Acústico MTV (álbum de Legião Urbana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Acústico MTV
Álbum ao vivo de Legião Urbana
Lançamento 27 de outubro de 1999
Gravação 28 de janeiro de 1992,[1] no Cine Haway[2], São Paulo (SP).
Gênero(s)
Duração 74:30[3][1]
Idioma(s)
Formato(s)
Gravadora(s) EMI
Direção
  • Adriano Goldman
  • Rogério Gallo
Produção Legião Urbana
Certificação Diamante[4]
Cronologia de Legião Urbana
Mais do Mesmo
(1998)
Como É que Se Diz Eu Te Amo
(2001)

Acústico MTV é o primeiro álbum ao vivo da banda brasileira de rock Legião Urbana, lançado em 1999. No Brasil foram vendidos mais de 2 milhão de cópias[5] e sendo premiado com Disco de Diamante pela Associação Brasileira dos Produtores de Discos.[4]

Contexto e preparo[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 1990, a banda foi abordada pela MTV, então recém-chegada ao Brasil, para gravar algumas canções para um programa especial. Na época, ainda não se planejava lançar o material em CD ou VHS, como acabou acontecendo - tanto que o show foi gravado em 1992, mas o lançamento se deu apenas em 1999.[2]

As negociações para a aprovação do projeto foram demoradas. A ideia original era preparar um videoclipe para a divulgação do então novo álbum, V, mas devido à relutância do grupo, a proposta foi alterada para um Acústico MTV. A ideia foi cancelada e retomada mais de dez vezes, devido em parte ao fato da banda querer se inteirar sobre cada detalhe do projeto.[6]

Foi o segundo programa da série Acústico MTV no Brasil, o primeiro havia sido com a banda do Rio de Janeiro Barão Vermelho. O show foi realizado em um espaço do Cine Haway, um cinema desativado na época, no dia 28 de Janeiro de 1992 em São Paulo (SP).[2] A matriz da emissora enviou um extenso material sobre como o palco e o programa como um todo deveriam ser montados.[6]

A banda teve dificuldades para se adaptar ao formato acústico. Sempre ligaram pouco para a afinação dos instrumentos e para aspectos técnicos em geral, e agora se viam diante de um espetáculo que exigia muita atenção ao volume dos instrumentos e sua execução. O baterista Marcelo Bonfá, por exemplo, se recusava a trocar as baquetas pelas vassourinhas. Eles também não achavam que sua música funcionaria com arranjos acústicos.[7]

Em 1997, em meio ao lançamento do álbum póstumo solo do vocalista e violonista Renato Russo O Último Solo, o diretor artístico da EMI João Augusto já manifestava a possibilidade de lançar o show da banda em CD, afirmando que duas horas foram gravadas mas apenas 50 minutos foram exibidos.[8][8]

Apresentação[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
allmusic 4 de 5 estrelas. [9]
Symbol unlikely.svg Esta tabela precisa de ser acompanhada por texto em prosa. Consulte o guia.

As incertezas quanto ao projeto persistiram até o dia da apresentação. Na hora do show, Renato estava no hotel, aparentemente se recusando a vir tocar. Contudo, o então diretor da MTV, Rogério Gallo, mais tarde afirmou que foi um mal-entendido e Renato apenas questionava um detalhe do repertório.[10]

Na hora do show, o público teve de ser instruído a não se empolgar muito com o show, dado o caráter intimista do mesmo. Reginaldo Ferreira, um fã da banda que posteriormente virou roadie deles, diz que modelos foram contratados para ficar na parte da frente da plateia e manter os fãs mais afastados, o que foi negado por Rogério.[10]

O repertório é formado por canções dos primeiros discos da banda, como "Índios", "Pais e Filhos", "Eu Sei", "Há Tempos", "Baader-Meinhof Blues" e "Faroeste Caboclo"; itens do recém-lançado disco, como "Sereníssima", "Teatro dos Vampiros" e "Metal Contra as Nuvens"; e regravações em inglês: "On the Way Home" (de Neil Young com o grupo Buffalo Springfield), "Rise" (da banda Public Image Ltd., mais conhecida como PIL), "Head On" (do grupo The Jesus and Mary Chain) e "The Last Time I Saw Richard" (da cantora Joni Mitchell).

O single principal do álbum é "Hoje a Noite Não Tem Luar" (versão em português para "Hoy Me Voy Para México", da boy band portorriquenha Menudo, criada por Carlos Colla). Num momento da apresentação em que a produção pediu um tempo para trocar as fitas de gravação, Renato disse em tom de piada que tocaria a faixa, e a brincadeira acabou virando hit com extensa execução nas rádios em 1999.[10]

Algumas das canções deste álbum foram lançadas anteriormente, no álbum Música p/ Acampamentos (coletânea de gravações ao vivo), ainda em 1992.

Em apenas uma semana, o álbum chegou à marca de mais de 750 mil cópias vendidas (disco de platina duplo, na época).[11]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Lista de faixas do CD e DVD (autoria das faixas conforme fonte:[2])
TítuloMúsica Duração
1. "Baader-Meinhof Blues"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 5:03
2. "Índios"  Renato Russo 5:28
3. "Mais do Mesmo"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo; Renato Rocha 4:24
4. "Pais e Filhos"  Dado Villa-Lobos; Renato Russo; Marcelo Bonfá 6:19
5. "Hoje a Noite Não Tem Luar" (versão: Carlos Colla)Alejandro Monroy Fernandez; Carlos Villa de La Torre 4:31
6. "Sereníssima"  Dado Villa-Lobos; Renato Russo; Marcelo Bonfá 4:57
7. "O Teatro dos Vampiros"  Dado Villa-Lobos; Renato Russo; Marcelo Bonfá 5:36
8. "On the Way Home/Rise"  Neil Young; John Lydon; William Laswell 6:50
9. "Head On"  William Reid; James Reid 2:49
10. "The Last Time I Saw Richard"  Joni Mitchell 3:39
11. "Metal contra as Nuvens"  Dado Villa-Lobos; Renato Russo; Marcelo Bonfá 9:21
12. "Há Tempos"  Dado Villa-Lobos; Renato Russo; Marcelo Bonfá 3:45
13. "Eu Sei"  Renato Russo 3:55
14. "Faroeste Caboclo"  Renato Russo 9:53
Duração total:
[12][1]

Créditos[editar | editar código-fonte]

Pessoal técnico[editar | editar código-fonte]

Conforme encarte:[1]

  • Legião Urbana - produção
  • Torcuato Mariano - direção artística
  • Rafael Borges - produção executiva, direção de produção
  • Pena Schmidt - coordenação de gravação
  • Carlos Aru - técnico de gravação
  • Egídio Conde - técnico de gravação, supervisão de áudio
  • Moogie Canazio - engenharia de mixagem
  • Bernie Grundman - masterização
  • Luiz Tornaghi e Moogie Canazio - edição
  • Barrão e Fernanda Villa-Lobos - projeto gráfico
  • Adriana Trigona - coordenação gráfica
  • César Itiberê - foto de capa
  • Franklin Garrido - operação de P.A.
  • Maneco Quinderé - criação e operação de iluminação
  • Bruno Maciel - roadie
Equipe MTV (versão original)
  • Adriano Goldman - direção
  • Pedro Bueno - produção executiva
  • Carol Maluf, Daniela Gebaile e Ivan Santos - relações artísticas
  • Celso Tavares - gerente de operações/produção
  • Marcelo Machado e Rogério Gallo - direção geral
Equipe MTV (versão especial)
  • Paulo Marchetti - direção de pós-produção
  • Rodrigo Carelli - supervisão de especiais
  • Miguel Lopes - supervisão de operações
  • Valter Pascotto - diretor técnico
  • Anna Butler - diretora de relações artísticas
  • Cris Lobo e Zico Góes - direção de programação e produção
  • André Mantovani - diretor geral

Certificados e vendas[editar | editar código-fonte]

País Certificados Vendas/Cópias
CD
 Brasil (ABPD) Diamante[4] 1.500.000+[5]
^ vendas baseadas nos números de tiragens
* certificado baseado nos números de tiragens
~ vendas baseadas no valor do certificado

Referências

  1. a b c d (1999). "Anotações de Acústico MTV". Em Acústico [encarte do CD]. EMI.
  2. a b c d Fuscaldo 2016, p. 124.
  3. Fuscaldo 2016, p. 129.
  4. a b c «Legião Urbana» (asp). ABPD. Consultado em 28 de março de 2010 
  5. a b IG. «Catorze anos após o fim da banda, Legião Urbana vende 20 mil cópias por mês». Ultimo Segundo. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  6. a b Fuscaldo 2016, p. 125.
  7. Fuscaldo 2016, p. 126.
  8. a b Ryff, Luiz Antônio (12 de novembro de 1997). «Renato Russo faz seu "Último Solo"». Folha de S.Paulo. Grupo Folha. Consultado em 4 de julho de 2020 
  9. Avaliação no allmusic
  10. a b c Fuscaldo 2016, p. 127.
  11. «Legião Urbana (História da Banda)». Consultado em 9 de abril de 2014. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  12. Fuscaldo 2016, p. 120-121.