Nu metal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nu metal
Origens estilísticas Heavy metal, metal alternativo, rap metal, funk metal, metal industrial, groove metal, hardcore punk, grunge[1] [2] [3]
Contexto cultural Meados da década de 1990 nos Estados Unidos
Instrumentos típicos Vocal
Guitarra
Baixo
Turntables
Bateria
Teclado
Sintetizador
Popularidade Alta no final da década de 1990 e no começo do século XXI
Formas regionais
California, Região Centro-Oeste dos Estados Unidos, Neue Deutsche Härte
Outros tópicos
Bandas de nu metal

Nu metal (também conhecido como nü-metal,[4] aggro-metal,[1] [5] neo-metal ou new metal) é um subgênero[6] do heavy metal.[4] [7] [8] [9] É uma fusão musical[8] que combina elementos do metal com outros gêneros, como o hip-hop e a música industrial. É classificado como parte do metal alternativo.[1] [10]

Origens[editar | editar código-fonte]

Bandas de rock dos anos de 1980 e 1990, incluindo Faith No More, Red Hot Chili Peppers, Janes Addiction, Tool, Staind, Alice in Chains, Rage Against the Machine, Pantera e Sepultura foram identificados como os alicerces das bases para o desenvolvimento do nu metal, ao combinar riffs agressivos com estruturas pop e influências a partir de uma variedade de gêneros, dentro e fora do heavy metal.[11] [12]

O single “Epic” do Faith No More é considerado por alguns como a primeira encarnação do nu metal, como afirma o antiMusic "Epic foi (infelizmente para uma verdadeira banda hasteadora da bandeira do avant-garde como o Faith No More) protótipo do modelo do rótulo que olheiros da música buscavam para recrutar. E eles o fizeram. Isso não é uma defesa da ideia que o Faith No More foi o único catalisador atrás do que finalmente se transformou no nu metal da descrição de Jonathan Davis. Muito pelo contrário".[13]

Características[editar | editar código-fonte]

Bandas associadas com nu metal derivam influência de uma variedade de estilos diversos, incluindo a música eletrônica, funk estadunidense, glam metal, rock gótico, grunge, hardcore punk, hip hop, metal industrial, jazz, pós-punk, rock sinfônico e synthpop.[1] [2] [8] [14] [15] O nu metal também deriva influências de vários sub-gêneros do metal pesado, incluindo rap metal, o funk metal, metal alternativo e thrash metal.[1] [2] [8]

A música do nu metal é principalmente sincopado e com base em riffs.[4] Quebras no meio das canções, e faltas de solos contrasta com outros subgêneros do metal.[4] Outro contraste com outros subgêneros do metal é sua ênfase no ritmo, tendendo a mais elementos de ritmo do groove metal.[8] Semelhanças com outros subgêneros do metal pesado incluem o uso de compasso, guitarras distorcidas, power chords e estruturas de nota principalmente girando em torno de estilos dorianos, eólicos oufrígios.[4]

A banda de nu metal Slipknot, que são conhecidos por seu uso de fantasias e máscaras, atuando em Buenos Aires, em 2005

Muitas bandas de nu metal usam guitarras de sete cordas ao contrário das mais tradicionais guitarras de seis cordas.[2] Guitarras de sete cordas, que são, por vezes, afinadas[9] para aumentar a sensação de peso, resultam em baixistas usando instrumentos de cinco e seis cordas [2] . DJs às vezes também são utilizados em instrumentações rítmicas adicionais, tais como em sampling e scratching e temas de fundo eletrônicos.[2]

No nu metal é observada uma grande participação de mulheres em contraste com gêneros de metais,[16] incluindo bandas como Coal Chamber,[17] Evanescence [18] e a toda feminina Kittie.[19]

Os estilos de vocal do nu metal variam entre o canto melódico, rap, screaming e o death growling, às vezes usando vários desses estilos dentro de uma mesma música. As letras de muitas bandas de nu metal concentram-se na dor e na alienação pessoal, em vez dos temas de outros subgêneros de metal.[2] [15] O nu metal usa a estrutura de versos do pop tradicional, com refrões e pontes, contrastando-a com a de outros gêneros de metal, tais como o thrash e o death metal.[20]

Trevor Baker, do jornal de The Guardian escreveu que "Bandas como Linkin Park, Korn e até mesmo o tão injuriado Limp Bizkit também, aliás, fizeram muito mais para quebrar as barreiras artificiais entre "música urbana" e o rock do que qualquer um dos seus homólogos mais criticamente aceitáveis. Seus concertos também atraiam um grande número de mulheres, que é muito mais do que você poderia dizer para qualquer uma das antigas banda de metal".[21] A moda nu metal pode incluir camisas largas, camisas esportivas e jaquetas, singletos de basquete e shorts, capuzes, calças de carga, moletons, dreadlocks, cabelo espetado, piercings, tatuagems, macacão e sweatsuits.[22] [23] [24]

História[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento inicial[editar | editar código-fonte]

As origens do termo são frequentemente atribuídas ao trabalho do produtor Ross Robinson, às vezes chamado de "O Poderoso Chefão do Nu Metal".[11] Muitas das bandas de nu metal primeiramente vieram da Califórnia,[25] como Korn, que foi pioneira no som nu metal com o lançamento de seu álbum demo em 1993,[26] e Deftones. Outras bandas influentes são Staind de Massachusetts, Limp Bizkit da Flórida,[10] e Slipknot de Iowa. Os riffs agressivos de Korn, o rap rock de Limp Bizkit e as baladas acústicas de Staind criaram o modelo sonoro para nu metal.[10]

Em 1994 o vídeo clipe da canção de estreia do Korn, "Blind", que foi amplamente transmitido na MTV, expôs o nu metal para um público maior em um momento em que o grunge dominava. O nu metal continuou a alcançar reconhecimento através MTV e com a introdução de 1995 do Ozzfest de Ozzy Osbourne, o que levou a mídia a falar de um ressurgimento do heavy metal.[27] O Ozzfest foi fundamental para lançar as carreiras de várias bandas de nu metal, incluindo Limp Bizkit e Godsmack em 1998, e System of a Down em 1999.[28]

Popularidade[editar | editar código-fonte]

1998 é geralmente reconhecido como o ano de invasão do cenário do nu metal, com o terceiro álbum do Korn, Follow the Leader se tornando um sucesso de multi platina e abrindo o caminho para outras bandas do estilo.[21]

Por este ponto a maioria das bandas de nu metal estava tocando uma combinação de thrash metal, hip hop, industrial, punk hardcore e grunge.[1] Artistas estabelecidos, como Sepultura,[29] Slayer,[30] Vanilla Ice[31] e Machine Head[32] lançaram álbuns que tinham influencia do novo estilo. Em Sound of the Beast: The Complete Headbanging History of Heavy Metal, Ian Christie escreveu que o gênero demonstrou que o "metal pancultural poderia vingar".[33]

Em 1999, uma banda de nu metal de Iowa, Slipknot surgiu com um som escuro e pesado, lançando seu álbum de estreia, que vendeu mais de 2 milhões de cópias nos Estados Unidos sozinho,[34] com Rick Anderson do Allmusic escrevendo "Você pensou que Limp Bizkit era pesado? Eles são os Osmonds. Esses caras são uma coisa completamente diferente".[35] O segundo álbum do Limp Bizkit Significant Other, lançado em 1999, alcançou o número 1 na Billboard 200, vendendo 643.874 cópias em sua primeira semana de lançamento.[36] Em sua segunda semana, o álbum vendeu 335.000 cópias.[36] Em 2000, Limp Bizkit lançou Chocolate Starfish and the Hot Dog Flavored Water, estabelecendo um recorde de mais vendas em uma semana para um álbum de rock com mais de um milhão de exemplares vendidos nos Estados Unidos em sua primeira semana de lançamento, com 400 mil dessas vendas em seu primeiro dia, tornando-se o álbum de rock mais vendido do mundo, quebrando o registro mundial realizado há sete anos pelo Vs. do Pearl Jam.[37] No mesmo ano, o álbum do Papa Roach, Infest, e o “The Sickness“ do Disturbed se tornaram sucessos com disco de platina.[38]

No final de 2000, Linkin Park lançou seu álbum de estreia, Hybrid Theory, que permanece tanto como o álbum de estreia mais vendido por qualquer artista no século XXI, e o álbum mais vendido de nu metal de todos os tempos.[39] O disco também foi o álbum mais vendido de todos os gêneros em 2001,[40] ganhando para a banda um Grammy para o segundo single do álbum, Crawling ",[41] com o quarto single, In The End, lançado no final de 2001, tornando-se uma das músicas mais reconhecidas na primeira década do século 21.[42] [43] Em 2001, o terceiro álbum do Staind, Break The Cycle, estreou em número um na Billboard 200 com primeira semana de vendas de 716.003 cópias.[44] Nesse mesmo ano o Slipknot lançou seu segundo álbum, Iowa, que chegou ao número 3 na Billboard 200,[45] passando a vender mais de um milhão de cópias nos Estados Unidos.[46] o crítico John Mulvey proclamou que o álbum era o "absoluto triunfo do nu metal".[47] Também nesse ano o disco Satellite, do P.O.D também foi um sucesso comercial, estreando na posição de número 6 na Billboard 200.[48]

Decadência[editar | editar código-fonte]

Em 2002, os críticos começaram a afirmar que a popularidade mainstream do nu metal estava diminuindo,[49] citando o fato de que o tão aguardado quinto álbum do Korn, Untouchables, e o segundo álbum de estúdio do Papa Roach, Lovehatetragedy, não venderam tanto quanto seus antecessores, e as bandas de nu metal estavam sendo tocadas cada vez menos nas estações de rádio e na MTV, que começou a se concentrar no punk pop, metalcore e no movimento emo.[50]

O álbum de estreia do Evanescence, Fallen, também foi lançado no mesmo ano. Muitos críticos observaram o som nu metal do álbum,[51] [52] cuja canção vencedora do Grammy, Bring Me To Life [53] [54] foi comparado favoravelmente com o estilo do Linkin Park. Meteora e Fallen em terceiro e quarto, respectivamente, se tornaram os álbuns mais vendidos de 2003,[55] e projetam-se para vender quase 35 milhões de cópias por volta de 2012.[56] [57] Ambas as bandas lançaram singles bem vendidos ao longo de 2003 até meados de 2004.[43] [58] Também em 2003, Korn e Limp Bizkit lançaram seus novos álbuns Take a Look in the Mirror e Results May Vary, ambos vendidos consideravelmente menor do que os seus trabalhos anteriores. Korn chegou a admitir que Take a Look in the Mirror foi feito às pressas, enquanto que leitores da revista Guitar World nomearam o Limp Bizkit como a "pior banda de 2003", juntamente com a banda de pós-grunge Creed.[59] Em 2005, o Hybrid Theory do Linkin Park recebeu uma certificação de diamantes pela RIAA por dez milhões de cópias vendidas.[60]

Em meados da década de 2000, o metalcore e o New Wave of American Heavy Metal tornaram-se o subgênero do metal dominante no mainstream e no público particular do metal.[61] Apesar do enorme sucesso de Linkin Park e Evanescence, o nu metal continuou a diminuir em popularidade. Relacionando ao da popularidade de sua banda, Fred Durst disse: "Aqui uma coisa... dizer que, em 2000, havia 35 milhões de pessoas que haviam ligado-se a esta banda. Doze anos depois, muitas dessas pessoas mudaram. Nós éramos um momento no tempo que acabou." [62]

Muitas bandas de nu metal experimentaram outros gêneros e sons. Enquanto o Deftones e o P.O.D mantiveram vários de seus traços de nu metal, eles acabaram por evoluir para um metal mais alternativo, eliminado o rap em seus lançamentos posteriores em quase todas as suas músicas. O terceiro álbum de estúdio de Linkin Park, Minutes to Midnight, lançado em 2007, foi conhecido pelo completo adeus da banda à sua assinatura de banda de nu metal,[63] enquanto que o Incubus, outra banda popular de nu metal,[64] [65] [66] [67] [68] também abandonou o gênero em favor de um rock de rádio com uma abordagem alternativa amigável. Outras bandas de nu metal, como o Disturbed [69] e Slipknot [70] voltaram-se para um som do heavy metal tradicional.

2010s[editar | editar código-fonte]

Apesar da diminuição da popularidade de tocagem nas rádios, algumas bandas de nu metal ainda obtém sucesso comercial. O nono álbum de estúdio do Korn Korn III: Remember Who You Are, vendeu 63.000 cópias em sua primeira semana nos EUA, sendo número dois na Billboard 200.[71] Em 6 de dezembro de 2011, o álbum vendeu 185.000 unidades nos Estados Unidos.[72] e recebeu críticas positivas. Em 2011, o aguardado sexto álbum de estúdio do Limp Bizkit, Gold Cobra, foi um sucesso comercial, vendendo 63.000 cópias nos Estados Unidos e atingindo a posição 16 na Billboard 200, tendo o álbum recebido críticas em sua maioria positivas.[73] [74] Também em 2011, o álbum álbum auto-intitulado do Staind estreou em número cinco na Billboard 200, com vendas em primeira semana de 47.000 cópias.[75] Em 19 de novembro de 2011, o disco havia vendido mais de 100.000 cópias e recebido alguns dos comentários mais positivos a banda já havia recebido em sua carreira.

O tão esperado terceiro álbum do Evanescence, de mesmo nome estreou no número um na Billboard 200 e em outras paradas dos Estados Unidos, vendendo mais de 127.000 cópias na primeira semana, e 284 mil cópias até essa data. Ele também alcançou altas vendas em volta do mundo, recebendo certificações no Reino Unido, Canadá e Austrália em 2012. Isto trouxe na mídia discussões sobre uma possível volta do nu metal.[76] [77] Em 2 de dezembro de 2011, Korn lançou the Path of Totality, vendendo cerca de 55.000 cópias em sua primeira semana. Muitos citaram esse álbum como uma nova direção para nu metal, com a banda tomando influência da música eletrônica, principalmente do Dubstep. Artistas colaborando no álbum incluíam Skrillex, 12th Planet e Excision. O álbum recebeu críticas em sua maioria positivas, ganhando um Golden Gods de melhor álbum.[78]

Nu metal extremo[editar | editar código-fonte]

Extreme nu metal é um subgênero do nu metal. É caracterizado por uma combinação dos ritmos característicos deste estilo com elementos do metal extremo, como com death e thrash metal.[79]

O extreme nu metal começou na cena underground na década de 1990, paralelamente com o início do novo metal com o Korn, considerados os "mestres do extreme nu metal"[80]

Um dos representantes do gênero é a banda britânica Raging Speedhorn.[79]

As bandas de extreme nu metal começam a sair do underground e a se popularizar no início dos anos 2000, através da banda Slipknot, considerada do gênero, especificamente com o Iowa (álbum). Em relação a esse álbum, as críticas abordavam sempre o mesmo ponto de vista: Toques eletrônicos tradicionais do nu metal, porém sem muita técnica instrumental e vocais graves e semi-gutural..[81]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Nu metal tem sido criticado por pessoas que estão mais familiarizadas com heavy metal tradicional e com os outros subgêneros do metal pesado. Tem sido referido como um não "verdadeiro metal", e o gênero foi alvo de controvérsias se seria metal pesado ou não. Embora a banda Korn seja considerada uma das pioneiras do gênero nu metal,[26] o vocalista Jonathan Davis declarou: "Eu me lembro quando nós estávamos crescendo e lutando para sermos chamados de banda de metal porque não éramos uma banda de metal; nos éramos algo que não era classificável ", diz Davis. "Então, eles vieram com ‘nu-metal’, mas que ainda é brega. É frustrante."[82]

Uns dos principais argumentos usados para criticar o nu metal é a influência do rock alternativo e do hip-hop e da música eletrônica que para os mais familiarizados com o metal tradicional descaracteriza o metal. Já outros mais extremos afirmam que o nu metal não passa de um "hip-hop com guitarra".

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f «Genre: Alternative Metal». Allmusic. Consultado em 22 May 2010. «By the latter half of the '90s, most new alt-metal bands were playing some combination of simplified thrash, rap, industrial, hardcore punk, and grunge. This new sound was more about grinding textures... Korn, Deftones,and Limp Bizkit were the biggest stars of this new movement -- sometimes dubbed aggro-metal, nu-metal...» 
  2. a b c d e f g McIver, Joel (2002). «How is nu-metal different from old metal?». Nu-metal: The Next Generation of Rock & Punk Omnibus Press [S.l.] pp. 12–13. ISBN 0-7119-9209-6. 
  3. Bowar, Chad. «Heavy Metal: More Metal Genres». About.com. The New York Times Company. Consultado em April 28, 2010. «Combining heavy metal riffs with hip-hop influences and rapped lyrics, this genre became very popular in the late '90s through the early 2000's and then fell from favor.» 
  4. a b c d e Pieslak, Jonathan (2008). «Sound, text and identity in Korn’s ‘Hey Daddy’». Popular Music [S.l.: s.n.] 27: 35–52. doi:10.1017/S0261143008001451. 
  5. Van Pelt, Doug (2004). «Static X». Rock Stars on God: 20 Artists Speak Their Mind about Faith Relevant Media Group [S.l.] p. 180. ISBN 0-9729276-9-7. 
  6. Wilson, Scott (2008). Great Satan's rage: American negativity and rap/metal in the age of supercapitalism Manchester University Press [S.l.] p. 199. ISBN 0-7190-7463-0, 9780719074639 Verifique |isbn= (Ajuda). 
  7. Halnon, Karen Bettez (2006). «Heavy Metal Carnival and Dis-alienation: The Politics of Grotesque Realism». Symbolic Interaction [S.l.: s.n.] 29 (1): 33–48. doi:10.1525/si.2006.29.1.33. 
  8. a b c d e Tompkins, Joseph (2009). «What’s the Deal with Soundtrack Albums? Metal Music and the Customized Aesthetics of Contemporary Horror». Cinema Journal [S.l.: s.n.] 49 (1). doi:10.1353/cj.0.0155. 
  9. a b Robinson, Greg (2008). Ozzfest The Rosen Publishing Group [S.l.] p. 48. ISBN 1-4042-1756-8, 9781404217560 Verifique |isbn= (Ajuda).  Texto "lang_fr" ignorado (Ajuda); Parâmetro desconhecido |lang_de&id= ignorado (Ajuda)
  10. a b c Grierson, Tim. "Alternative Metal - What Is Alternative Metal - Alt-Metal History". About.com. The New York Times Company. Retrieved January 8, 2012.
  11. a b McIver, Joel (2002). «It's their fault...the people who made it happen». Nu-metal: The Next Generation of Rock & Punk Omnibus Press [S.l.] pp. 16–23. ISBN 0-7119-9209-6. 
  12. Popular music genres: an introduction Edinburgh University Press [S.l.] 2004. p. 246. ISBN 0-7486-1745-0, 9780748617456 Verifique |isbn= (Ajuda).  Parâmetro desconhecido |coautors= ignorado (Ajuda)
  13. A Deaditorial: Nu metal: Where Did it Go Wrong? www.antimusic.com. Retrieved on August 20, 2012.
  14. Iannini, Tommaso (2003). Nu Metal Giunti [S.l.] p. 12. ISBN 88-09-03051-6. 
  15. a b Kahn-Harris, Keith (2007). «Introduction: From heavy metal to extreme metal». Extreme metal: music and culture on the edge Berg Publicados [S.l.] p. 1. ISBN 1-84520-399-2. 
  16. «Billboard - Google Books». Books.google.com.au. 2001-12-01. Consultado em 2012-08-27. 
  17. DEZ FAFARA says COAL CHAMBER Is 'Not Even Discussing' Any Other Tours After SOUNDWAVE Blabbermouth.net.
  18. Biography of Lead Evanescence Singer, Amy Lee Yahoo! Voices.
  19. Kittie - Music Biography, Credits and Discography Allmusic.
  20. Buts, Jeroen. "5.1". The Thematical and Stylistic Evolution of Heavy Metal Lyrics and Imagery From the 70s to Present Day. p. 80. "Also, the genre combined a low tuned guitar sound and many other thrash, industrial and death metal traits within a structure which was much more traditional and akin to Pop music (e.g. intro-verse-chorus-verse-chorus-bridge-chorus-outro)."
  21. a b Why it's worth celebrating nu-metal's anniversary www.guardian.co.uk.
  22. Mulholland Garry (October 4, 2002). «Nu-metal gurus». The Independent Independent Print Limited [S.l.] Consultado em April 29, 2010. 
  23. Krovatin, Chris (February 26, 2010). «Final Six:The Six Best/Worst Things to Come out of Nu-Metal». Revolver Future US, Inc. [S.l.] Consultado em April 29, 2010. 
  24. Top 10 Nu-Metal Fashion Violations houstonpress.com.
  25. Iannini, Tommaso (2003). Nu Metal Giunti [S.l.] p. 11. ISBN 88-09-03051-6. 
  26. a b McIver, Joel (2002). «How did we get to nu-metal from old metal?». Nu-metal: The Next Generation of Rock & Punk Omnibus Press [S.l.] pp. 10; 12. ISBN 0-7119-9209-6.  Erro de citação: Invalid <ref> tag; name "McIver-10" defined multiple times with different content
  27. Christie. [S.l.: s.n.] p. 324.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  28. Christie, p. 326
  29. Thoroddsen, Arnar (2006). «Roots». In: Dimery, Robert. 1001 Albums You Must Hear Before You Die Quintet Publishing Limited [S.l.] p. 782. ISBN 0-7893-1371-5. 
  30. Begrand, Adrien (2004-01-23). «The Devil in Music». PopMatters. Consultado em 2007-05-29. 
  31. Vontz, Andrew. «Ice capades» Salon.com [S.l.] Consultado em 2007-11-10. 
  32. «Machine Head – Where to Start with – Kerrang». Kerrang!. Consultado em 16 May 2010. 
  33. Christie, Ian (2003). «Virtual Ozzy & Metal's Digital Rebound». Sound of the Beast: The Complete Headbanging History of Heavy Metal HarperCollins [S.l.] p. 327; 329. ISBN 0-380-81127-8. 
  34. Gold and Platinum database Recording Industry Association of America.
  35. Slipknot album review Allmusic.
  36. a b Devenish, Colin (2000). Limp Bizkit St. Martin's [S.l.] pp. 95–113. ISBN 0-312-26349-X. 
  37. Reese, Lori (October 24, 2000). «Bizkit in Gravy | Music» Entertainment Weekly [S.l.] Consultado em July 29, 2010. 
  38. B. Reesman, "Sustaining the success", Billboard, June 23, 2001, 113 (25), p. 25.
  39. «Linkin Park - Hybrid Theory (staff review)». Sputnikmusic. 2006-09-02. Consultado em 2012-08-27. 
  40. Sanneh, Kelefa (March 31, 2002). «MUSIC; New Ideas From the Top of the Charts». New York Times [S.l.: s.n.] 
  41. «Complete List Of Grammy Nominees». CBS News. 2009-02-11. Consultado em 2012-08-27. 
  42. [1][ligação inativa]
  43. a b [2][ligação inativa]
  44. Staind Break in at No. One Rollingstone.com.
  45. Iowa-Slipknot Billboard
  46. American album certifications -Slipknot_Iowa Recording Industry Association of America. If necessary, click Advanced, then click Format, then select Album, then click SEARCH
  47. Mulvey, John (August 23, 2001). «Slipknot – Iowa». Yahoo Music. Consultado em March 21, 2008. 
  48. Satellite - P.O.D. : Awards Allmusic.
  49. Grierson, Tim. "What Is Rap-Rock: A Brief History of Rap-Rock". About.com. The New York Times Company. Retrieved December 31, 2008.
  50. MTV, arquivado do original. Erro: If you specify |archiveurl=, you must also specify |archivedate=, http://www.webcitation.org/5wV6uSAqb 
  51. Loftus, Johnny (2003-03-04). «Fallen - Evanescence : Songs, Reviews, Credits, Awards». AllMusic. Consultado em 2012-08-27. 
  52. «Evanescence - Going Under | track reviews». musicOMH.com. Consultado em 2012-08-27. 
  53. «Beyonce Shines At Grammys». CBS News. 2009-02-18. Consultado em 2012-08-27. 
  54. By James Sullivan (2004-02-09). «Beyonce, OutKast Top Grammys | Music News». Rolling Stone. Consultado em 2012-08-27. 
  55. «Private Tutor». Infoplease.com. 2003-10-01. Consultado em 2012-08-27. 
  56. «Second Cup Cafe: Amy Lee Of Evanescence». CBS News. 2007-11-10. Consultado em 2012-08-27. 
  57. «Linkin Park Headlines Live Earth Tokyo». Live Earth. Consultado em 2012-08-27. 
  58. «Billboard Hot 100 - Week of April 10, 2004». Billboard.com. Consultado em 2012-08-27. 
  59. Poll: Limp Bizkit, Creed worst bands of year CNN.com.
  60. «Recording Industry Association of America». RIAA. Consultado em 2012-08-27. 
  61. Michael Bushman (January 2, 2012). «Interview:Lamb of God». modernfix.com. Consultado em 15 January 2012. 
  62. The Day Nu metal Officially Died Pedestrian TV.
  63. «Linkin Park - Minutes To Midnight - IGN». Music.ign.com. 2007-05-15. Consultado em 2012-08-27. 
  64. Udo, Tommy (2002). Brave Nu World Sanctuary Publishing [S.l.] pp. 169–172, 243. ISBN 1-86074-415-X. 
  65. Soghomonian, Talia. «Incubus: Paris Le Bataclan». NME. Consultado em 2010-04-04. 
  66. Simpson, Dave (2002-04-26). «Incubus, Manchester Apollo» (London: The Guardian). Consultado em 2010-04-04. 
  67. «Incubus Biography». Rolling Stone. Arquivado desde o original em |arquivourl= requer |arquivodata= (Ajuda). Consultado em April 8, 2010.  Parâmetro desconhecido |archivedata= ignorado (Ajuda)
  68. Van Nostrand, David (March 20, 2008). «Sole survivors of the Nu Metal apocalypse descend on Maui». Maui Time Weekly [S.l.: s.n.] 
  69. Disturbed Guitarist: Don't Call us 'Nu metal' Blabbermouth.net.
  70. All Hope is Gone Review IGN.
  71. Up for Discussion Jump to Forums (2009-09-14). «Eminem's 'Recovery' Tops Billboard 200 for a Fourth Week». Billboard.com. Consultado em 2012-01-16. 
  72. David Peisner (2011-12-09). «Korn and Dubstep, Not-So-Unlikely Marriage». The New York Times [S.l.: s.n.] Consultado em 2012-01-16. 
  73. «Limp Bizkit - Charts & Awards». Allmusic. Consultado em 14 December 2011. 
  74. «LIMP BIZKIT Parts Ways With INTERSCOPE». blabbermouth.net. December 1, 2011. Consultado em 30 December 2011. 
  75. Caulfield, Keith. "Lady Antebellum 'Own' the Billboard 200 with Second No. 1 Album". billboard.com. January 16, 2012.
  76. The Nu-Metal Revival Continues: Static-X Are Touring Again metalbase.com.
  77. Fred Durst on Limp Bizkit's Comeback: 'We've Got to Own Who We Are' billboard.com.
  78. http://loudwire.com/korn-win-album-of-the-year-at-2012-revolver-golden-gods-awards/
  79. a b Nu-metal: the next generation of rock & punk, pág. 107 - Joel McIver - Omnibus Press - ISBN 0711992096 (2002)
  80. «The New Metal Masters». musicplayer.com. Consultado em 10 de Outubro de 2010. 
  81. «Slipknot». RTE. Consultado em 10 de Outubro de 2010. 
  82. korn.simpol.net

Ligações externas[editar | editar código-fonte]