Robert Fludd

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Robert Fludd.jpg

Roberto Fludd, também conhecido como Robertus de Fluctibus (Milgate House, Thurnham, Kent, 17 de janeiro de 1574 - Londres, 8 de setembro de 1637 ) foi um médico paracelsista, alquimista, astrólogo, matemático e cosmologista inglês.

Sua vida foi fortemente ligada ao esoterismo. Estudou artes em Oxford, no Saint John the Baptist College, e medicina no College of Physicians de Londres. Morreu em 1637. Viajou pelo continente europeu por anos e depois estabeleceu-se em Londres como médico.

Escreveu uma apologia defendendo os rosa-cruzes, publicada com a intenção de ser admitido na fraternidade, mas, para seu descontentamento, não obteve resposta e ainda foi acusado de magia diabólica e de ligação com a fraternidade. O rei James I foi seu patrono, após uma conversa com ele, ocasionada por acusações de heresia. Dizem que ajudou na tradução da Bíblia. Seus trabalhos incluem tratados sobre o macrocosmo e o microcosmo, experiências alquímicas (especialmente com o trigo e com o barômetro), uma defesa do bálsamo de arma (um unguento que agia à distância, aplicado na arma que causou o ferimento), entre outros assuntos.

Ligação Religiosa[editar | editar código-fonte]

Fludd era um adepto profundamente convencido da prática médica e mágica do médico alemão, cirurgião e teólogo radical, Paracelso. Esta lealdade levou Fludd a graves conflitos com a profissão médica. Suas publicações posteriores descreviam uma prática médica, quase desprovida de fármacos, mas que dependia quase exclusivamente da oração e do uso do nome de Jesus no modelo dos primeiros apóstolos de Cristo. Essa medicina devocional foi apoiada por uma teologia derivada do ensinamento místico secreto do judaísmo, a Cabala, que Fludd empregou em uma forma cristianizada derivada das idéias do filósofo alemão Johann Reuchlin. Em seus encantamentos medicinais, Fludd usou a forma hebraica do nome de Jesus que, segundo ele, possuía maior potência mágica. Ele equiparou Jesus Cristo ao anjo cabalístico Metatron, a forma celestial do Messias judeu.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre esoterismo ou ocultismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.