomeação
"If This World Were Mine" Melhor Performance de R&B por um Duo ou Grupo com Vocais Nomeação
"If I Was Your Woman" Melhor Performance Vocal Tradicional de R&B Nomeação
2008 "No One" Melhor Performance Vocal Feminina de R&B Venceu
Melhor Canção de R&B Venceu
2009 "Superwoman" Melhor Performance Vocal Feminina de R&B Venceu
"Lesson Learned" Melhor Colaboração Pop com Vocais Nomeação
"Another Way to Die" Melhor Curta de Videoclipe Nomeação
2011[92] "Empire State of Mind"
(com Jay-Z)
Álbum do Ano Nomeação
Melhor Colaboração Rap/Sung Venceu
Melhor Canção Rap Venceu
2014 Girl on Fire Melhor Álbum de R&B Venceu

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão
Ano Título Papel Notas
1985 The Cosby Show Maria
2001 Charmed P3 VIP Patron
2003 American Dreams Fontella Bass "Rescue Me" (temporada 2, episódio 6)
The Proud Family A própria (voz) (temporada 3, episódio 46)
2005 Sesame Street A própria Temporada 36
2006 The Backyardigans Mommy Martian (voz)
2007 Cane A própria "One Man Is an Island" (temporada 1, episódio 7)
Elmo's Christmas Countdown A própria Especial de Natal
2008 Dove "Fresh Takes" Alex Nos 5 episódios
2010 American Idol Mentora - Temporada 9
2015 Empire Skye Summers Temp. 2 Episodios 9/10
2016 The Voice Ela mesma Técnica - Temporada 11
2017 Técnica - Temporada 12
2018 Técnica - Temporada 14
Cinema
Ano Título Papel Notas
2007 Smokin' Aces Georgia Sykes
The Nanny Diaries Lynette
2008 The Secret Life of Bees June Boatwright

[2][35]

Filantropia - Keep a Child Alive[editar | editar código-fonte]

Keep a Child Alive é uma organização sem fins lucrativos co-fundada por Alicia keys, em 2003.[93] A principal actividade da organização é fazer chegar medicamentos a famílias portadoras do vírus HIV em África.[94] Para a angariação de fundos para esta causa, em 2005 grava com Bono Vox versão da canção de Peter Gabriel e Kate Bush reintitulada "Don't Give Up (Africa)", sendo colocada para download no iTunes.[95] Em 2009, foi agraciada com o Prémio Humanitário, nos BET Awards,[96] atribuídos pela Black Entertainment Television, a afro-americanos, em categorias como música, cinema e desporto.[97]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Keys, Alicia (2001). Songs in A Minor. [S.l.]: Hal Leonard Corporation. ISBN 0-634-03776-5 
  • Keys, Alicia (2004). The Diary of Alicia Keys. [S.l.]: Hal Leonard Corporation. ISBN 0-634-07764-3 
  • Keys, Alicia (2004). Tears for Water: Songbook of Poems and Lyrics. [S.l.]: G. P. Putnam's Sons. ISBN 0-425-20560-6 
  • Keys, Alicia (2006). Unplugged. [S.l.]: Hal Leonard Corporation. ISBN 1-4234-0822-5 
  • Keys, Alicia (2006). How Can I Keep from Singing?: Transforming the Lives of African Children and Families Affected by AIDS. [S.l.]: Umbrage. ISBN 1-884167-60-8 

Referências

  1. a b Alicia Keys. Discogs
  2. a b c d e f g «Alicia Keys». Rolling Stone. Consultado em 31 de julho de 2011. 
  3. «Biography - Alicia Keys». Billboard (em inglês). Consultado em 9 de setembro de 2008. 
  4. «Sony BMG Artist Alicia Keys». Sony BMG Germany (em alemão). Consultado em 9 de setembro de 2008. 
  5. Iley, Chrissy (24 de fevereiro de 2008). «Alicia Keys, the girl who made Bob Dylan weep». The Times (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2008. 
  6. «Anglophenia». BBC America. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  7. «2005 Grammy Award Winners» 
  8. «Who Will Come Out On Top Of VH1's 100 Greatest Artists Of All Time?». VH1. Consultado em 8 de agosto de 2011. 
  9. Graham, Mark (13 de fevereiro de 2012). «VH1's 100 Greatest Women in Music». VH1. Viacom International. Consultado em 31 de dezembro de 2014.. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2013 
  10. «Ep. 071 │ 50 Greatest Women of the Video Era │ The Greatest». VH1. MTV Networks. Consultado em 2 de junho de 2015. 
  11. «VH1's 100 Sexiest Artists [Complete List]». VH1. Consultado em 19 de junho de 2016. 
  12. «BBC 100 Women 2016: Who is on the list?» (em inglês). Consultado em 8 de dezembro de 2016. 
  13. Mervis, Scott (17 de abril de 2008). «Music Preview: Through her first several records, Alicia Keys has a golden touch». Pittsburgh Post-Gazette. Block Communications. Consultado em 22 de novembro de 2009. 
  14. «Alicia Keys: Biography». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 7 de dezembro de 2008. 
  15. «Alicia Keys». China Daily. China Daily Group. 7 de setembro de 2004. Consultado em 16 de dezembro de 2008. 
  16. Iley, Chrissy (24 de fevereiro de 2008). «Alicia Keys, the girl who made Bob Dylan weep». The Times. Londres: News Corporation. Consultado em 16 de dezembro de 2008. 
  17. Vineyard, Jennifer (12 de janeiro de 2006). «Alicia Keys' Early Years To Be Made Into A TV Series». MTV News. Consultado em 3 de novembro de 2008. 
  18. Sul Sister no The Guardian, 16-11-2003
  19. a b «Alicia Keys Biography». Allmusic. Consultado em 2 de novembro de 2008. 
  20. The secret life of Alicia Keys em theage.com
  21. a b «Interview: Alicia Keys». The Guardian. 2 de novembro de 2001. Consultado em 6 de janeiro de 2009. 
  22. a b c billboard Keys' Debut Tops The Billboard 200 página visitada a 15 de Fevereiro de 2011
  23. blitz. «Alicia Keys está grávida e casa-se ainda este ano». 28 de Maio de 2010. Consultado em 10 de junho de 2010. 
  24. DN. «Alicia Keys está grávida e vai casar-se». 29 de maio de 2010. Consultado em 10 de julho de 2010. 
  25. blitz. «Shakira e Alicia Keys na festa de abertura». 30-5-2010. Consultado em 10 de julho de 2010. 
  26. PEOPLE Alicia Keys Has a Baby Boy página visitada a 15 de Fevereiro de 2011
  27. «Já nasceu o segundo filho de Alicia Keys». LUX. Consultado em 30 de Dezembro de 2014. 
  28. «America: A Tribute to Heroes». U2wanderer.org. Consultado em 29 de outubro de 2010. 
  29. «America: A Tribute to Heroes». Allmusic. 4 de dezembro de 2001. Consultado em 10 de setembro de 2010. 
  30. Carman, John (22 de setembro de 2001). «Musicians, actors honor heroes, raise money for attack victims». San Francisco Chronicle. p. A1 
  31. a b Yes, America, Amy Winehouse Is a Star em BBC AMERICA, pág visitada em 16-2-2011
  32. ««Songs In A Minor (Deluxe Edition)», Alicia Keys». Disco Digital. Consultado em 3 de julho de 2011. 
  33. «Alicia Keys festeja 10.º aniversário». Musica Total. Consultado em 3 de julho de 2011. 
  34. The ascent of Alicia Keys The Sunday Times
  35. a b nydailynews.com. «'Secret Life of Bees' star Alicia Keys' hive of activity» 
  36. 2005 Grammy Award Winners em cbsnews.com
  37. Whitmire, Margo (19 de outubro de 2005). «Keys 'Unplugs' For 3rd Straight No. 1 Disc». Billboard. Consultado em 7 de junho de 2008. 
  38. As I Am – Charts & Awards – Billboard Singles allmusic.com
  39. «Grammy 2008 Winners List». MTV News. 10 de fevereiro de 2008. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  40. Caulfield, Keith (23 de dezembro de 2009). «Susan Boyle Blocks Alicia Keys From No. 1 on Billboard 200». Billboard. Nielsen Business Media. Consultado em 23 de dezembro de 2009. 
  41. Looking for Paradise - Alejandro Sanz billboard.com
  42. «Alicia Keys Reveals 'Girl On Fire' Album Cover & Release Date». Billboard. Consultado em 10 de dezembro de 2012. 
  43. «Alicia Keys: single de avanço do novo álbum 'Girl on Fire' chega hoje às rádios nacionais. O Novo álbum tem o mesmo nome e chega às lojas a 26 de Novembro». Sony music. Consultado em 10 de dezembro de 2012. 
  44. «Alicia Keys regressa a Portugal com o disco Girl on Fire». last2ticket. Consultado em 10 de dezembro de 2012. 
  45. Grein, Paul (5 de dezembro de 2012). «Week Ending Dec. 2, 2012. Albums: Good Week Or Bad For Keys?». Chart Watch (em inglês). Yahoo!. Consultado em 5 de dezembro de 2012. 
  46. «Girl on Fire - Alicia Keys» (em inglês). Metacritic. Consultado em 5 de dezembro de 2012. 
  47. «Alicia Keys faz apresentação em convenção …». Antena 1. Consultado em 4 de julho de 2018. 
  48. «Com 'The Gospel', Alicia Keys escancara a beleza e as dores de comunidade negra em Nova York (VÍDEO)». HuffPost Brasil. 7 de novembro de 2016 
  49. «Alicia Keys HERE Chart History». Billboard 
  50. «Alicia Keys Biography». Allmusic. Consultado em 2 de novembro de 2008. 
  51. «Keys to Success». People. Time. 27 de agosto de 2001. Consultado em 4 de fevereiro de 2009. 
  52. Fiore, Raymond (21 de abril de 2006). «Opening Doors». Entertainment Weekly. Time. Consultado em 14 de fevereiro de 2009. 
  53. Horan, Tom (29 de novembro de 2003). «CD of the week: The Diary of Alicia Keys by Alicia Keys». The Daily Telegraph. News Limited. Consultado em 2 de julho de 2009. 
  54. a b Pareles, Jon (9 de setembro de 2007). «A Neo-Soul Star as She Is: Nurturing Her Inner Rebel». The New York Times. The New York Times Company. pp. 1–2. Consultado em 14 de fevereiro de 2009. 
  55. MacDonald, Patrick (19 de setembro de 2008). «Six years after 'Minor' success, Alicia Keys is a major star». The Seattle Times. The Seattle Times Company. Consultado em 13 de março de 2009. 
  56. Neal, Mark Anthony. «Song in A Minor: A Major Debut». PopMatters. Consultado em 4 de fevereiro de 2009. 
  57. Pareles, Jon (13 de novembro de 2007). «Alicia Keys - As I Am on Blender». Blender. Alpha Media Group. Consultado em 4 de fevereiro de 2009. 
  58. Brown, Marisa. «As I Am - Overview». Allmusic. Consultado em 4 de fevereiro de 2009. 
  59. Ratliff, Ben (13 de dezembro de 2009). «News CDs from Alicia Keys, Timbaland and Jimmy Buffett - Review». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 14 de dezembro de 2009. 
  60. «Alicia Keys and the Freedom of love». Houston Chronicle. Hearst Corporation. 14 de dezembro de 2009. Consultado em 14 de dezembro de 2009. 
  61. «Alicia Keys: She sings, she acts, she smoulders». Canwest News Service. Canwest Mediaworks Publications. 15 de outubro de 2008. Consultado em 16 de abril de 2009. 
  62. «Alicia Keys: Soul princess». 18 de novembro de 2005. Consultado em 13 de abril de 2010. 
  63. «The Next Queen of Soul». Rolling Stone. Wenner Media. 8 de novembro de 2001. Consultado em 22 de novembro de 2009. 
  64. Freedom du Lac, J. (13 de novembro de 2007). «Alicia Keys, Still Warming Up». The Washington Post. The Washington Post Company. Consultado em 7 de dezembro de 2008. 
  65. Kot, Greg (11 de novembro de 2007). «Drab production keeps Alicia Keys' promise unfulfilled». Chicago Tribune. Tribune Company. Consultado em 14 de fevereiro de 2009. 
  66. «Um Trunfo Na Manga (Smokin' Aces)». cineteka. Consultado em 29 de julho de 2011. 
  67. Carroll, Larry (13 de abril de 2006). «Alicia Keys Works Her Hollywood Mojo, Joins Johansson In 'Nanny Diaries'». MTV News. Consultado em 10 de dezembro de 2008. 
  68. «Vida Secreta das Abelhas, A (2008)». Cinema em Casa. Consultado em 8 de agosto de 2011. 
  69. «2004 - Rock in Rio». Rock in Rio 
  70. Diário de Notícias (Portugal). «Alicia Keys gostava de ser uma 'performer'». Consultado em 20 de fevereiro de 2011. 
  71. a b Alicia Keys em Lisboa a 29 de Abril em cmjornal.xl.pt
  72. «Alicia Keys faz declaração de amor a Portugal -veja o vídeo». BLITZ 
  73. «Alicia Keys adora Portugal». MTV (portugal). Consultado em 20 de Fevereiro de 2011. 
  74. «Alicia Keys arrepia cerca de 3 mil fãs em Porto Alegre». www.correiodopovo.com.br. Consultado em 4 de julho de 2018. 
  75. «Alicia Keys faz seu primeiro show no brazil e um sonho se tornando realidade». Consultado em 5 de maio de 2014. 
  76. «Alicia Keys declara paixão pelo brasil em carta este e apenas o comeco para nos». Consultado em 5 de maio de 2014. 
  77. Araujo, Bernardo (18 de setembro de 2017). «No auge, Alicia Keys une musicalidade, simpatia e consciência ecológica no Rock in Rio». O Globo. Consultado em 4 de julho de 2018. 
  78. Wiederhorn, Jon (11 de dezembro de 2001). «Alicia Keys Up For Seven NAACP Image Awards». MTV. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  79. Armor, Jerry (25 de fevereiro de 2002). «Alicia Keys Earns Three Music Honors At The NAACP Image Awards». Yahoo!. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  80. «Alicia Keys, Usher, Kanye Win At NAACP Image Awards». Yahoo!. 21 de março de 2005. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  81. Silverman, Stephen M. (11 de janeiro de 2006). «Alicia, Mariah, Kanye Top Image Nominees». People. Time. Consultado em 29 de novembro de 2008. 
  82. «The 37th NAACP Image Awards Winners» (PDF). NAACP. Consultado em 29 de novembro de 2008. 
  83. «39th NAACP Image Award Winners». NAACP. Consultado em 12 de novembro de 2008. 
  84. «40th NAACP Image Awards» (PDF). NAACP. 7 de janeiro de 2009. Consultado em 9 de janeiro de 2009. 
  85. «Kylie honoured at World Music Awards». The Guardian. Guardian Media Group. 7 de março de 2002. Consultado em 8 de dezembro de 2008. 
  86. «2004 World Music Awards Winners». Billboard. Nielsen Business Media. 16 de setembro de 2004. Consultado em 8 de dezembro de 2008. [ligação inativa] 
  87. «Coldplay Crowned World's Biggest Act». CBS News. 10 de novembro de 2008. Consultado em 8 de dezembro de 2008. 
  88. «MTV Europe Awards: The winners». BBC. 15 de novembro de 2002. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  89. «MTV Europe Awards 2004: The winners». BBC. 18 de novembro de 2004. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  90. «Coldplay, Gorillaz Lead MTV Europe Music Awards Nominations». MTV. 25 de setembro de 2005. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  91. «MTV Europe awards 2005: The winners». BBC. 3 de novembro de 2005. Consultado em 9 de novembro de 2008. 
  92. Nominees And Winners em grammy.com
  93. «About Us». Keep a Child Alive. Consultado em 8 de agosto de 2011. 
  94. Green Family Foundation Sponsors Alicia Keys' Keep a Child Alive College Student... reuters.com
  95. «Bono and Keys duet on Africa song». BBC NEWS. Consultado em 15 de fevereiro de 2011. 
  96. Ditzian, Eric (29 de junho de 2009). «BET Awards Salute Michael Jackson With Heartfelt Tributes». MTV News. Consultado em 29 de junho de 2009. 
  97. IMDB. «Black Entertainment Television». Consultado em 15 de novembro de 2009. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alicia Keys
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Alicia Keys