Baby Boy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre um single de Beyoncé. Para o filme, veja Baby Boy (filme).
"Baby Boy"
Single de Beyoncé com participação de Sean Paul
do álbum Dangerously in Love
Lançamento 3 de agosto de 2003 (2003-08-03)
Formato(s)
Gravação
Gênero(s)
Duração 4:04
Gravadora(s)
Composição
Produção
  • Scott Storch
  • Beyoncé
Cronologia de singles de Beyoncé
"Crazy in Love"
(2003)
"Fighting Temptation"
(2003)
Cronologia de singles de Sean Paul
"Breathe"
(2003)
"I'm Still in Love with You"
(2004)

"Baby Boy" é uma canção da artista musical estadunidense Beyoncé com o artista musical jamaicano Sean Paul, contida no álbum de estréia solo de Beyoncé, Dangerously in Love (2003). Ambos os artistas co-escreveram a música com Scott Storch, Robert Waller e Shawn "Jay-Z" Carter; o primeiro também co-produziu a música. Contendo uma interpolação lírica de "No Fear" do grupo de hip hop O.G.C, "Baby Boy" é musicalmente uma canção de R&B e dancehall com influências reggae e música árabe; suas letras detalham as fantasias sexuais de uma mulher.

As editoras discográficas Columbia Records e a Music World Entertainment extraíram "Baby Boy" como o segundo single de Dangerously in Love, lançado-o em 3 de agosto de 2003. "Baby Boy" liderou a Billboard Hot 100 por nove semanas consecutivas e foi o single número um de Beyoncé com maior permanência na parada até 2007, quando foi superado por "Irreplaceable". Alcançou o top 10 em muitos países e foi certificado como platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA) e pela Recording Industry Association of America (RIAA). Também alcançou o top 10 na Alemanha, Austrália, Bélgica, Dinamarca, Escócia, Espanha, França, Irlanda, Noruega, Nova Zelândia, Países Baixos, Reino Unido, Suécia e Suíça.

O videoclipe da música foi dirigido por Jake Nava e principalmente mostra Beyoncé dançando em vários locais. "Baby Boy" continua a ser um marco nas set lists de shows de Beyoncé. A Sociedade Americana de Compositores, Autores e Editores (ASCAP) a reconheceu como uma das músicas mais tocadas de 2004. Em 2005, a cantora e compositora americana Jennifer Armor entrou com uma ação por violação de direitos autorais alegando que a música tinha usado o gancho musical primário de sua música "Got a Little Bit of Love for You". O processo foi mais tarde descartado.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Sean Paul (foto) contribuiu com vocais para "Baby Boy".

Em 2002, Beyoncé foi para Miami, Flórida, nos Estados Unidos, para trabalhar com o produtor musical americano Scott Storch em seu álbum de estréia solo Dangerously in Love.[1] Ela e Storch escreveram "Baby Boy", com contribuições do compositor norte-americano Robert Waller e do agora marido de Beyoncé e legendário artista de hip hop Jay-Z.[1] A música também contém uma interpolação lírica de "No Fear", do grupo de hip hop OGC, usada para o final da música: "Nós pisamos mais quente neste ano".[2]

Uma vez que a faixa foi supostamente feita, Beyoncé teve a ideia de que seria "perfeita" se o artista de reggae jamaicano Sean Paul contribuísse com uma faixa vocal.[2] Beyoncé contactou Paul sobre uma possível colaboração para "Baby Boy".[3][4] Sean Paul concordou, e veio da Jamaica para participar das sessões de gravação da música.[2] Ele contribuiu com um brinde, e eles terminaram gravando "Baby Boy" em março de 2003, durante os últimos estágios da gravação do álbum.[3]

Música e Letras[editar | editar código-fonte]

"Baby Boy" é um tempo médio que mescla R&B e dancehall[5][6] com influências reggae e música árabe.[7][8][9] Foi composto usando o tempo comum na clave de Dó menor e ajustado em um groove moderado de 92 batimentos por minuto.[5] O conhecimento de Storch sobre a música indiana e do Oriente Médio contribui para suas influências orientais.[10] Os vocais de Beyoncé são acompanhados por batidas de cliques e castanholas,[11] palmas sintetizadas e tapas.[12] De acordo com Roger Friedman da Fox News Channel, "Baby Boy" é baseado na música de reggae "Here Comes the Hotstepper" (1995), interpretada pela cantora jamaicana Ini Kamoze.[13]

"Baby Boy" é considerado uma sequência da canção de "'03 Bonnie & Clyde" (2002) de Jay-Z com Beyoncé.[3] As letras detalham as fantasias de uma mulher, e de acordo com o tema geral do álbum, Beyoncé as considerou como pessoais para ela.[4] Paulo comentou: "Ela está me contando sobre suas fantasias e imaginando eu e ela indo aqui e ali, em todo o mundo ... Eu estou respondendo de volta, tipo, 'Eu sou inteligente'".[3] As letras são construídas na forma inicio-refrão-verso; Sean Paul executa o começo enquanto Beyoncé canta todos os outros versos e refrões. O padrão é repetido duas vezes; mais um coro e verso seguem, resolvendo no brinde e verso final.[2]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

"Baby Boy" foi lançado como o segundo single do álbum de estúdio de estréia de Beyoncé, Dangerously in Love (2003). Ele foi enviado as rádios de sucesso contemporâneo e rítmica contemporânea nos Estados Unidos em 3 de agosto de 2003.[14][15] Ele foi lançado como um CD single e single de 12 polegadas no Reino Unido em 6 de outubro de 2003. A música foi lançado para o maxi single no Canadá no dia seguinte,[16] e na Alemanha em 13 de outubro.[17] Foi lançado nos Estados Unidos como single de 12 polegadas e CD em 14 e 28 de outubro de 2003, respectivamente.[18] "Baby Boy" foi incluído na edição renovada do segundo álbum de estúdio de Sean Paul, Dutty Rock (2003).[19]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Beyoncé cantando "Baby Boy" durante The Beyoncé Experience em 2007, ladeada por dois dançarinos.

Em 2005, a cantora e compositora americana Jennifer Armor entrou com uma ação por violação de direitos autorais, alegando que Beyoncé usou algumas letras e o gancho musical de sua música "Got a Little Bit of Love for You".[20][21][22] Em 2003, o ex-gerente da gravadora de Armour havia enviado gravações demo para diversas gravadoras, incluindo a Columbia Records de Beyoncé e Atlantic Records de Sean Paul.[23][24] De acordo com o tribunal distrital, uma testemunha especializada (Presidente, Departamento de Teoria Musical e Composição, Shepherd School of Music, Rice University) determinou que as músicas seriam "substancialmente similares" (um requisito para uma descoberta de violação). No que diz respeito ao gancho musical, o perito afirmou em seu relatório: "Quando as comparações auditivas das duas canções são apresentadas na clave de Dó menor (para facilitar a comparação) e apresentado lado a lado, na forma A–B–A–B, mesmo o ouvinte menos inclinado musicalmente deve determinar imediatamente que as duas músicas são surpreendentemente semelhantes; Eu diria que muitos ouvintes podem até percebê-los como sendo a mesma música! E, novamente, a transposição de uma música para este propósito não altera nenhuma característica ou característica fundamental da música, mas apenas ajuda a habilidade daqueles que não estão familiarizados com os detalhes técnicos da música em fazer uma comparação”. O juiz do tribunal distrital decidiu que ela própria não pôde ouvir as semelhanças entre as duas músicas e negou provimento ao caso, negando a moção para que as músicas ou o caso fossem ouvidos por um júri.[22] Em apelação, a Corte de Apelações dos Estados Unidos pelo Quinto Circuito afirmou a decisão do tribunal distrital, mas governou com um raciocínio diferente. Sustentou que não houve infração baseada na alegação de Beyoncé de que a fita demo de Armour foi recebida logo após a escrita da canção de Beyoncé ter sido substancialmente completada. No entanto, o tribunal não abordou a questão da similaridade substancial.[24][25]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

O crítico da revista Rolling Stone, Anthony DeCurtis, escreveu que Beyoncé soava como se estivesse "se divertindo" com a canção,[26] enquanto Stephen Thomas Erlewine do AllMusic descreveu os vocais de Beyoncé como "seguros e sensuais".[27] Mark Anthony Neal do PopMatters, considerou "Baby Boy" como uma das "colaborações de alto perfil" em Dangerously in Love.[28] Lisa Verrico, do diário britânico The Times, descreveu a canção como "colaboração Latina tingida ... Paul faz um rap reggae no meio, mas é quando ele conversa enquanto Beyoncé se contorce que o casal tem química real".[11] Yancey Strickler da revista Flak escreveu que "A gagueira de 'Baby Boy' é reforçado pelo dancehall monótono de Sean Paul".[29]

James Anthony, do jornal britânico The Guardian, comentou que a faixa "preenche a lacuna entre os gêneros de R&B e dancehall".[30] A escritora do Los Angeles Times, Natalie Nichols, escreveu que "o ... Baby-boy 'temperado com house' fundiu com sucesso [Beyoncé] o arrulhar da respiração com a produção interessante".[6]

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

A gravadora britânica EMI foi homenageada pela Sociedade Americana de Compositores, Autores e Editores (ASCAP) no ASCAP Pop Music Awards 2005 como Gravadora do Ano pelo lançamento de "Baby Boy", entre outras músicas.[31] Scott Storch ganhou o prêmio Songwriter of the Year no mesmo evento.[31]

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

"Baby Boy" alcançou o posicionamento máximo nas paradas comerciais antes de sua liberação física nos Estados Unidos. A faixa levou Dangerously in Love a posição mais alta da Billboard 200, e ajudou o álbum a obter a certificação multi-platina nos Estados Unidos.[32] O single estreou na Billboard Hot 100, no número cinquenta e sete, enquanto o seu antecessor "Crazy in Love" ainda estava no topo.[33] "Baby Boy" dominou os airplays nos Estados Unidos, chegando ao topo da Billboard Hot 100.[34][35][36] Atingindo o primeiro lugar da parada oito semanas depois de sua estréia e permaneceu lá por nove semanas consecutivas.[36][37] O single permaneceu em primeiro lugar por uma semana a mais do que "Crazy in Love", tornando-se o single número um de Beyoncé com maior permanência na parada. A façanha não foi quebrada até que seu single "Irreplaceable" (2006), de seu segundo álbum B'Day (2006), passou dez semanas no topo do final de 2006 até o início de 2007, devido ao pesado airplay.[38] "Baby Boy" ficou no Hot 100 por vinte e nove semanas,[39] e foi certificada platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) em 6 de junho de 2006.[40] "Baby Boy" alcançou sucesso no crossover da Billboard e nas principais paradas de rádio, aparecendo no Top 40 Tracks, Rhythmic e Mainstream Top 40, bem como no topo das Radio Songs e Dance/Mix Show Airplay, e no número dois no Dance Club Songs.[41][42][43][35] Até 6 de outubro de 2010, "Baby Boy" vendeu 600,000 unidades físicas nos Estados Unidos.[44]

Internacionalmente, "Baby Boy" apresentou um desempenho tão bom quanto, chegando ao top 10 em todas as paradas em que apareceu, excluindo o Ö3 Austria Top 40, Ultratop 50 Wallonia e Italian Singles Chart, no qual alcançou o top 20. O single estreou no número dois no Reino Unido, tornando-se a estréia mais alta da semana e a maior entrada internacional de "Baby Boy".[45] Mesmo tendo passado onze semanas no gráfico, não conseguiu chegar ao topo, sendo impedido por "Where Is the Love?" de The Black Eyed Peas.[45] Na Austrália e na Nova Zelândia, "Baby Boy" alcançou o número três e dois, respectivamente.[46][47] Foi certificado platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA) pelas vendas superiores a 70.000 unidades.[48]

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

O videoclipe de "Baby Boy" foi filmado pelo diretor inglês Jake Nava, que também filmou "Crazy in Love", de Beyoncé. Foi gravado em Miami, Flórida, de 7 a 8 de agosto de 2003. Partes do vídeo foram filmados em uma casa com diferentes salas de estilo: uma em estilo japonês e outra em estilo inglês antigo.[49]

Cenas com Beyoncé e Paul são mostradas separadamente. O vídeo começa com Paul sentado em um trono enquanto brinda; Beyoncé está encostada a uma parede e dançando. Na cena seguinte, Beyoncé é vista se contorcendo em uma cama. Paul é mostrado com várias mulheres que estão deitadas no chão se acariciando. Beyoncé caminha em direção à praia; ela vê um homem e os dois se tocam e se flertam. Quando o segundo verso começa, Beyoncé está em uma festa. Na festa Beyoncé decide dançar com o mesmo homem com quem ela interagiu anteriormente. Então, a água inunda o chão da festa enquanto ela canta "a pista de dança se torna o mar". Como o segundo refrão da música começa, o vídeo é cortado com cenas de Beyoncé e quatro dançarinas de fundo dançando em uma plataforma na areia da praia. A faixa original é interrompida no final com um instrumental árabe, projetado para o videoclipe. Esta cena mostra Beyoncé dançando vigorosamente na areia.

Sal Cinquemani, da publicação on-line Slant Magazine, descreveu o vídeo como um "sequência registrada em óleo de bebê".[50] Em 2013, John Boone e Jennifer Cady da E! Online colocou o vídeo no número nove da lista dos dez melhores videoclipes de Beyoncé, elogiando as influências de dança do ventre no vídeo.[51] "Baby Boy" estreou no Total Request Live da MTV em 25 de agosto de 2003 no número dez e alcançou o primeiro lugar.[52][53] Ficou no programa por quarenta e um dias, o mesmo desempenho obtido pelo videoclipe do single seguinte, "Me, Myself and I".[52]

Performances ao vivo[editar | editar código-fonte]

Beyoncé performando "Baby Boy" durante a The Mrs. Carter Show World Tour no Bell Centre em Montreal, Quebec em 22 de julho de 2013

Beyoncé cantou pela primeira vez "Baby Boy" ao vivo no MTV Video Music Awards de 2003;[54] ela o cantou em um medley com os vocais de Paul pré-gravados.[55] Beyoncé mais tarde cantou "Baby Boy" com Paul no MTV Europe Music Awards de 2003.[56] "Baby Boy" foi incluído no set list da maioria das turnês de Beyoncé. Ele serviu como música de abertura de sua turnê Dangerously in Love (2003). Durante a performance da música na turnê, ela foi inicialmente suspensa do teto da arena que foi gradualmente baixada por uma espreguiçadeira vermelha - um acessório que ela também usou durante o MTV Video Music Awards de 2003.[57] Durante a passagem da turnê pela Wembley Arena em Londres, Inglaterra, foi incluída no primeiro álbum ao vivo da cantora, Live at Wembley (2004). Beyoncé também apresentou "Baby Boy" com seu antigo grupo Destiny's Child durante a turnê final do conjunto, Destiny Fulfilled ... And Lovin' It (2005), e foi incluída em seu segundo álbum ao vivo Destiny's Child: Live in Atlanta (2006).[58]

"Baby Boy" fez parte do repertório de Beyoncé nas digressões The Beyoncé Experience (2007) em Los Angeles, Califórnia, e em I Am... World Tour (2009–10).[59] Em 5 de agosto de 2007, Beyoncé cantou a música no Madison Square Garden em Manhattan, Cidade de Nova Iorque, Nova Iorque;[60][61] usando uma roupa do tipo dança do ventre, ela desceu a escada segurando um guarda-chuva e foi recebida por três homens vestindo uniformes.[61] Uma pequena seção da canção de "Murder She Wrote" (1993) de Chaka Demus & Pliers, foi incorporado em "Baby Boy".[61] Jon Pareles do The New York Times elogiou a performance da cantora, escrevendo que Beyoncé "não precisa de distrações no seu canto, que pode ser arejado ou estridente, lacrimoso ou vicioso, rápido com sílabas picadas ou sustentado em melismas circulados. Mas ela estava em constante movimento, desfilando em trajes".[60] Ela se apresentou com um arranjo semelhante no Staples Center de Los Angeles em 2 de setembro de 2007. Ela estava vestida com uma roupa de dança do ventre, e a performance foi executada com vários dançarinos do sexo masculino e instrumentação ao vivo.[62] Beyoncé re-executou a coreografia que ela executou no videoclipe da canção.[58] Quando Beyoncé cantou "Baby Boy" em Sunrise, Flórida, em 29 de junho de 2009, ela usava uma malha de ouro brilhante. Quando sua performance começou, ela ficou suspensa no ar, e depois baixou para o palco B onde ela performou "Baby Boy" com um trecho de "You Don't Love Me (No, No, No)" de Dawn Penn. Gráficos animados de toca-discos, bandeiras e outros equipamentos de festas foram projetados atrás dos dançarinos e músicos.[63] Beyoncé foi acompanhada por sua banda de apoio Suga Mama, que consistia de duas bateristas, dois tecladistas, uma percussionista, uma seção de metais, três imponentes vocalistas de apoio e a guitarrista principal Bibi McGill.[64] "Baby Boy" foi incluída em seu álbum ao vivo The Beyoncé Experience Live (2007),[65] e a edição de luxo do I Am... World Tour (2010).[66] No ASCAP Pop Music Awards de 2005, "Baby Boy", juntamente com os outros dois singles de Dangerously in Love – "Me, Myself and I" and "Naughty Girl" – foi reconhecido como uma das músicas mais tocadas do ano de 2004.[67]

"Baby Boy" foi interpretada por Beyoncé em um vestido de franja rosa em um concerto no Palais Nikaïa em Nice, França, em 20 de junho de 2011,[68] e no Festival de Glastonbury em 26 de junho de 2011, onde o cantor de hip hop Tricky foi convidado para executar a música.[69] Entre 25-28 maio de 2012, Beyoncé cantou a música durante ela cantou a música durante sua Revel Presents: Beyoncé Live em Atlantic City, New Jersey, no espaço de entretenimento resort, hotel, casino e spa dos Estados Unidos, Revel.[70][71][72] Jim Farber do Daily News escreveu: "A primeira e última parte do programa enfatizou a mais feroz Beyoncé, contada em músicas ousadas ... [como] 'Baby Boy'".[73] Em 3 de fevereiro de 2013, Beyoncé cantou a música durante o show do intervalo do Super Bowl XLVII.[74] Em 2013, Beyoncé cantou "Baby Boy" como um medley com "Get Me Bodied" durante sua turnê The Mrs. Carter Show World Tour (2013-14), enquanto as canções foram executadas separadamente em 2014. A música também foi executada durante oThe Formation World Tour (2016).

Faixas e formatos[editar | editar código-fonte]

"Baby Boy" – single 12-polegadas[46]
N.º Título Duração
1. "Baby Boy" (Album version) (com participação de Sean Paul) 4:04
2. "Baby Boy" (Junior Vasquez Club Anthem Remix) (com participação de Sean Paul) 8:50
3. "Baby Boy" (Maurice's Nu Soul Mix) (com participação de Sean Paul) 6:14
4. "Baby Boy" (Maurice's Nu Dub Baby!) (com participação de Sean Paul) 6:30
Duração total:
25:38
"Baby Boy" – EP Digital
N.º Título Duração
1. "Baby Boy" (com participação de Sean Paul) 4:06
2. "Baby Boy" (Instrumental) 4:04
3. "Summertime" (Remix) (com participação de Ghostface Killah) 4:05
Duração total:
12:15
"Baby Boy" – CD single alemão[17]
N.º Título Duração
1. "Baby Boy" (versão do álbum) (com participação de Sean Paul) 4:04
2. "Baby Boy" (Junior's Padapella) (com participação de Sean Paul) 3:58
Duração total:
8:02
"Baby Boy" – maxi single europeu[75]
N.º Título Duração
1. "Baby Boy" (Album version) (com participação de Sean Paul) 4:04
2. "Baby Boy" (Maurice's Nu Soul Mix) (com participação de Sean Paul) 8:50
3. "Baby Boy" (Junior's Padapella) (com participação de Sean Paul) 3:58
4. "Krazy in Luv" (Adam 12 So Crazy Remix) (com participação de Jay-Z) 4:30
Duração total:
18:06

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

Região Certificação Vendas
Austrália (ARIA)[122] Platina 70,000^
Estados Unidos (RIAA)[123] Ouro 500,000^
Reino Unido (BPI)[124] Prata 321,000[125]
Mastertone
Estados Unidos (RIAA)[123] Platina 1.000,000^

*números de vendas baseados somente em certificação
^números de distribuições baseados somente em certificação

Referências

  1. a b c Knowles, Beyoncé (2003). Dangerously in Love (Compact Disc Liner Notes). Columbia Records. p. 2. 5044750 959529 
  2. a b c d Dangerously in Love. Columbia Records. 2003 
  3. a b c d Kaufman, Gil. «Jigga Who? Beyoncé Shares Fantasies With Sean Paul On 'Bonnie & Clyde' Sequel». MTV News.MTV Networks. Consultado em 30 de julho de 2019 
  4. a b Thread editors. «Beyoncé's debut Album, Dangerously In Love». Thread Magazine. Consultado em 30 de julho de 2019 
  5. a b «Baby Boy Sheet Music». Sheet Music Plus. Consultado em 30 de julho de 2019 
  6. a b Nichols, Natalie (June 24, 2003). «Review: Dangerously in Love. Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 30 de julho de 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Gerard, Morgan. «Time is the Master». Peace Magazine. CANDIS publication. Consultado em 30 de julho de 2019 
  8. Fitzpatrick, Rob. «Review: Dangerously in Love». NME. IPC Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  9. DeLuca, Dan. «Beyoncé rocks Revel: Passion, hard work, and a call for respect». The Philadelphia Inquirer. Philadelphia Media Network. p. 2. Consultado em 30 de julho de 2019 
  10. «Scott Storch's Outrageous Fortune». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  11. a b Verrico, Lisa. «Beyoncé: Dangerously in Love – Beyoncé Knowles is growing up, but not too much». The Times. London: News Corporation. Consultado em 30 de julho de 2019 
  12. Poletti, James. «Yahoo! Music Album Review: Beyonce – 'Dangerously In Love'». Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 30 de julho de 2019 
  13. Friedman, Roger. «Beyoncé Takes Credit for 'Writing' Songs». Fox Entertainment Group. Fox Broadcasting Company. Consultado em 30 de julho de 2019 
  14. Rhythmic – Week Of: August 3, 2003|acessodata=30 de julho de 2019}} Radio and Records. August 3, 2003. Retrieved February 17, 2011.
  15. http://gfa.radioandrecords.com/publishGFA/GFANextPage.asp?sDate=8/03/2003&Format=1. Consultado em 30 de julho de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  16. «Baby Boy: Featuring Sean Paul (Maxi)». Amazon.com (Canada). Amazon Inc. Consultado em 30 de julho de 2019 
  17. a b «Baby Boy (Single, Maxi)» (em German). Amazon.com (Germany). Amazon Inc. Consultado em 30 de julho de 2019 
  18. «Baby Boy». Amazon.com (US). Amazon Inc. Consultado em 30 de julho de 2019 
  19. «Dutty Rock (Original recording reissued)». Amazon.com (US). Amazon Inc. Consultado em 30 de julho de 2019 
  20. «Suit Over Beyoncé's 'Baby Boy' Lyrics Goes to Appeals Court». Fox News Channel. Fox Entertainment Group. Associated Press. Consultado em 30 de julho de 2019 
  21. MTV News staff. «For The Record: Quick News On Beyoncé, Britney Spears, Hilary Duff, Snoop, White Stripes, Simon Cowell & More». MTV News. MTV Networks. Consultado em 30 de julho de 2019 
  22. a b Armour v. Knowles, No. H-05-2407, 2006 WL 2713787 (United States District Court for the Southern District of Texas. September 21, 2006).
  23. MTV News staff. «For The Record: Quick News On Britney Spears, Beyoncé, Kristin Cavallari, Beck, T.I., Lil' Kim & More». MTV News. MTV Networks. Consultado em 30 de julho de 2019 
  24. a b «Beyoncé cleared of copying song». The Independent. Independent Print Limited. Consultado em 30 de julho de 2019 
  25. «Armour v. Knowles» (PDF). United States Court of Appeals for the Fifth Circuit: 512 F.3d 147. 2007. Consultado em 30 de julho de 2019 
  26. DeCurtis, Anthony. «Album Reviews: Dangerously In Love». Rolling Stone. Wenner Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  27. Erlewine, Stephen Thomas. «Dangerously in Love > Overview». AllMusic. Rovi Corporation. Consultado em 30 de julho de 2019 
  28. Neal, Mark Anthony. «Getting Grown». PopMatters. Consultado em 30 de julho de 2019 
  29. Strickler, Yancey. «Beyoncé: Dangerously In Love». Flak Magazine. Consultado em 30 de julho de 2019 
  30. Anthony, James. «'Of course you can lose yourself'». The Guardian. Guardian Media Group. Consultado em 30 de julho de 2019 
  31. a b «ASCAP Pop Music Awards 2005». American Society of Composers, Authors and Publishers. Consultado em 30 de julho de 2019 
  32. Stacy-Deanne; Kenyatta, Kelly; Lowery, Natasha (2005). Alicia Keys, Ashanti, Beyoncé, Destiny's Child, Jennifer Lopez & Mya: Divas of the New Millennium. [S.l.]: Amber Books Publishing. pp. 60–61. ISBN 978-0-9749779-6-6. Consultado em 30 de julho de 2019 
  33. «Billboard Hot 100». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  34. Martens, Todd. «Beyoncé, Sean Paul Creep Closer To No. 1». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  35. a b Martens, Todd. «'Tailfeathers' Still Shakin' Singles Chart». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  36. a b Martens, Todd. «'Baby' Kicks 'Tailfeather' From Chart Roost». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  37. Martens, Todd. «'Stand Up' Ends 'Baby Boy' Reign». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  38. Hasty, Katie. «Beyoncé Makes It Ten Weeks At No. 1 With 'Irreplaceable'». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  39. «"Baby Boy" Global Chart Positions and Trajectories». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  40. «Beyoncé – Gold and Platinum». Recording Industry Association of America. Consultado em 30 de julho de 2019 
  41. Martens, Todd. «No Stopping Beyoncé's 'Baby Boy' At No. 1». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  42. «Beyoncé: Artist Chart History». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  43. «Beyoncé > Charts & Awards > Billboard Singles». Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 30 de julho de 2019 
  44. Grein, Paul. «Week Ending Oct. 3, 2010: America's Most Popular Inmate». Yahoo! Music. Yahoo!. Consultado em 30 de julho de 2019 
  45. a b «Chart Stats – Chart For Week Up To 18/10/2003». The Official Charts Company. Consultado em 30 de julho de 2019 
  46. a b «Beyoncé Feat. Sean Paul – Baby Boy (Song)». australian-charts.com. Hung Medien. Consultado em 30 de julho de 2019 
  47. «Beyoncé Feat. Sean Paul – Baby Boy (Song)». charts.org.nz. Hung Medien. Consultado em 30 de julho de 2019 
  48. «ARIA Charts – Accreditations – 2003 Singles». Australian Recording Industry Association. Consultado em 30 de julho de 2019 
  49. Reid, Shaheem. «Sean Paul Appears In The Flesh In Beyoncé's 'Baby Boy' Clip». MTV News. MTV Networks. Consultado em 30 de julho de 2019 
  50. Cinquemani, Sal. «03 Year in Rewind». Slant Magazine. Consultado em 30 de julho de 2019 
  51. Boone, John; Cady, Jennifer. «2013 Super Bowl Countdown: Beyoncé's Top 10 Music Videos Ever!». E! Online. E!. Consultado em 30 de julho de 2019 
  52. a b «Total Request Live debuts». Popfusion. Consultado em 30 de julho de 2019 
  53. «TRL Number Ones». Popfusion. Consultado em 30 de julho de 2019 
  54. Cinquemani, Sal. «The Kiss(es) Heard 'Round the World: 2003 MTV Music Video Awards». Slant Magazine. Consultado em 30 de julho de 2019 
  55. «Jay-Z Prevented Sean Paul From Performing With Beyoncé At VMAs». Yahoo! News. Yahoo!. Consultado em 30 de julho de 2019 
  56. «It's Justin's Night As Christina, Kelly Osbourne Fight At MTV Europe Awards». MTV News. MTV Networks. Consultado em 30 de julho de 2019 
  57. Simpson, Dave. «Beyoncé». The Guardian. Guardian Media Group. Consultado em 30 de julho de 2019 
  58. a b Shaheem, Reid. «Beyoncé Puts On Flawless – And Fall-Less – NYC Show With Robin Thicke». MTV News. MTV Networks. Consultado em 30 de julho de 2019 
  59. «Beyoncé – Baby Boy». Nuts. IPC Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  60. a b Pareles, Jon. «Romance as a Struggle That She Will Win». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 30 de julho de 2019 
  61. a b c Reid, Shaheem. «Beyonce Puts On Flawless – And Fall-Less – NYC Show With Robin Thicke». MTV News. MTV Networks. Consultado em 30 de julho de 2019 
  62. Beyoncé Knowles (2007). The Beyoncé Experience Live. Columbia Records 
  63. Parke Puterbaugh. «Review: Beyonce is ... Fierce talent». New Records. Consultado em 30 de julho de 2019 
  64. Ratliff, Ben. «Flash, Concepts and, Yes, Songs». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 30 de julho de 2019 
  65. «The Beyoncé Experience (Live) [Audio Version]» (em Dutch). iTunes Store (Belgium). Apple Inc. Consultado em 30 de julho de 2019 
  66. «I Am...World Tour» (em Dutch). iTunes Store (Belgium). Apple Inc. Consultado em 30 de julho de 2019 
  67. «Most Performed Songs». American Society of Composers, Authors and Publishers. Consultado em 30 de julho de 2019 
  68. «Beyoncé Invades The Stage At European Concert Kickoff (Video)». Rap-Up. Devin Lazerine. Consultado em 30 de julho de 2019 
  69. «Beyonce covers Kings Of Leon and Prince at Glastonbury». NME. IPC Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  70. Sheridan, Emily. «'Feels so good to be back home on stage': Beyonce shows off her post-baby curves as she performs for first time since Blue's birth». Daily Mail. Associated Newspapers. Consultado em 30 de julho de 2019 
  71. Ganz, Caryn. «Run the World (Showgirls): Beyonce Gets Back to Business in Atlantic City». Spin. Spin Media LLC. Consultado em 30 de julho de 2019 
  72. Johnston, Maura. «Live: Beyoncé Brings The House Down At Atlantic City's Newest Casino». The Village Voice. Village Voice Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  73. Farber, Jim. «Beyoncé matures as she dazzles with depth». Daily News. Daily News L.P. Consultado em 30 de julho de 2019 
  74. «Beyoncé Silences Doubters With Intensity at Halftime». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 30 de julho de 2019 
  75. «Beyoncé Feat. Sean Paul – Baby Boy (Chanson)» (em French). Ultratop 50. Hung Medien. Consultado em 30 de julho de 2019 
  76. «Beyoncé feat. Sean Paul - Baby Boy» (em alemão). Charts.de. Media Control.
  77. «Australian-charts.com – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em inglês). ARIA Top 50 Singles. Hung Medien.
  78. «Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy Austriancharts.at» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. Hung Medien.
  79. «Ultratop.be – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em neerlandês). Ultratop 50. Ultratop & Hung Medien / hitparade.ch.
  80. «Ultratop.be – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em francês). Ultratop 40. Ultratop & Hung Medien / hitparade.ch.
  81. «Beyoncé Chart History (Canadian Digital Songs)». Billboard. Consultado em 30 de julho de 2019 
  82. «Danishcharts.com – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy. (em dinamarquês). Tracklisten. Hung Medien.
  83. «Archive Chart» (em inglês). Scottish Singles Top 40. Consultado em June 6, 2015.
  84. «Spanishcharts.com – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em inglês). Canciones Top 50. Hung Medien. Consultado em June 17, 2019.
  85. «Beyonce Album & Song Chart History». Billboard Hot 100 for Beyonce. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  86. «Beyonce – Chart history» (em inglês). Billboard Dance/Mix Show Airplay para Beyonce.
  87. «Beyonce Album & Song Chart History». Billboard Hot Dance Club Play for Beyonce. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  88. «Beyonce Album & Song Chart History» (em inglês). Billboard R&B/Hip-Hop Songs para Beyonce.
  89. «Beyonce Album & Song Chart History». Billboard Pop Songs for Beyonce. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  90. «Beyoncé – Billboard Singles». AllMusic. Rovi Corporation. Consultado em 30 de julho de 2019 
  91. «Beyonce Album & Song Chart History». Billboard European Hot 100 Singles for Beyonce. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  92. «Lescharts.com – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em francês). Les classement single. Hung Medien.
  93. «Disque en France – Le classement radio». SNEP. Consultado em 30 de julho de 2019 
  94. «IFPI Greece Top 50 Singles Chart». Consultado em 30 de julho de 2019 
  95. «Archívum – Slágerlisták – MAHASZ» (em húngaro). Dance Top 40 lista. Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége.
  96. «Chart Track» (em inglês). Irish Singles Chart. GfK. Consultado em June 17, 2019.
  97. «Italiancharts.com – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em inglês). Top Digital Download. Hung Medien.
  98. «Norwegiancharts.com – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em inglês). VG-lista. Hung Medien.
  99. «Charts.org.nz – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em inglês). Top 40 Singles. Hung Medien.
  100. «Nederlandse Top 40 – week 43, 2003» (em neerlandês). Dutch Top 40 Stichting Nederlandse Top 40. Consultado em June 17, 2019.
  101. «Dutchcharts.nl – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em neerlandês). Mega Single Top 100. Hung Medien / hitparade.ch.
  102. «Top 40 Official UK Singles Archive» (em inglês). UK Singles Chart.
  103. «Top 40 R&B Singles Archive» (em inglês). UK R&B Chart. Consultado em June 17, 2019.
  104. «Swedishcharts.com – Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy» (em inglês). Singles Top 60. Hung Medien.
  105. «Beyoncé feat. Sean Paul – Baby Boy swisscharts.com» (em inglês). Swiss Singles Chart. Hung Medien.
  106. «Top 100 Single-Jahrescharts (2003)» (em German). offiziellecharts.de. Consultado em 30 de julho de 2019 
  107. a b «Pandora Archive Year End Charts 2003» (PDF). ARIA Charts. Pandora Archive. Consultado em 30 de julho de 2019 
  108. «Jaaroverzichten 2003 (Flanders)» (em Dutch). Ultratop 50. Hung Medien. Consultado em 30 de julho de 2019 
  109. «Rapports Annuels 2003 (Flanders)» (em French). Ultratop 40. Hung Medien. Consultado em 30 de julho de 2019 
  110. «The Billboard Hot 100 Singles & Tracks – 2003 Year End Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  111. «The Billboard Hot R&B/Hip Hop Singles & Tracks – 2003 Year End Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  112. «The Billboard Top 40 Tracks Titles – 2003 Year End Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  113. «The Billboard Rhythmic Top 40 Titles – 2003 Year End Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  114. «The best-selling single of 2003 in Italy». hitparadeitalia.it. Hit Parade Italy. Consultado em 30 de julho de 2019 
  115. «Top 40 2003(313)» (em Dutch). Top 40 (Netherlands). Consultado em 30 de julho de 2019 
  116. «Årslista Singlar – År 2003» (em Swedish). Sverigetopplistan. Consultado em 30 de julho de 2019 
  117. «Swiss Year End Charts 2003». hitparade.ch. Hung Medien. Consultado em 30 de julho de 2019 
  118. «Pandora Archive Year End Charts 2004» (PDF). ARIA Charts. Pandora Archive. Consultado em 30 de julho de 2019 
  119. «The Billboard Hot 100 Singles & Tracks – 2004 Year End Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  120. «The Billboard Hot 100 Singles & Tracks – Decade Year End Charts». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 30 de julho de 2019 
  121. «Billboard Hot 100 60th Anniversary Interactive Chart». Billboard. Consultado em 30 de julho de 2019 
  122. «ARIA Charts – Accreditations – 2003 Singles». Australian Recording Industry Association. Consultado em 8 de junho de 2017 
  123. a b «Certificações (Estados Unidos) (single) – Beyoncé – Baby Boy» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de junho de 2017  Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, e seleccione Single, e clique em SEARCH.
  124. «Certificações (Reino Unido) (single) – Beyoncé – Baby Boy» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 8 de junho de 2017 
  125. Myers, Justin. «Sean Paul's Official Top 20 biggest singles revealed». Official Charts Company. Consultado em 30 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]