Sugestão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

No campo da psicologia, a sugestão (do latim suggestione) é a influência que um indivíduo exerce sobre o poder de decisão de um ou mais indivíduos. Quando acontece sob efeito de hipnose, é chamada de sugestão hipnótica.[1]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Segundo os filólogos Oscar Bloch e Walther von Wartburg, o termo "sugestão" apresenta uma conotação pejorativa desde seu aparecimento em 1174. O termo é associado às ideias de bruxaria e de práticas diabólicas. A mesma coisa ocorre com o verbo "sugerir" aparecido no fim do Século XV. Em suas "Meditações sobre o evangelho", Jacques-Bénigne Bossuet denuncia as "sugestões do demônio". Foi necessário chegar ao meio do Século XIX para que Émile Littré notasse que a sugestão, às vezes, tem um sentido positivo.

Sugestão e Hipnose[editar | editar código-fonte]

Mencionada pelo médico James Braid a propósito da hipnose, depois por Ambroise-Auguste Liébeault, a sugestão foi, sobretudo, definida e colocada no centro do processo psicoterápico por Hippolyte Bernheim. Em 1884, Bernheim definiu-a como "ato pelo qual uma ideia é introduzida no cérebro e por ele aceita". Segundo Bernheim, Joseph Delbœuf e os outros membros da Escola de Nancy (também chamada Escola da Sugestão), é a sugestão que explica a hipnose, e não um fenômeno fisiológico qualquer.

Eles opuseram-se assim a Jean-Martin Charcot e Pierre Janet, da Escola da Salpêtrière. Nesta polêmica opondo as duas escolas, Janet declarou, em 1889: "não estou disposto a acreditar que a sugestão possa explicar tudo e, particularmente, que ela mesma possa se explicar".

Porém Janet e Bernheim estavam de acordo com a ideia segundo a qual a sugestionabilidade não era obrigatoriamente ligada à hipnose. Janet escreveu, no seu livro "O automatismo psicológico", que "a sugestionabilidade podia ser total fora do sonambulismo; e talvez pudesse estar completamente ausente num estado de sonambulismo completo". Então, Bernheim deduziu, em 1891, que a psicoterapia sugestiva atuava tão bem ou até melhor sem hipnose. Encontramos uma ideia análoga em Milton Erickson, para quem a hipnose podia muito bem ocorrer sem ritual hipnótico.

O farmacêutico Émile Coué, autor do célebre método conhecido como "método Coué", aprendeu as técnicas de sugestão de Liébeault e Bernheim em 1885.

Sugestão e Psicanálise[editar | editar código-fonte]

Na polêmica que opôs seus dois professores, Bernheim e Charcot, Sigmund Freud defendeu uma posição próxima da Escola da Salpêtrière. Em 1921, voltando a falar do assunto, ele declarou que sua resistência à tirania da sugestão levou-o a se revoltar contra o fato de que a sugestão, que explicaria tudo, não precisaria ser explicada.

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 626.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BERNHEIM, H. De la Suggestion dans l'État Hypnotique et dans l'État de Veille (Da Sugestão no Estado Hipnótico e no Estado de Vigilância), Paris, 1884 (Reedição: L'Harmattan, 2004). ISBN 2747556239
  • JANET, P. Automatisme psychologique: Essai de psychologie expérimentale sur les formes inférieures de l'activité humaine (O automatismo psicológico : Ensaio de psicologia experimental sobre as formas inferiores da atividade humana), Masson, 1889 (Reedição em 1989 a partir do texto da quarta edição). ISBN 2225818258
  • ROUSTANG, F. Elle ne le lâche plus... (Ela não o larga mais...), Minuit, 1980 ISBN 2707303194
  • ROUSTANG, F. Influence (Influência), Minuit, 1991 ISBN 2707313653
  • CHERTOK, L. Résurgence de l'hypnose ( Ressurgência da hipnose), Desclée de Brouwer, 1984
  • CUVELIER, A Hypnose et suggestion, de Ambroise-Auguste Liébeault à Émile Coué (Hipnose e sugestão, de Ambroise-Auguste Liébeault a Émile Coué), Puy Nancy, 1991, ISBN 2864802902
  • ROUSSILLON, R. Du baquet de Franz Mesmer au baquet de Sigmund Freud (Da bacia de Franz Mesmer à bacia de de Sigmund Freud) PUF, 1992 ISBN 2130441688
  • BORCH-JACOBSEN, M. Folies à plusieurs. De l'hystérie à la dépression (Loucuras múltiplas. da histeria à depressão), Empêcheurs de penser en rond, 2002
  • NEYRAUT, M. Le transfert: Etude psychanalytique (A transferência : Estudo psicanalítico), PUF, 2004 ISBN 2130548016
  • LARROQUE, M. Hypnose, suggestion et autosuggestion (Hipnose,sugestão e autossugestão), L'Harmattan, 1993.

Ligações internas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em francês, cujo título é «Suggestion».

Referências