Ariano Suassuna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ariano Suassuna Academia Brasileira de Letras
Nome completo Ariano Vilar Suassuna
Nascimento 16 de junho de 1927
Cidade da Parahyba, Paraíba
Morte 23 de julho de 2014 (87 anos)
Recife, Pernambuco
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Zélia Suassuna
Filho(s) Joaquim, Maria, Manoel, Isabel, Mariana e Ana
Alma mater Faculdade de Direito do Recife
Ocupação Dramaturgo, romancista, ensaísta e poeta
Prémios Prémio Nacional de Ficção (1973)
Magnum opus Auto da Compadecida (1955)
Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta (1971)
Religião Catolicismo
Causa da morte Parada Cardíaca
Assinatura
Ariano Suassuna signature.jpg

Ariano Vilar Suassuna (Cidade da Parahyba, 16 de junho de 1927 — Recife, 23 de julho de 2014) foi um dramaturgo, romancista, ensaísta, poeta e professor brasileiro.[1]

Idealizador do Movimento Armorial e autor das obras Auto da Compadecida e O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, foi um preeminente defensor da cultura do Nordeste do Brasil.

Foi Secretário de Cultura de Pernambuco (1994-1998) e Secretário de Assessoria do governador Eduardo Campos até abril de 2014.[2]

Biografia

Ariano Vilar Suassuna nasceu na cidade de Parahyba, atual João Pessoa, no dia 16 de junho de 1927, filho de Rita de Cássia Dantas Villar e João Suassuna.[3] Seu pai era então o presidente do estado da Paraíba.[nota 1] Ariano nasceu nas dependências do Palácio da Redenção,[5] sede do Executivo paraibano. No ano seguinte, o pai deixa o governo da Paraíba, e a família passou a morar no sertão, na Fazenda Acauã, em Sousa.[1]

Com a Revolução de 1930, João Suassuna foi assassinado por motivos políticos no Rio de Janeiro, e a família mudou-se para Taperoá, onde morou de 1933 a 1937. Nessa cidade, Ariano fez seus primeiros estudos e assistiu pela primeira vez a uma peça de mamulengos e a um desafio de viola, cujo caráter de "improvisação" seria uma das marcas registradas também da sua produção teatral.[6]

O próprio Ariano Suassuna reconhecia que o assassinato de seu pai, ocupava posição marcante em sua inquietação criadora. No discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, disse:

Posso dizer que, como escritor, eu sou, de certa forma, aquele mesmo menino que, perdendo o pai assassinado no dia 9 de outubro de 1930, passou o resto da vida tentando protestar contra sua morte através do que faço e do que escrevo, oferecendo-lhe esta precária compensação e, ao mesmo tempo, buscando recuperar sua imagem, através da lembrança, dos depoimentos dos outros, das palavras que o pai deixou.
 
Ariano Suassuna, em seu discurso de posse na Academia Brasileira de Letras, 9 de agosto de 1990.[7].

O assassinato de João Suassuna ocorreu como desdobramento da comoção posterior ao assassinato de João Pessoa, governador da Paraíba e candidato a Vice-Presidente do Brasil na chapa de Getúlio Vargas. Ariano Suassuna atribuía à família Pessoa, a encomenda do assassinato de seu pai, contratando o pistoleiro Miguel Laves de Souza, que atirou na vítima pelas costas, no Rio de Janeiro.[8] Em razão disso, não concordava com a alteração do nome da cidade onde nasceu, de "Parahyba" para "João Pessoa", em homenagem ao governador assassinado.

Formação acadêmica

A partir de 1942 passou a viver em Recife, onde terminou, em 1945, os estudos secundários no Ginásio Pernambucano, no Colégio Americano Batista e no Colégio Osvaldo Cruz. No ano seguinte ingressou na Faculdade de Direito do Recife, onde formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais, em 1950.[9]

Carreira

Ariano Suassuna estreou seus dons literários precocemente no dia 7 de outubro de 1945, quando o seu poema "Noturno" foi publicado em destaque no Jornal do Commercio do Recife.

Ariano Suassuna, 1971. Arquivo Nacional.

Na Faculdade de Direito do Recife, conheceu Hermilo Borba Filho, com quem fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça, Uma Mulher Vestida de Sol. Em 1948, sua peça Cantam as Harpas de Sião (ou O Desertor de Princesa) foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco, em em seguida Os Homens de Barro. Seguiram-se Auto de João da Cruz, de 1950, que recebeu o Prêmio Martins Pena. No mesmo ano, volta a Taperoá, para curar-se de uma doença pulmonar e lá escreve e monta a peça Torturas de um Coração.[10] Retorna a Recife onde, entre 1952 e 1956, dedica-se à advocacia e ao teatro.[6] Em 1953 escreve O Castigo da Soberba, depois vieram O Rico Avarento (1954) e o aclamado Auto da Compadecida, de 1955, que o projetou em todo o país. Em 1962, o crítico teatral Sábato Magaldi diria que a peça é "o texto mais popular do moderno teatro brasileiro". Sua obra mais conhecida, já foi montada exaustivamente por grupos de todo o país, além de ter sido adaptada para a televisão e para o cinema. Em 1956, afasta-se da advocacia e torna-se professor de Estética da Universidade Federal de Pernambuco, onde se aposentaria em 1994. Em 1957 vieram O Santo e a Porca e O Casamento Suspeitoso. Depois vieram O Homem da Vaca e o Poder da Fortuna (1958) e A Pena e a Lei (1959), premiada dez anos depois no Festival Latino-Americano de Teatro. Ainda em 1959, funda o Teatro Popular do Nordeste, também com Hermilo Borba Filho, onde monta as peças Farsa da Boa Preguiça (1960) e A Caseira e a Catarina (1962). No início dos anos 60, interrompeu sua bem-sucedida carreira de dramaturgo para dedicar-se às aulas de Estética na UFPE. Ali, em 1976, defende a tese de livre-docência A Onça Castanha e a Ilha Brasil: Uma Reflexão sobre a Cultura Brasileira.[6]

De formação calvinista e posteriormente agnóstico, converteu-se ao catolicismo, por influência de sua esposa Zélia, com quem se casou em 19 de janeiro de 1957. Estas três vertentes influenciariam sua obra de forma significativa.[9]

"... Em quase todo o meu teatro, um pouco por causa da natureza da sátira, mas também um pouco, parece, por causa da minha formação calvinista, eu passo o tempo todo julgando os outros e a mim mesmo, absolvendo ou condenando os bons e os maus.[...] Talvez no supra-moralismo do Deus dos Profetas caibam não só as vítimas, mas os chicotes, as espadas, aqueles que os empunharam e até o chefe de todos eles, o Demônio, cujo papel e cuja missão só Deus pode entender. Em suma, dentro da minha cegueira, o que acho é que Deus, para nós, é um arquejo, uma aspiração..."
 
Ariano Suassuna.[9].

Membro fundador do Conselho Federal de Cultura (1967–1973); nomeado, pelo Reitor Murilo Guimarães, diretor do Departamento de Extensão Cultural da UFPE (1969–1974). Ligado diretamente à cultura, iniciou em 1970, no Recife, o “Movimento Armorial”, interessado no desenvolvimento e no conhecimento das formas de expressão populares tradicionais. Convocou nomes expressivos da música para procurarem uma música erudita nordestina que viesse juntar-se ao movimento, lançado no Recife, em 18 de outubro de 1970, com o concerto “Três Séculos de Música Nordestina – do Barroco ao Armorial” e com uma exposição de gravura, pintura e escultura. Foi Secretário de Educação e Cultura do Recife, de 1975 a 1978 e Secretário de Cultura do Estado de Pernambuco, no Governo Miguel Arraes, de 1994 a 1998.[6]

Entre 1956 e 1976, dedicou-se à prosa de ficção, publicando História de Amor de Fernando e Isaura" (1956), O Romance d'A Pedra do Reino", o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta (1971), e História d'O Rei Degolado nas Caatingas do Sertão (1976). No mesmo ano, defende sua tese de livre-docência, intitulada A Onça Castanha e a Ilha Brasil: Uma Reflexão Sobre a Cultura Brasileira.[6] Ariano afirmava: "Você pode escrever sem erros ortográficos, mas ainda escrevendo com uma linguagem coloquial." No ano seguinte foi encenada a sua peça O Casamento Suspeitoso, em São Paulo, pela Cia. Sérgio Cardoso, e O Santo e a Porca.

Ariano Suassuna construiu em São José do Belmonte, onde ocorre a cavalgada inspirada no Romance d’A Pedra do Reino, um santuário ao ar livre, constituído de 16 esculturas de pedra, com 3,50 m de altura cada, dispostas em círculo, representando o sagrado e o profano. As três primeiras são imagens de Jesus Cristo, Nossa Senhora e São José, o padroeiro do município.[6]

Em dezembro de 2017, foi publicada sua obra inédita e póstuma A Ilumiara – Romance de Dom Pantero no Palco dos Pecadores. A organização do trabalho foi feita por sua família, reunindo os escritos que Suassuna levou seus últimos trinta anos de vida para escrever. A obra é dividida em dois volumes, O Jumento Sedutor e O Palhaço Tetrafônico e é considerada pela crítica seu "testamento literário", tendo sido finalizada pouco antes de sua morte.[11] O próprio Suassuna considerava a obra como "o livro da sua vida".

Estou acabando um romance que é o livro da minha vida. Ele é dedicado a três pessoas: Miguel Arraes, Luiz Inácio Lula da Silva e Eduardo Campos. Eu exercito três gêneros literários: romance, teatro e poesia. Mas sempre fiz isso separadamente. Nessa nova obra, estou tentando fundir o dramaturgo, o romancista e o poeta num só. Por isso a considero como minha obra definitiva.
 
Ariano Suassuna, em entrevista à revista Veja em 14 de julho de 2014, nove dias antes de sua morte.[12].

Movimento Armorial

Ver artigo principal: Movimento Armorial

Ariano foi o idealizador do Movimento Armorial em outubro de 1970, que teve como objetivo criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste Brasileiro. Tal movimento procura orientar para esse fim todas as formas de expressões artísticas: música, dança, literatura, artes plásticas, teatro, cinema, arquitetura, entre outras expressões.[6]

Reconhecimento

Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2000); Universidade Federal da Paraíba (Resolução Nº 10/2001) tendo recebido a honraria no dia 29 de junho de 2002; Universidade Federal Rural de Pernambuco (2005), Universidade de Passo Fundo (2005) e Universidade Federal do Ceará (2006) tendo recebido a honraria em 10 de junho de 2010, às vésperas de completar 83 anos. "Podia até parecer que não queria receber a honraria, mas era problemas de agenda", afirmou Ariano, referindo-se ao tempo entre a concessão e o recebimento do título.[13]

Ariano Suassuna, durante evento pró-equidade de gênero e diversidade, em Brasília, 2007.

Em 2002, Ariano Suassuna foi tema de enredo no carnaval carioca na escola de samba Império Serrano; em 2008, foi novamente tema de enredo, desta vez da escola de samba Mancha Verde no carnaval paulista. Em 2013 sua mais famosa obra, o Auto da Compadecida foi o tema da escola de samba Pérola Negra em São Paulo.

Em 2004, com o apoio da ABL, a Trinca Filmes produziu um documentário intitulado O Sertão: Mundo de Ariano Suassuna, dirigido por Douglas Machado e que foi exibido na Sala José de Alencar.

Em 2007, em homenagem aos oitenta anos do autor, a Rede Globo produziu a minissérie A Pedra do Reino, com direção e roteiro de Luiz Fernando Carvalho a partir de O Romance d'A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta.[14][15][16]

As obras de Suassuna já foram traduzidas para o inglês, francês, espanhol, alemão, holandês, italiano e polonês.[17]

Em 2011, quando Eduardo Campos, então governador de Pernambuco, foi reeleito presidente nacional do Partido Socialista Brasileiro - PSB, Ariano foi eleito presidente de honra do partido. Na oportunidade, declarou que era "um contador de história" e que encerraria sua "vida política neste cargo"[18]. Durante o mandato de Eduardo Campos no Governo de Pernambuco, Ariano Suassuna foi seu assessor especial até abril de 2014.[12][19]

Academia Pernambucana de Letras

Em 1993, foi eleito para a cadeira 18 da Academia Pernambucana de Letras, cujo patrono é o escritor Afonso Olindense.

Academia Brasileira de Letras

De 1990 até o ano de sua morte, ocupou a cadeira 32 da Academia Brasileira de Letras, cujo patrono é Manuel José de Araújo Porto Alegre, o barão de Santo Ângelo. Foi sucedido por Zuenir Ventura.[20]

Academia Paraibana de Letras

Assumiu a cadeira 35 na Academia Paraibana de Letras em 9 de outubro de 2000, cujo patrono é Raul Campelo Machado, sendo recepcionado pelo acadêmico Joacil de Brito Pereira.

Morte

Ariano morreu no dia 23 de julho de 2014 no Real Hospital Português, no Recife, vítima de uma parada cardíaca. Havia dado entrada no hospital na noite do dia 21, depois de um acidente vascular cerebral (AVC), passando por procedimento cirúrgico com colocação de dois drenos para controlar a pressão intracraniana.[21] Ele ficou em coma e respirando por ajuda de aparelhos.[22] O corpo de Ariano foi sepultado no Cemitério Morada da Paz em Paulista, Região Metropolitana do Recife em Recife em 24 de julho de 2014.[23]

Ariano Suassuna era torcedor do Sport Club do Recife.[24] O clube o homenageou, dando o nome de Taça Ariano Suassuna a um torneio amistoso internacional de futebol que promove anualmente desde 2015, durante a sua pré-temporada.

Obras

Obras selecionadas

  • Uma mulher vestida de Sol (1947)
  • Cantam as harpas de Sião ou O desertor de Princesa (1948)
  • Os homens de barro (1949)
  • Auto de João da Cruz (1950)
  • Torturas de um coração (1950)
  • O arco desolado (1952)
  • O castigo da soberba (1953)
  • O Rico Avarento (1954)
  • Auto da Compadecida (1955)
  • O casamento suspeitoso (1957)
  • O santo e a porca (1957)
  • O homem da vaca e o poder da fortuna (1958)
  • A pena e a lei (1959)
  • Farsa da boa preguiça (1960)
  • A Caseira e a Catarina (1962)
  • As conchambranças de Quaderna (1987)
  • Fernando e Isaura (1956, inédito até 1994)

Romance

Poesia

  • O pasto incendiado (1945-1970)
  • Ode, (1955)
  • Sonetos com mote alheio (1980)
  • Sonetos de Albano Cervonegro (1985)
  • Poemas (antologia) (1999)
  • Os homens de barro (1949)

Ver também

Notas e referências

Notas

  1. O cargo de presidente de estado passou a ser denominado governador de estado, a partir de 1947.[4]

Referências

  1. a b «Ariano Suassuna». Enciclopédia da Itaú Cultural da Literatura Brasileira. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  2. http://www.pe.gov.br/secretarias/secretaria-de-assessoria-ao-governador
  3. Portal da Cidade de João Pessoa
  4. «Governador». Mundo Educação. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2018 
  5. «Releituras - Ariano Suassuna». Arquivado do original em 25 de dezembro de 2007 
  6. a b c d e f g «Ariano Suassuna». Acervo O Estado de S.Paulo. O Estado de S.Paulo. Consultado em 24 de março de 2018.. Cópia arquivada em 17 de junho de 2017 
  7. «Ariano Suassuna – Discurso de posse». Academia Brasileira de Letras. 9 de agosto de 1990. Consultado em 25 de janeiro de 2018.. Arquivado do original em 15 de outubro de 2014 
  8. «ABL. Murilo Melo Filho. Textos escolhidos.». Arquivado do original em 28 de outubro de 2010 
  9. a b c Gilbraz Aragão (10 de maio de 2004). «Literatura e Religião na Obra de Ariano». Unicap. Consultado em 8 de dezembro de 2017.. Arquivado do original em 30 de abril de 2010 
  10. Mateus Araújo (14 de dezembro de 2014). «Ariano Suassuna é um Sertão perene». Jornal do Commercio. Consultado em 24 de março de 2018.. Cópia arquivada em 24 de março de 2018 
  11. Valentine Herold (5 de dezembro de 2017). «Livro inédito de Ariano Suassuna é lançado esta semana no Recife». JConLine. Consultado em 8 de dezembro de 2017.. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2017 
  12. a b Kalleo Coura (23 de julho de 2014). «Ariano Suassuna estava escrevendo 'o livro da sua vida'». Revista Veja. Consultado em 8 de dezembro de 2017.. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2017 
  13. Suassuna é ´Honoris Causa´
  14. «O Brasil de Quaderna para milhões». IstoÉ Gente 
  15. «Aula-espetáculo de Ariano Suassuna abre evento em sua homenagem» 
  16. Maurício Stycer (19 de junho de 2017). «Tributo de Bial a Suassuna chama atenção por ausência de ex-diretor da Globo». UOL. Consultado em 21 de junho de 2017. 
  17. «Ariano Suassuna para o Nobel». Estadão. 16 de maio de 2012. Consultado em 25 de janeiro de 2018. 
  18. Iolando Lourenço (3 de dezembro de 2011). «Eduardo Campos é reeleito presidente nacional do PSB». Agência Brasil. Consultado em 30 de agosto de 2017.. Arquivado do original em 21 de agosto de 2014 
  19. «PSB relembra Ariano Suassuna». Portal PSB Notícias. 22 de julho de 2015. Consultado em 8 de dezembro de 2017.. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2017 
  20. «Ferreira Gullar, Evaldo Mello e Zuenir Ventura ocupam as cadeiras vagas na ABL». ribuna do Norte. 1 de agosto de 2014. Consultado em 1 de abril de 2017. 
  21. Morre aos 87 anos o escritor Ariano Suassuna, o cavaleiro do sertão
  22. Ariano Suassuna está em coma e respira com ajuda de aparelhos
  23. Após 16 horas de velório e desfile em carro aberto, Ariano é enterrado
  24. Meu Jogo Inesquecível: o Timão na trilha do Sport de Ariano Suassuna

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Precedido por
Genolino Amado
Olivenkranz.png ABL - sexto acadêmico da cadeira 32
1990 — 2014
Sucedido por
Zuenir Ventura
Precedido por
Odilon Ribeiro Coutinho
Academia Paraibana de Letras - cadeira 35
2000 — 2014
Sucedido por
Precedido por
José Lourenço de Lima
Academia Pernambucana de Letras - cadeira 18
1993 — 2014
Sucedido por