Indie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela categoria automobilística conhecida como Fórmula Indy, veja IndyCar Series.

O termo inglês indie é a abreviação (no diminutivo) de independent (em português, independente) e se aplica na Indústria cultural, de artes e nas apresentações ao vivo aos músicos, produtores e artistas que não possuem contratos de publicação e distribuição com grandes empresas ('majors') e lançam os seus projetos independentemente.

Indie também pode se referir a um estilo musical de popularidade restrita, mas que, com o advento da internet, tenha ganhado mais popularidade.[1]

Origem[editar | editar código-fonte]

O termo entrou em uso no início da década de 1980, quando muitos músicos e produtores atuaram independentemente para entrar na indústria comercial, designando um gênero musical geralmente associado ao punk rock, rock e pop, com origem no Reino Unido e crescimento nos Estados Unidos.[2]

Por exemplo: atualmente, no portal YouTube, quando um músico, produtor ou diretor cria um cadastro pessoal, ele tem a opção de usar o nome da gravadora dele nos detalhes de seu perfil, ou de usar o termo indie, para refletir que este artista não tem um contrato com um estúdio/gravadora de renome no mercado.

O termo também se aplica a empresas de desenvolvimento de jogos, ou até mesmo a desenvolvedores que lançam seus projetos de forma independente. Mas o termo tem proliferado e adquirido outros significados, tais como:

Música[editar | editar código-fonte]

Dentre as bandas e artistas indies, estão The Neighbourhood, Last Dinosaurs, Clairo, Men I Trust, Tame Impala, TEMPOREX, Billie Eilish, JOJI (the pink guy), Trapdoor Social, The 1975, Cigarettes After Sex, Foster the People, Alfie Templeman, The Marías, Dayglow, Oliver Tree, COIN, girl in red, The Japanese House, grouplove, Conan Gray, Gus Dapperton, HUNNY, Rex Orange County, Tyler the Creator, Born Ruffians, Sticky Fingers (band), Awolnation, Arctic Monkeys, Wallows David Ballot, The Strokes, Marina and the Diamonds, Florence and the Machine, Lorde, Bastille, Ellie Goulding, AURORA, Halsey, Lorde Charlie, Jake Bugg, Paloma Faith, Belle & Sebastian, Câmera Obscura, Charlotte Gainsbourg, Fun., Of Monsters and Men, Radiohead, War Hayashi, Arcade Fire, Matt & Kim, Gotye, Atlas Genius, Léo Mello, Kimbra, Luiza Delecrode, The XX, Bridgit Mendler, Troye Sivan, Foals, Mac DeMarco, Melanie Martinez, entre outros. E também a banda conhecida como pai do Indie, The Smiths e a mãe do Indie Björk.

Referências

  1. de Marchi, Leonardo (2006). «A nova produção independente: indústria fonográfica brasileira e novas tecnologias da informação e da comunicação» (PDF). Universidade Federal Fluminense. Consultado em 22 de Junho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 19 de agosto de 2014 
  2. Hesmondhalgh, David (1 de janeiro de 1999). «Indie: the institutional politics and aesthetics of a popular music genre». Cultural Studies (13:1): 34 - 61. doi:10.1080/095023899335365  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);