Rubber Soul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rubber Soul
Rubber Soul
Álbum de estúdio de The Beatles
Lançamento 3 de dezembro de 1965 (1965-12-03)
Gravação 12 de outubro – 11 de novembro de 1965 (exceto 17 de junho para "Wait")
Estúdio(s) EMI, Londres
Gênero(s)
Duração 35:32
Gravadora(s)
Produção George Martin
Cronologia de The Beatles
Help!
(1965)
Revolver
(1966)

Rubber Soul é o sexto álbum de estúdio da banda britânica de rock The Beatles. Foi lançado em 3 de dezembro de 1965 pelo selo Parlophone da gravadora EMI no Reino Unido, acompanhado pelo single "Day Tripper" / "We Can Work It Out", que não aparece no álbum. O lançamento original na América do Norte, distribuído pela gravadora Capitol, apresenta dez das quatorze canções e duas faixas omitidas do álbum Help!. Foi descrito como uma importante realização artística da banda, recebendo críticas favoráveis e liderando paradas de vendas do Reino Unido e dos Estados Unidos por várias semanas.

As sessões de gravação ocorreram em Londres durante um período de quatro semanas, começando em outubro de 1965. Pela primeira vez em sua carreira, os Beatles estavam disponíveis para gravar um álbum livre de turnês, filmagens ou compromissos no rádio. Muitas vezes referido como um álbum de folk rock, particularmente por sua versão norte-americana, Rubber Soul incorpora uma mistura dos estilos de música pop, soul e folk. O título deriva do coloquialismo "plastic soul". Depois de A Hard Day's Night em 1964, foi o segundo disco dos Beatles a conter somente material autoral.

As canções demonstram a crescente maturidade dos Beatles como letristas e, na incorporação de tons de guitarra mais brilhantes e nova instrumentação, como sitar, harmônio e baixo fuzz, o grupo buscou sons e arranjos mais expressivos para sua música. O projeto marcou uma progressão no tratamento da banda ao formato do álbum como uma plataforma artística, uma abordagem que eles continuaram a desenvolver com Revolver (1966) e Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (1967). As quatro canções omitidas pela Capitol apareceram mais tarde no lançamento norte-americano Yesterday and Today.

Rubber Soul foi altamente influente no círculo social e artístico dos Beatles, levando a um foco na criação de álbuns com canções consistentemente de alta qualidade, se afastando do formato single. Foi reconhecido pela crítica musical como um álbum que abriu as possibilidades da música pop em termos de abrangência lírica e musical, e como uma obra-chave na criação de estilos como a psicodelia e o rock progressivo. A revista Rolling Stone classificou-o em quinto lugar em sua lista "Os 500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos". Em 2000, foi escolhido em 34º lugar na terceira edição do livro All Time Top 1000 Albums de Colin Larkin. O álbum foi certificado seis vezes em disco de platina pela Associação Americana da Indústria de Gravação em 1997. Em 2013, Rubber Soul foi certificado em platina pela Indústria Fonográfica Britânica por suas vendas no Reino Unido desde 1994.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Os Beatles em uma entrevista de imprensa durante sua turnê norte-americana em agosto de 1965, dois meses antes do início das sessões de Rubber Soul.

A maioria das canções em Rubber Soul foram compostas logo após o retorno dos Beatles a Londres, após sua turnê norte-americana de agosto de 1965.[1] Além de marcarem um novo recorde de audiência após tocarem para 55 mil pessoas no Shea Stadium, a turnê permitiu que a banda se reunisse com Bob Dylan em Nova Iorque e Elvis Presley em Los Angeles.[2] Embora os Beatles tivessem lançado Help! naquele mesmo mês, a exigência por um novo álbum a tempo do natal seguia o cronograma estabelecido com a EMI por Brian Epstein, o empresário do grupo,[3] e George Martin, seu produtor musical, em 1963.[4]

Em suas novas canções, os Beatles se inspiraram em artistas da música soul de gravadoras como Motown e Stax,[5] particularmente os singles que eles ouviram no rádio durante a turnê,[6] e no folk rock contemporâneo de Dylan e dos Byrds.[7] Dois anos após o inicio da Beatlemania, a banda estava aberta para explorar novos temas em sua música através da combinação de seu descontentamento em tocar para plateias cheias de fãs histéricos, seu poder comercial, uma curiosidade compartilhada obtida por meio da literatura e do uso de alucinógenos, e os seus interesses no potencial do estúdio.[8]

De acordo com Ringo Starr, Rubber Soul foi o "disco de partida" dos Beatles, escrito e gravado durante um período em que, em grande parte por influência da maconha,[9] "Nós estávamos expandindo em todas as áreas das nossas vidas, nos abrindo para várias atitudes diferentes".[10][11] O álbum reflete especialmente o amadurecimento de John Lennon como compositor,[12][13] como ele foi encorajado a abordar questões mais amplas do que antes através do exemplo de Dylan.[14] A perspectiva de George Harrison foi transformada pelas experiências dele e de Lennon com o LSD,[15][16] contando que a droga havia revelado a ele a futilidade da fama exacerbada da banda[17] por "abrir todas essas outras consciências".[18]

O autor Mark Prendergast reconheceu Rubber Soul como "o primeiro disco dos Beatles que foi visivelmente influenciado pelas drogas".[19] Lennon o chamava de "o álbum da erva".[20][21] A maconha apelou ao ideal boêmio da banda. Paul McCartney disse que era típico de uma mudança do álcool para uma "cena mais beatnik, como o jazz".[22]

Produção[editar | editar código-fonte]

Histórico de gravação[editar | editar código-fonte]

Rubber Soul foi uma questão de todos terem vivenciado o estúdio de gravação, terem crescido musicalmente também, mas (conhecendo) o lugar, o estúdio. Fomos mais precisos na produção do álbum, só isso, e assumimos a capa e tudo mais.[23]

– John Lennon

As gravações de Rubber Soul começaram em 12 de outubro de 1965 no estúdio EMI (atual Abbey Road Studios) em Londres; a produção final e mixagem ocorreram em 15 de novembro.[24] Durante as sessões, os Beatles normalmente se concentravam em ajustar o arranjo musical de cada canção, uma abordagem que reflete a crescente divisão entre a banda ao vivo e suas ambições como artistas de estúdio.[25] O produtor George Martin mais tarde descreveu Rubber Soul como "o primeiro álbum a apresentar um novo, crescido Beatles ao mundo",[26] adicionando: "Pela primeira vez começamos a pensar nos álbuns como arte por si só, como entidades completas."[27][28] As sessões se estenderam por treze dias e totalizaram 113 horas, com mais dezessete horas (entre seis dias) permitidas para mixagem.[29]

Os Beatles interromperam as intensivas gravações do álbum para receber suas medalhas no Palácio de Buckingham.

A banda trabalhou em um prazo apertado para garantir que o álbum estivesse completo a tempo de um lançamento antes do natal.[11] No entanto, eles estavam na posição até então desconhecida de poderem se dedicar exclusivamente a um projeto de estúdio, livres de turnês, filmagens ou compromissos no rádio.[1] Os Beatles cederam a apenas duas interrupções durante esse período.[30] Em 26 de outubro, eles receberam suas medalhas como membros da Ordem do Império Britânico (MBE) no Palácio de Buckingham, entregues por Isabel II;[31] e entre 1º e 2 de novembro, a banda filmou suas aparições no programa The Music of Lennon & McCartney da emissora Granada Television.[32][33] A partir de 4 de novembro, quando apenas cerca de metade do número necessário de canções estava quase concluída, as sessões estavam agendadas para terminar às três da manhã todos os dias.[34]

Depois de A Hard Day's Night em 1964, Rubber Soul foi o segundo álbum dos Beatles a conter somente material autoral.[35] Como os principais compositores da banda, Lennon e McCartney lutaram para completar canções suficientes para o projeto.[36][37] Após a sessão de 27 de outubro ser cancelada em razão da falta de um novo material, Martin disse a um repórter que ele e o grupo "esperavam retomar na próxima semana" mas não considerariam gravar canções de outros compositores.[38] Os Beatles completaram "Wait" para o álbum, tendo gravado sua faixa rítmica durante as sessões de Help! em junho de 1965.[39] Eles também gravaram o instrumental "12-Bar Original", um blues de doze compassos no estilo de Booker T. & the M.G.'s.[40] Creditado a todos os membros da banda,[41] permaneceu inédito até 1996.[42][nb 1]

O grupo gravou as canções "Day Tripper" e "We Can Work It Out" durante as sessões de Rubber Soul para ser lançada como um compacto (single) acompanhando o álbum. Evitando a necessidade de divulgar o single com várias aparições na televisão, os Beatles optaram por produzir videoclipes para as duas canções, a primeira vez que eles fizeram com um single. Dirigidos por Joe McGrath, os clipes foram filmados no Twickenham Film Studios no sudoeste de Londres em 23 de novembro.

Instrumentação[editar | editar código-fonte]

(Em Rubber Soul) os Beatles demonstraram uma capacidade de ir além dos limites das técnicas aceitáveis ​​do rock and roll e trazer para o estúdio ideias verdadeiramente inovadoras, como camadas de baixo e baixos fuzz, criando rimas em diferentes idiomas, mixando modos em uma única música, utilizando manipulação de fita para dar aos instrumentos sons inteiramente novos e introduzindo a sitar – um instrumento muito incomum para uma banda de rock.[44]

– Chris Smith, jornalista musical

Lennon lembrou que Rubber Soul foi o primeiro álbum em que os Beatles tomaram o controle no estúdio e fizeram demandas ao invés de apenas aceitar os padrões de gravação.[45] De acordo com Tim Riley, o disco reflete "a nova afeição por gravar" em detrimento das apresentações ao vivo.[46] De acordo com Barry Miles, Rubber Soul e seu sucessor de 1966, Revolver, foram "quando [os Beatles] 'fugiram' de George Martin e tornaram-se entidades criativas próprias".[47] Em 1995, Harrison contou que Rubber Soul era o seu álbum favorito dos Beatles, adicionando: "Certamente nós sabíamos que estávamos fazendo um bom álbum. Mas o mais importante era que, de repente, nós ouvíamos sons que não éramos capazes de ouvir antes".[11][9]

Durante as sessões, McCartney tocou um baixo Rickenbacker 4001 de corpo sólido, que produzia um som mais cheio que de seu Hofner de corpo oco.[48][49] O desenho do Rickenbacker permitiu uma maior precisão melódica, uma característica que conduziu McCartney a contribuir com linhas de baixo mais complexas.[48] Durante o resto de sua carreira nos Beatles, esse modelo iria se tornar o principal baixo de Paul em estúdio.[50] Harrison utilizou uma Fender Stratocaster pela primeira vez, mais notavelmente em sua parte da canção "Nowhere Man".[51] A variedade nos tons de violão e guitarra por todo o álbum também foi auxiliada pelo uso de capos por Harrison e Lennon em canções como "If I Needed Someone" e "Girl".[48]

Um sitar (acima) e um harmônio Mannborg (abaixo). Junto ao baixo fuzz e um piano com controle de pitch, estes instrumentos estavam entre os sons incomuns que a banda usou pela primeira vez durante as sessões de Rubber Soul.

Em Rubber Soul, os Beatles se afastaram da instrumentação padrão do rock and roll,[7] especialmente pelo uso da sitar por George em "Norwegian Wood".[44] Tendo sido apresentado ao instrumento no set de filmagem de Help!, o interesse de Harrison foi alimentado por seus colegas fãs de música indiana Roger McGuinn e David Crosby dos Byrds, em meio a turnê dos Beatles nos Estados Unidos.[52][nb 2] Também foi feito o uso do harmônio durante as sessões,[54][55] marcando a estreia deste instrumento na música rock.[56]

A vontade da banda de experimentar sons foi ainda demonstrada com McCartney tocando um baixo fuzz em "Think for Yourself"[57] sobre sua parte de baixo padrão,[58] e no uso de um piano feito para soar como um cravo barroco em "In My Life".[59] O último efeito surgiu após Lennon sugerir que George Martin tocasse algo "como Bach".[60] Martin gravou o solo de piano com a fita rodando em meia velocidade;[61] quando tocada na velocidade normal, o som acelerado dava a ilusão de um cravo.[62] Desse modo, os Beatles utilizavam o estúdio de gravação como um instrumento, uma abordagem que eles desenvolveram mais a fundo em Revolver.[63][64] As harmonias vocais de Lennon, McCartney e Harrison foi outro detalhe que veio a tipificar o som de Rubber Soul.[54][65]

Paul McCartney disse que como parte de seu maior envolvimento na produção do álbum, a banda participou das sessões de mixagem invés de deixar Martin trabalhar em sua ausência.[13] Até o final de sua carreira, a versão "principal" dos álbuns dos Beatles era sempre a mixagem monofônica (em mono). De acordo com o historiador Bruce Spizer, Martin e os engenheiros da EMI dedicavam maior parte do tempo e atenção para as mixagens em mono, geralmente relegando a mixagem em estéreo como um "truque". A banda geralmente não estava presente nas sessões de mixagem em estéreo.[66]

Dinâmica da banda[editar | editar código-fonte]

Enquanto Martin relembrou as sessões como tido sendo "um momento muito alegre",[67] o engenheiro de som Norman Smith sentiu que "algo havia acontecido entre Help! e Rubber Soul", e que aquela atmosfera familiar, que uma hora caracterizava a relação da banda com a equipe de produção, havia desaparecido.[68] Ele contou que o projeto revelou os primeiros traços do conflito artístico entre Lennon e McCartney,[69] e o atrito dentro da banda à medida que mais esforço era gasto no aperfeiçoamento de cada canção.[68][nb 3] Isso também se evidenciou em uma discussão sobre qual canção deveria ser o lado A do próximo single, com Lennon insistindo em "Day Tripper" (a qual ele era o compositor principal)[72] e contradizendo publicamente o anúncio da EMI sobre o próximo lançamento.[73]

Em adição, um racha crescia entre McCartney e seus colegas de banda enquanto ele continuava evitando a tomar LSD.[74][75] As revelações providas pela droga aproximaram Lennon e Harrison,[74][76] e foram compartilhadas com Starr quando, durante uma estadia da banda em Los Angeles naquele agosto, o baterista aceitou provar LSD pela primeira vez.[77]

Canções[editar | editar código-fonte]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

O historiador pop Andrew Grant Jackson descreve Rubber Soul como uma "síntese de folk, rock, soul, barroco, protopsicodelia, e a sitar".[78] De acordo com o autor Joe Harrington, o álbum continha os primeiros "experimentos psicodélicos" dos Beatles, anunciando o efeito transformacional do LSD em muitos artistas da Invasão Britânica clássica.[79] O autor Bernard Gendron dispensa a visão geralmente sustentada de que Rubber Soul é um álbum de folk rock; ele cita a incorporação do barroco e de sons orientais como exemplos do "nascente experimentalismo e força eclética de apropriação" dos Beatles, aspectos que ele diz sugerir uma abordagem artística que transcende o gênero.[80][nb 4]

Seguindo a visão mais introspectiva de Lennon em 1964, particularmente em Beatles for Sale, as letras de Rubber Soul representam um desenvolvimento pronunciado em sofisticação, consideração e ambiguidade.[81] Segundo o crítico musical Greil Marcus, “os Beatles ainda escreviam sobre o amor, mas este era um novo tipo de amor: contingente, assustador e vital”, e assim, embora a música fosse “sedução, não agressão”, o “toque emocional" foi mais difícil do que antes.[82] Dessa forma, Lennon e McCartney ofereceram percepções sinceras sobre suas vidas pessoais.[83]

Lado um[editar | editar código-fonte]

"Drive My Car"

"Drive My Car" foi composta por McCartney com uma ajuda substancial de Lennon na letra.[84][85] Em uma sessão de composição na casa de Lennon em Weybridge, McCartney chegou com a música em mente,[86] com um refrão que dizia: "You can buy me diamond rings" (Você pode me comprar anéis de diamante), um clichê usado duas vezes antes, em "Can't Buy Me Love" e "I Feel Fine".[87] Lennon descartou a letra como "uma porcaria" e "muito suave".[88] Eles então decidiram retrabalhá-la e depois de alguma dificuldade,[9] determinaram o tema da composição (qual o autor Bob Spitz credita a Lennon)[88] e o resto da letra fluiu facilmente a partir disso.[89]

Harrison contribuiu fortemente na gravação sugerindo que eles tocassem a música em um riff de guitarra e baixo no estilo de "Respect" do cantor Otis Redding.[90] Em seus vocais articulados, Lennon e McCartney cantam harmonias dissonantes,[91] uma qualidade que é reforçada com a entrada de Harrison e o que o autor Walter Everett chama de "nova sofisticação jazzística (...) no arranjo vocal".[92]

"Norwegian Wood (This Bird Has Flown)"


Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

Lennon disse que escreveu "Norwegian Wood" sobre um caso extraconjugal e que redigiu a narrativa para esconder a verdade de sua esposa, Cynthia.[93] Arranjada no compasso 12/8,[94] e no estilo folk inglês, a música possui uma melodia mixolídia que resulta em um efeito drone nos violões, complementando a parte da sitar, porém mudando para a escala paralela de Mi (E) dórico durante seu intermédio.[95] A narrativa baseia-se fortemente no estilo de Dylan através do uso da ambiguidade.[96][97] Na descrição do autor Jonathan Gould, a canção é uma "comédia ácida emocional",[91] enquanto James Decker a reconhece como uma continuação do "interrogatório das ambiguidades sexuais" e da "sensação confusa de poder" exibida em "Drive My Car".[98]

"You Won't See Me"

Escrita por McCartney, "You Won't See Me" reflete as dificuldades que ele estava enfrentando em seu relacionamento com a atriz Jane Asher devido à recusa dela em colocar sua carreira de atuação em segundo lugar em relação às necessidades dele.[99][100] Gould identifica a música como a terceira faixa consecutiva em que a narrativa transmite falta de comunicação.[101] McCartney descreveu a música como "com muito sabor de Motown", com uma "sensação" inspirada no baixista James Jamerson.[102]

"Nowhere Man"

Lennon lembrou que "Nowhere Man" veio até ele totalmente formada uma noite em sua casa em Surrey,[103] depois de ter lutado para escrever qualquer coisa por várias horas.[93][104] A canção reflete as preocupações existenciais levantadas por suas experiências com LSD e, como em "I'm a Loser" e "Help!", sua auto aversão[105] durante um período que ele mais tarde chamou de seu "período de Elvis gordo".[106] Foi a primeira canção da banda a evitar completamente relacionamentos entre meninos e meninas,[107][108] e através de Lennon transmitindo seus sentimentos de inadequação na terceira pessoa,[109] o primeiro exemplo de um personagem literário na obra dos Beatles.[110]

A equalização pesada foi aplicada às partes da guitarra elétrica através de uma série de faders,[111] dando-lhes uma textura rica em agudos que, como acontece com os vocais de harmonia,[93] lembra o som dos Byrds.[112] Na descrição de Mark Prendergast, a faixa "explode com todo o entusiasmo da psicodelia recém-descoberta", já que o vocal principal de Lennon "se deleita em uma névoa de ópio de produção e o solo da Fender Stratocaster de Harrison vibra com todo o brilho alucinatório certo".[113]

"Think for Yourself"

A letra de Harrison para "Think for Yourself" sugere a influência do single "Positively 4th Street" de Dylan, de setembro de 1965, já que Harrison parece repreender um amigo ou amante.[114] A mensagem acusatória da canção não tinha precedentes no trabalho dos Beatles;[114] O autor Andrew Grant Jackson a identifica como a contribuição da banda para um "subgênero" de canções de protesto que surgiu em 1965, nas quais os artistas protestavam contra a "própria conformidade opressiva" em vez de questões políticas.[115] Gould escreve que, em seu diálogo com o vocal de Harrison, o baixo fuzz de McCartney sugere "os rosnados de um schnauzer enfurecido, mordendo e atacando sua liderança".[116]

"The Word"

("The Word" é) tudo sobre ficar esperto. É o período da maconha (...) é a coisa do "paz e amor". A palavra é "amor", certo? Parece o tema velado ao universo. Tudo o que valeu a pena se resumiu a isso, amor, coisa do amor.[117]

– John Lennon

Em seu livro 1965: The Year Modern Britain Was Born, Christopher Bray reconhece "The Word" como marcando o início do "período altamente psicodélico" dos Beatles.[118] A aconselho de Lennon de que "The word is love" (A palavra é amor) antecipa o ethos por trás do Verão do Amor de 1967 da contracultura.[119] A letra enfoca o conceito de amor universal como um caminho para a iluminação espiritual, com o que James Decker chama de "zelo proselitista" por parte do narrador.[120] O autor Ian MacDonald reconhece a "influência distante" de "In the Midnight Hour" de Wilson Pickett e "Papa's Got a Brand New Bag" de James Brown no ritmo da música, e destaca a bateria de Starr e o baixo hábil de McCartney.[99] O arranjo também inclui sete partes vocais e o produtor George Martin tocando acordes suspensos no harmônio.[102]

"Michelle"

"Michelle" foi composta por McCartney no final da década de 1950. Durante uma sessão de composição para Rubber Soul, Lennon adicionou um novo intermédio, parte do qual foi retirado da recente versão de "I Put a Spell on You" de Nina Simone.[121] Ian MacDonald identifica a canção como outro exemplo da abordagem de "canção de comédia" dos Beatles, que, em uma entrevista contemporânea, McCartney sugeriu que era uma possível nova direção para o grupo.[122] Na visão de Kenneth Womack, os versos em francês na letra acentuam a premissa de que havia uma barreira linguística entre os dois amantes, e a narrativa transmite uma aceitação de que o relacionamento está fadado ao fracasso, de modo que o cantor já está olhando para trás com nostalgia, para "o que poderia ter sido".[123]

Lado dois[editar | editar código-fonte]

"What Goes On"

Os Beatles tentaram gravar uma versão inicial de "What Goes On", uma composição de Lennon, em 1963.[124][125] Com pouco tempo para completar o álbum, a canção foi retrabalhada por Lennon e McCartney como um número vocal para Starr,[126] que também recebeu seu primeiro crédito como co-compositor.[127] A música segue o estilo country favorecido por Starr,[127] e em sua letra o cantor lamenta o engano de sua amante.[49][128] Na descrição de Everett, o arranjo inclui a guitarra solo com inflexão rockabilly de Harrison, tocada em sua Gretsch Tennessean, contrastando com a "parte rítmica (...) no estilo Steve Cropper" de Lennon.[129]

"Girl"

Lennon disse que escreveu "Girl" sobre uma mulher arquetípica que ele procurava e que finalmente encontraria em Yoko Ono,[127][130] a artista japonesa que conheceu em novembro de 1966.[131] A canção foi a última faixa gravada para o álbum.[130] A composição incorpora aspectos da música folclórica grega,[132] enquanto o arranjo inclui uma passagem instrumental definida em two-step alemão[133] e uma parte de violão tocada soando como um bouzouki grego.[134] A equalização foi aplicada ao vocal de Lennon durante os refrãos para capturar o som sibilante enquanto ele respirava[135] – um efeito que também sugeria que ele estaria inalando um baseado.[136][137] McCartney lembrou que ele e Harrison cantaram "Tit-tit-tit" (Teta, teta, teta) nos intermédios da canção para capturar a "inocência" dos Beach Boys cantando "La-la-la" em uma de suas canções recentes.[138]

"I'm Looking Through You"

Assim como "You Won't See Me" e "We Can Work It Out", "I'm Looking Through You" concentra-se no relacionamento conturbado de McCartney com Asher.[139] Jonathan Gould a descreve como a "sequência desiludida" de outras canções de McCartney de 1965, centradas em "um encontro cara a cara (se não necessariamente olho no olho) entre dois amantes".[124] James Decker compara a letra a uma versão menos filosófica de "Think for Yourself", em que "o narrador cresceu, mas a mulher não conseguiu acompanhar".[140] A melodia contrasta versos acústicos com instrumentais mais ásperos no estilo R&B,[141] sugerindo uma combinação dos estilos folk rock e soul.[121] Os Beatles gravaram duas versões da música antes de chegar à versão final,[142] que gravaram durante o último e frenético dia das sessões do Rubber Soul. Em sua forma final, a música ganhou um intermédio onde antes havia uma jam de blues.[143][nb 5]

"In My Life"

Lennon creditou uma observação feita pelo jornalista da BBC Kenneth Allsop, que perguntou por que suas canções pareciam não ter o jogo de palavras e o foco infantil evidente em seu livro de 1964, In His Own Write, como o catalisador para "In My Life".[144] Lennon considerou a música seu "primeiro grande trabalho real".[54] A letra evoca sua juventude em Liverpool e reflete sua nostalgia de uma época anterior ao início de sua fama internacional nos Beatles.[127] McCartney se lembra de ter escrito a melodia sozinho e disse que a inspiração musical da música veio de Smokey Robinson and the Miracles;[144][145] de acordo com Lennon, McCartney apenas ajudou a escrever o que ele chamou de "melodia da ponte".[146]

O solo de piano inspirado em Bach de Martin foi dobrado na ausência da banda,[147] sobre uma parte que eles deixaram vazia.[148] Kenneth Womack afirma que o aspecto barroco dessa contribuição potencializa as qualidades nostálgicas da canção,[149] ponto também destacado por Gould, que acrescenta que, ao revisitar o passado e apresentar temas emocionais que se resolvem na narrativa, "In My Life" serve como a única música do álbum que "soa como o tema original dos Beatles da felicidade no relacionamento".[150]

"Wait"

"Wait" foi uma composição de Lennon para a qual McCartney contribuiu com uma parte intermediária.[135][151] Gould inclui a música em uma categoria de "canções de 'voltando para casa'" dos Beatles,[150] enquanto Tim Riley a compara com "It Won't Be Long", mas acrescenta que, em "Wait", "a reunião dos amantes tem mais ansiedade do que euforia provocando a batida."[151] A banda completou a faixa no último dia de gravação do álbum, fazendo overdubs de guitarra solo com pedal de tom, percussão[152] e um novo vocal de McCartney na faixa rítmica de junho de 1965.[153] Ian MacDonald escreve que, embora Lennon e McCartney provavelmente tivessem visto o assunto como datado ainda em junho, a performance do grupo dá à música o "impulso e caráter" necessários para Rubber Soul, particularmente a abordagem de Starr para as mudanças de ritmo entre suas seções contrastantes.[154]

"If I Needed Someone"

Harrison escreveu "If I Needed Someone" como uma canção de amor para Pattie Boyd, a modelo inglesa com quem ficou noivo em dezembro de 1965 e se casou no mês seguinte.[155] No riff inicial da música, feito em uma guitarra Rickenbacker de 12 cordas, os Beatles retribuíram o elogio feito a eles no início daquele ano pelos Byrds,[156][157] cujo som estridente da guitarra de McGuinn havia sido baseado na forma de tocar de Harrison no ano anterior.[150][158] Na opinião de MacDonald, a canção é influenciada "muito mais" pela música clássica indiana do que pelos Byrds, através da melodia parcialmente mixolídia de Harrison e da presença de um efeito drone.[159] O último aspecto é reforçado pela linha de baixo arpejada de McCartney em Lá maior (A), continuando ao longo da mudança de acorde para uma tríade ♭VII.[160]

O tom imparcial e desapaixonado nas letras convidou interpretações alternativas. Gould refere-se a ela como "uma 'triste chuva' de uma canção de amor" dirigida à "pessoa certa na hora errada";[161] de acordo com Andrew Grant Jackson, "a letra dirige-se a todas as mulheres do mundo, dizendo que se ele tivesse conhecido elas antes (de se comprometer com Boyd), poderia ter funcionado, mas agora ele estava apaixonado demais (porém me dê seu número, por precaução)."[162]

"Run for Your Life"

Lennon escreveu "Run for Your Life" baseada em "Baby Let's Play House",[163] um dos primeiros singles de Elvis Presley pela gravadora Sun.[127] Lennon manteve uma frase da faixa de Presley – "I'd rather see you dead, little girl, than to be with another man" (Prefiro ver você morta, garotinha, do que estar com outro homem).[127][164] O tema lírico é o ciúme,[165] traindo uma qualidade abertamente misógina que James Decker considera em desacordo com a abordagem dos Beatles para fazer o álbum.[166][nb 6] Apresentada no estilo country,[164] foi a primeira faixa gravada para o álbum e traz um riff de guitarra tocado por Harrison e partes de guitarra slide.[168]

Formato norte-americano[editar | editar código-fonte]

Aderindo à política da empresa para os álbuns da banda nos Estados Unidos, a gravadora Capitol alterou o conteúdo de Rubber Soul para seu lançamento lá.[169][170] Eles removeram as faixas "Drive My Car", "Nowhere Man", "What Goes On" e "If I Needed Someone", todas lançadas no próximo álbum norte-americano dos Beatles, Yesterday and Today, em junho de 1966.[171] As quatro canções foram substituídas por "I've Just Seen a Face" e "It's Only Love",[172] que foram cortadas do álbum Help! como parte do remanejamento desse LP pela gravadora para servir como uma verdadeira trilha sonora, consistindo nas canções do grupo e a música orquestral do filme.[173]

Através da mistura de canções predominantemente acústicas, segundo o autor Kenneth Womack, o lançamento norte-americano "assume uma orientação decididamente folk".[174] A Capitol sequenciou "I've Just Seen a Face" como faixa de abertura, refletindo a tentativa da empresa de apresentar Rubber Soul como um álbum de folk rock,[175][176] com "It's Only Love" abrindo o segundo lado do disco.[177][nb 7] Jonathan Gould escreve que a omissão de canções como "Drive My Car" forneceu uma "ideia enganosa" da direção musical dos Beatles e "transformou o título do álbum em uma piada ainda mais obscura", já que o resultado foi o álbum com menos influência de soul ou R&B da banda até este ponto.[179]

As mixagens em estéreo usadas pela gravadora continham dois false starts no início de "I'm Looking Through You",[174] enquanto "The Word" também diferia da versão britânica devido à dobragem no vocal principal de Lennon, a adição de uma harmonia extra de falsete e do tratamento panorâmico dado a uma das partes de percussão.[180]

Título e capa[editar | editar código-fonte]

O título do álbum foi pensado como um trocadilho que combina a falsidade intrínseca à música pop e aos sapatos com sola de borracha (rubber-soled shoes).[181] Lennon disse que o título foi ideia de McCartney e se referia à "alma inglesa" (English soul).[23] Em uma entrevista da banda em 1966, Starr disse que eles chamaram o álbum de Rubber Soul para reconhecer que, em comparação com os artistas norte-americanos do gênero soul, "somos brancos e não temos o que eles têm", e acrescentou que isso era verdade para todos os artistas britânicos que tentavam tocar a música soul.[182] McCartney lembrou que concebeu o título depois de ouvir um músico norte-americano descrevendo o estilo de canto de Mick Jagger como "plastic soul".[23][nb 8] Na opinião de Phillip Norman, o título serviu como "uma piada astuta aos seus arquirrivais (e melhores colegas), os Rolling Stones".[185]

Rubber Soul foi o primeiro álbum a não apresentar o nome do grupo na capa,[186][187] uma omissão que refletia o nível de controle que eles tinham sobre seus lançamentos e a extensão de sua fama internacional.[188][189][nb 9] A foto da capa foi tirada pelo fotógrafo Robert Freeman no jardim da casa de Lennon.[163] A ideia do efeito "esticado" da imagem surgiu por acidente quando Freeman estava projetando a foto em uma cartolina para visualização da banda, e a cartolina caiu ligeiramente para trás, alongando a imagem projetada.[67][192][nb 10] Harrison disse que o efeito foi apropriado, pois permitiu ao grupo perder "o rótulo de 'pequenos inocentes', a ingenuidade" e estava de acordo com seu surgimento como "maconheiros de pleno direito".[193] O autor Peter Doggett destaca a capa como um exemplo dos Beatles, como Dylan e os Stones, "continuando a testar os limites da fotografia" em seus designs de LPs.[194]

As letras distintas foram criadas pelo ilustrador Charles Front,[195] que lembrou que sua inspiração foi o título do álbum: "Se você tocar em uma seringueira (rubber tree, em inglês), obterá uma espécie de glóbulo, então comecei a pensar em criar uma forma que representasse isso , começando estreito e preenchendo."[196] As letras arredondadas usadas no encarte estabeleceram um estilo que se tornou presente na arte gráfica psicodélica e,[195] de acordo com a jornalista Lisa Bachelor, "um elemento básico da arte de pôsteres para a geração flower power".[196]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Os Beatles se apresentaram no Liverpool Empire durante sua turnê pelo Reino Unido em dezembro de 1965. Os shows lá marcaram os últimos shows do grupo em sua cidade natal.[197]

O selo Parlophone da EMI lançou Rubber Soul em 3 de dezembro de 1965.[198][199] O single "Day Tripper" / "We Can Work It Out" também foi lançado naquele dia[200] e foi o primeiro exemplo de um single com dois lados A na Grã-Bretanha.[201] No dia do lançamento do álbum, os Beatles se apresentaram no Odeon Cinema em Glasgow,[202] marcando o início do que seria sua última turnê pelo Reino Unido.[203] Exaustos da Beatlemania, o grupo concordou em fazer uma curta turnê.[204][205] Eles tocaram ambos os lados do single durante a turnê, mas apenas "If I Needed Someone" e "Nowhere Man" do novo álbum.[206] Nos Estados Unidos, Rubber Soul foi seu décimo álbum[207] e o primeiro a consistir inteiramente em canções autorais.[208] O lançamento ocorreu lá no dia 6 de dezembro.[177]

Em uma entrevista após o lançamento do álbum, McCartney disse que embora as pessoas "sempre quisessem que continuássemos os mesmos", ele não via razão para os Beatles cederem a tais limitações, acrescentando: "Rubber Soul para mim é o começo da minha vida adulta."[209] Lennon comentou: "Você não nos conhece se não conhece Rubber Soul."[210]

Para a maioria dos adolescentes norte-americanos, a chegada de "Rubber Soul" dos Beatles (...) foi perturbadora. Em vez de torcer pelo amor, as canções do álbum continham mensagens enigmáticas sobre pensar por si mesmo, o poder hipnótico das mulheres, algo sobre “ficar chapado” e ir para a cama com o sexo oposto. Claramente, crescer não seria fácil.[211]

– Marc Myers, historiador

De acordo com o biógrafo dos Beatles, Nicholas Schaffner, a foto da capa de Freeman foi vista como "ousadamente surreal" e levou alguns fãs a escreverem para o fanzine oficial da banda, Beatles Monthly, alarmados porque a imagem "fazia seus heróis parecerem cadáveres".[188] Em seu estudo sobre o público contemporâneo dos Beatles, a socióloga Candy Leonard escreve que alguns jovens ouvintes foram desafiados pela nova direção musical da banda, mas "Com Rubber Soul, os Beatles passaram a ocupar um papel na vida dos fãs e um lugar em suas psiques que era diferente de qualquer relacionamento anterior entre fãs e artistas."[212] O cantor e compositor Elvis Costello, que era um fã de onze anos na época,[5] mais tarde se lembrou de ter pensado que a banda havia "perdido a cabeça". Ele acrescentou: "Eu não entendi uma palavra, não achei que fosse bom, e seis semanas depois você não conseguia viver sem o disco. E isso é bom – é quando você confia nas pessoas que fazem música para levá-lo a algum lugar onde você nunca esteve antes."[213]

Recepção crítica[editar | editar código-fonte]

Críticas contemporâneas[editar | editar código-fonte]

A reação crítica à Rubber Soul foi altamente favorável.[214] Allen Evans, da NME, escreveu que a banda "ainda estava encontrando maneiras diferentes de nos fazer gostar de ouvi-los" e descreveu o LP como "uma bela obra de gravação artística e aventura no som do grupo".[17][41] A Newsweek elogiou os Beatles como "os Bardos do Pop",[215] dizendo que a combinação do álbum de "gospel, country, contraponto barroco e até baladas populares francesas" emprestou à banda um estilo único em que suas canções eram "tão brilhantemente originais quanto qualquer escrito atual".[216] Assim como a Newsweek, o New York Times menosprezou o grupo quando eles se apresentaram pela primeira vez na América do Norte em fevereiro de 1964, mas após o lançamento de Rubber Soul, o crítico de entretenimento Jack Gould escreveu uma homenagem efusiva no periódico de domingo do jornal.[217]

Os escritores da análise inicial do Record Mirror acharam que faltava ao LP um pouco da variedade dos lançamentos anteriores do grupo, mas também disseram: "ficamos maravilhados e admirados com o fluxo constante de engenhosidade melódica proveniente dos meninos, tanto como intérpretes quanto como compositores. Manter os seus ritmos de criatividade é fantástico."[50] Em contraste, Richard Green escreveu na mesma revista que a maior parte do álbum "se gravado por alguém que não fosse os Beatles, não seria digno de lançamento", com muitas das faixas desprovidas "da velha excitação e compulsividade dos Beatles". Green reconheceu que sua opinião era impopular, antes de afirmar: "Julgando os LPs estritamente por seus méritos, os álbuns recentes de Manfred Mann, Beach Boys e Jerry Lee Lewis estão bem acima do Rubber Soul."[64]

A revista Melody Maker achou o novo som dos Beatles "um pouco moderado", e disse que faixas como "You Won't See Me" e "Nowhere Man" "quase ficam monótonas – um recurso nada parecido com o dos Beatles, se é que alguma vez (ele) existiu".[66] O autor Steve Turner também destaca os comentários feitos pelos revisores do Melody Maker e do Record Mirror, que normalmente tinham acima dos trinta anos, como indicativos de como os jornalistas pop do Reino Unido careciam de "vocabulário crítico" e "ampla perspectiva musical" para reconhecer ou se envolver com música progressiva.[218] Turner acrescenta que Rubber Soul "pode ​​ter deixado perplexa a velha guarda dos correspondentes de entretenimento, mas foi um farol para os críticos novatos de rock (como logo seriam chamados)".

No Brasil, as faixas "Michelle" e "Girl" ficaram, respectivamente, nos 7º e 65º lugares entre as 100 canções mais tocadas do ano de 1966,[219] além de "Day Tripper", que alcançou a décima nona posição.[219]

Avaliações retrospectivas[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 5 de 5 estrelas.[220]
Blender 5 de 5 estrelas.[221]
Consequence of Sound A+[222]
The Daily Telegraph 5 de 5 estrelas.[223]
Encyclopedia of Popular Music 5 de 5 estrelas.[224]
MusicHound Rock 4/5[225]
Paste 97/100[226]
Pitchfork 10/10[227]
Q 5 de 5 estrelas.[228]
The Rolling Stone Album Guide 5 de 5 estrelas.[229]

De acordo com James Decker, apesar dos avanços da banda em 1964, os críticos musicais geralmente veem o Rubber Soul como o "álbum 'de transição' dos Beatles (...), de banda pop de sucesso a mestres de estúdio incomparáveis".[230] É frequentemente citado por comentaristas como o primeiro de seus álbuns "clássicos".[231] Greil Marcus o descreveu como o melhor de todos os LPs da banda.[232] Em seu ensaio de 1979 sobre os Beatles em The Rolling Stone Illustrated History of Rock & Roll, Marcus escreveu: "Rubber Soul foi um álbum feito como um álbum; com exceção de 'Michelle' (que, para ser justo, pagou as contas de anos vindouros), cada faixa foi uma inspiração, algo novo e notável por si só."[233][nb 11]

Neil McCormick do Daily Telegraph escreveu em 2009: "é aqui que as coisas começam a ficar muito interessantes (...) Rubber Soul é o resultado de seu primeiro período prolongado no estúdio. A produção é aberta e espaçosa, adornada, mas ainda não superlotada com novos instrumentos e ideias. As músicas em si são como pequenas vinhetas de Pop Art, onde as letras estão começando a combinar com a qualidade das melodias e arranjos."[235] Scott Plagenhoef da Pitchfork descreve o álbum como "o salto artístico mais importante na carreira dos Beatles – a sinalização que indicou uma mudança da Beatlemania e das pesadas demandas do pop adolescente, em direção a um tema mais introspectivo e adulto".[236] Paul Du Noyer escreveu em sua crítica do Blender em 2004: "O talento deles já era uma fonte de admiração, mas agora as próprias canções estavam se tornando misteriosas. Sob a influência de Bob Dylan – e, pode-se dizer, da maconha – o 'Fab Four' misturou sua melodia com nova introspecção, jogos de palavras e comentários sociais. Professores universitários e colunistas de jornais começaram a tomar nota."[237]

Escrevendo na revista Paste, Mark Kemp diz que a influência de Dylan e dos Byrds às vezes parece evidente, mas o álbum marca o início do auge da criatividade dos Beatles e, no contexto de 1965, ofereceu "uma síntese sem precedentes de elementos do folk rock e além".[226] De acordo com Richie Unterberger do AllMusic, as letras do álbum representaram "um salto quântico em termos de consideração, maturidade e ambiguidades complexas", enquanto a música era igualmente progressiva no uso de sons além "dos parâmetros instrumentais convencionais do grupo de rock". Ele acrescenta que Rubber Soul está "cheio de ótimas canções" de Lennon e McCartney, apesar de suas divergências de um estilo comum, e demonstra que Harrison "também estava se tornando um excelente compositor".[7] Escrevendo em Encyclopedia of Popular Music, Colin Larkin descreve-o como "não uma coleção de possíveis sucessos ou versões cover favoritas (...) mas uma coleção surpreendentemente diversificada, que vai desde a sátira contundente de 'Nowhere Man' até a intensamente reflexiva 'In My Life'."[238] Na edição de 2004 do The Rolling Stone Album Guide, Rob Sheffield reconhece Help! como "o primeiro capítulo da surpreendente decolagem criativa (dos Beatles)", após o qual a banda "cresceu com um álbum de romance agridoce, cantando baladas de amor adultas que parecem mundanas, mas não cansativas".[239]

Por outro lado, Jon Friedman da Esquire considera o trabalho superestimado, com apenas as canções dominadas por Lennon ("Norwegian Wood", "Nowhere Man", "In My Life" e "Girl") dignas de elogios, e ele o descarta como "chato" e "o álbum mais inconsequente dos Beatles".[240] Em um artigo que coincide com o 50º aniversário de seu lançamento, para o Guardian, Bob Stanley lamentou que Rubber Soul fosse frequentemente esquecido nas avaliações da carreira musical dos Beatles, enquanto Revolver e The Beatles ganharam estatura para superar Sgt. Pepper. Stanley destacou Rubber Soul como tendo estado "uns bons dezoito meses à frente de seu tempo" e "o primeiro álbum da era do rock que soou como um álbum".[241] Também escrevendo em dezembro de 2015, na revista Rolling Stone, Sheffield admirou especialmente o canto e as qualidades modernas das personagens femininas retratadas nas letras. Ele disse que o álbum estava "muito à frente do que qualquer um já havia feito antes" e, dado o curto período em que tiveram para gravar, chamou-o de "obra-prima acidental" dos Beatles.[242]

Relançamentos em Compact Disc (CD)[editar | editar código-fonte]

Rubber Soul foi lançado pela primeira vez em Compact Disc (CD) em 30 de abril de 1987,[243] com a disposição das quatorze faixas no Reino Unido (atualmente, o padrão internacional).[207] Tal como aconteceu com Help!, o álbum contou com uma remixagem digital contemporânea no formato estéreo preparada por George Martin.[93] Martin expressou preocupação à gravadora EMI sobre a mixagem estéreo original de 1965, alegando que soava "muito confusa, e nada do que eu achava que deveria ser um bom lançamento". Ele voltou às fitas originais de quatro pistas (four-track) e as remixou para estéreo.[244]

Uma versão recentemente remasterizada de Rubber Soul, novamente usando o remix de Martin de 1987, foi lançada mundialmente como parte do relançamento de todo o catálogo dos Beatles em 9 de setembro de 2009. O álbum estava disponível como lançamento em CD individual e como parte do box set Beatles (The Original Studio Recordings). O box set Beatles in Mono que acompanhava continha duas versões do álbum: as mixagens originais em mono e estéreo de 1965.[245][246]

A versão da Capitol foi relançada em 2006, para o box set Capitol Albums, Volume 2,[174][247] usando as mixagens originais do álbum da Capitol, e depois em 2014, individualmente e no box set The U.S. Albums.[248]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

Versão inglesa[editar | editar código-fonte]

Todas as faixas escritas e compostas por LennonMcCartney, exceto as indicadas. 

Lado um
N.º TítuloVocais principais Duração
1. "Drive My Car"  McCartney com Lennon 2:25
2. "Norwegian Wood (This Bird Has Flown)"  Lennon 2:05
3. "You Won't See Me"  McCartney 3:18
4. "Nowhere Man"  Lennon 2:40
5. "Think for Yourself" (George Harrison)Harrison 2:16
6. "The Word"  Lennon 2:41
7. "Michelle"  McCartney 2:40
Duração total:
18:05
Lado dois
N.º TítuloVocais principais Duração
1. "What Goes On" (Lennon–McCartney–Richard Starkey)Starr 2:47
2. "Girl"  Lennon 2:30
3. "I'm Looking Through You"  McCartney 2:23
4. "In My Life"  Lennon 2:24
5. "Wait"  Lennon e McCartney 2:12
6. "If I Needed Someone" (Harrison)Harrison 2:20
7. "Run for Your Life"  Lennon 2:18
Duração total:
16:54

Versão norte-americana[editar | editar código-fonte]

Comparado ao lançamento mundial e no Reino Unido, o lançamento original na América do Norte de Rubber Soul omite quatro faixas ("Drive My Car", "Nowhere Man", "What Goes On" e "If I Needed Someone") e adiciona outras duas ("I've Just Seen A Face" e "It's Only Love"). Além disso, as mixagens (supervisionadas por Dave Dexter Jr.) são, em alguns casos, ligeiramente diferentes da versão inglesa. Notavelmente, a versão estéreo norte-americana de "I'm Looking Through You" contém dois falsos inícios (false starts) de violão desconhecidos, enquanto "The Word" também difere da versão do Reino Unido com várias partes vocais diferentes e adicionais, e o tratamento panorâmico dado a uma das partes de percussão.[180]

Todas as faixas escritas e compostas por Lennon–McCartney, exceto as indicadas. 

Lado um
N.º TítuloVocais principais Duração
1. "I've Just Seen a Face"  McCartney 2:04
2. "Norwegian Wood (This Bird Has Flown)"  Lennon 2:05
3. "You Won't See Me"  McCartney 3:19
4. "Think for Yourself" (Harrison)Harrison 2:19
5. "The Word"  Lennon 2:42
6. "Michelle"  McCartney 2:42
Duração total:
15:11
Lado dois
N.º TítuloVocais principais Duração
1. "It's Only Love"  Lennon 1:53
2. "Girl"  Lennon 2:33
3. "I'm Looking Through You"  McCartney 2:24
4. "In My Life"  Lennon 2:24
5. "Wait"  Lennon e McCartney 2:15
6. "Run for Your Life"  Lennon 2:15
Duração total:
13:44

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

De acordo com Mark Lewisohn[249] e Ian MacDonald,[250] exceto onde indicado:

The Beatles

Produção e equipe adicional

Notas

  1. A canção aparece no álbum Anthology 2, editado para abaixo de três minutos de sua duração original de 6:36.[43]
  2. Mais tarde, McGuinn comparou a troca de ideias entre músicos britânicos e americanos durante meados da década de 1960 a um "código internacional que vai e volta através dos discos".[53]
  3. McCartney começou a insistir para que, ao gravar suas composições, os Beatles seguissem os arranjos que ele havia decidido antecipadamente.[70] Smith disse que McCartney criticava frequentemente a forma de tocar de Harrison, prenunciando uma atitude condescendente por parte de McCartney que levaria Starr a deixar temporariamente a banda três anos depois.[71]
  4. Na opinião de Gendron, "a dívida (dos Beatles) com Dylan e o movimento folk rock era muito menos musical do que discursiva." Mesmo assim, ele vê o Rubber Soul como os Beatles prestando o "elogio final" à cena folk rock, que se beneficiou do "selo de aprovação" da banda.[80]
  5. Conforme lançado em Anthology 2, um dos primeiros takes apresentava uma instrumentação alternativa, como guitarras clássicas e harmônio em vez de um órgão Hammond.[143]
  6. Segundo o autor Philip Norman, na época, a canção "escorregou incontestada para um mundo ainda 'não incomodado' pelo feminismo ou pelas preocupações com a violência doméstica".[167]
  7. O jornalista musical Rob Sheffield descreve a versão da Capitol como um "álbum de folk rock mais conceitualmente unificado" do que a versão da Parlophone.[178]
  8. Paul McCartney usou uma frase parecida – "Plastic soul, man, plastic soul"[183] – após os Beatles completarem o primeiro take de "I'm Down", como lançado no álbum de 1996, Anthology 2.[184]
  9. Embora a capa de Beatles for Sale não contivesse o crédito, o nome da banda fazia parte do título do álbum, que foi formatado em letras minúsculas em comparação com a arte padrão do LP da época.[190] Os Beatles quiseram pela primeira vez uma capa de álbum livre de qualquer texto de título ou artista com With the Beatles em 1963, mas a ideia foi vetada pela EMI.[191]
  10. Paul McCartney relembrou a reação da banda: "É isso, Rubber So-o-oul, ei, ei! Você consegue fazer assim?"[67]
  11. Marcus também disse que foi o foco deste álbum que anulou qualquer argumento potencial "de que os primeiros quatro LPs dos Beatles, em suas configurações britânicas (Please Please Me, With the Beatles, A Hard Day's Night e Beatles for Sale), eram tão bons quanto Rubber Soul".[234]

Referências

  1. a b Lewisohn 2000, p. 202.
  2. Ingham 2006, pp. 31–32.
  3. Guesdon & Margotin 2013, p. 270.
  4. Womack 2017, p. 309.
  5. a b Du Noyer 2020, p. 80.
  6. Gould 2007, pp. 284–85.
  7. a b c The Beatles - Rubber Soul Album Reviews, Songs & More | AllMusic (em inglês), consultado em 6 de dezembro de 2023 
  8. Decker 2009, pp. 75–76.
  9. a b c The Beatles 2000, p. 194.
  10. Spitz 2005, p. 584.
  11. a b c Kruth 2015, p. 8.
  12. Du Noyer 2020, pp. 73, 76.
  13. a b Womack 2017, p. 305.
  14. Turner 2016, pp. 76–77.
  15. Rodriguez 2012, pp. 51, 54–55.
  16. Simmons, Michael (Novembro de 2011). «Cry for a Shadow». Mojo. pp. 78–79 
  17. a b DeCurtis, Anthony (5 de novembro de 1987). «George Harrison». Rolling Stone. pp. 47–48 
  18. Gould 2007, p. 317.
  19. Prendergast 2003, p. 191.
  20. Case 2010, p. 27.
  21. Norman 2008, p. 415.
  22. Du Noyer 2020, pp. 73–74.
  23. a b c The Beatles 2000, p. 193.
  24. Lewisohn 2000, pp. 202–06.
  25. Unterberger 2006, p. 132.
  26. Hertsgaard 1996, p. 149.
  27. Zolten 2009, p. 45.
  28. Philo 2015, p. 89.
  29. Everett 2001, p. 308.
  30. Du Noyer 2020, pp. 74–75.
  31. Lewisohn 2005, p. 66.
  32. Miles 2001, pp. 213–14.
  33. Winn 2008, p. 371.
  34. Lewisohn 2005, p. 67.
  35. Hertsgaard 1996, pp. 56, 101–02.
  36. Lewisohn, Mark. "High Times". In: Mojo Special Limited Edition: The Psychedelic Beatles 2002, p. 28.
  37. Zolten 2009, p. 44.
  38. Miles 2001, p. 213.
  39. MacDonald 1998, p. 142.
  40. Kruth 2015, p. 159.
  41. a b Anthology 2 (livreto). The Beatles. Londres: Apple Records. 1996. p. 46 
  42. Winn 2008, pp. 372–73.
  43. Unterberger 2006, pp. 134–35.
  44. a b Smith 2009, p. 47.
  45. Du Noyer 2020, p. 74.
  46. Riley 2002, p. 153.
  47. Heylin 2007, p. 115.
  48. a b c Everett 2006, p. 80.
  49. a b Womack 2007, p. 121.
  50. a b «Paul McCartney e o baixo que mudou os Beatles». faroutmagazine.co.uk (em inglês). 5 de novembro de 2022 
  51. Babiuk 2002, p. 157.
  52. Lavezzoli 2006, pp. 153, 173–74.
  53. MacDonald 1998, p. 22fn.
  54. a b c Hertsgaard 1996, p. 155.
  55. Babiuk 2002, p. 172.
  56. Kruth 2015, p. 195.
  57. Stones, Rolling, ed. (31 de maio de 2012). «500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos: 5. The Beatles, 'Rubber Soul'». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 20 de junho de 2017 
  58. Smith 2009, pp. 35, 47.
  59. Easlea, Daryl (2007). «Entrevista |The Beatles - Rubber Soul» (em inglês). BBC Music. Consultado em 11 de junho de 2018. Cópia arquivada em 20 de junho de 2018 
  60. Spitz 2005, p. 591.
  61. Howard 2004, pp. 19–20.
  62. Lewisohn 2005, p. 65.
  63. Luhrssen & Larson 2017, p. 26.
  64. a b Ableton (28 de outubro de 2016). «A Breve História do Estúdio como um Instrumento: Parte 2 – Tomorrow Never Knows» (em inglês). Ableton. Consultado em 22 de junho de 2018. Cópia arquivada em 21 de junho de 2018 
  65. Everett 2001, p. 310.
  66. a b Ives, Brian (2 de julho de 2014). «Por que os fãs dos Beatles se importam tanto sobre Mono?» (em inglês). Radio.com. Consultado em 2 de julho de 2018. Cópia arquivada em 28 de julho de 2014 
  67. a b c The Beatles 2000, p. 197.
  68. a b Womack 2017, p. 311.
  69. Kruth 2015, p. 82.
  70. Ingham 2006, p. 185.
  71. Kruth 2015, pp. 82–83.
  72. Jackson 2015, p. 263.
  73. Miles 2001, pp. 214, 216.
  74. a b Sounes 2010, pp. 127–28.
  75. Gould 2007, p. 388.
  76. Kruth 2015, p. 96.
  77. Rodriguez 2012, pp. 54–55.
  78. Jackson 2015, p. 255.
  79. Harrington 2002, pp. 190–91.
  80. a b Gendron 2002, p. 183.
  81. Philo 2015, pp. 85, 88.
  82. Marcus 1992, p. 221.
  83. Ingham 2006, p. 35.
  84. Spitz 2005, pp. 585–86.
  85. Sounes 2010, p. 139.
  86. Miles 1997, p. 269.
  87. MacDonald 2005, p. 166.
  88. a b Spitz, Bob (2005). The Beatles: The Biography. Boston, Massachusetts: Little, Brown. ISBN 0-316-80352-9. (pede registo (ajuda)) 
  89. Miles 1997, pp. 269–70.
  90. MacDonald 1998, pp. 148–49.
  91. a b Gould 2007, p. 297.
  92. Everett 2001, p. 315.
  93. a b c d Miles 2001, p. 217.
  94. «Norwegian Wood». The Beatles '65. London: Music Sales. 1977. pp. 38–39 
  95. Everett 2001, pp. 313–14.
  96. Unterberger, Richie. «The Beatles - 'Norwegian Wood (This Bird Has Flown)'». AllMusic. Consultado em 2 de julho de 2018. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2010 
  97. Luhrssen & Larson 2017, p. 25.
  98. Decker 2009, p. 79.
  99. a b MacDonald 1998, p. 160.
  100. Sounes 2010, pp. 138–39.
  101. Gould 2007, p. 298.
  102. a b Everett 2001, p. 332.
  103. Norman 2008, pp. 416–17.
  104. Hertsgaard 1996, pp. 118, 154.
  105. Kruth 2015, p. 127.
  106. MacDonald 1998, pp. 153–54.
  107. Schaffner 1978, p. 50.
  108. Everett 2001, p. 322.
  109. Spitz 2005, p. 586.
  110. Womack 2007, pp. 118–19.
  111. Everett 2001, p. 323.
  112. Jackson 2015, pp. 261–62.
  113. Prendergast 2003, p. 192.
  114. a b Kruth 2015, pp. 164, 165.
  115. Jackson 2015, p. 90.
  116. Gould 2007, p. 299.
  117. Guesdon & Margotin 2013, p. 290.
  118. Bray 2014, p. 271.
  119. Riley 2002, p. 163.
  120. Decker 2009, p. 83.
  121. a b Halpin, Michael (3 de dezembro de 2015). «Rubber Soul – 50th Anniversary of The Beatles Classic Album». Louder Than War (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2018. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2017 
  122. MacDonald 1998, pp. 144, 156.
  123. Womack 2007, p. 120.
  124. a b Gould 2007, p. 302.
  125. Guesdon & Margotin 2013, p. 296.
  126. Riley 2002, pp. 163–64.
  127. a b c d e f Miles 2001, p. 218.
  128. Decker 2009, p. 84.
  129. Everett 2001, pp. 329–30.
  130. a b MacDonald 1998, p. 161.
  131. Turner 2016, pp. 560–61.
  132. Luhrssen & Larson 2017, pp. 25–26.
  133. Riley 2002, p. 164.
  134. Everett 2001, pp. 333–34.
  135. a b Everett 2001, p. 334.
  136. Hertsgaard 1996, pp. 153–54.
  137. Bray 2014, p. 266.
  138. Kruth 2015, p. 192.
  139. Guesdon & Margotin 2013, p. 300.
  140. Decker 2009, pp. 85–86.
  141. Gould 2007, pp. 302–03.
  142. Unterberger 2006, p. 138.
  143. a b Everett 2001, p. 324.
  144. a b Everett 2001, p. 319.
  145. MacDonald 1998, p. 151.
  146. Kruth 2015, p. 118.
  147. Womack 2007, pp. 122, 123.
  148. Ingham 2006, p. 187.
  149. Womack 2007, p. 122.
  150. a b c Gould 2007, p. 304.
  151. a b Riley 2002, p. 168.
  152. Lewisohn 2005, p. 68.
  153. Winn 2008, p. 376.
  154. MacDonald 1998, p. 143.
  155. Kruth 2015, p. 103.
  156. The Editors of Rolling Stone 2002, p. 172.
  157. Jackson 2015, pp. 168, 261.
  158. Lavezzoli 2006, pp. 150, 168.
  159. MacDonald 1998, p. 150.
  160. Everett 2001, p. 318.
  161. Gould 2007, pp. 304–05.
  162. Jackson 2015, p. 261.
  163. a b Womack 2007, p. 125.
  164. a b MacDonald 1998, p. 144.
  165. Riley 2002, p. 170.
  166. Decker 2009, p. 88.
  167. Norman 2008, p. 416.
  168. Everett 2001, p. 312.
  169. Kruth 2015, pp. 7–8.
  170. Gill, Andy (15 de janeiro de 2014). «The Beatles' US Albums: How the classics were butchered». The Independent (em inglês). Consultado em 30 de junho de 2018. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2014 
  171. Kruth 2015, pp. 7, 108.
  172. Rodriguez 2012, pp. 74–75.
  173. Lewisohn 2005, p. 62.
  174. a b c Womack 2014, p. 794.
  175. MacDonald 1998, p. 138.
  176. Philo 2015, p. 88.
  177. a b Miles 2001, p. 219.
  178. Brackett & Hoard 2004, p. 52.
  179. Gould 2007, p. 296.
  180. a b Winn 2008, p. 375.
  181. Bray 2014, p. 269.
  182. Turner 2016, p. 439.
  183. Bray 2014, pp. 257–58.
  184. MacDonald 1998, p. 159.
  185. Norman 2008, p. 419.
  186. Everett 2001, pp. 335–36.
  187. Du Noyer 2020, p. 79.
  188. a b Schaffner 1978, p. 49.
  189. Harrington 2002, pp. 112–13.
  190. Spencer, Neil. "Beatles For Sale: Some Product". In: Mojo Special Limited Edition: The Early Years 2002, p. 132.
  191. Harris, John. "Snapper's Delight". In: Mojo Special Limited Edition: The Early Years 2002, p. 59.
  192. Frontani 2007, pp. 116–17.
  193. Frontani 2007, p. 117.
  194. Doggett 2015, p. 393.
  195. a b c Morgan & Wardle 2015, p. 182.
  196. a b Bachelor, Lisa (17 de junho de 2007). «Iconic Beatles artwork under the hammer». The Guardian (em inglês). Consultado em 23 de abril de 2017. Cópia arquivada em 24 de abril de 2017 
  197. Turner 2016, p. 38.
  198. Lewisohn 2005, p. 69.
  199. Castleman & Podrazik 1976, p. 50.
  200. Miles 2001, p. 215.
  201. White, Jack (5 de junho de 2018). «O lado A duplo está de volta? Os singles duplos estão em alta e aqui está o porquê». Official Charts Company (em inglês). Consultado em 11 de junho de 2019. Cópia arquivada em 1º de maio de 2019 
  202. Turner 2016, pp. 637–38.
  203. Womack 2014, p. 792.
  204. Everett 2001, p. 335.
  205. Unterberger 2006, p. 141.
  206. Schaffner 1978, p. 51.
  207. a b Lewisohn 2005, p. 201.
  208. Decker 2009, p. 76.
  209. Robins 2008, p. 97.
  210. Kruth 2015, p. 97.
  211. Myers, Marc (2 de dezembro de 2015). «The Beatles' 'Rubber Soul' Turns 50». The Wall Street Journal. Consultado em 9 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2018 
  212. Leonard 2014, pp. 101–02.
  213. Ron Howard (2016). The Beatles: Eight Days a Week – The Touring Years (Documentário). Eventos ocorrem entre 71:01–:58. Apple Corps 
  214. Zolten 2009, p. 47.
  215. Spitz 2005, p. 595.
  216. Leonard 2014, p. 102.
  217. Spitz 2005, pp. 473, 595.
  218. Turner 2016, pp. 22–24.
  219. a b Tocadas, Equipe Mais (6 de março de 2018). «Top 100 Músicas Mais Tocadas em 1966». Mais Tocadas. Consultado em 20 de dezembro de 2023 
  220. Unterberger, Richie. «The Beatles Rubber Soul». AllMusic. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 5 de junho de 2018 
  221. Du Noyer, Paul (2004). «The Beatles Rubber Soul». Blender. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 4 de maio de 2006 
  222. Young, Alex (19 de setembro de 2009). «Album Review: The Beatles – Rubber Soul [Remastered]». Consequence of Sound. Consultado em 25 de março de 2015. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2014 
  223. McCormick, Neil (7 de setembro de 2009). «The Beatles – Rubber Soul, review». The Daily Telegraph. Consultado em 8 de novembro de 2019. Cópia arquivada em 2 de abril de 2019 
  224. Larkin 2006, p. 489.
  225. Graff & Durchholz 1999, p. 88.
  226. a b Kemp, Mark (8 de setembro de 2009). «The Beatles: The Long and Winding Repertoire». Paste (em inglês). Consultado em 26 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 23 de outubro de 2013 
  227. Plagenhoef, Scott (9 de setembro de 2009). «The Beatles: Rubber Soul Album Review». Pitchfork. Consultado em 26 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2012 
  228. «The Beatles Rubber Soul». Q. Junho de 2000. p. 120 
  229. Brackett & Hoard 2004, p. 51.
  230. Decker 2009, p. 75.
  231. Jones 2016, p. 62.
  232. Kruth 2015, p. 9.
  233. Marcus 1992, pp. 220–21.
  234. Marcus 1992, p. 220.
  235. Womack 2014, p. 793.
  236. «The Beatles: Rubber Soul | Album Reviews | Pitchfork». web.archive.org (em inglês). 20 de fevereiro de 2012. Consultado em 20 de dezembro de 2023 
  237. «Blender :: guide». web.archive.org (em inglês). 4 de maio de 2006. Consultado em 20 de dezembro de 2023 
  238. Larkin 2006, p. 487.
  239. Brackett & Hoard 2004, pp. 52–53.
  240. Friedman, Jon (3 de dezembro de 2015). «Rubber Soul é o Álbum Mais Superestimado de Todos os Tempos». Esquire (em inglês). Consultado em 31 de março de 2016. Cópia arquivada em 23 de março de 2016 
  241. Stanley, Bob (4 de dezembro de 2015). «The Beatles' Rubber Soul is 50: and it's still ahead of its time». The Guardian (em inglês). Consultado em 31 de março de 2016. Cópia arquivada em 22 de março de 2016 
  242. Sheffield, Rob (4 de dezembro de 2015). «50 Years of 'Rubber Soul' is 50: How the Beatles Invented the Future of Pop». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 31 de março de 2016. Cópia arquivada em 30 de março de 2016 
  243. Badman 2001, p. 387.
  244. Kozinn, Allan (8 de março de 1987). «Entrevista com George Martin». The New York Times (em inglês). Consultado em 18 de novembro de 2009. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2010 
  245. «The BEATLES Catalog Remastered for 9–09–09 Release !» (em inglês). Music News Net. 7 de abril de 2009. Consultado em 17 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2015 
  246. Erlewine, Stephen Thomas. «The Beatles The Beatles in Mono (Box Set)». AllMusic. Consultado em 26 de junho de 2018. Cópia arquivada em 27 de junho de 2018 
  247. Erlewine, Stephen Thomas. «The Beatles | The U.S. Albums» (em inglês). AllMusic. Consultado em 26 de junho de 2018 
  248. Marchese, Joe (12 de dezembro de 2013). «British Invasion! The Beatles Unveil 'The U.S. Albums' Box Set in January» (em inglês). The Second Disc. Consultado em 26 de junho de 2018. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2019 
  249. Lewisohn 2000, pp. 202–08.
  250. MacDonald 1998, pp. 142–61.
  251. Winn 2008, p. 367.
  252. Guesdon & Margotin 2013, pp. 277, 282.
  253. a b Everett 2001, p. 331.
  254. Guesdon & Margotin 2013, pp. 300–01.

Fontes