Escala menor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Escala menor natural (Lá)

Em teoria musical, a escala menor é uma sequência ordenadas de sete notas musicais sucessivas (escala diatônica) que segue o padrão modo menor (um dos modos musicais utilizados na música tonal), que possui cinco intervalos de tons e dois intervalos de semitons entre as notas, que obedece à seguinte sequencia padrão de estrutura de intervalos musicais:[1]

IIº IIIº IVº VIº VIIº
V V V V V V V
tom semitom tom tom semitom tom tom

Sendo T-ST-2T-ST-2T, onde o terceiro grau (chamado mediante) está a um intervalo de terça menor (um tom + um semitom) acima da tônica e os graus 6º e 7º também são menores. A partir da escala menor é que são formados os acordes menores, o campo harmônico e, as melodias.[1]

A escala fundamental ou escala natural deste modo maior é a escala de Lá menor, pois a relação de intervalos deste modo pode ser obtido nesta escala sem a necessidade de alteração de altura das notas com uso de uso de acidentes:

la si mi fa sol
V V V V V V V
tom semitom tom tom semitom tom tom

Mas para formar escalas maiores iniciadas por outra nota, é necessário acrescentar alterações de altura a algumas notas, a fim de manter a sequencia padrão de intervalos. Por exemplo, em uma escala de Sol Maior para seguir o padrão intervalar maior, as notas serão:

mi sol sib
V V V V V V V
tom semitom tom tom semitom tom tom

Nesta escala a nota si não pode ser utilizada nesta sequência, pois o intervalo natural entre si e dó é de um semitom e entre lá e si é de um tom (na escala fundamental). Para que a escala obedeça à ordem intervalar maior é preciso diminuir a nota si em meio tom e torná-la um si bemol (sib). Em outras escalas, para manter a relação de intervalos, é necessário elevar a altura de algumas notas em meio tom (sustenido). O ciclo das quintas define a ordem em que os acidentes sustenidos ou bemóis são adicionados às escalas.

Em alguns modos gregos antigos, como o modo dórico e o modo frígio possuam terças menores relativas à tônica, modernamente os músicos se referem a três tipos de escalas menores: a escala menor natural, a escala menor harmônica e a escala menor melódica, cada qual com uma distribuição específica dos intervalos restantes.

 {
\override Score.TimeSignature #'stencil = ##f
\relative c' {
  \clef treble \time 7/4
  c4^\markup { Escala de Dó (C) menor natural} d es f g aes bes c2
  }

}
 {
\override Score.TimeSignature #'stencil = ##f
\relative c' {
  \clef treble \time 7/4
  c4^\markup { Escala de Dó (C) menor harmônica } d es f g aes b!? c2
  }

}
 {
\override Score.TimeSignature #'stencil = ##f
\relative c' {
  \clef treble \time 7/4
  c4^\markup { Escala de Dó (C) menor melódica } d es f g a!? b!?
  c bes aes g f es d
  c2
  }

}

Escala menor natural[editar | editar código-fonte]

Diagrama dos intervalos da escala menor natural

Corresponde ao modo eólio antigo. Caracteriza-se pelo intervalo de um semitom entre o e o grau e também entre o e grau: 1tom, 2semitom, 3tom, 4tom, 5semitom, 6tom, 7tom

EscalaMenorNatural.png

Tonalidade 7
C-flat-major a-flat-minor.svg
6 ♭
G-flat-major e-flat-minor.svg
5 ♭
D-flat-major b-flat-minor.svg
4 ♭
A-flat-major f-minor.svg
3 ♭
E-flat-major c-minor.svg
2 ♭
B-flat-major g-minor.svg
1 ♭
F-major d-minor.svg

0
C-major a-minor.svg
 
1
G-major e-minor.svg
2 ♯
D-major b-minor.svg
3 ♯
A-major f-sharp-minor.svg
4 ♯
E-major c-sharp-minor.svg
5 ♯
B-major g-sharp-minor.svg
6 ♯
F-sharp-major d-sharp-minor.svg
7 ♯
C-sharp-major a-sharp-minor.svg
Escala maior: Dó♭ M Sol♭ M Ré♭ M Lá♭ M Mi♭ M Si♭ M M M Sol M M M Mi M Si M Fá♯ M Dó♯ M
Escala menor: Lá♭ m Mi♭ m Si♭ m m m Sol m m m Mi m Si m Fá♯ m Dó♯ m Sol♯ m Ré♯ m Lá♯ m

Escala menor harmônica[editar | editar código-fonte]

Menor harmônica

Esta escala é dita harmônica pois com o aumento do 7º grau da escala obtemos a nota sensível, nos permitindo criar harmonias de dominante. Esta apresenta a mesma estrutura da escala menor natural, exceto pelo 7º grau, que é aumentado em um semitom, construindo-se um intervalo de 2ª aumentada entre o e o grau da escala:

 1tom, 2semitom, 3tom, 4tom, 5semitom, 6tom e meio, 7semitom

O sétimo grau se torna sensível - o sétimo grau de uma escala é chamado sensível, já que este está somente meio tom abaixo da tônica e soa muito bem com ela melodicamente -, apresentando uma atração tonal maior do que a da escala menor natural. A modificação dá à escala uma sonoridade oriental, e pode-se ouvir sua influência nos acordes meio-diminutos e nos acordes de sétima com nona bemol.

Escala Lá menor harmônico

Como construir estas escalas?...repare... Exemplo: -Si menor (relativa maior: Ré maior)

Constrói-se a escala Si menor com os sustenidos de Ré Maior (FÁ# e DO#) e aumenta meio tom no 7º grau.
Escala Si Menor harmônica
SI DO# RE MI FA# SOL LA# SI
-Ré menor (relativa maior:Fá Maior)
-Mi menor (relativa maior:Sol Maior)

Depois, é só aumentar meio tom ao 7ºgrau.

OBS: Para achar a escala relativa menor abaixe um tom e meio da escala maior. Ex: Lá Maior, abaixe um tom e meio e encontrará sua relativa menor, FÁ# Menor.

Para achar a relativa maior basta aumentar um tom e meio: Ex: Sol menor, aumente um tom e meio e encontrará Sib Maior. Veja as Armadura da Clave.

EscalaMenorHarmonica.png

Escala menor melódica e escala menor bachiana[editar | editar código-fonte]

Menor melódica

Quando tocamos a escala menor harmônica, notamos que o intervalo entre o 6º e 7º graus da escala soa estranho melodicamente. Este intervalo é chamado de segunda aumentada, soando exatamente como uma terça menor. Porém não temos tons na escala entre estas notas e este intervalo de segunda aumentada é considerado dissonante na harmonia clássica. Portanto tem-se a escala menor melódica natural, onde além do 7º grau elevado em um semitom, a escala também eleva seu 6º grau em um semitom. Essa alteração é para facilitar o movimento melódico gerado entre o 6º e 7º graus da escala menor harmônica de 2ª aumentada. Sua forma é a seguinte:

1tom, 2semitom, 3tom, 4tom, 5tom, 6tom, 7semitom
Escala Lá Menor melódica
Lá Si Dó Ré Mi Fá# Sol#
Escala Lá menor melódica (subida)

A escala menor melódica difere só em um tom da escala maior. A diferença pequena é considerada na maioria das vezes uma desvantagem. Por isso os compositores usam a escala melódica só em melodias ascendentes, nas descidas usam a escala natural. Por completa a escala melódica seria então assim:[2]

Escala Lá Menor melódica (subida e descida)
Lá Si Dó Ré Mi Fá# Sol# Lá Sol Fá Mi Ré Dó Si Lá

Se a escala, no entanto, mantém as alterações também na descida, no Brasil e alguns outros países é chamada de Escala bachiana:

Escala Lá Menor bachiana (subida e descida)
Lá Si Dó Ré Mi Fá# Sol#Sol# Fá# Mi Ré Dó Si Lá

EscalaMenorMelodica.png

Referências

  1. a b Lemes, Flávia (23 de agosto de 2020). «Escala maior e menor — o que são e para que servem?». Música e Vinho. Consultado em 24 de fevereiro de 2022 
  2. Med, Bogumil (1996). Teoria da música 4ª ed. Brasília: Musimed. p. 133ss. ISBN 85-85886-02-1 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]