Beauty and the Beast (canção da Disney)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Beauty and the Beast"
Canção de Angela Lansbury
do álbum Beauty and the Beast: Original Motion Picture Soundtrack
Gravação 6 de outubro de 1990[1]
Gênero(s) Show tune
Duração 2:44
Gravadora(s) Walt Disney
Composição
Produção

"Beauty and the Beast" é uma canção escrita pelo letrista Howard Ashman e pelo compositor Alan Menken para o trigésimo filme de animação da Walt Disney Animation Studios, Beauty and the Beast (1991). A música-tema do filme, balada inspirada na Broadway,[2] foi primeiramente gravada pela atriz britânica-americana Angela Lansbury, em seu papel na voz da personagem Mrs. Potts, e descreve essencialmente a relação entre seus dois personagens principais, Bela e a Fera, especificamente como o casal aprendeu a aceitar suas diferenças e, por sua vez, mudar uns aos outros para melhor. Além disso, a letra da música implicam que o sentimento de amor é tão atemporal e eterno quanto um "conto tão tão antigo quanto o tempo". "Beauty and the Beast" foi posteriormente gravado como um dueto pop pela cantora canadense Céline Dion e pelo cantor americano Peabo Bryson, e lançado como o único single da trilha sonora do filme em 16 de novembro de 1991.

Lansbury ficou inicialmente hesitante para gravar "Beauty and the Beast", porque ela sentiu que não era adequado para a sua voz envelhecida de canto, mas finalmente completou a música em uma tomada.[3] A fim de promover o filme, Disney decidiu lançar "Beauty and the Beast" como um single, primeiro recrutado apenas Dion para gravar uma versão de radio-friendly dele. No entanto, o estúdio estava preocupado que a então relativamente obscura cantora não atraísse uma audiência grande o suficiente nos Estados Unidos por conta própria, então eles contrataram o mais proeminente Bryson para ser seu parceiro de dueto. No início, Dion também estava hesitante em gravar "Beauty and the Beast" porque ela acabara de ser demitida de gravar a música-tema do filme de animação An American Tail: Fievel Goes West (1991). Primeiro ouvido durante os créditos finais do filme, o single foi produzido por Walter Afanasieff, que também arranjou com Robbie Buchanan. Também foi incluído no álbum auto-intitulado de Dion. O single foi acompanhado por um vídeo musical. Dirigido por Dominic Orlando, combinou imagens dos cantores gravando a música na The Power Station com trechos do filme.

Ambas as versões de "Beauty and the Beast" foram muito bem sucedidas, ganhando tanto um Globo de Ouro de melhor canção original e um Oscar de melhor canção original,[4] bem como um Grammy Award para Melhor Canção Escrita para Mídia Visual e Grammy Award para Melhor Performance Pop por um Duo ou Grupo com Vocais.[5] O single também foi nomeado para o Grammy Award para a Gravação do Ano e Grammy Award para Música do Ano. O desempenho de Lansbury foi louvado universalmente por críticos do filme e da música. Enquanto a versão Dion-Bryson recebeu críticas mistas de críticos que achavam que era inferior ao original de Lansbury, o single tornou-se um sucesso comercial, chegando ao número nove na Billboard Hot 100 e tornando-se a mais conhecida das duas versões. Além de retornar canções da Disney para as paradas pop após uma ausência de trinta anos, o sucesso de "Beauty and the Beast" também lançou a carreira de Dion e estabeleceu-a como um artista de gravação bancável. Depois que "Beauty and the Beast" se tornou a primeira canção da Disney a sofrer uma transformação pop completa, vários artistas contemporâneos foram inspirados a lançar suas próprias interpretações de canções Disney durante a década. Considerada uma das melhores e mais populares canções da Disney, "Beauty and the Beast" já foi regravada por inúmeros artistas. Em 2004, o American Film Institute reconheceu oficialmente "Beauty and the Beast" como uma das maiores canções da história do cinema, classificando-a em 62º lugar.

Escrita e gravação[editar | editar código-fonte]

A princípio, a atriz britânica Angela Lansbury estava hesitante em gravar "Beauty and the Beast" porque tinha sido escrita em um estilo com o qual ela não estava familiarizada; ela finalmente gravou a música em uma tomada.

"Beauty and the Beast" foi escrita pelo letrista Howard Ashman e pelo compositor Alan Menken em 1990. Pretendendo que a música seja "o auge da simplicidade",[6] os compositores tiraram grande parte de sua influência da música da Broadway.[2] Devido à falta de saúde de Ashman, algumas das pré-produções da Beauty and the Beast foram transferidas para um hotel em Fishkill, Nova Iorque, perto da residência de Ashman para acomodar o letrista em dificuldade.[4] De todas as canções que ele escreveu para Beauty and the Beast, Menken dedicou mais tempo à música-título.[6] A faixa foi gravada pela primeira vez pela atriz britânica-americana Angela Lansbury, que faz a voz da personagem Mrs. Potts, uma bule encantada. Os compositores introduziram pela primeira vez "Beauty and the Beast" para Lansbury como uma gravação demo, que foi acompanhada por uma nota perguntando se ela poderia estar interessada em cantá-la. Apesar de já ter participado de outro filme musical da Disney, Bedknobs and Broomsticks (1971),[7] Lansbury, que estava mais acostumada a fazer músicas uptempo,[8] hesitava em gravar a balada por causa de seu estilo rock não familiarizado.[9] Embora gostasse da canção,[10] Lansbury preocupou-se também que sua voz envelhecida de canto não era mais forte o suficiente para gravar "Beauty and the Beast", e era especialmente interessada sobre ter que sustentar suas notas mais longas.[3] Lansbury sugeriu que os compositores pedissem a outra pessoa para cantar "Beauty and the Beast",[11] mas eles insistiram que ela simplesmente "canta a canção da maneira como eles a imaginaram".[9]

Em 6 de outubro de 1990,[1] "Beauty and the Beast" foi gravado em um estúdio em Nova Iorque acompanhado por uma orquestra ao vivo, porque os compositores preferiam que todos os intérpretes e músicos gravassem juntos, opondo-se à separação dos cantores dos instrumentistas.[12] No dia de sua sessão de gravação programada, o vôo de Lansbury foi atrasado devido a uma ameaça de bomba, o que provocou um pouso de emergência em Las Vegas.[13] Desconhecendo seu paradeiro por várias horas, os cineastas começaram a fazer planos para reprogramar a sessão até que Lansbury finalmente telefonou para o estúdio quando chegou com segurança em Nova Iorque.[12] Em última análise, Lansbury gravou sua versão em uma tomada, que acabou sendo usado no filme final.[14][15] O produtor Don Hahn lembrou que a atriz simplesmente "cantou 'Beauty and the Beast' do começo ao fim e apenas arrasou. Nós pegamos algumas linhas aqui e ali, mas essencialmente essa é uma tomada que usamos para o filme".[15] O desempenho de Lansbury moveu todos que estiveram presentes no estúdio de gravação naquele tempo às lágrimas.[16]

Algumas letras cortadas por Ashman no filme de 1991 foram reintegradas para a versão do filme de 2017.[17]

Música e interpretação da letra[editar | editar código-fonte]

A versão de "Beauty and the Beast" original do filme, interpretada por Lansbury, foi escrita em Ré bemol maior em um ritmo "moderadamente lento" de 84 batimentos por minuto (Andante),[18] com duração de dois minutos e quarenta e seis segundos.[19] Stephen Whitty do NJ.com descreveu "Beauty and the Beast" como uma "balada da Broadway".[20] O crítico de cinema Roger Ebert descreveu a melodia da canção como "assombrado",[21] enquanto Lisa Schwarzbaum da Entertainment Weekly descreveu a canção como uma "canção de ninar".[22] Thomas S. Hischak, autor da enciclopédia The Disney Song Encyclopedia, descreveu a melodia de Menken como "fluindo",[23] enquanto Aylin Zafar do BuzzFeed descreveu a canção como "macia e morna".[24] Escrevendo para a Chicago Tribune, Gene Siskel descreveu a voz de Lansbury, que abrange duas oitavas de B♭3 a E♭5,[18] como "ricamente texturado".[25] Enquanto isso, Michael Cheang do The Star e Bill Gibron do PopMatters, escreveram que Lansbury interpretou usando um tom "frágil",[26] "calmo e maternal".[27] Instrumentalmente, "Beauty and the Beast" caracteriza mudança de cordas, madeiras[28] e violinos.[29] GamesRadar+ observou que "Beauty and the Beast" inclui uma mudança fundamental durante a qual "a música incha, e então a orquestra cede para deixar apenas violinos trêmulos".[29] Descrevendo a balada como "crescente", TV Guide comparou "Beauty and the Beast" com "Shall We Dance?" do musical O Rei e Eu.[30]

RL Shaffer da IGN, identificou a "Beauty and the Beast" como uma "balada poética de lágrimas".[31] Wheeler W. Dixon, autor do livro Film Genre 2000: New Critical Essays, acredita que a letra da música é sobre a "promessa implícita de regeneração através do amor".[32] 29 linhas de comprimento,[33] todos os quais são exatamente cinco sílabas,[34] "Beauty and the Beast" é uma canção de amor sobre a transformação de um casal de amigos em "algo mais".[35][36] A música-tema do filme,[37] sua letra "captura a essência do filme",[38] descrevendo a relação entre os dois personagens principais de Beauty and the Beast, especificamente citando maneiras em que os dois mudaram mutuamente para melhor e, finalmente, aprenderam a aceitar suas diferenças e erros.[39] De acordo com Jake Cole de Not Just Movies, a primeira estrofe começa "com seriedade, e a sutileza dela tem o efeito irônico de ser dominadora."[33] Começando com Lansbury cantando as letras "Tale as old as time, true as it can be",[A][18] JoBlo.com escreveu que a canção "oferece um sinal certo de romance entre Bela e a sua Fera."[40] Enquanto isso, Songfacts acredita que "a mensagem da canção é que um casal pode ser 'tão antigo quanto o tempo', não importa quão diferentes eles são".[41] De acordo com Chris Lucas de Moviepilot, as letras de Ashman descrevem a "hesitação e surpresa do casal em se apaixonar inesperadamente",[42] enquanto o autor Thomas S. Hischak escreveu em The Disney Song Encyclopedia que a canção é "sobre como dois corações provisórios estão unidos no amor."[23] Caracterizando a linha "Barely even friends, then somebody bends, unexpectedly",[B][43] Gene Siskel do Chicago Tribune acredita que a Balada "faz com que todos os amantes olhem para além das falhas de seus parceiros e em seus corações",[25] enquanto Cole escreveu: "Ashman procura a verdade ... não sabemos que estamos apaixonados até gastarmos o tempo com alguém e os ajustes não forçados fazem as peças caírem no lugar."[33] A autora do livro The Emperor's Old Groove: Decolonizing Disney's Magic Kingdom, Brenda Ayres, citou a canção como um indicador de que uma relação de poder recíproco se desenvolveu entre Bela e a Fera.[44] De acordo com o site do letrista, "Beauty and the Beast" resume a maneira pela qual "Bela domava a Fera e encontra o final feliz que ela tem sonhado."[45] O autor Jerry Griswold, do livro The Meanings of "Beauty and the Beast": A Handbook, acredita que a linha da abertura da canção "tale as old as time"[C] alude ao fato que a história de Bela é antigo, intemporal em que é "deliberadamente situado no contexto de outros contos tradicionais"; em que a dela é simplesmente "a mais nova encarnação" dela.[46] A autora Lucía Loureiro Porto, do livro The Translation of the Songs in Disney's "Beauty and the Beast": an example of Manipulation concorda que embora a canção "não conte qualquer história, é feita de frases que implicam que o amor é um sentimento tão antigo quanto a humanidade."[47] De acordo com Perry Seibert do AllMovie, "Beauty and the Beast" é "tão sarcástico como Ashman nunca conseguiu como um letrista." Seibert acredita que a canção "reconhece sua própria banalidade... sem minimizar ou zombar de sua descrição inerentemente doce do amor verdadeiro."[48] Refletindo sobre a morte de Ashman, Roger Moore, do Chicago Tribune, acredita que a música "foi a despedida de Ashman ao amor, à vida e à imaginação."[49]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

"Beauty and the Beast" continua a ser constantemente elogiado tanto por críticos de cinema como por críticos de música.[50] A crítica de cinema Janet Maslin do The New York Times elogiou "Beauty and the Beast", descrevendo-a como "uma gloriosa balada", nomeando como "o maior triunfo" de Ashman e Menken.[51] Hal Hinson do The Washington Post considera a canção como a melhor do filme.[52] Roger Moore, do Chicago Tribune, referiu-se a "Beauty and the Beast" como uma canção "brilhante" que "pode levá-lo às lágrimas",[49] enquanto James Berardinelli, da ReelViews, citou-a entre as canções mais memoráveis do filme.[53] Anthony Quinn de The Independent destacou "Beauty and the Beast" como a melhor canção do filme, passando a elogiar o desempenho "magnífico" de Lansbury,[54] enquanto o Chris Hicks da Deseret News a chamou de "bela".[55] Simon Brew da Den of Geek apreciou especificamente as letras, descrevendo a canção como "soberba".[56] O desempenho vocal de Lansbury também foi elogiado: Descrevendo a música como "bonita", Gene Siskel, do Chicago Tribune, escreveu que "Beauty and the Beast" é "realizada de forma pungente pela voz ricamente texturizada de Angela Lansbury".[25] Da mesma forma, Bill Gibron do PopMatters escreveu, "no momento em que a bela bule de Angela Lansbury pisa para cantar a música-título, todas as apostas de olho seco acabam."[57] Lou Lumenick do New York Post escreveu que "Beauty and the Beast" foi "inesquecivelmente entregue por Angela Lansbury".[58] Aylin Zara da BuzzFeed, opinou que a versão de Lansbury é superior ao single, escrevendo: "Embora a versão pop comercial de 'Beauty and the Beast,' cantada por Celine Dion e Peabo Bryson, seja boa, a versão cinematográfica — interpretada por Angela Lansbury como Mrs. Potts — é ainda melhor."[24]

Beauty and the Beast (canção da Disney) De longe o maior triunfo dos compositores é a música-título, que se torna ainda mais impressionante em vista da tarefa não muito promissora para criar uma canção tema "Beauty and the Beast". Mas o resultado é uma balada gloriosa, que é realizada em duas versões, como um dueto em estilo top-40 ouvido durante os créditos de encerramento, e uma doce versão solo cantada por Lansbury durante a cena mais adorável do filme. Para o último, que também mostra o uso dinâmico do filme de animação gerada por computador, seria bem aconselhado o espectador trazer um lenço. Beauty and the Beast (canção da Disney)

'The New York Times Janet Maslin

A sequência do salão de baile durante a qual Bela e a Fera dança "Beauty and the Beast" continua a ser elogiada, especialmente pelo uso da animação digital.[59][60] A primeira vez que a sequência musical "Beauty and the Beast" foi disponibilizada ao público, foi na forma de uma cena inacabada no Festival de Cinema de Nova Iorque, em setembro de 1991, para o qual a Disney havia sido convidada a estrear uma versão incompleta de Beauty and the Beast que consistia, em grande parte, em testes de lápis não coloridos e storyboards.[61][62] Lisa Schwarzbaum de Entertainment Weekly coroou a sequência como "peça central" do filme.[22] Escrevendo para The Seattle Times, Candice Russel descreveu-a como "destaque irresistível",[63] enquanto Jennie Punter da The Globe and Mail's chamou a cena de "gloriosa".[64] David Parkinson da Radio Times citou que o CGI usado na cena do salão de baile é "visto como a melhor vantagem".[65] Dave Kehr, do Chicago Tribune, elogiou tanto a artista de layout Lisa Keene como os esforços combinados do animador Jim Hillin na cena, identificando-a como o "cenário mais impressionante" do filme.[66]

Quando Beauty and the Beast foi relançado em 3D em 2012,[67] Annlee Ellingson da revista Paste apreciou a forma de como a sequência foi adaptada, descrevendo-a como "positivamente vertiginosa".[68] Mike Scott da The Times-Picayune descreveu como uma cena "linda" e "memorável" que "ainda se destaca como um dos filmes mais deslumbrantes",[69] enquanto Joanna Berry da The National escreveu que "a sequência do salão de baile agora parece brilhar ainda mais."[70] Chris Hicks da The Deseret News sentiu que "Hoje, a sequência do salão de baile não parece mais nova e fresca depois de muitos filmes em aniação 3D, mas isso não diminui o poder de seu lindo design."[71] Embora James Berardinelli da ReelViews tivesse originalmente revisado a sequência como "a melhor cena no filme", ele sentiu que a conversão 3D "diminui o romance e a emoção da dança de salão."[53]

Para os espectadores na época, os efeitos do computador nesta sequência foram surpreendentes.[72][73]

Prêmios e reconhecimento[editar | editar código-fonte]

"Beauty and the Beast" ganhou vários prêmios. A canção ganhou o Globo de Ouro de melhor canção original na 49ª edição do Globo de Ouro em janeiro de 1992.[74] No mês seguinte, março, "Beauty and the Beast" ganhou o Oscar de melhor canção original no Oscar 1992.[75] O prêmio foi para Ashman, que morreu de AIDS em 14 de março de 1991,[76][77] oito meses antes do lançamento do filme.[78] Menken reconheceu Ashman em seu discurso de aceitação, enquanto agradeceu Lansbury, Dion, Bryson e Afanasieff por suas contribuições.[75] O parceiro de Ashman, Bill Lauch, aceitou o prêmio em seu nome.[75] No ano seguinte, "Beauty and the Beast" obteve duas vitórias em oito nomeações no 35º Grammy Awards,[79] um deles o Grammy Award para Best Song Written for Visual Media.[80] Uma versão instrumental arranjada e conduzida por Richard S. Kaufman ganhou o Grammy de 1993 de melhor performance pop instrumental. Essa interpretação foi realizada pela orquestra sinfônica Nurenberg Symphony Orchestra para o álbum Symphonic Hollywood, sob a gravadora Varèse Sarabande.[81] A versão instrumental do filme por James Galway, interpretada pela The Galway Pops Orchestra e inclusa no álbum Galway at the Movies foi nomeada no Grammy de 1993 de melhor performance pop instrumental.[82]

O American Film Institute classificou "Beauty and the Beast" na posição 62 na lista das melhores canções de filmes estadunidenses segundo o American Film Institute.[83] "Beauty and the Beast" é uma das únicas quatro músicas de filmes animados da Disney a ter aparecido na lista..[84] Quando o BuzzFeed organizou a lista "The Definitive Ranking of the 102 Best Animated Disney Songs", "Beauty and the Beast" foi colocada no número quatro, enquanto o mesmo site a classificava como quarta canção de amor da Disney em outra lista.[85] Da mesma forma, "Beauty and the Beast" é a quarta melhor música da Disney de acordo com a M Magazine. "Beauty and the Beast" terminou em 14º lugar na classificação "30 melhores músicas da Disney na história" da GamesRadar. Na lista "Top 25 Disney Songs" do site IGN, "Beauty and the Beast" foi classificada na posição 22. Enquanto a Broadway.com classificou a música como a segunda melhor música da Disney que ganhou o Oscar,[86] Spin colocou "Beauty and the Beast" no número 30 no ranking "Every Oscar Winner for Best Original Song". Em sua lista das "11 Highest-Charting Songs From Disney Movies", a autora Nicole James da Fuse escreveu que a versão Dion-Bryson "quebrou o Top 10, indo para a nona posição nas paradas (mas para a primeira posição em nossos corações )."[87] O mesmo site incluiu a versão pop em sua lista "Top 20 Disney Songs by Pop Stars".

IGN posicionou a cena da canção em 83 no seu ranking dos 100 maiores momentos da história do cinema. O Total Film classificou a cena na nona posição em sua lista dos "50 melhores momentos do filme da Disney".[88] No artigo da Dennis Publishing "Top 12 cenas de dança mais memoráveis em filmes", a sequência do salão ficou em quinto lugar.[89] GamesRadar também incluiu a cena nas "50 maiores sequências de dança em filme" do site, com o autor Kim Sheehan louvando-a como "mais emocionante e romântica do que a maioria das danças em live action".[90] Oh No They Didn't classificou a música em segundo lugar no artigo "Top 25 Disney Songs of All Time", descrevendo como "sensação vintage... cheia de vida e originalidade", a "eficácia surpreendente" do desempenho de Lansbury e a "animação cativante na tela".[91] A canção foi listada na oitava posição no artigo do Metro de "20 melhores músicas da Disney", com o escritor Duncan Lindsay comentando "... esta sequência de dança com os tons lindos de Angela Lansbury é uma das mais românticas da Disney. Que música."[92]

Versão de Celine Dion e Peabo Bryson[editar | editar código-fonte]

"Beauty and the Beast"
Single de Celine Dion e Peabo Bryson
do álbum Beauty and the Beast e Celine Dion
Gravação Outubro de 1991

The Power Station
(Nova Iorque)[93]
The Plant Recording Studios
(Sausalito, Califórnia)

Gênero(s) Pop
Duração 4:04 (versão do álbum)

3:30 (radio edit)

Gravadora(s)
Composição
Produção
Cronologia de singles de Celine Dion
"L'amour existe encore"
(1991)
"Je danse dans ma tête"
(1992)
Cronologia de singles de Peabo Bryson
"Closer Than Close"
(1991)
"Lost in the Night"
(1992)

Antecedentes e gravação[editar | editar código-fonte]

Para a surpresa da Disney, Beauty and the Beast recebeu três indicações para o Oscar de melhor canção original.[4] Para evitar de dividir os eleitores da Academia, a Disney decidiu promover a canção título do filme à frente de seus companheiros nominados "Belle" e "Be Our Guest", lançando "Beauty and the Beast" como single,[4] semelhante ao modo como a Universal Pictures lançou "Somewhere Out There" do filme de animação An American Tail como single em 1986.[94] Coincidentemente, Ashman e Menken escreveram a canção para que ela pudesse experimentar o sucesso fora do próprio filme Beauty and the Beast.[6] Embora a interpretação de Lansbury fosse muito apreciada, foi considerada inadequada para um lançamento comercial ou um airplay de rádio.[94] Assim, o estúdio decidiu fazer "Beauty and the Beast" a primeira canção da Disney a ser arranjada em uma versão pop de si mesmo para os créditos finais do filme.[95] Menken se referiu a esta experiência como um "ponto de virada" em sua carreira, porque foi também a primeira vez que uma de suas próprias composições já tinha sofrido uma tal transformação.[96] O produtor Walter Afanasieff foi contratado para produzir a versão pop da música, que ele arranjou com o músico Robbie Buchanan.[97] Menken elogiou Afanasieff por ter feito com sucesso a canção se tornar dele.[96]

A atriz e cantora Paige O'Hara, que faz a voz de Bela na dublagem original, foi uma das primeiras artistas a expressar interesse em gravar a versão pop de "Beauty and the Beast", mas a Disney a dispensou por ser "muito Broadway". Incapaz de ter recursos para empregar um "cantor grande" naquele tempo, Disney estabeleceu-se para a artista canadense em ascensão Celine Dion.[98] Porque era relativamente desconhecida para o público americano na época, o estúdio duvidava que Dion teria muito impacto nos Estados Unidos por conta própria e, posteriormente, contratou o mais conhecido cantor americano Peabo Bryson para gravar a música ao lado dela como um dueto.[98] A Disney entrou em contato com o agente de Dion, René Angélil, para conversar sobre ter sua cliente Dion na gravação de "Beauty and the Beast", enquanto a cantora estava em turnê pela Inglaterra.[99] Como fã da música de Dion, Menken escreveu pessoalmente uma carta de aprovação para a cantora.[100]

Proveniente da província francês canadense de Quebec, Dion acabava de começar a aprender inglês.[101] No início, Dion estava hesitante em se comprometer com o projeto devido a ter sido recentemente demitido da gravação "Dreams to Dream", a música-tema do filme de animação An American Tail: Fievel Goes West (1991), em favor da cantora americana Linda Ronstadt, que tinha experimentado anteriormente o grande sucesso com sua redição de "Somewhere Out There".[102][103] Ronstadt, que foi a primeira escolha do produtor Steven Spielberg,[103] só concordou em gravar "Dreams to Dream" depois de ouvir a demo de Dion.[99] Devastada por perder o solo, Dion eventualmente concordou em gravar "Beauty and the Beast" depois de ouvir e ser movido pelo desempenho de Lansbury.[99] Enquanto isso, Bryson se envolveu com o projeto via o vice-presidente sênior da Walt Disney Records, Jay Landers, que era amigo de presidente da música da Walt Disney Pictures Chris Montan na época.[104] Os instrumentais da canção foram gravados primeiro na The Plant Recording Studios, em Sausalito, Califórnia. Mais tarde, os cantores registraram rapidamente seus vocais na The Power Station em Nova Iorque durante o fim de semana do Labor Day,[94] enquanto a mixagem foi completada na Record Plant Studios em Los Angeles.[105] A canção foi lançada como o único single da trilha sonora do filme, em que a música aparece ao lado da versão de Lansbury,[19] lançado em 16 de novembro de 1991.[106]

Composição[editar | editar código-fonte]

O single é uma balada pop[106][24] que tem quatro minutos e quatro segundos de duração.[107] Gravado no tom de Fá maior a um ritmo moderadamente lento de 72 batidas por minuto,[108] a regravação é, de acordo com o Filmtracks.com, uma "canção de pop conservadora-renderizada."[42][109] Sua orquestração inclui um oboé elétrico, teclado, sintetizador e violão.[110] Além disso, a instrumentação "jazzística" da canção depende fortemente de bateria, um instrumento que está visivelmente ausente do restante da trilha sonora.[111]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Ao contrário da versão original de Lansbury, o single Dion-Bryson ganhou críticas geralmente mistas. Filmtracks.com escreveu que o desempenho de Dion "fez muitos fãs desejarem que ela tivesse sido dada como um solo."[109] Arion Berger da Entertainment Weekly elogiou os vocais de Dion, descrevendo "Beauty and the Beast" como "uma vitrine perfeita para em que ela é melhor."[112] Irving Tan da Sputnikmusic elogiou o single, descrevendo o dueto como "extremamente eficaz".[113] Jeff Benjamin da Fuse descreveu a canção como um "dueto fantástico".[114] No entanto, Brad Webber da Chicago Tribune e Michael Cheang da The Star não foram bem receptivos à versão de Dion-Bryson para "Beauty and the Beast".[115][26] Os críticos têm preferência pela interpretação de Lansbury; enquanto elogiava a versão cinematográfica, Andrew Unterberger, da Spin, descartou o single como "insuportavelmente chato".[28] Da mesma forma, Kristian Lin, do Fort Worth Weekly, criticou o single enquanto elogiava a versão de Lansbury, aconselhando os membros da platéia a "limparem o teatro antes que Celine Dion e Peabo Bryson cantasse a música-título sobre os créditos finais",[116] enquanto Dan Caffrey, da Consequence of Sound, sentiu que "é uma vergonha que a versão mais conhecida mundialmente de 'Beauty and the Beast' seja a cantada por Celine Dion e Peabo Bryson em oposição à cantada por Lansbury."[117]

Na 35ª edição do Grammy Award, a versão Dion-Bryson para "Beauty and the Beast" ganhou o prêmio por Melhor Performance Pop por um Duo ou Grupo com Vocais.[5][118] Além disso, a canção foi indicada às categorias de Gravação do Ano[119][120] e de Música do Ano,[119][120] perdendo em ambas as categorias para Tears in Heaven de Eric Clapton.[121] No Canadá, "Beauty and the Beast" ganhou um Juno Award de single do ano, ganhando da canção "If You Ask Me To" de Dion.[122] Em 1993, "Beauty and the Beast" também ganhou um ASCAP Film and Television Music Award e um ASCAP Pop Award por ser a música mais interpretada nos Estados Unidos.[123][124]

"Beauty and the Beast" teve um desempenho consideravelmente bem nas paradas de todo o mundo. A canção atingiu o pico número nove na Billboard Hot 100, tornando-se o segundo hit de Dion no ranking depois de "Where Does My Heart Beat Now". A música alcançou o terceiro lugar na Billboard Hot Adult Contemporary. No Canadá, "Beauty and the Beast" atingiu o segundo lugar.[125] Fora da América do Norte, a música atingiu o topo entre as dez melhores na Nova Zelândia e no Reino Unido, enquanto atingiu o pico entre as vinte melhores na Austrália, Holanda e Irlanda. A canção vendeu mais de um milhão de cópias em todo o mundo.

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

A sessão de gravação de Dion e Bryson na The Power Station[126] foi filmada para o videoclipe,[94] sendo interpolada com várias cenas do filme, dirigido por Dominic Orlando.[127] O vídeo estreou no canal Vh1, transmitindo a uma audiência que não estava acostumada a ver personagens animados aparecem no meio de sua programação regular.[94]

Performances ao vivo[editar | editar código-fonte]

No Oscar de 1992, Angela Lansbury, Celine Dion e Peabo Bryson cantaram uma mistura de ambas as versões da canção, apoiado por dançarinos vestidos como Bela e Beast. Celine e Peabo também se apresentaram nos Grammys, World Music Awards, AMA, Wogan, The Tonight Show, e Top of the Pops mais tarde naquele ano. A dupla reuniu-se em 1996 para interpretar a música para o especial de televisão Oprah in Disneyland, enquanto Lansbury repetiu a performance na exibição do 25º aniversário do filme.[128] Cada um dos artistas respectivos realizou a música em concertos mais tarde em suas carreiras, fora do contexto da Disney. Por exemplo, Lansbury o cantou no concerto de Natal de 2002 com Mormon Tabernacle Choir. [199] Da mesma forma, Dion e Bryson apresentaram no concerto JT Super Producers 94 tributo a David Foster, [200] e como parte da turnê The Color of My Love Tour de Dion, embora também tenham cantado com diferentes duetos parceiros. Dion cantou com Tommy Körberg, Brian McKnight, Terry Bradford, Maurice Davis, Barnev Valsaint, e René Froger, entre outros; Peabo cantou com Coko e Regine Velasquez.

Créditos[editar | editar código-fonte]

Formatos e lista de faixas[editar | editar código-fonte]

  • 3", 7", 12", cassette, CD single (Mundial)
  1. "Beauty and the Beast" – 3:57
  2. "The Beast Lets Belle Go" (Instrumental) – 2:19
  • CD maxi single (Canadá)
  1. "Beauty and the Beast" – 3:57
  2. "The Beast Lets Belle Go" (Instrumental) – 2:19
  3. "Des mots qui sonnent" – 3:56
  4. "Délivre-moi" (Live) – 4:19
  • CD single promocional (EUA)
  1. "Beauty and the Beast" (Radio Edit) – 3:30

Desempenho nas tabelas musicais e certificações[editar | editar código-fonte]

Versão de Ariana Grande e John Legend[editar | editar código-fonte]

"Beauty and the Beast"
Single de Ariana Grande e John Legend
do álbum Beauty and the Beast (Original Motion Picture Soundtrack) e The Best
Gênero(s) Pop
Duração 3:48
Gravadora(s) Walt Disney
Composição
Produção
Cronologia de singles de Ariana Grande
"Everyday"
(2017)
"Heatstroke"
(2017)
Cronologia de singles de John Legend
"Penthouse Floor"
(2016)
"In America"
(2017)

Ariana Grande e John Legend regravaram "Beauty and the Beast" para a adaptação de 2017 em live-action de mesmo nome.[152][153] O videoclipe foi dirigido por Dave Meyers estreou no canal Freeform em 5 de março de 2017.[154] A versão também foi o único single da primeira coletânea de Ariana, intitulada The Best e lançada no Japão em 27 de setembro de 2017.

Desempenho nas tabelas musicais e certificações[editar | editar código-fonte]

Tabelas semanais[editar | editar código-fonte]

Parada (2017) Melhor
posição
Austrália (ARIA)[155] 64
Bélgica (Ultratop 40 de Flandres)[156] 41
Canadá (Canadian Hot 100)[157] 70
 Coreia do Sul (Gaon)[158] 25
 Coreia do Sul (International Chart (Gaon)[159] 1
Escócia (Official Charts Company)[160] 16
Estados Unidos (Billboard Hot 100)[161] 87
 Estados Unidos Kid Digital Songs (Billboard)[162] 1
Estados Unidos (Billboard Adult Contemporary)[163] 20
Flag of the Philippines.svg Filipinas (Philippine Hot 100)[164] 60
França (SNEP)[165] 71
Irlanda (IRMA)[138] 94
Japão (Japan Hot 100)[166] 10
 Nova Zelândia Heatseekers (RMNZ)[167] 6
Reino Unido (UK Singles Chart)[143] 52

Certificações e vendas[editar | editar código-fonte]

País Certificação Vendas
 Brasil (Pro-Música Brasil)[168] Ouro 20.000
 Estados Unidos (RIAA)[169] Ouro 500.000[170]
 Japão (RIAJ)[171] Ouro 100.000

Covers e uso na mídia[editar | editar código-fonte]

O grupo Jump5 gravaram "Beauty and the Beast" para o álbum DisneyMania.

Em 1993, o cantor de jazz Chris Connor gravou "Beauty and the Beast" para o seu álbum My Funny Valentine.[172] Em 1998, Paige O'Hara, voz original de Bela, gravou uma versão de "Beauty and the Beast" para o seu álbum Dream with Me.[173] Isso marcou a primeira vez que O'Hara gravou a música,[174] embora ela tenha cantado a música ao vivo várias vezes.[175] A Billboard avaliou positivamente o desempenho de O'Hara, escrevendo que a atriz fornece cada música com "o toque jovem e gentil".[176] Em 2000, o cantor Kenny Loggins gravou a música em seu álbum de música infantojuvenil, More Songs from Pooh Corner.[177] Em 2002, o grupo de música Jump5 gravou "Beauty and the Beast" para o álbum de compilação da Walt Disney Records DisneyMania.[178] Um videoclipe foi lançado ainda naquele ano e foi incluído como um extra na Edição Platinum em DVD de Beauty and the Beast: Special Edition.[179][180] Lauren Duca do The Huffington Post descreveu o cover uptempo do grupo como "ridiculamente pop dos anos 90."[181] Enquanto isso, a dupla musical H & Claire regravou a música para a Edição Platinum do filme no Reino Unido, que Betty Clarke de The Guardian definiu como uma interpretação "chata".[182]

Os atores Clare Bowen e Sam Palladio fizeram uma versão para "Beauty and the Beast".

No álbum de compilação com tema country The Best of Country Sing the Best of Disney (2006), "Beauty and the Beast" foi gravada pela banda country Diamond Rio.[183] Para contribuir com a divulgação do relançamento do filme em DVD e Blu-ray disc na Edição Diamante de 2010, a cantora Jordin Sparks gravou uma versão R&B de "Beauty and the Beast",[184] que foi lançada no iTunes em setembro.[185] Um vídeo musical dirigido por Philip Andelman foi incluído como bônus no lançamento em home-vídeo,[186] parte do segmento "Música e Mais" do disco.[187] O videoclipe mostra Sparks cantando "Beauty and the Beast" em um castelo.[184] Em 2011, Sparks realizou sua interpretação da música ao vivo no 30º aniversário do show televisivo de Dia da Independência dos Estados Unidos "A Capitol Fourth".[188] O álbum de compilação Eurobeat Disney (2010) apresenta uma cover em eurobeat pela cantora Domino.[189] Em 2014, os atores Clare Bowen e Sam Palladio cantaram "Beauty and the Beast" para o especial de televisão Backstage with Disney on Broadway: Celebrating 20 Years, que documenta o desenvolvimento de oito dos musicais da Disney na Broadway.[190] Ambos, conhecidos por seus papéis na série de televisão de drama musical Nashville,[191] Bowen, fã do filme, organizou o cover para satisfazer a visão dos produtores documentais, que "estavam procurando por artistas que poderiam oferecer interpretações inesperadas das músicas Disney."[192] Hilary Lewis, do The Hollywood Reporter, observou que a interpretação de Bowen e Palladio "é mais despojada do que as versões Lansbury e Dion-Bryson."[190] A música foi regravada várias vezes como parte da série de álbuns We Love Disney. We Love Disney France (2013) apresenta um cover dos cantores Garou e Camille Lou, enquanto no We Love Disney Australia (2014) apresenta um cover do grupo de pop operático Sole Mio.[193] We Love Disney Indonesia (2015) apresentou uma cover de Chilla Kiana, enquanto no We Love Disney Latino (2016) apresentou uma cover de Jencarlos e Paula Rojo.[194]

A cantora Alcione gravou uma versão em samba de "A Bela e a Fera" com a cantora Sylvinha.

No Brasil, uma versão pop em dueto de "A Bela e a Fera" foi executada nos créditos, interpretada por Ju Cassou, voz brasileira da personagem Bela, e por Marcelo Coutinho, diretor musical da dublagem brasileira.[195] A cantora Eliana gravou um cover de "A Bela e a Fera" para o seu álbum É Dez (2002).[196] Um videoclipe para a canção foi lançado, como parte da história "Eliana.com alegria", lançado originalmente em VHS junto com o CD "É Dez" e mais tarde em DVD.[197] No videoclipe, Eliana é um cupido que canta para curar um coração partido.[198] Em 2005, a cantora Miúcha gravou a canção para a compilação temática de bossa nova Disney Bossa Nova.[199] Essa mesma versão foi posteriormente incluída na compilação de mesma temática, Disney Adventures in Bossa Nova (2008).[200] Em 2010, as cantoras Alcione e Sylvinha gravaram uma versão em samba de "A Bela e a Fera" para a compilação Disney Adventures in Samba.[201]

A música aparece na adaptação musical da Broadway do filme, que estreou em 1994.[202] Quando a música estreou pela primeira vez na Broadway, havia poucos musicais da Broadway na época que apresentavam baladas sobre o amor.[203] Originalmente cantado ao vivo pela atriz Beth Fowler como a Mrs. Potts,[204] "Beauty and the Beast" foi incluída na trilha sonora original do musical, "Original Broadway Cast Recording", novamente interpretado por Fowler.[205][206] Enquanto a recepção crítica para o musical variou de negativa a mista, John Simon, da New York Magazine, elogiou a interpretação de Fowler para a canção.[207] Na primeira montagem do musical "A Bela e a Fera" no Brasil em 2002, Ana Taglianetti cantou "A Bela e a Fera" no papel de Sra. Potts, enquanto na segunda montagem em 2009, a canção foi interpretada por Paula Capovilla no mesmo papel de Taglianetti.

Em 1998, uma versão da música, intitulada "Beauty and the Bees" (A Bela e as Abelhas no português literal), foi feita para a fila do filme 3D It's Tough to Be a Bug! nos parques temáticos Disney's Animal Kingdom e Disney California Adventure. A música, escrita por Bruce Broughton e George Wilkins, foi lançada no álbum The Legacy Collection: Disneyland da Walt Disney Records.

Notas[editar | editar código-fonte]

  • A ^ Em tradução no português literal: "conto tão antigo quanto o tempo, verdadeiro como pode ser".
  • B ^ Em tradução no português literal: "Mal são amigos e então alguém se curva inesperadamente".
  • C ^ Em tradução no português literal: "conto tão antigo quanto o tempo".

Referências

  1. a b «Bomb Threat Forces Jet to Land in Las Vegas». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  2. a b «Alan Menken: Q&A with the music maestro behind Disney's Beauty And The Beast». The Straits Times (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  3. a b «Beauty And The Beast: Paige O'Hara Interview». On The Box (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  4. a b c d «Oscars 1992: How 'Beauty and the Beast' changed animation». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  5. a b «Past Winners Search». GRAMMY.com (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  6. a b c «Alan Menken Revisits 'Beauty & The Beast'». ComicMix (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  7. Hischak, Thomas S. (2011). Disney Voice Actors: A Biographical Dictionary. United States: McFarland. pp. 121–122. ISBN 9780786486946 
  8. Brent, Dodge (2010). From Screen to Theme: A Guide to Disney Animated Film References Found Throughout the Walt Disney World(r) Resort. United States: Dog Ear Publishing. 139 páginas. ISBN 9781608444083 
  9. a b «Angela Lansbury Revisits Disney Classic 'Beauty And The Beast'». Huffington Post (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  10. «Toledo Blade». Toledo Blade. 29 de novembro de 1991. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  11. «TOP 25 DISNEY SONGS». IGN (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  12. a b «"Tale as Old as Time" may make you fall in love with Disney's "Beauty and the Beast" all over again». Jim Hill Media (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  13. Solomon, Charles (2010). Tale as Old as Time: The Art and Making of Beauty and the Beast. Estados Unidos: Disney Editions. ISBN 978-1423124818 
  14. «30 Things You Might Not Know About "Beauty And The Beast"». Buzzfeed (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  15. a b «15 Things You Might Not Know About 'Beauty and the Beast'». Mental Floss (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  16. «From 'A Whole New World' to 'Zip-a-Dee-Doo-Dah': We Rank Every Oscar-Winning Disney Song!». broadway.com (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  17. «'Beauty and the Beast' Composer Alan Menken on Rediscovering Lost Lyrics and Why He's "Shutting Up" About That Gay Character». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 21 de janeiro de 2018 
  18. a b c «Beauty and the Beast – By Angela Lansbury - Digital Sheet Music». Music Notes (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  19. a b «Beauty and the Beast (Original Motion Picture Soundtrack) by Various Artists». Music Notes (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  20. «Back to 'The Beast': Disney tinkers with an old favorite». NJ.com (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  21. «Beauty And The Beast Movie Review (1991) by Roger Ebert». Roger Ebert (em inglês). 22 de novembro de 1991. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  22. a b «Beauty and the Beast 3D». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  23. a b Hischak, Thomas S; Robinson, Mark A (2009). The Disney Song Encyclopedia. Estados Unidos: Scarecrow Press. p. 15. ISBN 9780810869387 
  24. a b c «The Definitive Ranking Of The 102 Best Animated Disney Songs». BuzzFeed (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  25. a b c «`Beauty And The Beast` Has A Song In Its Heart». Chicago Tribune (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  26. a b «'The Lion King' turns 20: Celebrating Disney's greatest musical moments». Pop Matters (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  27. «How 'Beauty and the Beast' Changed Oscar's Best Picture Race Forever». Pop Matters (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  28. a b «Every Oscar Winner for Best Original Song, Ranked». Spin (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  29. a b «The 30 best Disney songs in history». GamesRadar+ (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  30. «Beauty And The Beast». TV Guide (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  31. «Beauty and the Beast: Three-Disc Diamond Edition Blu-ray Review». IGN (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  32. Dixon, Wheeler W (2000). Film Genre 2000: New Critical Essays. Estados Unidos: SUNY Press. ISBN 9780791445143 
  33. a b c «Beauty and the Beast (1991)». Not Just Movies (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  34. «20 Facts You Didn't Know About 1991's 'Beauty and the Beast' for 25th Anniversary (Photos)». The Wrap (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  35. «Feel the Love Tonight With This Romantic Disney Playlist». POPSUGAR (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  36. «45 Disney Love Songs for Valentine's Day and Beyond». Virtual Sheet Music blog (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2019 
  37. «FILM REVIEW: Beauty and the Beast 3D (U)». Chichester Observer (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  38. «"Beauty and the Beast" is DA BOMB!». twyman-whitney.com (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  39. Brooks, Linda Ruth (2010). I'm Not Broken, I'm Just Different. Reino Unido: Linda Ruth Brooks. ISBN 9780646529233 
  40. «REVIEW: BEAUTY AND THE BEAST 3D». JoBlo.com (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  41. «Beauty and the Beast by Celine Dion». Song Facts (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  42. a b «Ten Romantic Disney Moments (Frozen not included)». Movie Pilot (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  43. «M'S ULTIMATE LIST: TOP 20 DISNEY SONGS OF ALL TIME». m-magazine.com (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  44. Ayres, Brenda (2003). The Emperor's Old Groove: Decolonizing Disney's Magic Kingdom. Estados Unidos: P. Lang. p. 86. ISBN 9780820463636 
  45. «Beauty and the Beast». Howard Ashman (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  46. Griswold, Jerry (2004). The Meanings of "Beauty and the Beast": A Handbook. Canadá: Broadview Press. p. 252. ISBN 9781551115634 
  47. Porto, Lucía Loureiro. The Translation of the Songs in Disney's "Beauty and the Beast": an example of Manipulation (PDF). [S.l.: s.n.] p. 134 
  48. «Beauty and the Beast (1991)». AllMovie (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  49. a b «'Beauty and the Beast is a real beaut». Chicago Tribune (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  50. «10 Wonderful Disney Songs That Do Not Get Enough Credit». Cinema Blend (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  51. «Review/Film; Disney's 'Beauty and the Beast' Updated in Form and Content». The New York Times (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  52. «'Beauty and the Beast'». The Washington Post (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  53. a b «Beauty and the Beast (United States, 1991)». The Washington Post (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  54. «Beauty and the Beast 3D (U)». Independent (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  55. «Film review: Beauty and the Beast». Deseret News (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  56. «Looking back at Disney's Beauty And The Beast». Den of Geek! (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  57. «The 10 Greatest Disney Animated Films of All Time». PopMatters (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  58. «A REAL 'BEAUTY'». New York Post (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  59. Wells, Paul (2002). Animation: Genre and Authorship. Estados Unidos: Wallflower Press. p. 132. ISBN 9781903364208 
  60. «Best of Disney: Beauty And The Beast». Female First (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  61. «Review/Critic's Notebook; The Inner Workings Of the Animator's Art». The New York Times (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  62. «Unfinished 'Beauty' to Make Splashy Debut : Movies: The New York Film Festival will premiere Disney's animated work-in-progress on Sept. 29.». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  63. «Timeless Tale Taps Deep Emotions». Sun Sentinel (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  64. «Beauty and the Beast 3D: Disney classic gets added pop». The Globe and Mail's (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  65. «Beauty and the Beast». Radio Times (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  66. «Tame `Beast`». Chicago Times (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  67. «Disney giving 3-D treatment to more classics». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  68. «Beauty and the Beast 3D». Paste Magazine (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  69. «'Beauty and the Beast 3-D' review: Disney's 'tale as old as time' showing its age». The Times-Picayune (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  70. «Beauty and the Beast - 3D: a work of art and still a joyous musical». The National (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  71. «Chris Hicks: Remastered 'Beast' is a beauty». The Deseret News (em inglês). Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  72. «Dangerous Rhythm: Why Movie Musicals Matter». google.com.au 
  73. «Serious Business». google.com.au 
  74. «Golden Globe Awards for 'Beauty and the Beast'». Golden Globes. Hollywood Foreign Press Association. Consultado em 9 de junho de 2016 
  75. a b c «THE 64TH ACADEMY AWARDS | 1992 – WINNERS & NOMINEES – MUSIC (ORIGINAL SONG)». The Academy of Motion Picture Arts and Sciences. Academy of Motion Picture Arts and Sciences. Consultado em 9 de junho de 2016 
  76. Sporkin, Elizabeth (16 de dezembro de 1991). «Sadness at the Heart of a Hit». People. Time Inc. Consultado em 20 de novembro de 2012 
  77. Blau, Eleanor (15 de março de 1991). «Howard Ashman Is Dead at 40; Writer of 'Little Shop of Horrors'». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 20 de novembro de 2012 
  78. Corliss, Richard (12 de janeiro de 2012). «Beauty and the Beast in 3-D: Still an Enchantment». Time. Time Inc. Consultado em 18 de novembro de 2012 
  79. Cromelin, Richard; Dennis Hunt (8 de janeiro de 1993). «Clapton Plugs Into Grammy Glory : Nominees: The British guitarist's acoustic 'Unplugged' yields nine nominations. 'Beauty and the Beast' follows with eight.». The Los Angeles Times. Los Angeles Times. Consultado em 18 de novembro de 2012 
  80. «Past Winners Search | GRAMMY.com». Grammy.com. The Recording Academy. Consultado em 30 de setembro de 2012 
  81. «Billboard». google.com.au 
  82. Batdorf, Rodney. «Galway at the Movies - James Galway - Songs, Reviews, Credits, Awards - AllMusic». AllMusic 
  83. Esterbrook, John (23 de junho de 2004). «The 100 Best Movie Songs». CBS News. CBS Interactive Inc. Consultado em 17 de junho de 2015 
  84. «100 Greatest Songs in American Movies 100 YEARS...100 SONGS by American Film Institute (AFI)». Filmsite.org. American Movie Classics Company LLC. Consultado em 17 de junho de 2015 
  85. Newman, Heather (5 de fevereiro de 2014). «The Definitive Ranking Of Disney Love Songs». BuzzFeed. BuzzFeed, Inc. Consultado em 17 de junho de 2015 
  86. Champion, Lindsay (1 de março de 2014). «From 'A Whole New World' to 'Zip-a-Dee-Doo-Dah': We Rank Every Oscar-Winning Disney Song!». Broadway.com. BROADWAY.COM. Consultado em 17 de junho de 2015 
  87. James, Nicole (23 de abril de 2014). «11 Highest-Charting Songs From Disney Movies». Fuse. FUSE NETWORKS LLC. Consultado em 29 de maio de 2015 
  88. Winning, Josh (1 de dezembro de 2011). «50 Greatest Disney Movie Moments». Total Film. Future Publishing Limited. Consultado em 5 de agosto de 2013 
  89. Birch, Gaye (8 de junho de 2010). «Top 12 most memorable dance scenes in films». Den of Geek. Dennis Publishing Limited. Consultado em 17 de junho de 2015 
  90. Sheehan, Kim (3 de agosto de 2012). «50 Greatest Movie Dance Sequences». GamesRadar. Future US, Inc. Consultado em 25 de junho de 2015 
  91. ohnotheydidnt. «Oh No They Didn't! - The Top 25 Disney Songs of All Time». livejournal.com 
  92. «Top 20 Disney songs ever from Aladdin to Toy Story - Metro News». Metro 
  93. Celine Dion* – All The Way... A Decade Of Song (em inglês) no Discogs
  94. a b c d e «FILM; Target: Boomers and Their Babies». The New York Times (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  95. «Beauty and the Beast Facts». Magical Kingdoms (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  96. a b «Menken Still Enchanted By Beauty Of 'Beast'». The Movies News Story (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  97. Various – Beauty And The Beast // The Little Mermaid (em inglês) no Discogs
  98. a b «Part of Their World: The Stories and Songs of 13 Disney Princesses». Song Facts (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  99. a b c Beaunoyer, Jean (2004). René Angelil: The Making of Céline Dion: The Unauthorized Biography. Estados Unidos: Dundurn. pp. 254–259. ISBN 9781459714779 
  100. Glatzer, Jenna (2005). Celine Dion: For Keeps. Estados Unidos: Andrews McMeel Publishing. p. 58–60. ISBN 9780740755590 
  101. «Oscars: 10 high-powered races from the last 25 years». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  102. «James Horner – An American Tail». AllMusic (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  103. a b Beauregard, Sylvain (2002). Passion Celine Dion the Book: The Ultimate Guide for the Fan.  Estados Unidos: Trafford Publishing. p. 11. ISBN 9781553692126 
  104. «Top A&R Exec Jay Landers Has Great Success With Barbra Streisand, Josh Groban and Hilary Duff». Songwriter Universe (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  105. Celine Dion* - Celine Dion (em inglês) no Discogs
  106. a b Céline Dion & Peabo Bryson – Beauty And The Beast (em inglês) no Discogs
  107. «Disney/Alan Menken – Beauty and the Beast». AllMusic (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  108. «Beauty and the Beast – By Celine Dion - Digital Sheet Music». Music Notes (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  109. a b «Filmtracks: Beauty and the Beast (Alan Menken)». FilmTracks.com (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  110. Peabo Bryson – Through The Fire (em inglês) no Discogs
  111. «Review: Beauty and the Beast Official Soundtrack». geeksundergrace.com (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  112. «Celine Dion». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  113. «Review: Soundtrack (Disney) - Beauty and the Beast». sputnikmusic.com (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  114. «Top 20 Disney Songs by Pop Stars». Fuse (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  115. «Celine Dion The Colour of My Love (Epic) (STAR)(STAR...». Chicago Tribune (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  116. «Film Shorts». Fort Worth Weekly (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  117. «Break Yo' TV: "The NeverEnding Story"». Consequence of Sound (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  118. «Will Celine Dion be even more popular in 2012?». Yahoo! News (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  119. a b «Clapton Plugs Into Grammy Glory : Nominees: The British guitarist's acoustic 'Unplugged' yields nine nominations. 'Beauty and the Beast' follows with eight.». latimes.com (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  120. a b «Clapton Is Nominated For 9 Grammy Awards». The New York Times (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  121. «Clapton Rocks `N` Rolls To Fistful Of Grammys `beauty And The Beast` Waltzes To 5 Trophies». Sun Sentinel (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2017 
  122. «Search Past Nominees/Winners». Juno Awards (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2017 
  123. «ASCAP Film and Television Music Awards (1993)». IMDb (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2017 
  124. «Warren, 'Best' tapped tops at ASCAP gala». Variety (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2017 
  125. «Hits of the World» (PDF). Billboard (em inglês). Consultado em 12 de abril de 2017 
  126. «Celine Dion* - Celine Dion Images». Discogs (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2017 
  127. Glatzer, Jenna (2005). Céline Dion: For Keeps. [S.l.]: Andrews McMeel Publishing. ISBN 0-7407-5559-5 
  128. «Watch Angela Lansbury Sing Beauty And The Beast To The Total Surprise Of Disney Fans». CINEMABLEND (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2017 
  129. «Australian-charts.com – Céline Dion and Peabo Bryson – Beauty and the Beast» (em inglês). ARIA Top 50 Singles. Hung Medien.
  130. «Ultratop.be – Céline Dion and Peabo Bryson – Beauty and the Beast» (em neerlandês). Ultratop 50. Ultratop & Hung Medien / hitparade.ch.
  131. «Hits of the World» (PDF). Billboard. 28 de março de 1992. p. 38. Consultado em 18 de maio de 2015 
  132. Nanda Lwin (1999). Top 40 Hits: The Essential Chart Guide. [S.l.]: Music Data Canada. ISBN 1-896594-13-1 
  133. «Image : RPM Weekly». Library and Archives Canada. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  134. «Image : RPM Weekly». Library and Archives Canada. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  135. «Celine Dion Album & Song Chart History» (em inglês). Billboard Hot 100 para Celine Dion.
  136. «Celine Dion Album & Song Chart History» (em inglês). Billboard Adult Contemporary Songs para Celine Dion.
  137. «Hits of the World» (PDF). Billboard. 6 de junho de 1992. Consultado em 3 de setembro de 2014 
  138. a b «The Irish Charts – Search Results – Beauty and the Beast» (em inglês). Irish Singles Chart.
  139. セリーヌ・ディオンのシングル売り上げランキング (em Japanese). Oricon. Consultado em 6 de setembro de 2014. Arquivado do original em 25 de outubro de 2014 
  140. «Charts.org.nz – Céline Dion and Peabo Bryson – Beauty and the Beast» (em inglês). Top 40 Singles. Hung Medien.
  141. «Nederlandse Top 40 – week 29, 1992» (em neerlandês). Dutch Top 40 Stichting Nederlandse Top 40.
  142. «Dutchcharts.nl – Céline Dion and Peabo Bryson – Beauty and the Beast» (em neerlandês). Mega Single Top 100. Hung Medien / hitparade.ch.
  143. a b «Top 40 Official UK Singles Archive» (em inglês). UK Singles Chart. Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "sc_UK_" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  144. Gavin Ryan (2011). Australia's Music Charts 1988-2010. Mt. Martha, VIC, Australia: Moonlight Publishing 
  145. «The RPM Top 100 Adult Contemporary Tracks of 1992». RPM. 19 de dezembro de 1992. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  146. a b «The Year in Music: 1992» (PDF). Billboard. 26 de dezembro de 1992. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  147. «Top Selling Singles of 1992». Recorded Music NZ. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  148. «Jaarlijsten 1992» (em Dutch). Dutch Top 40. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  149. «American single certifications – Celine Dion – Beauty and the Beast». RIAA. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  150. «Ask Billboard: Does Lionel Richie Make Billboard Chart History?». Billboard. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  151. «ビューティ・アンド・ザ・ビースト~美女と野獣 92.4.8 (SME)» (PDF). RIAJ. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  152. Grande, Ariana (10 de janeiro de 2017). «🥀». Instagram. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  153. Nessif, Bruna (10 de janeiro de 2017). «It Looks Like Ariana Grande and John Legend Are Teaming Up for a Beauty and the Beast Duet». E!. Consultado em 11 de janeiro de 2017 
  154. Ashley Iasimone. «Ariana Grande & John Legend Debut 'Beauty and the Beast' Video: Watch». Billboard. Consultado em 10 de abril de 2017 
  155. «Australian-charts.com – Ariana Grande – Beauty and the Beast» (em inglês). ARIA Top 50 Singles. Hung Medien.
  156. «Ultratop.be – Ariana Grande / John Legend – Beauty and the Beast» (em neerlandês). Ultratip. ULTRATOP & Hung Medien / hitparade.ch.
  157. «Ariana Grande Album & Song Chart History» (em inglês). Canadian Hot 100 para Ariana Grande.
  158. «2017년 12주차 Digital Chart». Gaon Chart. Consultado em 18 de setembro de 2017 
  159. «Gaon Digital Chart – Issue date: 2017.19.03 – 2017.25.03». Gaon Chart. Consultado em 10 de abril de 2017 
  160. «Archive Chart» (em inglês). Scottish Singles Top 40.
  161. «Ariana Grande Album & Song Chart History» (em inglês). Billboard Hot 100 para Ariana Grande.
  162. "Kid Digital Songs : Feb 25, 2015". Billboard. Acesso em 10 de abril de 2017.
  163. «Ariana Grande Album & Song Chart History» (em inglês). Billboard Adult Contemporary Songs para Ariana Grande.
  164. «BillboardPH Hot 100». Billboard Philippines. 19 de junho de 2017. Consultado em 19 de junho de 2017 
  165. «Lescharts.com – Ariana Grande / John Legend – Beauty and the Beast» (em francês). Les classement single. Hung Medien.
  166. «Ariana Grande Album & Song Chart History» (em inglês). Japan Hot 100 para Ariana Grande.
  167. «NZ Heatseekers Singles Chart». Recorded Music NZ. 13 de fevereiro de 2017. Consultado em 10 de abril de 2017 
  168. «Certificados de Ariana Grande». Pro-Música Brasil. Consultado em 11 de abril de 2018 
  169. «Gold & Platinum: Ariana Grande, John Legend». RIAA. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  170. «Ask Billboard: Does Lionel Richie Make Billboard Chart History?». Billboard. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  171. «ゴールドディスク認定 一般社団法人 日本レコード協会». RIAJ. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  172. Friedwald, Will (2010). A Biographical Guide to the Great Jazz and Pop Singers. United States: Knopf Doubleday Publishing Group. 115 páginas. ISBN 9780307379894 
  173. «Dream with Me – Paige O'Hara». AllMusic. All Media Network, LLC. 1998. Consultado em 18 de junho de 2015 
  174. «1999 Children's Music Reviews». KidzMusic. KidzMusic.com. Fevereiro de 1999. Consultado em 19 de junho de 2015 
  175. Schorr, Melissa (24 de novembro de 1998). «Paige O'Hara says 'Dream With Me'». Las Vegas Sun. Las Vegas Sun. Consultado em 18 de junho de 2015 
  176. Verna, Paul (16 de junho de 1999). «Reviews & Previews». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. p. 18. Consultado em 19 de junho de 2015 
  177. «More Songs from Pooh Corner – Kenny Loggins». iTunes. Apple Inc. 2000. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  178. «Disneymania – Disney». AllMusic. All Media Network, LLC. 17 de setembro de 2002. Consultado em 16 de junho de 2015 
  179. «Beauty and the Beast: Platinum Edition». IGN. 1 de março de 2002. Consultado em 18 de junho de 2015 
  180. Cedeno, Kelvin (23 de outubro de 2002). «Beauty and the Beast: Platinum Edition DVD Review». DVDizzy.com. DVDizzy.com. Consultado em 18 de junho de 2015 
  181. Duca, Lauren (13 de novembro de 2013). «10 Covers Of 'Beauty And The Beast' Classic 'Tale As Old As Time'». The Huffington Post. TheHuffingtonPost.com, Inc. Consultado em 19 de junho de 2015 
  182. Clarke, Betty (15 de novembro de 2002). «H and Claire: Another You, Another Me». The Guardian. Guardian News and Media Limited. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  183. Owens, Thom (1996). «The Best of Country Sing the Best of Disney - Disney - Songs, Reviews, Credits, Awards - AllMusic». AllMusic. All Media Network, LLC. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  184. a b Wallace, Aaron (1 de outubro de 2010). «Beauty and the Beast: Diamond Edition Blu-ray & DVD Review». DVDizzy.com. DVDizzy.com 
  185. Peter, Thomas (14 de setembro de 2010). «Jordin Sparks Talks Times Square Billboards; Releases "Beauty and the Beast" Cover, Too». Playbill. Playbill, Inc. Consultado em 18 de junho de 2015 
  186. «Jordin Sparks Does 'Beauty & The Beast'». Hollywire. Hollywire. 2010. Consultado em 25 de junho de 2015 
  187. «Disney's "Beauty And The Beast" Diamond Edition Review And Giveaway». Disney Dreaming. DisneyDreaming.com. 5 de outubro de 2010. Consultado em 18 de junho de 2015 
  188. Gioia, Michael (5 de julho de 2011). «Performance Highlights from "A Capitol Fourth" Featuring Matthew Morrison, Kelli O'Hara, Jordin Sparks (Video)». Playbill. Playbill, Inc. Consultado em 18 de junho de 2015 
  189. «Various – Eurobeat Disney». Discogs. Discogs. 2000. Consultado em 9 de agosto de 2015 
  190. a b Lewis, Hilary (19 de junho de 2015). «Watch 'Nashville' Stars Clare Bowen and Sam Palladio Sing "Beauty and the Beast"». The Hollywood Reporter. Consultado em 19 de junho de 2015 
  191. Paulson, Dave (29 de novembro de 2014). «Clare Bowen, Sam Palladio sing Disney tune for TV». The Tennessean. Consultado em 19 de junho de 2015 
  192. Betts, Stephen L (16 de dezembro de 2014). «'Nashville' Stars Sam Palladio and Clare Bowen Do Broadway in ABC Special». Rolling Stone. Rolling Stone. Consultado em 19 de junho de 2015 
  193. «Various Artists – We Love Disney». AllMusic. All Media Network, LLC. 2014. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  194. «We Love Disney (Latino) by Vários Artistas on iTunes» 
  195. «Alan Menken, Howard Ashman – A Bela E A Fera: Trilha Sonora Original de Walt Disney Records». Discogs. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  196. «Eliana (3) – É Dez». Discogs. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  197. «Eliana comemora dez anos de carreira com CD e vídeo e critica TV». Folha de S.Paulo. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  198. «A Bela e a Fera - Eliana». Youtube. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  199. «Various – Disney Bossa Nova». Discogs. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  200. «Various (4) – Disney adventures in Bossa Nova». Discogs. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  201. «Various – Disney Adventures In Samba». Discogs. Consultado em 23 de janeiro de 2018 
  202. Robinson, Mark A (2014). World of Musicals, The: An Encyclopedia of Stage, Screen, and Song. June 21, 2015: ABC-CLIO. 65 páginas. ISBN 9781440800979 
  203. Richards, David (19 de abril de 1994). «Review/Theater: Beauty and the Beast; Disney Does Broadway, Dancing Spoons and All». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 4 de junho de 2016 
  204. «Beauty and the Beast: Opening Night Cast». Playbill Vault. Playbill, Inc. Consultado em 21 de junho de 2015. Arquivado do original em 23 de junho de 2015 
  205. Fawthrop, Peter (1994). «Beauty and the Beast [Original Broadway Cast Recording] – Original Broadway Cast». AllMusic. All Media Network, LLC. Consultado em 21 de junho de 2015 
  206. «Various Artists – Beauty and the Beast: The Broadway Musical». AllMusic. All Media Network, LLC. 1997. Consultado em 21 de junho de 2015 
  207. Simon, John (2 de março de 1994). «Hairy Fairy Tale». New York. New York Media, LLC. p. 72. Consultado em 21 de junho de 2015