Rivers of Babylon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Rivers of Babylon"
Single de The Melodians
do álbum The Harder They Come
Lançamento 1969  Jamaica
Gênero(s) Reggae
Composição Brent Dowe, Trevor McNaughton

Rivers of Babylon[nota 1] é uma canção dos jamaicanos Brent Dowe e Trevor McNaughton, da banda The Melodians, gravada originalmente em 1969 e que ganhou projeção no filme de 1972 The Harder They Come, que lançou internacionalmente o cantor Jimmy Cliff e apresentou ao mundo a música reggae.[1]

A versão em estilo discoteca de 1978 de Boney M. deu grande popularidade à canção.

Letra[editar | editar código-fonte]

Sua letra remete ao Salmo 137[nota 2] da Bíblia, que contém nove versículos e retrata o sofrimento do povo judeu no exílio babilônico.[1]

Neste Salmo lê-se:[2]

  1. Junto aos rios de Babilônia, Ali nos assentamos, nos pusemos a chorar, Ao recordarmo-nos de Sião.
  2. Nos salgueiros que há no meio dela, Penduramos as nossas harpas,
  3. Pois ali os que nos levaram cativos, nos pediam canções, E os nossos atormentadores exigiam de nós alegria, dizendo: Cantai-nos das canções de Sião.
  4. Como cantaremos a canção de Jeová Em terra de estrangeiros?

A canção diz, em duas de suas estrofes:[3]

By the rivers of Babylon
There we sat down
And there we wept
When we remembered Zion.

When the wicked carried us away in captivity
Required from us a song
Now how shall we sing the lord's song
In a strange land.

[nota 3]

Contexto[editar | editar código-fonte]

"Babilônia" assume, no contexto da canção, o sentido de opressão, falta de liberdade, seja ela de cunho político, cultural ou espiritual, e como tal empregado nos movimentos anti-racistas e anticoloniais, caso desta canção caribenha.[1]

Na cultura estadunidense, onde a canção causou grande impacto, este salmo possui uma tradição de uso político, figurando no primeiro livro publicado naquele país, numa canção patriótica de William Billings quando da Independência, passando por discurso do abolicionista Frederick Douglass até ressurgir na canção de 1969 de The Melodians e então em muitas outras, em vários estilos (gospel, disco, country, etc.).[1]

O filme que revelou a canção foi ainda o primeiro longa-metragem realizado na Jamaica, e o sucesso da obra projetou seu diretor, Perry Henzell.[4] Por sua composição ainda na década de 1960 é considerada como "proto-reggae".[1]

Versão disco de Bonney M.[editar | editar código-fonte]

"Rivers of Babylon"
Single de Boney M.
do álbum Nightflight to Venus
Lado B Brown Girl in the Ring
Lançamento 3 de abril 1978  Alemanha
14 de abril 1978  Reino Unido
Formato(s) 7" single, 12" single
Gênero(s) Rocksteady, Euro Disco, Reggae
Duração 4:16
Gravadora(s) Hansa Records
Sire Records (USA)
Atlantic Records (AUS)
Composição Brent Dowe, Trevor McNaughton, Frank Farian, Reyam
Produção Frank Farian
Cronologia de singles de Boney M.
"Belfast"
(1977)
"Brown Girl in the Ring"
(1978)
Amostra de áudio
informação do ficheiro · ajuda
Você ouve The Rivers Of Babylon e é minha voz e ele [Bobby Farrell] só estava lá murmurando
Liz Mitchell
 (em inglês)
You hear The Rivers Of Babylon and it's my voice and he would just be there growling

A regravação feita em 1978 pelo grupo formado pelo cantor e compositor alemão Frank Farian Bonney M. alcançou o primeiro lugar nas paradas do Reino Unido com o single, onde apenas ali vendeu mais de dois milhões de cópias, permanecendo no topo das listas por cinco semanas.[5] Embora formado por Marcia Barrett, Liz Mitchell, Maizie Williams e Bobby Farell, os vocais teriam sido feitos apenas por Mitchell e Farian que, por ser um alemão branco, preferiu não aparecer dado o estilo da música praticado pelo grupo.[6]

O single continha ainda Brown Girl In The Ring, e passou ao todo quarenta semanas ranqueada no Reino Unido, sendo na época o segundo single mais vendido na história daquele país; em 2012 permanecia como o quinto single mais vendido na história britânica.[6]

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Já em 1978 o grupo britânico The Barron Knights gravou uma paródia da canção no álbum humorístico "A Taste Of Aggro", tornando-se o maior sucesso do grupo e atingindo o terceiro lugar nas paradas do Reino Unido.[7][nota 4]

Quando da visita do papa João Paulo II a Galway, na Irlanda, a canção foi entoada na sua recepção por uma multidão de cerca de duzentas e oitenta mil pessoas, a ponto de um jornal local registrar que "nunca 'By The Rivers of Babylon' foi cantada com tanto entusiasmo, ou por tantos."[8]

Notas

  1. Em livre tradução: "Rios da Babilônia"; algumas fontes trazem o título como "By the Rivers of Babylon".
  2. No caso da versão adotada pelos católicos e algumas outras denominações cristãs, trata-se do Salmo 136 da tradução dita Septuaginta.
  3. Em livre tradução:

    Pelo rios da Babilônia
    Nós nos sentamos
    E nós choramos
    Quando nos lembramos de Sião.

    Mas os ímpios nos levaram, em cativeiro
    Exigiram-nos uma música
    Como podemos cantar ao Senhor - uma música
    Em uma terra estranha.

  4. A letra da paródia diz: There's a dentist in Birmingham, he fixed my crown / And as I slept, he filled my mouth with iron / He said "Rinse out your mouth, with the medication spit it out / In the receptacle by your side, on the right"; numa tradução livre a letra diz: "Há um dentista em Birmingham, ele fixou minha coroa / E enquanto eu dormia, ele encheu minha boca com ferro. / Ele disse: "Enxágue sua boca com a medicação, e a cuspa / No receptáculo ao seu lado, à direita"

Referências

  1. a b c d e David W. Stowe (2012). «Babylon Revisited: Psalm 137 as American Protest Song». Sinopse em "Project Muse"; embora o autor refira-se ao filme como sendo de 1973, este foi o ano em que o mesmo foi por ele assistido. (em inglês). Black Music Research Journal, Volume 32, N. 1, pág. 95-112. Consultado em 19 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2017 
  2. Vários (tradutores). «Salmo 137». Igreja Metodista. Consultado em 22 de agosto de 2017 
  3. Michelle M. Tokarczyk (1993). Working-class Women in the Academy: Laborers in the Knowledge Factory. [S.l.]: Univ. of Massachusetts Press. 311 páginas. ISBN 9780870238352 
  4. Dennis McLellan (2 de dezembro de 2006). «Perry Henzell, 70; his movie `The Harder They Come' brought reggae to the world». Los Angeles Times. Consultado em 19 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2012 
  5. «Bonney M singer Bobby Farrell dies aged 61». BBC News. 30 de dezembro de 2010. Consultado em 20 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2017 
  6. a b «Whatever happened to Boney M?». BBC News. 29 de janeiro de 2002. Consultado em 20 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 13 de julho de 2012 
  7. Institucional (9 de abril de 2009). «Duke D'mond». Rock and Roll Paradise. Consultado em 19 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2017 
  8. Institucional (21 de abril de 2009). «Papal visit 1979». No original: "Never was "By the Rivers of Babylon" sung with such gusto, or by so many.". Galway Races. Consultado em 19 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2013