Legião Urbana (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Legião Urbana
Álbum de estúdio de Legião Urbana
Lançamento 2 de janeiro de 1985 (1985-01-02)
Gravação Outubro a Dezembro de 1984
Gênero(s)
Duração 37:09
Idioma(s) (em português)
Formato(s)
Gravadora(s) EMI-Odeon
Produção José Emilio Rondeau
Cronologia de Legião Urbana
Dois
(1986)
Singles de Legião Urbana
  1. ""Será""
    Lançamento: Fevereiro de 1985
  2. "Ainda É Cedo"
    Lançamento: Março de 1985
  3. "Geração Coca-Cola"
    Lançamento: Abril de 1985
  4. ""Teorema""
    Lançamento: Junho de 1985
  5. ""Soldados""
    Lançamento: Julho de 1985

Legião Urbana é o álbum de estreia da banda brasileira de rock homônima, lançado em 2 de janeiro de 1985, pela EMI Music. O disco foi gravado entre outubro a dezembro de 1984, e gravado por Mayrton Bahia como disco de vinil. "Será", "Geração Coca-Cola" e "Ainda É Cedo" puxaram a boa vendagem do álbum e se tornaram alguns dos grandes sucessos da rádio brasileira. Os desenhos do encarte foram feitos pelo baterista Marcelo Bonfá.

Para divulgação do disco, "Será" foi escolhida como primeira música de trabalho, e um vídeo clipe foi feita para ela, gravado entre os dias 25, 26 e 27 de maio de 1985 na casa noturna Rose Bom Bom, em São Paulo, com direção de Toniko Melo.[1] Toda as faixas exceto "Por Enquanto" já estavam prontas antes das sessões de gravação do disco.[2]

Legião Urbana vendeu 1.200.000 cópias[3] e foi classificado na 40ª posição na lista dos 100 maiores discos da música brasileira pela Rolling Stone Brasil.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 1980, o futuro líder da Legião Urbana, Renato Russo, era amigo dos integrantes da banda já estabelecida Os Paralamas do Sucesso. O primeiro disco deles, Cinema Mudo, estava em processo de produção e conteria "Química", uma faixa assinada por Renato. Jorge Davidson, então gerente artístico do departamento internacional da EMI-Odeon, gravadora por meio da qual o disco seria lançado, ouviu a faixa e quis conhecer mais sobre Renato e a Legião Urbana.[5]

Após ser promovido a diretor artístico do departamento nacional, Jorge convidou a Legião Urbana para integrar a carteira de artistas da marca, sendo a primeira banda que ele chamou:[6]

Produção e gravação[editar | editar código-fonte]

Pré-produção e chegada de Renato Rocha[editar | editar código-fonte]

A banda foi para o Rio de Janeiro e iria inicialmente gravar apenas um compacto com duas canções, mas teve dificuldades em conseguir um produtor. Marcelo Sussekind (Herva Doce) foi o primeiro a ser convidado (por Jorge), mas recusou. Em seguida, foram atrás de Rick Ferreira, guitarrista que acompanhava Raul Seixas, mas divergências artísticas entre ele e a banda colocaram fim à breve história entre eles.[7]

Quando estava prestes a desistir, o grupo foi incentivado por Mayrton Bahia, então gerente de repertório da EMI-Odeon, a permanecer. Ele os explicou como a indústria musical funcionava e como eles deveriam se comportar ao toparem com alguma dificuldade.[7]

Dois meses depois, a banda voltou ao Rio com três boas notícias: conheceriam Raul pessoalmente, uma vez que o mesmo se hospedara, na época, no mesmo hotel que eles; gravariam um disco completo, e não mais apenas um compacto; e já tinham um produtor garantido: José Emilio Rondeau.[7] O próprio José foi à EMI pedir para produzir o disco, após saber que a banda havia fechado contrato com a empresa.[8] A relação com José também enfrentou dificuldades. O produtor teve muitas discussões especificamente com Marcelo - numa delas, chegou a entrar em seu carro para abandonar o trabalho, mas Renato e Marcelo foram até ele implorar para que ficasse.[9]

Foi nesse meio tempo que a banda passou a contar com um quarto elemento: o baixista Renato Rocha, recrutado após Renato Russo, que na época também empunhava o baixo, perder parte dos movimentos nas mãos em decorrência de tentar cortar os próprios pulsos.[8] De início, o baixista agia de forma reservada, limitando-se a seguir as recomendações do colega homônimo. Ele contribuiu, contudo, com o arranjo de "A Dança".[10]

Gravação[editar | editar código-fonte]

A banda tinha como objetivo produzir um trabalho "simples, com poucas firulas musicais e muita autenticidade".[11] Renato Russo gravava sua voz com dois microfones valvulados; um à frente da boca e outro acima dele, para capturar a reverberação. A bateria de Marcelo era gravada por microfones estrategicamente posicionados pelas paredes e janelas do estúdio. José trabalhou para satisfazer o desejo da banda de não fazer um som nem muito cru, nem muito artificial.[12]

Ao editar a faixa "Perdidos no Espaço" com uma lâmina de barbear e uma fita adesiva, ele iniciou a tendência de se editar, copiar e colar fitas de gravação de modo artesanal, numa era pré-digital.[12]

O resultado final do disco não agradou totalmente a Renato Russo. Ele queria que o trabalho soasse como se houvesse sido gravado ao vivo, com todos os membros tocando juntos. Contudo, apenas "Petróleo do Futuro" atingiu este patamar.[13]

"Geração Coca Cola" era considerada a canção mais importante pelos executivos da gravadora. Mas Jorge mostrou apenas a letra para eles, temendo que a instrumentação "pesada" e "contestadora" colocasse em risco o contrato. Na verdade, a EMI-Odeon esperava um folk; por isso, Jorge sugeriu que a banda se inspirasse em Bob Seger e gravasse a peça com violões. Vários formatos foram tentados, incluindo versões humorísticas e tocadas como para uma festa, mas o que acabou sendo colocado no disco foi uma versão "menos crua, mas totalmente fiel" ao que a banda queria.[13]

Som[editar | editar código-fonte]

Dois anos após o lançamento de Legião Urbana, Renato Russo declararia:[14]

Recepção e legado[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
allmusic 2.5 de 5 estrelas.[15]

Maurício de Almeida do website brasileiro Whiplash.net elogiou o disco citando que "o punk ainda estava bem presente nesse disco". Ele observou "Geração Coca-Cola" como "uma crítica clara aos vinte anos do regime militar", e "Teorema". Entretanto o disco "tem uma qualidade de gravação ruim, e as músicas eram basicamente as mesmas do repertório de shows."[16] Ed Rivadavia, escrevendo para Allmusic, deu ao álbum duas estrelas e meia de cinco.[17] Ele observou que "como muitas bandas jovens, desde cedo eles claramente não tinham a confiança necessária para fazer valer as suas opiniões sobre os de sua gravadora", e "Ainda é Cedo" como "sem dúvida o primeiro triunfo absoluto da banda."[15]

No final de 1985, foi eleito o Disco do Ano pelos críticos da Revista Bizz (Editora Abril).

Em 2014, uma versão instrumental da faixa "Por Enquanto" foi usada como música de fundo para um comercial televisivo da cerveja Brahma para a Copa do Mundo FIFA de 2014.[18][19]

Em 2016, o álbum foi relançado como Legião Urbana 30 Anos em dois CDs e pela Universal Music. Um dos discos é o álbum original e o outro é um disco novo composto por relançamentos.[20][21]

Faixas[editar | editar código-fonte]

Edição regular[editar | editar código-fonte]

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Será"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 2:30
2. "A Dança"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo; Renato Rocha 4:01
3. "Petróleo do Futuro"  Dado Villa-Lobos; Renato Russo 3:02
4. "Ainda É Cedo"  Dado Villa-Lobos; Ico Ouro-Preto; Marcelo Bonfá; Renato Russo 3:57
5. "Perdidos no Espaço"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 2:57
6. "Geração Coca-Cola"  Renato Russo 2:22
7. "O Reggae"  Renato Russo; Marcelo Bonfá 3:33
8. "Baader-Meinhof Blues"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 3:27
9. "Soldados"  Marcelo Bonfá; Renato Russo 4:50
10. "Teorema"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 3:06
11. "Por Enquanto"  Renato Russo 3:16
Duração total:
37:09

Faixas do CD 2 de Legião Urbana 30 Anos[editar | editar código-fonte]

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Geração Coca-Cola (demo 1983)"  Renato Russo 2:20
2. "Ainda é cedo (demo 1983)"  Dado Villa-Lobos; Ico Ouro-Preto; Marcelo Bonfá; Renato Russo 4:41
3. "A Dança (demo 1983) - part Herbert Vianna"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 3:03
4. "Química (Clip Pirata)"  Renato Russo 3:55
5. "Perdidos no Espaço (Outtake)"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 3:21
6. "O Reggae (Outtake)"  Renato Russo; Marcelo Bonfá 4:09
7. "Renato Apresenta"    3:28
8. "Ainda é cedo (take 9)"  Dado Villa-Lobos; Ico Ouro-Preto; Marcelo Bonfá; Renato Russo 1:15
9. "Será (Outtake)"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 2:31
10. "Chamadas de rádio"    1:04
11. "Petróleo do Futuro (demo BSB)"  Dado Villa-Lobos; Renato Russo 2:42
12. "Ainda é cedo (demo BSB)"  Dado Villa-Lobos; Ico Ouro-Preto; Marcelo Bonfá; Renato Russo 4:23
13. "Teorema (demo BSB)"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 2:35
14. "Aduuuuuuhhh!! (ao vivo)"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 2:40
15. "Profecia de Renato"    1:39
16. "Por Enquanto (Outtake)"  Renato Russo 2:49
17. "A Dança (remix Mario Caldato) part Herbert Vianna"  Dado Villa-Lobos; Marcelo Bonfá; Renato Russo 3:04
18. "O Reggae (remix Liminha)"  Renato Russo; Marcelo Bonfá 3:48

Créditos[editar | editar código-fonte]

Vendas e certificações[editar | editar código-fonte]

País Certificação Vendas
 Brasil (Pro-Música Brasil)

Platina

550.000+[3]

Referências

  1. VILLA-LOBOS, Dado. Dado Villa-Lobos:memórias de um legionário. 1ª edição - Rio de Janeiro: Mauad X, 2015. pág. 107.
  2. Fuscaldo (2016), p. 10
  3. a b «Historia: Legião Urbana». Legiaourbanasite. Consultado em 7 de outubro de 2016 
  4. Castrezana, Rodolfo (13 de outubro de 2007). «Os 100 maiores discos da música brasileira». Rolling Stones Brasil. Omedi. Consultado em 10 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2014 
  5. Fuscaldo (2016), p. 20
  6. Fuscaldo (2016), p. 21
  7. a b c Fuscaldo (2016), p. 22
  8. a b Fuscaldo (2016), p. 23
  9. Fuscaldo (2016), p. 25
  10. Fuscaldo (2016), p. 27
  11. Fuscaldo (2016), p. 24
  12. a b Fuscaldo (2016), p. 26
  13. a b Fuscaldo (2016), p. 28
  14. Fuscaldo (2016), p. 29
  15. a b Rivadavia, Ed. «Legiao Urbana, Vol. 1». All Media Guide. Allmusic. Consultado em 10 de fevereiro de 2014 
  16. de Almeida, Maurício. «Resenha - Legião Urbana - Legião Urbana». Whiplash.net. Consultado em 10 de fevereiro de 2014 
  17. Legião Urbana Vol. 1 Allmusic
  18. «Filho de Renato Russo autoriza uso de música em comercial de cerveja». 13 de junho de 2014. Consultado em 30 de junho de 2014 
  19. Brahma (15 de junho de 2014). Brahma: Copa do Mundo Brasil FIFA 14 | Uma festa surpresa em Vila do Guiné | #AquiTemFesta. YouTube. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  20. Após 30 anos, disco de estreia de Legião Urbana ganha edição especial em Folha de S. Paulo - acessado 23 de março de 2016
  21. Legião Urbana 30 Anos em Livraria Folha de S. Paulo - acessado 23 de março de 2016

Bibliografia[editar | editar código-fonte]