Girl group

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Girl group
Origens estilísticas 19301970: music hall, vaudeville, swing, jump blues, R&B, rock, soul, gospel, pop tradicional
1970–1990: disco, power pop, pop rock
1990–presente: pop, dance-pop, teen pop, pop punk, R&B contemporâneo, hip hop, electropop, K-pop, J-pop
Contexto cultural 1930 Estados Unidos
Instrumentos típicos Vocal, violão, sampler, sequenciador, guitarra elétrica, baixo, bateria, teclado.
Popularidade Mundial
Formas derivadas boy band - teen pop - riot grrrl - bubblegum pop
Outros tópicos
Ícone pop - Cultura pop - girl power - girl band

Girl group é um grupo vocal com diversas cantoras que geralmente harmonizam juntas. Nos Estados Unidos eles denominam girl group como um grupo de garotas que cantam e girl band de garotas que tocam instrumentos. A onda de grupos de música pop formado por mulheres floresceram no final da década de 1950 e início da década de 1980 entre o declínio do rock e a Invasão Britânica, onde muitos dos quais foram influenciados pelo estilo doo-wop.[1][2]

Bandas formadas apenas por mulheres, nas quais suas membros também tocam instrumentos, geralmente são consideradas um fenômeno a parte. Estes grupos ás vezes são chamados de "girl bands" para diferencia-las,[3] embora esta terminologia não seja seguida universalmente.

Com o advento da indústria da música e da radiodifusão, surgiram diversos girl groups, como as Andrews Sisters. Com o final da década de 1950, viu-se o surgimento de grupos de cantoras femininas com uma força importante. Houve 750 girl groups diferentes, lançando canções que chegaram as paradas musicais dos Estados Unidos e do Reino Unido de 1960 a 1966.[4] As Supremes sozinhas, conquistaram 12 singles em número um na Billboard Hot 100, durante o auge da onda e durante a maior parte da invasão britânica, rivalizando com os Beatles em popularidade.[5] Em épocas anteriores, o modelo de girl group era aplicado aos gêneros disco, R&B contemporâneo, country, além do pop. Uma globalizada industria da música viu a extrema popularidade da música pop voltada para a dança,[6] sendo liderada por importantes gravadoras. Esse surgimento, liderado pelos Estados Unidos, Reino Unido, Coreia do Sul e Japão, produziu artistas extremamente populares, com oito grupos que estrearam após 1990, vendendo mais de quinze milhões de cópias físicas de seus álbuns.

História[editar | editar código-fonte]

As girl groups emergiram no final da década de 1950 como um grupo de cantoras que cantavam músicas escritas por um grande time de compositores, em 1959, The Primettes um quarteto americano, formado por Diana Ross, Florence Ballard, Betty McGlown e Mary Wilson, que ficou trio em 1962 e viraram The Supremes, formado por Ballard, Ross (cantora líder) e Wilson que foi um dos grupos de garotas mais famoso mundialmente até 1977, e esse foi um grupo com muitas substituições, como McGlown por Barbara Martin, Ballard ser substituída por Cindy Birdsong, Ross por Jean Terrell e etc. Mary Wilson foi a única a ficar até o final sendo cantora original desde 1959.[7]

Nos anos 70 e início dos anos 80 teve uma profusão de grupos de disco, new wave e pop dance.

No final dos anos 80 e também nos anos 90 surgiram os grupos de estilo pop manufaturado e às vezes fabricado (escolhiam as garotas para fazer parte de um grupo como por exemplo as Spice Girls) e os gêneros musicais mais conhecidos nessa época eram o teen pop e o R&B. Um dos grupos mais populares da época foi o TLC que se tornou o grupo feminino que mais vendeu na história da música nos E.U.A.

Nos anos 2000, as girl groups mudaram de estilo de música e passaram para o bubblegum pop (pop chiclete), R&B/Hip Hop, música urbana e pop rock. Um bom exemplo são as Destiny's Child, consideradas em 2006 pelo World Music Awards, o grupo feminino que mais vendeu discos de todos os tempos. Outros grupos com sucesso nesta década foram Atomic Kitten, Sugababes, Girls Aloud e The Pussycat Dolls.

Na década de 2010, as girl groups voltaram com estilo pop, dance, hip-hop e R&B geralmente lançadas sobre Talent shows e programas de televisão que montam grupos e as lançam para o sucesso. Os exemplos de sucesso mais conhecidos atualmente na indústria musical são Little Mix e Fifth Harmony.

Outros exemplos de sucesso são as sul-coreanas sendo estas formadas antes da década de 2010: Girls' Generation,Wonder Girls, 2NE1, 4minute, Sistar, Miss A, F(x), T-ara. que compartilham sucesso na Ásia.

Girl groups recordistas em vendas[editar | editar código-fonte]

As Girl groups com maiores vendas no mundo são:

Número Nome País de origem Vendas totais Gênero Álbuns de estúdio Membros Período em atividade
1 Spice Girls Reino Unido 85 milhões[8][9] Pop 3 5 → 4 → 5 1994–2000, 2007–2008 (8 anos)
2 The Andrews Sisters Estados Unidos 75 milhões[10] Pop tradicional/Swing 12 3 1925–1952, 1954-1967 (38 anos)
3 TLC Estados Unidos 70 milhões[11][8] R&B/Pop/Hip-hop 5 3 → 2 1991–presente (25 anos)
4 2NE1 Coreia do Sul 66.5 milhões[8] K-pop 4 4 → 3 2009–2016 (7 anos)
5 Destiny's Child Estados Unidos 60 milhões[12][8] R&B/Pop 5 4 → 3 1997–2006 (9 anos)
6 Girls' Generation Coreia do Sul 57.1 milhões[8] K-pop 8 9 → 8 2007–presente (10 anos)
7 Pussycat Dolls Estados Unidos 54 milhões[13] Pop/R&B 2 6 → 5 2003–2010 (7 anos)
8 S.H.E Taiwan 53.9 milhões[8] Mandopop 11 3 2001–presente (16 anos)
9 AKB48 Japão 45.2 milhões[8] J-pop 8 Rotacional 2005–presente (11 anos)
10 Bananarama Reino Unido 40 milhões[14] Pop 10 3 → 2 1979–presente (37 anos)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rutledge, Meredith E. (15/04/2013). "The Fabulous Girl Groups | The Rock and Roll Hall of Fame and Museum". Rockhall.com.
  2. "Girl Groups - A Short History". History-of-rock.com.
  3. Claudia Mitchell, Jacqueline Reid-Walsh (1 de janeiro de 2008). Girl Culture: An Encyclopedia. [S.l.]: Greenwood Press. ISBN 9780313339080 
  4. «Girl Groups». Girl Groups. Consultado em 8 de julho de 2017 
  5. Whitburn, Joel (2003). Top Pop Singles 1955-2002. Menomonee Falls, Wisconsin: Record Research, Inc. pp. 950, 959, 964, 967, 969, 970, 983, 984, 988–990. ISBN 0-89820-155-1 
  6. Global Transformations: Politics, Economics and Culture - Google Books. [S.l.: s.n.] Consultado em 4 de junho de 2014 – via Google Books 
  7. Linda Holtzman (2000). Media messages: what film, television, and popular music teach us about race, class, gender, and sexual orientation. [S.l.]: M.E. Sharpe. p. 89. 0765603373, 9780765603371 
  8. a b c d e f g «16 Best Selling Girl Groups of All Time». Insider Monkey. 15 de outubro de 2015. Consultado em 8 de julho de 2017 
  9. «My Life as a Spice Girl: Geri "Ginger Spice" Halliwell (Now Horner) Looks Back at the Beginnings of a Pop Culture Phenomenon». Marie Clarie. 12 de julho de 2016. Consultado em 8 de julho de 2017 
  10. Lachno, James (31 de janeiro de 2013). «Patty Andrews, last surviving member of singing trio the Andrews Sisters, dies aged 94». The Telegraph. Consultado em 8 de julho de 2017 
  11. «Ex-TLC Manager Proceeds With $40 Million Biopic Lawsuit». Voice online. 10 de setembro de 2016. Consultado em 8 de julho de 2017 
  12. Waxman, Olivia B. (11 de janeiro de 2013). «Beyoncé and Destiny's Child to Release Original Track for First Time in Eight Years». Time. Consultado em 8 de julho de 2017 
  13. Morey, Tejas. «Most Popular Girl Bands Of All Time». MENSXP. Consultado em 8 de julho de 2017 
  14. «Return of the top Bananas». Daily Mail. 2 de agosto de 2007. Consultado em 8 de julho de 2017. Arquivado do original em 9 de julho de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]