Crawling

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
"Crawling"
Single de Linkin Park
do álbum Hybrid Theory
Lançamento 2 de abril de 2001 (2001-04-02)
Formato(s) CD single, fita cassete
Gravação 1999–2000
Estúdio(s) NRG Recording Studios (North Hollywood, Califórnia)
Gênero(s) Nu metal
Duração 3:29
Gravadora(s) Warner Bros.
Composição Chester Bennington, Rob Bourdon, Brad Delson, Joe Hahn, Mike Shinoda
Produção Don Gilmore
Cronologia de singles de Linkin Park
"One Step Closer"
(2000)
"Papercut"
(2001)
Lista de faixas de Hybrid Theory
"Points of Authority"
(4)
"Runaway"
(6)

"Crawling" é uma canção da banda norte-americana de rock Linkin Park, gravada para o seu álbum de estreia, Hybrid Theory (2000). Foi escrita por todos os membros do grupo e produzida por Don Gilmore, sendo gravada entre os anos de 1999 e 2000 nos estúdios NRG Recording, em North Hollywood, Califórnia. A faixa foi disponibilizada como o segundo single de Hybrid Theory em 2 de abril de 2001 através de um CD single lançado pela gravadora Warner Bros. No mesmo mês, foi enviada para as rádios norte-americanas, com formatos em DVD, VHS e fita cassete sendo lançados internacionalmente no mesmo ano.

As primeiras amostras da canção originalizaram-se através de uma demo não disponibilizada na época, onde a banda viu um potencial em sua melodia. Liricamente, "Crawling" expressa a autoconsciência, a falta de autoconfiança e sobre assumir a responsabilidade de suas próprias ações, bem como o retrato negativo do consumo excessivo de drogas e álcool. A sua criação foi inspirada pela experiência de vida do vocalista Chester Bennington, e a mídia opinou que as suas letras também podem fazer alusão ao abuso infantil que Bennington foi vítima quando mais jovem, bem como aos sintomas do transtorno de ansiedade. Musicalmente, é uma obra do gênero nu metal, com breves elementos de rap rock e influências no techno.

A canção foi muito bem avaliada pela crítica, com elogios sendo direcionados aos vocais de Bennington, sua composição e temas. Obteve um desempenho comercial positivo em território europeu, atingindo as vinte primeiras posições em paradas da Alemanha, Áustria, Escócia, Irlanda e Reino Unido. Nos Estados Unidos, alcançou a 79.ª posição na Billboard Hot 100, e a Recording Industry Association of America (RIAA) atribuiu-lhe uma certificação de ouro. Em 2002, "Crawling" recebeu o prêmio de "Melhor Performance de Hard Rock" na 44.ª cerimônia do Grammy Awards. No mesmo ano, a canção foi classificada na 43.ª posição em uma lista da revista Kerrang! referente aos 100 Maiores Singles de Todos os Tempos.

O videoclipe da obra, dirigido pela dupla de irmãos Greg e Colin Strause, foi filmado em fevereiro de 2001 no Ren-Mar Studios em Hollywood, Califórnia, e lançado na MTV dois meses depois. A produção retrata o conflito interno de uma mulher (interpretada pela atriz Katelyn Rosaasen) lidando com um relacionamento abusivo. Recebeu indicações nas categorias de "Melhor Videoclipe de Rock" e "Melhor Direção" (para os irmãos Strause) na MTV Video Music Awards de 2001, mas acabou perdendo ambos os prêmios. Um remix, sob o título "Krwlng", foi lançado no primeiro álbum de remixes da banda, Reanimation (2002). Em 2011, "Crawling" figurou em uma DLC do jogo eletrônico Rock Band 3 (2010). Além de comparecer em múltiplas ocasiões em apresentações ao vivo do grupo, diversos artistas realizaram suas próprias versões da canção.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Linkin Park começou a desenvolver as primeiras amostras do que futuramente se tornaria "Crawling" em 1999, enquanto ainda se chamava Hybrid Theory. A canção se originalizou de uma demo — que não foi disponibilizada publicamente na época — chamada "Blue", gravada durante os primeiros meses em que o vocalista Chester Bennington havia se juntado à banda, substituindo o ex-vocalista Mark Wakefield.[1][2] O multi-instrumentista e rapper Mike Shinoda comentou em uma entrevista concedida ao site ShoutWeb que a melodia do refrão de "Crawling" foi ocasionada a partir da ponte de "Blue"; a demo foi descrita por Shinoda como "uma merda".[3] Apesar da banda não ter gostado da demo em si, ela viu um potencial no vocal final dela. Bennington e Shinoda pegaram esta melodia e escreveram novas linhas.[1] O integrante temporário do grupo, Kyle Christner, serviu como o baixista de "Blue",[4] enquanto que o guitarrista Brad Delson forneceu as linhas de baixo para "Crawling"[5] — o baixista recorrente, Dave "Phoenix" Farrell, estava comprometido com a banda Tasty Snax na época.[6] Shinoda comentou que Delson também ajudou na escrita, enquanto que todos os membros da banda "[trabalharam] em torno disso".[3][n 1] "Blue" foi posteriormente disponibilizada em Linkin Park Underground 11 (2011), o décimo terceiro EP lançado para o fã-clube oficial da banda, LP Underground (LPU).[4] Apesar de estar rotulada como uma demo de 1998, o ex-vice-presidente de coordenação de A&R da gravadora Zomba Music e colaborador da banda, Jeff Blue, descreveu-a como uma demo de 1999.[7][n 2] No encarte do CD, Shinoda admitiu que havia esquecido completamente da existência de "Blue".[4]

A gravação de "Crawling" estendeu-se até meados do ano 2000 no NRG Recording Studios em North Hollywood, Califórnia, com a produção da canção e do álbum de estreia da banda, Hybrid Theory (2000), estando a cargo do produtor musical Don Gilmore.[9]Andy Wallace esteve sob responsabilidade de sua mixagem.[5] Delson admitiu que o alcance vocal de Bennington expandiu a capacidade de escrita da banda: "O que aconteceu quando Chester se juntou ao grupo, nós mudamos de 'Ei, esses são os tipos de partes de canto que queremos' para 'Uau, essas são partes de canto que nunca pensamos', porque seu alcance e versatilidade são tais que, como 'Crawling', quem pensaria em escrever essa melodia? Você não poderia porque há muito poucas pessoas no mundo que provavelmente poderiam cantar isso. [...] Ele realmente foi a peça final do quebra-cabeça, e ele trouxe um talento vocal que, quando estávamos procurando por um segundo vocalista, não vimos nada perto de seu talento em mais ninguém".[10] As primeiras demos de "Crawling" continham as palavras "Fear is powerful"[n 3] no refrão, mas Gilmore acabou interpretando erroneamente esta linha, como lembrado por Shinoda: "[Bennington] escreveu a linha Fear is powerful no refrão, e quando perguntamos ao nosso produtor Don [Gilmore] se ele havia gostado da nova música, ele disse: 'É boa, eu realmente gosto dessa linha Fear is how I fall',[n 4] e nós dois ficamos tipo: 'Ah, sim, essa linha!'. Ele ouviu errado, mas ouviu uma linha realmente ótima por acidente." A banda gostou tanto das novas palavras que decidiu implementá-las para a versão final da faixa.[11]

Composição[editar | editar código-fonte]

Uma demonstração de 30 segundos de "Crawling", iniciando-se em seu refrão inicial com os vocais de Bennington e seguindo com um riff de sintetizador e bateria.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Detendo uma duração de três minutos e vinte e nove segundos (3:29), "Crawling" é a quinta faixa de Hybrid Theory, sucedendo "Points of Authority" e antecedendo "Runaway".[12] Musicalmente, é uma canção do gênero nu metal.[13][14] Derivações dos gêneros rap rock e rap metal são reconhecíveis durante uma breve linha cantada por Shinoda antes do refrão;[14][15] é uma das poucas faixas do álbum que o rap é minimizado.[16] A IGN ponderou que a canção começa com um "efeito sonoro de água escorrendo por um ralo, e é aumentada pela bateria silenciosa de Rob Bourdon, efeitos de DJ de Joe Hahn e as linhas de baixo de Phoenix".[17] Em comparação com as faixas anteriores do álbum, esta é uma música que começa mais lenta até chegar ao seu refrão.[18] A Madison.com descreveu "Crawling" como "uma das várias canções [de Hybrid Theory] que mostram mais a influência do techno, alternando entre texturas ambientes e um rugido industrial do tipo Nine Inch Nails — tudo envolto em um vocal crescente de Chester Bennington".[10] Shinoda comentou que a canção possui uma similaridade sonora com o estilo musical da banda Depeche Mode.[19] De acordo com a partitura musical publicada pela Universal Music Publishing Group, "Crawling" foi escrita no tom de dó sustenido menor, com um ritmo de 104 batidas por minuto. Os vocais de Bennington abrangem-se entre as notas dó♯3 e si5.[20] Em entrevista à Billboard, Delson disse que o refrão de "Crawling" é "muito pesado", principalmente por contrastar com os versos, "que são melódicos e quase tranquilos". Ele também comentou: "Há uma tonelada de guitarras sobrepostas com notas diferentes. É um som muito rico. A linha de Chester é quase estática. Ele está cantando uma nota muito alta, mas ao mesmo tempo, você pode dizer que sua garganta é feita de aço. A justaposição [do] que ele está fazendo em termos de notas e tonalidades com a música em si cria um relacionamento muito legal".[21]

As experiências de vida do vocalista Chester Bennington serviram como base para as letras de "Crawling"

Liricamente, "Crawling" se concentra em variados temas, entre eles a autoconsciência, falta de autoconfiança,[22] uso abusivo de drogas e álcool,[23] e sobre assumir a responsabilidade de suas próprias ações.[24] Delson comentou que a inspiração por trás de suas letras vieram através das experiências de vida de Bennington, e caracterizou a faixa como "uma espécie de expressão daqueles sentimentos de insegurança e dúvida que todos passam".[21] Bennington, em entrevista à Noisecreep, observou que a canção "é provavelmente a mais literal liricamente que eu já escrevi para o Linkin Park e é sobre sentir que não tinha controle sobre mim mesmo em termos de drogas e álcool";[25] as linhas "Rastejando dentro da minha pele / Essas feridas, elas não irão se curar"[n 5] podem fazer referência aos sintomas de abstinência ao álcool que o vocalista estava enfrentando.[26] Bennington continuou dizendo: "Eu não sou um daqueles caras que acha que ser anônimo é tão bom assim. Eu não tenho problema com as pessoas saberem que eu tinha um problema com a bebida. Isso é quem eu sou e eu tenho sorte de várias maneiras porque eu posso fazer algo sobre isso. Eu consigo crescer como pessoa através disso. É uma coisa legal. Não é legal ser um alcoólatra, o que significa que não é legal ir beber e ser um idiota. É legal fazer parte da recuperação".[25] Já em uma entrevista à BBC, Bennington expressou outro significado para a canção:

"Em uma canção como 'Crawling' estamos falando sobre autoconsciência ou falta de autoconfiança. Essa é uma grande parte dessa música, porque quando você entra em certas situações com muitas pessoas olhando para você, você encontra falhas em si mesmo e fica nervoso e quer mudá-las. Coisas como essas são tópicos realmente complicados de se falar, e quando começamos a escrever as letras nos encontramos energizados e interessados em escrever essas músicas e ir atrás delas com muita intensidade. Sentar na frente de um computador pensando na porcaria que você fez antes de ir para a cama, que você pensou que poderia ter feito melhor — isso vai te assustar às vezes."
— Chester Bennington, em entrevista à BBC em junho de 2001.[22]

A Loudwire e a NME comentaram que a canção pode fazer alusão ao abuso infantil que Bennington foi vítima quando mais jovem.[9][27] Além disso, as letras também podem fazer referências ao transtorno de ansiedade,[28] bem como aos efeitos colaterais da metanfetamina — uma droga que Bennington usou durante a adolescência — na qual o usuário tem a sensação de ter algo "rastejando sob sua pele".[29][30] Em entrevista à Rolling Stone, Bennington disse que "Crawling" — e faixas com temas similares — foi a sua maneira de fazer um balanço dos momentos difíceis de sua vida: "É facil cair naquela cilada — 'pobre de mim, pobre de mim', é daí que canções como 'Crawling' vem: Eu não posso me aguentar. Canções como essa falam sobre assumir a responsabilidade pela sua situação. Em 'Crawling', eu não falo 'você' em nenhum momento. É sobre eu ser o motivo de estar como estou. Tem alguma coisa que me agarra e me puxa para baixo".[31]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

"Crawling" foi muito bem recebida por críticos de música. Muitos revisores elogiaram a sua composição e temas. Jack Shepherd, do The Independent, opinou que a canção "[é a banda] em sua maior angústia", e que "a representação gráfica de aflição e emoção que desnuda a alma os diferencia de seus pares".[32] Da mesma forma, David Turner, da Stereogum, disse que a faixa possui um "nível de angústia emocional gráfica [que] ajudou a polarizar a banda no início de sua carreira quando eles estavam entrando no mainstream". Ele continuou dizendo: "Para muitos fãs do Linkin Park (inclusive eu) que descobriram a banda na pré-adolescência ou adolescência, esse tipo de franqueza lírica não foi registrada como algo para zombar, mas sim aproveitou de um sentimento que não conseguíamos verbalizar".[33] Escrevendo para a Kerrang!, Sam Law disse que "Crawling" "pareceu o primeiro mergulho profundo nos danos subjacentes à composição. Um acerto de contas sobre culpa e auto-aversão, [que] mostra Chester tentando chegar a um acordo com os demônios de seu passado".[34] Thea de Gallier, do jornal britânico The Daily Telegraph, disse que a canção é uma das mais "profundamente pessoais" da banda.[35]

A mídia destacou os vocais de Chester Bennington. Chad Childers, da Loudwire, disse que "Bennington oferece [em 'Crawling'] um de seus gritos mais ferozes até hoje".[36] A Ultimate Guitar opinou que a canção "mostra a dinâmica que Chester Bennington tinha como nenhuma outra música. Faz com que o cantor vá de um canto melódico calmo e quase reconfortante para rasgar os alto-falantes com seus gritos".[37] A Rolling Stone descreveu "Crawling" como uma faixa "claustrofóbica e borbulhante" e disse que ela "coloca Bennington no centro do palco, permitindo-lhe retratar completamente a tensão de dentes cerrados descrita em seus versos cheios de desconforto".[24] Ollie Dean, da Classic Rock History, observou que a "maneira suave e quase sem emoção que Bennington canta nos versos é o contraste perfeito com a atmosfera raivosa e angustiante do refrão, no qual você pode sentir a dor, a tristeza e a fúria que se esconde por trás de cada palavra que ele cuspiu".[38] Jon Caramanica, do The New York Times, disse que Bennington expressou uma "angústia forte, vívida e batismal" na canção.[39]

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

"Crawling" foi premiada na categoria de "Melhor Performance de Hard Rock" no Grammy Awards de 2002;[40] esta foi a primeira vitória da banda nesta premiação.[41] Anos mais tarde, em entrevista à Kerrang!, Shinoda admitiu que não sabia exatamente o significado desta categoria na época, mas considerou que a performance vocal de Bennington ajudou-os a conquistar o prêmio: "Foi difícil para ele fazer seus vocais [nessa] música em algumas noites na turnê, e é impossível para qualquer outra pessoa cantá-la tão bem. Cada cover é uma mera sombra da performance de Chester na música".[11] A canção também foi indicada na categoria de "Melhor Single" na edição de 2001 da Kerrang! Awards, mas acabou perdendo para "Heaven Is a Halfpipe" da banda OPM.[42] Em uma edição impressa da Kerrang! de dezembro de 2002, a canção foi posta em 43.º lugar na lista dos 100 Maiores Singles de Todos os Tempos.[43] Em 2020, a Classic Rock classificou-a na 32.ª posição em sua lista das 100 Melhores Canções de Rock do Século [XXI]... Até Agora.[44]

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

Os irmãos Greg e Colin Strause serviram como os diretores do videoclipe de "Crawling"

O videoclipe de "Crawling" foi dirigido pela dupla de irmãos Greg e Colin Strause. As filmagens ocorreram em 26 de fevereiro de 2001 no Ren-Mar Studios em Hollywood, Califórnia, e duraram mais de 12 horas. No dia anterior, a banda tinha realizado um show na cidade de Providence, Rhode Island, e viajaram para Los Angeles a noite para participarem da gravação do clipe.[45] Shinoda comentou que o vídeo da canção seria "uma história" em oposição ao clipe do single anterior da banda, "One Step Closer", que o rapper considerou como "um vídeo de filme de ação escapista". Ainda de acordo com Shinoda, o vídeo de "Crawling" é "uma trama sobre como uma canção pode ajudar a superar problemas".[46] O DJ Joe Hahn trabalhou em estreita colaboração com os diretores, contribuindo para o conceito do vídeo.[45]

Os irmãos Strause, já conhecidos por atuarem na direção de arte do clipe da canção "Californication" da banda Red Hot Chili Peppers, dirigiram a banda contra uma tela verde com o objetivo de criarem seu próprio mundo animado. Delson comentou que esta filmagem foi mais fácil e rápida em comparação com a de "One Step Closer", já que eles gravaram esta última "debaixo de um metrô".[45] Sobre seu enredo, os irmãos Strause apresentaram a seguinte ideia ao Linkin Park: uma versão paralela do filme de terror e ficção científica Species (1995) onde um fã psicopata matava a banda; a gravadora Warner Bros., no entanto, queria um conceito menos triste. Uma outra ideia, desta vez idealizada pela banda, foi chamada de "muito mais artística e sombria" por Colin Strause, mas eles queriam misturar um enredo que ajudasse a vinculá-los à sua base de fãs, então eles trabalharam com um tema de abuso infantil.[47]

Efeitos especiais foram usados para criar o cenário do clipe da canção

A atriz e modelo Katelyn Rosaasen estrela o videoclipe.[47] A trama retrata o conflito interno de uma jovem mulher lidando com um relacionamento abusivo. A mulher se isola do resto do mundo, fato representado com os efeitos especiais de cristais que se formam ao seu redor. No final, os cristais retrocedem, simbolizando o seu sucesso na luta contra o relacionamento.[48] Bennington explicou que a mulher "basicamente interpreta o foco principal da emoção e da insegurança [...] Ela está passando por uma pequena crise em sua vida, e este vídeo é uma descoberta dessas coisas que ela está sentindo". Durante as filmagens, tanto Bennington quanto Shinoda interpretaram o cenário do vídeo "como uma caverna de gelo 'explodindo e se formando ao nosso redor'". Ambos possuíam grandes esperanças para os segmentos de computação gráfica apresentados no clipe.[47] Já Delson opinou que o vídeo é "muito voltado para efeitos especiais, todos os ambientes são gerados por computador".[49] Anos mais tarde, Shinoda achou que a gravadora "foi realmente fundamental [...] para nos ajudar a encontrar uma equipe muito boa para fazer um bom vídeo".[50] "Crawling" foi o primeiro clipe de Phoenix com a banda; ele retornou à ela pouco antes de começarem a trabalhar neste vídeo.[47]

O videoclipe de "Crawling" estreou na MTV em abril de 2001.[51] Comentários de áudio sobre a produção do vídeo, bem como algumas imagens de seus bastidores, foram disponibilizados no primeiro DVD da banda, Frat Party at the Pankake Festival, lançado em novembro de 2001.[52][53] O clipe recebeu duas indicações na MTV Video Music Awards de 2001, sendo elas nas categorias de "Melhor Videoclipe de Rock" e "Melhor Direção" (para os irmãos Strause); a obra acabou perdendo ambas as categorias para "Rollin" da banda Limp Bizkit, e para "Weapon of Choice" do músico britânico Fatboy Slim (sob a direção de Spike Jonze), respectivamente.[54][55] O vídeo de "Crawling" no YouTube, lançado em 23 de outubro de 2009 originalmente no formato 360p, foi remasterizado para qualidade HD em outubro de 2020, após o lançamento da edição especial de 20.º aniversário de Hybrid Theory.[56] Até março de 2022, o videoclipe da canção tinha mais de 340 milhões de visualizações no YouTube.[57]

Apresentações ao vivo[editar | editar código-fonte]

Apesar de ausente em apresentações da banda durante o ano 2000,[58] "Crawling" foi tocada com muita frequência durante o ano de 2001, principalmente como um meio de divulgação de Hybrid Theory.[59] A faixa foi destaque em performances ao vivo do grupo durante a Street Soldiers Tour,[59] e a parte norte-americana e europeia da Hybrid Theory World Tour.[60] Um vídeo de uma apresentação ao vivo, que serviu para ajudar a promoção da canção, foi gravado durante o Dragon Festival em San Bernadino, Califórnia, em fevereiro de 2001, e lançado em abril. As imagens mais tarde apareceram no DVD Frat Party At The Pankake Festival.[61] A banda performou "Crawling" durante o festival Ozzfest, que ocorreu entre os meses de junho e agosto de 2001.[62] Ainda apresentou ao vivo a faixa durante a primeira edição da Projekt Revolution, a última turnê de divulgação de Hybrid Theory, que ocorreu nos meses de janeiro e fevereiro de 2002.[63]

Em 2 de agosto de 2003, através da Summer Sanitarium Tour da banda Metallica, Linkin Park apresentou a canção no Reliant Stadium em Houston, Texas.[64] Essa performance foi incluída no primeiro álbum ao vivo do grupo, Live in Texas, lançado em novembro daquele ano.[65][66] Em 29 de junho de 2008, a banda se apresentou em Milton Keynes, Inglaterra para a promoção de seu terceiro disco, Minutes to Midnight. Esta performance foi gravada para o DVD Road to Revolution: Live at Milton Keynes, lançado em novembro de 2008, onde uma versão ao vivo de "Crawling", com uma introdução do remix "Krwlng", esteve presente em sua setlist.[67][68] No mesmo ano, a banda apresentou a canção ao lado do cantor Chris Cornell.[69] Em 2011, durante um bate-papo com fãs, Bennington reconheceu que a faixa "[lhe] causou mais problemas ao vivo mais do que qualquer outra música. Só porque é aquela nota longa o tempo todo".[70] Diante dessa declaração, a canção ficou ausente em algumas apresentações do grupo no ano seguinte,[71] apesar de, no mesmo ano, Bennington considerar "Crawling" como uma das canções que a banda não consegue parar de tocar.[72] Em 2014, embora retirada da setlist de muitas performances do grupo durante a turnê de divulgação de seu sexto disco, The Hunting Party,[73][74] a canção foi apresentada, junto com todas as faixas de Hybrid Theory, durante o Download Festival daquele ano.[75]

Em 2017, Linkin Park começou a apresentar uma versão acústica de piano de "Crawling", já que Bennington admitiu que, depois de desempenhar a canção original ao vivo por tantos anos, ele não tinha mais vontade de tocá-la, opinando que a versão de piano deu uma "nova vida à música".[76] A primeira apresentação desta releitura ocorreu em 16 de fevereiro de 2017 em uma transmissão ao vivo no Facebook.[77] A banda continuou performando esta versão durante a One More Light World Tour, que serviu para promover o sétimo álbum de estúdio do grupo, One More Light, entre os meses de maio e julho de 2017.[78] A última apresentação de "Crawling" realizada por Bennington aconteceu em 6 de julho de 2017 na Barclaycard Arena em Birmingham, Inglaterra, antes de sua morte no dia 20 daquele mesmo mês.[79] Em 4 de dezembro de 2017, a banda disponibilizou um vídeo de uma performance ao vivo desta versão, que serviu para promover o álbum One More Light Live. O vídeo apresenta Bennington no meio de uma multidão enquanto canta a faixa, "acompanhado apenas por uma melodia de piano nua, destacada no vídeo em preto e branco por um punhado de holofotes", como descrito pela Billboard.[80] Neil Z. Yeung, da AllMusic, opinou que a "versão de piano despojada de 'Crawling' revela [a] capacidade inimitável [de Bennington] de canalizar dor e angústia em catarse compartilhada".[81]

Outras versões e uso na mídia[editar | editar código-fonte]

Como parte do alinhamento de faixas do primeiro álbum de remixes da banda, Reanimation (2002), "Crawling" foi regravada por Shinoda e conta com vocais convidados do cantor Aaron Lewis, vocalista da banda Staind. O remix, que foi renomeado como "Krwlng", foi descrito pela MTV como uma "montanha-russa do original com uma trajetória mais direta".[82] Hahn descreveu a faixa como "espacial e duas vezes mais longa que a original de três minutos".[83] Em uma revisão do álbum Reanimation, Chris C., da IGN, opinou que a canção "se tornou muito mais calma, abrindo com um solo de cordas lento que é semelhante à abertura do CD".[84] Em 2010, Shinoda produziu uma versão em 8 bits de "Crawling", a qual figurou na trilha sonora do jogo eletrônico do próprio Linkin Park, 8-Bit Rebellion! (2010).[85] A faixa também fez parte de um conteúdo para download (DLC) do jogo Rock Band 3 (2010) em janeiro de 2011.[86]

Uma versão country e cômica da canção, performada por Bryson Jones e pela Sweethearts of the Rodeo, foi disponibilizada como um conteúdo especial do DVD Frat Party At The Pankake Festival, do Linkin Park, em 2001.[87] Também neste DVD, esta mesma versão cômica, apresentada durante o making-of do clipe de "In the End", foi realizada por amigos do diretor Nathan "Karma" Cox.[88] Uma versão instrumental de piano do remix "Krwlng" foi lançada pela cantora britânica Myleene Klass para o seu álbum Moving On em 2003.[89] No ano seguinte, "Crawling" foi regravada pela Angelzoom, projeto solo da musicista eletrônica alemã Claudia Uhle, em seu álbum autointitulado.[90] Em 2011, o produtor musical francês Madeon lançou um mashup, intitulado "Pop Culture", de trinta e nove canções, onde incluía "Crawling", usando um Novation Launchpad em tempo real.[91][92] O clipe deste mashup tornou-se viral e alcançou mais de seis milhões de visualizações em apenas alguns dias.[93]

Como forma de homenagem a Bennington, que morreu em julho de 2017, diversos artistas realizaram covers variados da canção. No início de agosto de 2017, o vocalista da banda britânica Coldplay, Chris Martin, apresentou uma versão de piano de "Crawling" ao vivo no MetLife Stadium em East Rutherford, Nova Jersey; ele dedicou a performance a "qualquer um que [estivesse] sentindo falta de alguém".[94] Dias depois, Lewis apresentou uma versão de tributo da canção ao vivo no Look Park em Florence, Massachusetts.[95] No mês seguinte, Jared Leto, vocalista da banda Thirty Seconds to Mars, incluiu "Crawling" em um mashup com canções de David Bowie, Soundgarden, Prince e George Michael em tributo a Bennington.[96] Em outubro, durante o concerto Linkin Park and Friends – Celebrate Life in Honor of Chester Bennington, que serviu como uma homenagem a Bennington, a canção foi tocada pela banda junto com o vocalista do Bring Me the Horizon, Oliver Sykes, nos vocais, e pelo DJ e produtor musical Zedd na bateria.[97]

Em janeiro de 2018, a banda de rock New Years Day apresentou uma versão cover de "Crawling" em seu EP Diary of a Creep.[98] Em novembro de 2018, a banda galesa Dream State realizou sua própria versão da canção para a compilação Songs That Saved My Life; a coletânea, lançada pela Hopeless Records em parceria com a Sub City Records, serviu para beneficiar organizações de saúde mental e prevenção do suicídio.[99] Em julho de 2020, a banda de heavy metal Bad Wolves disponibilizou um cover da faixa em sua conta do Patreon.[100] Já em abril do ano seguinte, o vocalista Di Ferrero, da banda brasileira NX Zero, divulgou em suas redes sociais uma versão acústica da canção.[101]

Lançamento e formatos[editar | editar código-fonte]

"Crawling" ficou disponível pela primeira vez em 24 de outubro de 2000, na época do lançamento de Hybrid Theory.[12] A faixa foi lançada como o segundo single do álbum em 2 de abril de 2001 através de um CD single, que inclui uma versão ao vivo de "Papercut" e um vídeo de bastidores.[102] Também foi disponibilizada uma edição em DVD da faixa, que possui um vídeo ao vivo de "Crawling" — embora o áudio seja dublado com a versão de estúdio da canção. O vídeo detém um recurso de múltiplos ângulos de câmera, no qual permite que o espectador escolha qual ângulo deseja assistir. O DVD também inclui quatro trechos ao vivo de trinta segundos das canções "By Myself", "With You", "One Step Closer" e "A Place for My Head".[102][103] Em 17 de abril, "Crawling" foi enviada às rádios dos Estados Unidos pela gravadora Warner Bros.[104] Mais tarde, em 1º de maio, o CD single da faixa foi disponibilizado em território internacional.[105] Além disso, formatos em VHS e fita cassete da canção também foram lançados.[106][107] Uma versão promocional, que inclui "One Step Closer", foi disponibilizada exclusivamente no Japão pela Warner Music Japan.[108] Outra edição, desta vez voltada para o Brasil, foi promovida pela Warner Music Brasil e distribuída pela A Rádio Rock.[109][110]

Faixas[editar | editar código-fonte]

CD single[105]
N.º Título Duração
1. "Crawling" (versão do álbum) 3:29
2. "Papercut" (ao vivo na BBC Radio 1) 3:08
3. "Backstage Video Footage" (vídeo)  

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Na Billboard Hot 100, a principal parada musical dos Estados Unidos, "Crawling" debutou e atingiu seu pico na semana de 11 de agosto de 2001, onde alcançou a 79.ª posição. Embora tenha atingido uma classificação máxima inferior em relação ao single anterior da banda, "One Step Closer", a faixa permaneceu por vinte semanas no gráfico, um número acima das dezessete semanas passadas por seu predecessor.[111] Antes disso, listou-se na Bubbling Under Hot 100, uma extensão da Billboard Hot 100 composta por vinte e cinco posições, estreando na 25.ª colocação na semana de 28 de abril de 2001,[112] e alcançando sua melhor posição em 4 de agosto, onde obteve o 2.º lugar.[113] No mesmo país, atingiu a 5.ª posição na Alternative Airplay (anteriormente referida como Alternative Songs ou Modern Rock Tracks) e a 3.ª colocação na Mainstream Rock nas semanas de 30 de junho e 28 de julho de 2001, respectivamente.[114][115] Após a morte de Bennington, "Crawling", assim como outras faixas da discografia da banda, adentrou na Hot Rock & Alternative Songs na semana de 12 de agosto de 2017, posicionando-se na 8.ª posição.[116] Em 4 de agosto do mesmo ano, obteve uma certificação de ouro através da Recording Industry Association of America (RIAA) por vender mais de 500 mil unidades nos Estados Unidos.[117]

A faixa teve uma boa performance comercial na Europa. Na UK Singles Chart, do Reino Unido, "Crawling" atingiu a posição de número 16 e permaneceu por oito semanas no gráfico.[118] Também neste território, a canção figurou na UK Rock & Metal Chart, alcançando a 2.ª posição na semana de 15 de abril de 2001.[119] Em maio de 2020, a British Phonographic Industry (BPI) certificou-a com um disco de ouro pelas vendas de mais de 400 mil unidades no Reino Unido.[120] Nas paradas da Áustria, a faixa atingiu o cume na semana de 19 de agosto de 2001, onde alcançou a 8.ª posição.[121] "Crawling" também listou-se entre as vinte primeiras posições nas tabelas musicais da Alemanha (14.ª),[122] Escócia (15.ª)[123] e Irlanda (16.ª).[124] No continente europeu, de maneira geral, a faixa atingiu a 52.ª colocação na Eurochart Hot 100, que levava-se em conta as vendas acumuladas de canções em dezoito países da Europa.[125] Nas tabelas de fim de ano de 2001, a canção ficou na 47.ª posição na Alemanha,[126] 31.ª na Áustria,[127] 97.ª na região de Flandres da Bélgica[128] e na 190.ª posição no Reino Unido.[129] Após a morte de Bennington em 2017, "Crawling" apareceu pela primeira vez nas paradas da Chéquia,[130] Eslováquia,[131] França,[132] Hungria[133] e Portugal.[134] Em 2018, a Federazione Industria Musicale Italiana (FIMI) certificou-a como disco de ouro, ao alcançar a marca de 25 mil unidades vendidas na Itália.[135]

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Certificações[editar | editar código-fonte]

País (Certificador) Certificação Vendas
Áustria (IFPI)[144] Ouro 5 000* (DVD)
Estados Unidos (RIAA)[117] Ouro 500 000‡
Itália (FIMI)[135] Ouro 25 000‡
Reino Unido (BPI)[120] Ouro 400 000‡
* Número de vendas definido com base apenas no nível de certificação.
‡ Número de vendas + streaming definido com base apenas no nível de certificação.

Créditos e pessoal[editar | editar código-fonte]

Créditos adaptados através do livreto de Hybrid Theory.[145]

Linkin Park
Produção
  • Don Gilmore – produção, engenharia
  • Jeff Blue – produção executiva
  • Andy Wallacemixagem
  • Steve Sisco – assistente de mixagem, engenharia
  • Shawn "Fox" Phelps – engenharia
  • Matt Griffin – assistente de engenharia
  • Brian "Big Bass" Gardner – masterização de áudio, engenharia
  • John Ewing Jr. – engenharia
  • Mike Shinoda – engenharia
  • Rob McDermott – organização e gestão pela Andy Gould Management

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Apesar de que, na entrevista, Shinoda ter dado a entender que apenas ele, Bennington e Delson escreveram as letras da canção, todos os membros da banda foram creditados.[5]
  2. Na coletânea Hybrid Theory (20th Anniversary Edition), "Blue" também é rotulada como uma demo de 1998.[8]
  3. Em português: "O medo é poderoso".
  4. Em português: "O medo é o que me derruba".
  5. No original: "Crawling in my skin / These wounds, they will not heal".

Referências

  1. a b «The Story Behind "Crawling" by Linkin Park». Ultimate Guitar. 16 de fevereiro de 2018. Consultado em 24 de março de 2022 
  2. Yeung, Neil Z. «Linkin Park - Biography». AllMusic. Consultado em 24 de março de 2022 
  3. a b McKeon, Therese (Outubro de 2000). «Linkin Park: One Step Closer». Shoutweb.com. Consultado em 24 de março de 2022. Arquivado do original em 14 de abril de 2001 
  4. a b c (2011) Créditos do álbum Linkin Park Underground 11 por Linkin Park [CD]. Warner Bros. Records/Machine Shop Recordings.
  5. a b c (2000) Créditos do álbum Hybrid Theory por Linkin Park [CD]. Warner Bros. Records.
  6. Apar, Corey. «Dave "Phoenix" Farrell - Biography». AllMusic. Consultado em 24 de março de 2022 
  7. Blue, Jeff (2020). One Step Closer: From Xero to #1: Becoming Linkin Park. [S.l.]: Permuted Press. ASIN B08LMZLXTJ 
  8. «‎Hybrid Theory (20th Anniversary Edition) de LINKIN PARK no Apple Music». Apple Music. Consultado em 24 de março de 2022 
  9. a b Childers, Chad (24 de outubro de 2021). «21 Years Ago: Linkin Park Release 'Hybrid Theory'». Loudwire. Consultado em 24 de março de 2022 
  10. a b Sculley, Alan (31 de janeiro de 2002). «Rappin' and rockin' in Linkin Park». Madison.com. Consultado em 24 de março de 2022. Arquivado do original em 11 de outubro de 2007 
  11. a b Morton, Luke (7 de outubro de 2020). «The secret history of Linkin Park's Hybrid Theory: In their own words». Kerrang!. Consultado em 24 de março de 2022 
  12. a b «Hybrid Theory - Linkin Park | Songs, Reviews, Credits». AllMusic. Consultado em 25 de março de 2022 
  13. «Linkin Park Reveal Powerful Live Video For Crawling». Kerrang!. 4 de dezembro de 2017. Consultado em 25 de março de 2022 
  14. a b Green, Chris (25 de junho de 2015). «Linkin Park have launched a venture capital brand, but can such a company ever be rock n' roll?». The Independent. Consultado em 25 de março de 2022 
  15. Edwards, Luke (20 de março de 2022). «Best Linkin Park Songs: 20 Classics That Launched A Nu-Metal Revolution». Dig!. Consultado em 25 de março de 2022 
  16. «Readers' Poll: The Best Linkin Park Songs». Rolling Stone. 4 de julho de 2012. Consultado em 26 de março de 2022. It's one of the few songs on the album to downplay Shinoda's rapping. 
  17. «Reader Review: Hybrid Theory». IGN. 12 de dezembro de 2003. Consultado em 25 de março de 2022 
  18. Tawiah, Jennifer (21 de agosto de 2003). «Linkin Park: 'Hybrid Theory' and 'Meteora' Reviews». WorldwideReview. Consultado em 25 de março de 2022. Arquivado do original em 9 de março de 2006 
  19. Newman, Melinda (2012). «Linkin Park: 'Living' Proof». MSN Music. Consultado em 25 de março de 2022. Arquivado do original em 4 de julho de 2012 
  20. «Linkin Park – Crawling – Digital Music Sheet». Musicnotes.com. Universal Music Publishing Group. Consultado em 25 de março de 2022 
  21. a b Pesselnick, Jill (30 de junho de 2001). «The Modern Age». Billboard. 113 (26). Nielsen Business Media, Inc. p. 67. ISSN 0006-2510. Consultado em 25 de março de 2022 
  22. a b Lamacq, Steve (13 de junho de 2001). «Linkin Park on the Evening Session». BBC. Consultado em 25 de março de 2022. Arquivado do original em 14 de fevereiro de 2002 
  23. Hyclak, Anna (17 de julho de 2009). «Linkin Park's Bennington Discusses His Drug Addiction». Spin. Consultado em 25 de março de 2022 
  24. a b R. Weingarten, Christopher; Shteamer, Hank; Spanos, Brittany; Exposito, Suzy; Johnston, Maura; Doyle, Patrick (20 de julho de 2017). «Linkin Park: 12 Essential Songs». Rolling Stone. Consultado em 25 de março de 2022 
  25. a b Baltin, Steve (16 de julho de 2009). «Chester Bennington Opens Up About His Past Addictions». Noisecreep. Consultado em 25 de março de 2022 
  26. Loftin, Steven (24 de outubro de 2017). «Linkin Park's 'Hybrid Theory': A track-by-track breakdown and what the lyrics mean». Alternative Press. Consultado em 25 de março de 2022 
  27. Smith, Thomas (28 de outubro de 2015). «Linkin Park's 'Hybrid Theory' Turns 15 – The Story Behind Nu-Metal's 'Breakthrough Moment'». NME. Consultado em 26 de março de 2022 
  28. «An Analysis Of Intrinsic Elements And The Portrayal Of Anxiety In Linkin Park's Song Lyrics». Journal of English Literature, Linguistic, and Education. 2 (2). Surakarta University. Agosto de 2021. eISSN 2721-3390. Consultado em 25 de março de 2022 
  29. «Crawling by Linkin Park». Songfacts. Consultado em 25 de março de 2022 
  30. Szatan, Gabriel (10 de outubro de 2020). «Linkin Park: Hybrid Theory (20th Anniversary Edition) Album Review». Pitchfork. Consultado em 25 de março de 2022 
  31. Fricke, David (14 de março de 2002). «Linkin Park: David Fricke Talks to Chester Bennington About 'Hybrid Theory' Success». Rolling Stone. Consultado em 25 de março de 2022 
  32. Shepherd, Jack; O'Connor, Roisin (20 de julho de 2018). «Chester Bennington: One year since his death - eight of the best Linkin Park songs». The Independent. Consultado em 25 de março de 2022 
  33. Turner, David (26 de maio de 2017). «The 10 Best Linkin Park Songs». Stereogum. Consultado em 25 de março de 2022 
  34. Law, Sam (17 de abril de 2021). «The 20 greatest Linkin Park songs – ranked». Kerrang!. Consultado em 25 de março de 2022 
  35. de Gallier, Thea (21 de julho de 2017). «Linkin Park and Chester Bennington: the 10 best songs». The Daily Telegraph. Consultado em 25 de março de 2022 
  36. Childers, Chad (13 de maio de 2015). «10 Best Linkin Park Songs». Loudwire. Consultado em 25 de março de 2022 
  37. «9 Most Incredible Vocal Performances by Chester Bennington». Ultimate Guitar. 20 de março de 2021. Consultado em 25 de março de 2022 
  38. Dean, Ollie. «Top 10 Linkin Park Songs». Classic Rock History. Consultado em 25 de março de 2022 
  39. Caramanica, Jon (20 de julho de 2017). «Chester Bennington Brought Rock Ferocity to Linkin Park's Innovations». The New York Times. Consultado em 25 de março de 2022 
  40. «Full list of winners at the 44th Grammy awards». The Guardian. 28 de fevereiro de 2002. Consultado em 26 de março de 2022 
  41. «Linkin Park | Artist». GRAMMY.com. Consultado em 26 de março de 2022 
  42. «Kerrang! Awards - 2001 | Winners & Nominees». awardsandwinners.com. Consultado em 26 de março de 2022 
  43. «100 Greatest Singles Of All Time» (em inglês) (934). Reino Unido: Kerrang! Life is Loud. 14 de dezembro de 2002 
  44. «The 100 greatest rock songs of the century... so far». Classic Rock. 17 de dezembro de 2020. Consultado em 26 de março de 2022 – via Louder Sound 
  45. a b c Sindell, Joshua (10 de março de 2001). «Linkin Park - On Location». Kerrang! (em inglês) (843). Reino Unido. p. 22 
  46. «Linkin Park Answers Your Questions». Shoutweb.com. Abril de 2001. Consultado em 26 de março de 2022. Arquivado do original em 1 de maio de 2001 
  47. a b c d «"Crawling" Video Shoot». Frat Party at the Pankake Festival (DVD) (em inglês). Linkin Park. Estados Unidos: Warner Bros. Records. 2001. ASIN B00005QX8J 
  48. «Crawling [Official HD Music Video] - Linkin Park». YouTube. Linkin Park. 23 de outubro de 2009. Consultado em 26 de março de 2022 
  49. Davis, Darren (17 de agosto de 2001). «Linkin Park To Release 'In The End' As Next Single And Video». Yahoo! Music. Consultado em 13 de abril de 2022. Arquivado do original em 12 de junho de 2007 
  50. Lipshutz, Jason (5 de outubro de 2020). «The Story Behind Every Song on Linkin Park's 'Hybrid Theory': 20th Anniversary Track-By-Track». Billboard. Consultado em 26 de março de 2022 
  51. «MM-2001-04-28» (PDF). Music & Media. 18 (18). 28 de abril de 2001. p. 15. Consultado em 26 de março de 2022 
  52. «Linkin Park: Frat Party at the Pankake Festival - DVD e Blu-ray». Amazon. Consultado em 26 de março de 2022 
  53. Davis, Darren (8 de novembro de 2001). «Linkin Park VHS/DVD To Be Released November 20». Yahoo! Music. Consultado em 26 de março de 2022. Arquivado do original em 17 de junho de 2007 
  54. «Video Music Awards 2001: Nominees (Best Rock Video)». MTV. Consultado em 26 de março de 2022. Arquivado do original em 15 de novembro de 2004 
  55. «Video Music Awards 2001: Nominees (Best Direction)». MTV. Consultado em 26 de março de 2022. Arquivado do original em 24 de outubro de 2004 
  56. «Our #HybridTheory music videos have been UPGRADED to HD...». @linkinpark. Twitter. 9 de outubro de 2020. Consultado em 26 de março de 2022 
  57. «Crawling [Official HD Music Video] - Linkin Park». Wayback Machine. YouTube. 26 de março de 2022. Consultado em 26 de março de 2022 
  58. Jamieson, Brii (29 de novembro de 2018). «A Video Of One Of Linkin Park's First Live Shows Has Surfaced, Pre-Dating 'Hybrid Theory'». Rock Sound. Consultado em 13 de abril de 2022 
  59. a b «The Street Soldiers Tour Is Pure Energy». The Temple News. 1 de março de 2001. Consultado em 13 de abril de 2022 
  60. J. Augusto, Troy (17 de abril de 2001). «Linkin Park». Variety. Consultado em 13 de abril de 2022 
  61. «"Crawling Live Music Video with Multiangles"». Frat Party at the Pankake Festival (DVD) (em inglês). Linkin Park. Estados Unidos: Warner Bros. Records. 2001. ASIN B00005QX8J 
  62. Epstein, Dan (29 de novembro de 2018). «Linkin Park's Chester Bennington: The Lost Interview». Revolver. Consultado em 13 de abril de 2022 
  63. «Linkin Park 'Rock A Rhyme Like This' At Cheese Country Gig». MTV. 4 de fevereiro de 2002. Consultado em 13 de abril de 2022 
  64. «Linkin Park Live - 2003.08.02 Houston, Texas». lplive.net. Consultado em 13 de abril de 2022 
  65. Loftus, Johnny. «Live in Texas - Linkin Park | Songs, Reviews, Credits». AllMusic. Consultado em 13 de abril de 2022 
  66. Terry, Denise (4 de dezembro de 2003). «New Vibrations - Linkin Park - Live in Texas November, 2003 Warner Bros. Records». The Johns Hopkins News-Letter. Consultado em 13 de abril de 2022 
  67. «‎Road to Revolution: Live at Milton Keynes by LINKIN PARK on Apple Music». iTunes. Consultado em 13 de abril de 2022 
  68. Thomas, Stephen. «Road to Revolution: Live at Milton Keynes - Linkin Park». AllMusic. Consultado em 13 de abril de 2022 
  69. «Chester Bennington and Chris Cornell Sing Linkin Park's 'Crawling'». Revolver. 20 de julho de 2018. Consultado em 13 de abril de 2022 
  70. Bennington, Chester (1 de agosto de 2011). «LPU Chat With Chester». LP Underground (lpunderground.com/chat). I would say that Crawling has caused me the most trouble live more than any other song. Just because it’s that one long note the whole time, but I think probably Crawling and probably With You was hard when we used to play that one." Transcrição feita em 2 de agosto de 2011. 
  71. Gafford, Carol (15 de agosto de 2012). «Linkin Park rocks Comcast Center». The Enterprise. Consultado em 13 de abril de 2022. Arquivado do original em 13 de abril de 2015 
  72. Miranda, Michele (3 de agosto de 2012). «Linkin Park volta ao Brasil em outubro com turnê de disco feito para agradar aos fãs». O Globo. Consultado em 13 de abril de 2022 
  73. Winkes, Erik (18 de novembro de 2014). «Die perfekte Show: Linkin Park live in der Festhalle Frankfurt». Anty Radio (em alemão). Consultado em 13 de abril de 2022 
  74. Makówka, Romana (26 de agosto de 2015). «Linkin Park w Rybniku [Galeria]». Anty Radio (em polonês). Consultado em 13 de abril de 2022 
  75. Cooper, Leonie (15 de junho de 2014). «Linkin Park close second night of Download Festival playing 'Hybrid Theory' in full». NME. Consultado em 13 de abril de 2022 
  76. «Geheimkonzert von Linkin Park». warnermusic.de (em alemão). 5 de abril de 2017. Em cena em 6:06. Consultado em 13 de abril de 2022 
  77. «Linkin Park is back: The band unveils their new single 'Heavy' featuring Kiiara». Firstpost. 17 de fevereiro de 2017. Consultado em 13 de abril de 2022 
  78. Trendell, Andrew (4 de julho de 2017). «Stormzy joins Linkin Park on stage in London to perform 'Good Goodbye'». NME. Consultado em 13 de abril de 2022 
  79. «What did Linkin Park play at their last gig with Chester Bennington?». Radio X. 23 de março de 2019. Consultado em 13 de abril de 2022. Arquivado do original em 24 de março de 2019 
  80. Stubblebine, Allison (4 de dezembro de 2017). «Linkin Park Unveil Haunting 'Crawling' Video From 'One More Light Live'». Billboard. Consultado em 13 de abril de 2022 
  81. Z. Yeung, Neil. «One More Light: Live - Linkin Park | Songs, Reviews, Credits». AllMusic. Consultado em 13 de abril de 2022 
  82. «Linkin Park Master Reanimation But Kant Spell». MTV. 20 de junho de 2002. Consultado em 27 de março de 2022 
  83. Moss, Corey (24 de janeiro de 2002). «Staind's Aaron Lewis Joins Linkin Park On 'Crawling' Remix». MTV. Consultado em 27 de março de 2022 
  84. «Reader Review: Reanimation». IGN. 22 de maio de 2003. Consultado em 27 de março de 2022 
  85. «Linkin Park 8-Bit Rebellion! Game for iPhone, iPod Touch and iPad Launches Today». IGN. 26 de abril de 2010. Consultado em 27 de março de 2022 
  86. «"Rock Band 3" recebe seis faixas da banda Linkin Park na próxima semana». Uol Start. 7 de janeiro de 2011. Consultado em 27 de março de 2022 
  87. «"Crawling Bryson Bluegrass Version"». Frat Party at the Pankake Festival (DVD) (em inglês). Linkin Park. Estados Unidos: Warner Bros. Records. 2001. ASIN B00005QX8J 
  88. «Making of In the End Video». Frat Party at the Pankake Festival (DVD) (em inglês). Linkin Park. Estados Unidos: Warner Bros. Records. 2001. ASIN B00005QX8J 
  89. «Moving On - Myleene Klass | Songs, Reviews, Credits». AllMusic. Consultado em 27 de março de 2022 
  90. «Angelzoom - Angelzoom | Songs, Reviews, Credits». AllMusic. Consultado em 27 de março de 2022 
  91. Johnson, Bailey (12 de julho de 2011). «"Pop Culture" mega-mash-up: 39 songs in three minutes». CBS News. Consultado em 27 de março de 2022 
  92. Scilippa, Phil (12 de julho de 2021). «Madeon's Iconic "Pop Culture" Mashup Is Now a Decade Old». EDM.com. Consultado em 27 de março de 2022 
  93. Doyez, François-Luc (5 de novembro de 2021). «Madeon, l'électro kid». Libération (em francês). Consultado em 27 de março de 2022. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2012 
  94. Lipshutz, Jason (1 de agosto de 2017). «Coldplay Performs Linkin Park Tribute at North American Tour Kickoff». Billboard. Consultado em 27 de março de 2022 
  95. DiVita, Joe (5 de agosto de 2017). «Staind Reunion and Bennington + Cornell Tributes Highlight Aaron Lewis Charity Gig». Loudwire. Consultado em 27 de março de 2022 
  96. Romano, Nick (8 de setembro de 2017). «Jared Leto leads moving tribute to Chester Bennington, Chris Cornell, David Bowie, and more». Entertainment Weekly. Consultado em 27 de março de 2022 
  97. Childers, Chad (28 de outubro de 2017). «Linkin Park + Friends Lift Spirits at Chester Bennington Tribute». Loudwire. Consultado em 27 de março de 2022 
  98. Childers, Chad (3 de janeiro de 2018). «New Years Day Salute Influences With 'Diary of a Creep' EP». Loudwire. Consultado em 27 de março de 2022 
  99. Kaufman, Gil (7 de novembro de 2018). «'Songs That Saved My Life' Suicide Prevention Benefit Album Features Against Me!, The Maine & More». Billboard. Consultado em 27 de março de 2022 
  100. «Bad Wolves Release Emotional Cover Of Linkin Park's Crawling». Kerrang!. 22 de julho de 2020. Consultado em 27 de março de 2022 
  101. Mesquita, David (5 de abril de 2021). «Di Ferrero faz cover de sucesso do Linkin Park e impressiona fãs: "Que perfeito"». Metropolitana FM. Consultado em 27 de março de 2022 
  102. a b «'Crawl' or Nothing!». NME. 2 de março de 2001. Consultado em 13 de abril de 2022 
  103. a b Linkin Park – Crawling (DVD) (em inglês). Linkin Park. Estados Unidos: Warner Bros. Records – 7599-38538-2. 2001 
  104. «Going for Adds» (PDF). Radio & Records (1397). 13 de abril de 2001. pp. 101, 105, 114. Consultado em 28 de março de 2022 
  105. a b «Crawling - Linkin Park | Songs, Reviews, Credits». AllMusic. Consultado em 27 de março de 2022. Cópia arquivada em 13 de abril de 2022 
  106. a b (2001) Notas de lançamento de "Crawling" (VHS; NTSC) por Linkin Park. Warner Bros. Records. Ordem de serviço: #1131838. VDI Multimedia
  107. a b (2001) Notas de lançamento de "Crawling" (fita cassete) por Linkin Park. Warner Bros. Records. W556C / 5439167604.
  108. a b (2001) Notas de lançamento de "Crawling" (CD promocional japonês) por Linkin Park. Warner Music Japan. PCS-521.
  109. a b (2001) Notas de lançamento de "Crawling" (CD promocional brasileiro, sob o subtítulo "Blitz Cidade") por Linkin Park. WEA Music / Warner Music Brasil. CDWP071. Distribuído pela Cidade A Rádio Rock.
  110. a b (2001) Notas de lançamento de "Crawling" (CD promocional brasileiro, sob o subtítulo "Agente 103") por Linkin Park. Warner Music Brasil. CDWP072. Distribuído pela 103FM A Rádio Rock.
  111. a b «Linkin Park Chart History (Billboard Hot 100)». Billboard. Consultado em 28 de março de 2022 
  112. «Bubbling Under Hot 100 (Week of April 28, 2001)». Billboard. 28 de abril de 2001. Consultado em 29 de março de 2022 
  113. «Linkin Park Chart History (Bubbling Under Hot 100)». Billboard. Consultado em 29 de março de 2022 
  114. a b «Linkin Park Chart History (Alternative Airplay)». Billboard. Consultado em 28 de março de 2022 
  115. a b «Linkin Park Chart History (Mainstream Rock)». Billboard. Consultado em 28 de março de 2022 
  116. a b «Linkin Park Chart History (Hot Rock & Alternative Songs)». Billboard. Consultado em 28 de março de 2022 
  117. a b «Gold & Platinum: Linkin Park – Crawling». Recording Industry Association of America. Consultado em 28 de março de 2022 
  118. a b «Linkin Park | full Official Chart History». Official Charts Company. Consultado em 28 de março de 2022 
  119. a b «Official Rock & Metal Singles Chart Top 40: 15 April 2001 - 21 April 2001». Official Charts Company. Consultado em 28 de março de 2022 
  120. a b «Certificações BPI: Linkin Park – Crawling». British Phonographic Industry. Consultado em 28 de março de 2022 
  121. a b «Austriancharts.at – Linkin Park – Crawling». Ö3 Austria Top 40. Consultado em 28 de março de 2022 
  122. a b «Offiziellecharts.de – Linkin Park – Crawling». GfK Entertainment Charts. Consultado em 28 de março de 2022 
  123. a b «Official Scottish Singles Sales Chart Top 100: 15 April 2001 - 21 April 2001». Official Charts Company. Consultado em 28 de março de 2022 
  124. a b «Irish-charts.com – Linkin Park». irish-charts.com. Consultado em 28 de março de 2022 
  125. a b «Eurochart Hot 100 Singles» (PDF). Music & Media. 19 (33). 11 de agosto de 2001. p. 7. Consultado em 28 de março de 2022 
  126. a b «Top 100 Single-Jahrescharts». GfK Entertainment (em German). offiziellecharts.de. Consultado em 28 de março de 2022 
  127. a b «Jahreshitparade Singles 2001». austriancharts.at. Consultado em 28 de março de 2022 
  128. a b «Jaaroverzichten 2001». Ultratop. Consultado em 28 de março de 2022 
  129. a b «The Official UK Singles Chart 2001» (PDF). UK Singles Chart. ChartsPlus. Consultado em 28 de março de 2022 
  130. a b «ČNS IFPI». Hitparáda – Digital Top 100 Oficiální (em tcheco). Altere o gráfico para "CZ - SINGLES DIGITAL - TOP 100", insira "201730" na pesquisa e clique em "Zobrazit". IFPI Czech Republic. Consultado em 28 de março de 2022 
  131. a b «ČNS IFPI». Hitparáda – Digital Top 100 Oficiální (em tcheco). Altere o gráfico para "SK - SINGLES DIGITAL - TOP 100", insira "201730" na pesquisa e clique em "Zobrazit". IFPI Czech Republic. Consultado em 28 de março de 2022 
  132. a b «Le Top de la semaine : Top Singles Téléchargés – SNEP (Week 30, 2017)» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 28 de março de 2022. Arquivado do original em 30 de julho de 2017 
  133. a b «Archívum – Slágerlisták – MAHASZ». Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. 21 de julho de 2017. Consultado em 28 de março de 2022 
  134. a b «portuguesecharts.com - Linkin Park - Crawling». portuguesecharts.com. Consultado em 28 de março de 2022 
  135. a b «Certificações FIMI: Linkin Park – Crawling» (em italiano). Selecione "2018" no menu suspendido "Anno". Digite "Crawling" no campo "Filtra". Selecione "Singoli" em "Sezione". Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 28 de março de 2022 
  136. «australian-charts.com - Linkin Park - Crawling». Consultado em 28 de março de 2022 
  137. «Linkin Park - Crawling». ultratop.be. Consultado em 28 de março de 2022 
  138. «Linkin Park - Crawling». charts.nz. Consultado em 28 de março de 2022 
  139. «Linkin Park - Crawling». dutchcharts.nl. Consultado em 28 de março de 2022 
  140. «swedishcharts.com - Linkin Park - Crawling». Consultado em 28 de março de 2022 
  141. «swisscharts.com - Linkin Park - Crawling». Consultado em 28 de março de 2022 
  142. «Hot Rock Songs - Year-End 2017». Billboard. Consultado em 28 de março de 2022 
  143. «Top AFP - Audiogest - Top 3000 Singles + EPs Digitais» (PDF). Associação Fonográfica Portuguesa. Consultado em 28 de março de 2022 
  144. «Certificações IFPI da Áustria: Linkin Park – Crawling (DVD)» (em alemão). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Consultado em 27 de julho de 2022 
  145. Livreto de Hybrid Theory, distribuido pela Warner Bros. Records (2000) (9362-47755-2 / 9 47755-2).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]