Grimes (artista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Grimes
Grimes se apresentando em 2014
Nome completo Claire Elise Boucher
Outros nomes c[1]
Nascimento 17 de março de 1988 (34 anos)
Vancouver, Columbia Britânica, Canadá
Nacionalidade canadiana
Parentesco
  • Mac Boucher (irmão)
  • Jay Worthy (meio-irmão)
Cônjuge Elon Musk (2018–2022)
Filho(a)(s) 2
Ocupação
Período de atividade 2007–presente
Prêmios Lista completa
Carreira musical
Gênero(s)
Extensão vocal Soprano
Instrumento(s)
Gravadora(s)
Afiliações
Página oficial
www.clairedelune.io

Claire Elise Boucher ( /bˈʃ/;[2] Vancouver, 17 de março de 1988), conhecida profissionalmente como Grimes, é uma musicista canadense, cantora, compositora e produtora musical.[3][4] Sua música incorporou elementos de estilos variados, incluindo dream pop, eletrônico, R&B e hip hop, enquanto toca em ficção científica e temas feministas.[5] Ela lançou cinco álbuns de estúdio.

Nascida e criada em Vancouver, Grimes começou a lançar música de forma independente no final dos anos 2000, lançando dois álbuns, Geidi Primes e Halfaxa, em 2010 pela Arbutus Records. Posteriormente, ela assinou com a 4AD[6] e ganhou destaque com o lançamento de seu terceiro álbum de estúdio, Visions, em 2012. Visions inclui os singles, "Genesis" e "Oblivion" e recebeu o Juno Award da indústria musical canadense de Álbum Eletrônico do Ano.[7] Depois disso, seu quarto álbum de estúdio, Art Angels, foi lançado em 2015 e recebeu elogios da crítica, pois várias publicações o nomearam o melhor álbum do ano.[8] Seu quinto álbum de estúdio, Miss Anthropocene, foi lançado em 2020.[9]

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Claire Boucher nasceu e cresceu em Vancouver.[10] Ela é de ascendência franco-canadense (incluindo quebequense), italiana, ucraniana e métis.[11][12][13][14] Ela foi criada como católica romana e frequentou uma escola católica.[15] Sua mãe, Sandy Garossino, é uma ex-promotora da Coroa e defensora das artes;[16] seu pai, um ex-banqueiro, trabalha "no lado empresarial da biotecnologia".[17][18] Em 2006, Boucher se formou na Escola Secundária Lord Byng e se mudou de Vancouver para Montreal para frequentar a Universidade McGill com foco em neurociência e língua russa, mas deixou a universidade no início de 2011 antes de terminar seu curso.[19][20]

Carreira[editar | editar código-fonte]

2009–2013: Começos da carreira e Visions[editar | editar código-fonte]

De acordo com os carimbos de data e hora em sua página original do Myspace, Boucher começou a escrever música sob o nome de Grimes em 2007. Seu nome artístico foi escolhido porque, na época, o MySpace permitia que os artistas listassem três gêneros musicais. Ela listou "grime" para todos os três, sem saber o que o gênero musical grime era.[21][22] Grimes é autodidata em música e artes visuais.[23][24]

Grimes se apresentando no South by Southwest em 2012

Em janeiro de 2010, Grimes lançou seu álbum de estréia, Geidi Primes, um álbum conceitual inspirado na série Duna, seguido por seu segundo álbum, Halfaxa, em outubro do mesmo ano. Após o lançamento de Halfaxa, ela começou a promover publicamente sua música e fazer uma turnê além de Montreal. Em 2011, Grimes lançou cinco músicas do seu lado do split EP com d'Eon, Darkbloom (através da Arbutus e Hippos in Tanks). A partir de maio de 2011, Grimes abriu para Lykke Li em sua turnê norte-americana, e no mês de agosto seguinte seu álbum de estreia foi relançado pela No Pain in Pop Records, em CD e vinil pela primeira vez. [25] Em 2011, ela colaborou com o DJ/produtor Blood Diamonds.[26][27]

Após uma extensa turnê e recepção positiva para seus dois primeiros álbuns e a contribuição de Darkbloom, Grimes assinou com a gravadora 4AD em janeiro de 2012.[28] O lançamento subsequente, Visions, apareceu em várias listas de fim de ano de publicações e é considerado o álbum revelação de Grimes.[29] A NME o incluiu em sua lista dos 500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos em 2013.[30] Visions ganhou o prêmio de Álbum Eletrônico do Ano e Grimes foi indicada para Artista Revelação do Ano no Juno Award.[31] Grimes também ganhou o prêmio de Artista do Ano no Webby Awards de 2013.[29]

[Depois de nove dias] você não tem estimulação, então seu subconsciente começa a preencher os espaços em branco... Comecei a sentir como se estivesse canalizando espíritos. Eu estava convencida de que minha música era um presente de Deus. Era como se eu soubesse exatamente o que fazer em seguida, como se minhas músicas já estivessem escritas.

Grimes no The Guardian, 27 de abril de 2012[32]

O segundo single do álbum, "Oblivion", também recebeu aclamação crítica e foi produzido em um videoclipe co-dirigido por Emily Kai Bock e Grimes.[33] A Pitchfork classificou "Oblivion" em primeiro lugar em sua lista das 200 Melhores Faixas da Década Até Agora em 2014.[34] Em entrevistas após o lançamento do álbum, Grimes explicou que ela recebeu um prazo estrito para ter seu terceiro álbum finalizado muito antes de estar completo,[35] o que a levou a gravar a maior parte de Visions enquanto estava isolada em seu apartamento em Montreal por três semanas consecutivas. Notavelmente, esta sessão de gravação intensiva incluiu um período de nove dias sem dormir ou comer e com as janelas escurecidas, já que ela geralmente não conseguia fazer música tão prontamente durante o dia, e consumindo "toneladas de anfetaminas".[32][36] Ela descreveu o processo como sendo "igualmente agradável e tortuoso",[37] sentindo que sua dificuldade contribuiu para o seu sucesso.[37]

Em abril de 2013, Grimes postou uma declaração por escrito abordando sua experiência como uma musicista feminina como repleta de sexismo e expressou desapontamento por sua postura feminista ser frequentemente interpretada como anti-masculina.[38][39][40] Ao falar sobre sua preferência por produzir todos os seus álbuns de estúdio ela mesma, ela disse: "Eu não quero ser só a cara dessa coisa que construí, eu quero ser aquela que construiu isso".[41]

Em dezembro de 2013, Grimes contratou os serviços da empresa de gestão de Jay-Z, Roc Nation.[42]

2014–2017: Art Angels[editar | editar código-fonte]

Grimes se apresentando no Governors Ball em Junho de 2014

Em 26 de junho de 2014, Grimes estreou a nova faixa "Go", produzida e com participação de Blood Diamonds. Era uma faixa que havia sido escrita e rejeitada por Rihanna e teve sua estréia no programa da BBC Radio 1 de Zane Lowe.[43][44][45][46] A Rolling Stone a classificou no número quatorze em sua lista de Melhores Canções de 2014.[47]

Em 8 de março de 2015, Grimes lançou um vídeo auto-dirigido para uma versão demo de "REALiTi" de um álbum abandonado. A canção recebeu aclamação crítica dos críticos de música, sendo nomeado Best New Music por Jenn Pelly da Pitchfork, chamando-a de "a melhor música nova de Grimes desde Visions".[48][49] Em 15 de março de 2015, Grimes e Bleachers lançaram sua colaboração, "Entropy" para o programa de TV da HBO, Girls.[50] No verão de 2015, Grimes embarcou em turnê com Lana Del Rey por várias de suas datas da Endless Summer Tour. Ela então entrou em turnê no outono de 2015 como a atração principal de sua própria turnê, Rhinestone Cowgirls Tour, com abertura de Nicole Dollanganger.[51]

Falando de seu quarto álbum, programado para um lançamento "surpresa" em outubro, Grimes disse que o disco foi gravado com "instrumentos reais", um afastamento da composição principalmente de sintetizadores e samplers de seus lançamentos anteriores.[52] Em 26 de outubro de 2015, Grimes lançou o primeiro single do álbum, "Flesh Without Blood", bem como um videoclipe de dois atos compreendendo "Flesh Without Blood" e "Life in the Vivid Dream", outro música do próximo álbum.[53] O álbum, intitulado Art Angels, foi lançado em novembro com críticas favoráveis, ganhando uma classificação de 88 (de 100) no Metacritic[54] e a designação de Best New Music da Pitchfork. Jessica Hopper da Pitchfork descreveu Art Angels como "a evidência do trabalho de Boucher e uma articulação de uma visão pop que é indiscutivelmente dela... um bufê épico de festas feministas tendenciosas, com segundas porções para comentaristas anônimos e sugadores de sangue da indústria da música".[55]

Art Angels foi eleito o melhor álbum do ano pela NME, Exclaim! e Stereogum.[56] Ele alcançou o número 1 na parada US Top Alternative Album Chart da Billboard e número 2 na parada Top Independent Album da Billboard. Grimes ganhou o prêmio internacional de 2016 no Socan Annual Awards e o prêmio de músico do ano do Harper's Bazaar de 2016 em outubro.[57][58]

Grimes se apresentando no Lollapalooza 2016

Na primavera de 2016, Grimes embarcou em turnê pela Ásia e Europa com Hana como ato de apoio na Ac!d Reign Tour.[59] Grimes continuou em turnê durante o verão de 2016, se apresentando em vários festivais de música na América do Norte e abrindo para Florence and the Machine em datas selecionadas da How Beautiful Tour.

Continuando a série de videoclipes de músicas de Art Angels que começaram com "Flesh Without Blood" e "Life in the Vivid Dream" ("Ato I" e "Ato II", respectivamente), Grimes lançou o videoclipe de "Kill V. Maim" ("Ato III") em 19 de janeiro de 2016, e o videoclipe de "California" ("Ato IV") em 9 de maio de 2016. Grimes criou uma versão ligeiramente remixada de "California" para o videoclipe para alcançar uma mistura visual/auditiva menos "dissonante".[60] Esta versão alternativa de California não foi lançada oficialmente para venda ou streaming. Em 3 de agosto, Grimes lançou a música "Medieval Warfare" como parte da trilha sonora do sucesso de bilheteria de verão, Esquadrão Suicida.[61]

Em 5 de outubro de 2016, Grimes com a amiga e colaboradora Hana Pestle, mais conhecida pelo nome artístico Hana, lançou "The Ac!d Reign Chronicles", uma série de baixo custo de sete videoclipes, incluindo músicas de Grimes ("Butterfly", "World Princess Part II", "Belly of the Beat" e "Scream") e Hana ("Underwater", "Chimera" e "Avalanche"), cada uma estrelando seus respectivos segmentos.[62] Aparições adicionais incluem Aristophanes em SCREAM e duas das dançarinas de apoio de Grimes, Linda Davis e Alyson Van, ao longo da série. "The AC!D Reign Chronicles" foi gravado ao longo de duas semanas durante a turnê da dupla pela Europa e foi feito com produção mínima, filmado exclusivamente em iPhones e sem nenhuma equipe além de seu irmão, Mac Boucher, que ajudou nas filmagens. Pós-produção, Grimes e Hana editaram os vídeos por completo. "Conceito e direção de arte" são creditados a Claire Boucher.[63]

Em 2 de fevereiro de 2017, Grimes estreou no Tidal, o videoclipe futurista de alto orçamento de "Venus Fly", estrelado por ela e Janelle Monáe.[64] O vídeo foi carregado no YouTube em 9 de fevereiro.[65] Ela ganhou o prêmio de Melhor Vídeo Dance por "Venus Fly" no Much Music Video Awards.[66] Em 2017, Grimes ganhou um JUNO Awards de Vídeo do Ano, com "Kill V. Maim".[67]

2018–2020: Miss Anthropocene e colaborações[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2018, Grimes escreveu no Instagram, "bem, sem música tão cedo, afinal".[68] Mais tarde foi revelado que isso foi devido a um conflito com sua gravadora, 4AD.[69] Mais tarde, ela revelou em uma postagem no Instagram que acabaria lançando dois álbuns e que "eles seriam separados por um período de tempo", com o primeiro sendo lançado com a 4AD e o segundo com uma gravadora não revelada. Grimes afirmou que este primeiro álbum seria "altamente colaborativo e [caracterizado pela] mais gloriosa luz", com o segundo destacando temas de "pura escuridão e caos".[70]

Em 10 de abril de 2018, Grimes participou em "Pynk", o terceiro single do álbum de Janelle Monáe, Dirty Computer. Em 30 de maio de 2018, Grimes participou em "Love4Eva" de Loona yyxy (parte do grupo de kpop, "Loona") de seu EP de estréia, Beauty & the Beat.[71] Em 15 de junho de 2018, ela fez uma participação em um vídeo para a série Behind the Mac da Apple em seu canal do YouTube, com uma prévia de uma música de seu próximo álbum intitulado "That's What the Drugs Are For", lançado posteriormente como "My Name Is Dark".[72] No mesmo dia, ela postou dois vídeos no Twitter com uma prévia de duas músicas de seu próximo álbum, "adore u (beautiful game)" e "4ÆM".[73] Em 2018, Grimes compôs a música tema da série animada, Hilda, da Netflix.[74] Em 31 de outubro de 2018, Grimes participou em "Play Destroy" de Poppy em seu álbum, Am I a Girl?.[75] Grimes também apareceu em "Nihilist Blues" de Bring Me the Horizon de seu sexto álbum, Amo.[76]

Em 13 de agosto de 2019, Grimes postou um anúncio da coleção Adidas by Stella McCartney Fall 2019 no Instagram, afirmando que lançaria o primeiro single de seu próximo álbum, Miss Anthropocene, em 13 de setembro.[77] Ela lançou o videoclipe para "Violence", com i_o, em 5 de setembro.[78] Em 25 de outubro, uma versão inacabada do álbum vazou online.[79] Em 15 de novembro, ela lançou duas versões do single "So Heavy I Fell Through the Earth"[80] e apresentou "4ÆM" no Video Game Awards de 2019 para se apresentar como Lizzy Wizzy, uma personagem dublada por ela no jogo Cyberpunk 2077.[81] Miss Anthropocene foi lançada em 21 de fevereiro de 2020.[82][83] Nesse mesmo mês, ela lançou o single "Delete Forever", que foi parcialmente inspirado pela morte de Lil Peep e pela crise de opióides em andamento.[84][85]

Grimes colaborou com Benee na música de estilo dance, "Sheesh", no álbum de estreia da última, Hey U X, lançado em 11 de novembro de 2020.[86] Em 11 de dezembro, Grimes e outros artistas associados, todos usando pseudônimos, lançaram um álbum DJ mix temático de Cyberpunk 2077 na Apple Music, intitulado, This story is dedicated to all those cyberpunks who fight against injustice and corruption every day of their lives!. Ele contém duas novas músicas de Grimes, "Samana" e "Delicate Weapon".[87][88]

2021–presente: Alter Ego e futuro sexto álbum de estúdio e EP[editar | editar código-fonte]

Em 5 de março de 2021, Grimes assinou com a Columbia Records.[89] Em junho de 2021, ela apareceu no videoclipe de Doja Cat, "Need to Know".[90]

Mais tarde, em junho, ela iniciou um novo servidor associado no Discord chamado "Grimes Metaverse Super Beta" e um novo podcast "Homo Techno", co-apresentado com a comunicadora científica, Liv Boeree.[91] Ela usou o servidor no Discord para mostrar trechos de novas músicas com frequência e lançou um trecho de uma música chamada "Shinigami Eyes", que ela continuou a promover em postagens subsequentes nas mídias sociais,[91] bem como uma próxima colaboração com o DJ britânico, Chris Lake.[92] Grimes falou sobre um próximo álbum conceitual com a Billboard, descrevendo-o como uma "ópera espacial".[93]

Em julho de 2021, Grimes, ao lado de will.i.am, Alanis Morissette, Nick Lachey e Rocsi Diaz foram revelados como jurados em Alter Ego, uma nova série de competição de canto em que os competidores fazem uso da tecnologia de captura de movimento para se retratarem como "avatares de sonho".[94] Em 30 de setembro de 2021, Grimes lançou uma nova música intitulada "Love". A música foi gravada em resposta à sua separação de Elon Musk e ao aumento da atenção da mídia.[95] Em 3 de dezembro de 2021, Grimes lançou uma nova música intitulada "Player of Games".[96][97] No mesmo dia, ela também anunciou o título de seu sexto álbum de estúdio, Book 1.[96]

Em janeiro de 2022, Grimes anunciou um vinil do 10º aniversário de seu álbum, Visions.[98] Em 26 de janeiro de 2022, Grimes lançou "Shinigami Eyes".[99]

Uma semana depois, em 3 de fevereiro de 2022, Grimes anunciou seu próximo EP intitulado, Fairies Cum First.[100]

Artisticidade[editar | editar código-fonte]

Estilo musical[editar | editar código-fonte]

A música de Grimes se baseia em uma mistura eclética de estilos, incluindo dream pop,[5][101][102] synth-pop,[103][104] electropop,[105][106] art pop,[107][108] eletrônico,[5][101] pop experimental,[109][110] R&B,[5][101] pop,[110][111] avant-garde pop,[112] lo-fi,[113] bedroom pop,[113] indie pop,[101] electronica,[114] nu metal,[115] e hip hop.[5][101][116] Seu trabalho tem sido comparado a vários artistas, incluindo Björk,[32] Julianna Barwick, Siouxsie Sioux,[117] e Enya.[118] Ela foi descrita pela Tastemakers Magazine como uma "filha amorosa alienígena de Aphex Twin e ABBA".[119] O The Guardian resumiu seu estilo musical: "Ao soar um pouco como tudo o que você já ouviu, o todo soa como nada que você já ouviu".[120] O The Japan Times escreveu que "a música de outro mundo, auxiliada por Ableton, de Grimes está repleta de ganchos adequados para sentar ao lado de Rihanna e Taylor Swift no Top 40".[121] A Dazed afirmou: "Em certo sentido, ela sempre prosperou em ser muito pop para indie e muito indie para pop".[122] Suas letras foram descritas pelo The Guardian como "geralmente evasivas e impressionistas, evitando detalhes específicos".[32] Grimes é uma soprano.[123][124][125][126] O The Daily Telegraph descreveu seus vocais como "doces, finos e nebulosos".[127] Ela utiliza técnicas de looping e camadas, particularmente com vocais; muitas de suas músicas apresentam camadas de mais de cinquenta faixas vocais diferentes que criam um som "ethereal".[118]

Grimes descreveu sua música como "música TDAH", mudando com frequência e dramaticamente – "Eu passo muito por fases".[128] Ela disse: "A maioria das músicas com versos tradicionais, refrão e estruturas de ponte provavelmente podem ser consideradas 'pop'. Mas acho que a maioria das pessoas pensa no Top 40 hoje em dia quando usa a palavra 'pop', e eu enfaticamente não sou desse mundo".[121] Ela disse que o álbum de 2007 de Panda Bear, Person Pitch, "impulsionou" sua mente. Ela explica: "Até aquele ponto, eu basicamente só fazia músicas estranhas de drones atonais, sem nenhum senso de composição. Eu mal entendia nada sobre música... Mas de repente toda a música se encaixou e parecia tão simples e fácil. Eu fui capaz de espontaneamente escrever músicas imediatamente depois de ouvir este álbum uma vez."[129]

Influências[editar | editar código-fonte]

As influências de Grimes incluem Aphex Twin,[130] Bikini Kill,[6] Black Dice,[130] Blink-182,[131] Blue Hawaii,[132] David Bowie,[133] Burial,[6] Kate Bush,[134] Mariah Carey,[135] Cocteau Twins,[136] Dungeon Family,[130] Enya,[6] Al Green,[135] Hildegarda de Bingen,[137] How to Dress Well,[132] Chris Isaak,[133] Michael Jackson,[130] Jedi Mind Tricks,[138] Billy Joel,[139] Yoko Kanno,[140] Kenji Kawai,[140] Alicia Keys,[141] Yayoi Kusama,[140] Marilyn Manson,[142] Mindless Self Indulgence,[133] Joanna Newsom,[6] New Edition,[130] Nine Inch Nails,[130] Outkast,[130] Panda Bear,[6] Paramore,[143] Queen,[133] Trent Reznor,[134] Salem,[141] Skinny Puppy,[144] Tool,[129] St. Vincent,[133] Dandi Wind,[145] Geinoh Yamashirogumi,[140] e Yeah Yeah Yeahs;[129] e também K-pop,[146] Música medieval,[135] e The Legend of Zelda.[147]

Arte visual[editar | editar código-fonte]

Grimes criou a arte da capa de todos os seus álbuns, bem como litografias artísticas para cada faixa de Art Angels que foram vendidas com o lançamento em vinil. Sua arte é influenciada por anime japonês, mangá e artistas de quadrinhos como Charles Burns e Daniel Clowes.[148] Grimes ilustra seus produtos, incluindo camisetas, capas de álbuns e pôsteres de shows. Suas ilustrações apareceram em mostras de galeria, inclusive no Museu Guggenheim Bilbao. Ela criou uma capa alternativa para The Wicked + The Divine da Image Comics, e projetou uma coleção cápsula de camisetas para Saint Laurent, em 2013.[149] Naquele ano, ela também foi curadora de um evento de dois dias na Audio Visual Arts Gallery na Cidade de Nova York com um leilão silencioso em benefício da Associação de Mulheres Nativas do Canadá para aumentar a conscientização sobre a violência contra as mulheres aborígenes no Canadá.[150][151] No início de 2021, ela vendeu arte digital original na forma de tokens não fungíveis por US$ 5,8 milhões.[152]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Boucher tem um meio-irmão que faz rap sob o nome de Jay Worthy;[153] eles colaboraram na música "Christmas Song", lançado no disco bônus da Rough Trade de seu álbum Visions. Um de seus irmãos, Mac Boucher, esteve envolvido na realização de alguns de seus videoclipes, como "Violence", "Go", "Realiti", "Flesh Without Blood/Life in the Vivid Dream", "Kill V. Maim", "Venus Fly" e "We Appreciate Power".[154]

Em 2009, Boucher e um amigo tentaram navegar pelo Rio Mississippi até Nova Orleães de Minneapolis em uma casa flutuante que eles construíram.[155] Após vários contratempos, incluindo problemas no motor e encontros com a polícia, a casa flutuante foi apreendida pela cidade de Minneapolis. Boucher afirma que elementos da história foram exagerados nos jornais que a noticiaram na época.[156] A aventura foi transformada em um vídeo animado narrado por T-Bone Burnett.[157]

No passado, Boucher foi aberta sobre seu uso de drogas, afirmando que durante a criação de Visions em 2012, ela "apagou as janelas e usou toneladas de anfetaminas e ficou acordada por três semanas e não comeu nada".[36] Em 2011, ela e seu colega artista canadense, d'Eon passaram "uma semana fazendo shows e usando LSD na Cidade do México".

Em 2014, Boucher fez uma postagem em seu blog expressando sua aversão às drogas pesadas, distanciando-se de seu endosso anterior, dizendo que não quer que "[o uso de drogas pesadas] faça parte de [sua] narrativa".[158][159][160] "Perder pessoas para as drogas e o álcool é o pior porque eles destroem todas as boas lembranças que você tem deles antes de forçá-lo a lidar com o espaço vazio que eles deixam para trás.[160] Eu quero que as pessoas saibam que eu odeio drogas pesadas. Tudo o que elas fizeram foi matar meus amigos e me tornar improdutiva."

Como cantora, Boucher é conhecida por ter uma língua presa; ela afirmou que "gosta" e não tem vontade de fazer terapia fonoaudiológica.[161]

Desde 2018, ela é chamada de c (o símbolo da velocidade da luz) em sua vida pessoal.[162]

Relacionamentos[editar | editar código-fonte]

De 2007 a 2010, Boucher teve um relacionamento intermitente com Devon Welsh, então vocalista do Majical Cloudz. Os dois se conheceram em 2007 em uma festa do dormitório do primeiro ano enquanto estudavam na Universidade McGill.[163] De 2012 a 2018, Boucher esteve em um relacionamento com o músico eletrônico Jaime Brooks,[164] que a apoiou na Visions Tour performando como Elite Gymnastics.[165][166]

Em 2018, Boucher iniciou um relacionamento com o empresário de tecnologia, Elon Musk.[167] Eles se conheceram depois de descobrir no Twitter que ambos inventaram o mesmo trocadilho em relação ao rococó e ao experimento mental do basilisco de Roko.[168] Em 4 de maio de 2020, ela deu à luz seu filho,[169][170] a quem chamaram de "X Æ A-12"[171][172] (pronunciado "Ex Ash A Twelve"[173] ou "Ex Ay Eye").[174] O nome teria violado a lei de nomes na Califórnia, onde a criança nasceu,[175] e foi posteriormente alterado para "X Æ A-Xii".[176] De acordo com uma imagem da certidão de nascimento, a letra "X" é o primeiro nome da criança, e "AE A-XII" o nome do meio.[177] Ele é o sétimo filho de Musk.[178] Grimes disse via Instagram que Go Won do girl group sul-coreano Loona, com quem colaborou em 2018, é madrinha de seu filho.[179] O casal se "semi-separou" em setembro de 2021.[180]

Em janeiro de 2022, Grimes disse sobre seu relacionamento com Musk: "Eu provavelmente me referiria a ele como meu namorado, mas somos muito fluidos”. Ela revelou ainda que seu segundo filho, uma menina, Exa Dark Sideræl Musk, apelidada de Y, nasceu em dezembro de 2021 por meio de barriga de aluguel.[181] Em março de 2022, após a publicação da entrevista (que havia sido adiada dois meses antes de sua publicação), Grimes twittou que ela e Musk haviam terminado novamente "mas ele é meu melhor amigo e o amor da minha vida".[182]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Grimes

Turnês[editar | editar código-fonte]

Como atração principal[editar | editar código-fonte]

  • Halfaxa Tour (Canadá, 2010) (em colaboração com Pop Winds)
  • Darkbloom Tour (América do Norte, 2011) (apoiado por Doldrums)
  • Visions Tour (Mundial, 2012–2014) (apoiado por Born Gold, Myths, Elite Gymnastics, Ami Dang)
  • Rhinestone Cowgirls Tour (América do Norte, 2015) (apoiado por Nicole Dollanganger)
  • Ac!d Reign Tour (Asia/Europa, 2016) (apoiado por Hana, Aristophanes, Lupa J)
  • March of the Pugs Tour (América do Norte, 2016) (apoiado por Hana, Tei Shi, Christine and the Queens)

Como atração de apoio[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hudson, Laura (19 de maio de 2018). «Encouraged by Elon Musk, Grimes changed her name to the speed of light» (em inglês). The Verge. Consultado em 11 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de julho de 2018 
  2. «On Display: Claire Boucher» (em inglês). TVMcGill. 18 de janeiro de 2011. Consultado em 7 de junho de 2011. Cópia arquivada em 15 de março de 2011 
  3. «Grimes' Claire Boucher to Stage Art Show in NYC». Pitchfork (em inglês). 8 de março de 2012. Consultado em 5 de abril de 2017. Cópia arquivada em 9 de março de 2017 
  4. «GRIMES & D'EON INTERVIEW: "EVERYTHING IS GAINED."». Dummy Magazine (em inglês). 20 de abril de 2011. Consultado em 19 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2012 
  5. a b c d e Lymangrover, Jason. «Grimes – Biography & History». AllMusic (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2015. Cópia arquivada em 24 de abril de 2015 
  6. a b c d e f Sanneh, Kelefa (28 de setembro de 2015). «Is Grimes Too Punk to Be a Pop Star?». The New Yorker (em inglês). Consultado em 5 de abril de 2017. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2016 
  7. «2014 Nominees & Winners – The JUNO Awards» (em inglês). Junoawards.ca. Consultado em 4 de agosto de 2014. Arquivado do original em 20 de fevereiro de 2013 
  8. «Nominees – The JUNO Awards» (em inglês). Consultado em 17 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 17 de março de 2015 
  9. «'Miss Anthropocene' by Grimes» (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2019 
  10. Sound says most to Grimes Arquivado 2017-09-12 no Wayback Machine. Consultado em 7 de junho de 2011.
  11. «Grimes on Sur Le Vif, interviewed by Fanny Lefort ('oldish')». YouTube. 5 de maio de 2012. Consultado em 27 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 17 de maio de 2014 
  12. Brunet, Alan (2014). «Grimes: au-delà de l'impact souterrain» (em francês). La Presse. Consultado em 30 de outubro de 2019 
  13. Glassberg, Rachel (18 de maio de 2012). «Six Questions for... Grimes» (em inglês). Exberliner. Consultado em 22 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 11 de junho de 2020 
  14. «Grimes ou l'anti pop / Tout Le Monde En Parle». YouTube. 1 de dezembro de 2015. Consultado em 15 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 17 de março de 2016 
  15. «Interview: Intro trifft Grimes». Intro Magazin. 8 de setembro de 2012. Consultado em 12 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2017 
  16. Lederman, Marsha (30 de julho de 2012). «Claire Boucher as Grimes: the coolest girl in Canada». The Globe and Mail (em inglês). Consultado em 29 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2012 
  17. Syme, Rachel (5 de novembro de 2015). «Grimes: The Triumph of a Self-Made Oddball». Rolling Stone (em inglês) 
  18. «Interview: Claire Boucher, musician - The Scotsman». Scotsman.com (em inglês). Consultado em 4 de outubro de 2020 
  19. Marchand, Francois. «Dirty Pop: Grimes on Brink of Stardom». edmontonjournal.com (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2020. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2020 
  20. «Grimes In Reality» (em inglês). Consultado em 2 de abril de 2017. Cópia arquivada em 3 de abril de 2017 
  21. Michaels, Sean (22 de dezembro de 2014). «Grimes admits lifting moniker from grime genre option on Myspace». The Guardian (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2015. Cópia arquivada em 24 de maio de 2015 
  22. «lethe» (em inglês). 18 de dezembro de 2007. Consultado em 7 de maio de 2016. Cópia arquivada em 11 de junho de 2016 
  23. «Grimes: The Triumph of a Self-Made Oddball». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 23 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2017 
  24. «Grimes On Her New Scene-Stealing Look—And Why Instagram is Killing Her Hair Color Vibe». Vogue (em inglês). Consultado em 23 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2017 
  25. Riewer, Brian (12 de julho de 2011). «Grimes Set To Re-Release Debut Album». Sun on the Sand (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 15 de julho de 2012 
  26. Weatherall, Andrew (7 de julho de 2011). «DUMMY MIX 79 // BLOOD DIAMONDS». Dummy Magazine (em inglês). Consultado em 22 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2012 
  27. «Siren Seduction: Q&A With Electronic Musician Grimes» (em inglês). The Creator's Profect. 1 de fevereiro de 2012. Consultado em 20 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2012 
  28. Battan, Carrie (4 de janeiro de 2012). «Grimes Signs to 4AD, Listen to New Track "Genesis" From Visions». Pitchfork (em inglês). Consultado em 13 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2012 
  29. a b «Grimes» (em inglês). Webby Awards. Consultado em 14 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2017 
  30. «NME: The 500 Greatest Albums of All Time: October 2013» (em inglês). Rocklist.net. Consultado em 4 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2017 
  31. «Breakthrough Artist of the Year: Yearly summary: 2013». JunoAwards.ca (em inglês). Canadian Academy of Recording Arts and Sciences. Consultado em 4 de dezembro de 2018. Arquivado do original em 23 de junho de 2015 
  32. a b c d Richards, Sam (27 de abril de 2012). «Grimes: nine days without food, sleep or company gave me Visions». The Guardian (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2012. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2013 
  33. «Oblivion (2012) by Grimes» (em inglês). IMVDb.com. 2 de março de 2012. Consultado em 4 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 27 de julho de 2018 
  34. «The 200 Best Tracks of the Decade So Far (2010–2014) – Pitchfork». Pitchfork (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2015. Cópia arquivada em 1 de junho 2015 
  35. «Grimes: 'Visions' Has "Filler" Material Compared to 'Art Angels'». Fuse (em inglês). Consultado em 20 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 21 de outubro de 2016 
  36. a b Hresko, Lisa (3 de março de 2012). «In An Altered Zone». CMJ (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2013. Arquivado do original em 19 de outubro de 2013 
  37. a b «7Digital Interview 2012» (em inglês). 7digital.com. Consultado em 26 de junho de 2012. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2014 
  38. Grimes. «I don't want to have to compromise my morals in order to make a living» (em inglês). Tumblr. Consultado em 16 de junho de 2013. Arquivado do original em 31 de maio de 2013 
  39. «Grimes Rails Against Sexism: 'I'm Done With Being Passive'». Rolling Stone (em inglês). 24 de abril de 2013. Consultado em 16 de junho de 2013. Cópia arquivada em 15 de julho de 2013 
  40. «Grimes shoots a feminist arrow across the indie pop battlefield*» (em inglês). Irish Times. Consultado em 16 de junho de 2013. Cópia arquivada em 9 de maio de 2013 
  41. «Grimes – Art Angel (Documentary)». The Fader. 10 de dezembro de 2015. Consultado em 31 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2016 – via YouTube 
  42. «Grimes Signs to Jay Z's Roc Nation». SPIN (em inglês). Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 25 de julho de 2015 
  43. «Hear 'Go,' The Grimes Song That Rihanna Rejected». MTV News (em inglês). Consultado em 13 de abril de 2017. Cópia arquivada em 13 de abril de 2017 
  44. «SONG OF THE DAY:Grimes + Blood Diamonds, "Go"». self-titled (em inglês). 26 de junho de 2014. Consultado em 13 de abril de 2017. Cópia arquivada em 13 de abril de 2017 
  45. Nostro, Lauren (26 de junho de 2014). «Listen to Grimes' "Go" f/ Blood Diamonds» (em inglês). Complex. Consultado em 4 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 2 de agosto de 2014 
  46. Phillips, Amy (21 de agosto de 2014). «Grimes Previews Sweeping "Go" Video» (em inglês). Consultado em 22 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2014 
  47. «Grimes, "Go"». Rolling Stone (em inglês). 3 de dezembro de 2014. Consultado em 12 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2014 
  48. «Grimes Shares Video for Previously-Unheard Track "REALiTi"». Pitchfork (em inglês). 9 de março de 2015. Consultado em 8 de maio de 2015. Cópia arquivada em 4 de maio de 2015 
  49. «Grimes». Pitchfork (em inglês). Consultado em 28 de maio de 2015. Cópia arquivada em 29 de maio de 2015 
  50. «Grimes and Bleachers Share "Entropy" From HBO's "Girls"». Pitchfork (em inglês). 15 de março de 2015. Consultado em 8 de maio de 2015. Cópia arquivada em 12 de maio de 2015 
  51. «Grimes announces Rhinestone Cowgirls fall tour dates» (em inglês). 14 de setembro de 2015. Consultado em 8 de maio de 2016. Cópia arquivada em 29 de abril de 2016 
  52. Minsker, Evan (24 de maio de 2015). «Grimes Says New Album Coming in October» (em inglês). Pitchfork. Consultado em 29 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2015 
  53. Cills, Hazel (26 de outubro de 2015). «Grimes "Flesh without Blood"» (em inglês). Pitchfork. Consultado em 27 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2015 
  54. «Art Angels». Metacritic (em inglês). Consultado em 10 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2015 
  55. «Pitchfork's review of Art Angels. Consultado em 8 de maio de 2016.». Pitchfork (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2016. Cópia arquivada em 15 de maio de 2016 
  56. Renshaw, David (2 de dezembro de 2015). «Grimes reacts to 'Art Angels' being named NME's album of the year 2015: 'It's dreamlike'». Nme.com (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 24 de abril de 2017 
  57. «SOCAN Montréal Awards 2016 to celebrate music creators, publishers». Socan.ca (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2017 
  58. Helman, Peter (31 de outubro de 2016). «Grimes Wins Harper's Bazaar Women Of The Year Award». Stereogum.com (em inglês). Consultado em 23 de abril de 2017. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2017 
  59. «Grimes Announces "Ac!d Reign" European Tour – Pitchfork». Pitchfork (em inglês). 5 de outubro de 2015. Consultado em 8 de maio de 2016. Cópia arquivada em 24 de maio de 2016 
  60. «Drown Yourself in the Surreal Technicolor World of Grimes's 'California' Video» (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2017. Cópia arquivada em 25 de abril de 2017 
  61. «Hear Grimes' Dark 'Suicide Squad' Song 'Medieval Warfare' – Rolling Stone». Rolling Stone (em inglês). 3 de agosto de 2016. Consultado em 29 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 11 de setembro de 2017 
  62. «Watch Grimes' Quirky 'Ac!d Reign Chronicles' Video Series». Rolling Stone (em inglês). 5 de outubro de 2016. Consultado em 29 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 27 de agosto de 2017 
  63. GrimesVEVO (9 de maio de 2016). «Grimes – California». Consultado em 20 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2016 – via YouTube 
  64. «Grimes – "Venus Fly" (Feat. Janelle Monáe) Video – Stereogum» (em inglês). 2 de fevereiro de 2017. Consultado em 17 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2017 
  65. «Grimes ft. Janelle Monáe – Venus Fly (Official Video) – YouTube». YouTube. Consultado em 17 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2017 
  66. «iHeartRadio Much Music Video Awards 2017 Winners: The Complete List». E! Online (em inglês). Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  67. «VIDEO OF THE YEAR | Claire Boucher & Mac Boucher | The JUNO Awards». The JUNO Awards (em inglês). Consultado em 24 de abril de 2017. Cópia arquivada em 25 de abril de 2017 
  68. «Grimes says "no music any time soon," blames "trash music industry"» (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2018 
  69. «Grimes has delivered a disappointing update on her next album». NME (em inglês). 16 de fevereiro de 2018. Consultado em 16 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2018 
  70. «Grimes says her "final album for my shit label" will be "highly collaborative"» (em inglês). 26 de fevereiro de 2018. Consultado em 6 de março de 2018. Cópia arquivada em 7 de março de 2018 
  71. «Grimes Joins K-Pop Group Loona on New Song "love4eva": Listen - Pitchfork». pitchfork.com (em inglês). 30 de maio de 2018. Consultado em 17 de junho de 2018. Cópia arquivada em 17 de junho de 2018 
  72. «Grimes Debuts New Song in Apple Commercial: Watch - Pitchfork». pitchfork.com (em inglês). 15 de junho de 2018. Consultado em 17 de junho de 2018. Cópia arquivada em 17 de junho de 2018 
  73. «Pitchfork: Grimes Previews 2 New Songs: Listen». Pitchfork (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2018. Cópia arquivada em 16 de junho de 2018 
  74. Pearson, Luke (20 de setembro de 2018). «I'm very excited to share the title sequence for @hildatheseries featuring original music by @Grimezsz! Here it is! Hilda debuts on Netflix tomorrow!». Twitter.com (em inglês). Consultado em 6 de abril de 2019 
  75. «Grimes and Poppy Share New Song "Play Destroy": Listen - Pitchfork». pitchfork.com (em inglês). 31 de outubro de 2018. Consultado em 31 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2018 
  76. Bajgrowicz, Brooke (22 de novembro de 2018). «Bring Me the Horizon Debut New Song 'Wonderful Life,' Reveal Album Track List Featuring Grimes & More». Billboard (em inglês). Consultado em 24 de novembro de 2018. Cópia arquivada em 26 de novembro de 2018 
  77. «Grimes Teased Her First 'Miss Anthropocene' Single In A New Adidas Advertisement». uproxx.com (em inglês). 13 de agosto de 2019. Consultado em 13 de agosto de 2019 
  78. Cook-Wilson, Winston (5 de setembro de 2019). «Grimes Releases Video for New Song "Violence": Watch». Spin (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  79. Regan, Samuel (26 de outubro de 2019). «Grimes: Miss_Anthropocene». hasitleaked.com (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2019 
  80. Sacher, Andrew (15 de novembro de 2019). «Grimes shares "So Heavy I Fell Through the Earth," reveals album details». Brooklyn Vegan (em inglês). Consultado em 15 de novembro de 2019 
  81. Aura, Elijah (17 de dezembro de 2019). «'4 ÆM' - Grimes [REVIEW]». AURA (em inglês). Consultado em 21 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2019 
  82. Phares, Heather. «Miss Anthropocene – Grimes» (em inglês). AllMusic. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  83. Nicolson, Barry (21 de fevereiro de 2020). «Grimes – 'Miss Anthropocene'». NME (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  84. Shaffer, Claire (12 de fevereiro de 2020). «Grimes Says New Song 'Delete Forever' Was Inspired by Lil Peep's Death». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2020 
  85. Coscarelli, Joe (20 de março de 2020). «How Grimes, the Ultimate D.I.Y. Pop Star, Made 'Delete Forever'». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 7 de abril de 2020 
  86. Martin, Bella (13 de novembro de 2020). «Benee - Hey u x». DIY (em inglês). Consultado em 18 de novembro de 2020 
  87. «Grimes surprise-releases DJ mix album». Crack (em inglês). 11 de dezembro de 2020. Consultado em 18 de outubro de 2021 
  88. Richards, Will (12 de dezembro de 2020). «Listen to Grimes' new song 'Delicate Weapon' from 'Cyberpunk 2077' soundtrack». NME (em inglês). Consultado em 19 de outubro de 2021 
  89. Stutz, Colin (5 de março de 2021). «Grimes Signs to Columbia Records: Exclusive». Billboard (em inglês). Consultado em 5 de março de 2021 
  90. Close, Paris (11 de junho de 2021). «Doja Cat Brings Grimes, Ryan Destiny To Outer Space In 'Need To Know' Video». iHeartRadio (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2021 
  91. a b Halabian, Layla. «Grimes To Launch Podcast, Teases New Song "Shinigami Eyes"». Nylon (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2021 
  92. «Grimes shares clip of new Chris Lake collaboration». NME (em inglês). 1 de junho de 2021. Consultado em 26 de julho de 2021 
  93. «Grimes on Discord, Her 'Space Opera' & Being Right About the Future: 'I'm Not Just Trying to Be Weird'». Billboard (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2021 
  94. «Grimes, Alanis Morissette, and Will.i.am to Judge New "Avatar Singing Competition" TV Show». Pitchfork (em inglês). 16 de julho de 2021. Consultado em 26 de julho de 2021 
  95. Mamo, Heran (30 de setembro de 2021). «Grimes Shares New Song 'Love' in Response to 'Harassment by Paparazzis' After Elon Musk Split». Billboard (em inglês). Consultado em 30 de setembro de 2021 
  96. a b Kenneally, Cerys (3 de dezembro de 2021). «Grimes begins Book 1 era with new single "Player of Games"». The Line of Best Fit (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  97. Minsker, Evan (3 de dezembro de 2021). «Grimes Shares New Song "Player of Games": Listen». Pitchfork (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2021 
  98. Corcoran, Nina (20 de janeiro de 2022). «Grimes Announces 10th Anniversary Reissue of Visions». Pitchfork (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2022 
  99. Strauss, Matthew (26 de janeiro de 2022). «Grimes Shares Video for New Song "Shinigami Eyes"». Pitchfork (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2022 
  100. «Grimes announces 'Fairies Cum First' EP». DIY (em inglês). 4 de fevereiro de 2022. Consultado em 5 de fevereiro de 2022 
  101. a b c d e «Grimes reviews, music, news». Sputnikmusic (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  102. Hall, John (4 de junho de 2012). «Field Day, Victoria Park, London». The Independent (em inglês). Consultado em 7 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2016 
  103. Lederman, Marsha (30 de julho de 2012). «Claire Boucher as Grimes: the coolest girl in Canada» (em inglês). The Globe and Mail. Consultado em 21 de dezembro de 2012. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2012 
  104. Lederman, Marsha. «Claire Boucher as Grimes: the coolest girl in Canada». The Globe and Mail (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2012 
  105. Gotrich, Lars (29 de novembro de 2018). «On 'We Appreciate Power,' Grimes Helps Us Greet Our AI Overlords». NPR (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  106. Battan, Carrie (16 de fevereiro de 2012). «Grimes». Pitchfork (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  107. Berman, Judy (21 de fevereiro de 2020). «Grimes Tried to Make a Soundtrack for the End of the World. The Result Is Surprisingly Timid». Time (em inglês). Consultado em 28 de dezembro de 2021 
  108. «Grime's Star Shines Online». Montreal Gazette (em inglês). Consultado em 27 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 12 de junho de 2018 
  109. Wills, Sydney (12 de novembro de 2019). «Female Empowerment Through the Experimental Pop Revolution». Achona Online (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  110. a b Gotrich, Lars (4 de maio de 2019). «How Grimes became pop's ultimate tastemaker». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  111. Hermes, Will (24 de fevereiro de 2020). «Review: On 'Miss Anthropocene,' Grimes Crafts Pop Both Visceral And Cryptic». NPR.org (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2021 
  112. Kane, Siobhán (15 de agosto de 2011). «Album Review: Grimes – Geidi Primes» (em inglês). Consequence of Sound. Consultado em 26 de junho de 2012. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2012 
  113. a b Zoladz, Lindsay (19 de maio de 2011). «d'Eon / Grimes: Darkbloom EP» (em inglês). Pitchfork. Consultado em 3 de julho de 2021 
  114. Perry, Kevin EG (4 de dezembro de 2015). «Our Album Of The Year Winner Grimes – The Full NME Cover Feature». NME (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2016 
  115. «Grimes details "nu-metal" fifth album Miss_Anthrop0cene». The FADER (em inglês). Consultado em 13 de janeiro de 2021 
  116. «50 Best Songs Of 2014». Rolling Stone (em inglês). 3 de dezembro de 2014. Consultado em 30 de julho de 2018. Cópia arquivada em 30 de julho de 2018 
  117. Caramanica, Jon (20 de fevereiro de 2012). «Reviews of Albums From Grimes, Galactic and Tyga». The New York Times (em inglês). Consultado em 21 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2012 
  118. a b Holson, Laura H. (7 de março de 2012). «Claire Boucher, known as Grimes, Mines Beauty from the Dark Side». The New York Times (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2012 
  119. Fowle, Leslie (14 de março de 2012). «Grimes – Visions». Tastemakers Mag (em inglês). Consultado em 14 de junho de 2012. Arquivado do original em 28 de abril de 2012 
  120. Hoby, Hermione (28 de janeiro de 2012). «One to watch: Grimes». The Guardian (em inglês). Consultado em 15 de junho de 2012. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2014 
  121. a b Lindsay, Cam (21 de janeiro de 2016). «Grimes is set to challenge your definition of pop». The Japan Times (em inglês). Consultado em 22 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  122. Myers, Owen (15 de setembro de 2015). «Grimes: Weird Science». Dazed (em inglês). Consultado em 22 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2017 
  123. Jonhston, Abby (1 de março de 2012). «Grimes: Circumambient». The Austin Chronicle (em inglês). Consultado em 17 de março de 2018. Cópia arquivada em 23 de julho de 2018 
  124. Christgau, Robert (2015). «Grimes: Art Angels Review». Robert Christgau (em inglês). Consultado em 17 de março de 2018. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2018 
  125. Pettifer, Amy (12 de novembro de 2015). «Grimes: Art Angels Review». The Quietus (em inglês). Consultado em 17 de março de 2018 
  126. Phares, Heather. «Visions – Grimes». AllMusic (em inglês). Consultado em 17 de março de 2018. Cópia arquivada em 17 de março de 2018 
  127. Brown, Helen (24 de novembro de 2015). «Grimes: Art Angels, album review: 'weird and wonderful'». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2015 
  128. Zhong, Fan (Junho de 2012). «On the Verge: Grimes». W. 41 6 ed. p. 35. Consultado em 9 de junho de 2012. Cópia arquivada em 9 de junho de 2013 
  129. a b c Stereogum: Grimes Writes About 5 Albums That Changed Her Life Arquivado 2016-04-23 no Wayback Machine. Consultado em 8 de maio de 2016.
  130. a b c d e f g Hood, Bryan (21 de fevereiro de 2012). «Grimes on Visions, Anime, and Being the Next Phil Spector». Vulture.com (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2016 
  131. Sherman, Maria (11 de setembro de 2013). «I Was in an All-Girl Blink-182 Cover Band Called Dumpweed». The Village Voice (em inglês). Consultado em 12 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 13 de setembro de 2013 
  132. a b Fallon, Patric (1 de fevereiro de 2012). «High Five: Grimes». XLR8R (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2012. Cópia arquivada em 15 de setembro de 2016 
  133. a b c d e Renshaw, David (12 de dezembro de 2014). «Grimes finishes work on new 'glam rock' song inspired by David Bowie and Queen». NME (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 5 de março de 2017 
  134. a b «Grimes At Lollapalooza 2016». Recording Academy - Membership 
  135. a b c Kerr, Stephen (21 de agosto de 2010). «Grimes interview: "So many worlds."». Dummy Mag (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2016 
  136. Lucas, John (16 de fevereiro de 2012). «Grimes taps into eclectic set of influence». The Georgia Straight (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2012. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2015 
  137. Moreland, Quinn (6 de abril de 2016) "Pitchfork Album Review: Grimes - Halfaxa", Pitchfork (em inglês), Consultado em 24 de abril de 2019.
  138. Lindsay, Cam (13 de fevereiro de 2012). «Grimes Talks Her 'Visions'». Exclaim! (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 10 de junho de 2016 
  139. Young, Alex (19 de outubro de 2015). «Grimes' new album is called Art Angels, features a song about Al Pacino as transgender vampire». Consequence of Sound (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2016 
  140. a b c d Richards, Jason (21 de março de 2013). «Japan's influence on Grimes grows deeper». The Japan Times (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2015 
  141. a b Zoladz, Lindsay (19 de maio de 2011). «Album Reviews: d'Eon / Grimes: Darkbloom EP». Pitchfork (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2011. Cópia arquivada em 22 de maio de 2011 
  142. «Mr. Style Icon: Grimes on the importance of Marilyn Manson». Electronic Beats (em inglês). 10 de julho de 2012. Consultado em 6 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 22 de janeiro de 2013 
  143. Pajer, Nicole (18 de abril de 2013). «Grimes Offers Precise Update on 'Experimental' Next Album». Billboard (em inglês). Consultado em 8 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2016 
  144. Richards, Chris (6 de setembro de 2012). «No Room for Grimes in a Genre Box». The Washington Post (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2012 
  145. Elliot, Natalie (16 de fevereiro de 2012). «Grimes Dishes On Her Less Obvious Influences And Her DIY Tattoos» (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2012. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2013 
  146. Hadfield, James (20 de agosto de 2012). «Summer Sonic: Grimes interview». Time Out Tokyo (em inglês). Consultado em 28 de setembro de 2012. Arquivado do original em 25 de setembro de 2012 
  147. «Grimes Calls Legend of Zelda: Ocarina of Time One of the Best Games Ever». Fm.tv (em inglês). Consultado em 4 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2018. It influenced me pretty heavily. Me and my brothers and cousins all played and we all have the same tattoo. It's one of the best games ever. 
  148. «Grimes' Artistic 'Genesis': Experimental Electronic Musician Flirts With Pop». ABC News (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  149. «The Wicked + The Divine #14». Imagecomics.com (em inglês). Consultado em 8 de março de 2017. Cópia arquivada em 9 de março de 2017 
  150. McCall, Tyler. «Grimes Designs Capsule Collection of T-Shirts for Saint Laurent Paris». Fashionista.com (em inglês). Consultado em 8 de março de 2017 
  151. Pelly, Jenn (8 de março de 2012). «Grimes' Claire Boucher to Stage Art Show in NYC». Pitchfork.com (em inglês). Consultado em 8 de março de 2017. Cópia arquivada em 9 de março de 2017 
  152. Kirkpatrick, Emily (2 de março de 2021). «Grimes's Digital Art of Spear-Wielding Babies Sells for $5.8 Million». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 4 de março de 2021 
  153. Schwartzberg, Lauren (4 de junho de 2014). «Interview: Jay Worthy on LNDN DRGS, Compton, and Doing Things Differently». Pigeons and Planes (em inglês). Verizon Hearst Media Partners. Consultado em 9 de maio de 2018. Cópia arquivada em 10 de maio de 2018 
  154. Benjamin, Jeff (8 de dezembro de 2015). «Grimes On "Realiti": It "Wasn't Supposed To Be A Music Video"». Fuse (em inglês). Consultado em 9 de maio de 2018. Cópia arquivada em 10 de maio de 2018 
  155. Pabst, Lora (26 de junho de 2009). «This boat don't float». Star Tribune (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2018. Cópia arquivada em 24 de maio de 2018 
  156. Friedlander, Emilie (28 de julho de 2015). «Grimes In Reality». The Fader (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2018. Cópia arquivada em 7 de junho de 2018 
  157. Blais-Billie, Braudie (23 de maio de 2018). «Grimes' Crazy 2009 Houseboat Adventure Turned Into Animated Video». Pitchfork (em inglês). Consultado em 23 de maio de 2018. Cópia arquivada em 24 de maio de 2018 
  158. Gorton, Thomas (19 de agosto de 2014). «Grimes pens anti-drugs note on Tumblr». Dazed & Confused (em inglês). Consultado em 23 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2014 
  159. Rettig, James (17 de agosto de 2014). «Grimes Calls Out The Trolls Putting Pro-Drug Statements On Her Wikipedia». Stereogum (em inglês). Eldridge Industries. Consultado em 10 de maio de 2018. Cópia arquivada em 10 de maio de 2018 
  160. a b «losing people to drugs and alcohol is the worst …» (em inglês). Tumblr. 17 de agosto de 2014. Consultado em 17 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2014 
  161. McCartney, Stella (10 de março de 2016). «Grimes Opens Up About Beyoncé and Body Hair in Our April Issue». Teen Vogue (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2017 
  162. Douze, Khalila (4 de agosto de 2019). «The artist formerly known as Grimes». Cultured (em inglês) 
  163. Pelly, Jenn (25 de junho de 2015). «Fall Down Laughing: The Story of Majical Cloudz». Pitchfork (em inglês). Consultado em 23 de junho de 2019 
  164. Gormely, Ian (28 de fevereiro de 2019). «Default Genders Escaped the Spotlight's Glare to Make 'Main Pop Girl 2019,' His Best Work Yet». Exclaim! (em inglês) 
  165. Tony (8 de junho de 2012). «Grimes Announces Tour with Local Duo Elite Gymnastics». The Minnesota Daily (em inglês) 
  166. Hogan, Marc (7 de agosto de 2013). «Default Genders' James Brooks: 'I Totally Failed'». Spin (em inglês) 
  167. Salinas, Sara (4 de janeiro de 2019). «Elon Musk wants Grimes out of a lawsuit over Tesla take-private tweet». CNBC. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  168. Grady, Constance (16 de agosto de 2018). «Who is Grimes» (em inglês). Vox. Consultado em 21 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2018 
  169. Kiefer, Halle (4 de maio de 2020). «Grimes and Elon Musk's Baby Has Arrived, Just As Legend Foretold». Vulture (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2020 
  170. Trepany, Charles (5 de maio de 2020). «Elon Musk shares first photo of his and Grimes' new baby boy: 'Mom and baby all good'». USA Today (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2020 
  171. «X Æ A-12: Elon Musk and Grimes confirm baby name». BBC (em inglês). 6 de maio de 2020. Consultado em 7 de maio de 2020 
  172. Hartmans, Avery (6 de maio de 2020). «How to pronounce 'X Æ A-12,' the name Elon Musk tweeted he and Grimes gave their new baby». Business Insider (em inglês). Consultado em 7 de maio de 2020 
  173. Rogan, Joe (7 de maio de 2020). «Joe Rogan Experience #1470 – Elon Musk». YouTube. Consultado em 17 de maio de 2020 
  174. Tenreyro, Tatiana (7 de maio de 2020). «Grimes Finally Explained How To Pronounce Her Son X Æ A-12's Name» (em inglês). BuzzFeed. Consultado em 17 de maio de 2020 
  175. Juneau, Jen; Warner, Kara (6 de maio de 2020). «Elon Musk and Grimes' Newborn's Name, X Æ A-12, Is Technically Legal but 'Won't Be Accepted'». People (em inglês). Consultado em 19 de maio de 2020 
  176. Singh, Edith (25 de maio de 2020). «Elon Musk and Grimes have changed their baby's name. A bit». CNN Entertainment (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2020 
  177. Cooper, Gael Fashingbauer (16 de junho de 2020). «Elon Musk and Grimes saved a surprise for son X Æ A-12's birth certificate». CNET (em inglês). Consultado em 16 de junho de 2020 
  178. Das, Trishna (5 de maio de 2021). «How Did Elon Musk's Son Nevada Alexander Die? Netizens Expect Chat on 'Saturday Night Live'». International Business Times (em inglês) 
  179. Deen, Sarah (25 de maio de 2020). «Grimes claims Go Won from K-pop group LOONA is 'godmother' to baby son X Æ A-12». Metro (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2020 
  180. Ivie, Devon (24 de setembro de 2021). «Elon Musk and Grimes Took the Red Pill and Broke Up». Vulture (em inglês). Consultado em 24 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2021 
  181. Gordon, Devin (10 de março de 2022). «"Infamy Is Kind Of Fun": Grimes on Music, Mars, and—Surprise!—Her Secret New Baby With Elon Musk». Vanity Fair (em inglês). Condé Nast. Consultado em 10 de março de 2022 
  182. D'Zurilla, Christie (11 de março de 2022). «Never mind that new baby: Grimes and Elon Musk have broken up again, she says». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 14 de março de 2022 
  183. «Grimes to Open for Florence and the Machine on North American Tour – Pitchfork». Pitchfork (em inglês). 11 de janeiro de 2016. Consultado em 7 de maio de 2016. Cópia arquivada em 3 de maio de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Grimes (artista)