Britpop

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Britpop
Origens estilísticas
Contexto cultural Início da década de 1990, Reino Unido
Instrumentos típicos
Formas derivadas Post-britpop
Subgêneros
New wave of new wave
Outros tópicos
Invasão Britânica - Cool Britannia

Britpop é um movimento de música e cultura baseado no Reino Unido em meados da década de 1990 que enfatizou o "Britanismo" e produziu um estilo de música pop cativante e suave, parte em reação à popularidade dos temas líricos mais pesados da música grunge dos Estados Unidos e também da cena shoegaze do próprio Reino Unido.[1] As bandas mais bem sucedidas associadas ao movimento são Oasis, Blur, Suede e Pulp; esses grupos vieram a ser conhecidos como os "quatro grandes". O auge do Britpop é geralmente considerado o período entre 1993 e 1997; uma batalha nos charts entre Blur e Oasis apelidada de "A Batalha do Britpop" foi o epicentro das atividades do movimento. Enquanto a música era o foco principal, a moda, a arte e a política também se envolveram, com artistas como Damien Hirst envolvidos na criação de vídeos para o Blur e sendo rotulados como artistas de "Britart" ou "Britpop", e Tony Blair e New Labour alinhando-se com o movimento.

Embora o Britpop seja visto como uma ferramenta de marketing e mais um momento cultural do que um estilo ou gênero musical, existem convenções musicais que influenciaram as bandas agrupadas sob o termo Britpop, como mostrar elementos do pop britânico dos anos 60, glam rock e punk rock dos anos 70, e indie pop dos anos 80 em sua música, atitude e roupas. Uma influência que eles compartilhavam em particular era a banda The Smiths. Britpop era um movimento de mídia voltado para bandas que surgiram da cena musical independente no início da década de 1990 - e foi associado ao movimento cultural popular britânico da Cool Britannia, que evocou a revolução cultural jovem britânica dos anos 60 e a música pop de guitarra britânica dessa década. Na sequência da invasão musical no Reino Unido por bandas de grunge americanas, novos grupos britânicos como Blur e Suede lançaram o movimento posicionando-se como forças musicais opostas, referenciando a música de guitarra britânica do passado e escrevendo sobre temas e preocupações exclusivamente britânicas. Essas bandas logo foram acompanhadas por outras, incluindo Oasis, Pulp, The Verve, Supergrass, Cast, Placebo, Space, Sleeper e Elastica. Os grupos de Britpop trouxeram o rock alternativo britânico para o mainstream e formaram a espinha dorsal de um movimento cultural britânico maior chamado Cool Britannia - um período de maior orgulho na cultura do Reino Unido durante a maior parte da década de 1990, inspirado na cultura pop da década de 1960. "A Batalha do Britpop" trouxe o Britpop à vanguarda da imprensa britânica em 1995. No entanto, em 1997, o movimento começou a diminuir a velocidade; Muitos artistas do gênero começaram a vacilar e a romper. A popularidade do grupo feminino Spice Girls "arrebatou o espírito da era dos responsáveis ​​pelo Britpop".[2] Embora suas bandas mais populares pudessem espalhar seu sucesso comercial no exterior, especialmente para os Estados Unidos, o movimento desmoronou em grande parte até o final da década de 90.

Influências[editar | editar código-fonte]

Músicos de BritPop, em geral, têm muita influência de bandas como Beatles, Led Zeppelin, Pink Floyd, The Rolling Stones, The Who, The Kinks, The Small Faces e Stone Roses[3] e seus dois maiores grupos eram Blur e Oasis.[4] Os líderes destas duas bandas — respectivamente Damon Albarn e os Irmãos Gallagher — tornaram-se notórios por protagonizarem uma rivalidade de estética e de liderança.

As primeiras bandas britânicas dos anos 90 surgiram com forte conteúdo político e dramático, refletindo a desilusão generalizada do contexto da Globalização e da consolidação do neoliberalismo na Europa. Assim, os Manic Street Preachers levantaram bandeiras marxistas enquanto o Radiohead e o The Verve traziam uma espécie de culto depressivo e poética pessimista; e a parte feminina representada pelo Elastica, com forte influência do new wave dos anos 70. Por outro lado, o estilo de vida cosmopolita, sintético e "metrossexual" era simbolizado por bandas como Suede, Pulp e Placebo, numa reedição da estética rave de Manchester na década anterior.

Outras diversas bandas BritPop tiveram início como "bandas de garagem", influenciadas pelo punk dos anos 70, como Muse, Ash e Idlewild, e depois suavizaram seus acordes e batidas para atingir um público mais amplo.

Nova geração[editar | editar código-fonte]

A partir de 1998, surgem novas bandas que de certa forma repetem a rivalidade entre Blur e Oasis, principalmente a dupla Travis e Coldplay, abusando de pianos e cordas e por vezes dispensando guitarra elétrica. Nesta linha "romântica" e altamente radiofônica, também seguem os grupos Keane e Snow Patrol, entre outros.

Nos anos de 2004 e 2005, o gênero recebe novo fôlego com o aparecimento de releituras do punk (como feito pelos Libertines, Arctic Monkeys, Kaiser Chiefs), do glam (Franz Ferdinand, Klaxons) e de bandas inspiradas pelo sucesso do New Order nos anos 80, como Bloc Party, Maxïmo Park, The Rapture e Editors. Além destas, destaca-se The Killers que, apesar de ser da cidade norte-americana de Las Vegas, não esconde a fortíssima influência das bandas BritPop.

O "estilo" BritPop exerce enorme influência sobre bandas de rock em outros países da Europa, como a Suécia (The Hives e Mando Diao). Nos Estados Unidos, outra banda fortemente inspirada pelo estilo são os Strokes.

Evolução do britpop[editar | editar código-fonte]

Bandas de Britpop[editar | editar código-fonte]

Graham Coxon(esquerda) e Damon Albarn do Blur em 2009
Noel e Liam Gallagher do Oasis

As seguintes bandas são normalmente consideradas parte do "estilo" BritPop:

Referências

  1. Looking back at the birth of Britpop bbc.co.uk
  2. Harris, p. 347-48.
  3. Stan Hawkins (2009). The British pop dandy: masculinity, popular music and culture. [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd. 53 páginas. 0754658589, 9780754658580 
  4. Pam Hurry, Mark Phillips, Mark Richards (2001). Heinemann advanced music. [S.l.]: Heinemann. 169 páginas. 0435812580, 9780435812584 
Ícone de esboço Este artigo sobre Rock é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.