Metal contra as Nuvens

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
"Metal Contra as Nuvens"
Canção de Legião Urbana
do álbum V
Lançamento Novembro de 1991
Formato(s)
Gênero(s)
Duração 11:27
Gravadora(s) EMI
Composição Renato Russo, Marcelo Bonfá, Dado Villa-Lobos
Produção Mayrton Bahia, Legião Urbana

Metal Contra as Nuvens é a mais longa música da Legião Urbana, com duração máxima de 11'30". Lançada originalmente em 1991, no disco V, a música ganhou várias versões, sendo gravada posteriormente no Acústico MTV (1992), e depois no famoso show Como É que Se Diz Eu Te Amo (1994).

Ela tem também uma característica muito interessante: diferentemente dos padrões de música, Metal Contra as Nuvens tem uma variação melódica muito grande. O seu início calmo é seguido por um meio de muita guitarra e bateria, sucedido por um final mais doce, igual ao do início.

A música não era tocada nas rádios, devido a ter mais de onze minutos, dependendo da versão, que superava em dois minutos até o mesmo Faroeste Caboclo.

Interpretação[editar | editar código-fonte]

A música tem uma temática medieval, fazendo referências ao feudalismo. Renato idealiza e imaginava o Brasil fazendo uma analogia entre nosso país e a Europa medieval. Entre essas analogias, Renato Russo assumiu que a letra fala de uma época durante o mandato de Collor, quando os direitos autorais das canções ficavam presos e como a Legião Urbana fazia poucos shows, a banda ficou durante muito tempo sem receber dinheiro, indignação esta expressa nos versos:

"Quase acreditei na sua promessa/ E o que vejo é fome e destruição/ Perdi a minha sela e a minha espada/ Perdi o meu castelo e minha princesa"

"E há quem se alimente do que é roubo/ Mas vou guardar o meu tesouro/ caso você esteja mentindo"

Imagina no feudalismo uma época onde tudo o que sempre idealizou existia: a nobreza (dos cavaleiros medievais), a honra (nos laços de vassalagem).

Renato sempre cita em muitas de suas músicas como o tempo passa e tudo leva embora. Leva a juventude, a beleza, as pessoas. Ex: Pais e filhos, Tempo Perdido, La Nuova Gioventú. Por isso ele canta: " Tudo passa, tudo passará"

Em uma passagem canta: "Eu Sou metal - raio, relâmpago e trovão/ Eu Sou metal, eu sou o ouro em seu brasão"

O Ouro é um dos poucos metais que não oxidam. É praticamente eterno. Renato tinha medo da morte, por isso ele gostaria de ser como o ouro: nobre (moralmente) e eterno. Ele fala em uma de suas músicas:

"Quero a minha nação soberana Com espaço, nobreza e descanso" (Se Fiquei Esperando Meu Amor Passar)

É no feudalismo e na idade média que ele encontra o mundo que sempre buscou.

Renato foi considerado um dos gênios do século XXI pela construção desta ópera.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Legião Urbana: Prog ao estilo Rush». www.discomaniaco.com. Consultado em 16 de novembro de 2018