Dreaming of You (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Dreaming of You
Álbum de estúdio de Selena
Lançamento 18 de julho de 1995 (1995-07-18)
Gravação Dezembro de 1994 — Março de 1995
Gênero(s) Tejano  · pop  · ranchera  · R&B
Duração 51:23
Idioma(s) Espanhol  · Inglês
Formato(s) CD  · download digital  · vinil  · cassete
Gravadora(s) EMI  · EMI Latin
Produção A.B. Quintanilla III  · José Hernàndez  · Rhett Lawrence  · Arto Lindsay  · Susan Rogers  · David Byrne  · Keith Thomas  · Guy Roche
Cronologia de Selena
Amor Prohibido
(1994)
Exitos y Recuerdos
(1996)
Singles de Dreaming of You
  1. "I Could Fall in Love"
    Lançamento: 26 de junho de 1995 (1995-06-26)
  2. "Tu, Solo Tu"
    Lançamento: 26 de junho de 1995 (1995-06-26)
  3. "Dreaming of You"
    Lançamento: 14 de agosto de 1995 (1995-08-14)
  4. "Techno Cumbia"
    Lançamento: 14 de agosto de 1995 (1995-08-14)
  5. "El Toro Relajo"
    Lançamento: Novembro de 1995
  6. "I'm Getting Used To You"
    Lançamento: 2 de março de 1996 (1996-03-02)

Dreaming of You é o quinto e último álbum de estúdio da cantora americana Selena. Lançado postumamente em 18 de julho de 1995, pelas gravadoras EMI Latin e EMI. Depois de assinar um contrato de gravação com a EMI Latin em 1989, o selo negou a Selena um disco que pudesse transiciona-la ao mercado pop de língua inglesa, o solicitado somente após ela realizar três gravações demonstrativas nesse idioma. Após a liberação de seu primeiro disco ao vivo, Live (1993), que a rendeu uma indicação vitoriosa ao prêmio Grammy, a cantora assinou com a gravadora SBK para começar as gravações de seu projeto de transição, que foi notícia de primeira página na revista Billboard. Em março de 1994, ela lançou Amor Prohibido; em entrevistas, Selena disse que seu álbum em inglês ainda estava sendo desenvolvido. As sessões de gravação de Dreaming of You começaram em dezembro de 1994; a cantora gravou quatro faixas programadas para o projeto. No entanto, em 31 de março de 1995, ela foi morta a tiros por Yolanda Saldívar, ex-gerente de suas butiques Selena Etc. por causa de uma disputa sobre ações de peculato.

Dreaming of You foi de imediato um sucesso comercial e de crítica, estreando no topo da Billboard 200 dos Estados Unidos — o primeiro álbum predominantemente em espanhol a conseguir esse feito. Vendeu 175 mil cópias em seu primeiro dia de lançamento nos Estados Unidos — um recorde para uma artista feminina. Com vendas na primeira semana de 331 mil unidades, tornando-se a segunda maior venda na primeira semana para uma mulher desde que Nielsen Soundscan começou a monitorar as vendas de discos em 1991. A Billboard declarou que foi um evento "histórico", enquanto a revista Time disse que a gravação levou a música de sua intérprete a um público mais amplo. O produto foi condecorado com os prêmio de Álbum do Ano e Álbum Pop Feminino do Ano no Prêmio da Música Tejana de 1996 e no 3º Prêmio Billboard de Música Latina respectivamente.

Dreaming of You contém alguns materiais anteriormente lançados, bem como algumas faixas inéditas em inglês e espanhol que foram gravadas entre 1992 e 1995. A obra trouxe um diferencial ao unir música pop e R&B, com a primeira metade do produto contendo baladas de cunho amoroso, enquanto a última metade traça o repertório com temática latina de Selena. Seis faixas do álbum foram lançadas como singles; Os primeiros quatro, "I Could Fall in Love", "Tu, Solo Tu", "Techno Cumbia" e "Dreaming of You", ficaram entre os dez primeiros postos nas paradas americanas. A faixa-título se tornou o primeira música de trabalho de Selena a adentrar na tabela americana Billboard Hot 100, chegando ao número vinte e dois.

Dreaming of You foi uma das dez estreias com maior número de vendas de todos os tempos, o maior número de cópias comercializadas em menor tempo por uma artista feminina,[n 1] e o álbum de 1995 que mais rapidamente vendeu na primeira semana nos Estados Unidos. Desde então, foi classificado entre as melhores e mais importantes gravações produzidas durante a era do rock and roll. Os meios de comunicação desde então o classificaram entre os melhores lançamentos póstumos. Quando Dreaming of You alcançou o primeiro lugar, a música tejana entrou no mercado de sucesso comercial. Os critícos especializados em música contemporânea disseram que a população em geral dos Estados Unidos não teria tomado conhecimento sobre o tejano ou música latina se não fosse por Dreaming of You. Ao alcançar vendas superiores a 3,549 milhões de unidades equivalentes a álbuns nos Estados Unidos a Recording Industry Association of America (RIAA) o certificou com 59 certificados de plantina (campo latino). Fora do território americano, o material acabou sendo certificado como ouro pela Music Canada (MC) e a Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas (AMPROFON). Até janeiro de 2015, mais de cinco milhões de exemplares do produto foram adquiridas em todo o mundo. Com vendas de três milhões de cópias, é o álbum latino mais vendido de todos os tempos nos Estados Unidos.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

"Mesmo que as mulheres não tenham obtido sucesso comercial no negócio da música tejana, a verdade seja dita, não a contratei para vender discos de tejano. Foi o aspecto de transição que realmente me interessou".

José Behar falando sobre seu interesse em contratar Selena.[3]

Na década de 1960, o pai de Selena, Abraham Quintanilla, Jr. tornou-se o terceiro vocalista do Los Dinos, um grupo composto por músicos americanos de descendência mexicana.[4] A banda começou suas carreiras tocando música doo-wop em inglês.[4] Os americanos brancos ficaram ofendidos por uma banda de origem latina estar cantando "seu tipo de música".[5] Depois que uma multidão de mexicanos-americanos expulsaram Los Dinos de uma boate por estarem cantando canções em inglês, a banda decidiu apresentar músicas de sua herança.[6] Los Dinos começou então gravar e tocar canções em espanhol e sua popularidade cresceu.[7] Quintanilla, Jr. deixou a banda na década de 1970 após ter seu terceiro filho, Selena.[8] Depois de perceber que ela tinha talento para cantar, ele rapidamente reuniu seus filhos em uma banda chamada Selena y Los Dinos.[9] Apesar de inicialmente quererem gravar músicas em inglês, a banda optou por gravar composições em tejano; um gênero de música em língua espanhola dominado por homens[10] — com influências de polca alemã,[11] jazz e música country — que era popular entre os mexicanos que viviam nos Estados Unidos.[12] A banda era frequentemente rejeitada pelos locais de música do Texas por causa da idade dos membros e por ter Selena, uma mulher, como sua vocalista principal.[13]

Rick Trevino, fundador do Prêmio de Música Tejana, originalmente recrutou a banda La Sombra como o ato de abertura para a cerimônia de premiação de 1989, seguindo Selena y Los Dinos.[14] O vocalista da banda, Frank Sunie, recusou a oferta, dizendo a Trevino que ele "não abriria para ninguém".[14] Trevino então ligou para Quintanilla Jr. para pedir-lhe que abrisse a cerimônia.[14] Quintanilla Jr. imediatamente aceitou a oferta, dizendo que era "o melhor momento, porque todos estão sóbrios [...] estão ouvindo o artista e a música".[14] Sem o conhecimento de Quintanilla, Jr e Selena, o novo chefe da Sony Music Latin e José Behar, que havia lançado recentemente o selo discográfico EMI Latin, estava participando da cerimônia de premiação e procurando por novos artistas latinos.[15][16] Behar queria assinar com Selena para a gravadora Capitol da EMI, enquanto a Sony Music Latin estava oferecendo a Quintanilla, Jr. duas vezes a soma da Capitol.[16][17] Behar pensou que havia descoberto a próxima Gloria Estefan, mas seu superior considerou Behar ilógico, já que ele estava no Texas há apenas uma semana.[16][17] Quintanilla Jr. escolheu a oferta da EMI Latin por causa do potencial para um futuro lançamento de transição ao mercado pop de língua inglesa, além de querer que seus filhos fossem os primeiros músicos a assinar com a empresa.[16][17]

Antes de Selena assinar seu contrato com a EMI Latin em 1989,[18] Behar e seu sócio Stephen Finfer solicitaram a cantora um álbum de estreia em inglês.[19][20] Ela foi convidada a fazer três gravações demonstrativas nesse idioma para Charles Koppelman, presidente da EMI.[21] Depois de revisá-las, Koppelman recusou uma tentativa de transição, acreditando Selena deveria primeiro fortalecer a sua base de fãs hispânicos.[17] Em uma entrevista de 2007, Behar falou sobre a dificuldade de concretizar o projeto.[17] Ele disse que a EMI "deixou todos nós acreditando que ela gravaria em inglês, e isso simplesmente não estava se materializando por qualquer motivo".[17] Behar disse que a gravadora "não acreditou, eles não acharam que isso poderia acontecer", e continuamente disse a Selena e seu pai que aquele "não era o momento certo" para um disco em inglês.[17]

Selena assinou um contrato com a SBK, uma subsidiária da EMI, em novembro de 1993, após a indicação de seu primeiro disco ao vivo, Live (1993), ao prêmio Grammy.[22][23] A notícia do contrato com a gravadora foi notícia de primeira página na revista Billboard.[24][25] Durante uma reunião em 1994, Selena expressou sua culpa para Behar; ela contou aos entrevistadores sobre seu primeiro álbum de transição e disse a eles que a gravação seria lançada brevemente.[17] Na época, a cantora ainda não havia gravado uma única música para o projeto.[17] Behar posteriormente disse a Koppelman que Selena e sua banda deixariam a EMI e encontrariam uma outra gravadora disposta a lançar o álbum em inglês dela.[17] Behar mentiu para o presidente para convencê-lo a iniciar logo a produção do material; A EMI cedeu e as sessões de gravação começaram.[17] Selena disse que estava se sentindo intimidada pelo contrato, porque a situação era nova para ela e apenas algumas pessoas estavam acreditando que ela iria alcançar sucesso no mercado anglófono.[25]

Gravação e produção[editar | editar código-fonte]

"[...] quando o álbum de transição para o inglês veio, ela literalmente chorou. Ela [me] disse: "Não sei se consigo fazer isso, você não está [aqui] me produzindo". Ela não gostou do fato de ter que abrir mão de certas coisas a que estava acostumada".

AB Quintanilla III, 2007.[16]

De acordo com Betty Cortina da revista People, Dreaming of You marcou uma mudança que anulou Selena sendo comercializada como parte de sua banda e a cobrou como uma artista americana solo "da maneira mais fundamental para ela".[16] A partir de 1989, o irmão da cantora, AB Quintanilla, tornou-se o principal produtor musical e compositor de suas gravações, e assim permaneceu ao longo de sua carreira.[26] Como Quintanilla III estava trabalhando no álbum seguinte da artista, Amor Prohibido (1994), ele não pôde produzir o álbum em inglês dela.[27] Ele foi convidado a se encontrar com vários produtores em Nova Iorque e escolher o que melhor "se encaixasse no estilo de Selena".[27] Dreaming of You foi o primeiro álbum que a família da cantora não produziu.[16] Eles decidiram deixar o cargo antes das sessões de gravação se iniciarem e permitir que produtores especializados em música pop trabalhassem com ela.[16] Quintanilla III e Selena voaram para Nashville, Tennessee, e se encontraram com Keith Thomas, que havia preparado as partes instrumentais de uma música intitulada "I Could Fall in Love", mas ainda não havia completado as partes vocais, então ele cantou para eles.[27] Os irmãos gostaram imediatamente; Quintanilla III disse que queria que Selena a incluísse em seu álbum.[27] As sessões de gravação começaram em dezembro de 1994 no estúdio The Bennett House em Franklin, Tennessee; a cantora teve que retornar mais tarde, quando Thomas pudesse fornecer os vocais adicionais.[27] Selena e seu marido Chris Pérez chegaram ao estúdio em 24 de março de 1995 para terminar de gravar a canção.[27] Em uma entrevista de 2002, Pérez disse que Thomas forneceu a Selena uma fita cassete de "I Could Fall in Love" e disse que ela deveria encontrar "o tom" da música e para isso "deveria ouvi-la uma centena de vezes".[27] Ele acreditava que isso teve um "efeito sobre ela" porque a fez ir "ao estúdio no dia seguinte para realmente fazer a gravação e estava acertando as coisas a torto e a direito e [Thomas] estava deixando-a fazer do seu jeito e [...] isso foi uma coisa incrível de assistir".[27]

Selena escolheu gravar "Dreaming of You", que foi escrita por Franne Golde (foto) e Tom Snow, a única música que a gravadora EMI permitiu que a cantora escolhesse.

A EMI, que tinha mais experiência no mercado pop, encabeçou o projeto e permitiu que Selena escolhesse uma música de que gostasse.[27] Sua irmã e baterista da banda, Suzette, disse em uma entrevista de 1997 que foi escolhida cuidadosamente uma música que representasse o que "Selena era".[28] Ela escolheu "Dreaming of You", que foi escrita pelos compositores Franne Golde e Tom Snow em 1989 para o grupo de R&B compatriota The Jets, que a rejeitou.[27] De acordo com Snow, Golde "brigou pela música e acabou indo para Selena".[29] Quando Quintanilla III ouviu a gravação demo, disse a cantora que não havia gostado da faixa.[27] Selena disse a ele que iria gravá-la pelo seu conteúdo lírico e mensagem.[27] Em uma entrevista de 2002, Quintanilla III disse que foi "mais crítico" em sua primeira impressão da demo do que com a própria música em si e citou que sua melodia, conteúdo e estrutura o fizeram mudar sua impressão.[27]

Selena começou a gravar "Dreaming of You" em 5 de março de 1995, no estúdio Q-Productions de Quintanilla Jr. em Corpus Christi, Texas.[27] Durante a sessão de gravação, a cantora estava sofrendo de bronquite.[27] Seu pai pediu-lhe para "apenas tentar" canta-la porque vários produtores haviam chegado de Los Angeles só para assisti-la gravar a faixa.[27] Após a sessão de gravação, os produtores gostaram do alcance vocal de Selena na música e decidiram usar sua primeira tomada.[27] O produtor americano Guy Roche produziu e arranjou a faixa junto com "Captive Heart".[27] Após gravar "Dreaming of You", Selena queria que Pérez ouvisse o produto final.[27] Ele não pôde comparecer depois que Quintanilla Jr. quis que ele ficasse para trabalhar em uma banda que ele estava interessado em gerenciar.[27] Em 2012, Pérez escreveu em seu livro, sobre o relacionamento dele e de Selena, que se arrependeu de não ter ido à sessão de gravação.[30]

O álbum foi agendado para ser concluído a tempo de ser lançado em setembro ou outubro de 1995, e as canções a serem possivelmente reservadas para serem gravadas e incluídas no disco incluía "Oh No (I'll Never Fall in Love Again)" e "Are You Ready to Be Loved?"; fitas de ensaio para essas músicas foram lançadas posteriormente na SelenaQRadio em setembro e dezembro de 2015, respectivamente.[31][32]

Selena gravou "God's Child (Baila Conmigo)", dueto com David Byrne, que integrou a trilha sonora do filme de comédia Blue in the Face (1995).[33] Byrne disse que a música foi a última a ser gravada por Selena antes de ser baleada e morta por Yolanda Saldívar, sua amiga e ex-gerente de suas butiques Selena Etc., em 31 de março de 1995.[34] No rescaldo, a EMI e a EMI Latin reservaram 500 mil dólares para completar Dreaming of You.[35] Behar disse que a promoção "será na escala de superestrelas" e afirmou "[nós] não usaremos como campanha de marketing a tragédia que ocorreu por trás disso. Colocamos essa campanha de marketing por trás dele porque acreditávamos que seria um grande álbum pela qualidade de suas músicas. Este é um disco que vamos [continuar a] trabalhar nos próximos 10 meses."[31]

Composição[editar | editar código-fonte]

"Dreaming of You" e "I Could Fall in Love" são baladas pop liricamente idênticas com temas de saudade, esperança, desespero e medo da rejeição.

"I Could Fall in Love" incorpora influências de música soul,[27] pop e soft rock.[36]

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

Dreaming of You é uma obra que deriva de vários gêneros, desde a música latina ao pop americano.[37][38] Ele incorpora diversas influências estilísticas do techno, hip-hop,[39] pop rock, dance-pop, ranchera, tejano,[40] R&B, música disco, e flamenco.[41] A primeira metade do álbum compreende baladas de R&B e pop, enquanto o restante contém influências de temática latina que caracterizam a carreira musical da intérprete.[42][43] Jornalistas musicais disseram que produtores que trabalharam com Selena tentaram caricaturá-la aos moldes de cantoras como Paula Abdul, Amy Grant, Celine Dion, Whitney Houston, Mariah Carey e Madonna.[n 2] A revista Newsweek chamou as gravações em inglês de Selena de "uma mistura de pop urbano e calor latino".[50] De acordo com Stephen Erlewine, do banco de dados AllMusic, o humor do álbum é picante, exuberante, e de celebração.[40] "I Could Fall in Love" e "Dreaming of You" são liricamente idênticos;[46] chamadas de "baladas confessionais",[42] ambas as canções falam de desespero, desgosto e o medo da rejeição de um homem por quem a narradora das canções está se apaixonanda. A letra de "Dreaming of You" também explora sentimentos de saudade e esperança.[51][49][52] Larry Flick da revista Billboard escreveu que "Dreaming of You" possuia letras idealistas com uma "pungência afetanda que não será perdida em sua adição às [rádios] AC."[53]

"God's Child (Baila Conmigo)" emprega um ritmo enérgico, sombrio, misterioso, e suas letras sugerem subterfúgio e anti-hegemonia.[54] A canção tem elementos de rumba, flamenco, rock, R&B,[38] e a música árabe.[46][47] "Captive Heart" apresenta elementos funk dos anos 1980;[55] Para o Chicago Tribune, Achy Obejas disse que se destinava a rádios de sucessos contemporâneos.[38] A faixa "I'm Getting Used to You", é uma obra de música house com interpolações de chá-chá-chá,[56] cuja as letras exploram uma relação volátil.[57] Mario Tarradell do diário The New London Day disse que "Captive Heart" e "I'm Getting Used to You" beiram ao new jack swing — um subgênero de R&B popularizado por Mary J. Blige.[58] Os produtores da trilha sonora do filme de comédia-dramática romântica Don Juan DeMarco de 1995 — no qual Selena participa interpretando uma cantora mariachi — decidiram não incluir suas gravações de "Tú Sólo Tú" e "El Toro Relajo". Christopher John Farley da revista Time disse que os produtores que excluíram as canções se arrependeram da mudança após o impacto da morte da cantora.[59] De acordo com Denise Segura e Patricia Zavella em seu livro Women and Migration in the U.S.-Mexico Borderlands: A Reader (2007), "Tú Sólo Tú" — cover de Pedro Infante — e "El Toro Relajo" são sobre o amor não correspondido[42] e foram gravados no estilo ranchera.[55] Selena gravou "Tú Sólo Tú" con ganas — um aforismo em espanhol que se traduz em um artista cantando com "emoção sem remorso"; comum entre os cantores ranchera.[60]

A EMI queria que a faixa "Missing My Baby", de 1992, e o single "Techno Cumbia", de 1994, fossem adicionados a Dreaming of You, pedindo a Quintanilla III para se encontrar com o grupo de R&B Full Force em Manhattan.[27] O grupo remixou ambas as canções, adicionando vocais a "Missing My Baby" e remixou a última ao estilo reggae.[27] Quintanilla, Jr. decidiu adicionar "Como la Flor" (1992), "Amor Prohibido" (1994), e "Bidi Bidi Bom Bom" (1994) em Dreaming of You. Ele lançou a ideia de remixar as músicas como se a banda estivesse cantando-as em um show ao vivo, alterando um pouco suas batidas.[27] Quintanilla III disse que as novas versões das faixas deram aos fãs "algo novo" e que ele achou a ideia "legal".[27] "Como la Flor", creditado como o maior sucesso comercial de Selena,[61] expressa a tristeza de uma mulher cujo o amante abandonou-a por outra parceira; apesar disso, ela deseja "nada além do melhor" para ele.[62][63] "Amor Prohibido" é uma faixa dance-pop em espanhol comparada liricamente a história de Romeu e Julieta.[64][65] "Bidi Bidi Bom Bom", foi remixado em uma sonoridade reggae,[66] enquanto suas letras falam do coração da narradora palpitando sempre que seu interesse amoroso passa por ela.[67] Barrio Boyzz foi convidado a gravar uma versão bilíngue de seu dueto em espanhol com Selena, "Donde Quiera Que Estés" (1994), renomeada "Wherever You Are".[27]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 5 de 5 estrelas.[40]
Chicago Tribune 2.5 de 4 estrelas.[38]
Encyclopedia of Popular Music 3 de 5 estrelas.[68]
Entertainment Weekly B[69]
Los Angeles Times 3 de 4 estrelas.[70]
New York Daily News 3 de 5 estrelas.[71]
Rolling Stone 3.5 de 5 estrelas.[72]

A maioria das revisões dos critícos especializados em música contemporânea para Dreaming of You foram positivas. Stephen Thomas Erlewine, do banco de dados musicais AllMusic, deu cinco estrelas totais para o CD e considerou-o o primeiro de Selena a ser ouvido pela população dos Estados Unidos como um todo porque sua morte atraiu ouvintes americanos para seu álbum.[40] Isso foi ecoado por Alisa Valdes do jornal The Boston Globe.[73] Erlewine veio a comentar que Amor Prohibido era "um lançamento mais consistente" e que Dreaming of You não foi o melhor trabalho da cantora, chamando-o de um disco introdutório.[40] Para ele, as faixas em inglês "não são diferentes de suas canções em espanhol"; dizendo também que a qualidade do projeto "teria sido mais forte" se a cantora estivesse viva.[40] Encerrou sua crítica descrevendo o álbum como um "poderoso e comovente testamento de seus talentos".[40] John Lannert da revista Billboard considerou o sucesso comercial do disco como "dificilmente um acaso".[74] O colaborador da revista Vibe, Ed Morales, definiu-o como um somatório de suas canções influenciadas pela cumbia, sua "excelência" Tex-Mex e um "vislumbre comovente" do caminho que sua a carreira musical poderia ter tomado se ela tivesse vivido.[75] Dando uma nota B de uma escala que vai de A a F, David Browne da Entertainment Weekly, considerou o material 'um dos mais rápidos álbuns póstumos já remendados'. Ele adicionou que os produtores que trabalharam com Selena no projeto a fundiram com gravações que soam como versões mais leves de Paula Abdul, chamando-as de "cartões de felicitações". Reconhecendo, ainda, que a última metade da obra apresenta uma "Selena verdadeira e desenfreada"; ilustrando que essas qualidades encontradas em suas canções de língua inglesa estão ausentes nas de língua espanhola.[69] O editor Patrick E. Cole, da Time, disse que a obra levou a música da cantora "a um público muito mais amplo do que ela já teve quando estava viva".[76] O jornalista considerou-o "o melhor e mais agradável trabalho" de Selena e "uma realização louvável, mas dolorosa".[76] Ao comparar suas canções em espanhol e em inglês, Cole observou que as gravações da artista em tejano eram às vezes desajeitadas, enquanto suas canções pop inglesas eram "doces, puras e claras, e nos números de mariachi, Selena mostra uma voz que é sexy, forte e de graciosa maturação".[76]

Escrevendo para o Chicago Tribune, Achy Obejas avaliou o álbum com três de cinco atribuíveis, considerando-o um fragmentado "sobre o passado de Selena e o que poderia ter sido".[38] Obejas sentiu que o disco é "cheio de promessas e falhas", e que sua natureza bilíngue foi feita por "necessidade e não por conceito".[38] Ele acrescentou que era um álbum latino de transição que soa prematuro, ao contrário do lançamento anterior de Gloria Estefan que era um disco latino de transição primitivo; embora Selena "não tenha dado o próximo passo", como conseguiu fazer Estefan.[38] O álbum é o oposto de uma "obra-prima, ou definitiva, ou mesmo um testamento dos talentos de Selena" para Obejas; embora tenha elogiando a "total facilidade de Selena com as músicas R&B" e a capacidade da artista em conseguir "soar funk e com muito soul".[38] Enrique Lopetegui, do jornal The Los Angeles Times, concedeu três de quatro estrelas e definiu Dreaming of You como o "álbum mais elétrico e satisfatório" de sua interprete e um "epitáfio" aplicável para ela.[70] Ele definiu as canções do material como "melodias pop [feitas] para o rádio", analisando que o álbum "carecia de coesão" e que sua proposta bilíngue parecia "ainda mais interessante do que a ideia original".[70] Para Lopetegui, Selena "desabrocha em uma cantora de soul completa, em suas faixas em inglês, com uma agressividade raramente mostrada antes"; contudo, considerou as rancheras "Tú Sólo Tú" e "El Toro Relajo" como as "mais impressionantes" e que a cantora parecia inexperiente com esse estilo.[70]

Emitindo três estrelas de cinco possíveis, Mary Talbot, do New York Daily News, afirmou que ouvir Dreaming of You era "semelhante a vasculhar um álbum de fotografias de uma mulher morta" e percebeu conter "o passado de Selena e o que poderia ter sido seu futuro", e por causa de sua morte, a história está incompleta.[71] Ela chamou as produções em inglês de "números pop genéricos e robustos" que seriam favorecidos entre seus seguidores de tejano, "mas não há o suficiente para provar sua força ou amplitude como uma artista de língua inglesa".[71] A editora notou que Selena foi hábil em cruzar "a música tradicional mexicana com uma sensibilidade pop americana contemporânea, e essa habilidade não transparece nessas canções". No final de sua crítica, Talbot comentou que Dreaming of You é "o pop efervescente de sua geração".[71] Mario Tarradell, do periódico The Dallas Morning News, declarou que o álbum "não entrega" o que era desejado, observando que Selena foi "retrabalhada para soar semelhante a muitas vocalistas femininas genéricas das rádios pop" e que suas gravações em inglês carecem "da personalidade borbulhante e efervescente, o charme chica-del-barrio" encontrado em suas canções de tejano.[77] Finalizou dizendo que as faixas inglesas sovam como "imitações mornas de Amy Grant e Abdul".[77] Peter Watrous, do The New York Times, chamou Dreaming of You de "uma coletânea de sobras" e considerou que as canções em espanhol "soam melhor" do que as cantadas em inglês.[78] Watrous apontou que os produtores não melhoraram as faixas em inglês da artista mas deram tudo de si.[78] Ele expressou que "a música é um comércio sem rosto", mas Selena as gravou "tão bem no disco" que sugeria "que ela tinha uma boa chance de alcançar sucesso, lançando baladas exuberantes ao estilo pop anônimo que a Disney domina."[78] O contribuidor do Hartford Courant, Roger Catlin comentou que Dreaming of You é "um produto que sugere todo o talento e o imenso potencial da jovem estrela".[79] Ele criticou suas obras em inglês por carecerem do "heroísmo técnico que definiu [Selena] nos anos 90" enquanto a viu soar "compreensivelmente segura" em suas faixas em espanhol.[79] O profissional concluiu que Selena era "discreta" e que o material parecia assim porque ela havia gravado apenas quatro faixas em inglês antes de sua morte.[79]

Reconhencimento[editar | editar código-fonte]

A Time listou Dreaming of You em nono lugar entre os "10 Maiores Álbuns Póstumos" em 2010.[76] Ao escrever a lista dos melhores discos póstumos, o BET, o chamou de um "testamento comovente de um jovem talento à beira do estrelato",[80] enquanto a revista Vibe colocou-o como o segundo dentre os melhores lançamento póstumos e o descreveu como uma "visão geral".[81] Dreaming of You ganhou a condecoração de "Álbum do Ano" nos Prêmios da Música Tejana de 1996.[82] No mesmo ano, durante a 3ª edição dos Prêmios Billboard de Música Latina, a gravação venceu como "Álbum Pop Feminino do Ano".[83][84]

Singles[editar | editar código-fonte]

Davitt Sigerson, o presidente e CEO da EMI, temia que "I Could Fall in Love" vendesse mais cópias do que Dreaming of You, então ele não o disponibilizou para um lançamento comercial.[85] "I Could Fall in Love" foi enviado de forma promocional às estações de rádio dos Estados Unidos em 26 de junho de 1995, ao mesmo tempo que "Tú Sólo Tú", para demonstrar a versatilidade de Selena em gravar canções em espanhol e inglês.[86][27] Fred Bronson, da Billboard, disse que se caso a EMI Latin tivesse lançado "I Could Fall in Love" como uma música de trabalho e ela tivesse conquistado os 40 primeiros lugares da tabela americana Billboard Hot 100, seria o primeiro single póstumo, desde "Pledging My Love", de Johnny Ace, em 1955, a obter esse feito.[87] "I Could Fall in Love" conquistou a oitava posição na tabela de rádio da Billboard, e o primeiro lugar no gráfico de canções pop latinas do mesmo país.[88][89] "Tú Sólo Tú" e "I Could Fall in Love" ocuparam a primeira e a segunda posições respectivamente na parada de faixas latinas por cinco semanas consecutivas.[90] Converteu Selena na primeira artista a ter uma canção em espanhol e uma em inglês entre os dez primeiros da tabela.[91] "I Could Fall in Love" tornou-se o 5º lançamento de maior sucesso na parada latina em 1995 e permaneceu como a canção em língua inglesa de maior êxito no gráfico por dois anos, até que "My Heart Will Go On" de 1998, por Celine Dion, o ultrapassou quando alcançou o primeiro lugar.[92][93] "Tú Sólo Tú" ocupou o topo da parada latina por dez semanas consecutivas, tornando-se a canção que por mais tempo ocupou o primeiro posto da tabela na carreira de Selena.[94] Com este e seus outros lançamentos no primeiro lugar das paradas, de 1992 até sua morte em 1995, Selena passou 44 semanas nessa posição; a maior duração entre qualquer artista hispânico até 2011.[94]

Em 14 de agosto de 1995, "Dreaming of You" foi lançado como o primeiro foco de promoção do álbum, com a versão remix e uma edição de rádio de "Techno Cumbia" como faixas lado b.[95] Alcançou a 22ª posição da Billboard Hot 100 e vendeu 25 mil cópias em sua primeira semana de disponibilidade; até 2010, havia comercializado 284 mil unidades digitais.[96][97] Tornou-se a música que mais vendeu na carreira de Selena; até 2003, era o octogésimo oitavo single mais bem sucedido de todos os tempos, segundo a Billboard e a Nielsen SoundScan.[98] O The Los Angeles Times colocou "Dreaming of You" em quinto lugar entre as dez músicas mais vendidas de 1995.[99] "Techno Cumbia" alcançou o 4º posto na parada de faixa latinas.[100] Em 2 de dezembro de 1995 "El Toro Relajo" estreou, listando-se no 24° lugar na última parada citada.[101] "I'm Getting Used to You", foi distribuído em 2 de março de 1996, como o segundo foco de promoção oficial e o sexto no geral.[56] Alcançou o 1° e o 7° lugar nas paradas Bubbling Under Hot 100 e Dance/Eletrônica, respectivamente.[102] Mais tarde, chegou ao número 23 na tabela adulto-contemporânea na semana encerrada em 8 de junho de 1996.[103] Os críticos da Billboard classificaram a versão remix de "I'm Getting Used to You" entre os dez melhores singles de 1996.[104]

"I Could Fall in Love", "Dreaming of You" e "I'm Getting Used to You" tiveram menos sucesso comercial fora dos Estados Unidos. O primeiro alcançou a liderança na parada adulto-contemporânea da revista canadense RPM, e a 10ª colocação na tabela RPM Top 100 Singles do mesmo país.[105][106] Em 1996, "Dreaming of You" teve melhor desempenho no Canadá, tanto na parada adulto-contemporânea quanto entre as cem primeiras, chegando aos números 7 e 30, respectivamente.[107][108] "I'm Getting Used to You" estreou na posição 96 na RPM Top 100 Singles em 10 de junho de 1996, convertendo-se na terceira entrada de Selena nas tabela.[109] Após cinco atualizações, teve como pico a posição 75 e permaneceu durante nove semanas no gráfico.[110][111] Foi também o único lançamento de Selena a entrar na tabela da Nova Zelândia, chegando ao décimo lugar.[112]

Impacto e legado[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, Dreaming of You vendeu 175 mil exemplares apenas em seu primeiro dia de lançamento — um recorde para uma artista feminina.[113][114] Também registrou as maiores vendas no dia de estreia entre qualquer álbum em espanhol a estrear na parada latina da Billboard.[115] De acordo com Behar, os números de vendas fornecidos pela Nielsen SoundScan não incluem as ocorridas em pequenas lojas especializadas em música latina, onde Dreaming of You pontuou bem.[116][117] As vendas do disco ajudaram Selena a se tornar a terceira artista solo a estrear um álbum póstumo na posição máxima da Billboard 200, depois de Janis Joplin e Jim Croce.[118] Tornou-se a primeira gravação em espanhol e a única de tejano a estrear em primeiro lugar na tabela supracitada, e também o primeiro lançamento latino da EMI a conseguir esse feito.[119]

De acordo com John Lannert da revista Billboard, Dreaming of You até aquele momento era uma das dez estreias mais vendidas de todos os tempos, o maior debute por uma artista feminina, e de acordo com Thom Duffy, também da Billboard, foi o álbum de 1995 que mais rapidamente vendeu na primeira semana de lançamento nos Estados Unidos.[74] Ajudou Selena a se tornar uma das artistas femininas que mais vendeu na história da música gravada,[n 3] e desde então foi classificado entre as melhores e mais importantes gravações produzidas durante a era do rock and roll.[120][121] Dreaming of You juntou-se a outros cinco álbuns de estúdio de Selena a entrarem simultaneamente na Billboard 200, tornando-a a primeira mulher na história a emplacar cinco obras em uma única atualização da tabela.[118] O autor Michael Heatley incluiu o álbum em sua lista intitulada Onde Você stava Quando Essa Música Tocou?: 120 Momentos Inesquecíveis na História da Música (2008),[120] enquanto o musicólogo Howard J. Blumenthal disse que "teria feito de [Selena] uma grande estrela do rock", e o incluiu em seu livro de 1997, The World Music CD Listener's Guide.[122]

A revista Billboard disse que Dreaming of You foi comprado predominantemente pela população hispânica dos Estados Unidos; demonstrando o poder de compra dos consumidores de música em espanhol.[74] Acredita-se que o projeto "abriu os olhos" dos varejistas que nunca haviam estocado materiais de música latina em seus comércios; suas vendas ficaram bem acima das expectativas dos americanos brancos proprietários de lojas de música.[123] A comercialização das obras anteriores de Selena e de Dreaming of You levaram a Best Buy e outros varejistas a contratar especialistas em música latina.[123] Dentro de semanas, as vendas do álbum foram previstas para ultrapassarem as de 1100 Bel Air Place (1984), de Julio Iglesias, como o disco em inglês de um ato latino com maior número de vendas em solo americano.[123] A EMI o referenciou na edição da Billboard de 2 de dezembro de 1995 como o seu disco mais vendido na América do Norte, dando a eles as vendas mais altas para uma gravadora durante o primeiro semestre de 1995.[124] Com Dreaming of You atingindo o primeiro lugar, a música tejano entrou no mercado convencional.[125][126] Os críticos de música disseram que a população dos Estados Unidos em geral não teria tomado conhecimento sobre o tejano ou música latina se não fosse por Dreaming of You.[127][128][125] Após o lançamento do material, e por causa da morte de sua intérprete, a popularidade do tejano diminuiu e o pop latino começou a dominar as execuções em rádios hispânicas dos Estados Unidos e as vendas comerciais.[129][130] Em março de 2015, a organização Chicano Humanities & Arts Council, apresentou, em Denver, Colorado, uma exposição chamada "Dreaming of You: The Selena Art Show", que apresentava trabalhos de arte feitos por artistas chicanos em homenagem a cantora.[131]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Dreaming of You – Edição Padrão
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "I Could Fall in Love"  Keith ThomasThomas 4:42
2. "Captive Heart"  Mark Goldenberg  · Kit HainGuy Roche 4:24
3. "I'm Getting Used to You"  Diane WarrenRhett Lawrence 4:03
4. "God's Child (Baila Conmigo)" (com David Byrne)David Byrne  · Selena Quintanilla-Pérez[a]Byrne  · Arto Lindsay  · Susan Rogers 4:16
5. "Dreaming of You"  Franne Golde  · Tom SnowRoche 5:15
6. "Missing My Baby" (com participação de Full Force)A.B. Quintanilla IIIQuintanilla III 4:13
7. "Amor Prohibido"  Selena  · Quintanilla III  · Pete Astudillo[b]Quintanilla III 2:56
8. "Wherever You Are (Donde Quiera Que Estés)" (com Barrio Boyzz)KC Porter  · Miguel Flores  · Desmond Child[a]Porter 4:29
9. "Techno Cumbia" (remix)Quintanilla III  · Astudillo[b]Quintanilla III 4:45
10. "El Toro Relajo"  Felipe BermejoJosé Hernández 2:20
11. "Como la Flor" (remix)Selena  · Quintanilla III  · Astudillo[b]Quintanilla III 3:05
12. "Tú Sólo Tú"  Felipe Valdés LealHernàndez 3:13
13. "Bidi Bidi Bom Bom" (remix)Selena  · Astudillo[b]Quintanilla III 3:42

Notas

  • ↑[a] significa um adaptador de idioma
  • ↑[b] significa um co-escritor

Créditos e pessoal[editar | editar código-fonte]

Os créditos são retirados das notas do encarte do álbum.[27]

Produção

  • Keith Thomas – composição, produção
  • Kit Hain – composição
  • Tom Snow – composição
  • Franne Golde – composição
  • Mark Goldenberg – composição
  • Diane Warren – composição
  • K. C. Porter – composição, engenharia
  • Felipe Valdés Leal – composição
  • Guy Roche – produção, teclados, sintetizadores
  • Nathaniel "Mick" Guzauski – mixagem
  • Mario Luccy – engenharia
  • Brian "Red" Moore – engenharia, mixagem, produção
  • Moana Suchard – engenharia, produção
  • Rhett Lawrence – produção, arranjo, teclados, bateria, programação
  • A.B. Quintanilla III – produção, arranjo, baixo
  • Jose Hernandez – arranjo, produção
  • Rokusuke Ei – composição
  • Hachidai Nakamura – composição

Lançamento e desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

As 331 mil cópias comercializadas de Dreaming of You em sua primeira semana nos Estados Unidos renderam ao disco a melhor venda semanal de um álbum por uma artista feminina em 1995, e a segunda melhor até aquele momento atrás de Janet, de Janet Jackson, que registrou 350 mil unidades adquiridas.

A data de lançamento de Dreaming of You nos Estados Unidos foi confirmada em 10 de junho de 1995 para 18 de julho daquele ano.[118] Seu lançamento em países europeus e asiáticos sofreu atrasos após a EMI temer que o assassinato de Selena — ao invés de sua música — se tornasse o ponto focal da gravação.[118] Adam Sexton, vice-presidente da gravadora, anunciou em 5 de agosto que a obra seria lançada na Alemanha em 14 do mesmo mês e no resto da Europa em setembro.[118] O lançamento do álbum na Ásia foi marcado para outubro.[118] Os fãs começaram a fazer fila para compra-lo horas antes da data marcada para a abertura das lojas; em vinte e quatro horas, 75% de todas as cópias disponíveis já haviam sido vendidas.[127] Embora as previsões iniciais tenham colocado as primeiras vendas do produto em 400 mil cópias,[116][117] ele comercializou na primeira semana 331 mil exemplares, garantindo sua estreia na posição máxima da parada Billboard 200 dos Estados Unidos, tornando-se o primeiro álbum predominantemente em espanhol a conseguir esse feito,[118][134][135] uma conquistada igualada apenas em 2006 por Ancora de Il Divo e em 2020 por El Último Tour Del Mundo de Bad Bunny.[136] Este foi o segundo maior número de vendas para um disco lançado em 1995, atrás de HIStory de Michael Jackson, e a segunda maior venda na primeira semana por uma artista feminina até aquele momento — atrás de Janet (1993) de Janet Jackson — desde que Nielsen SoundScan começou a monitorar as vendas de álbuns em 1991.[118] Ao conquistar o cume da Billboard 200, Dreaming of You deslocou Cracked Rear View de Hootie & the Blowfish dessa posição.[118] Também estreou no topo das paradas de álbuns latinos e álbuns latinos pop — ambas monitoradas pela Billboard — substituindo os discos Amor Prohibido (1994) da mesma intérprete e Best of de Gipsy Kings, respectivamente.[118]

Em sua segunda atualização, Dreaming of You caiu para o número três na Billboard 200, e permaneceu lá por duas semanas consecutivas.[137][138] Continuou a regredir, caindo para o número seis em sua quarta atualização.[139] Após cinco semanas desceu para a oitava posição.[74] Em sua sexta semana, o álbum ainda se encontrava dentro dos 20 primeiros postos da tabela.[140] Em 28 de outubro de 1995, as vendas do produto aumentaram 18% após 18 semanas de declínio. Isso se deu pela alta divulgação do julgamento do assassinato da intérprete.[141] Constou na Billboard 200 por 44 semanas consecutivas, deixando-a na posição 181 na semana encerrada em 1 de junho de 1996.[142] Lannert previu que disco permaneceria no topo das paradas de música latina até o próximo lançamento póstumo de Selena.[118] Estabeleceu-se no número um por quarenta e duas semanas consecutivas até que Enrique Iglesias o substituiu com seu álbum de estreia auto intitulado em 25 de maio de 1996.[143] Dreaming of You se tornou o álbum latino e o disco pop latino que mais vendeu em 1995 e 1996.[144][145]

Na Billboard 200 terminou como o quadragésimo quarto álbum mais bem sucedido de 1995 e na posição 123 no ano seguinte.[145][146] Dois anos após o assassinato da intérprete, Dreaming of You e Siempre Selena (1996) ocuparam o terceiro e o quarto lugares, respectivamente, entre os mais bem sucedidos na parada de álbuns latinos da Billboard.[147] Dreaming of You vendeu 420 mil réplicas entre 1997 e 1999, sendo 190 mil apenas em 1997.[148][149] O lançamento do filme biográfico da artista (1997) contribuiu para um aumento de 65% em sua comercialização naquele ano.[150] Dreaming of You foi adquirido mais de meio milhão de vezes no Texas.[151] Alguns varejistas do estado criticaram os números de vendas divulgados, alegando que eles não eram verdadeiros devido a má comercialização do produto em suas lojas.[31] Após alcançar a marca de dois milhões de cópias distribuídas nos Estados Unidos, em dezembro de 1995, recebeu dois certificados de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA).[152] Com apenas dez meses de lançado, já estava elegível a platina tripla;[153] em sua totalidade recebeu 59 certificados de platina (latina),[n 4] pela mesma certificadora, denotando vendas de 3 milhões de unidades, o que o torna o álbum latino mais vendido de todos os tempos em território americano.[156][157] Em todo mundo foram adquiridas mais de cinco milhões de réplicas do produto até janeiro de 2015.[158][159] Uma porcentagem dos rendimentos com suas vendas foram doadas a Fundação Selena Scholarship.[160][161]

Ainda na América do Norte, o produto estreou no Canadá alcançando o número 59 na parada de álbuns publicada pela RPM na semana de 4 de setembro de 1995.[162] Saltou para o número 50 na atualização seguinte, e em 30 de outubro de 1995, a sua nona na lista, alcançou a posição dezessete.[163][164] Esteve por 29 semanas na tabela, deixando-a na posição 97 em 25 de março de 1996.[165] A certificadora Music Canada (MC) atribuiu a obra um certificado de ouro denotando vendas de 50 mil exemplares.[166] Em sua de estreia nas lojas de música do México, a EMI despachou 140 mil unidades para lá e recebeu novos pedidos de Monterrei, Guadalajara e Tijuana.[118] Devido ao seu bom desempenho comercial no país, Dreaming of You recebeu o certificado de ouro emitido pela Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas (AMPROFON).[167]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas de rodapé

  1. O álbum foi comercializado como a primeira gravação em inglês de Selena, apesar dela já ter lançado quatro álbuns de estúdio antes de Dreaming of You,[1] e apesar da maior parte de seu conteúdo ser gravado em espanhol.[2]
  2. De acordo com o crítico musical David Bowe do Entertainment Weekly, os produtores e compositores que trabalharam com Selena produziram gravações que ecoaram o trabalho de Paula Abdul.[44] Um editor que trabalhava para o jornal Boca Raton News sentiu a influência de trabalhos paralelos de Abdul em "Captive Heart" e Celine Dion em "I Could Fall in Love".[45] Um editor do The Dallas Morning News escreveu que os produtores removeram os estilos musicais usuais de Selena encontrados em "Como la Flor", "Amor Prohibido" e "Bidi Bidi Bom Bom" e afirmaram que esses eles foram substituídos por canções que foram gravadas no estilo de Amy Grant ou Abdul. Tarradell afirma que em "I Could Fall in Love", a cantora usou um tom musical encontrado nos lançamentos então recentes de TLC e Brandy Norwood. Ele ainda insiste que "Captive Heart" e "I'm Getting Used to You" beiravam o new jack swing, um subgênero de R&B que Mary J. Blige ajudou a popularizar na época.[46] Escrevendo para o Orlando Sentinel, Parry Gettelman descobriu que as quatro canções em inglês primeiramente-lançadas foram propositalmente direcionadas aos fãs de Dion, Whitney Houston e Mariah Carey.[47] Tanto Both Ed Morales da Vibe quanto J.D. Considine da The Baltimore Sun, sentiram influências de trabalhos anteriormente feitos por Madonna na música "Dreaming of You".[48][49]
  3. Incorporated
  4. O número de vendas necessárias para um álbum latino se qualificar para os prêmios ouro e platina era maior antes de 1º de janeiro de 2008.[154] Os limites eram 100.000 unidades (ouro) e 200.000 unidades (platina). Todos os álbuns em espanhol certificados antes de 2008 foram atualizados para corresponder à certificação atual na época.[154][155]

Referências

  1. Gutirrez 2004, p. 379.
  2. Lannert, John (23 de dezembro de 1995). «Latin '95 Marked By One Name: Selena». Billboard (em inglês). 107 (51). p. 52. Consultado em 22 de junho de 2020 
  3. «Latin Music USA > Selena». PBS (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  4. a b Patoski 1996, p. 10.
  5. Patoski 1996, p. 22.
  6. Patoski 1996, pp. 22–23.
  7. Patoski 1996, pp. 23–24.
  8. Patoski 1996, p. 30.
  9. Hewitt, Bill (27 de abril de 1995). «Before Her Time». People (em inglês). 43 (15). Consultado em 22 de junho de 2020 
  10. Miguel 2002, p. 118.
  11. Sobek 2012, p. 631.
  12. Miguel 2002, p. 3.
  13. Arrarás 1997, pp. 56–57.
  14. a b c d Rivas, Robert. «Abraham Quintanilla Interview». YouTube (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  15. Burr, Ramiro (12 de fevereiro de 1995). «Selena takes 6 honors to dominate Tejano Music Awards». San Antonio Express-News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  16. a b c d e f g h Gregory Hall (produção executiva), Barbra Hall (produção, diretor), Mandi Roberts (produção associada), Martin Melhuish and Robers (roteirista), Eddie Hales (editor), and Todd Pewitt (editor associado) (29 de Novembro de 2008). «Biography: Selena». Biography. Temporada 962. No minuto 60. A&E 
  17. a b c d e f g h i j k Michael Crawford (produção executiva), Karen Blum (produção executiva), Christina Hacopian (produção), Aris Piliguian (produção executiva), Todd Hooker (editor), James Fielden (engenheiro de som), Julie Singleton (editor). Queen of Tejano Music. No minuto 20. Q-Productions 
  18. Lannert, John (10 de junho de 1995). «A Retrospective». Billboard (em inglês). 107 (23). p. 112. Consultado em 22 de junho de 2020 
  19. Lopetegui, Enrique (8 de abril de 1995). «A Crossover Dream Halted Prematurely, Tragically Some Ambitious Plans Were Under Way to Bring Selena to Mainstream U.S. Audience». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  20. Harrington, Richard (26 de junho de 1995). «Selena: Numero Uno; Slain Tejano Singer's Album Tops Pop Chart». The Washington Post (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  21. Minnick, Doug (24 de setembro de 2010). «Jose Behar, interview». Taxi A&R (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  22. «Emilio, Selena make a Tejano dream team». Fort Worth Star-Telegram (em inglês). 24 de fevereiro de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  23. Lannert, John (1997). «Finishing Touches on Latin Confab». Billboard (em inglês). 109 (14). p. 92. Consultado em 22 de junho de 2020 
  24. Burr, Ramiro (5 de dezembro de 1993). «Signing with SBK may bring crossover success for Selena». San Antonio Express-News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  25. a b Burr, Ramiro (5 de dezembro de 1993). «Selena in English/With new contract, Tejano star is poised for crossover success». Houston Chronicle (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  26. Lannert, John (4 de maio de 1996). «Billboard's Latin Awards Show Becomes Mas Grande, Mas Bueno». Billboard (em inglês). 108 (18). p. 122. Consultado em 22 de junho de 2020 
  27. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab (1995) Créditos do álbum Dreaming of You por Selena [Compact disc].
  28. Abraham Quintanilla, Jr. (produção executiva), Cecilia Miniucchi (direção), Edward James Olmos (narrador). Selena Remembered. No minuto 60. Q-Productions 
  29. «Dreaming of You > Tom Snow Music». Tom Snow Music.com (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  30. Pérez 2012, p. 241.
  31. a b c Strauss, Neil (27 de julho de 1995). «The Pop Life». The New York Times (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  32. Roiz, Jessica Lucia (11 de setembro de 2015). «Selena Quintanilla New Single: Online Radio Honoring Late Queen Of Tejano Releases 'Oh No'; Listen Here!». Latin Times (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  33. McMahon 2000, p. 997.
  34. Steenstra 2010, p. 206.
  35. Lannert, John (5 de agosto de 1995). «Latin Notas». Billboard (em inglês). 107 (31). Prometheus Global Media. Consultado em 22 de junho de 2020 
  36. Newmark, Judith (15 de fevereiro de 2001). «St. Louis Can't Get Enough of "R&J"». St. Louis Post-Dispatch (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  37. Lannert, John (15 de fevereiro de 1997). «Artists & Music > Latin Notas». Billboard (em inglês). 109 (7). p. 42. Consultado em 22 de junho de 2020 
  38. a b c d e f g h Obejas, Achy (3 de agosto de 1995). «Might Have Been». Chicago Tribune (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  39. Hoffmann 2004, p. 1933.
  40. a b c d e f g Erlewine, Stephen Thomas. «Dreaming of You Selena». AllMusic (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  41. Morales 2013, p. 174.
  42. a b c Talbot, Mary (25 de julho de 1995). «'Dreaming' Of What Might've Been Selena's CD Blends The Old And New With Mixed Results». New York Daily News. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  43. Darling, Cary (21 de julho de 1995). «Selena 'Dreaming of You' (EMI)». St. Louis Post-Dispatch (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  44. Browne, David (21 de julho de 1995). «Music Review > Dreaming of You». Entertainment Weekly (em inglês). 5 (284). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  45. «Dreaming of You: What Might Have Been». Boca Raton News (em inglês). 30 de julho de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020 
  46. a b c Tarradell, Mario (28 de julho de 1995). «New album hints at what might have been Selena». Dallas Morning News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  47. a b Gettelman, Parry (28 de julho de 1995). «Music Review > Selena». Orlando Sentinel (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  48. Morales, Ed (Setembro de 1995). «Selena». Vibe (em inglês). 3 (7). p. 176. Consultado em 22 de junho de 2020 
  49. a b Considine, J.D. (18 de julho de 1995). «English-language album only hints at Selena's dream». The Baltimore Sun (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  50. «Selena's Posthumous Triumph». Newsweek (em inglês). 31 de julho 1995. Consultado em 22 de junho de 2020 
  51. Coates 2005, p. 64.
  52. Velez, Ashley. «Top 5 Selena Songs». Neon Tommy (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  53. Flick, Larry (21 de outubro de 1995). «Single Files». Billboard. 107 (42). ISSN 0006-2510 
  54. Gómez-Peña, Guillermo. «(De)Constructing the Mexican-American Border». Allegheny.edu (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  55. a b Morales, Ed (Setembro de 1995). «Selena Dreaming of You (Album Review)». Vibe (em inglês). 3 (7). p. 178. Consultado em 22 de junho de 2020 
  56. a b Flick, Larry (2 de março de 1996). «Singles Reviews & Previews». Billboard. 108 (9). p. 68 
  57. Smithouser & Waliszewski 1998, p. 253.
  58. Tarradell, Mario (21 de junho de 1995). «Selena's Music». The Day (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  59. Cole, Patrick E.; Farley, Christopher John (10 de julho de 1995). «Old Rock, New Life — Page 2». Time (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  60. Segura & Zavella 2007, p. 498.
  61. Tarradell, Mario (16 de março 1997). «Selena's Power: Culture Fusion». The Dallas Morning News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  62. Parédez 2009, pp. 50–51.
  63. Gilb 2007, p. 336.
  64. Hernández 2009, p. 95.
  65. Morales 2003, p. 267.
  66. Stavans & Augenbraum 2005, p. 91.
  67. Pérez 2012.
  68. Larkin, Colin (2011). Encyclopedia of Popular Music. Omnibus Press (em inglês). [S.l.: s.n.] ISBN 978-0857125958. Selena 
  69. a b Browne, David. «Music Reviews > Dreaming of You». EW.com (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  70. a b c d Lopetegui, Enrique (18 de julho de 1995). «Album Review/ Pop : Satisfying Last Album From Selena». The Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2014. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  71. a b c d Talbot, Mary (25 de julho de 1995). «Dreaming' Of What Might've Been Selena's Cd Blends The Old And New With Mixed Results». New York Daily News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  72. «none». Rolling Stone. 7 de setembro de 1995. p. 72 
  73. Valdes, Alisa (4 de agosto de 1995). «Selena's last CD has danceable power». Boston Globe (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  74. a b c d Lannert, John (2 de setembro de 1995). «The Selena Phenomenon». Billboard (em inglês). 107 (35). pp. 39, 41, 120. Consultado em 22 de junho de 2020 
  75. Morales, Ed (Setembro de 1995). «Selena — Dreaming of You — EMI». Vibe (em inglês). 3 (7). p. 176. Consultado em 22 de junho de 2020 
  76. a b c d Cole, Patrick E.; Farley, Christopher John (10 de Julho de 1995). «Old Rock, New Life». Time (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  77. a b Tarradell, Mario (28 de Julho de 1995). «New Album Hints At What Might Have Been Selena». The Dallas Morning News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  78. a b c Watrous, Peter (30 de Julho de 1995). «Recordings View; Inklings of What Might Have Been». The New York Times (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  79. a b c Catlin, Roger (18 de julho de 1995). «Selena's Album a Tribue to What Could Have Been». Hartford Courant (em inglês). ProQuest 255588267 
  80. «The 25 Best Posthumous Albums of All Time». BET (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  81. «Posthumous Albums: Selena's 'Dreaming Of You'». Vibe.com (em inglês). 19 de novembro de 2010. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  82. «Tejano Music Past Award Winners». Texas Talent Association (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  83. «1996 Billboard Latin Music Awards». Billboard (em inglês). 108 (18). 4 de maio de 1996. Consultado em 22 de junho de 2020 
  84. «EMI Latin ... The Music We Live By». Billboard (em inglês). 108 (18). 4 de maio de 1996. p. 122. Consultado em 22 de junho de 2020 
  85. Hill, John. «Karen Rodriguez Songs – American Idol Season 10». About.com (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  86. «Selena's Song». The News Journal (em inglês). 17 de junho de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020 
  87. Bronson, Fred (5 de agosto de 1995). «Selena Still Making Chart History». Billboard (em inglês). 107 (31). p. 108. Consultado em 22 de junho de 2020 
  88. «Hot 100 Airplay > September 2, 1995». Billboard (em inglês). 107 (27). 2 de setembro de 1995. p. 92. Consultado em 22 de junho de 2020 
  89. «Latin Pop Airplay > August 19, 1995». Billboard (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  90. Lannert, John (23 de setembro de 1995). «Selena Impossible To Forget». Billboard (em inglês). 107 (38). p. 112. Consultado em 22 de junho de 2020 
  91. Lannert, John (22 de julho de 1995). «Artists & Music». Billboard (em inglês). 107 (29). Consultado em 22 de junho de 2020 
  92. «Latin Music Quarterly». Billboard (em inglês). 110 (48). Novembro de 1998. p. 104. Consultado em 22 de junho de 2020 
  93. Lannert, John (28 de fevereiro de 1998). «Artists & Music». Billboard (em inglês). 110 (9). p. 86. Consultado em 22 de junho de 2020 
  94. a b Cobo, Leila; Ramirez, Erika (8 de outubro de 2011). «Billboard's Influential Hot Latin Songs Chart Celebrates 25 Years of Trendsetting». Billboard (em inglês). 123 (35). p. 20. Consultado em 22 de junho de 2020 
  95. Lannert, John (23 de setembro de 1995). «Selena Impossible to Forget». Billboard (em inglês). 107 (38). p. 39. Consultado em 22 de junho de 2020 
  96. «Arts & Entertainment». Hispanic Link Weekly Report (em inglês). 1999. p. 35 
  97. Ben-Yehuda, Ayala (19 de outubro de 2010). «15 years after her murder, Selena still sells». Reuters (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  98. Bronson 2003, p. 381.
  99. «Selena Sales Soar». The Los Angeles Times (em inglês). 29 de outubro de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020 
  100. «Hot Latin Songs & Regional Mexican Songs charts > November 11, 1995». Billboard (em inglês). 107 (45). 11 de novembro de 1995. p. 39. Consultado em 22 de junho de 2020 
  101. «Hot Latin Tracks > December 2, 1995». Billboard (em inglês). 107 (48). 2 de dezembro de 1995. p. 37. Consultado em 22 de junho de 2020 
  102. «Billboard Hot Dance Breakouts/Bubbling Under Hot 100 Singles». Billboard (em inglês). 108 (15). 13 de abril de 1996. pp. 30, 99. Consultado em 22 de junho de 2020 
  103. «Adult Contemporary Tracks > June 8, 1996». Billboard (em inglês). 108 (23). 8 de junho de 1996. p. 106. Consultado em 22 de junho de 2020 
  104. «Critics Poll 1996». Billboard (em inglês). 108 (52). 28 de dezembro de 1996. p. YE-63. Consultado em 22 de junho de 2020 
  105. «Canadian Adult Contemporary > November 6, 1995». RPM (em inglês). 62 (14). Agosto de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  106. «Canadian Top Singles > October 30, 1995». RPM (em inglês). 62 (13). Outubro de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  107. «RPM Top 100 Singles > February 19, 1996». RPM (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  108. «RPM Adult Contemporary > February 12, 1996». RPM (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  109. «Top 100 Singles > June 10, 1996». Billboard (em inglês). 63 (17). 10 de junho de 1996. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  110. «Top 100 Singles > July 8, 1996». Billboard (em inglês). 63 (21). 8 de julho de 1996. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  111. «Top 100 Singles > August 5, 1996». Billboard (em inglês). 63 (25). 5 de agosto de 1996. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 19 de fevereiro de 2020 
  112. «I Could Fall in Love chart performance». Recording Industry Association of New Zealand (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  113. «No. 1 start for Selena's 'Dreaming'». USA Today (em inglês). 27 de julho de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 22 de junho de 2020 
  114. «Selena's Popularity Grows». The Hour (em inglês). 24 de março de 2004. Consultado em 22 de junho de 2020 
  115. Mayfield, Geoff (2003). «Over The Counter». Billboard (em inglês). 115 (23). p. 84. Consultado em 22 de junho de 2020 
  116. a b Riemenschneider, Chris (27 de julho de 1995). «Selena's 'Dreaming' Album Premieres in No. 1 Spot». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  117. a b Burr, Ramiro (28 de julho de 1995). «Dreaming' falls short of 400,000, still selling». San Antonio Express-News (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  118. a b c d e f g h i j k l «A Retrospective». Billboard (em inglês). 107 (23). 10 de junho de 1995. pp. 62, 64, 99, 106, 108. Consultado em 22 de junho de 2020 
  119. Jasinski 2012.
  120. a b Heatley 2008, p. 200.
  121. Pollock 2014, p. 493.
  122. Blumenthal 1997, p. 150.
  123. a b c Lannert, John (29 de julho de 1995). «Latin Music Has New Challenges At Anglo Retail». Billboard (em inglês). 107 (30). pp. 1, 125. Consultado em 22 de junho de 2020 
  124. «EMI Music Has Record Sales For 1st Half of '95». Billboard (em inglês). 107 (48). 2 de dezembro de 1995. pp. 6, 9. Consultado em 22 de junho de 2020 
  125. a b Lomelí & Ikas 2000, p. 58.
  126. Stavans 1998, p. 5.
  127. a b Arrarás 1997, p. 22.
  128. Sickels 2013, p. 481.
  129. Patoski, Joe Nick (Maio de 2000). «Tuned Out». Texas Monthly (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  130. Acosta, Belinda (18 de fevereiro de 2006). «Outlaw Onda If you don't hear Tejano music on the radio, does it exist?». The Austin Chronicle (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  131. Froyd, Susan. «Dreaming of You: The Selena Art Show». Westword (em inglês) 
  132. «Selena Dreaming Of You Japanese Promo CD album» (em inglês). Eil.com. Consultado em 17 de fevereiro de 2020 
  133. «Dreaming Of You Enhanced, Limited Edition, Original recording reissued, Original recording remastered» (em inglês). Amazon.com. Consultado em 17 de fevereiro de 2020 
  134. Marrero, Letisha (Novembro de 2003). «Ritmo Roundup». Vibe (em inglês). 13 (13). p. 172. Consultado em 22 de junho de 2020 
  135. Burr, Ramiro (26 de março de 2005). «Upcoming Selena Tribute». Billboard (em inglês). 117 (13). p. 56. Consultado em 22 de junho de 2020 
  136. Caulfield, Keith (6 de dezembro de 2020). «Bad Bunny's 'El Ultimo Tour del Mundo' Debuts at No. 1 on Billboard 200 Chart, Is First All-Spanish No. 1 Album». Billboard (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  137. «Billboard 200 > August 12, 1995». Billboard (em inglês). 107 (32). 12 de agosto de 1995. p. 90. Consultado em 22 de junho de 2020 
  138. «Billboard 200 > August 19, 1995». Billboard (em inglês). 107 (33). 19 de agosto de 1995. p. 94. Consultado em 22 de junho de 2020 
  139. «Billboard 200 > August 26, 1995». Billboard (em inglês). 107 (34). 26 de agosto de 1995. p. 126. Consultado em 22 de junho de 2020 
  140. Dreaming of You permaneceu no top 20 da parada Billboard 200.
  141. «Latin Notas». Billboard (em inglês). 107 (43). 29 de outubro de 1995. p. 41. Consultado em 22 de junho de 2020 
  142. «Billboard 200 > June 1, 1996». Billboard (em inglês). 108 (22). 1 de junho de 1996. p. 101. Consultado em 22 de junho de 2020 
  143. Lannert, John (25 de maio de 1996). «Brazil Upgrades Itself To Be Major World Music Market». Billboard (em inglês). 108 (21). p. 48. Consultado em 22 de junho de 2020 
  144. a b c «1995 Year In Music». Billboard (em inglês). 107 (51). 23 de outubro de 1995. p. 33. Consultado em 22 de junho de 2020 
  145. a b c d e «1996 The Year in Music». Billboard (em inglês). 108 (52). 28 de dezembro de 1996. pp. 3, 38. Consultado em 22 de junho de 2020 
  146. a b «Billboard 200 Year-end Chart for 1995» (PDF). Billboard (em inglês). 107 (51). 23 de dezembro de 1995. p. 78. Consultado em 22 de junho de 2020 
  147. Lannert, John (13 de setembro de 1997). «Year To Date Latin Music Charts». Billboard (em inglês). p. 138. Consultado em 22 de junho de 2020 
  148. Lannert, John (25 de dezembro de 1999 – 1 de janeiro de 2000). «Artists & Music». Billboard (em inglês). 111 (52). ISSN 0006-2510. Consultado em 22 de junho de 2020 
  149. Lannert, John (17 de janeiro de 1998). «U.S. Latin Market Sales Slip 12%, '97 Stats Show». Billboard (em inglês). 110 (3). ISSN 0006-2510. Consultado em 22 de junho de 2020 
  150. «Latin Notas». Billboard (em inglês). 109 (15). 12 de abril de 1997. Consultado em 22 de junho de 2020 
  151. «Howard Stern's Remarks to Selena». Spin (em inglês). 11 (5). Agosto de 1995. p. 120. Consultado em 22 de junho de 2020 
  152. a b «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Selena – Dreaming of You» (em inglês). Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, depois selecione Album, depois clique em SEARCH. Recording Industry Association of America. Consultado em 22 de junho de 2020 
  153. «Awards Show». Billboard (em inglês). 108 (18). 4 de maio de 1996. p. 122. Consultado em 22 de junho de 2020 
  154. a b Lamy, Jonathon (14 de fevereiro de 2008). «Country Takes The Crop» (em inglês). RIAA. Consultado em 2 de março de 2020. Arquivado do original em 5 de Setembro de 2007 
  155. «RIAA Launches 'Los Premios de Oro y De Platino' to Recognize Top Latin Artists» (em inglês). RIAA. 25 de janeiro de 2000. Arquivado do original em 5 de Setembro de 2007 
  156. a b c Katz, Jesse (1 de dezembro de 2020). «What Would Selena Want?: As Netflix Series Begins, The Battle Over Her Estate Wages On». Billboard (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  157. Estevez, Marjua (17 de outubro de 2017). «The Top 25 Biggest Selling Latin Albums of the Last 25 Years: Selena, Shakira & More». Billboard (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  158. Guerra, Joey (28 de janeiro de 2015). «Tejano star Selena to be honored at Fiesta de la Flor». Houston Chronicle (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  159. «NARM Grants Sale And Ad Awards, Scholarship». Billboard (em inglês). 108 (15). 13 de abril de 1996. p. 69. Consultado em 22 de junho de 2020 
  160. «'Dreaming of You' album debuts in No. 1 position». Lodi News-Sentinel (em inglês). 27 de julho de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020 
  161. «Selena Eclipses Record Set By Carey». New York Daily News (em inglês). 27 de julho de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020 
  162. «Top 100 Albums > September 4, 1995». RPM (em inglês). 62 (5). 4 de setembro de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  163. «Top 100 Albums > September 11, 1995». RPM (em inglês). 62 (6). 11 de setembro de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  164. «Top 100 Albums > October 30, 1995». RPM (em inglês). 62 (13). 30 de outubro de 1995. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  165. «Top 100 Albums > March 25, 1996». RPM. 63 (6). 25 de março de 1996. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  166. a b «Certificações (Canadá) (álbum) – Selena – Dreaming of You» (em inglês). Music Canada. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  167. a b «Los discos de Selena rompen récord de ventas». El Siglo de Torreón (em espanhol). Editora de la Laguna. 5 de agosto de 1995. p. 33 
  168. «Selena – Dreaming of You (RPM)» (em inglês). RPM. 30 de outubro de 1995. Consultado em 4 de maio de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  169. «Selena – Dreaming of You (Billboard 200)» (em inglês). Billboard 200. Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  170. «Selena – Dreaming of You (Latin Pop Albums)» (em inglês). Latin Pop Albums. Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  171. «Selena – Dreaming of You (Billboard Top Latin Albums)» (em inglês). Billboard Top Latin Albums. Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  172. «Selena – Dreaming of You (RPM)» (em inglês). RPM. 8 de janeiro de 1996. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  173. a b c «Billboard 200 > January 13, 1996». Billboard (em inglês). 108 (2). 13 de janeiro de 1996. pp. 3, 78. Consultado em 22 de junho de 2020 
  174. a b c «Latin Music Charts > April 12, 1997». Billboard (em inglês). 109 (15). 12 de abril de 1997. p. 38. Consultado em 22 de junho de 2020 
  175. a b c «The Year in Music 1997». Billboard (em inglês). 109 (52). 27 de dezembro de 1997. pp. 19, 21. Consultado em 22 de junho de 2020 
  176. «The Year in Music 1998». Billboard (em inglês). 110 (52). 26 de dezembro de 1998. p. 31. Consultado em 22 de junho de 2020 
  177. «The Year in Music 1999». Billboard (em inglês). 111 (52). 25 de agosto 1999. p. 2. Consultado em 22 de junho de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal.svg A Wikipédia possui o
Portal Música