Sérgio Jockyman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sérgio Jockymann)
Ir para: navegação, pesquisa

Sérgio Jockyman (Palmeira das Missões, 29 de abril de 1930Campinas, 16 de fevereiro de 2011) foi um jornalista, romancista, poeta e dramaturgo brasileiro.

Seu pai, um engenheiro agrônomo e farmacêutico, e sua mãe, professora primária, tiveram uma forte influência para que nele despertasse o gosto pela literatura.

Nas eleições de 1988 foi candidato derrotado à prefeitura de Porto Alegre pelo Partido Liberal. Nos últimos meses morava na casa da filha em Campinas.

Faleceu aos 80 anos de idade, no Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas, onde estava internado desde 29 de dezembro do ano anterior, para tratar uma insuficiência renal crônica. Foi cremado na cidade de São Paulo.[1].

Carreira como jornalista[editar | editar código-fonte]

Jornalista desde os 17 anos, trabalhou como comentarista nos jornais Diário de Notícias de Porto Alegre; na Companhia Jornalística Caldas Júnior, nos jornais Correio do Povo e Folha da Tarde e na rádio Guaíba AM. Seu talento foi reconhecido por ocasião da morte do então presidente Getúlio Vargas, com a publicação de um artigo intitulado "Há um homem pelas ruas", no jornal Diário de Notícias.

Foi diretor geral da Rádio Farroupilha; diretor, apresentador e produtor da antiga TV Piratini; foi comentarista na TV Difusora (atual Band RS) e na TV Gaúcha (atual RBS). Tinha um quadro diário no programa Portovisão, da TV Difusora, até 1980, quando se transferiu para o horário noturno, fazendo o comentário final, às 21h20, no programa Guaíba ao Vivo.

Retornando ao jornalismo no final dos anos 80, após o trabalho como autor de telenovelas e seriados de televisão, fundou e editou o Jornal RS, em Porto Alegre. No veículo, o destaque foi a cobertura do assassinato do jornalista e deputado estadual gaúcho José Antônio Daudt. Em geral, as matérias apresentavam hipóteses diferentes das aceitas pela polícia e Ministério Público para o caso. O trabalho lhe rendeu cartas ameaçadoras. Algumas delas, Jockyman chegou a publicar no próprio jornal.

Quando a TV Guaíba foi à falência, Sérgio Jockyman tomou as rédeas da emissora temporariamente, antes da chegada do novo dono, o empresário da soja Renato Bastos Ribeiro. Nos meses em que Jockyman dirigiu a emissora, colocou no ar muitas atrações locais, como o programa da hora do almoço Aqui e Agora, apresentado pela primeira e única nissei na televisão do Rio Grande do Sul. O Aqui e Agora tinha como cenário uma parede de fundo branca, com um logo de duas letras A em vermelho e laranja. Era composto de vários quadros de comentários e notícias, esporte, entrevistas. Logo depois, ia ao ar o programa jovem Clap Clap, apresentado por Gaio Fontela e Vanessa Barum. O programa Magda Beatriz Entrevista era produzido por Claudinho Pereira ia ao ar no início da tarde. Jockymann ainda criou e dirigiu o A Hora e A Vez do Rio Grande, de entrevistas, com José Fontela.

Jockyman também esteve atuando na Rádio Pampa.

Continuou exercendo sua profissão na mídia impressa, com a inserção de colunas diárias nos jornais do Grupo Editorial Sinos.

Carreira como escritor[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

É autor de inúmeras peças teatrais, entre as quais Caim (1955), Tutu Marambá, Boa tarde, excelência (1962), Marido, matriz e filial, e Treze, entre outras. Em 1980, sua peça teatral Spiros Stragos foi publicada pelo Ministério da Educação e Cultura e obteve o 2º lugar no IX Congresso Nacional de Dramaturgia.

Poesia, conto, romance[editar | editar código-fonte]

  • 1958 - Poemas em negro - publicado pelo Instituto Estadual do Livro (IEL)
  • 1975 - Vila Velha - volume I - coletânea de contos escritos para o jornal Correio do Povo e publicado pela Editora Garatuja
  • 1976 - Vila Velha - volume II - publicado pela mesma editora, em decorrência do sucesso da obra anterior
  • 1982 - Clô Dias & Noites - romance, publicado pela Editora L&PM
  • 2000 - Sortilégio - romance, publicado pela Editora L&PM

Televisão[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 1957 recebeu prêmio de Poesia do Ano, através de concurso literário da Divisão de Cultura de Porto Alegre.

Referências

  1. Zero Hora (16 de fevereiro de 2011). «Morre aos 80 anos o jornalista gaúcho Sérgio Jockymann». 17/02/2011. Consultado em 17 de fevereiro de 2011