Destiny's Child

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo álbum homônimo, veja Destiny's Child (álbum).
Destiny's Child
A última e mais exitosa formação do Destiny Child, da esquerda para a direita: Beyoncé, Kelly Rowland, e Michelle Williams.
Informação geral
Origem Houston, Texas
País Estados Unidos
Gênero(s) R&B · pop
Período em atividade 1997 (1997)–2006 (2006)
Gravadora(s) Elektra · Columbia
Ex-integrantes Beyoncé
Kelly Rowland
Michelle Williams
LaTavia Roberson
LeToya Luckett
Farrah Franklin
Página oficial destinyschild.com

Destiny's Child foi um grupo vocal feminino americano de R&B, cuja formação final e mais conhecida incluía as cantoras Beyoncé, Kelly Rowland e Michelle Williams. Formado em 1997 em Houston, Texas, as integrantes do Destiny's Child começaram sua carreira musical em 1990, pertencendo a um grupo musical intitulando Girl's Tyme, que incluía em sua formação Beyoncé, Kelly, LaTavia Roberson e LeToya Luckett, entre outras.[1] Após anos de busca por um contrato de gravação, o quarteto assinou com a Columbia Records em 1997, sob o nome de Destiny's Child. O grupo ganhou maior reconhecimento comercial após o lançamento de seu segundo álbum de estúdio, The Writing's on the Wall (1999), que continha os singles número um na Billboard 100: "Bills, Bills, Bills" e "Say My Name". Apesar do sucesso crítico e comercial, o Destiny's Child foi afetado por conflitos internos e turbulências judiciais, quando as integrantes Roberson e Luckett tentaram separar o grupo do seu gerenciador, Mathew Knowles, alegando que ele possuía um favoritismo injusto por Beyoncé e Rowland.

No início de 2000, tanto Roberson quanto Luckett foram substituídas por Williams e Farrah Franklin; no entanto, Franklin saiu do grupo depois de cinco meses, deixando o Destiny's Child como um trio. Seu terceiro álbum, Survivor (2001), que contém canções com letras que os critícos interpretaram como uma resposta aos conflitos internos do grupo, lançou os sucessos mundiais "Independent Women", "Survivor" e "Bootylicious". Em 2002, elas anunciaram um hiato e se reuniram dois anos depois para o lançamento de seu quarto e último álbum de estúdio, Destiny Fulfilled (2004), que incluiu sucessos internacionais como "Lose My Breath" e "Soldier". Desde sua dissolução oficial em 2006, Beyoncé, Rowland e Williams se reuniram algumas vezes, inclusive no intervalo do Super Bowl de 2013 e no festival Coachella de 2018.

Até a dissolução, o Destiny's Child havia vendido mais de sessenta milhões de discos e singles em todo o mundo.[2] A revista Billboard classificou o grupo como um dos maiores trios musicais de todos os tempos,[3] a nona artista/banda mais bem sucedida dos anos 2000,[4] colocando o grupo no número 68 em sua lista dos 100 Artistas Mais Bem Sucedidos de Todos os Tempos em 2008[5] e em dezembro de 2016, a revista classificou o Destiny's Child como o 90.º artista de dance de maior sucesso da história.[6] O Destiny's Child foi indicado a catorze prêmios Grammy, vencendo duas vezes nas categorias de Melhor Performance de R&B por um Duo ou Grupo com Vocais e uma vez como Melhor Canção de R&B.

Biografia[editar | editar código-fonte]

1990—97: Começo de carreira e Girl's Tyme[editar | editar código-fonte]

Visão panorâmica de Houston, Estados Unidos, cidade onde o grupo se formou.

Em 1990, Beyoncé conheceu a rapper LaTavia Roberson na cidade de Houston, Texas, durante uma audição que buscava formar um novo grupo feminino.[7] Elas passaram a integrar um conjunto de rap.[7] Kelly Rowland, que se mudou para a casa de Beyoncé por causa de problemas familiares, posteriormente juntou-se a elas em 1992.[8] Originalmente nomeado de Girl's Tyme, o grupo consistia em seis integrantes, incluindo Támar Davis e as irmãs Nikki e Nina Taylor.[9][10] Pouco tempo depois de criado, o Girl's Tyme começou a atrair atenção nacional:[9] Ao tomar ciência de sua existência, o produtor de R&B da costa oeste americana, Arne Frager, voou para Houston para conhecer as garotas.[9] Ele as trouxe para o estúdio Plant Recordings, no norte da Califórnia, para gravar algumas canções, dando predileção aos vocais de Beyoncé, porque Frager acreditava que a personalidade dela se destacava sobre as demais e que ela possuía uma maior capacidade para cantar.[9] Com a intenção de atrair a atenção de alguma gravadora disposta a contrata-las, ele decidiu estreá-las no Star Search, o maior show de talentos da TV americana na época.[9] No entanto, elas perderam a competição, porque, segundo Beyoncé, o grupo fez escolhas erradas;[11] para ela, a decisão de apresentarem um número de rap foi equivocada e, ao invés disso, elas deveriam ter cantando.[7]

Após a derrota do Girl's Tyme, o pai de Beyoncé, Mathew Knowles, voluntariamente dedicou seu tempo para gerencia-las.[9][12] Em 1993, ele começou a reformular o grupo, retirando Támar Davis e as Irmãs Taylor e incluindo LeToya Luckett em seus lugares, assim, a banda passou ter quatro integrantes.[7][9] Além disso, a sonoridade do Girl's Tyme também foi alterada, passando do rap para o R&B.[7][9] Com a intenção de se aperfeiçoarem, as garotas começaram a dedicar algum tempo dos seus dias a ensaiar em uma igreja de Houston, nos quintais de casa e no salão de beleza de propriedade da mãe de Beyoncé, Tina.[8] O grupo passou a criar coreografias no salão e às vezes recebiam dicas dos clientes.[8] Durante os dias sem escola, Girl's Tyme se apresentava em pequenos shows locais.[8] Quando o verão chegava, Mathew Knowles estabelecia um "campo de treinamento" para treiná-las em exercícios de dança e vocais.[13] Após um treinamento rigoroso, elas começaram a atuar como artistas de abertura para grupos de R&B, em ascensão da época, como SWV, Dru Hill e Immature.[7] Tina Knowles passou a desenhar os figurinos usados pelo grupo em suas performances.[13]

Ao longo dos primeiros anos de sua carreira, Girl's Tyme mudou seu nome para Something Fresh, Cliché, The Dolls entre outros.[14] O grupo assinou com a Elektra Records sob o nome de Destiny, mas foi alterado vários meses depois, antes que elas pudessem lançar qualquer material.[12] Nesse período, a busca por um contrato de gravação começou a afetar a família Knowles: em 1995, Mathew renunciou ao seu emprego como vendedor de equipamentos médicos,[9] uma medida que fez reduzir a renda de sua família pela metade e ocasionou em uma breve separação com Tina, devido à pressão.[9][12] Em 1997, elas finalmente mudaram seu nome para Destiny's Child, inspiradas por uma passagem contida no Livro de Isaías da Bíblia.[7]

Mathew Knowles ajudou na negociação de um contrato com a Columbia Records, que assinou com o grupo no mesmo ano.[7][10] Antes de assinar com a gravadora, o Destiny's Child já havia gravado várias faixas em Oakland, Califórnia, sob a produção de D'wayne Wiggins do Tony! Toni! Toné!, incluindo uma faixa intitulada "Killing Time", que segundo a gravadora, apesar de inciantes, elas já detinham uma "qualidade única".[15] A canção foi posteriormente inclusa na trilha sonora do filme Men in Black.[7][15]

1998—2000: Destiny's Child, The Writing's on the Wall e mudanças de formação[editar | editar código-fonte]

Em 17 de fevereiro de 1998, é lançado o single de estreia do Destiny's Child, "No, No, No", com a produção de Tim & Bob, Rob Fusari, Jermaine Dupri, Wyclef Jean, Dwayne Wiggins e Corey Rooney.[7] Seu álbum de estreia homônimo alcançou o número sessenta e sete na tabela Billboard 200 e o número quatorze na tabela de álbuns de R&B/Hip-Hop da mesma publicação.[16][17] O projeto conseguiu vender mais de um milhão de unidades nos Estados Unidos, obtendo uma certificação de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA).[18] Uma versão remixada de "No, No, No" foi lançada, alcançando o número um na parada de faixas e singles de R&B/Hip-Hop e número três na Billboard Hot 100.[19][20] Seu single de acompanhamento, "With Me Part 1" falhou em repetir o sucesso de seu predecessor.[19][17] Enquanto isso, o grupo participou de uma música da trilha sonora do filme Why Do Fools Fall in Love e lançou "Get on the Bus", que teve um lançamento limitado na Europa e em outros mercados.[21] Em 1998, o Destiny's Child ganhou três condecorações no Prêmio Soul Train Music,[7] incluindo o de Melhor Artista Revelação por "No, No, No".[22] Beyoncé considerou a estreia do grupo bem-sucedida, porém não tão grandiosa, alegando que um disco de sonoridade neo soul havia soado maduro demais para elas naquele momento.[23]

Após o sucesso de seu álbum de estreia, o Destiny's Child voltou aos estúdios para começar a produzir seu segundo álbum de estúdio, recrutando novos produtores, incluindo Kevin "She'kspere" Briggs e Rodney Jerkins.[7] Em 27 de julho de 1999, The Writing's on the Wall é liberado, alcançado o número cinco na Billboard 200 e o número dois na parada de R&B no início de 2000.[16][17] "Bills, Bills, Bills" foi lançado em 1999 como o primeiro single do projeto e alcançou o primeiro lugar no Billboard 100, tornando-se seu primeiro single número um nos Estados Unidos.[19] The Writing's on the Wall foi creditado como um álbum inovador pelas integrantes do grupo, impulssionando suas carreiras e as apresentando a um público mais amplo.[13][24]

Michelle Williams (foto) se juntou ao grupo substituindo Luckett e Roberson.

Em dezembro de 1999, as integrantes Luckett e Roberson tentaram separar o grupo do seu empresário, alegando que ele as repassavam uma parcela desproporcional dos lucros da banda e favorecia injustamente Beyoncé e Rowland.[7] Embora elas nunca tivessem a intenção de deixar o grupo, quando o vídeo de "Say My Name", o terceiro single do The Writing's on the Wall, estreou em fevereiro de 2000, Roberson e Luckett descobriram que duas novas integrantes estavam em seus lugares ao lado de Beyoncé e Rowland.[25][26] Elas foram substituídas por Michelle Williams, uma ex-vocalista de apoio da cantora Monica, e Farrah Franklin, uma aspirante a cantora e atriz.[26] Logo após sua passagem pela equipe de Monica, Williams foi apresentada ao Destiny's Child por um amigo coreógrafo e foi levada de avião para Houston, onde ficou com a família Knowles.[13]

Em março de 2000, Roberson e Luckett entraram com uma ação contra Mathew Knowles e suas ex-companheiras de banda por quebra de parceria e deveres fiduciários.[27] Após o processo, ambos os lados foram depreciativos uns com os outros na mídia.[28] Cinco meses depois de ingressar, Franklin foi demitida do Destiny's Child.[29] As integrantes restantes afirmaram que isso ocorreu devido a sua constante ausência em apresentações e shows promocionais.[30] Segundo Williams, Franklin não estava conseguindo lidar com o estresse.[13] Franklin, no entanto, revelou que sua ruptura se deu devido à negatividade em torno do grupo e à sua incapacidade de afirmar qualquer controle nas tomadas de decisões.[7] Sua partida foi vista como menos controversa.[31] Williams, por outro lado, revelou que sua inclusão no Destiny's Child resultou em "lutar contra sua insegurança": "Eu estava me comparando às outras integrantes, e a pressão estava sobre mim".[13]

No final de 2000, Roberson e Luckett desistiram da parte de seu processo destinado a Rowland e Beyoncé em troca de um acordo não divulgado, embora continuassem a ação contra o gerenciador do grupo.[32] Como parte do acordo, os dois lados foram proibidos de se referir uns aos outros publicamente.[7] Roberson e Luckett formaram outro grupo feminino chamado Anjel, mas também o deixaram devido a problemas com a gravadora.[33] Embora as integrantes do Destiny's Child tenham sido afetadas emocionalmente pelas turbulências que estavam acontecendo naquele momento, a polêmica ajudou a impulsionar ainda mais a popularide do grupo e elas se tornaram um fenômeno da cultura pop.[34] "Say My Name" liderou o Billboard 100 por três semanas consecutivas, enquanto o quarto single, "Jumpin', Jumpin'", também alcançou as dez primeiras posições na parada.[19] O The Writing's on the Wall vendeu mais de oito milhões de cópias nos Estados Unidos, ganhando oito certificações de platina pela RIAA.[7][18] Em todo o mundo, a obra vendeu mais de quinze milhões de unidades e foi um dos álbuns mais vendidos de 2000.[35] Durante esse período, o Destiny's Child começou a se apresentar como artistas de abertura nos shows das cantoras pop Britney Spears e Christina Aguilera.[7]

Com Williams na nova formação, o grupo lançou uma música-tema para a trilha sonora do filme de 2000, Charlie's Angels. Lançado como single em outubro de 2000, "Independent Women Part 1" passou onze semanas consecutivas no topo do Billboard 100, de novembro de 2000 a janeiro de 2001,[19] a permanência mais longa já conquistada por um single número um na carreira do Destiny's Child e daquele ano nos Estados Unidos.[36] O lançamento bem-sucedido do single aumentou as vendas do álbum da trilha sonora de Charlie's Angels para mais de um milhão de unidades em 2001.[14] Em 2000, o grupo foi condecorado como Artista do Ano no Prêmio Soul Train Music.[14]

2001—03: Survivor, lançamentos subsequentes, hiato e projetos paralelos[editar | editar código-fonte]

No Prêmio de Música da Billboard de 2001, o Destiny's Child ganhou condecorações em várias categorias, incluindo o de Artista ou Duo/Grupo do Ano,[37] e novamente foi eleito o Artista do Ano entre os cinco prêmios que conquistou em 2001.[38] Em setembro de 2000, o grupo levou para casa duas condecorações na sexta edição do Soul Train Lady of Soul, incluindo o de Álbum de R&B/Soul do Ano, por The Writing's on the Wall.[39] Após isso, o Destiny's Child entreou em estúdio para gravar seu terceiro álbum de estúdio, Survivor, de meados de 2000 até o início de 2001.[40] No processo de produção, Beyoncé assumiu maior controle ao co-produzir e co-escrever quase todo o material.[7][40][41] Survivor chegou às lojas em 1 de maio de 2001 e estreou no primeiro lugar da Billboard 200, vendendo mais de 663 mil unidades em suas primeiras semanas de comercialização.[16][42] Os três primeiros singles liberados da obra, "Independent Women Part I", "Survivor" e "Bootylicious" alcançaram as três primeiras posições nos Estados Unidos e também obtiveram reconhecimento comercial em outros territórios;[19][7] os dois primeiros conquistaram a primeiro posição consecutivamente no Reino Unido.[43] O álbum foi certificado com quatro platinas em solo americano[18] e dupla platina na Austrália.[44] Mundialmente, vendeu 6 milhões de exemplares até 2011.[35]

Após os atentados de 11 de setembro daquele ano, o Destiny's Child cancelou uma turnê europeia e se apresentaram em um show para os sobreviventes do ataque.[7] Em outubro de 2001, o grupo lançou 8 Days of Christmas, um álbum que continha versões atualizadas de canções clássicas de Natal.[45] A obra alcançou o número trinta e quatro na Billboard 200.[16] Em fevereiro de 2001, o Destiny's Child ganhou dois Prêmios Grammy por "Say My Name" nas categorias; Melhor Performance Vocal de R&B por Duo ou Grupo e Melhor Canção de R&B.[46] Elas também ganharam uma condecoração na cerimônia de premiação da música americana na categoria de Melhor Grupo de Soul/R&B.[7] Também em 2001, a banda forneceu vocais de apoio para Solange Knowles, em uma canção que tornou-se tema do desenho animado The Proud Family, da Disney Channel.[47] Em março de 2002, um álbum de remixes intitulado This Is the Remix foi liberado para conquistar os fãs até que um novo lançamento em estúdio fosse lançado.[48] A obra alcançou o número 29 nos Estados Unidos.[16] Desde o seu lançamento, o single, "Survivor", foi constantemente interpretado como uma resposta aos conflitos entre as integrantes da banda, apesar de Beyoncé, que o compôs, afirmar que não foi direcionado a ninguém.[49] Vendo isso como uma violação do acordo que impedia cada parte de fazer comentários públicos depreciativos contra o outro, Roberson e Luckett mais uma vez entraram com uma ação judicial contra o Destiny's Child e a Sony Music.[50] Em junho de 2002, os demais casos foram resolvidos no tribunal.[51]

A irmã de Beyoncé, Solange Knowles (foto), que havia gravado músicas e se apresentado com o Destiny's Child, iria se juntar ao grupo quando elas se reunissem, mas isso foi confirmado mais tarde como apenas uma notícia para testar a reação do público.

Ainda em 2000, o Destiny's Child já tinha anunciado um plano de embarcar em projetos paralelos individuais, incluindo lançamentos de álbuns solo,[40] uma ideia de seu gerenciador.[52] Em 2002, Williams lançou seu álbum solo, Heart to Yours, uma compilação de música cristã contemporânea.[7] O material alcançou o número um na parada de Álbuns Gospel da Billboard.[53] Na mesma data em que Heart to Your chegou às lojas, o grupo lançou sua autobiografia oficial, Soul Survivors.[54] Em seguida, Rowland colaborou com o artista de hip hop Nelly em "Dilemma", que se tornou um sucesso mundial e rendeu a ela um Grammy;[52] tornando-se a primeira integrante do grupo a alcançar o número um nos Estados Unidos.[55] No mesmo ano, Beyoncé co-estrelou com Mike Myers o grande sucesso de bilheteria Austin Powers in Goldmember.[56] Ela gravou seu primeiro single solo, "Work It Out", para a trilha sonora do filme.[57] Para aproveitar o sucesso de "Dilemma", o álbum solo de estreia de Rowland, Simply Deep, que inicialmente seria lançado no início de 2003, foi antecipado para setembro de 2002.[57] A carreira de Rowland decolou internacionalmente quando Simply Deep alcançou o número um na parada de álbuns do Reino Unido.[58] No mesmo ano, ela estreou no cinema no filme de terror Freddy vs. Jason.[59] Enquanto isso, Beyoncé fez seu segundo filme, The Fighting Temptations, e apareceu como artista de destaque do single de seu namorado Jay-Z, "'03 Bonnie & Clyde", que abriu o caminho para o lançamento de seu primeiro álbum solo.[60][61]

Como resultado do sucesso de "Dilemma", o álbum de estreia de Beyoncé, Dangerously in Love, foi adiado várias vezes até junho de 2003.[57][62] Após sua liberação, o projeto foi considerado o mais bem-sucedido entre os três lançamentos solos das integrantes.[63] Dangerously in Love estreou no número um na Billboard 200, vendendo 317 mil unidades.[64] Gerando dois sucessos número um nos Estados Unidos — "Crazy in Love" e "Baby Boy" — além de "Me, Myself and I" e "Naughty Girl" que alcançaram as cinco primeiras posições na parada americana.[65] O material foi certificado com quatro certificações de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA).[66] Ele permanece como o lançamento solo mais vendido de Beyoncé até hoje, com vendas superiores a 5 milhões de exemplares nos Estados Unidos, até junho de 2016.[67][68] Em todo o mundo, a obra vendeu mais de onze milhões de unidades.[69][70] A estreia solo de Beyoncé foi bem recebida pelos críticos, ganhando cinco prêmios Grammy em uma só noite por Dangerously in Love, empatando-a com artistas como Norah Jones, Lauryn Hill e Alicia Keys como a artista feminina solo com maior quantidade de Grammys recebidos em uma noite.[71] Em novembro de 2003, Williams apareceu como Aida da Broadway.[72] Em janeiro de 2004, ela lançou seu segundo álbum solo, Do You Know.[7]

D'wayne Wiggins, que havia produzido suas primeiras gravações com o Destiny's Child, entrou com uma ação em 2002 contra seu antigo advogado (Bloom, Hergott, Diemer & Cook LLP), pedindo 15 milhões de dólares em indenizações por diminuir seu contrato com o grupo sem o seu consentimento, anulando efetivamente seu contrato original que oferecia os serviços de gravação exclusivos para Sony Music/Columbia por sete anos iniciais, em troca de "certos direitos autorais", em vez de direitos apenas pelos três primeiros álbuns do grupo. O caso foi resolvido por um valor não divulgado.[73] Em junho de 2003, Mathew Knowles anunciou que o Destiny's Child voltaria a ser um quarteto, anunciando sua filha mais nova, Solange, como a mais recente adição ao grupo.[74] O Destiny's Child já havia gravado músicas com Solange e dividido o palco quando ela substituiu Rowland temporariamente depois que ela machucou os dedos dos pés enquanto se apresentava.[74] O gerenciador, no entanto, disse que a ideia foi usada apenas para testar as reações do público.[74] Em agosto de 2003, a própria Beyoncé confirmou que sua irmã não integraria o grupo e, que o Destiny's Child continuaria a permanecer como um trio.[75]

2004—06:Destiny Fulfilled, #1's e separação[editar | editar código-fonte]

A formação final do Destiny's Child se apresentando durante a turnê de 2005, Destiny Fulfilled ... And Lovin' It.

Após dois anos em hiato, as integrantes do Destiny's Child se reuniram novamente para gravarem seu quarto e último álbum de estúdio, Destiny Fulfilled.[7] O álbum apresenta ao ouvinte uma sonoridade mais "urbano contemporâneo" e as músicas contidas na obra são conceitualmente inter-relacionadas.[76] Destiny Fulfilled mostrou, pela primeira vez, total igualdade dentro do trio:[23] cada integrante contribuiu igualmente para o processo de escrita e produção executiva da maioria das canções presentes no trabalho,[77] além do gerenciador do grupo.[76] Lançado em 15 de novembro de 2004, Destiny Fulfilled não conseguiu repetir feito de Survivor; não conseguindo liderar a tabela da Billboard 200 e tendo alcançando apenas o número dois na semana seguinte, sendo adquirido mais de 497 mil vezes em sua primeira semana, comparado a 663 mil do álbum que o precedeu.[16][78] Como resultado das suas vendas, o projeto recebeu três certificações de platina nos Estados Unidos,[18] e tornou-se um dos álbuns mais vendidos de 2005, vendendo mais de oito milhões de cópias em todo o mundo.[69] Quatro singles foram lançados para promover o projeto: sendo eles "Lose My Breath", "Soldier", "Cater 2 U" e "Girl"; os dois primeiros alcançaram as três primeiras posições em território americano,[19] enquanto "Soldier" e "Cater 2 U" foram certificados de platina pela RIAA em 2006.[18] Para promover ainda mais o lançamento do trabalho, o Destiny's Child embarcou em sua primeira turnê mundial, Destiny Fulfilled ... And Lovin' It.[79]

Em 11 de junho de 2005, enquanto estavam se apresentando no Palácio São Jorge, em Barcelona, na Espanha, o grupo anunciou à platéia de 16,000 pessoas que planejavam se separar oficialmente quando a turnê terminasse.[80] Beyoncé afirmou que o título do álbum Destiny Fulfilled[n 1] não era uma coincidência e refletia o fato de que a separação já estava sendo planejada quando o álbum ainda estava sendo gravado.[81] Desde esse momento, elas já planejavam se separar após seus quatorze anos de existência como um grupo para facilitar suas buscas contínuas por aspirações individuais. Beyoncé afirmou que seus destinos já estavam cumpridos.[81] O grupo enviou um comunicado à MTV sobre a decisão, dizendo:

Trabalhamos juntas como Destiny's Child desde os 9 anos e viajamos juntas desde os 14 anos. Depois de muita discussão e profunda pesquisa, percebemos que nossa turnê atual nos deu a oportunidade de deixarmos o Destiny's Child em alta, unidas em nossa amizade e cheias de uma gratidão avassaladora por nossa música, nossos fãs e umas as outras. Percebemos que agora é a hora de perseguir seriamente nossos objetivos pessoais e trabalhos solos... Aconteça o que acontecer, sempre nos amaremos como amigas e irmãs e sempre nos apoiaremos como artistas. Queremos agradecer a todos os nossos fãs por seu incrível amor e apoio e estamos ansiosas para vê-los novamente, enquanto continuamos a cumprir nossos destinos.
—Destiny's Child, MTV[80]

Após isso, a gravadora liberou a primeira coletânea oficial do grupo, #1's, em 25 de outubro de 2005. A compilação inclui todos os sucessos número um da banda, incluindo "Independent Woman Part 1", "Say My Name" e "Bootylicious".[82] Três novas faixas foram gravadas para o projeto incluindo "Stand Up for Love" e "Check on It", uma canção solo gravada por Beyoncé para a trilha sonora do filme The Pink Panther (2006).[82] O produtor musical David Foster, sua filha Amy Foster-Gillies e Beyoncé escreveram "Stand Up for Love" como o tema oficial para o Dia Mundial da Criança, um evento mundial anual que visa aumentar a conscientização e fundos para as causa infanto-juvenil.[83] Os lucros do single foram arrecadados para beneficiar a casa de caridade Ronald McDonald e outras instituições de proteção à infância.[83] O Destiny's Child emprestou suas vozes e apoio como embaixadoras globais do programa em 2005.[83] Contrariando o título do álbum, apenas cinco das 16 faixas do #1's alcançaram o primeiro lugar nas paradas de R&B/Hip-Hop ou na Billboard 100; o escritor Keith Caulfield, da revista Billboard, sugeriu que o título era "uma estratégia de marketing".[84] Apesar disso, o jornalista Chris Harris, da MTV, disse que o álbum "faz jus ao nome".[85] #1's também foi comercializado no formato DualDisc, apresentando a mesma lista de faixas, sete vídeos musicais selecionados e um trailer do concerto Destiny's Child: Live in Atlanta,[82] que foi filmado durante uma apresentação do grupo na turnê Destiny Fulfilled ... And Lovin' It em Atlanta. O material foi lançado em 28 de março de 2006, sendo posteriormente certificado como platina pela RIAA, denotando mais de um milhão de unidades comercializadas no páis.[18]

Após o término[editar | editar código-fonte]

As integrantes do Destiny's Child se reuniram para uma apresentação de despedida no Jogo das Estrelas da NBA em 19 de fevereiro de 2006 em Houston, Texas; no entanto, Beyoncé comentou: "É o último álbum, mas não é o último show".[86][87] Sua apresentação final na televisão ocorreu no concerto beneficente do Fashion Rocks, em Nova Iorque, alguns dias depois.[86] Em 28 de março, o grupo foi introduzido à Calçada da Fama de Hollywood, sendo o 2,035° ato adicionado ao cobiçado reconhecimento.[88] Ainda em 2006, durante a cerimônia do Prêmio da Televisão de Entretenimento Negro (BET),[n 2] o Destiny's Child foi condecorado como melhor grupo, uma categoria no qual já havia obtido vitória em 2005 e 2001.[89]

Após sua dissolução formal, todas as integrantes retomaram suas carreiras solo e experimentaram diferentes níveis de popularidade.[90] Desde então, Beyoncé, Rowland e Williams continuaram a colaborar em projetos solos uma das outras através de aparições em músicas, videoclipes e apresentações ao vivo. No videoclipe de Beyoncé para seu single "Get Me Bodied" (2007), sua irmã Solange aparece em algumas cenas do vídeo juntamente com Rowland e Williams.[91] Em 26 de junho de 2007, o grupo fez uma mini-reunião no Prêmio da Televisão de Entretenimento Negro (BET)[n 3] daquele ano, onde Beyoncé apresentou "Get Me Bodied", com Williams e Solange como dançarinas de apoio.[91] Após sua apresentação, Beyoncé anunciou a apresentação de Rowland, que performou seu single "Like This" com a participação do rapper Eve.[92] Em de 2 de setembro do mesmo ano, durante a passagem da turnê The Beyoncé Experience por Los angeles, Beyoncé cantou um trecho de "Survivor" com Rowland e Williams, e as duas últimas cantaram "Happy Birthday" em celebração ao seu aniversário.[93] A apresentação foi incluída no registro em vídeo da turnê, The Beyoncé Experience Live.[93] Em 2008, Beyoncé gravou um cover de "Honesty", de Billy Joel, para o álbum de compilação do Destiny's Child, Mathew Knowles & Music World Present Vol.1: Love Destiny (2012), lançado apenas no Japão para comemorar o décimo aniversário de existência grupo.[94][95]

Destiny's Child se apresentando durante o show de intervalo na trigésima primeira edição do Super Bowl, em 2013.

Rowland fez uma aparição no videoclipe de Beyoncé para seu single "Party" (2011).[96][97] Em 2012, o terceiro álbum de compilação do grupo, Playlist: The Very Best of Destiny's Child, foi lançado em comemoração ao décimo quinto aniversário da banda desde a sua formação.[98] Love Songs, o quarto álbum de compilação do Destiny's Child, foi liberado em 29 de janeiro de 2013 e incluiu a música recém-gravada "Nuclear", produzida por Pharrell Williams.[99] "Nuclear" tornou-se a primeira música inédita do grupo em oito anos.[99] No mês seguinte, Rowland e Williams apareceram como convidadas especiais na apresentação de Beyoncé no show de intervalo da trigésima primeira edição do Super Bowl, onde elas performaram "Bootylicious", "Independent Women" e a música do catálogo solo de Beyoncé, "Single Ladies (Put a Ring on It)".[100] em maio do mesmo ano, as gravadoras Columbia e Legacy liberaram um álbum de vídeo intitulado Destiny's Child Video Anthology, o material continha dezesseis dos videoclipes lançados pelo grupo.[101] Beyoncé e Williams participaram vocalmente na música de Rowland "You Changed" que foi incluída em seu quarto álbum de estúdio solo Talk a Good Game (2013).[102] Mais tarde naquele ano, Rowland e Williams fizeram aparições nos videoclipes das músicas de Beyoncé, "Superpower" e "Grown Woman", que foram incluídas em seu quinto álbum de estúdio solo auto-intitulado.[103][104] Williams lançou o single "Say Yes" em junho de 2014, apresentando suas ex companheiras de banda como convidadas.[105] No ano seguinte, Elas performaram "Say Yes" juntas durante o Prêmio Stellar, e a versão ao vivo da música foi publicada no iTunes em abril do mesmo ano.[106] Em 7 de novembro de 2016, as três cantoras apareceram juntas em um vídeo do Desafio Manequim, um viral da internet, publicado na conta oficial de Rowland no Instagram.[107] O grupo se reuniu para a apresentação principal de Beyoncé no Festival Coachella em abril de 2018.[108]

Características musicais[editar | editar código-fonte]

Estilo musical e composições[editar | editar código-fonte]

"Survivor" aborda a sobrevivência mediante a um conflito e um desdenho.[50]

"Independent Women" aborda o empoderamento e a autocapacitação feminina em sua letras.[109]

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

Em termos de estilo musical o Destiny's Child é por vezes classificado como um grupo de R&B e música pop,[31][110] incluindo outros gêneros recorrentes como urbano contemporâneo e dance-pop.[34] Ann Powers, do The New York Times, descreveu a musicalidade do grupo como "fresca e emocional ... essas mulheres têm as melhores mixagens, as amostras mais espertas e, especialmente, as batidas que mais acontecem".[111] Na mesma publicação, Jon Pareles observou que a sonoridade que define o Destiny's Child, além da voz de Beyoncé, "é a maneira como suas melodias entram e saem em tempo duplo. Acima de faixas rítmicas sincopadas e quebradiças, versos rapidamente articulados que alternam sobre refrões mais suaves".[112] Na formação original do grupo, Beyoncé fornecia os vocais principais, Rowland os vocais secundários, Luckett fornecia os vocais sopranos e Roberson os altos.[113][114] Beyoncé permaneceu com os vocais principais até a formação final do grupo como um trio, no entanto, Rowland e Williams também assumem os vocais principais na maioria das músicas lançadas.[13][115] Na maior parte das músicas lançadas, cada integrante canta um verso e harmonizam juntas no refrão.[115] Em seu terceiro álbum Survivor (2001), cada integrante assume os vocais principais em uma determinada parte da maioria das faixas.[13] Beyoncé disse: "todo mundo faz parte da música, Todo mundo está cantando em todas as canções, e isso é ótimo — porque agora o Destiny's Child está no ponto vocal e mental em que deveria estar",[116] ela, no entanto, cantou sozinha músicas como "Brown Eyes" e "Dangerously in Love 2". No âmbito lírico, O grupo explorou letras que abordam relacionamentos amorosos, amizades e autossuficiência feminina.[117][109] As integrantes do Destiny's Child citaram a cantora de R&B Janet Jackson como uma de suas influências em comum.[118]

O disco Survivor contém temas interpretados pelos críticos de música como uma referência aos conflitos internos do grupo.[119] A faixa-título, "Survivor", que define o conceito abordado ao longo do álbum,[13] apresenta a letra: "Não vou xingá-lo no rádio, eu não vou mentir sobre você e desconsiderá-lo, eu não irei ofende-lo nas entrevistas para as revistas, você sabe que não vou te difamar na internet",[n 4] esse conteúdo lírico fez Roberson e Luckett interpretarem como um ato de violação ao acordo que impedia qualquer uma das partes de menosprezem o outro publicamente e juntas acionaram novamente a justiça contra sua ex-banda.[50] Em uma entrevista, Beyoncé comentou: "As letras do single 'Survivor' são sobre a história do Destiny's Child, qualquer complicação que tivemos nos nossos 10 anos, nos tornaram mais próximas, mais unidas e melhores".[111] Em outra música chamada "Fancy", que contém a letra; "Você sempre tentou competir comigo garota, encontre sua própria identidade"[n 5] foi interpretada pelo crítico David Browne, em sua crítica ao álbum, para a revista Entertainment Weekly, como resposta ao processo.[119] Stephen Thomas Erlewine, da AllMusic, resumiu o Survivor como "um disco determinado e altivo, com a intenção de provar que o grupo tinha mérito artístico em grande parte porque suas integrantes sobreviveram a conflitos internos, mas acaba soando forçado e artificial".[120] Apesar do álbum receber elogios de alguns critícos, o envolvimento em exesso de Beyoncé, que escreveu e co-produziu a maior parte do material contido na obra, ocasionalmente gerou avaliações mistas.[119][7] Browne sugeriu que a contribuição dela ao trabalho, fez o álbum soar "imaturo, mas de um inevitável crescimento".[119] Na maioria das músicas presentes no último disco do Destiny's Child, Destiny Fulfilled (2004), os versos são divididos em três seções, com Beyoncé cantando primeiro, seguido por Rowland e depois Williams; as três harmonizam juntas durante os refrões.[115]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

O Destiny's Child recebeu comparações com o The Supremes (foto).

O Destiny's Child foi comparado ao The Supremes, um grupo vocal feminino americano dos anos 1960, com Beyoncé sendo comparada à vocalista principal do grupo, Diana Ross; Beyoncé, no entanto, rejeitou a comparação.[23] Coincidentemente, ela estrelou Dreamgirls, uma adaptação cinematográfica do musical da Broadway de 1981, como Deena Jones, a vocalista principal do Dreams, um grupo feminino fictício baseado no Supremes.[121] Ao assumir uma ampla participação na produção de Survivor, Gil Kaufman, da MTV, observou que "ficou claro que Beyoncé estava emergindo como a líder musical de forma inequívoca do DC e tornando-o sua identidade visual".[7] Sua predominante contribuição criativa ao álbum fez ele soar muito como "seu próprio trabalho".[119] Para Lola Ogunnaike, do The New York Times, "há uma crença de longa data na indústria da música de que o Destiny's Child era pouco mais que um ponto de partida para a inevitável carreira solo de Beyoncé".[122]

Após a liberação do álbum solo de Beyoncé, Dangerously in Love (2003), espalharam-se rumores na mídia sobre uma possível separação do grupo depois de cada uma de suas integrantes ter experimentado sucesso solo e estarem com projetos individuais em andamento.[123][124] Comparações foram feitas com o cantor Justin Timberlake, que não retornou à banda NSYNC após seu primeiro trabalho solo, Justified.[7][124] Rowland respondeu a esses rumores, confirmando que elas estavam juntas novamente aos estúdios.[125] O Destiny's Child garantiu que se reuniria naquele momento e que suas afinidades uma pelas outras as mantinham unidas.[7] Margeaux Watson, editor da revista Suede sugeriu que Beyoncé só aceitou retornar ao grupo para "não parecer desleal com suas ex-parceiras" e definiu sua decisão como "um ato de caridade".[122] A mãe de Beyoncé, Tina, escreveu um livro publicado em 2002, intitulado Destiny's Style: Bootylicious Fashion, Beauty and Lifestyle Secrets From Destiny's Child, o trabalho continha relatos de como a moda influenciou o sucesso do Destiny's Child.[126]

Legado[editar | editar código-fonte]

Estrela do Destiny's Child na Calçada da Fama, em Hollywood, Califórnia, Estados Unidos.

O Destiny's Child se tornou um ícone do R&B no decorrer dos anos[127] e comercializou mais de 60 milhões de discos e singles em toda sua existência.[128][129] Após a sua dissolução, James Montgomery, da MTV, observou que "elas deixaram um legado bastante considerável para trás" como "um dos grupos vocais pop femininos mais vendidos da história".[130] A Billboard observou que o grupo foi "definido por uma combinação de hinos de empoderamento feminino, movimentos de dança avassaladores e um senso de moda invejável",[3] enquanto a revista Essence observou que elas "definem tendências com sua música harmoniosa e estilo vanguardista".[131] Em 2015, A Dazed Digital publicou um artigo sobre como a banda teve um impacto significativo na história do R&B, escrevendo "Sem um toque de rosa, o Destiny's Child transformou legitimamente o som do R&B para sempre ... sua influência distinta pode ser encontrada em toda a paisagem pop atual, de Tinashe a Ariana Grande".[132] Hugh McIntyre, da Forbes, escreveu que antes das Pussycat Dolls e Danity Kane entraram no cenário musical em meados dos anos 2000', as Destiny's Child já eram "as rainhas absolutas" desse estilo de grupos femininos.[133] Ao escrever para a Pitchfork, Katherine St. Asaph notou como o grupo definiu o renascimento de conjuntos musicais femininos semelhantes ao The Supremes no início e meados dos anos 90, dizendo:

Nos anos 1990, Bandas como o vencedor do Star Search foram enterradas em um aterro sanitário pós-grunge, enquanto grupos de R&B construíram a partir da alma e da tempestade silenciosa um som inovador o suficiente para ganhar o rótulo "futurista" que quase tudo aconteceu naquele período antes do ano 2000. Isso ocorreu no renascimento, no início dos anos 90, de excelentes grupos femininos vagamente no molde das Supremes — TLC, En Vogue, SWV —, mas seria o Destiny's Child que se tornaria suas verdadeiras sucessoras.[134]

A formação final do grupo como trio foi amplamente reconhecida como a formação mais reconhecível e bem-sucedida de sua carreira.[90][135] A Billboard as reconheceu como um dos maiores trios musicais de todos os tempos; elas também foram classificadas como o terceiro grupo feminino mais bem sucedido de todos os tempos nas tabelas da Billboard, atrás apenas do TLC e das Supremes.[3][136] Seu single "Independent Women" (2000) ficou em segundo lugar na lista dos "40 Maiores Sucessos de Grupos Femininos na Billboard 100 de Todos os Tempos".[137] "Independent Women" é a música número um de maior permanência nessa tabela por um grupo feminino.[138] O termo "Bootylicious" (uma combinação das palavras booty e cious)[n 6] tornou-se popularizado pelo single de mesmo nome do Destiny's Child e em 2006 foi adicionado ao Oxford English Dictionary.[139] O termo também foi usado para descrever Beyoncé durante a década de 2000, devido à sua figura curvilínea.[140][141] O VH1 incluiu "Bootylicious" em sua lista das "100 Maiores Músicas dos anos 2000" em 2011, e o grupo em sua lista das "100 Maiores Mulheres da Música" no ano seguinte.[142][143] Além disso, a faixa considerada umas das "100 Melhores Canções de 00s" pelo NME.[144] em 2005, o Destiny's Child foi homenageado no Prêmio da Música Mundial com a condecoração de Grupo Feminino Mais Vendido de Todos os Tempos no Mundo, que incluiu uma performance de 17 minutos em seu tributo realizado por Patti LaBelle, Usher, Babyface, Rihanna, Amerie e Teairra Mari.[145][146] Em 2006, o grupo foi agraciado com uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood.[88]

O Destiny's Child tem sido creditado como uma influência musical ou inspiração para vários artistas incluindo Rihanna,[147][148] Meghan Trainor,[149] Fifth Harmony,[150] Little Mix,[151] Girls Aloud,[152][153] Haim,[153][154] Jess Glynne,[155] Katy B,[153][156] e RichGirl.[157] Ciara foi inspirada a seguir uma carreira na música depois de vê-las se apresentando na televisão.[158] Ariana Grande citou o Destiny's Child como uma de suas inspirações vocais, dizendo que após ouvir as músicas do grupo ela descobriu seu alcance vocal e "aprendeu sobre harmonias, corridas e improvisações".[159] Meghan Trainor afirmou que seu single "No" (2016) foi inspirado pelos sons do final dos anos 90 e início dos anos 2000 de artistas como Destiny's Child, NSYNC e Britney Spears.[160] O Fifth Harmony citou o grupo como sua maior inspiração e até prestou homenagem a elas ao realizar um medley de "Say My Name", "Independent Women", "Bootylicious" e "Survivor" no programa de televisão Greatest Hits.[161] Elas também incorporaram elementos da introdução de "Bootylicious" para a introdução de sua própria música "Brave, Honest, Beautiful" (2015).[162]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Turnês[editar | editar código-fonte]

Como artista principal

Como co-artista de abertura

Artista de Abertura

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

Notas de rodapé

  1. Em língua portuguesa (tradução livre): "Destino Cumprido."
  2. Tradução livre para "BET Awards."
  3. Tradução livre para "BET Awards."
  4. No original em língua inglesa: "I'm not gonna blast you on the radio ... I'm not gon lie on you and evalue ... I'm not gon hate on you in the magazines"
  5. No original em língua inglesa: "You always tried to compete with me, girl ... find your own identity"
  6. Em língua portuguesa não há uma palavra exata para traduzir o termo, mas seria, no pejorativo Bumbum gostoso. "Butt" em inglês singnifica "Bumbum" e "Licious" seria a mesma coisa que liciosa (da palavra deliciosa)

Referências

  1. «Destiny's Child's Long Road To Fame (The Song Isn't Called 'Survivor' For Nothing)». MTV. Consultado em 21 de fevereiro de 2018 
  2. Waxman, Olivia. «Beyoncé and Destiny's Child to Release Original Track for First Time in Eight Years». time.com. Consultado em 8 de maio de 2020 
  3. a b c «Billboard Greatest Trios of All Time». Billboard. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  4. «Artists of the Decade». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. p. 1. Consultado em 8 de maio de 2020 
  5. «The Billboard Hot 100 All-Time Top Artists». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  6. «Greatest of All Time Top Dance Club Artists : Page 1» (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab Kaufman, Gil. «Destiny's Child's Long Road To Fame (The Song Isn't Called 'Survivor' For Nothing)». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  8. a b c d Boucher, Geoff (1 de julho de 2001). «Destiny, Manifest». Los Angeles Times. Consultado em 1 de novembro de 2016 
  9. a b c d e f g h i j «O início de uma história de sucesso e polêmicas do Destiny's Child» (em inglês). WebPutz. Consultado em 8 de maio de 2020 
  10. a b «Beyoncé Knowles: Biography». Biography forum. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  11. Farley, Christopher John. «Call of the Child». Time (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  12. a b c J. Randy Taraborrelli (2009). Becoming Beyoncé: The Untold Story. [S.l.]: EDUFBA. p. 444. Consultado em 8 de maio de 2020 
  13. a b c d e f g h i Dunn, Jancee. «Date with destiny». The Observer (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  14. a b c Gillings, Andrew. «Destiny's Child: Soul-Survivors». Essence (em inglês). Consultado em 3 de maio de 2020. Arquivado do original em 28 de novembro de 2007 
  15. a b Kenyatta, Kelly; Lowery, Natasha (2005). Alicia Keys, Ashanti, Beyoncé, Destiny's Child, Jennifer Lopez & Mya: Divas of the New Millennium (em inglês). [S.l.]: Amber Books Publishing. Consultado em 3 de maio de 2020 
  16. a b c d e f «Destiny's Child (Billboard 200)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  17. a b c «Destiny's Child (Top R&B/Hip-Hop Albums)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  18. a b c d e f «Gold and Platinum» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  19. a b c d e f g «Destiny's Child (Billboard 100)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 4 de maio de 2020 
  20. «Destiny's Child (Billboard Hot R&B/Hip-Hop Singles & Tracks)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 4 de maio de 2020 
  21. «Eurochart Hot 100 Singles» (PDF). Music & Media. 16 (5). 30 de janeiro de 1999. p. 25. Consultado em 8 de maio de 2020 
  22. «Destiny's Child, Erykah Badu, Mary J. Blige And Lil' Kim Big Winners at Lady of Soul Awards». MTV (em inglês). 9 de abril de 1998. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  23. a b c Anthony, James. «Of course you can lose yourself». The Guardian (em inglês). Londres. Consultado em 4 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  24. Flynn, Paul. «Of course you can lose yourself». The Guardian (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  25. Mancini, Rob (24 de março de 2000). «Destiny's Child Loses Two, Gains Two». MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  26. a b «Destiny's Child Shuffle Lineup». MTV. 19 de fevereiro de 2000. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  27. Mancini (24 de março de 2000). «Destiny's Former Children Settle Suit» (em inglês). MTV. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  28. Manning, Kara (27 de março de 2000). «Destiny's Child Manager Responds To Lawsuit» (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  29. Elon Johnson (20 de julho de 2000). «Destiny's Child Change Lineup Again». MTV (em inglês). Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  30. «Destiny's Child Talks Split With Farrah» (em inglês). MTV. 20 de julho de 2000. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  31. a b Teri, Van Horn (24 de agosto de 2000). «Destiny's Child Members Say They're Now A Trio» (em inglês). MTV. Consultado em 3 de março de 2018. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  32. Hiatt, Brian. «Destiny's Child Members Dropped From Ex-Members' Lawsuit» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  33. Horn, Teri Van. «Ex-Destiny's Child Members Say Their Name Is Angel». MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  34. a b Huey, Steve. «Destiny's Child: Biography». Allmusic (em inglês). Macrovision Company. Consultado em 8 de maio de 2020 
  35. a b «Who Was The Better Girl Group? TLC Or Destiny's Child» (em inglês). 3 de Agosto de 2011. Consultado em 8 de maio de 2020 
  36. «Chart Beat Bonus: Endless Love». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  37. VanHorn, Teri. «Sisqo Wins Big at Billboard Awards» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de maio de 2008. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  38. Vineyard, Jennifer. «Destiny's Child, R. Kelly Win Big, Britney Gets Soaked at Billboard Awards» (em inglês). MTV. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  39. Schafer, Gabrielle. «Mary J. Blige, Angie Stone, Destiny's Child Win Big at Soul Awards». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  40. a b c VanHorn, Teri. «Destiny's Child Solo CDs Won't Compete With Group, Each Other». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  41. «Destiny's Child: Survivors». MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  42. Cohen, Jonathan. «Destiny's Child Shoot Straight To No. 1». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  43. Sexton, Paul. «Destiny's Child 'Survive' On UK Singles Chart». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  44. «ARIA Charts – Accreditations – 2001 Albums». Australian Recording Industry Association (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  45. VanHorn, Teri. «Destiny's Child Put 'Stank' Into Christmas on Holiday Album». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  46. Reese, Lori. «Steel Yourself». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  47. «Solange & Destiny's Child and Baha Men Tune-Up At Disney Channel to Sing Theme Songs for Two All-New Animated Series». Business Wire (em inglês). Berkshire Hathaway. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  48. Cohen, Jonathan. «Destiny's Child Groove On 'Remix'». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  49. «Destiny's Child settle libel case» (em inglês). BBC News. 25 de julho de 2002. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  50. a b c Joe, D'Angelo (1 de janeiro de 2002). «Destiny's Child Ex-Members Sue Group Over 'Survivor' Jabs» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  51. Jennifer, Vineyard. «Destiny's Child Settle With Ex-Members Over 'Survivor' Dis» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  52. a b «Kelly Rowland pursues her own destiny». Cable News Network (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  53. «Michelle Williams (Top Gospel Albums)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 4 de maio de 2020 
  54. Corey, Moss. «Destiny's Child Solo Gospel Album Features 9/11 Tribute» (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  55. Lynch, Joe. «The 11 Artists Who've Replaced Themselves at No. 1 on the Billboard Hot 100». Billboard. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  56. «Beyonce Records Song Written By Mike Myers For 'Powers' Flick» (em inglês). MTV. 12 de maio de 2001. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  57. a b c Moss, Corey. «Nelly Hit Forces Change in Plans For Destiny's Child LPs». MTV News. Arquivado do original em 9 de Maio de 2009 
  58. «Tatu top singles chart again». British Broadcasting Corporation (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Cópia arquivada em 8 de maio de 2020 
  59. Bonin, Liane (14 de agosto de 2001). «It's Kelly Rowland vs. Freddy and Jason!». EW.com. Consultado em 8 de maio de 2020 
  60. Louie, Rebecca. «Crazy in love with Beyonce». New York Daily News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  61. «Beyonce becomes actress in 'The Fighting Temptations'» (em inglês). Sioux City Journal. Consultado em 8 de maio de 2020 
  62. Susman, Gary. «'Anger' Management». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Cópia arquivada em 8 de maio de 2020 
  63. «R&B stars Destiny's Child split» (em inglês). BBC. Cópia arquivada em 11 de Maio de 2009 
  64. Todd, Martens. «Beyonce, Branch Albums Storm The Chart». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  65. «Beyoncé (Billboard 100)». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  66. «Gold & Platinum Searchable Database – June 04, 2014» (em inglês). RIAA. Consultado em 8 de maio de 2020 
  67. Caulfield, Keith. «Beyoncé's 'Dangerously in Love' Album Surpasses 5 Million Sold in U.S.». Billboard (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  68. Cauldfield, Keith. «Beyonce Scores Her Sixth Million-Selling Album in U.S. With 'Lemonade'». Billboard (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  69. a b «Destiny's Child Biography and Sales» (em inglês). Arquivado do original em 2 de Julho de 2011 
  70. «Beyoncé & Fans to Celebrate Superstar's 25th Birthday With Eagerly Awaited New Solo Album, 'B'Day,' Coming in September». Prnewswire.co.uk. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  71. Silverman, Stephen. «Much Grammy 'Love' for Beyoncé, OutKast». People (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  72. Robert Simonson (18 de novembro de 2003). «Destiny's Child singer Michelle Williams will join the Broadway company of Aida on Nov. 18». Playbill. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  73. «Artist Biography by Andy Kellman» (em inglês). allmusic. Consultado em 8 de maio de 2020 
  74. a b c Moss, Corey (26 de junho de 2003). «Destiny's Child May Get A New Member Next Year» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  75. Corey, Moss. «Destiny's Child To Remain A Trio, Says Beyoncé». MTV. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  76. a b «Destinys Fulfilled» (em inglês). AllMusic. 2004. Consultado em 8 de maio de 2020 
  77. Moss, Corey. «Destiny's Child: Reunited And It Feels So Good (Part 2)». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  78. Whitmire, Margo. «Eminem Thankful To Remain No. 1». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020 
  79. Rick Fulton (6 de agosto de 2005). «Destiny's Child Makes Summer Tour Plans» (em inglês). Billboard. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  80. a b Kaufman, Gil (12 de junho de 2005). «Destiny's Child Announce Split». MTV (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  81. a b Vineyard, Jennifer. «Destiny's Child Talk Split: 'It's Not The End'». MTV (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  82. a b c Moss, Corey. «Destiny's Child Look Back With #1's Before Going Their Separate Ways». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  83. a b c «Destiny's Child Releases New Anthem for World Children's Day at McD's» (em inglês). McDonald's. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  84. Caulfield, Keith. «Ask Billboard». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  85. Harris, Chris. «Destiny's Child's #1's Hits – You Guessed It – #1». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  86. a b Ford, Tracey. «Destiny's Child Reunite for NBA». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  87. MTV News staff. «For The Record: Quick News On Kanye West, Destiny's Child, Metallica, Kelly Clarkson, Paris Hilton & More». MTV News (em inglês). Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  88. a b «Destiny's Child Gets Star on Walk of Fame». FOX News (em inglês). Associated Press. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  89. «BET Awards Style: 28 Past Winner Portraits». Entertainment Weekly (em inglês). Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  90. a b Bond, Nick (15 de Janeiro de 2014). «Destiny's Child: Where Are They Now?» (em inglês). News.com.au. Consultado em 8 de março de 2020 
  91. a b Vineyard, Jennifer. «Beyoncé: Behind The B'Day Videos» (em inglês). MTV News. MTV Networks. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  92. Cohen, Sandy. «Hudson, Beyonce, T.I. Among BET Winners». The Washington Post (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  93. a b Crosley, Hillary. «Billboard Bits: Beyonce, Bob Marley, Bragg/Brad». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  94. «Mathew Knowles and Music World Present, Vol. 1: Love Destiny». AllMusic (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  95. «Mathew Knowles and Music World Present, Vol. 1: Love Destiny» (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  96. «Beyoncé Pull into Trailer Park to Shoot 'Party' Video». Rap-Up. Consultado em 1 de janeiro de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  97. Vena, Jocelyn. «Beyonce's 'Party' Video: Why We're Dying For An Invite». MTV. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  98. «Destiny's Child's Playlist Compiles Signature Hits and Deep Album Tracks on First Release in Seven Years». Destiny's Child's Official Website (Music World Entertainment/Columbia Records/Legacy Recordings). Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  99. a b «Love Songs». Destiny's Child. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  100. «Destiny's Child reunite at Beyoncé Super Bowl half-time show». Digital Spy. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  101. «Destiny's Child Video Anthology To Be Released June 4th». Destiny's Child Official Website. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  102. «Kelly Rowland previews new Destiny's Child song 'You've Changed' – Music News». Digital Spy. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  103. Lansky, Sam. «Beyonce Reunites With Kelly Rowland & Michelle Williams In 'Superpower' Video: Watch». Idolator. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2020 
  104. Wilson, Gaby. «Beyonce's 'Grown Woman' Music Video: Look By Look». MTV. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  105. Stutz, Colin. «Destiny's Child Reunites for Michelle Williams Solo Track & Music Video: Listen». Billboard. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  106. «Say Yes (Stellar Awards 2015) [Live] [feat. Beyoncé & Kelly Rowland] – Single». iTunes. Consultado em 3 de outubro de 2007 
  107. Mizoguchi, Karen; Pearl, Diana. «Destiny's Child, Adele and More Celebs Freeze for the Mannequin Challenge». people.com. Consultado em 8 de maio de 2020 
  108. «Beyoncé to reunite with Destiny's Child at Coachella». Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  109. a b Craig, Seymour (8 de setembro de 2000). «Music Single Review: Independent Women Part 1» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  110. Anderson, Trevor (17 de julho de 2016). «Rewinding the Charts: In 1999, Destiny's Child – and Beyonce – Hit No. 1 for the First Time» (em inglês). Billboard. Consultado em 3 de março de 2008. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  111. a b Powers, Ann. «Destiny's Child: In Tune With the New Feminism». simThe New York Times (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  112. Pareles, Jon (1 de agosto de 2005). «Pop Review; Empowerment, Allure And a Runway's Flair». The New York Times (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  113. Midgarden, Cory (30 de janeiro de 2014). «Did Beyonce Really Throw Shade at Kelly Rowland? We Asked LeToya Luckett» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de maio de 2020 
  114. Witherspoon, Chris (8 de maio de 2014). «LaTavia Roberson Defends Kelly Rowland: 'She was always the second lead singer of Destiny's Child'» (em inglês). The Grio. Consultado em 8 de maio de 2020 
  115. a b c Eliscu, Jenny (25 de outubro de 2004). «Destiny's Child: Destiny Fulfilled». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  116. Basham, David (20 de abril de 2001). «'Bootylicious' Destiny's Child Sample Stevie Nicks, More on Survivor» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de maio de 2020 
  117. Jefferson, J'na. «"Say My Name" 20 Years Later: Why The Destiny's Child Staple Is Still On Everyone's Lips» (em inglês). Cópia arquivada em 8 de maio de 2020 
  118. Atwood, Brett (11 de janeiro de 2001). «Destiny's Child Inspired By Janet Jackson» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 3 de março de 2008. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  119. a b c d e Browne, David (7 de maio de 2001). «Survivor (2008): Destiny's Child». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  120. Erlewine, Stephen Thomas. «Survivor: Destiny's Child». Allmusic (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  121. Persia, Mary (14 de fevereiro de 2007). «Carisma de Beyoncé tenta salvar musical "Dreamgirls"». Folha de S.Paulo (em inglês). Uol. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  122. a b Ogunnaike, Lola (14 de novembro de 2004). «Beyoncé's Second Date With Destiny's Child». The New York Times (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  123. Kaufman, Gil (12 de junho de 2005). «Destiny's Child Announce Split». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  124. a b Edwards, Tanya. «Will 'NSYNC Or Destiny's Child Ever Record Another Album». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  125. Moss, Corey (9 de junho de 2004). «Destiny's Child Back in the Studio, So 'Shut Up!' Kelly Rowland Says». MTV News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  126. «Book Excerpt: Destiny's Style». ABC News (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020 
  127. D'Angelo, Lucia (17 de março de 2017). «Le Icone Hip Hop e R'n'B degli anni '90». Vogue Italia (em italiano). Consultado em 8 de março de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  128. Feeney, Nolan (24 de abril de 2014). «How Beyonce Came to Run the World». Time (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  129. Kennedy, Gerrick D. (7 de junho de 2016). «From Destiny's Child to music queenmaker: Kelly Rowland has a new handpicked girl group». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  130. Montgomery, James (6 de setembro de 2010). «Destiny's Child Reunion Rumors Quashed by Beyonce's Dad» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de março de 2020 
  131. Melton, Nicole Mane; Sangweni, Yolanda (1 de junho de 2011). «Greatest Girl Groups of All Time». Essence (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020. Arquivado do original em 8 de maio de 2020 
  132. Jones, Daisy (12 de junho de 2015). «How Destiny's Child changed R&B forever». Dazed Digital (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  133. McIntyre, Hugh (10 de junho de 2016). «Where Have All the Girl Groups Gone in Music?». Forbes (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  134. «Destiny's Child The Writing's on the Wall». Pitchfork (em inglês). 18 de junho de 2017. Consultado em 8 de março de 2020 
  135. Behan, Conor (31 de janeiro de 2013). «Why you should care about the Destiny's Child reunion». The Daily Edge (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  136. Lipshutz, Jason (5 de março de 2015). «Top 10 Girl Groups of All Time». Billboard (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  137. «Top 40 Biggest Girl Group Songs of All Time on the Billboard Hot 100 Chart». Billboard (em inglês). 24 de março de 2016. Consultado em 8 de março de 2020 
  138. Valdes, Mimi (10 de outubro de 2002). «The Metamorphosis». Vibe (em inglês). 10. p. 118. Consultado em 8 de março de 2020 
  139. Lamb, Bill (17 de março de 2006). «Beyoncé and Destiny's Child Enter the Dictionary With Bootylicious» (em inglês). About.com. Arquivado do original em 8 de março de 2020 
  140. Barlett, Liam (11 de março de 2007). «Bootylicious Beyoncé». 60 Minutes (em inglês). Arquivado do original em 8 de março de 2020 
  141. Eisinger, Amy (22 de maio de 2009). «'Bootylicious' Beyoncé says it's 'sexier' to stay out of the gym». Daily News (em inglês). Nova Iorque. Arquivado do original em 8 de março de 2020 
  142. Anderson, Kyle (29 de setembro de 2011). «U2, Rihanna, Amy Winehouse, Foo Fighters fill out VH1's '100 Greatest Songs of the '00s': An EW Exclusive!». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  143. Graham, Mark (13 de fevereiro de 2012). «VH1's 100 Greatest Women in Music (Complete List)» (em inglês). VH1. Arquivado do original em 8 de março de 2020 
  144. «100 Best Songs of the 00s: 90-81». NME (em inglês). p. 2. Consultado em 8 de março de 2020. Arquivado do original em 8 de março de 2020 
  145. «Delta a shoe-in». The Age (em inglês). 2 de setembro de 2005. Consultado em 8 de março de 2020 
  146. «10 Most Insane #TBT Moments From Destiny's Child's 2005 WMA Tribute» (em inglês). MTV. 24 de abril de 2014. Consultado em 8 de março de 2020 
  147. «Spotlight on Rihanna». Vogue Italia (em inglês). 12 de março de 2010. Consultado em 8 de março de 2020 
  148. Croteau, Lauren (16 de janeiro de 2009). «Destiny's Child Influenced Rihanna» (em inglês). Crushable.com. Consultado em 8 de março de 2020. Arquivado do original em 8 de março de 2020 
  149. Copsey, Rob (19 de abril de 2016). «Meghan Trainor talks new album Thank You, Grammys backlash and working with her mum – Interview» (em inglês). The Official UK Charts Company. Consultado em 8 de março de 2020 
  150. Davis, Rachaell (3 de junho de 2016). «Fifth Harmony Pays Homage to Destiny's Child with a Performance of Their Hits». Essence.com (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  151. «Little Mix's Aspirations, Musical Influences & Collaboration Wish List» (em inglês). WBMP (FM). 27 de março de 2013. Consultado em 8 de março de 2020. Arquivado do original em 8 de março de 2020 
  152. «Artist Influences for Girls Aloud». MTV. Consultado em 8 de março de 2020 
  153. a b c Dekel-Daks, Tal (29 de janeiro de 2013). «Ten Things About... Destiny's Child». Digital Spy (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  154. Kaufman, Gil (27 de março de 2013). «Haim are crushing on Aaliyah, Destiny's Child» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de março de 2020 
  155. Smyth, David (23 de setembro de 2014). «Interview: Mobo shortlisted singer Jess Glynne on being pop's brightest newcomer». London Evening Standard (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  156. Corner, Lewis (18 de abril de 2011). «Katy B was brought up on Destiny's Child». Digital Spy (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  157. «RichGirl: Money in the Bank». Rap-Up. 29 de abril de 2009. Consultado em 8 de março de 2020 
  158. McMahon, James (19 de julho de 2013). «Flashback Friday: Ciara». Wonderland magazine (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  159. «Grande Dame». Revista V (em inglês). 20 de fevereiro de 2011. Consultado em 8 de março de 2020 
  160. Schillaci, Sophie (13 de fevereiro de 2016). «Exclusive: Meghan Trainor on Being Inspired by Britney Spears and *NSYNC, Her Hilarious Relationship Dealbreakers». Entertainment Tonight (em inglês). Consultado em 8 de março de 2020 
  161. Roth, Madeline (29 de julho de 2016). «Fifth Harmony's Full Destiny's Child Medley Is Here, And It's Flawless» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de março de 2020 
  162. Walker, John (16 de fevereiro de 2015). «Are Fifth Harmony Really 'Like Mariah'? We Did the Math» (em inglês). MTV. Consultado em 8 de março de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Destiny's Child