Céline Dion

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Celine Dion)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Céline Dion
Dion em 2017
Nascimento Céline Marie Claudette Dion
30 de março de 1968 (52 anos)
Charlemagne; Quebec
Residência Henderson; Nevada; EUA
Nacionalidade canadiana
Fortuna US$ 630 milhões (2014)[1]
Progenitores Mãe: Thérèse Tanguay Dion
Cônjuge René Angélil (c. 1994; m. 2016)
Filho(s) 3
Ocupação cantora
Período de atividade 1980–presente
Carreira musical
Gênero(s)
Extensão vocal soprano[2][3]
Instrumento(s) Vocais
Gravadora(s)
Afiliações
Página oficial
celinedion.com

Céline Marie Claudette Dion CC OQ ( /ˈdɒn/;[4] francês: [selin djɔ̃] (Sobre este somescutar ); Charlemagne, 30 de março de 1968) é uma cantora[5] canadense.[6][7][8] Dion surgiu como uma estrela adolescente no mundo francófono na década de 1980, depois que seu empresário e futuro marido, René Angélil, hipotecou sua casa para financiar o seu primeiro disco.[9] Em 1990, ela lançou seu primeiro álbum em inglês, Unison, que a estabeleceu como uma artista comercialmente viável na América do Norte e outras áreas do mundo que tem o inglês como idioma principal.[10]

Dion ganhou reconhecimento internacional pela primeira vez em 1980.[11][12] Após uma série de álbuns franceses no início dos anos 1980, ela assinou com a CBS Records em 1986. Durante a década de 1990, assinou com a Epic Records e lançou vários álbuns em língua inglesa. Além disso, deu sequência aos álbuns franceses, tornando-se uma das cantoras mais bem sucedidas da história da música popular.[13][14] No entanto, em 1999, no auge de seu sucesso, Dion anunciou um hiato de entretenimento, a fim de começar uma família e passar o tempo com seu marido, que tinha sido diagnosticado com câncer.[14][15] Ela retornou em 2002 e assinou um contrato de três anos (mais tarde alargado a quase cinco anos, devido ao enorme sucesso) para se apresentar todas as noites em seu próprio Coliseu no Caesars Palace, em Paradise, Nevada.[16][17][18]

A música de Celine foi influenciada por gêneros que vão do rock e R&B ao gospel e música clássica. Suas gravações são principalmente em francês e inglês, embora ela também cante em espanhol, italiano, alemão, latim, japonês e mandarim. Embora seus lançamentos dividam a opinião dos críticos, ela é conhecida por sua voz extremamente poderosa e tecnicamente perfeita.[19][20][21] Dion deu voz à 2 canções vencedoras do prêmio Oscar que se tornaram extremamente conhecidas mundialmente, "Beauty and the Beast" e "My Heart Will Go On". Ao longo de sua carreira, Dion ganhou cinco Grammy Awards, incluindo Álbum do Ano por Falling Into You e Gravação do Ano por "My Heart Will Go On".[22] Ela é a segunda artista feminina que mais vendeu nos Estados Unidos durante a era Nielsen SoundScan, com seus álbuns Falling Into You e Let's Talk About Love; ambos receberam a certificação diamante, mantendo um recorde como a única artista feminina com dois álbuns com vendas superiores a 30 milhões de cópias[23][24]. Seus álbuns D'eux e S'il suffisait d'aimer continuam sendo os álbuns francófonos mais vendidos da história, obtendo um sucesso sem precedentes em mercados não francófonos .Ela também marcou uma série de singles que chegaram ao topo das paradas músicais ao redor do mundo,incluindo "The Power of Love", "Think Twice", "because You Loved Me", "It's All Coming Back to Me Now", "My Heart Will Go On", e "I'm Your Angel"[25].

Em 2004, após ultrapassar 170 milhões de cópias vendidas ao redor do mundo, ela foi presenteada com o Diamond Award no World Music Awards, tornando-se uma das artistas femininas que mais vendeu de todos os tempos, superando nomes como Whitney Houston e Cher.[26][27]

Na cerimônia do World Music Awards de 2007, ela recebeu o Legend Award em reconhecimento ao seu "sucesso global e excelente contribuição à indústria da música". Da mesma forma, ela recebeu uma homenagem no 30º aniversário da gala ADISQ em 2008 e o prestigiado prêmio Billboard Icon no Billboard Music Awards 2016 em reconhecimento a toda a sua carreira. Foi seu filho, René-Charles, quem lhe deu o prêmio.

Dion continua sendo a artista canadense que mais vendeu na história e uma das artistas recordistas de vendas de discos, já vendeu mais de 250 milhões de álbuns em todo o mundo. Dion já recebeu inúmeros prêmios ao longo de sua carreira, fazendo dela umas das artistas mais premiadas da história da música mundial.[28][29][30]

A revista Billboard citou Dion como a "Rainha do Adulto Contemporâneo" por ter mais canções no topo da tabela Adult Contemporary Charts (11 canções nº1) , mais do que qualquer outra artista feminina num formato de rádio[31]

Dion é a artista feminina que mais arrecadou com turnês, ultrapassando Madonna.[32]

Ao longo de sua carreira, Céline Dion recebeu inúmeras premiações em reconhecimento ao seu grande sucesso. Dion é reconhecida como uma lenda viva, sendo a artista viva mais premiada de todos os tempos. As premiações incluem 12 World Music Awards, 05 Grammy Awards, 07 Billboard Music Awards, 07 American Music Awards, 20 Juno Awards e 50 Félix Awards

Carreira[editar | editar código-fonte]

1968–89: Início e primeiras gravações[editar | editar código-fonte]

Dion nasceu em Charlemagne, Quebec, Canadá,[33] e é a filha mais nova dos 14 filhos de Thérèse (née Tanguay), uma dona de casa, e Adhémar Dion, um açougueiro, ambos de ascendência franco-canadense.[34][35] Dion teve uma educação católica romana e cresceu em uma casa extremamente pobre, mas, segundo ela, muito feliz, em Charlemagne.[14][36] A música sempre fez parte da família (o nome de Dion foi originado da música "Céline" do cantor francês Hugues Aufray, gravada dois anos antes de seu nascimento[37]). Em 13 de agosto de 1973, aos cinco anos, Céline fez sua primeira apresentação pública no casamento do seu irmão Michel, onde cantou a canção "Du fil des aiguilles et du coton" de Christine Charbonneau.[38][39] Desde então, ela continuou se apresentando com seus irmãos no pequeno piano bar dos seus pais, chamado Le Vieux Baril. Ela sempre sonhou em se tornar uma cantora.[19] Em uma entrevista de 1994 a revista People, Dion disse: "Eu senti falta da minha família e da minha casa, mas eu não me arrependo de ter perdido minha adolescência. Eu tinha um sonho: queria me tornar uma cantora".[40]

Dion aos 18 anos

Aos 12 anos, Dion colaborou com sua mãe e seu irmão, Jacques, a compor sua primeira canção, "Ce n'était qu'un rêve".[36] Seu irmão, Michel Dondalinger, enviou a gravação de Dion a um gerente de artistas na indústria musical, René Angélil, cujo nome foi descoberto na parte de trás de um álbum da Ginette Reno.[9] Angélil foi às lágrimas pela voz de Dion e decidiu torná-la uma estrela.[36] Em 1981, ele hipotecou sua casa para financiar o seu primeiro disco, La voix du bon Dieu, que se tornou o mais vendido no mercado local e transformou Céline numa estrela instantânea em Quebec. Ela se tornou popular em outras partes do mundo quando competiu no World Popular Song Festival de 1982, que foi realizado em Tóquio, Japão, e ganhou o prêmio de "Melhor Performance" bem como a medalha de ouro de "Melhor Música" com "Tellement j'ai d'amour pour toi".[9]

Em 1983, ela se tornou a primeira artista canadense a receber um disco de ouro na França pelo single "D'amour ou d'amitié". Além disso, Dion ganhou diversos Félix Awards, incluindo "Melhor Performance Feminina" e "Descoberta do Ano".[9][41] O sucesso na Europa, Ásia e Austrália veio quando Dion representou a Suiça no Festival Eurovisão da Canção 1988 com a música "Ne partez pas sans moi" e ganhou o concurso.[42] Porém, o reconhecimento americano ainda estava por vir, uma vez que Dion era uma artista exclusivamente francófona.[43] Aos oito anos, após ver uma apresentação do Michael Jackson, Dion disse a Angélil queria ser uma estrela como Jackson.[44] Embora confiante de seu talento, Angélil percebeu que sua imagem precisava ser mudada para que ela fizesse sucesso ao redor do mundo.[36] Dion se afastou dos holofotes e durante esse tempo passou por uma cirurgia dentária para melhorar sua aparência e foi enviada a École Berlitz em 1989 para aperfeiçoar seu inglês.[10]

Em 1989, durante uma apresentação na Incognito Tour, Dion perdeu a sua voz. Ela consultou o otorrino William Gould,[45][46] que deu duas opções: ou ela faria uma cirurgia imediata ou não falaria nada por três semanas.[45] Dion escolheu a segunda opção e foi submetida a um treinamento vocal com William Riley.[45][45][46][46]

1990–92: Unison, Dion chante Plamondon e Celine Dion[editar | editar código-fonte]

Dois anos após aprender inglês, Dion fez sua estreia no mercado anglófono com Unison (1990) e o single do mesmo nome gravado originalmente por Laura Branigan.[9] Ela teve a colaboração de Vito Luprano e o produtor canadense David Foster no seu álbum, além de muitas outras pessoas conhecidas do ramo musical.[19] O álbum foi fortemente influenciado pela música soft rock dos anos 80, rapidamente encontrando um lugar dentro das rádios de formato adult contemporary. Unison também recebeu críticas positivas: Jim Faber do Entertainment Weekly escreveu que as vocais de Dion eram "sem enfeite mas decoradas" e que ela nunca tentou "trazer estilos fora do alcance dela".[47] Stephen Erlewine do Allmusic declarou que o álbum era "bom, uma estreia americana sofisticada".[48] Os singles do álbum incluem "(If There Was) Any Other Way", "The Last to Know", "Unison" e "Where Does My Heart Beat Now". O último citado se tornou o primeiro single de Dion a alcançar o top 10 na parada Billboard Hot 100 dos Estados Unidos, ficando na quarta posição. O álbum estabeleceu Dion como uma cantora em progresso nos Estados Unidos, na Europa Continental e Ásia.

Em 1991, Dion foi uma das solista no álbum Voices That Care, uma homenagem às tropas americanas que lutaram na Operação Tempestade no Deserto. O verdadeiro auge internacional de Dion veio quando ela fez um dueto com Peabo Bryson na faixa-título do filme animado da Disney Beauty and the Beast (1991).[49] A música transmitiu o estilo musical que Dion usaria no futuro: abrangente e clássico, influenciado por baladas com instrumentos leves. "Beauty and the Beast" se tornou um hit da crítica e do comércio, tornando-se o segundo single no top 10 dos Estados Unidos, ganhando o Academy Award por Melhor Canção Original e o Grammy Award por Melhor Performance Pop por um Duo ou Grupo com Vocais.[19]

"Beauty and the Beast" esteve presente no álbum auto-intitulado de Dion de 1992, que tinha um forte influência pop-rock com elementos de música soul e clássica. Devido ao sucesso do single líder das paradas e das colaborações com David Foster e Diane Warren, o álbum foi mais bem recebido comercialmente do que Unison. Os outros singles tiveram um sucesso moderado, incluindo "If You Asked Me To" (um cover da música de Patti LaBelle do filme de 1989 Licence to Kill), que alcançou a quarta posição no Billboard Hot 100, além de "Love Can Move Mountains" e "Nothing Broken but My Heart".

Nesse tempo, Dion também lançou o álbum francês Dion chante Plamondon. O álbum consistia em muitos covers e quatro novas canções: "Des mots qui sonnent", "Je danse dans ma tête", "Quelqu'un que j'aime, quelqu'un qui m'aime" e "L'amour existe encore". Foi originalmente lançado no Canadá e França entre 1991–1992, mais tarde sendo lançado internacionalmente em 1994. "Un garçon pas comme les autres (Ziggy)" se tornou um hit na França, ficando na segundo posição nas paradas e recebendo o certificado de ouro. Em Quebec, o álbum recebeu o certificado de ouro no dia em que foi lançado.

Em 1992, Unison, Céline Dion e inúmerias aparições na mídia levaram Dion ao estrelato na América do Norte. Ela tinha alcançando um dos seus principais objetivos: traçar seu caminho no mercado anglófono e, consequentemente, ser reconhecida.[43] No entanto, enquanto ela estava experimentando seu crescente sucesso nos Estados Unidos, seus fãs franceses do Canadá a criticaram por negligenciá-los.[19][50] Ela rebateu as críticas no Félix Awards de 1991, onde, após receber o prêmio de "Artista Inglesa do Ano", ela se recusou a receber o prêmio. Ela afirmou que ela sempre seria um artista francesa e não inglesa.[10][51] Nessa época, Angélil, empresário de Dion e 26 anos mais velho que ela, começaram a namorar. No entanto, a relação foi mantida em segredo, pois ambos tinham medo da reação do público.[52]

1993–95: The Colour of My Love e D'eux[editar | editar código-fonte]

Em 1993, Dion anunciou seus sentimentos por seu empresário, declarando que ele era "a cor do [seu] amor" na parte dedicatório do seu terceiro álbum em inglês The Colour of My Love. No entanto, em vez de receber críticas como Dion temia, os fãs apoiaram o casal.[19] Um tempo depois, Angélil e Dion se casaram em uma cerimônia extravagante em dezembro de 1994, que foi transmitida ao vivo pela televisão canadense.

The Colour of my Love conta na maior parte com músicas sobre o tema amor e romance.[53] Tornou-se o álbum mais bem sucedido de Dion naquele época, vendendo mais de seis milhões de cópias nos Estados Unidos, dois milhões no Canadá e alcançando a 1ª posição nas paradas em muitos países. O álbum também gerou o primeiro single de Dion, "The Power of Love" (um remake do hit de Jennifer Rush de 1985), que ficou na 1ª colocação nos Estados Unidos, Canadá e Austrália, e o qual se tornou a canção assinatura da cantora.[43] O single "When I Fall in Love", um dueto com Clive Griffin, teve um sucesso moderado nos Estados Unidos e nas paradas do Canadá, e foi nomeado para dois Grammy Awards, ganhando um deles. The Colour of My Love se tornou o primeiro grande sucesso de Dion na Europa, especialmente no Reino Unido. O álbum e o single "Think Twice" simultaneamente ocuparam o top das paradas britânicas por cinco semanas consecutivas. "Think Twice", que ficou na 1ª posição durante sete semanas, tornou-se o quarto single de uma artista feminina a vender mais de um milhão de cópias no Reino Unido,[54] enquanto o álbum recebeu o certificado cinco vezes platina por dois milhões de cópias vendidas.[55]

Dion manteve sua origem francesa, lançado muitas gravações francófonos entre seus álbuns ingleses.[56] Geralmente, essas gravações tinham mais credibilidade do que seus trabalhos na língua inglesa.[50] Ela lançou À l'Olympia, um álbum ao vivo gravado durante um dos seus concertos no Paris Olympia em 1994. O single promocional, uma versão ao vivo de "Calling You", alcançou a 65ª posição no French Singles Chart. Ela também gravou uma versão bilíngue para a canção "Petit Papa Noël" com Alvin and the Chipmunks para o álbum de de 1994 A Very Merry Chipmunk.

D'eux foi lançado em 1995 e se tornou o álbum mais vendido na língua francesa de todos os tempos.[56] Ele foi escrito e produzido em grande parte por Jean-Jacques Goldman e teve vários singles de sucesso, como "Pour que tu m'aimes encore" e "Je sais pas". "Pour que tu m'aimes encore" ficou na 1ª posição na França e permaneceu no top durante vinte semanas, ganhando o certificado de platina no país.[57] O single também alcançou o top 10 no Reino Unido e Irlanda, um feito raro para uma canção francesa. O segundo single do álbum, "Je sais pas", ficou na 1ª posição do French Singles Chart e ganhou o certificado de prata.[58] Essas músicas mais tarde se tornaram "If That's What It Takes" e "I Don't Know" no álbum seguinte em inglês de Dion, Falling into You.

Em meados da década de 1990 em diante, os álbuns de Dion começaram a ser elaborados tendo como base baladas melodramáticas contemporâneas para adultos.[59] Ela colaborou com muitos compositores e produtores renomados, como Jim Steinman e David Foster, que a ajudaram a desenvolver um som assinatura.[19][60] Embora os comentários dos críticos fossem variáveis, os lançamentos de Dion estavam cada vez melhores nas paradas internacionais e, em 1996, ela ganhou o World Music Award por "Melhor Artista Feminina Recordista de Vendas do Ano" pela terceira vez. Nessa época, ela se estabeleceu como uma das artistas que mais venderam no mundo.[61]

Reconhecimento internacional[editar | editar código-fonte]

Estrela de Céline Dion na Calçada da Fama.

Céline fez uma muito bem sucedida entrada no mercado estadounidense e britânico. Ela trabalhou com músicos estabelecidos como David Foster e Vito Luprano. O álbum "Unison" foi fortemente influenciado pelo soft rock dos anos 1980 e servia propriamente para ser executado nas rádios de música mais adulta; esse estilo permaneceria em vários álbuns futuros. Aclamado pela crítica quando lançado, o álbum teve excelentes vendas nos países anglófonos. O single "Where Does My Heart Beat Now" foi 4º. no Hot 100 e 2º. no Hot Adult Contemporary Tracks da Revista Billboard nos Estados Unidos. "Unison" vendeu 3 milhões de cópias[63] e foi o início de Céline como uma grande estrela musical em ascensão em vários lugares do mundo.

Em 1991, é lançado "Dion chante Plamondon", em que Céline canta clássicos do famoso compositor de língua francesa Luc Plamondon, conseguindo vários hits na França, como "L'Amour existe encore" e "Ziggy".

Quando Céline gravou em dueto com Peabo Brysona canção "Beauty and the Beast" do filme da Disney ("A bela e a fera"), acabou se tornando uma grande estrela. O single não só entrou no topo da lista dos mais vendidos da Billboard, como também ganhou o Oscar de Melhor Canção Original e 1 Grammy. "Beauty and the Beast" foi lançado como single do segundo álbum de língua inglesa da cantora, o "Céline Dion", que se tornou um sucesso instantâneo de vendas do ano de 1992, vendendo mais de 5 milhões de cópias[64] e trazendo grandes hits além de "Beauty and The Beast": "If You Asked Me To" (topo nas rádios norte-americanas), "Love Can Move Mountains", "Nothing broken but my Heart" e "Water from the Moon".

No fim do ano de 1992, as aparições de Céline na televisão e os seus dois bem sucedidos álbuns a transformaram na maior estrela do ano, nos Estados Unidos e no Reino Unido. Ela conseguiu o que havia pensado: cantar para todos, entrar no mercado musical norte-americano e estabelecer grande fama.

Naquele momento, certo segredo da vida pessoal de Céline era escondido, já que ela se encontrava apaixonada pelo seu agente, Rene Angélil. O relacionamento foi mantido em segredo do público, já que René era 26 anos mais velho e a cantora temia que seus fãs pudessem ser contra o casal, porém, quando o relacionamento dos dois foi descoberto, os seus fãs acolheram muito bem os dois.

No fim do ano de 1993, é lançado o álbum "The Colour of my Love", em que Céline, declara seu amor até então escondido pelo seu empresário, no interior da capa do álbum. Nessa altura, tornou-se numa das maiores cantoras populares de todos os tempos . "The Colour of my Love" vendeu mais de 16 milhões de cópias[65] e nele se encontra grandes sucessos, como, número 1 na Billboard "The Power of Love" e "Think Twice" (número 1 no Reino Unido). Céline ganhou diversos prémios durante esse ano, como American Music Awards, World Music Awards, várias nomeações para Grammys, e a nomeação para 2 Oscar com "When I Fall in Love" (tema do filme "Sintonia de Amor") .

Em 1995, Céline dedicou-se aos seus fãs de língua francesa, lançando "D'eux/The French álbum", que se tornou o álbum mais vendido de toda história da música francesa.

Em 1996, Céline é convidada a cantar o tema dos Jogos Olímpicos de Verão de 1996, em Atlanta, "The Power of the Dream".

Falling into You[editar | editar código-fonte]

Lançado em meio ao seu auge, o álbum "Falling into You", que inclui vários mega-hits mundiais como "Because You Loved Me" (número 1 na Billboard), "It's all Coming Back to me Now", "All by Myself"… "Falling into You" vendeu 32 milhões de cópias. Ganhando vários prémios como 2 Grammys, 4 American Music Awards, 3 World Music Awards e uma indicação ao Oscar por Melhor Canção Original por "Because you Loved Me",(tema do filme "Íntimo e Pessoal").

Em 1997, Dion é convidada para cantar o tema do filme "Titanic" "My Heart Will Go On", 1°. lugar na Billboard e também vencedora do Oscar pela segunda vez em 1997. No álbum Let's Talk About Love , que contém a canção-tema de "Titanic", também se encontram outras pérolas, como os duetos com Barbra Streisand ("Tell Him"), Luciano Pavarotti ("I Hate you then I Love you") e com o Bee Gees ("Immortality"). Vários outros sucessos foram atingidos em 1998 como "Immortality", "The Reason", "To Love You More" que fizeram o álbum vender mais de 31 milhões de cópias e colecionar 2 Grammys, 3 American Music Awards, 4 World Music Awards, 1 Globo de Ouro e muitos outros prémios.

A partir de 1998, Dion só se apresenta em grandes estádios com uma média de 45 a 200 mil pessoas por apresentação. No mesmo ano, é lançado o álbum francês "S'il suffisait d'aimer", de grande sucesso de crítica e de vendas, mantendo Céline Dion a maior estrela de língua francesa. No fim de 1998, Céline gravou o seu álbum natalino, "These are Special Times", cheio de composições inéditas e clássicos; contendo "The Prayer" (dueto com Andrea Bocelli), nomeada ao Oscar e vencedora de 1 Globo de Ouro, e "I'm Your Angel" (dueto com R. Kelly), número 1 na Billboard. "These are Special Times" vendeu 16 milhões de copias, se tornando o segundo álbum natalino mais vendido de todos os tempos, atrás apenas de Merry Christmas da cantora Mariah Carey.[66]

Pausa na carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1999, o seu marido René Angelil foi diagnosticado com câncer de laringe e a artista toma a difícil decisão de parar por um tempo indeterminado a sua carreira para cuidar do seu marido e também ter seu primeiro filho. Nesse espaço de tempo é lançada uma pequena coletânea dos seus maiores sucessos em inglês, "All The Way ... A Decade Of Song", que inclui o mega-sucesso "That's The Way It Is" e o tema do filme "O Homem Bicentenário" "Then You Look At Me". "All The Way ... A Decade of Song" se tornou uma das coletâneas mais vendidas da história com 20 milhões de cópias vendidas.

Em Setembro de 2001, a artista é convidada para cantar "God Bless America" no espetáculo de beneficência em homenagem às vítimas do ataque terrorista do World Trade Center. Céline foi a última a cantar, fechando a homenagem.

Ainda em 2001, participou do projeto United We Stand, organizado pelo astro Michael Jackson. Ela participou da canção e clipe What More Can I Give, com outros artistas.

Regresso à carreira[editar | editar código-fonte]

Céline Dion durante a Taking Chances Tour concerto em Bell Centre, Montreal, em 19 de agosto de 2008.

Em 2002, Céline volta aos palcos com o álbum "A New Day Has Come" dedicado ao nascimento de seu primeiro filho, René Charles. "A New Day Has Come" estreou como número 1 na Billboard e em mais de 27 países e vendeu cerca de 10 milhões de copias mundialmente.[67] Em março de 2003, estréia em Las Vegas, o espetáculo "A New Day...", onde uma réplica do Coliseu de Roma foi construída especialmente para Dion cantar as suas canções em conjunto com dezenas de dançarinos, e vários efeitos especiais. O multimilionário espetáculo, que fez Céline lucrar apenas em contrato inicial mais de 100 milhões de dólares, ficou em cartaz por 5 anos - o contrato inícial era de três anos e foi prolongado por mais dois anos, devido ao enorme sucesso junto ao público, ficando em cartaz até 15 de Dezembro de 2007. "A New Day..." foi visto por mais de três milhões de espectadores. Céline Dion encerrou as apresentações do concerto "A New Day" em 15 de dezembro de 2007.

Ainda em 2003, é lançado o álbum "One Heart", que inclui "I Drove All Night", "One Heart" e "Have you Ever Been in Love". Mundialmente o álbum vendeu 5 milhões de cópias.[68] No ano seguinte, e Céline foi contratada Chrysler para estrelar os comercias da empresa, se tornou a figura principal dos mesmos, que também passaram a ser embalados pelo sucesso "I Drove All Night", o valor do contrato foi de 180 milhões de dólares. No fim de 2003, foi lançado o álbum em francês "1 Fille & 4 Types", que inclui canções dos maiores compositores da língua francesa, tornando-se um grande sucesso comercial. Em 2004, em parceria com uma famosa fotógrafa Anne Geddes, a cantora lança um trabalho em homenagem aos recém-nascidos, com o título de "Miracle - A celebração de uma nova vida", no qual contém um livro com 180 fotos, um CD com canções interpretadas por Céline e um DVD com todo making of. O álbum vendeu mais de 2,5 milhões de cópias em todo o mundo.[69] Em 2005 é lançado o álbum "On ne change pas", com os grandes sucessos em francês da artista, com destaque para uma canção inédita, "Je ne vous oublie pas".

Em maio de 2007, Dion lançou um novo CD em francês com título "D'elles" (700 000 cópias vendidas).

No dia 12 de novembro de 2007, Céline Dion lançou o seu novo e aguardado álbum em inglês, "Taking Chances", que vendeu mais de 3 milhões de cópias.[70] No dia 12 de dezembro de 2007, o aguardado DVD "A New Day… Live In Las Vegas" foi lançado mundialmente, que vendeu mais de 1 milhão de cópias.[71]

Céline Dion começou sua turnê mundial "Taking Chances" na África do Sul, com um espetáculo em comemoração ao aniversário de Nelson Mandela. A "Taking Chances World Tour", ao todo, passou por mais de 29 países, e 132 apresentações. Encerrou em 26 de Fevereiro de 2009, com uma apresentação em Omaha, nos Estados Unidos.

Em 24 de outubro de 2008, Dion lançou a terceira coletânea em inglês, "My Love: Essential Collection", vendido a mais de 2 milhões de cópias.[72]

Depois de uma turnê mundial que rendeu mais de 300 milhões de dólares em um ano, Céline está aproveitando uma nova pausa em sua carreira, de dezoito meses, que vai aproveitar para tentar ter o seu segundo filho. Celine teve um aborto espontâneo nos primeiros meses de gestação. Após este aborto, Dion engravidou, dando à luz os gêmeos Nelson e Eddy no dia 23 de outubro de 2010.[73]

No dia 27 de Fevereiro de 2011, Céline participou pela 7ª vez da festa do Óscar, tornando-se a artista que mais se apresentou nos Prêmios da Academia. Ela cantou a música "Smile", de Charles Chaplin, durante o 'In Memorian' (momento no qual há uma homenagem às pessoas ligadas ao cinema que faleceram no ano anterior). Além disso, Céline também tornou-se a pessoa que mais participou do famoso programa da Oprah, o Oprah Winfrey Show.

Dion voltou ao Caesar's Palace, em Las Vegas, para residir por mais três anos no Coliseum, onde ela se apresentou com o show "A New Day... Live in Las Vegas". Ela atualmente apresenta o novo espetáculo, que se chama "Céline", junto a uma orquestra de 31 músicos. A nova temporada de shows teve início no dia 15 de Março de 2011 e conta com vários efeitos, incluindo a holografia, luzes laser centrais, situações em 4D e uma queda d'água durante a música My Heart Will Go On ('Titanic' Theme), que encerra o concerto.

O espetáculo é sucesso de crítica e arrecadou 89 milhões de dólares somente nas primeiras 50 apresentações. O repertório está recheado de vários sucessos, incluindo "Where Does My Heart Beat Now", uma de suas primeiras músicas em inglês. Também há homenagens a outros artistas, como nas músicas "Ne Me Quitte Pas" (Jacques Brél), "You'll Have To Swing It (Mr. Paganini)" (Ella Fitzgerald), dentre outras. Há também um medley de músicas-tema de filmes do James Bond.

Depois de uma polêmica envolvendo Daniel Merriweather sobre a música "Water And A Flame", que seria a música título do novo álbum de Céline em inglês, Dion lançou no dia 5 de novembro de 2013 "Loved Me Back To Life", que vendeu 1,5 milhões de cópias.[74]

Em 13 de agosto de 2014, a cantora confirma em seu site oficial o cancelamento de todos os shows de seu show "Céline" em Las Vegas, assim como a prevista turnê na Ásia previamente anunciada, para cuidar da saúde de seu marido, operado em dezembro de 2013 para remover um tumor cancerígeno na garganta. A decisão pôs a carreira de Céline em hiato, assim como aconteceu antes de "A New Day Has Come".[75]

Em meados de 2015 seu marido e Renè Angélil foi diagnosticado novamente com câncer de garganta, o que levou Céline Dion a interromper sua turnê em Las Vegas para se dedicar integralmente ao marido. O prognóstico ainda era incerto, segundo entrevista dada por Céline. Mais tarde, em agosto de 2015, René declara que quer morrer nos braços de Celine, a qual, por desejo do marido, retoma sua turnê em Las Vegas.

Renè Angélil faleceu na mansão do casal, em Las Vegas, no dia 14 de janeiro de 2016, aos 73 anos de idade. O Governo do Quebec ofereceu um funeral de Estado em homenagem à contribuição do marido de Céline ao país. A cerimônia foi realizada na basílica de Notre Dame, em Montreal, no Canadá, a mesma em que o casal celebrou o matrimônio.

Não obstante, o drama de Céline não parecia ter fim, assim, dois dias após a perda de Renè, seu irmão Daniel Dion (59) também veio a faleceu, vítima do câncer.

A revista Billboard publicou em janeiro de 2016 a sua tabela semanal com os concertos mais lucrativos reportados na última semana, sendo que Celine Dion com o Show Celine (Las Vegas) apareceu em 1º lugar, atingindo dois números importantes: 250 concertos e 1 milhão de bilhetes vendidos.

Pouco mais de um mês após ficar viúva e perder um irmão, Celine Dion voltou aos palcos na noite de terça-feira 23/02/2016, no The Colosseum, em Las Vegas, nos Estados Unidos. A emoção tomou conta da apresentação diversas vezes, mas o momento mais intenso foi durante a música "All By Myself". A estrela não se conteve e não conseguiu terminar o hit, caindo no choro e sendo ovacionada pelo público.

No dia 22 de maio de 2016, o Billboard Music Awards, patrocinado pela revista Billboard, cerimônia que premia anualmente artistas do mundo da música, condecorou a cantora com o Icon Awards, um prêmio em reconhecimento à importância de sua carreira. Durante o anúncio da categoria, feito pelo cantor Seal, o músico convidou o filho mais velho da artista, René-Charles Angelil, de 15 anos, para a entrega do troféu – levando Dion e o público às lágrimas. Em seguida, a cantora, em colaboração da violinista Lindsey Stirling, fez uma performance da faixa “The Show Must Go On”, do Queen, em homenagem ao seu marido, e foi novamente ovacionada pelo público. A apresentação foi a mais impactante da noite, segundo a Billboard.

Celine Dion é a segunda mulher a receber o Icon Awards, a primeira foi Jennifer Lopez. O prêmio é entregue desde 2011 e já homenageou os artistas Neil Diamond, Stevie Wonder e Prince.

Uma semana antes da apresentação, Celine havia lançado a versão em estúdio da canção "The Show Must Go On", feita em colaboração da violinista Lindsey Stirling. No dia 24 de maio de 2016 é lançado o single em francês "Encore Un Soir", que alcançou o topo dos charts do itunes na França, Suíça, Canadá e Bélgica.

No mês seguinte, ela estreou "Recovering ", uma música escrita por Pink em homenagem ao falecido marido de Dion.  A música foi comercializada como a primeira faixa de seu próximo registro em inglês que, na época, foi projetada para lançamento em 2017.

Ela a apresentou durante o evento ao vivo do Stand Up to Cancer em 9 de setembro 2016. Em março de 2017, "How Does a Moment Last Forever ", de Dion, foi lançado na trilha sonora de A Bela e a Fera: Filme Original. Dion também embarcou em duas turnês de verão no Canadá e na Europa em 2016 e 2017. Em 2018, ela lançou "Ashes " do filme de super-herói americano Deadpool 2 e viajou pela Ásia, Austrália e Nova Zelândia. Em setembro de 2018, Dion anunciou o fim de sua residência em Las Vegas, Celine, com a data final marcada para 8 de junho de 2019

Arte[editar | editar código-fonte]

Influências[editar | editar código-fonte]

Dion cita ídolos tão variados como Aretha Franklin, Charles Aznavour, Carole King, Anne Murray, Barbra Streisand e os Bee Gees, todos com quem ela eventualmente colaboraria[76]. Sua música foi influenciada por vários gêneros, incluindo pop, rock, gospel, R&B e soul, e suas letras enfocam temas de pobreza, fome mundial e espiritualidade, com ênfase no amor e romance[77]. Após o nascimento de seu primeiro filho, seu trabalho se concentrou cada vez mais no amor materno[78][79][80][81]

Estilo Musical[editar | editar código-fonte]

Dion tem enfrentado críticas consideráveis ​​dos críticos, que afirmam que sua música muitas vezes se retrai para trás das convenções pop e soul, e é marcada por um sentimentalismo excessivo[82][83]. De acordo com Keith Harris da revista Rolling Stone, "o sentimentalismo [de Dion] é bombástico e desafiador, em vez de recatado e reservado ... [ela] está no fim da cadeia de devolução drástica que vai de Aretha-Whitney-Mariah. Longe de ser uma aberração, Dion na verdade se destaca como um símbolo de um certo tipo de sensibilidade pop - quanto maior, melhor, demais nunca é suficiente, e quanto mais madura a emoção, mais verdadeira[84]. " Seus lançamentos francófonos, em contraste, tendem a ser mais profunda e variada do que seus lançamentos em inglês e, conseqüentemente, alcançou mais credibilidade.[85]

Os críticos afirmaram que o envolvimento de Dion no aspecto da produção de sua música é fundamentalmente inexistente, o9 que resulta em seu trabalho sendo superproduzido [86]e impessoal[87]. No entanto, vindo de uma família na qual todos os seus irmãos eram músicos, ela se dedicou a aprender a tocar instrumentos como piano e violão, e praticou com uma Fender Stratocaster durante as sessões de gravação de seu álbum Falling into You. [88]

Ocasionalmente, Dion contribuiu para a escrita de um punhado de suas canções em inglês e francês, bem como para escrever algumas canções para outros artistas, como Marc Dupre. Além disso, conforme sua carreira progredia, ela se viu assumindo o comando da produção de seus álbuns. Em seu primeiro álbum em inglês, que ela gravou antes de ter um domínio firme da língua inglesa, ela expressou desaprovação, o que poderia ter sido evitado se ela tivesse assumido uma contribuição mais criativa.[89] Quando ela lançou seu segundo álbum em inglês, Celine Dion, ela havia assumido mais controle do processo de produção e gravação, na esperança de dissipar as críticas anteriores. Ela declarou: “No segundo álbum eu disse, 'Bem, eu tenho a escolha de ter medo mais uma vez e não ser 100% feliz, ou não ter medo e fazer parte deste álbum.' Este é o meu álbum[90]. "Além de suas contribuições para alguns de seus primeiros álbuns franceses, Dion escreveu algumas das canções de Let's Talk About Love (1997) e These Are Special Times (1998). [91]

Ela é frequentemente alvo de ridículo [92]e paródia na mídia e é freqüentemente representada em programas como MADtv, Saturday Night Live, South Park, Royal Canadian Air Farce e This Hour Has 22 Minutes por seu forte sotaque e gesticulações no palco. No entanto, ela afirmou que não foi afetada pelos comentários e fica lisonjeada que as pessoas se dêem ao trabalho de se passar por ela.[93] Ela até convidou Ana Gasteyer, que a parodiou no SNL, para aparecer no palco durante uma de suas apresentações em Nova York. Embora raramente seja politicamente aberta, em 2005, após o desastre do furacão Katrina, Dion apareceu no Larry King Live e criticou com lágrimas a resposta lenta do governo dos EUA em ajudar as vítimas do furacão: "Ainda há pessoas esperando para serem resgatadas. Para mim, não é aceitável ... Como pode ser tão fácil enviar aviões em outro país para matar todos em um segundo e destruir vidas. Precisamos servir nosso país. [94]"Depois de sua entrevista, ela declarou:" Quando eu faço entrevistas com Larry King ou grandes programas de TV como esse, eles colocam você no local, o que é muito difícil. Eu tenho uma opinião, mas sou um cantora.Não sou um político. "[95]

Voz e Timbre[editar | editar código-fonte]

Dion é frequentemente considerada uma das vocalistas mais influentes da música pop[96].De acordo com Linda Lister em Divafication: The Deification of Modern Female Pop Stars, ela foi descrita como a "Rainha do Pop" reinante por sua influência na indústria fonográfica durante os anos 1990, ao lado de outras artistas femininas, incluindo Whitney Houston e Mariah Carey[97]. Em uma contagem regressiva das "22 Maiores Vozes da Música" da Blender Magazine e MTV, ela ficou em nono lugar (sexta para uma mulher), e ela também foi colocada em quarto lugar na lista da Cover Magazine dos "100 Maiores Vocalistas do Pop"[98][99] Dion é frequentemente comparada a Houston e Carey por seu estilo vocal, e a seu ídolo Barbra Streisand por sua voz. [100]

Ela possui um alcance vocal de três oitavas, variando de B2 a E ♭ 6. Certa vez, ela afirmou ser meio-soprano[101]. No entanto, as tentativas de adaptar os tipos de voz clássicos a outras formas de canto encontraram polêmica[102]. Sem fazer uma classificação, Kent Nagano, maestro da Orquestra Sinfônica de Munique, observou: "Tudo o que você acabou de cantar foi soprano lírico, depois que Dion fez o teste com dois solos de Carmen, querendo saber se ela cantava ópera[103]. Seu timbre foi descrito como "fino, ligeiramente nasal"[104] com um registro inferior "rouco" e "notas agudas semelhantes a um sino de vidro". [105]

Ela é frequentemente elogiada por seu virtuosismo técnico[106]. Jim Santella, do The Buffalo News, escreveu "Como um punho de ferro em uma luva de veludo, o poder da voz de Celine Dion está envolto em um vibrato sedoso que trai a intensidade de seu compromisso vocal.[107]" Jeff Miers, também do The Buffalo News , diz de Dion "Sua voz cantando é absolutamente extra-humana. Ela atinge as notas com voz plena, com um vibrato controlado e uma concepção incrível de altura, como se estivesse descascando uma espiga de milho.[108]" Stephen Holden do The New York Times afirma que Dion tem "um tamanho de habilidades técnicas. Ela pode entregar melismas complicados, produzir capturas vocais expressivas e sustentar notas longas sem a menor oscilação de tom. E como seus duetos ... mostraram, ela é uma pessoa confiável harmonia voz.[109] " Em uma entrevista com o Libération, Jean-Jacques Goldman observa que ela" não tem nenhum problema de precisão ou ritmo[110] ". Segundo Kent Nagano, ela é "uma musicista de bom ouvido, requinte e um grau de perfeição invejável[111]". Charles Alexander of Time afirma, "[Sua] voz desliza sem esforço de sussurros profundos para notas agudas mortas, uma doce sereia que combina força com graça." [112]

Em seu repertório francês, Dion adorna seus vocais com mais nuances e expressividade, sendo a intensidade emocional "mais terna e íntima". [113]

Legado[editar | editar código-fonte]

Estrela de Céline Dion na Calçada da Fama.

Dion é considerada uma das vocalistas mais influentes da música pop. Linda Lister a descreve como uma Rainha do Pop reinante por sua influência sobre a indústria fonográfica durante os anos 1990[115]. Sua música e estilo vocal, junto com Whitney Houston e Mariah Carey, moldam a forma como a maioria das vocalistas pop modernas canta. Essas três artistas foram amplamente creditados por reviver a balada poderosa e, ao fazê-lo, remodelar o formato de rádio adulto contemporâneo, tornando-o um dos formatos mais populares dos anos 1990 e início dos anos 2000. De acordo com o produtor, músico e ex-juiz do American Idol Randy Jackson, Dion, Houston e Carey são as vozes da era moderna[116]. O crítico musical e biógrafo de Dion Carl Wilson observa que sua "fama e influência também são renovadas e expressas regularmente nos dias de hoje pelo American Idol, o maior fenômeno musical de massa da última década, onde Celine destacou solidamente em seu panteão de cantoras para os jovens imitarem [117]".  Muitos competidores nas incontáveis ​​competições de talentos televisionadas que surgiram na virada do milênio frequentemente imitam Dion, Houston e Carey e os citam como ídolos[118].  Numerosos artistas mencionaram Dion como uma grande influência ou como um de suas cantoras favoritas, incluindo: Britney Spears[119]Rihanna[120], Christina AguileraFrank Ocean[121], Adele[122], Josh Groban[123], Delta Goodrem[124], Jordin SparksLeona Lewis[125]Jessie J[126]JoJo[127], Lea Michele[128]Jennifer Hudson[129]Ariana GrandeRegine Velasquez, Taylor SwiftVanessa Hudgens[130], The Canadian Tenors, Faith Hill, Katy Perry, Sevyn Streeter, Kelly Clarkson[131]Ava Max[132]Perrie Edwards[133] , Loren Allred[134] e Sam Smith [135] entre muitos outros. A cantora country Martina McBride é amplamente anunciada pela imprensa como a Celine Dion da música country. Muitos artistas também elogiaram a voz de Dion, sua habilidade para cantar ou expressaram interesse em trabalhar com ela, incluindo o maestro e diretor musical do Met Opera Yannick Nézet-Séguin[136]Beyoncé[137], Carlos Santana[138], Elton JohnOneRepublic[139], Coldplay[140], Sharon Osbourne[141], Nicole Scherzinger[142]Ne-Yo[143], Carole KingBarbra StreisandLuciano PavarottiBee GeesSir George MartinJustin Bieber[144],  Jean-Jacques Goldman,  e Cher.

Timbaland afirmou "Celine tem uma voz tão linda e hipnotizante. Ela é tão talentosa. Acho que poderíamos criar algo que é um clássico como ela já é." Josh Groban comentou "Ela é uma potência. Nos dias de hoje, quando mais e mais vozes minúsculas produzidas em estúdio estão sendo recompensadas ... ela tem este instrumento extraordinário.[145]"

Impacto Cultural[editar | editar código-fonte]

A nível cultural, Dion é creditada por introduzir a música francófona em muitos países não francófonos em todo o mundo. Seus álbuns D'eux e S'il suffisait d'aimer continuam sendo os álbuns francófonos mais vendidos da história, obtendo um sucesso sem precedentes em mercados não francófonos, como Reino Unido, Polônia, Holanda, Portugal, Grécia, Áustria, Japão e Nova Zelândia. De acordo com a RFI Musique, ela "fez sua parte pela música francesa ao longo dos anos, garantindo o sucesso das canções francesas que provavelmente nunca teriam ultrapassado as fronteiras francófonas sem ela ... Sem Celine, as vendas de discos franceses seriam dramaticamente menores!"[146] Em maio de 2008, ela recebeu o maior prêmio da França, a Legião de Honra, do presidente da França, Nicolas Sarkozy. [147]Sarkozy elogiou Dion e afirmou: "A França agradece porque seu talento e sucesso contribuíram para a influência da língua francesa fora de nossas fronteiras"[148]. Ela também é creditada por revitalizar e revolucionar a cena do entretenimento em Las Vegas com os sucessos gigantescos de suas residências lá. Ela conseguiu voltar a popularizar a "residência" em Las Vegas como uma forma desejável para os principais artistas fazerem turnês no local, permitindo que seus fãs fossem até eles. Ao longo dos anos, outros ícones estabelecidos, como Elton John, Bette Midler, Rod Stewart, Cher e Shania Twain seguiram o exemplo[149]. De acordo com Gary Bongiovanni, presidente e editor-chefe da Pollstar "Celine redefiniu o que os artistas podem fazer em Las Vegas, ajudando a torná-la indiscutivelmente a cidade de entretenimento mais movimentada do mundo[150]. " Em 2013, até mesmo a pop star Britney Spears havia anunciado uma residência em Las Vegas, consolidando ainda mais a extensão da influência de Dion na cidade como capital do entretenimento[151].

Kurt Melien, vice-presidente de entretenimento do Caesar's Palace afirmou "Celine foi uma pioneira sem dúvida ... Vinte anos atrás, não poderíamos ter alguém da estatura de Britney Spears para aparecer em Vegas. Estrelas como ela nunca teriam pensado se Celine não tivesse pavimentado o caminho. Ela mudou a face da Las Vegas moderna[152].Sobre seu impacto financeiro em Las Vegas, Stephen Brown, diretor do Centro de Pesquisa Econômica e Empresarial de Las Vegas, comentou" As pessoas vão à cidade só por ela e vão gastar dinheiro e, como consequência, tem um impacto descomunal na economia ”, acrescentando“ Maior que Elvis, Sinatra e Liberace juntos? Com ​​certeza ”. As estimativas indicam que o show de Dion criará até 7.000 empregos indiretos e cerca de US $ 114 milhões em novas atividades econômicas em cada um dos três anos para os quais ela foi contratada[153].

Celine Dion recebeu vários elogios dos críticos de moda por reinventar seu estilo de moda ao longo dos anos. Desde seu renascimento da moda no final da década de 2010, vários críticos de moda e blogs a apelidaram de a Nova Rainha da Moda. O Guardian a chamou de "The Joyous New Queen of Fashion"[154]. A Harper's Bazaar também elogiou Dion por ser uma grande corretora de riscos da moda e a chamou de "Camaleão da Moda"[155]. A Billboard a apelidou de "Ícone do Street wear" após recapitular a evolução do estilo do ícone global ao longo dos anos[156]. A Vogue a considerou uma das mais exuberantes vestidoras da música, amada tanto por sua voz gloriosa quanto por seu extravagante senso de estilo[157]. O estilista de moda e arquiteto de imagens Law Roach elogiou Celine Dion, chamando-a de "Rainha do acampamento" e "Rainha do brilho e lantejoulas"[158].

Dion consolidou ainda mais seu nome no mundo da moda ao usar o smoking reverso no Oscar de 1999, que se tornou um dos conjuntos mais falados da época. A Vogue também listou seu icônico smoking reverso de 1999 como um dos looks mais polêmicos de todos os tempos, dizendo que foi inegavelmente o destaque do ano. WMagazine também listou o conjunto icônico como um dos vestidos mais memoráveis ​​de todos os tempos[159]. Aliás, em fevereiro de 2020, Sergio Guadarrama (concorrente do Projeto Runway) copiou a ideia do smoking reverso e afirmou que era sua ideia original e chegou a alegar que não tinha ideia do icônico smoking, que deixou os fãs do show desapontado[160].

O grupo canadense de comédia musical, The Arrogant Worms, lançou um álbum chamado Dirt em 1999, que continha uma canção chamada "Celine Dion", sobre a afeição de um perseguidor dos cantores por ela[161].Em 1999, Dion recebeu uma estrela na Calçada da Fama do Canadá e foi introduzida no Canadian's Broadcast Hall of Fame[162] . Ela recebeu uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood em janeiro de 2004, que ela dedicou a seu pai, que havia morrido no mês anterior. Em maio de 2003, ela ficou em 10º lugar na lista das "50 maiores mulheres da era do vídeo" da VH1[163]. Ela foi classificada em 64º na lista dos "200 maiores ícones da cultura pop de todos os tempos" O álbum Falling into You de Dion está incluído na lista Definitive 200 do Rock and Roll Hall of Fame.[164]

"My Heart Will Go On" foi incluído na lista de Songs of the Century, pela Recording Industry Association of America e pelo National Endowment for the Arts. Em 2007, Dion foi classificada pela Forbes como a quinta mulher mais rica em entretenimento, com um patrimônio líquido estimado de US $ 250 milhões, embora a classificação omitisse celebridades aposentadas ou não trabalhadoras[165]. Em agosto de 2008, ela recebeu um doutorado honorário em música da Université Laval na cidade de Quebec[166]. Em outubro de 2010, Dion foi Embaixadora da Boa Vontade, um programa criado pela ONU em 1999, compartilhando este prêmio com a vencedora do Oscar, Susan Sarandon[167]. Ela também recebeu várias condecorações estaduais. Em 2004, ela recebeu o prêmio pelo conjunto de sua obra da Society of Singers.

Em 26 de julho de 2013, ela foi premiada com a classificação mais alta da Ordem do Canadá, a Companheira da Ordem do Canadá, pelo Governador Geral do Canadá e a cerimônia de investidura foi realizada na Citadelle de Quebec[168], na qual eles disseram: "Uma artista incomparável, ela é igualmente conhecida por sua compaixão, generosidade e compromisso com uma série de causas sociais e humanitárias. Ela é notavelmente a patrocinadora nacional da Fibrose Cística do Canadá e patrocinadora honorária do CHU Sainte-Justine. Além disso, através sua fundação, ela também ajuda crianças necessitadas e suas famílias no Canadá e no exterior[169]. "A West University of Timisoara conduziu um estudo de pesquisa que analisa a notável contribuição de Céline Dion para a cultura musical global em termos espaciais e temporais. , no mesmo ano em que ela foi introduzida no Gaming Hall of Fame. [170]

Filantropia e Outras Atividades[editar | editar código-fonte]

Filantropia[editar | editar código-fonte]

Dion apoiou ativamente muitas organizações de caridade em todo o mundo. Ela tem promovido a Fundação Canadense de Fibrose Cística (CCFF) desde 1982, e se tornou a celebridade Patronal da fundação em 1993[171]. Ela tem um apego emocional à fundação; sua sobrinha Karine sucumbiu à doença aos dezesseis anos, nos braços de Dion. Em 2003, ela se juntou a várias outras celebridades, atletas e políticos, incluindo Josh Groban e Yolanda Adams para apoiar o "Dia Mundial da Criança", um esforço global de arrecadação de fundos patrocinado pelo McDonald's. O esforço arrecadou dinheiro de mais de 100 nações e beneficiou orfanatos e organizações de saúde infantil. Além disso, ela tem apoiado muito a Fundação T. J. Martell, o Fundo Memorial Diana Princesa de Gales e muitas campanhas educacionais e de saúde. Durante as consequências do furacão Katrina, ela doou US $ 1 milhão às vítimas da tempestade e realizou um evento de arrecadação de fundos para as vítimas do tsunami asiático de 2004, que posteriormente arrecadou mais de US $ 1 milhão[172]. Após o terramoto de Sichuan em 2008, ela doou US $ 100.000 para o Fundo para Crianças e Adolescentes da China e enviou uma carta mostrando seu consolo e apoio[173]. 2004, ela está envolvida, ao lado do marido René Angelil, com a comunidade gay de Québec, apoiando a publicação de materiais de saúde e prevenção do HIV na Gay Globe Magazine, de propriedade do jornalista Roger-Luc Chayer[174]. Ela também é membro da instituição de caridade canadense Artists Against Racism[175]. Em novembro de 2018, ela lançou uma linha de roupas de gênero neutro para crianças, Celinununu[176].

Empreendimentos[editar | editar código-fonte]

Les Productions Feeling Inc., também conhecida como Feeling Inc. ou apenas Feeling, é uma empresa de gerenciamento de artistas com sede em Laval, Québec, Canadá, de propriedade de Dion e seu marido e empresário, Rene Angélil. Ela também é fundadora da rede de alimentos Nickels Restaurant. Ela e o marido também são proprietários do Le Mirage Golf Club e do Schwartz's Restaurant. Em associação com Andre Agassi, Steffi Graf e Shaquille O'Neal, ela abriu uma boate popular chamada Pure, localizada no Caesars Palace[177]. Dion tornou-se empreendedora com o estabelecimento de seu restaurante franquia Nickels em 1990. Desde então, ela se desfez de seus interesses na rede e não é mais afiliada da Nickels em 1997[178]. Em 2003, Dion assinou um acordo com a Coty, Inc. para lançar Celine Dion Parfums[179]. Sua fragrância mais recente, Signature, foi lançada em setembro de 2011 [180]com uma campanha publicitária da agência de Nova York Kraftworks NYC[181]. Desde a sua criação, Celine Dion Parfums arrecadou mais de $ 850 milhões em vendas no varejo[182]. Em outubro de 2004, a Air Canada contratou a Dion como parte de sua campanha promocional para revelar novos produtos de serviço e uma pintura atualizada. "You and I", a música tema cantada por Dion, foi escrita por executivos de publicidade que trabalham para a Air Canada. [183]

Turnês e Residências[editar | editar código-fonte]

  • Les chemins de ma maison (1983–1984)
  • Céline Dion en concert (1985)
  • Tournée Incognito (1988)
  • Unison Tour (1990–1991)
  • Celine Dion in Concert (1992–1993)
  • The Colour of My Love Tour (1994–1995)
  • D'eux Tour (1995–1996)
  • Falling into You: Around the World (1996–1997)
  • Let's Talk About Love World Tour (1998–1999)
  • A New Day(2003-2007)
  • Taking Chances World Tour (2008–2009)
  • Celine(2011-2019)
  • Tournée Européenne 2013
  • Summer Tour 2016
  • Celine Dion Live 2017
  • Celine Dion Live 2018
  • Courage World Tour (2019–2021)

Banda de apoio[editar | editar código-fonte]

Instrumento Integrantes
Piano Claude 'Mégo' Lemay
Guitarra André Coutu
Baixo Marc Langis
Percussão Paul Picard
Bateria Dominique Messier
Teclado Yves Frulla
Violino Jean Sebastien Carré
Vozes ornamentais
Integrantes
Barnev Valsaint
Élise Duguay
Julie Leblanc

Discografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discografia de Céline Dion

Álbuns de estúdio em francês

Álbuns de estúdio em inglês

Referências

  1. Joe Lynch (12 de fevereiro de 2014). «Madonna Bests Paul McCartney As World's Richest Recording Artist». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 26 de setembro de 2020 
  2. Céline Dion chanté de l'opera pour Kent Nagano LaPresse (em francês)
  3. The difference between Alto and Soprano voices Hub Pages
  4. "Dion, Celine". Collins English Dictionary – Complete and Unabridged 10th Edition, 2009.
  5. «Celine Dion (Canadian Singer)». Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica, Inc. Consultado em 25 de setembro de 2013 
  6. «Céline Dion signe le single de Marc Dupré : Ecoutez 'Entre deux mondes'». Evous.fr. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  7. Beaunoyer, Jean (2004). René Angélil: The Making of Céline Dion: the Unauthorized Biography. [S.l.]: Dundurn. p. 233. ISBN 978-1-55002-489-0. Consultado em 25 de setembro de 2013 
  8. Beaunoyer, Jean (2004). René Angélil: The Making of Céline Dion: the Unauthorized Biography. [S.l.]: Dundurn. p. 233. ISBN 978-1-55002-489-0. Consultado em 25 de setembro de 2013 
  9. a b c d e «Céline Dion Biography». Canoe Jam!. Consultado em 8 de junho de 2012 
  10. a b c «The Canadian Encyclopedia». Céline Dion Biography. Consultado em 8 de junho de 2012 
  11. Bliss, Karen. "25 Years of Canadian Artists." Canadian Musician. 1 de março de 2004, p. 34. ISSN: 07089635
  12. «Eurovision Winners». Baltics Worldwide. 2007. Consultado em 8 de junho de 2012 
  13. Taylor, Chuck. "Epic/550's Dion offers Hits." Billboard. 6 de novembro de 1999, p. 1.
  14. a b c "«The Ultimate Diva». CNN. Consultado em 8 de junho de 2012 
  15. Celine Dion. "Interview with Celine Dion." Peter Nansbridge. The National. With Alison Smith. CBC-TV. 28 de março de 2002. Transcript.
  16. Helligar, Jeremy. "Céline Dion livin' la vida Vegas!." Us. March 31, 2003, p. 56.
  17. «Celine Dion Releases 1st CD Since 1997». Digital Journal. Consultado em 8 de junho de 2012 
  18. Hilburn Robert. «Pop Albums; Ashanti Displaces Dion at Top». Los Angeles Times. Consultado em 8 de junho de 2012 
  19. a b c d e f g Alexander, Charles P. The Power of Celine Dion". Time. 7 de março de 1994
  20. Gardner, Elysa. Review: Falling Into You. Los Angeles Times Los Angeles, Calif.: 16 de novembro de 1997, p. 68
  21. «Cove Magazine». The 100 Outstanding Pop Vocalists. Consultado em 29 de agosto de 2006. Arquivado do original em 16 de julho de 2006 
  22. «Past Winners Search (Celine Dion)». Grammy.com. Consultado em 15 de outubro de 2013 
  23. Trust, Gary (2 de junho de 2010). «20/20 'Vision': Mariah Marks Milestone». Billboard. Consultado em 25 de setembro de 2013 
  24. «Ask Billboard: Battle of the Divas, Round 3». Billboard. Consultado em 27 de junho de 2013 
  25. «Being Celine: A Look Back at the Illustrious Career of Celine Dion». Billboard. 1 de maio de 2017. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  26. Celine Dion honoured by World Music Awards Arquivado em 16 de outubro de 2014, no Wayback Machine. Canada.com Acessado em 1 de dezembro de 2010
  27. World Music Awards to honor Celine Dion Arquivado em 5 de março de 2012, no Wayback Machine. CTV News Retrieved 1 de dezembro de 2010
  28. Villarreal, Yvonne (23 de junho de 2010). «Hollywood Star Walk: Celine Dion». Los Angeles Times. Tribune Company. Consultado em 20 de abril de 2013 
  29. "Dion Named All-time Best-selling Canadian Act Arquivado em 26 de julho de 2010, no Wayback Machine.". (6 January 2000). Allbusiness. Acessado em 12 de outubro de 2009.
  30. Josh Learn (3 de outubro de 2010). «High Fidelity: Top Selling Canadian Artists». The Brock Press. Consultado em 30 de agosto de 2014 
  31. «Being Celine: A Look Back at the Illustrious Career of Celine Dion». 1 de maio de 2017 
  32. «Celine Dión ultrapassa Madonna em arrecadação total de turnês.». 2 de janeiro de 2020 
  33. Glatzer, Jenna (2005). Celine Dion: For Keeps. [S.l.]: Andrews McMeel Pub. p. 13. ISBN 0-7407-5559-5. Consultado em 2 de setembro de 2011 
  34. http://www.perche-quebec.com/files/celine/individus/celine_en.htm Arquivado em 13 de maio de 2011, no Wayback Machine.," Céline Dion. from the Perche to Las Vegas".
  35. «Celine Dion Biography (1968-)». Filmreference.com. Consultado em 18 de abril de 2014 
  36. a b c d "Profiles of Celine Dion, Enrique Iglesias, Moby." Paula Zahn, Charles Molineaux, Gail O'Neill. People in the News. 18 de maio de 2002. Transcript.
  37. Germain, Georges-Herbert (1998). Céline: The Authorized Biography. [S.l.]: Dundurn Press. p. 16. ISBN 1-55002-318-7 
  38. jmaster. «Portrait of a Star French Site, Céline Dion Biography, (Céline Dion, ''Du fil des aiguilles et du coton, a song by Christine Charbonneau)». Portrait-star.fr. Consultado em 18 de abril de 2014. Arquivado do original em 5 de abril de 2012 
  39. http://disneyparis21.wordpress.com/2011/11/24/celine-ma-vie/," Céline Dion. Ma vie, French Biography. Du fil des aiguilles et du coton, by Christine Charbonneau".
  40. Sanz, Cynthia (13 de junho de 1994). «North Star». People. Consultado em 10 de fevereiro de 2012 
  41. "Celine Dion Biography Arquivado em 27 de setembro de 2013, no Wayback Machine.." The Biography Channel. 13 de setembro de 2007.
  42. O'Connor, John Kennedy (2 de abril de 2007). The Eurovision Song Contest — The Official History. UK: Carlton Books. ISBN 978-1-84442-994-3 
  43. a b c Alexander, Charles P. "The Arts & Media/Music: At Age Five She Belted Out French pop tunes standing atop tables." Time International. 28 de fevereiro de 1994. pg 44.
  44. «Céline Dion». MTV Artists. Consultado em 27 de setembro de 2014 
  45. a b c d Bombardier, Denise (2009). L'énigmatique Céline Dion (em francês). [S.l.]: Albin Michel, XO éditions. pp. 172–173. ISBN 978-2-84563-413-8 
  46. a b c Germain, Georges-Hébert (2010). René Angélil: Derrière le conte de fées. Michel Lafon. p. 279-280.
  47. «Review—Céline Dion Unison». Entertainment Weekly. Consultado em 10 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 25 de junho de 2009 
  48. «Allmusic». Review—Céline Dion Unison. Consultado em 18 de novembro de 2005 
  49. Bliss, Karen (1 de março de 2004). «25 Years of Canadian Artists». Canadian Musician. p. 34. ISSN 0708-9635 
  50. a b "Celine Dion." Newsmakers 1995, Issue 4. Gale Research, 1995.
  51. «Céline Dion». Céline Dion Biography. Consultado em 26 de abril de 2006 
  52. "Celine Dion." Contemporary Musicians, Volume 25. Gale Group, 1999.
  53. «Celine Dion The Colour of My Love». Plugged In. Consultado em 27 de setembro de 2013 
  54. «The Journey so Far». Celinedion.com. Consultado em 16 de agosto de 2005. Arquivado do original em 9 de julho de 2012 
  55. Certified Awards Search Arquivado no WebCite BPI
  56. a b "Celine Dion." Compton's by Britannica. Encyclopædia Britannica. 2005.
  57. Celine Dion Arquivado em 12 de dezembro de 2011, no Wayback Machine.. Acessado em 12 de outubro de 2009.
  58. «Les disques d'or» (em francês). Consultado em 27 de setembro de 2013. Arquivado do original em 11 de outubro de 2012 
  59. Erlewine, Stephen Thomas. Let's Talk About Love: Album review. Allmusic. Acessado em 12 de outubro de 2009.
  60. Falling into You:Album Review. AllMusic. Acessado em 12 de outubro de 2009.
  61. Jerome, Jim. "The Dream That Drives Her. (Singer Celine Dion) (Interview)." Ladies Home Journal. 1 de novembro de 1997. 146(4).
  62. (em inglês) Canadaswalkoffame Arquivado em 3 de fevereiro de 2010, no Wayback Machine. - Página acessada em 3 de Maio de 2010.
  63. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  64. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  65. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  66. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  67. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  68. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  69. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  70. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  71. http://www.celinedioncharts.com/byhomevideo.htm
  72. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  73. «Gêmeos de Celine Dion saem do hospital». EGO. Consultado em 29 de outubro de 2010 
  74. http://www.celinedioncharts.com/byalbum.htm
  75. Celine Dion cancela shows por causa de estado de saúde do marido
  76. «Céline Dion | Biography, Albums, Streaming Links». AllMusic (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2020 
  77. «Celine Dion | The Colour of My Love | Album Review | Plugged In». web.archive.org. 2 de abril de 2012. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  78. Miracle - Céline Dion, Anne Geddes | Songs, Reviews, Credits | AllMusic (em inglês), consultado em 6 de setembro de 2020 
  79. «Let's Talk About Love | Plugged In Online Album Reviews». web.archive.org. 15 de julho de 2011. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  80. «One Heart | Plugged In Online Album Reviews». web.archive.org. 15 de julho de 2011. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  81. «A New Day Has Come | Plugged In Online Album Reviews». web.archive.org. 15 de julho de 2011. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  82. «Céline Dion - The Canadian Encyclopedia». web.archive.org. 27 de setembro de 2013. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  83. «Interview: The unsinkable Celine Dion - French-Canadian singer - Interview». web.archive.org. 8 de abril de 2005. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  84. «The Rolling Stone album guide: completely new reviews: every essential album, every essential artist». Choice Reviews Online (11): 30–5904a-30-5904a. 1 de julho de 1993. ISSN 0009-4978. doi:10.5860/choice.30-5904a. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  85. «Céline Dion's new French album shows her personal side - CBC Arts | Music». web.archive.org. 31 de maio de 2007. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  86. «Céline Dion's new French album shows her personal side - CBC Arts | Music». web.archive.org. 31 de maio de 2007. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  87. Simonot, Colette (25 de julho de 2013). «Dion, Céline». Oxford University Press. Oxford Music Online. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  88. Depalma, Anthony (23 de fevereiro de 1997). «Quebec's Little Girl, Conquering the Globe». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  89. Simonot, Colette (25 de julho de 2013). «Dion, Céline». Oxford University Press. Oxford Music Online. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  90. Simonot, Colette (25 de julho de 2013). «Dion, Céline». Oxford University Press. Oxford Music Online. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  91. «Musique - eVous». www.evous.fr. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  92. Selvin, Joel (23 de fevereiro de 2009). «Celine Dion in full force at HP Pavilion». SFGate (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2020 
  93. Wilson, Carl (2007). «Let's Talk About Let's Talk About Love». Bloomsbury Publishing Plc: 135–148. ISBN 978-1-5013-9680-9. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  94. «» OUR CELINE DION COUNTDOWN—JUST 12 SHOWS TO GO! - Vegas Luxe Life with Robin Leach». web.archive.org. 3 de dezembro de 2007. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  95. Glatzer, Jenna (2005). Celine Dion : for keeps. [S.l.]: Kansas City, MO : Andrews McMeel Pub. 
  96. «Céline Dion - The Canadian Encyclopedia». web.archive.org. 27 de setembro de 2013. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  97. Lister, Linda (setembro de 2001). «Divafication: The deification of modern female pop stars». Popular Music and Society (3-4): 1–10. ISSN 0300-7766. doi:10.1080/03007760108591796. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  98. «Cove Magazine.com :: NEW MUSIC :: The 100 Outstanding Vocalists». web.archive.org. 16 de julho de 2006. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  99. «AmIAnnoying.com - Blender Magazine's 22 Greatest Voices [MTV2]». www.amiannoying.com. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  100. Depalma, Anthony (23 de fevereiro de 1997). «Quebec's Little Girl, Conquering the Globe». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  101. «Céline Dion chante de l'opéra pour Kent Nagano». La Presse (em francês). 25 de agosto de 2008. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  102. Peckham, Anne. (2006). Vocal workouts for the contemporary singer. Boston: Berklee Press. OCLC 60826564 
  103. «Céline Dion chante de l'opéra pour Kent Nagano». La Presse (em francês). 25 de agosto de 2008. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  104. Holden, Stephen (2 de março de 1994). «Review/Pop; The International Sound of Celine Dion». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  105. «Dion dans les grandes largeursSamedi et dimanche, l'idole canadienne a rempli le Stade de France.». Libération.fr (em francês). 21 de junho de 1999. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  106. «Philippine Daily Inquirer - Pesquisa no arquivo do Google Notícias». news.google.com. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  107. «News Archives: The Buffalo News». nl.newsbank.com. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  108. «A Long, Strange Trip With Celine». Redorbit (em inglês). 4 de setembro de 2008. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  109. Holden, Stephen (2 de março de 1994). «Review/Pop; The International Sound of Celine Dion». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  110. «Céline Dion en VF». Libération.fr (em francês). 20 de março de 1995. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  111. «Céline Dion chante de l'opéra pour Kent Nagano». La Presse (em francês). 25 de agosto de 2008. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  112. Warner, Timothy (8 de setembro de 2017). «Narrating Sound: The Pop Video in the Age of the Sampler». Routledge: 167–179. ISBN 978-1-315-09588-2. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  113. Couture, André (2007). «Serge Demetrian, Le Mahâbhârata conté selon la tradition orale. Paris, Éditions Albin Michel (coll. « Spiritualités vivantes »), 2006, 574 p. Id., Le Râmâyana conté selon la tradition orale. Paris, Éditions Albin Michel (coll. « Spiritualités vivantes »), 2006, 501 p.». Laval théologique et philosophique (1). 179 páginas. ISSN 0023-9054. doi:10.7202/016684ar. Consultado em 6 de setembro de 2020 
  114. (em inglês) Canadaswalkoffame Arquivado em 3 de fevereiro de 2010, no Wayback Machine. - Página acessada em 3 de Maio de 2010.
  115. Lister, Linda (setembro de 2001). «Divafication: The deification of modern female pop stars». Popular Music and Society (3-4): 1–10. ISSN 0300-7766. doi:10.1080/03007760108591796. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  116. Kernfeld, Barry (abril de 2016). Houston, Whitney Elizabeth (09 August 1963–11 February 2012). Col: American National Biography Online. [S.l.]: Oxford University Press 
  117. paulryanhiebert. «Why Celine Dion Will Always Be Popular — At Least While You're Alive». Flavorwire (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  118. «Celine Still A Favourite Among American Idol Contestants | The Official Celine Dion Site». web.archive.org. 15 de junho de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  119. «Billboard Cover: Britney Spears on Why Her Vegas Residency 'Clicked,' Being Inspired by Celine Dion and a New Album Not Being a 'Full Priority'». Billboard (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  120. direct, artist. «News». ARTISTdirect. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  121. «Frank Ocean Gets Up Close in i-D Magazine». Rap-Up (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  122. «Interview: Adele Atkins, singer». the Guardian (em inglês). 27 de janeiro de 2008. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  123. «Groban Archives: Josh Groban Defends Celine Dion». web.archive.org. 9 de abril de 2014. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  124. «Delta teams up with idol Celine». PerthNow (em inglês). 12 de outubro de 2007. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  125. «Lewis To Meet Pop Idol Celine Dion». Contactmusic.com. 28 de outubro de 2007. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  126. «https://twitter.com/jessiej/status/13207197055». Twitter. Consultado em 2 de outubro de 2020  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  127. «https://twitter.com/jojoistheway/statuses/374770719441559552». Twitter. Consultado em 2 de outubro de 2020  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  128. Canada, HELLO!. «Lea Michele on her new album 'Places,' love of Celine Dion and more | HELLO! Canada». ca.hellomagazine.com (em English). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  129. «Jennifer Hudson - Season 3 - American Idol». web.archive.org. 29 de junho de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  130. Média, Bell. «Vanessa Hudgens Credits Céline Dion For Her Vocal Range». www.iheartradio.ca (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  131. «Kelly Clarkson - Season 1 - American Idol». web.archive.org. 3 de outubro de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  132. «https://twitter.com/kellyclarksontv/status/1308375492224000000/video/1». Twitter. Consultado em 2 de outubro de 2020  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  133. «Perrie Edwards cried after idol, Celine Dion, watched her cover of 'All By Myself'». Capital (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  134. «Interview: Loren Allred talks about her debut single 'This Summer'». The Stanford Daily. 23 de setembro de 2020. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  135. «https://twitter.com/samsmith/status/1195638053613834240». Twitter. Consultado em 2 de outubro de 2020  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  136. «Yannick Nézet-Séguin's Way». yannicknezetseguin.com (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  137. Sperling, Daniel (17 de maio de 2013). «Beyoncé got parent tip from Celine Dion». Digital Spy (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  138. «Legendary Santana lets his guitar fly solo». web.archive.org. 14 de março de 2014. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  139. «OneRepublic». www.facebook.com. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  140. «Martin eyes Coldplay duet with Dion | Irish Examiner». archive.vn. 22 de novembro de 2013. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  141. «https://twitter.com/mrssosbourne/status/399643105239891968». Twitter. Consultado em 2 de outubro de 2020  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  142. «https://twitter.com/nicolescherzy/status/399659802487689216». Twitter. Consultado em 2 de outubro de 2020  Ligação externa em |titulo= (ajuda)
  143. «Ne-Yo Teams With Celine Dion for Duet: 'It Definitely Made Me Question My Vocal Ability'». Billboard (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2020 
  144. «Le site NeRienLouper.fr est actuellement fermé !». www.nerienlouper.fr. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  145. «Groban Archives: Josh Groban Defends Celine Dion». web.archive.org. 9 de abril de 2014. Consultado em 2 de outubro de 2020 
  146. «7. National Affection: Céline Dion». Toronto: University of Toronto Press. 31 de dezembro de 2010: 142–169. ISBN 978-1-4426-8634-2. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  147. «Celine To Receive the French Legion of Honor Medal | The Official Celine Dion Site». web.archive.org. 24 de dezembro de 2013. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  148. «Céline Dion décorée de la Légion d'honneur par Nicolas Sarkozy». Libération.fr (em francês). 22 de maio de 2008. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  149. «Can Celine Dion Save Las Vegas? - The Daily Beast». web.archive.org. 30 de julho de 2011. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  150. «Vegas Magazine - Events, Style, Fine Dining & Culture». vegasmagazine.com. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  151. «Britney Spears -- Vegas Contract Is TITANIC ... But She Can't Touch Celine». TMZ (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  152. «Why is Las Vegas gambling $15 million on Britney Spears?». The Telegraph (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  153. «Celine Dion promises to bring the sparkle back to Las Vegas». The Telegraph (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  154. Cartner-Morley, Jess (9 de julho de 2019). «All hail Céline Dion – the joyous new queen of fashion». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  155. Fisher, Lauren Alexis (4 de março de 2020). «Why Celine Dion Should Be Everyone's Fashion Icon». Harper's BAZAAR (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  156. copy, Copied to clipboardClick to. «Celine Dion's Style Evolution, From Teen Star to Streetwear Icon». Billboard (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  157. Allaire, Christian. «Tracing Céline Dion's Style Evolution, From '90s Minimalist to Modern Maximalist». Vogue (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  158. «3 LGBTQ Stylists Break Down Some of Their Clients' Most Iconic Looks». Billboard (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  159. «Oscars Red Carpet: The 21 Most Memorable Dresses of All Time». W Magazine | Women's Fashion & Celebrity News (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  160. «'Project Runway': Sergio gets slammed for copying Celine Dion's iconic reverse tuxedo and calling it original». meaww.com (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  161. edited by Michael P.J. Kennedy ; [forward: Kelly Hrudey ; preface: Roch Carrier] (2005). Going top shelf : an anthology of Canadian hockey poetry. Surrey, BC: Heritage House. OCLC 60833929 
  162. «CAB Announces 2009 Broadcast Hall Of Fame Inductees». web.archive.org. 26 de maio de 2015. Consultado em 5 de setembro de 2020 
  163. «VH1 Original TV Shows, Reality TV Shows». VH1. Consultado em 5 de setembro de 2020 
  164. «The Definitive 200». web.archive.org. 9 de março de 2007. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  165. Huey, Laura (18 de janeiro de 2007). «Forbes Top Richest Women in Entertainment ...». Allwomenstalk (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  166. «She's Dr. Dion now, courtesy of Laval U». web.archive.org. 15 de fevereiro de 2012. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  167. «Susan Sarandon, Celine Dion named hunger goodwill ambassadors». USATODAY.COM. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  168. «Order Of Canada Investiture For Celine and René | The Official Celine Dion Site». web.archive.org. 29 de julho de 2013. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  169. «Celine Dion gets top Order of Canada honour». Consultado em 5 de outubro de 2020 
  170. «Celine Dion to Be Inducted into the Gaming Hall of Fame - Music News - ABC News Radio». abcnewsradioonline.com (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2020 
  171. Ferriman, Annabel (30 de setembro de 2004). «Celebrating the bond between mother and child». BMJ (7469). 760.3 páginas. ISSN 0959-8138. doi:10.1136/bmj.329.7469.760-b. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  172. «Celine Dion to Raise One Million for Tsunami Victims - Music». web.archive.org. 14 de maio de 2008. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  173. «著名歌手席琳迪翁的来信_杨澜_新浪博客». blog.sina.com.cn. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  174. ww1.gayglobe.us http://ww1.gayglobe.us/. Consultado em 6 de outubro de 2020  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  175. «Artists - Artists Against Racism» (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  176. Wong, Curtis M. (14 de novembro de 2018). «Céline Dion Launches A Gender-Neutral Clothing Line For Kids». HuffPost (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  177. Guides, Pulse; Green, Patrick (2007). Night+Day Las Vegas (em inglês). [S.l.]: ASDavis Media Group 
  178. Beaunoyer, Jean (1 de março de 2004). René Angelil: The Making of Céline Dion: The Unauthorized Biography (em inglês). [S.l.]: Dundurn 
  179. «Celine Dion Promotes Her Eponymous Perfume». web.archive.org. 8 de junho de 2003. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  180. «Signature – Celine's New Fragrance, Coming Soon To The Boutique | The Official Celine Dion Site». web.archive.org. 4 de janeiro de 2012. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  181. «KraftWorks NYC: A Personality Based Communications Company». web.archive.org. 25 de julho de 2013. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  182. Naughton, Julie; Naughton, Julie (2 de abril de 2010). «Celine Dion to Launch Pure Brilliance Fragrance». WWD (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2020 
  183. «Clinton, (Francis) Gordon, (19 June 1912–16 June 1988), baritone». Oxford University Press. Who Was Who. 1 de dezembro de 2007. Consultado em 6 de outubro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Céline Dion