Saci

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saci-pererê
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Saci (desambiguação).

O saci, também conhecido como saci-pererê, saci-cererê, matimpererê[1], matita perê, saci-saçurá e saci-trique[2][3], é um personagem bastante conhecido do folclore brasileiro. Tem sua origem presumida entre os indígenas da Região das Missões, no Sul do país, de onde teria se espalhado por todo o território brasileiro.

A figura do saci surge como um ser maléfico, como somente brincalhão ou como gracioso, conforme as versões comuns ao sul.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Três termos são importantes: "saci" é oriundo do termo tupi "sa'si"[5]. "Matimpererê" é oriundo do termo tupi "matintape're"[6]. O termo "pererê" é oriundo do termo tupi "pererek-a", que significa "ir aos saltos"[7].

Representação[editar | editar código-fonte]

O saci é um negro jovem de uma perna só, portador de uma carapuça sobre a cabeça que lhe concede poderes mágicos. Sobre este último caractere, é de notar-se que, já na mitologia romana, registrava Petrônio, no Satíricon, cujo píleo também conferia poderes ao íncubo e recompensas a quem o capturasse.[4]

Considerado uma figura brincalhona, que se diverte com os animais e pessoas, fazendo pequenas travessuras que criam dificuldades domésticas, ou assustando viajantes noturnos com seus assovios – bastante agudos e impossíveis de serem localizados. Assim é que faz tranças nos cabelos dos animais, depois de deixá-los cansados com correrias; atrapalha o trabalho das cozinheiras, fazendo-as queimar as comidas, ou ainda, colocando sal nos recipientes de açúcar ou vice-versa; ou aos viajantes se perderem nas estradas.[4] Lhe é atribuída também a capacidade de ser carregado por redemoinhos.[8]

Selo brasileiro de 1974 com a representação do Saci para divulgação das lendas brasileiras.

O mito existe pelo menos desde o fim do século XVIII ou começo do XIX.[4]

Influências históricas[editar | editar código-fonte]

Indígena[editar | editar código-fonte]

As entidades protetoras da floresta Jaci Jaterê da cosmololgia guarani e o Kambaí da cosmologia caingangue são possíveis influências na concepção do Saci.[9]

Africana[editar | editar código-fonte]

Uma lenda iorubá descreve Aroni, um gnomo de uma perna só que ensina a Oçânhim sobre o uso de ervas medicinais[10] pode ter influenciado a concepção do Saci.[11] Outros relatam Oçânhim e Anoni como a mesma entidade.[11][12]

Portuguesa[editar | editar código-fonte]

Da mitologia portuguesa, o saci herdou o píleo, um gorrinho vermelho usado pelo lendário trasgo.[13] Trasgo é um ser encantado do folclore do norte de Portugal, especialmente da região de Trás-os-Montes. Rebeldes, de pequena estatura, os trasgos usam gorros vermelhos e possuem poderes sobrenaturais.[14]

De Portugal para o Brasil veio a crença da explicação sobrenatural sobre redemoinhos, de que seriam guiados por uma "coisa ruim" e que poderiam arremessar pessoas.[4] Foi documentada essa crença no Brasil, paralelamente a crença da ligação entre o Saci e redemoinhos.[8]

Nas mídias contemporâneas[editar | editar código-fonte]

Saci-pererê, pintura em nanquim por Monteiro Lobato, do livro "O Saci-Pererê: Resultado de um Inquérito" de 1918.

O saci se tornou presente nas artes brasileiras a partir de 1917, em publicação por Monteiro Lobato em jornal de pesquisa sobre crenças sobre a figura.[15]

Literatura[editar | editar código-fonte]

O primeiro escritor a se voltar para a figura do saci-pererê foi Monteiro Lobato, que realizou uma pesquisa entre os leitores do jornal O Estado de S. Paulo. Com o título de "Mitologia Brasílica – Inquérito sobre o Saci-Pererê", Lobato colheu respostas dos leitores do jornal que narravam as versões do mito, no ano de 1917. O resultado foi a publicação, no ano seguinte, da obra O Saci-Pererê: resultado de um inquérito, primeiro livro do escritor.[15].

Mais tarde, em 1921, o autor voltaria a recorrer ao personagem, no livro O Saci, seu segundo trabalho dedicado à literatura infantil.

Histórias em quadrinhos[editar | editar código-fonte]

O quadrinista Ziraldo criou em 1958 a série de hisórias em quadrinhos A Turma do Pererê, em que o Saci contracena com o índio Tininim, a onça-pintada Galileu e outros personagens. As histórias foram originalmente publicadas na revista O Cruzeiro[16].

Saci aparece em várias histórias da Turma da Mônica de Mauricio de Sousa e em histórias brasileira dos quadrinhos Disney.[17]

Saci aparece no mangá Akuma-kun (1963–1964) de Shigeru Mizuki.[18]

Cinema e Televisão[editar | editar código-fonte]

O primeiro ator a representar o papel foi Paulo Matozinho, no filme O Saci, adaptado do livro infantil de Lobato. A produção de 1951 da Brasiliense Filmes foi dirigida por Rodolfo Nanni[19].

Na televisão, as séries que adaptaram a obra de Monteiro Lobato em 1977 e 2007 tiveram Romeu Evaristo e Fabrício Boliveira, respectivamente, interpretando o personagem. O cantor Jorge Benjor também encarnou o saci no especial Pirlimpimpim, de 1982. Em Pirlimpimpim 2, de 1984, foi a vez de Genivaldo dos Santos vestir a carapuça[20].

Na adaptação para a tevê das histórias de Ziraldo, o papel de Pererê coube a Silvio Guindane.[21]

Música[editar | editar código-fonte]

Em 1912, o compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos escreveu a marcha "Saci", quinta parte da sua suíte para piano "Petizada" (W048). A composição, assim como as outras da mesma peça, é inspirada no folclore musical brasileiro[22].

Francisco Mignone também deu o nome de "Saci" à sexta parte dos seus "Estudos Transcendentais" para piano, de 1931. [23]

O maestro Edmundo Villani-Cortes voltou a lhe dar vida em obras como "Primeira folha do diário do saci" (para piano, 1994)[24], "Terceira folha do diário de um saci" (para flauta, 1992)[25] e "Sétima folha do diário de um saci" (para contrabaixo, 1992) [26].

"Retrato do Saci-pererê" (2007) por J. Marconi

Na música popular, a primeira referência ao personagem data de 1909, ano da composição de "Saci-Pererê", de Chiquinha Gonzaga, gravada pela dupla Os Geraldos. Em 1913, foi a vez de "Saci", uma polca de J.B. Nascimento gravada pelo Sexteto da Casa. Gastão Formenti também gravou duas músicas intituladas "Saci-Pererê": uma toada de Joubert de Carvalho, em 1918 e uma canção de J. Aimberê e Bide, em 1929.

Nas décadas seguintes, outros artistas recorreram ao tema, como Arnaldo Pescuma ("Teu olhar é um Saci", de Cipó Jurandi e Décio Abramo, 1930; Conjunto Tupy ("Saci-Pererê", de J.B. Carvalho, 1932; Mário Genari Filho (a polca "Saci-Pererê", 1948); Zé Pagão & Nhô Rosa ("Saci-Pererê", de Ivani, 1949); Inhana ("Saci", baião de Antônio Bruno e Ernesto Ianhaen, 1956);

Em 1974, para acompanhar a série televisiva "Sítio do Picapau Amarelo", Guto Graça Mello compôs e gravou "Saci". No especial "Pirlimpimpim" (1982), a canção para o personagem ficou por conta de Jorge Benjor ("Saci Pererê". A terceira versão do Sítio para a tevê incluiu, na sua trilha, "Pererê Peralta (saci)", de Carlinhos Brown (2001) e "Eu vi o Saci", de Marcos Sacramento e Izak Dahora (2006).

Na música instrumental, as principais referências são o violonista Carlinhos Antunes ("Saci-Pererê", 1996), a banda Terreno Baldio (Saci-Pererê, 1977), Guilherme Lamounier ("Saci-Pererê", 1978) e o Quarteto Pererê ("Polka do Sacy" e "Liberdade Pererê", ambas no álbum "Balaio", 2010) [27]. O Quarteto Pererê já havia apresentado, em 2005, o espetáculo Saci Armorial, em que fundia a lenda com o universo literário do escritor pernambucano Ariano Suassuna [28].

Jogos[editar | editar código-fonte]

No RPG O Desafio dos Bandeirantes, o saci é uma das figuras mitológicas que podem desafiar os jogadores.[29]

Uso do nome nas ciências[editar | editar código-fonte]

"Saci evita entrar na água", de Renato Bender.

Em 2013, uma nova espécie de anfíbio anuro (Adenomera saci[30]) foi descrita do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, no estado de Goiás. O nome dado à espécie faz alusão à vocalização da espécie, que é um assobio curto e intermitente, e pela dificuldade de se observar indivíduos da espécie cantando, que podem ser elusivos, como atribuído ao saci na cultura popular: "...ele assobia para assustar e confundir os viajantes noturnos, a origem dos assobios impossível de ser localizada...".

Em 2001, uma nova espécie de dinossauro ornitísquio foi descoberta em Agudo, no Rio Grande do Sul. Como o fóssil foi encontrado sem o fêmur esquerdo, recebeu o nome de Sacisaurus agudoensis[31]

Saci Last Common Ancestor Hypothesis ("hipótese do saci como último ancestral comum") foi um termo utilizado em uma discussão primatológica para explicar por que animais da família Hominidae não sabem nadar de forma instintiva. Esta hipótese faz uma referência à mitologia do Saci Pererê como uma criatura que evita entrar na água.[32][33]

Em 1997, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais desenvolveu um microssatélite para lançamento no foguete chinês Longa Marcha 4. Ele recebeu o nome de Satélite de Aplicações Científicas e o acrônimo SACI-1. A experiência, porém, fracassou, pois o satélite, mesmo entrando em órbita, não funcionou. Seu sucessor, o SACI-2, deveria ter sido lançado em 1998, mas o foguete VLS-2 explodiu no lançamento[34][35].

Dia do Saci[editar | editar código-fonte]

Em 2005, foi instituído o Dia do Saci no Estado de São Paulo, a data também é celebrado em Vitória (Espírito Santo); Poços de Caldas e Uberaba (Minas Gerais); Fortaleza e Independência (Ceará) comemorado no dia 31 de outubro, a fim de restaurar as figuras do folclore brasileiro, em contraposição a influências folclóricas estrangeiras, como o Dia das Bruxas.[36][37]

Uso no esporte[editar | editar código-fonte]

O Saci é mascote dos clubes: Sport Club Internacional[38] e Social Futebol Clube.[39]

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 534
  2. Revista do Arquivo Municipal, Volume 24,Edição 160 -Volume 27,Edição 162 No Google Books - acessado em 29 de junho de 2017
  3. Folclore, por Gabriel Zanata No Google Books - acessado em 29 de junho de 2017
  4. a b c d e CASCUDO, Luís da Câmara, Dicionário do Folclore Brasileiro, verbete Saci
  5. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 534
  6. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. pp.1 103,1 104
  7. de Carvalho, Moacyr Ribeiro (1987). Dicionários Tupi(antigo)-Português (PDF). Salvador: [s.n.] Consultado em 17 de maio de 2019 
  8. a b Barbosa-Doiron, Maranúbia Pereira (2 de dezembro de 2010). «Ocorrências lexicais para redemoinho no falar paulista: um estudo dialetológico». Signum: Estudos da Linguagem (2): 113–130. ISSN 2237-4876. doi:10.5433/2237-4876.2010v13n2p113. Consultado em 28 de fevereiro de 2021 
  9. Martins, Bárbara (9 de novembro de 2020). «O Saci é indígena: origem parte da cultura Guarani e lendas têm grande influência africana». Hypeness (em inglês). Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  10. Prandi, J. Reginaldo (2001). Mitologia dos orixás. São Paulo, Brazil: Companhia das Letras. p. 152. OCLC 47665662 
  11. a b Rodrigues, Felipe Fanuel Xavier (2019). «Reimaginando a herança africana em contos». Matraga - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ (48): 635–653. ISSN 2446-6905. doi:10.12957/matraga.2019.42396. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  12. Jekupé, Olívio (2003). O saci verdadeiro 2a ed. rev ed. Londrina: Eduel, Editora da Universidade Estadual de Londrina. OCLC 830375350 
  13. «Mitología - Ecología - Libros. Fusión Asturias». www.fusionasturias.com (em espanhol). Janeiro de 2007. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  14. Fidalgo, Vanessa (11 de dezembro de 2016). «A aldeia dos trasgos». Correio da Manhã. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  15. a b «BLONSKI, Míriam Stella, "Saci, de Monteiro Lobato: um mito nacionalista" (tese acessada em janeiro de 2009)» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 4 de novembro de 2013 
  16. UOL Crianças Turma do Pererê, do Ziraldo, se prepara para comemorações de 50 anos
  17. «Saci-Pererê |». Inducks. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  18. Costa, Rafael Machado (20 de fevereiro de 2020). «Antes da Floresta Gegege: "Hakaba Kitarou" e o despertar do sobrenatural nos quadrinhos japoneses». Ilha Kaijuu. Consultado em 1 de março de 2021 
  19. «O Saci (1951)» (em inglês). IMDB. Consultado em 3 de junho de 2011 
  20. «Saci Pererê (charachter)» (em inglês). IMDB. Consultado em 3 de junho de 2011 
  21. «Folha Online - Ilustrada - Ator Silvio Guindane, da novela "América", é internado após acidente - 13/03/2005». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 1 de março de 2021 
  22. Heitor Villa Lobos website
  23. MARQUES,Clóvis. Review of LNT124: Francisco Mignone - Piano Music
  24. Catálogo de obras para piano de Edmundo Villani-Côrtes
  25. Celina Charlier e Edmundo Villani-Côrtes[ligação inativa]
  26. «Catálogo de obras brasileiras para contrabaixo». Consultado em 14 de junho de 2011. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2009 
  27. PAIVA, Flávio. A música e a perna do Saci Arquivado em 19 de agosto de 2014, no Wayback Machine.. Revista de Cultura Agulha nº 66, novembro/dezembro de 2008
  28. Memorial da América Latina
  29. Gomez, Raquel P. (30 de outubro de 2019). «O Desafio dos Bandeirantes – Notas para um RPG antropofágico». Punctum. Consultado em 1 de março de 2021 
  30. Carvalho, Thiago Ribeiro; Ariovaldo Antonio Giaretta (19 de agosto de 2013). «Taxonomic circumscription of Adenomera martinezi (Bokermann, 1956) (Anura: Leptodactylidae: Leptodactylinae) with the recognition of a new cryptic taxon through a bioacoustic approach». Zootaxa (em inglês). 3701 (2): 207–237. ISSN 1175-5334. doi:10.11646/zootaxa.3701.2.5 
  31. Ferigolo, J. and Langer, M.C. (2006), A Late Triassic dinosauriform from south Brazil and the origin of the ornithischian predentary bone Arquivado em 27 de agosto de 2011, no Wayback Machine., Historical Biology: A Journal of Paleobiology, p. 1-11. (em inglês)
  32. Bender, Renato; Bender, Nicole: The "Saci last common ancestor hypothesis" and a first description of swimming ability in common chimpanzees (Pan troglodytes). Palestra apresentada na 23rd annual conference of the Human Behavior and Evolution Society, 29 June – 3 July 2011, Montpellier, France.
  33. 23rd Annual Meeting of the Human Behavior and Evolution Society - Program Arquivado em 11 de julho de 2013, no Wayback Machine. (em inglês)
  34. Desenvolvimento de satélites e plataformas espaciais no INPE no período 1961-2007. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
  35. NERI, José Angelo da Costa Ferreira. Microssatélites do INPE e o Programa Espacial Brasileiro. Parcerias Estratégicas – número 7 – Outubro/1999
  36. «Dia do Saci faz 'resistência pacífica' ao Halloween para preservar mitos nacionais». www.bol.uol.com.br. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  37. «Dia do Saci: entenda a origem da resposta brasileira ao Halloween | Pop! Pop! Pop!». VEJA SÃO PAULO. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  38. «Por que o Saci-Pererê é o mascote do Internacional? | Goal.com». 31 de outubro de 2019. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  39. Mesmer, Matheus (14 de fevereiro de 2013). «Estádio do Social está vetado e time faz jogo de estreia em Itabira». globoesporte.com. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Saci
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Saci