Folk metal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Folk metal
Origens estilísticas
Contexto cultural Década de 1990
Instrumentos típicos Bateria, Baixo, Guitarra, Vocal, Teclado e instrumentos musicais folclóricos
Formas derivadas Pagan metal
Subgêneros
Celtic metal  • Medieval metal  • Oriental metal  • Viking metal
Formas regionais
Alemanha  • Espanha  • Finlândia  • Irlanda  • Israel  • Noruega  • Rússia
Outros tópicos
Bandas  • Folclore  • Mitologia  • Paganismo

O folk metal consiste em um estilo em que se mescla algum estilo de heavy metal (seja o próprio heavy metal ou o thrash metal, ou ainda os mais explorados, black metal, death metal, doom metal, power metal, etc.), com elementos de alguma espécie de música popular de raiz (celta, eslava, germânica, ibérica, judaica, viquingue, etc.).

História[editar | editar código-fonte]

Skyclad, uma das bandas pioneiras do folk metal

O surgimento do folk metal está associado à banda britânica Skyclad[1][2]; contudo, inúmeras bandas, como Eluveitie, Cruachan, Korpiklaani, Skiltron, Finntroll, entre outras, fizeram parte do cenário protagonista do estilo. O gênero é bastante popular em países como Alemanha, Finlândia, Irlanda e Noruega[carece de fontes?], no caso desses dois últimos, recebendo bastante influência do black metal.

Características do estilo[editar | editar código-fonte]

Estes são alguns dos principais elementos para uma banda ser considerada como folk metal:

NOTA: Bandas que usam temas folclóricos em suas letras mas não possuem esta influência em suas melodias geralmente não são consideradas como bandas de folk metal.

Precursores[editar | editar código-fonte]

Cruachan no East Rock Festival, em 2010
NOTA 1: As bandas estão dispostas de acordo com o ano do lançamento do primeiro álbum de estúdio; ou seja, a de cima, o Bathory, é a mais precursora entre as demais bandas.
NOTA 2: As bandas dispostas acima são da década de 1980 e 1990, décadas essas onde encontramos os primeiros registros de álbuns estúdio do Folk Metal.

Brasil[editar | editar código-fonte]

Além dos tradicionais subgêneros do Folk Metal, algumas publicações já falam no surgimento do chamado Brazilian Folk Metal, que seria uma versão tupiniquim do Folk Metal. Em tal subgênero se observa, em meio aos instrumentos usuais ao Heavy Metal, o uso eventual de instrumentos como agogô, timba, cuíca, pandeiro, viola, craviola, flauta indígena, entre outros. As bandas procuram, assim, criar uma ponte que os aproximem não apenas do samba, mas também do baião, do choro, da MPB e da musicalidade indígena. As principais bandas deste incipiente estilo seriam o Angra, particularmente em seu álbum Holy Land, com a mistura de várias vertentes da música brasileira ao Progressive Power Metal, assim como a banda Sepultura, em seu álbum Roots, onde mistura a música africana e indígena brasileira com o seu Groove Metal. Em 1994, o grupo Raimundos lançou um álbum batizado apenas como Raimundos, trabalho este que trazia uma inovadora mistura de Heavy Metal com Hardcore e músicas com sonoridade tipicamente nordestina. Também a banda Braia e o guitarrista Rafael Bittencourt, no álbum de estreia de seu projeto solo (chamado Bittencourt Project), abordam temas e sonoridade habitualmente explorados pela música brasileira.

A banda Arandu Arakuaa, por sua vez, mistura ao seu Heavy Metal (em suas vertentes mais extremas), a música folclórica brasileira, em especial abordando temas indígenas, sendo suas letras inspiradas em lendas e ritos indígenas, buscando, desta maneira, contribuir para a divulgação e valorização das manifestações culturais dos povos nativos do Brasil. Inclusive, invariavelmente, a banda Arandu Arakuaa executa suas músicas em linguagem típica dos indígenas do brasileiros, além de incluir, em sua sonoridade, instrumentos habitualmente utilizados por povos indígenas do Brasil.[23] Outra banda que, comumente, aborda temas ligados ao folclore brasileiro é o grupo Glory Opera, do Amazonas. Embora esta banda não seja um grupo de Folk Metal, no que diz respeito à sua sonoridade, as letras de algumas de suas músicas falam de temas ligados ao folclore de sua região de origem.[24]

Em 2004, em seu álbum Joe´s Rhapsody, a banda de power metal Destra lançou a música "Good Bye Blue Sky", faixa que explora a sonoridade típica da música nordestina.[25] A banda Charme Chulo, de Curitiba, por sua vez, mistura elementos de música sertaneja ao rock, tendo suas letras todas em língua portuguesa, abordando temas ligados ao cotidiano da vida na zona rural. Em 2014, Bruno Sutter (vulgo Detonator, ex-Massacration) lança o álbum Metal Folclore, que, em tom humorado, fala sobre várias lendas do folclore brasileiro, porém sem a influência brasileira na melodia das músicas. A banda Kernunna também produz um tipo de Rock Pesado (que não chega a ser exatamente o metal) com temáticas folclóricas; sua música "Curupira's Maze" é onde se pode perceber, já no próprio nome, essa influência.

A banda brasileira Miasthenia, do Distrito Federal, por sua vez, banda esta que tem uma professora da Universidade de Brasilia entre seus integrantes, executa um black metal que, embora não faça a utilização de instrumentos usuais à musicalidade ou folclore brasileiros, tem músicas com letras em língua portuguesa, o que é uma forma de valorizar um aspecto específico de seu país de origem. As letras desta banda, habitualmente, abordam temas ligados à cultura do continente americano na era pré-colombiana. A banda Armahda, de São Paulo, é um grupo de Power Metal que possui algumas de suas músicas cantadas em português (como se observa, por exemplo, nas músicas "Paiol" e "Canudos"), além de incluir em algumas de suas composições a sonoridade tipicamente explorada em algumas regiões do Brasil.[26]

Precursores[editar | editar código-fonte]

Novos nomes[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Dentre as bandas provenientes de Portugal, merece destaque o grupo Hyubris, que se dedica a uma mistura de Folk Metal com Gothic Metal, tipicamente executando suas composições com vocal operístico feminino.[28]

Variações regionais[editar | editar código-fonte]

  • Celtic: Metal mesclado com música folclórica celta.
Ver artigo principal: Celtic metal
Algumas bandas: Skyclad, Cruachan, Tuatha de Danann, Anabioz, Blackmore's Night, Renaissance, Waylander, Hyubris, Olam Ein Solf, Mago de Oz, Eluveitie, Skiltron, Triddana, Carved in Stone.
  • Viking: Metal mesclado com música folclórica viquingue.
Ver artigo principal: Viking metal
Algumas bandas: Moonsorrow, Týr, Heidevolk, Nomans Land, Manegarm, Otyg, Vintersorg, Ensiferum, Enslaved, Elexorien, Fejd[29], Manegarm.
Ver artigo principal: Medieval metal
Algumas bandas: In Extremo, Subway to Sally (fase atual), Holy Blood, Schandmaul, Carved in Stone.
Ver artigo principal: Metal pré-hispânico
Algumas bandas: Toccata Magna, Tierramystica, Chaska, Tenochtitlan.
Ver artigo principal: Metal oriental
Algumas bandas: Orphaned Land, Rudra, The Firstborn, Ulytau, Myrath.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «O Que Define O Folk Metal». Consultado em 21 de junho de 2018 
  2. «O Folk Metal». Consultado em 21 de junho de 2018 
  3. Bush, John. «AMG Skyclad». AllMusic. Consultado em 10 de março de 2008 
  4. Boylin, Alex. «Skyclad Biography». Metalstorm.ee. Consultado em 10 de março de 2008 
  5. Hill, Gary. «AMG Amorphis». AllMusic. Consultado em 10 de março de 2008 
  6. a b Bowar, Chad. «A Costa Da Morte Review». About.com. Consultado em 14 de março de 2008. Arquivado do original em 9 de junho de 2008 
  7. Dicks, Britton. «Gaia II - La Voz Dormida Review». Metalcoven.com. Consultado em 14 de março de 2008. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2008 
  8. Sharpe-Young, Garry. «Rockdetector Orphaned Land». Rockdetector.com. Consultado em 10 de março de 2008. Arquivado do original em 5 de março de 2008 
  9. Rivadavia, Eduardo. «AMG Orphaned Land». Allmusic.com. Consultado em 10 de março de 2008 
  10. http://www.rtp.pt/programa/tv/p24751
  11. Rivadavia, Eduardo. «AMG Butterfly Effect Review». AllMusic. Consultado em 28 de fevereiro de 2008 
  12. Sharpe-Young, Garry. «Cruachan Biography». MusicMight. Consultado em 13 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 17 de agosto de 2013 
  13. Monger, James Christopher. «AMG Primordial». AllMusic. Consultado em 12 de março de 2008 
  14. Sharpe-Young, Garry. «Empyrium». MusicMight. Consultado em 13 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 10 de setembro de 2012 
  15. Rivadavia, Eduardo. «AMG Falkenbach». AllMusic. Consultado em 14 de março de 2008 
  16. Sharpe-Young, Garry. «Silent Stream of Godless Elegy». MusicMight. Consultado em 13 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 29 de julho de 2012 
  17. Rivadavia, Eduardo. «AMG Windir». AllMusic. Consultado em 15 de março de 2008 
  18. Dicks, Britton. «Vargaresa - The Beginning Review». Metalcoven.com. Consultado em 13 de março de 2008. Arquivado do original em 15 de março de 2008 
  19. Serba, John. «Vansinnesvisor Review». AllMusic. Consultado em 13 de março de 2008 
  20. Sharpe-Young, Garry. «Finntroll». MusicMight. Consultado em 13 de dezembro de 2008. Arquivado do original em 28 de julho de 2009 
  21. Hinds, Andy. «AMG Finntroll». AllMusic. Consultado em 15 de março de 2008 
  22. Sanneh, Kelefa (22 de setembro de 2007). «Finnish Folk-Metal, in Swedish, Plus Trolls». Nytimes.com. Consultado em 15 de março de 2008 
  23. Metal Archives.[1]
  24. Metal Archives.[2]
  25. Encyclopaedia Metallum. [3]
  26. Encyclopaedia Metallum.[4]
  27. Whiplash.net. [5]
  28. Encyclopaedia Metallum. [6]
  29. Encyclopaedia Metallum. [7]