Julian Barnes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Julian Barnes
Nome completo Julian Patrick Barnes
Nascimento 19 de janeiro de 1946 (72 anos)
Leicester,  Reino Unido
Cônjuge Pat Kavanagh (de 1979 a 2008)
Prémios Prémio Médicis ensaio (1986)

Prémio Femina estrangeiro (1992)
Prémio Man Booker (2011)

Género literário Romance, conto
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus O papagaio de Flaubert

Julian Patrick Barnes (Leicester, 19 de janeiro de 1946) é um escritor inglês. Barnes venceu o Prémio Man Booker pelo seu livro The Sense of an Ending (2011), e três dos seus livros iniciais ficaram entre os finalistas deste Prémio: Flaubert's Parrot (1984), England, England (1998), e Arthur & George (2005). Também escreveu ficção criminal sob o pseudónimo de Dan Kavanagh. Adicionalmente aos romances, Barnes publicou colectâneas de ensaios e contos.

Em 2004 tornou-se comendador (Commandeur) da Ordem das Artes e das Letras. As suas homenagens também incluem o Prémio Somerset Maugham e o Prémio de Memória Geoffrey Faber.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Barnes nasceu em Leicester, embora a sua família se tenha mudado para os subúrbios exteriores de Londres seis semanas depois.[1][2] Ambos os seus pais eram professores de Francês.[1] Afirmou que o seu apoio ao Leicester City Football Club era, desde os quatro ou cinco anos de idade, "uma maneira sentimental de permanecer ligado" à sua cidade natal.[2] Foi educado na City of London School de 1957 a 1964. Aos 10 anos de idade, a sua mãe disse-lhe que ela tinha "imaginação a mais".[1] Em 1956 a família mudou-se para Northwood, Middlesex, a 'Metroland' do seu primeiro romance.[1] Foi então frequentar a Magdalen College, Oxford, onde estudou Línguas Modernas.[3] Depois de se formar, trabalhou como léxicografo para o suplemento do Oxford English Dictionary durante três anos.[3] Seguidamente trabalhou como eviewer e editor literário para o New Statesman e o New Review.[3] Durante este tempo no New Statesman, Barnes sofreu de timidez debilitante, afirmando: "Quando estávamos nas reuniões semanais eu ficava paralisado em silêncio, e era considerado o membro mudo da equipa".[1] De 1979 a 1986 trabalhou como crítico televisivo, primeiro para o New Statesman e mais tarde para o The Observer.[3]

Prémios e homenagens[editar | editar código-fonte]

  • 2012 Europese Literatuurprijs
  • 2011 Costa Book Awards, finalista, The Sense of an Ending
  • 2011 Booker Prize, vencedor, The Sense of an Ending
  • 2011 David Cohen Prize para Literature.
  • 2008 Prémio Literário San Clemente
  • 2004 Commandeur da Ordem das Artes e das Letras
  • 2004 Austrian State Prize for European Literature [4]
  • 1985 Geoffrey Faber Memorial Prize
  • 1993 Prémio Shakespeare
  • 1992 Prémio Femina estrangeiro, vencedor, Talking It Over
  • 1986 Prémio E. M. Forster da Academia Americana da Artes e Letras
  • 1981 Prémio Somerset Maugham

Obras[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

  • Metroland (1980)
  • Before She Met Me (1982)
  • O papagaio de Flaubert - no original Flaubert's Parrot (1984) – finalista do Booker Prize
  • Staring at the Sun (1986)
  • A história do mundo em 10 capítulos e 1/2 - no original A History of the World in 10½ Chapters (1989)
  • Talking It Over (1991)
  • The Porcupine (1992)
  • Inglaterra, Inglaterra - no original England, England (1998) – finalista do Booker Prize
  • Amor & Ca - no original Love, etc (2000) – sequela de Talking it Over
  • Arthur & George (2005) – finalista do Booker Prize
  • O sentido do fim - no original The Sense of an Ending (2011) – vencedor do Booker Prize
  • O Ruído do Tempo - no original The Noise of Time[5] (2016)

Colectâneas[editar | editar código-fonte]

  • Do outro lado do canal - no original Cross Channel (1996)
  • A mesa limão - no original The Lemon Table (2004)
  • Pulse (2011)

Não-fição[editar | editar código-fonte]

  • Letters from London (Picador, London, 1995) – jornalismo do The New Yorker, ISBN 0-330-34116-2
  • Something to Declare (2002) – ensaios
  • The Pedant in the Kitchen (2003) – jornalismo sobre cozinha
  • Nada a temer - no original Nothing to Be Frightened Of (2008) – memória
  • Through the Window (2012) – 17 ensaios e um conto
  • Os níveis da vida - no original Levels of Life (2013) - memória
  • Keeping an Eye Open: Essays on Art (Outubro de 2015) – ensaios

Obras enquanto Dan Kavanagh[editar | editar código-fonte]

  • Duffy (1980)
  • Fiddle City (1981)
  • Putting the Boot In (1985)
  • Going to the Dogs (1987)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e Summerscale, Kate (1 de março de 2008). «Julian Barnes: Life as he knows it». London: Telegraph. Consultado em 10 de agosto de 2011 
  2. a b Interviewed by Denis Campbell. «My Team: Julian Barnes on Leicester City F.C.». London: The Observer. Consultado em 22 de outubro de 2011 
  3. a b c d «Julian Barnes Website: Biography of Julian Barnes». Julianbarnes.com. Consultado em 10 de agosto de 2011 
  4. «Österreichische StaatspreisträgerInnen für Europäische Literatur». Consultado em 15 de março de 2013 
  5. The Noise of Time by Julian Barnes review – how Shostakovich survived Stalin, James Lasdun, The Guardian, London, 22 January 2015.

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Peter Childs, Julian Barnes (Contemporary British Novelists), Manchester University Press (2011)
  • Sebastian Groes & Peter Childs, eds. Julian Barnes (Contemporary Critical Perspectives), Continuum (2011)
  • Vanessa Guignery & Ryan Roberts, eds. Conversations with Julian Barnes, University Press of Mississippi (2009)
  • Vanessa Guignery, The Fiction of Julian Barnes: A Reader's Guide to Essential Criticism, Palgrave Macmillan (2006)
  • Matthew Pateman, Julian Barnes: Writers and Their Work, Northcote House, (2002)
  • Bruce Sesto, Language, History, And Metanarrative In the Fiction of Julian Barnes, Peter Lang (2001)
  • Merritt Moseley, Understanding Julian Barnes, University of South Carolina Press (1997)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]