Modo eólio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O modo eólio consiste em um dos modos musicais ou escalas diatônicas.

História[editar | editar código-fonte]

Suas origens remotam à teoria musical formada na Grécia antiga, baseada em torno da escala natural relativa em (A, i.e., a mesma nota tocada pelas teclas brancas do piano de lá a lá). A tradição helênica nomeou essa escala simples de modo hipodório (subdório); o atual modo eólio e o modo lócrio devem ter sido formados a partir de variações daquele (talvez baseados em escalas cromáticas).

O termo modo eólio caiu em desuso na Europa medieval, à medida que a música sacra baseou-se entorno de oito modos musicais: a escala natural relativa em (D), mi (E), (F) e sol (G), cada qual com seu modo autêntico e modo plagal em contrapartida.

Em 1547, Heinrich Glarean publicou seu Dodecachordon. Essa obra tinha como premissa a existência de doze modos diatônicos ao invés de oito. Parece que o repertório popular de então usava parte desses modos adicionais, mas não o repertório oficial de música sacra. Glarean adicionou o eólio como o nome do novo nono modo: o modo natural relativo em lá com a quinta como sua dominante. O décimo modo, a versão plagal do modo eólio, foi denominado hipoeólio (subeólio), baseado na mesma escala relativa, mas com uma terceira menor como sua dominante, e tendo o alcance melódico a partir de uma quarta perfeita abaixo da tônica até uma quinta perfeita acima desta.

Como a música polifônica substituiu a música monofônica medieval, os modos populares adicionados por Glarean tornaram-se as bases da divisão entre escala menor e escala maior, criadas pela música clássica europeia.

Formato atual[editar | editar código-fonte]

O modo eólio, como se aplica atualmente na música ocidental, possui a seguinte constituição intervalar:

  T - st - T - T - st - T - T
A - B - C  - D - E - F  - G - A
T - 2 - 3m - 4 - 5 - 6m - 7 - 8

Exemplos[editar | editar código-fonte]

O modo eólio consiste dos mesmos componentes do modo maior, com a sexta nota como sua tônica:

1. Partindo da tonalidade de dó maior, obtemos lá eólio:

  • lá - sí - dó - ré - mí - fá - sol

2. Partindo da tonalidade de sol maior, obtemos mí eólio:

  • mí - fá# - sol - lá - sí - dó - ré

3. Partindo da tonalidade de Eb maior, obtemos Dó eólio:

  • C - D - Eb - F - G - Ab - Bb

Muitas músicas populares, como Summertime, do musical de 1935 Porgy and Bess, usam o modo eólio.

Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.